História Cinquenta Tons de Incesto - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Dakota Johnson, Ian Somerhalder
Personagens Anastasia Steele, Christian Grey, Dakota Johnson, Ian Somerhalder, Jason Taylor, Personagens Originais
Tags Anastásia, Christian Grey, Cinquenta Tons De Cinza, Drama, Ian Somerhalder, Incesto, Jamie Dornan, Romance, Sexo
Exibições 358
Palavras 3.377
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Hentai, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Mais um capítulo para vocês 😘

Capítulo 34 - Recuperação


Uma semana depois:

Ana estava se sentindo bem melhor do que nos outros dias, sinceramente, ela só queria ver Christian. Não sabe quanto tempo passou dormindo ou dentro desse hospital, ela vivia acordando para comer e ia dormir novamente, nem dava tempo de falar com sua família. Mas ela só quer saber quem foi os dois homens que a atropelaram e fugiram.

Ela abre os olhos e as luzes do local a cegam momentaneamente, mas logo passa e ela consegue focar nas imagens ao seu redor. Como uma poltrona preta e uma mesinha ao seu lado com uma jarra de água em cima. Ana sente sua garganta muito seca e se senta na cama meio desconfortável. Quando ela estica a sua mão para pegar o copo, ela escuta a porta se abrindo.

— Ana? – Christian pergunta e Ana vira o rosto para ele e dá um sorriso.

— Oi – Ela diz tímida.

— Finalmente você acordou, baby, fiquei tão preocupado com você – Ele diz andando até ela e segurando o rosto pequeno de Ana em suas mãos grandes e encosta a testa na testa dela e os lábios a centímetros de se encontrarem e as respirações se misturando.

— Mas agora eu estou bem – Ela diz e Christian sorri. A maçaneta da porta se vira e Christian se afasta rapidamente de Ana e Elliot entra no quarto.

Ana desvia os olhos do loiro. Afinal, ela está muito triste com Elliot, ele não deixou nenhum dos dois se explicarem sobre o ocorrido no apartamento dela.

— Ana, graças à Deus – Elliot diz e abraça Ana pelos ombros e Christian cerra a mandíbula com certa raiva. A alguns dias atrás estava gritando com Ana e agora é isso - Ana e... Christian... eu queria pedir desculpas pelo o que eu fiz, foi extremamente ridículo e eu devia ter escutado vocês, mas eu fiquei tão fora de mim que esqueci completamente de me manter racional... eu entendo o... amor de vocês, quando você teve uma parada cardíaca, Christian ficou louco e foi aí que eu percebi que ele realmente te ama, Ana, mas vocês sabem que vão ter que contar para nossos pais mais cedo ou mais tarde não é? – Elliot diz isso e Ana fica extremamente surpresa com o que Elliot contou.

Christian ficou louco? 

Ana sente seu coração bater mais forte com o pensamento de ter que revelar tudo para Grace e Carrick.

— Tudo bem, Elliot – Ana diz se esticando novamente para pegar o copo. Christian a empurra delicadamente pelo ombro  colocando ela deitada na cama e faz uma cara de repreensão e pega a jarra de água e coloca o líquido no copo e oferece a ela que pega e leva aos lábios e bebe rapidamente e respira fundo.

— Vou chamar Grace – Elliot diz e os dois assentem.
Assim que Elliot saí do quarto, Christian se senta ao lado de Ana e a encara.

— Devemos contar para eles, mas tenho medo da reação dos dois – Ana diz e Christian assente e acaricia ela na bochecha e dá um selinho demorado na boca vermelha da mais nova e Ana sorri.

— O que aconteceu naquela noite? – Christian pergunta e Ana respira fundo.

— Bom, eu precisei sair para poder respirar ar puro e pensar, mas quando eu ia atravessar a rua, um carro preto veio em alta velocidade em minha direção e me atropelou, eu vi dois homens saírem do carro e um deles veio até mim e me analisou e o segundo começou a apressar ele e os dois voltaram para o carro e foram embora – Ana resume tudo e Christian a encara e a raiva vai tomando aos poucos sua expressão.

— Eu vou colocar aqueles filhos da puta na cadeia e nem quero saber – Christian diz.

— Christian? – Ana o chama e ele a encara suavemente.

— Sim, baby? – Ele pergunta carinhosamente.

— Eu... eu acho que foi armação – Ana diz e Christian franze o cenho.

— Como assim? – Ele pergunta sério.

— Eles falaram "ela vai morrer, temos que ir, já ganhamos nossa grana" – Ana conta a ele.

Christian se levanta abruptamente da cama e começa a andar de um lado pro outro pelo quarto do hospital. Ele pega o celular e o leva até o ouvido.

— Quero que pegue as gravações da rua em que Ana foi atropelada e descubra a placa do carro e quem estava dirigindo e descubra mais sobre esses filhos da puta, quero saber tudo sobre eles o mais rápido possível – Christian diz com raiva e desliga sem nem dizer “obrigado“.

Ana o observa atenta a todos os movimentos, ele parecia um felino enjaulado andando de um lado pro outro como fazia agora.

A porta se abre e Grace, Carrick e Elliot entram no quarto.

— Ah minha filha – Grace corre até Ana com os olhos cheios de lágrimas e a abraça.

— Oi, mãe – Ana diz sorrindo.

— Ficamos tão preocupados com você – Carrick diz atrás de Grace e assim que ela para de abraçar Ana, Carrick a abraça com carinho e Ana se aconchega ali nos braços quentes de Carrick, Ana o ama muito. Com certeza perder esse carinho dele vai ser muito difícil. Vai ser insuportável.

— Desculpa – Ana diz e Christian para de andar de lá pra cá.

— Você não tem culpa – Ele diz, quase ríspido.

— Christian está certo, não foi culpa sua, querida – Grace diz.

— Quando vou poder sair daqui? – Ana pergunta.

— Ah, meu amor, isso depende do seu estado, mas o mínimo com certeza é uma semana – Grace diz e Ana suspira chateada.

— Ah, Kate e José apareceram? – Ana pergunta olhando pra baixo.

— Sim – Elliot diz e Christian faz uma cara de poucos amigos quando falam de Kate e José.

— Eles estão aqui? – Ana pergunta ainda olhando para suas mãos que descansam em seu colo.

— Não – Elliot diz meio hesitante.

— Bom – Ana responde se ajeitando na cama.

— Posso falar com Ana em particular? – Elliot pede para a família.

Grace e Carrick assentem e saem.

— Não – Christian fala e se põem ao lado de Ana.

— Christian, por favor – Elliot pede.

Ana segura a mão de Christian e ele a encara e Ana assente e dá um sorriso pra ele e Christian de mal gosto sai e bate o ombro contra o ombro de Elliot de proposito e fecha a porta do quarto.

Ana encara o irmão.

— Eu sei que já pedi desculpas, mas Kate e José apareceram aqui preocupados com você, eles te amam demais, Ana... – Ele começa a diz e Ana vira o rosto.

— Me amam tanto que não apoiaram minha decisão, sendo que eles disseram que estariam lá por mim, você não precisa ficar aqui defendendo eles – Ana diz e Elliot franze a testa confuso.

— Como assim? - Ele pergunta.

— Elliot, tem muita coisa que aconteceu que você não sabe, muitas coisas que aconteceram comigo e com Christian, mas eu não vou contar, prefiro que só... acabe logo isso, você me magoou muito naquele dia, você me quase me chamou de vadia, Elliot, mas eu te amo, como meu irmão mais velho, mas você tem que entender que o que eu sinto pelo Christian é diferente pelo o que eu sinto por você, é mais grandioso e... simplesmente maravilhoso, acho que você sente a mesma coisa pela Kate – Ana diz e Elliot apenas escuta calado e no final da fala de Ana ele dá um sorriso e a encara e assente.

— Eu sei que fui babaca – Ele diz.

— Realmente você foi um babaca, Lelliot – Ana diz sorrindo e Elliot revira os olhos e caminha até Ana e a abraça e desarruma o cabelo castanho dela com a mão e Ana da um tapinha nele, que ri.

Depois de Elliot terminar de falar com Ana, ele sai e Christian entra no quarto e se senta ao lado dela e aproxima o rosto da mais nova e deposita um selinho, mas Ana morde o lábio inferior de Christian e ele solta um rosnado de aviso e Ana dá uma risadinha e ele aprofunda o beijo. Ana puxa o rosto dele pra mais perto e Christian morde o lábio de Ana.

Eles não escutam a porta do quarto ser aberta e nem quando Grace e Carrick entram no quarto.

Christian tentou se separar mas já era tarde demais, Grace já tinha visto tudo e estava surpresa. Carrick não tinha nenhuma expressão. Ana simplesmente estava com o coração acelerado e dava para escutar pelo barulho do dispositivo que media seus batimentos acelerando. Sim, ela estava com medo, mas ao mesmo tempo queria que tudo fosse resolvido agora. Não tinham mais o que esconder, Carrick e Grace tinham pegado eles no flagra.

— C-Christian? A-Ana? –Grace falou gaguejando.

— Mãe – Ana disse respirando fundo e tentando fazer o coração parar de bater tanto. Aquele barulho irritava.

Antes que qualquer um dizer mais alguma coisa, a médica entra no quarto e não liga para o clima tenso do ambiente.

— Srta Grey, está na hora de descansar, se tudo der certo poderá ir embora no começo da semana seguinte – A mulher diz e ninguém se mexe, só Ana que se arruma na cama e a médica aplica a medicação fazendo Ana dormir em seguida.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Na semana seguinte:

Ana já tinha acordado e visto Christian entrar no quarto com seu terno cinza, ele realmente é lindo e ela nunca iria se acostumar com isso, nunca mesmo. Christian dá um sorriso e um beijo na testa de Ana.

— Você recebeu alta, meu amor – Ele diz e Ana se anima e sorri, principalmente porque ele a chamou de "meu amor".

— Finalmente, não aguento mais ficar aqui, quero ir para casa – Ana diz fazendo bico e Christian dá um pequeno sorriso.

— Você vai ficar no Escala, junto comigo, não quero que volte para aquele apartamento, principalmente para perto daqueles seus amigos – Christian diz rosnando.

Ana o encara e aperta a mão dele.

— Mas aquela é minha casa preciso ficar Christian, todas minhas coisas estão lá – Ana diz.

— Podemos trazer suas coisas para o Escala, mas por enquanto você irá ficar no meu apartamento, quero você perto de mim... – Christian diz ficando mais próximo da cama onde Ana está.

— Christian... – Ana começa a argumentar, mas Christian a interrompe.

— Ana, você não sabe o quanto eu enlouqueci quando soube que você tinha sido atropelada, eu entrei em pânico, eu me culpei por não ter ficado do seu lado, Ana, eu amo você, me deixe cuidar de você agora – Christian diz sentando na cama e segurando a mão delicada dela. Ana sorri docemente para ele e assente.

— Tudo bem, meu amor, se você tivesse aqui nessa cama eu já teria arrancado meus cabelos de tão preocupada eu estaria com você – Ana diz e dá um selinho em Christian – Mas... o que Grace falou com você ontem, depois deles terem pegado nos dois? – Ana pergunta olhando receosa para Christian.

Christian respira fundo e nega com a cabeça.

— Eles querem conversar com a gente mais tarde, eles vão para o Escala – Christian diz e Ana assente e já sente o nervosismo tomar seu corpo e suas mãos tremem um pouco e Christian sente – Ei, não precisa ficar nervosa, independente do que eles falarem, ainda vamos ficar juntos – Christian diz e Ana o abraça com força.

Ele a abraça de volta e seus braços fortes circundam a cintura fina e macia da mais nova. Ana enterra o rosto no pescoço de Christian e respira o delicioso perfume dele e isso a faz ficar mais calma, ele é um verdadeiro calmante para ela.

— Eu amo você – Ana diz isso e Christian a puxa para mais perto de seu corpo forte.

— Eu também amo você, Anastasia – Ele diz.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana já estava de pé e já vestida com a roupa que Christian trouxe. Ela tinha tomado um banho rápido e seu cabelo estava muito cheio de nó e ela teve que pentear com os dedos e prender em um coque alto e bem apertado para não se soltar. Assim que terminou de seu arrumar, ela ficou sentada na cama esperando Christian.

Se passaram no máximo uns 20 minutos e Christian entra no quarto com um papel na mão. A alta dela.

— Pronta? – Ele pergunta e Ana assente e pega a bolsa dela.

Christian enlaça a cintura de Ana com o braço e vai guiando ela pelos corredores e elevador. Ele está com medo de que ela caia ou desmaie, não quer que nada aconteça com ela.

— Christian, você sabe que eu não vou cair desmaiada não é? – Ana pergunta enquanto os dois caminham em direção estacionamento.

— Sim, mas não quero pagar pra ver, vou cuidar melhor de você, Ana – Ele diz e Ana para de caminhar.

— Christian, você cuida muito bem de mim, bem até demais mas a culpa dessa vez foi minha, se eu não tivesse saído eu não estaria aqui, não foi culpa sua – Ana diz e o abraça.

— Ana, vamos – Ele diz com o rosto se expressão.

Ana acha isso muito estranho e o analisa, ele deve saber de alguma coisa, só não quer contar.

— Tudo bem – Ela assente e os dois entram no Audi.
— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian estava no seu quarto enquanto Ana tomava banho, ele estava em completo silêncio, porque se acontecesse algo no banheiro ele correria lá para dentro e foi o que aconteceu.

Christian ouviu um barulho vindo lá de dentro, algo bateu no box do banheiro. Ele nem parou para pensar e pulou da cama e arrombou a porta do banheiro e viu Ana nua de costas para ele. Ana com o susto de Christian entrando no banheiro se virou para ele com os olhos arregalados.

— Christian! – Ana exclama assustada.

— Ouvi algo batendo aqui, pensei que você tivesse caído – Ele diz lutando para que os olhos permaneçam no rosto de Ana.

— Não, eu apenas bati meu cotovelo no box, esta tudo bem – Ana diz sorrindo – Eu me sinto bem, se não me sentisse avisaria a você – Ela diz entrando de baixo do chuveiro e virando de costas para ele novamente e balançando os cabelos longos para retirar o shampoo.

Christian deixa seus olhos deslizarem pelo corpo da mais nova. Os cabelos castanhos batendo um pouco a cima da cintura, os quadris largos, as nádegas durinhas e cheias. Christian se sentia muito excitado, seu membro está pulsando dentro de sua calça, mas ele não pode tocar nela ainda, Ana acabou de sair do hospital. Ele ficava repetindo isso para si mesmo. Mas manter o controle perto dela é algo quase impossível. Ana se vira para ele e Christian encara os seios de Ana, os mamilos rosados e empinados estão apontando para seu rosto e ele passa a língua no lábio inferior, ele que colocar a boca lá. Ana desliga o chuveiro.

— Poderia pegar minha toalha, por favor? – Ana pergunta torcendo seu cabelo retirando o excesso de água.

— Claro – Christian diz e ele estende a toalha para ela. Ana pega a toalha e se enrola nela e Christian segura a mão dela para ajudá-la a sair do box.

— Obrigada – Ana diz sorrindo.

— Vou esperar você lá no quarto – Ele diz e sai do banheiro e fecha a porta. Assim que se vê sozinho, passa a mão no rosto e respira fundo. A sua ereção ainda está grande em seu calça. Christian sai do quarto e vai até o quarto destinado para submissas e entra no banheiro, fecha a porta, retira sua roupa, entra no box e liga o chuveiro e a água atinge sua pele quente, nem a água gelada consegue aliviar sua excitação. Christian encosta a cabeça no azulejo frio do banheiro e desce a mão até seu membro e o acaricia e solta um suspiro pesado.

As imagens de Ana no banheiro voltam a sua mente e ele começa a estocar na própria mão com força e rapidez. Ele o aperta e rosna quando a imagem dos seios brancos e os mamilos rosados aparecem em sua mente e os lábios rosados dela. Christian fica ali se masturbando até que chega ao clímax se derramando em sua mão, o líquido sai com força e Christian morde o lábio com força para não deixar sair um gemido alto de prazer. Depois de se recuperar, ele toma um banho e sai do box e enrola a toalha na cintura e volta para o quarto e encontra Ana já vestida sentada na cama mexendo no celular. Ela ergue o olhar e o encara de cima a baixo.

— Grace, disse que daqui a pouco está chegando – Ana diz e Christian assente e caminha até o closet e se veste, uma calça preta com uma blusa branca fina.

— Não fique nervosa – Christian diz e Ana se deita de bruços e o encarar.

— Você sabe que isso é impossível, eu tenho medo deles nos odiar – Ana diz e fecha os olhos e quando abre, Christian está deitado ao seu lado a encarando. Ele passa a mão no rosto delicado de Ana e ela fecha os olhos novamente.

— Vai dar tudo certo, eu prometo – Ele diz e Ana se aproxima mais dele e se aconchega nos braços do mais velho.

— Christian posso perguntar uma coisa? – Ela pede.

— Claro.

— Você estava se masturbando no banheiro? - Ana pergunta e Christian pode notar que ela está com um sorriso sacana no rosto. Ele rosna e Ana solta uma risadinha.

— Como sabe? – Ele pergunta.

— Eu ouvi seu barulho e isso me deixou completamente excitada – Ana diz o abraçando e Christian passa as mãos pelas costas de Ana.

— Não posso tocar em você até que esteja boa, por mais que eu tenha muita vontade de fazer – Ele diz e Ana faz bico.

— Eu não estou impossibilitada, Christian, eu já estou boa, se não tivesse ainda estaria no hospital – Ana diz e beija o pescoço de Christian e deixando leves chupões no local.

— Ana... – Christian a chama em um tom de aviso, mas a mais nova não dá atenção e volta a beijá-lo e até que chega nos lábios dele. Ela o encara com os olhos cheios de desejo e o beija delicadamente primeiro depois os dois já estão se agarrando com força. Christian fica por cima de Ana e levanta a blusa vermelha dela e encara o sutiã e puxa o bojo para baixo e encara o seio direito nu e passa a língua no mamilo que em seguida já está empinado e Ana solta um gemido arrastado. Christian desce a boca até chegar bem perto do mamilo e o suga com força e o morde devagar e Ana geme mais alto.

— Oh Christian – Ela diz passando a mão pelos cabelos acobreados dele. 

Assim que ele vai passar para o outro seio, eles escutam conversas lá em baixo.

— Eles chegaram – Ana diz com uma voz triste e Christian rosna em total frustração.

— Vamos lá – Ana sai de baixo de Christian e arruma a roupa e o cabelo e puxa Christian pela mão.

Pelo menos a calça de Christian é mais solta e dá para disfarçar a ereção dele — Ana pensa e dá um sorriso sapeca

Assim que os dois descem as escadas, vêem Grace e Carrick na sala os encarando sérios.

Seja o que Deus quiser agora.
 


Notas Finais


Torcendo muito pelo casal. Gostaram?

Muito obrigada pelos favoritos, já estamos com 500 e poucos, a fic está subindo cada vez mais e sendo mais conhecida, continuem com os fav 💖

Os comentários são os que eu mais amo, vocês são demais, muito obrigada 💗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...