História Cinza é a Cor Mais Quente - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inazuma Eleven (Super Onze)
Personagens Aki Kino, Endou Mamoru, Fideo Ardena, Fudou Akio, Fuyuka Kudou, Haruna Otonashi, Ichinose Kazuya, Kia Hiroto, Kidou Yuuto, Midorikawa Ryuuji, Natsumi Endo, Shirou Fubuki, Shuuya Goenji, Tachimukai Yuuki, Tobitaka Seiya, Tsunami Jousuke, Utsunomiya Toramaru
Tags Aki Kino, Aki X Haruna, Akio Fudo, Ardena Fideo, Endo X Tachimukai, Endomukai, Entachim, Fideo X Handa, Fubuki X Goenji, Fudo X Kido, Fuyuka Kudo, Fuyuka X Natsumi, Goenbuki, Goenfubu, Goufubu, Haruna Otonashi, Hiromido, Hiroto Kiyama, Hiroto X Midorikawa, Ichinose X Lika, Josuke Tsunami, Kazuya Ichinose, Lika Urabe, Natsumi Raimon, Ryuji Midorikawa, Satoru Endo, Seiya Tobitaka, Shinishi Handa, Shiro Fubuki, Shuya Goenji, Tobitaka X Toramaru, Tobitora, Toko X Tsunami, Toko Zaizen, Toramaru Utsunomiya, Toratobi, Tsutoko, Yuki Tachimukai, Yuto Kido
Visualizações 83
Palavras 6.435
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom dia, boa tarde ou boa noite, dependendo do horário de que estiverem lendo! Estou aqui com um novo capítulo e desculpem a demora mas eu andei meio ocupado... E obrigado pelos comentários e os favoritos (que por acaso eu sempre confiro umas 10 vezes por dia). E pelo visto estão gostando de tudo, mas eu estou até sem palavras para dizer então lá vai o próximo capítulo, pelo qual vocês esperaram dias. E hoje tem uma treta da Natsumi.

Capítulo 4 - Novos Problemas!


Fanfic / Fanfiction Cinza é a Cor Mais Quente - Capítulo 4 - Novos Problemas!

Kido POV

Caralho! Como ele é gostoso, Fudo e eu nos levantamos e ele me empurrou na parede do elevador, novamente demos um beijo voraz e cheio de luxúria, que exigiu bastante de nós. Fudo tirou meu óculos e jogou em nossas roupas e ficou olhando de um jeito pervertido para mim, apesar de tudo, eu gostava.

"Sempre quis ficar olhando por um longo tempo esses olhos vermelhos, às vezes eu batia uma só pensando em você enquanto eu te fodia e você me olhava com essa cara de safado" Fudo falou e eu arrepiei, de um jeito bom, era tudo o que eu queria, mas no elevador não era o que eu planejava, transar em local público...

Fudo passava sua boca pelo meu abdômen até minha boca e apalpava meu corpo apenas para me provocar, ele passa suas mãos nas minhas costas enquanto roçávamos nossos membros e ele lambia meu pescoço, meu corpo ficava quente de prazer.

"Vamos fazer logo!" Disse ofegante e ele fez aquela típica e puta cara de safado, se eu puder, um passo um dia transando com ele.

Fudo esfregou seu membro duro no meu e eu gemi de prazer.

"Segure-se em mim" Fudo falou e eu obedeci aquele pedido estranho, agarrei forte seus ombros e sem falar mais nada, ele puxa minhas pernas para cima e eu entrelaço elas ao seu redor, sem me desgrudar, ele posiciona seu membro na minha entrada e vai empurrando vagarosamente dentro de mim.

"Au! Filho da puta! Pensa que é o rabo da tua mãe que aguenta isso? Ninguém mandou ter o pau grande!" Esbravejei enquanto ele ficou me encarando. Mas eu tinha razão nossos membros eram do mesmo tamanho só que o dele era um pouco mais grosso.

"Eu não ligo, eu quero você, quero ficar dentro de você" Disse ele empurrando um pouco mais e eu gemi em desaprovação.

"Espera! Tenho uma posição melhor" Digo e ele me solta enquanto eu agradeço por ter parado.

"Posição? Estou interessado" Ele me diz fazendo cara de pervertido e aponto para o chão e ele logo entende.

Fudo senta-se no chão abrindo bem as pernas dando destaque para sua coxas malhadas, seu membro pulsando violentamente querendo minha bunda e sua entrada que era meu pênis que queria.

Fiquei em cima de Fudo e posicionei seu membro em minha entrada e fui o empurrando, se não tivéssemos com pressa e eu ter dado umas chupadas naquele pedaço de mau caminho, não teria doído tanto, mas doeu.

Fudo abriu minha bunda, segurava forte minhas nádegas com o intuito de abrir-me mais, sentia seu pênis latejar dentro de mim e nós dois fazíamos um grande esforço até que finalmente que seu membro entrou em mim e eu gemi aliviado, mas a dor continuava.

Fudo puxou meu rosto contra o seu e me beijou. Fudo pediu passagem com sua língua e eu sedi para que ele explorasse cada canto da minha boca, ele realmente levou ao pé da letra. Fudo dava sempre um jeito de encaixar sua língua por várias partes da minha boca, mas ele preferia ficar chupando minha língua, isso porque arrancava gemidos altos meus. Espero que ninguém esteja ouvindo isso.

Fudo parou de me beijar e eu pude recuperar o ar que havia perdido por sua causa, mas ele não perdia tempo. Fudo mordeu meu queixo e levou sua boca até meu pescoço, onde ele dava mordidas, beijos, lambidas e chupões que me faziam gemer e urrar de prazer enquanto ele se deliciava com o gosto salgado de minha pele e meus barulhos.

"Geme mais eu vou gozar nessa sua bundinha logo. Agora você é meu Yuto Kido, meu, só meu, fique ciente disso" Fudo falou sedutoramente em meio aos meus gemidos.

"Eu sou seu" Respondo ofegante e ele sorri satisfeito.

Fudo leva sua boca até meu peitoral e coloca meu mamilo em sua boca, que gostoso! Em nenhuma transa minha alguém havia colocado a boca em meu peito, é uma delícia! Fudo lambia meu mamilo direito enquanto massageava o esquerdo e como se já não bastasse ele usava a mão livre para masturbar meu membro.

Com a masturbação e as sugadas que ele dava em meu peitoral, eu nem sabia mais o motivo de gemer, se era pela masturbação ou era pelas sugadas, não! Era pelo Fudo! Acabei gozando em seu peitoral e ele sorriu.

"Vamos logo acabar com isso" Fudo falou e eu assentiu. Fiz os movimentos para cima e para baixo devagar e do nada, aconteceu... O elevador continuou subindo.

Nos encaramos visivelmente desesperados e fomos obrigados a nos soltarmos. Fudo e eu estávamos desesperados e fomos puxando qualquer roupa que vinha pela frente, enquanto isso o elevador subia até o nosso andar.

"Vai mais rápido estamos passando do terceiro andar!" Gritei desesperado.

"Puta merda! Logo agora que você havia gozado!" Fudo disse irritado enquanto limpava o peitoral com a cueca. Que nenhum de nós havia lembrado de vestir.

A porta do elevador se abriu e vimos duas figuras já conhecidas, Endo e Tachimukai.

Ficamos em silêncio enquanto que Tachimukai e Endo parecia estarem rindo e ao nos olharem, eles ficaram indiferentes, por favor que eles não pensem besteira, apesar de estarmos fazendo besteira!

"Vocês estavam transando no elevador?" Endo perguntou, puta merda! Eu e Fudo coramos, ainda bem que Tachimukai também, mas o motivo dele é porque ele gosta do Endo e provavelmente pensou em sexo com o Endo.

"Não seu burro. Por que pensou isso?" Fudo disse secamente.

"Porque vocês estão suados, o Fudo tem uma cueca na mão que parece estar suja de esperma, dá para ver que nenhum usa cueca, que seus membros estão duros e vocês estão agindo estranhos desde que ficaram sozinhos no quarto" Endo respondeu apontando as provas de nosso quase sexo.

"E vocês estão usando a camisa um do outro" Tachimukai apontou e só então percebemos a verdade. Foi o primeiro e único momento que vi Fudo mais nervoso do que eu.

Tachimukai e Endo nos olharam fazendo cara de safados, mas agora já era.

"Não teve nada entre nós! E nunca vai ter, eu odeio o Kido!" Fudo falou ríspido assustando Endo, Tachimukai e infelizmente a mim também. Saí do elevador enquanto que Fudo correu, Endo e Tachimukai entraram trocando olhares curiosos e eu fiquei lá parado, vendo Fudo sumir no corredor e os rapazes saírem.

Nem sei o que me dominava, por que o Fudo não assumiu que gostava de mim? Por que ele não falou a verdade? Por que? Sei lá agora o que sinto, mas eu amo ele, mas tenho ódio!

Preciso tomar satisfações mas antes preciso saber o que está acontecendo antes de dar uns tapas no Fudo. Ele tem vergonha de mim? Quer que esconder o nosso namoro? Mas por que?

Ficar aqui parado apenas perguntando, não vou conseguir resposta nenhuma. Mais ele vai ver! Só espero que o Fubuki esteja com mais sorte com o Goenji do que eu com o Fudo.

Fubuki POV

Continuava no banco de trás do carro enquanto Goenji dirigia em direção da universidade.

"Quer alguma coisa? Água? Algum remédio? Não parece bem" Ele disse preocupado. Agora ele está preocupado? Se ele me oferecesse uma água com aldicarbe eu tomaria, assim não teria mais problemas.

"Só quero que me leve para a universidade" Respondo secamente e posso notar pelo retrovisor que ele não gostou da minha resposta.

Ótimo!

A viagem continuou por mais um minuto e finalmente chegamos, vi que já eram quase 13:00 horas. E agora eu me lembrei que Goenji mora aqui também.

"Fubuki!" Goenji gritou lá do carro mas eu fingi que não ouvi e continuei andando, é primeira vez na vida que sou teimoso. E do jeito insuportável que Goenji é, eu sei que ele está mais bravo comigo do que eu com ele.

***

Cheguei até o corredor da área 8, ainda bem que eu já estou memorizando esse local, só olhando um pouco mais adiante que percebi que Kido estava parado na frente do dormitório 5. Bati na porta do dormitório 1 e entreguei a reportagem da Haruna para a Natsumi e fui até Kido.

"O que foi?" Pergunto.

"Nenhum de seus colegas de quarto estão e eu fiquei esperando algum de vocês chegar" Kido respondeu cabisbaixo.

"E o Fudo não está aí?" Pergunto apontando para o quarto deles.

"Esse é mais um assunto que eu quero falar" Kido diz e entramos, depois vamos para a "sala de estar".

"O que foi que aconteceu?" Pergunto outra vez.

"Vi que você não teve um dia bom assim como eu, então preciso conversar com alguém e eu não quero olhar para a cara do Fudo" Kido foi ríspido.

"Achei que gostasse dele" Digo me sentando em uma cadeira giratória.

"Eu e aquele cretino quase transamos no elevador e depois ele diz que não teve nada entre nós e ainda me ignora" Kido resumiu os problemas deles, é bom saber que há vidas piores que a minha.

"Uau! Nem sei o que dizer, mas e agora. Como vai dizer para sua família que é gay e como vai falar com o Fudo?" Perguntei.

"Eu pretendo primeiro descobrir qual é o problema do Fudo e depois contar sobre minha sexualidade para meu pai adotivo" Kido respondeu secamente.

"O Goenji acha de me fazer um monte de perguntas e depois ele me dá um fora" Digo um pouco irritado.

"Você está gostando do Goenji? Puxa! Quem diria que você seria dispensado de cara por um dos rapazes mais bonitos daqui" Kido falou.

"Puxa, Kido. Obrigado! Estou me sentindo bem melhor" Respondo sarcástico.

"Por que eles fizeram isso conosco?" Kido pergunta e eu fico sem uma resposta boa.

"Nem eu sei, mas eu acho que você deveria ir ver o Fudo, porque eu estou tentando superar o primeiro fora que eu levo de um garoto" Falo e ele ri indo em direção do dormitório 4.

Observo Fudo indo conversar com o namorado, ex-namorado, ficante, sei lá! Já eu fico sentado e abaixo minha cabeça, escondendo meu rosto nos meus braços e começo a chorar novamente.

"Por que fez isso Goenji?" Pergunto chorando.

"O que ele te fez?" Ouvi a voz de Lika perguntar e eu caio assustado da cadeira.

"Hã! Oi, Lika" Digo tentando parecer o menos triste possível.

"Por que você estava chorando?" Lika perguntou e eu vi que não adiantaria mentir então respondi o mesmo que havia dito para o Kido.

"Caramba! Como o Goenji pôde fazer uma coisa dessas. Mas então, bonito não é? Deve ser difícil ser esnobado por um dos gays mais gatos da faculdade" Lika disse.

"Me sinto bem melhor Lika" Respondo sarcástico.

"Vocês vão se resolver, eu espero! O Goenji às vezes consegue ser bem estranho e de todos nós ele é o mais fechado, mas se dá bem com todos. E mudando de assunto, adivinha quem trabalha na Otaku's Center?" Lika perguntou e realmente ela usava uma camisa azul-celeste com o logotipo da loja.

"Acho que eu vou trabalhar também" Respondo.

"Por que, achei que você era rico?" Lika disse indiferente.

"Quase, mas o segredo para seguir em frente é começar a trabalhar" Digo.

Handa e Fideo chegam e pareciam cansados.

"Quem diria que fazer entrevistas demoraria tanto, nem parece que estudamos isso ano passado" Handa disse se deitando na mesa enquanto nós três olhávamos.

"Esteve chorando?" Fideo perguntou, será que tá tão na cara assim?!

"É uma longa história que eu prefiro não comentar" Respondo.

"Ele levou um toco do Goenji" Lika responde.

"Liga não amigo, segunda-feira não haverá aula o dia todo por causa de uma coisa que eu não lembro direito, então você pode ir conosco domingo" Fideo disse.

"Ir para onde?" Pergunto.

"Para uma festa. Todo mundo daqui vai, menos a Natsumi e a Fuyuka pois elas estão comemorando 5 meses de namoro e elas vão jantar ou fazer qualquer coisa juntas, mas acho que elas vão adiantar para amanhã" Handa disse deitado, com o braço protegendo o rosto do sol.

"Não sei se quero ir" Digo tentando desistir.

"Você vai! Tem que mostrar pro Goenji que você vai superar ele, e também, vão vários caras para a festa" Fideo falou.

"E falando em caras, lembrei de algo. Fubuki você tinha razão, o Ichinose está afim de mim!" Lika gritou mas ninguém se importou.

"Só agora caiu a ficha?" Handa perguntou sarcástico.

"Sei lá! Mas eu vou dar um fora nele, eu não sou brinquedo de ninguém!" Lika falou irritada.

"Você sabe que uma hora ou outra vai ter que esquecer seu passado e vai ter que voltar a namorar?" Pergunto.

"Por que você nunca namora Lika?" Handa perguntou.

"Não gosto de falar sobre esse assunto" Lika respondeu secamente.

"Mas então Fubuki, venha conosco. Vai se divertir, vamos nos carros do Ichinose, do Kido e da Toko" Fideo disse.

"Ei, agora que eu lembrei, olha isso!" Handa disse tirando um papel do bolso e me entregando.

"O que é isso?" Pergunto antes de olhar para o papel.

"É a lista dos meninos mais bonitos da faculdade que as meninas do curso de jornalismo fizeram. Pegamos uma cópia quando passamos por lá depois de nossas entrevistas" Fideo respondeu enquanto eu e Lika olhávamos o papel.

"Fubuki você está em primeiro!" Lika gritou em meu ouvido que eu soltei o papel, acho que minha orelha esquerda está com surdez, tomara que seja temporária, pois é horrível sentir zumbidos.

"Sim, e da lista com 30 tem 10 de nossa área, além do Fubuki, tem nós, Hiroto, Endo, Goenji, Fudo, Toramaru, Tachimukai e Ichinose" Handa respondeu, acho que ouvir o nome de Ichinose fez Lika soltar o papel que ela antes havia apanhado quando eu deixei cair no chão.

"E olha que meninos e meninas fizeram essa lista. Então tem muitos por aí que vão te fazer superar o Goenji" Fideo disse enquanto eu o encarei.

Um celular tocou.

"É o meu pessoal" Lika falou antes de vermos se eram os nossos.

Lika atendeu e pôs no viva-voz.

"Oi chefinho!" Lika disse, acho que falava com o patrão.

"Não vem com 'oi chefinho!' você está atrasada!" O homem gritou, e infelizmente ouvimos o grito do cara.

"Mas eu estou no meu horário de almoço" Lika foi direta e percebemos que ela estava um pouco irritada e tomou um gole de suco que era do Fideo.

"Não, a sua folga acabou a 30 minutos atrás, está atrasada" O homem respondeu desligando o telefonema e Lika cuspiu o suco em minha direção, mas por ser rápido eu desviei e ela cuspiu no Fideo.

"Puta merda! Eu tô atrasada pra caralho! Já vou!" Lika diz correndo.

"Que nojo, e eu odeio suco de maracujá" Handa diz.

"Tá explicado" Fideo respondeu indo para o quarto, deixando eu e o Handa sozinhos. Handa estava irritado mas não entendi a piada de Fideo.

"Você já almoçou?" Handa perguntou.

"Já, e você?".

"Também, que tal irmos para a quadra?" Handa me convidou.

"Quadra?" Pergunto indiferente.

"Sim, aqui também tem faculdade de esportes, como: Futebol, tênis, basquete, tênis de mesa... Eu e o Fideo vamos ver o jogo e depois vamos jogar tênis" Handa explicou.

"Não sei, não estou com muita vontade" Respondo abúlico.

"É melhor do que ficar aqui sem fazer nada se lamentando pelo Goenji" Handa disse.

"Tá eu vou, mas com a condição de que ninguém mais além de Kido, Lika, Fideo e nós saiba mais disso e que parem de ficar me lembrando" Digo.

"Ok!" Ele responde satisfeito, entramos no quarto deles e Fideo vestiu uma bermuda jeans e sapatos pretos de detalhes cinza e vestiu também uma camisa branca sem mangas ou desenhos. Fideo jogou uma mochila para Handa e o beijou calorosamente.

Como se já não bastasse eu ter levado um fora, eu ainda tenho que ficar segurando vela. Por dentro eu estava frustrado mas por fora estava corado, não estava muito bem para minha situação ficar vendo dois garotos bonitos se beijando, eu fiquei envergonhado me sentindo un intruso.

Eles finalmente pararam de se beijar e eu agradeci silenciosamente.

"Aqui está todo nosso equipamento e nossa roupa" Fideo falou apontando para a mochila e saímos.

Kido POV

Depois da conversa com Fubuki, fui para o dormitório 4 pela porta traseira e fui na direção do quarto compartilhado de Goenji e Fudo. Assim que entrei, vi Fudo deitado na cama enrolado em lençóis.

"Levanta daí que nem tá frio e nem você tá dormindo!" Gritei autoritário e Fudo tirou o lençol e me olhou emburrado.

"Por que você fez merda lá no elevador e depois me ignora. Confirmar é bem melhor do que negar, quanto mais nega, mais a situação piora!" Gritei mas ele não se alterou muito.

"Sabe, acho que demos um passo maior do que a perna" Fudo respondeu.

"Não me vem com esse papo não! Você mesmo disse que me amava e quase transamos no elevador. Custava ter dito que estamos ficando juntos?" Esbravejei que eu até cuspiu em mim mesmo.

"Não quero que pensem mal..." Fudo disse impassível.

"Pensar mal? Eu vou fingir que não ouvi isso ou terei que espancar você! Você é uma das pessoas mais determinadas e cabeça-dura que eu já conheci. Como assim você tem medo do julgamento das pessoas, até onde eu sei o Toramaru, Goenji, Fubuki, Hiroto, Midorikawa, Endo, Fideo, Handa, Fuyuka, Natsumi e Tachimukai são todos homossexuais e nenhum de nossos colegas heteros teria uma atitude preconceituosa a ponto de viver com gays e lésbicas e ainda ser preconceituoso" Digo claramente irritado.

"Acontece que não estou falando dos nossos colegas" Fudo tentou se explicar e eu resolvi me acalmar mais, mas é claro, sem perder a postura.

"Então por que escondeu o que aconteceu entre nós do Endo e do Tachimukai? E por que me xingou? Suas palavras me doeram, você foi duro, não precisava me fazer passar vexame" Gritei enquanto lágrimas brotavam de meus olhos.

"Eu não quero te magoar...".

"Mas magoa que é uma beleza" Sibilei.

"Quer deixar eu falar?!" Gritou ele impaciente e eu obedeci calado.

"Acontece que eu não quero que você sofra por mim. Você é a pessoa que eu mais amo e iria até o fim do mundo. Mas não quero que esse boato espalhe, não quero que o pessoal fique sabendo ainda, podem ficar falando..." Fudo falava mas eu não me contentei com aquela resposta 

"Você tá querendo me esconder? Tem vergonha de mim Fudo?" Esbravejei que ao invés de saliva deveria ter saído veneno de minha boca. Mas ainda assim, estranhamente, ele mantia a calma naquele olhos azuis enquanto os meus brilhavam vermelhos de raiva.

"Vamos negar para todos que somos namorados por enquanto e que perto do pessoal seremos rivais mas quando for apenas nós dois seremos um casal" Ele falou enquanto eu continuava irritado.

"Beleza! Se não vai falar o motivo de não me querer então acho melhor terminar algo que nem começou!" Gritei me virando para sair mas ele puxou firmemente meu braço.

"Me solta merda!" Grito tentando retirar sua mão do meu pulso.

"Por favor, Kido. Não me deixe" Fudo disse me encarando com aqueles olhos azuis que escorriam lágrimas.

Nem sei o que me deu. Mas todo o ódio e repugnância que eu tinha pelo Fudo já haviam sumido, novamente tive compaixão por ele. Me sentei na cama e Fudo me agarrou, chorando amargamente em meu ombro.

"Por favor Kido! Não me deixe! Eu te amo! Só quero que entenda minha decisão" Fudo choramingou, era estranho estar naquela situação, geralmente eu estaria implorando enquanto o Fudo seria o incompreensível. Era algo estranho e raro, ver Fudo chorar. Ele raramente mostrava emoção e aquilo foi uma surpresa para mim.

"Me explique" Pedi calmo mas com autoridade na voz. Ele sentou-se ao meu lado e colocou a cabeça em meu ombro.

"Eu quero proteger à nós dois. Não quero que fiquem espalhando de nosso relacionamento porque quem nos vê acha que somos inimigos então é melhor mantermos essa nossa rivalidade ao olhar das outras pessoas. E o outro motivo é que você disse que seu pai adotivo não aceitaria isso, acontece que meus pais também não vão aceitar. Sempre vivi em meio essa repressão de não poder assumir quem sou. Por isso eu quero que meus pais saibam isso de mim e apenas quando chegar a hora. Por favor, Kido. Concorda! Eu suplico que não abandone! Justo agora que eu preciso de você. Por favor Kido, vamos manter isso em segredo! Eu não quero que meus pais saibam disso, eles nunca deixariam que eu ficasse com você" Fudo implorou chorando em meu ombro e a única coisa que eu podia fazer era apoiá-lo, naquele momento eu era o seu alicerce.

"Esse é mesmo o verdadeiro motivo?" Pergunto com uma leve desconfiança.

"Sim" Responde chorando.

"Minha vida é horrível! Eles não permitem que eu namore um garoto. Eles são pessoas muito religiosas, teriam vergonha de mim! Por favor, Kido! Vamos manter isso em segredo e quando chegar a hora, nós contamos para os nossos pais e para nossos colegas?" Fudo implorou.

"Fubuki e Haruna já sabem, mas eles não vão contar" Digo em um tom um pouco acolhedor.

"Mas não espalha isso para mais ninguém, por favor!" Fudo implorou, antes eu achava que era só medo, mas isso já tá passando do limite.

"Por que se preocupa tanto? Meu pai também é preconceituoso mas eu não estou com tanto medo assim" Não pensei bem no que deveria dizer e saiu merda da minha boca.

"Uma vez, andávamos, eu, meu pai e minha mãe na rua, quando eu tinha 9 anos. Um casal de dois meninos andavam de mãos dadas e se beijavam, meu pai fez questão de ir até lá e separar o casal, ele bateu no rosto de um deles e depois fugiram. Foi a primeira vez que meu maior herói se tornou meu maior vilão. Mas isso não chega perto que ele disse, ele falou que gay é uma vergonha, que seus pais deviam ter vergonha dos filhos e que é melhor ter um filho morto do que gay" Fudo disse chorando, minha vida não era boa, mas a do Fudo era péssima.

"Então é por isso que você tem tanto medo?" Pergunto enxugando as lágrimas de Fudo enquanto ele segurava minha mão fazendo que eu acariciasse seu rosto. Fudo agora me parece tão humano quanto eu, agora ele mostra seus sentimentos e me sinto honrado por ter conquistado ele.

"Por favor, Kido! Aceite esse acordo!" Fudo choramingou e abaixou o rosto, chorando em meu colo.

"Tudo bem, eu faço isso por você. Vamos fingir para todos que somos inimigos, e quando chegar a hora, nossos amigos e nossos pais vão ficar sabendo. Mas quero que saiba que independente da decisão deles, eu vou continuar te amando como nunca" Respondo levantando sua cabeça e o faço olhar para mim.

Ele segura meu rosto e eu seguro o seu.

"Juntos seremos mais fortes, enquanto você tiver à mim, sempre terei você e só isso é o que me importa" Falo e dou beijo em sua boca, no qual ele corresponde ofegante. Mas sei que não será nada fácil, teremos mesmo que enfrentar nossos pais algum dia, mas não hoje.

Fubuki POV

Depois de tanto andar finalmente chegamos à quadra.

"Handa, Fideo! Vocês são os próximos!" Midorikawa falou e notei que quando percebeu minha presença, ele não ficou muito feliz.

Ele saiu da quadra, acompanhado de Hiroto e o ruivo ficou sorrindo para mim. Acho que eu não preciso bancar o Poirot para tentar descobrir o motivo do Midorikawa me odiar.

"Ei, Fubuki! Sabe jogar tênis?" Hiroto me perguntou sorrindo.

"Mais ou menos" Respondo sem vontade.

"Quer que eu te ensine?" Ele quer ficar próximo de mim, eu sei!

"Eu sei mais ou menos! Então não preciso que me ensine" Respondo secamente.

"Ótimo! Mostre o que sabe! Handa empreste seu equipamento para o Fubuki" Fideo disse.

"Por que eu?" Handa perguntou frustrado.

"Dá logo!" Fideo gritou e o pessoal que estava lá perto olhou e alguns riram. Só então Fideo percebeu o que disse e corou.

Handa me entregou a mochila.

"Venha! Eu te levo até o vestiário" Hiroto disse e eu corei nervoso.

Acho que devo agradecer por estar visivelmente desconfortado, pois Handa e Fideo trocaram olhares e logo perceberam minha situação.

"Não precisam se incomodar, eu levo o Fubuki" Fideo disse mas eu ainda lembro que quando eu cheguei ele deu em cima de mim.

Fideo e eu andamos até uma porta que ficava perto da quadra e quando entramos, avistei um local completamente limpo, cheio de armários, bancos e tinham alguns estudantes lá trocando de roupa ou tomando banho.

"Troque-se aqui" Ele disse indicando o local.

"Tá doido?! Eu não vou me trocar em cima de um banco!" Grito.

"Tudo bem, mas você prefere se trocar em alguma cabine com outro garoto? Pois todas estão ocupadas" Fideo disse sarcástico.

Peguei a roupa e fiquei frustrado por fazer aquilo na frente de Fideo. Tirei meus sapatos, minha calça, minha camisa e pus dentro daquela mochila, trocando pelas outras roupas. Um short branco, camisa branca, pus o tênis do Handa e já estava pronto. Terminei de me vestir e vi Fideo acariciando seu membro que parecia completamente duro. Ainda bem que estávamos só nós ali.

"Fideo, eu..." O maldito me interrompeu beijando meus lábios.

"Mas e o Handa?" Pergunto corado.

"Ele sabe que eu vim com você porque queria te beijar, ele não tem ciúme já que considera você amigo" Fideo disse e me empurrou na frente de um armário e voltou a me beijar.

Que legal! Eu sou amigo da Lika, Kido, Natsumi, Tachimukai, Fideo e Handa. E para completar, o namorado de meu amigo me beija com a permissão dele. Resolvi ignorar minha linha de pensamentos e retribuí os beijos de Fideo.

Ele pôs a mão dentro de meu short e ficou apertando minhas nádegas, me fazendo arfar de prazer. Por favor! Que não chegue ninguém agora. Sinto nossos membros pulsarem dentro das roupas, mas eu não vou fazer sexo aqui!

Separo-me do beijo do Fideo mas ele consegue arrancar um selinho de mim.

"Vamos logo, senão vão notar nossa falta" Ele diz como se nada tivesse acontecido e dá um tapa na minha bunda quando atravessamos a porta.

Assim que entramos vejo Handa jogando tênis com ninguém mais ninguém menos que Goenji! Puta merda!

"Vocês estavam demorando tanto que Hiroto e Midorikawa se cansaram de esperar e foram embora" Handa disse, tá! Mas e o Goenji?!

"Soube que jogaria com Hiroto? Mas já que ele não está aqui, jogue comigo!" Goenji convidou e eu fui, muito contragosto, seu rosto não mostrava ternura ou algo do tipo, ele mantia o temperamento frio e calculista. Tem alguma coisa que não me agrada.

***

Nossa partida terminou e Goenji venceu, depois assisti Fideo jogando contra Handa. Quando olhei no relógio eram 15:00 horas.

"Você foi muito bom, mas notei que não gosta de perder" Ele disse.

"De fato, acho que eu deveria ter ficado em meu dormitório e ficar lendo meus livros" Respondo glacialmente mas ele parece não notar.

"Está falando dos que eu mandei?" Aquela pergunta dele me surpreendeu.

"Mandou?" Pergunto corado.

"Sim, tem exemplares autênticos de Alice no País das Maravilhas e Dom Quixote" Goenji respondeu sem olhar para mim e eu corei mais ainda.

"Os exemplares desses livros custam em torno de 1 milhão e meio!" Digo suando frio.

Estava prestes a perguntar mais uma coisa mas fui interrompido quando Fideo e Handa chegaram sinal de que Fideo ganhou o jogo e Lika também chegou.

"Oi, Fubuki! Handa, Fideo... E Goenji... Adivinhem quem está trabalhando no..." Lika fez a apresentação mas Handa não se conteve em interromper.

"Espera! Achei que estivesse trabalhando na Otaku's Center".

"Eu estava, mas eu fui demitida porque um nerd revoltado chegou lá reclamando que o mangá dele estava fora de ordem e com páginas sujas, sei lá! Ele exigiu reembolso e eu chamei ele de nerd ingrato e acabei sendo demitida. Mas emprego é o que não falta, até consegui um emprego para o Fubuki" Lika disse animada e eu fiquei encarando ela.

"E onde é?" Pergunto um pouco corado.

***

Era um lugar fechado, predominava cores avermelhadas, haviam roupas intimas, chicotes, camisinhas, brinquedos eróticos...

"Um sex shop! Você arrumou emprego para mim em um sex shop?" Vociferei.

"Sim, além do mais, depois que começaram atender pela internet e por entrega em domicílio, falta alguns trabalhadores na loja" Lika falou me deixando frustrado.

***

Já é Domingo e finalmente acabou meu segundo dia de trabalho em um sex shop! São 20:30, deixei Lika no dormitório das meninas e fui para o meu.

"Ei, Fubuki! O que tem ali naquela caixa?" Tachimukai perguntou apontando para a caixa no canto da cozinha, enquanto isso Handa e Fideo também jantavam ao lado de Tachimukai, todos pareciam bem curiosos.

Peguei a caixa de cor prata com um lindo laço cinza, desamarrei vagarosamente e tirei um cartão que tinha na fita. Estive tão ocupado que nem me lembrei dos livros.

Apenas um presente em retribuição pela conversa, e desculpe minha atitude, mas você não me entenderia, tenho gostos peculiares...

Assinado: Shuya Goenji

Foi o pior bilhete que já vi em minha vida! Era bonito e tal, mas era dado pelo Goenji. Mas isso não explica que eu queria, nem ao menos de ele ter me enviado os livros, amanhã preciso conversar seriamente com ele sobre isso e devolver, não quero nada que venha dele.

Handa pegou um dos exemplares, assim como Fideo e Tachimukai.

"Alice no País das Maravilhas... Dom Quixote... Esses são originais! Devem custar, sei lá, uns 3 milhões!" Fideo exclamou.

"O que ele te fez mesmo para fazer ele gastar tanto dinheiro com você?" Handa perguntou.

"Faltou mencionarem esse, Kama Sutra" Tachimukai falou corado e Fideo tomou o livro da mão dele.

"Amanhã eu devolvo, tenho certeza de que você não vai querer esse livro" Fideo disse com um brilho no olhar e deu um selinho em Handa. Para que servia aquele livro afinal?

"Tachimukai, quando viu o Goenji pela primeira vez. Qual foi sua primeira avaliação sobre ele mesmo?" Pergunto e todos ficam em silêncio.

"Rapaz bonito, mas tem alguma coisa..." Tachimukai respondeu e eu fiquei indiferente, era o mesmo o que eu pensei.

Natsumi POV

Fuyuka e eu estávamos jantando e comemorando mais um mês de namoro. Eu usava um vestido preto um pouco colado e sapatos salto-alto pretos. Ela usava um vestido bege que chegava até os pés e sapatos salto-alto da cor do seu vestido. Jantávamos em um dos restaurantes mais chiques da cidade e nada podia estragar nossa noite.

"Muito obrigada por ter tornado esse dia especial" Fuyuka agradece, eu não consigo evitar de sorrir. Fico contente em vê-la feliz, seus semblantes azuis brilham de felicidade.

"Era o mínimo que eu poderia fazer por você, ando tão ocupada nessa semana que parei de dar atenção para você" Digo sorrindo de lado.

"Bom, sou muito agradecida por ter feito esse jantar agradável nesse restaurante. Mas não precisava Natsumi. Sabe que me sinto envergonhada em ficar nesses lugares chiques, não sou tão dama para viver no luxo" Ela diz e eu sorrio sem jeito, ela tinha razão, mas achei que seria melhor um jantar romântico e esse lugar foi o melhor que eu havia encontrado.

Pego a rosa vermelha que estava em um vasinho de vidro na mesa e entrego para Fuyuka.

"Sabe amor, acontece que eu estava um pouco indecisa. Eu queria que fosse especial mais para você do que para mim. Mas não se preocupe, mês que vem vai ser em uma lanchonete" Digo e ela começa a rir, e eu também.

"O que conta é a intenção. Mas mudando de assunto, Haruna me contou por telefone que o Kido está afim do Fudo. Coitados" Fuyuka disse e eu encarei ela visivelmente cheia de dúvidas.

"Por que?" Pergunto.

"Quando eu namorava com o Fudo, ano passado. O pai do Fudo disse que tinha orgulho do filho por ter arrumado uma garota equilibrada e de boa família, mas depois disso ele disse que o filho dele poderia namorar qualquer menina que ele apoiaria o filho, mas nunca um homem. Ele disse que só é casal homem com mulher. E que mulher com mulher ou homem com homem é a coisa mais imunda do mundo. E que por ele todos os gays e lésbicas deveriam receber pena de morte, o mesmo valia para bissexuais, para ele gay e bi são tudo iguais. Foi por graças a essa atitude racista do pai do Fudo que eu terminei o namoro. E disse para o Fudo que o motivo de terminar o namoro com ele foi por causa do preconceito nojento de seu pai" Fuyuka disse e por fim tomou um gole de vinho, eu ouvia perplexa. Como pode existir pessoas assim?

"Que horror! Como pais podem fazer isso com os filhos?" Digo chocada, graças à deus minha situação não foi assim.

"Porque não tem amor. Quando você ama algo ou alguém, não liga para as diferenças e para os defeitos, você aceita e continua amando da mesma maneira" Fuyuka respondeu pensativa enquanto eu tentava decifrar sua frase.

"Sugere que os pais do Fudo não o amem?" Pergunto paralisada.

"Sim, dizem que todos os pais amam seus filhos. Mas eu expliquei que quando se ama, você ignora os defeitos e diferenças. Se os pais do Fudo repudiam a isso, significa que eles não amam seu filho. Caso contrário, eles aceitariam a opção sexual do filho deles" Fuyuka respondeu friamente, o que me admirou, geralmente eu sou a que tem pulso firme.

"O modo que você fala faz parecer que os pais que não aceitam seus filhos por serem gays ou lésbicas, não os amam" Disse.

"Mas é isso mesmo. Qualquer pai diria que não é por falta de amor... Mas se não for por não amar, a outra resposta é preconceito. Uma das opções e é claro que muitos não vão saber responder" Fuyuka disse.

"Ainda bem que não passamos por essa situação" Digo entrelaçando meus dedos nos dela e Fuyuka beija minha mão, me fazendo corar.

"Sim, temos pais maravilhosos. É tão bom saber que sou livre para te amar, e nada me deixa mais contente com isso" Ela disse corada e eu sorrio.

"Bom, eu preciso ir ao banheiro, já volto" Fuyuka disse e saiu.

Enquanto ela saiu, tirei o celular da bolsa e conferi algumas mensagens que havia lá. Estava tão distraída respondendo que quase não percebi um garçom me trazendo vodka.

"Com licença, mas eu não pedi essa bebida" Digo educadamente.

"O moço da mesa 6 mandou para você" O garçom respondeu e saiu, dei uma olhada ao redor e encontrei o homem. Ele devia ter uns 30 anos, comparado a mim que tenho 21. Ele usava um smoking preto, camisa branca e a gravata preta. Era loiro e tinha olhos verdes eu acho.

Ele me olhava penetrante e isso me deixou um pouco desconfortada. Ele sorria e eu podia ver a malícia em seu rosto. Chega logo, Fuyuka!

Voltei a atenção para meu celular, mas aquele filho da puta não saía da minha cabeça. Me dá medo o modo que esse desconhecido age. Ufa! Ainda bem que ela chegou! Puta merda! Ele continua olhando.

"Do que estávamos falando?" Fuyuka perguntou sorridente, só aquele sorriso para tirar minha preocupação.

"Podemos ir agora? Não estou me sentindo muito bem" Minto.

"Tá tudo bem. A conta! Ei, que garrafa é essa?" Ele concordou, gritou e perguntou.

A ofensiva já estava quase acabando quando infelizmente aconteceu... Aquele maldito bonito e com cara de cafetão está vindo até nós.

"Boa noite" O homem nos cumprimentou mas apenas Fuyuka falou. Eu por outro lado, estava apreensiva, com aquele bendito pensamento de que vem merda por aí.

"Eu só vim pegar minha bebida. Achei que sua, digo, seu namorado, estivesse só. Faça bom proveito com seu homem" O homem respondeu para Fuyuka e aquilo foi um choque para nós duas.

"Como você pode dizer uma coisa dessa seu desgraçado nojento!" Vociferei.

"Natsumi!" Fuyuka gritou assustada tentando me conter, sem sucesso.

Peguei a garrafa de vodka e tirei o lacre e joguei a bebida na cara do homem, nem me envergonhava se as pessoas olhassem para mim, de fato estavam. Mas eu não podia deixar aquele racista insultar a mim e minha namorada.

"Sua puta! Quem é você?!" Ele vociferou.

"Sou uma puta que está de saída porque não aguenta ficar perto de um nojento racista feito você!" Disse e saí.

***

Fuyuka dirigia enquanto eu ia a viagem toda calada, não estava em condições de falar ou fazer nada. Fomos vítimas de preconceito.

Chegamos na universidade e em nosso quarto.

"Não acredito que passamos por isso" Fuyuka disse triste.

"Nem eu, foi o momento mais humilhante da minha vida. Agora eu sei o quanto é difícil" Falo me sentindo acabada.

"Tinha tudo para ser o nosso melhor aniversário de namoro, mas se aquele homem não tivesse feito aquilo..." Fuyuka dizia e eu a interrompo dando um beijo em seus lábios.

"Poderia ter sido pior se você não estivesse ao meu lado, nem sei o que seria de mim sem você, acho que eu perderia a cabeça" Digo e ela sorri.

"Sim. Ainda bem que você não perdeu. Poderia ter feito um escândalo e ter jogado bebida no cara" Ela disse em tom sarcástico, miserável, ela está caçoando da minha cara.

"Mas agora, mudando de assunto. Vamos esquecer tudo isso. O que aquele homem disse não vai fazer com que eu pare de te amar. Você é importante para mim" Fuyuka disse segurando minhas mãos.

"Queria te abraçar" Digo corada.

"Poderíamos até nos beijar" Ela falou.

"Ou poderíamos..."

***

Entramos em nosso quarto e fecho a porta. Viro Fuyuka e abaixo o zíper de seu vestido, mostrando que ela só usava uma calcinha preta.

Tiro o meu vestido e meu salto, ficando de lingerie preta. Empurro Fuyuka na cama e fico sobre ela.

Deslizo vagarosamente sua calcinha até passar de seus pés e jogo em um canto qualquer, me dando uma bela visão daquele íntimo.

"Natsumi..." Fuyuka tentou falar, mas eu interrompo passando minha língua em sua vagina. Ela se contorce enquanto eu continuo saboreando aquela pele. Para minha alegria, ela não tinha pelos pubianos.

Lambi o centro até toda aquela pele envolta. Fuyuka se contorcia e gemia, pus minha língua em sua coxa e fui deslizando devagar para cima.

Minha língua passou pelo abdômen e o tórax, até chegar em seus seios. Comecei lambê-los discretamente enquanto massageava o outro. Enquanto isso, Fuyuka passava a mão pelo meu corpo e senti algo, ela estava tirando minha lingerie. Paro de chupar seu seio e me levanto para retirar a peça de roupa.

Deve ter demorado uns 30 segundos, mas pareciam 30 horas. Tirei toda aquela roupa e agora me sentia livre, leve e solta. Deito-me sob sua pele rosada e percebo que sua vagina está aberta e a pele envolta está durinha.

Ponho a boca em seu seio e torno a lamber, sugar, morder e beijar. Subo minha língua até seu pescoço e volto a fazer o mesmo que fiz em seu peito. Subi mais um pouquinho e abri a boca dela usando a minha. Peço passagem para explorar sua boca com a língua e ela dá.

O beijo fora ofegante, nossas língua se chocavam, nossos seios se encontravam, dando mais prazer, sinto-os arrepiando, ficando levemente maiores. Nossas vulvas selavam-se...

Coloquei minha cabeça em seu pescoço e comecei a me mover freneticamente e esfregando nossas partes íntimas. Fuyuka agarra meus cabelos entre seus dedos enquanto continuo me esfregando nela.

"Eu te amo..." Fuyuka falou ofegante agarrando meus cabelos cor de cobre.

"Eu também..." Digo sedutoramente e chegamos em nosso ápice juntas, despejando nossos fluidos nas vaginas uma da outra.

Desabo ao seu lado, ofegante e completamente saciada.

"Obrigada" Fuyuka agradece e eu fico com uma pulga atrás da orelha.

"Pelo que?" Pergunto acariciando seu rosto.

"Por ser você. Se existir uma vida após essa, quero reencarnar e ser sua companheira outra vez, só assim continuarei te amando cada vez mais" Fuyuka confessou corada e ele dou um selinho. Ficamos nos fazendo carícias até adormecermos. Só assim para uma noite horrível se transformar em uma noite ótima.


Notas Finais


Desculpem a demora, e o Orange. Não me pareceu muito verdadeiro. E coitados do Kido e o Fudo, mas coitado do Fubuki também, no próximo capítulo eu vou mostrar um pouco mais do dia-a-dia dele trabalhando no sex shop, nem eu sei de onde tirei isso (risos). Comentem! Favoritem! Avaliem! Deem notas! Não percam os próximos capítulos...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...