História Circo da morte - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 105
Palavras 734
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Chave da Sala de Desmonte


 

-Funtime Freddy está bem? - perguntou Ballora para Funtime Foxy, em seu auditório. 

-Ninguém está. - respondeu a raposa, tristemente, ajeitando o lacinho debaixo de seu pescoço.

Elas permaneceram em silêncio por um tempo, até Funtime Foxy resolver voltar para o Funtime Auditorium. 

-Foxy... Vai me deixar? - perguntou Ballora, estendendo as mãos em frente ao corpo, procurando o corpo da amiga, que já estava longe. 

-Desculpe, Ballora... Eu não posso ficar aqui por mais tempo. 

-Mas aqui é tão... Escuro. Com você é melhor... É mais confortável. 

Funtime Foxy sorri carinhosamente, indo novamente até a amiga. 

-Eu gostaria de ficar, mas eu tenho que voltar para não levar mais choques. Não se preocupe... Sempre que precisar de mim, estarei na sala ao lado. 

-T-Tá bom... 

Funtime Foxy retornou pela tubulação ao seu auditório. 

No dia seguinte... 

___13:27___

-Onde ela está? - perguntou uma voz masculina na Circus Gallery. 

-No palco. Se não estiver lá, mete o choque. - a outra voz masculina riu. 

-Tá bom Circus Baby, chega de se esconder, há uma festa esperando por você! - disse a primeira voz. 

-Choque? 

Um dos homens chegou o palco. Baby não estava lá. 

-Humpf. Parece que Baby tem coisas melhores para fazer. - um dos homens pegou um controle portátil e apertou o botão de choque. 

Um tempo se passou em total silêncio. 

-Nada aconteceu. 

-Ora... Vamos Baby! A festa vai começar...

-Será que o guarda noturno não levou ela até alguma das outras salas? 

-Ele não tem permissão para isso. 

-Vamos só conferir.

Os dois vão até a Ballora Gallery, onde encontram Ballora e suas minireenas no palco, paradas. 

-Nada. 

Foram até o Funtime Auditorium. Funtime Foxy estava no palco junto com Funtime Freddy. 

-Vamos ver na Partes & Serviços.

Eles entraram na sala Partes & Serviços. Porém, quando acenderam a luz, alguém os atacou. Eles não tiveram tempo de fazer nada, foram destroçados por Baby. Ela já não era a mesma. Seus olhos eram um ponto branco. 

-Ótimo. - murmurou ela. Ela revisou os bolsos dos homens e encontrou a chave da sala de desmonte. - Agora eu vou poder realizar meu plano...

Baby saiu da sala, com seus olhos voltando ao normal. Passou pelos Funtime, que a encararam. 

-O que você fez? - perguntou Funtime Foxy. 

-Matei eles. - respondeu Baby.

-M-Mas...

Baby não deixou Funtime Foxy continuar. Ela já havia deixado o Funtime Auditorium e estava indo até a Circus Gallery, onde outros homens iriam levá-la até a festa de aniversário no qual foi alugada. 

___Uma hora mais tarde___

-Eu não sei por que motivo, mas gosto de contar quantas crianças estão na sala onde estou... No momento da festa - disse Baby. - Haviam três, e depois quatro, e depois duas, e depois três, e depois cinco. Elas corriam para todos os lados... Me faziam pedidos de música, me pediam para encher balões, me pediam para dar sorvete. Mas, em um determinado momento, uma menina... sim, uma menina... ela me pediu um pouco de sorvete. Mas, quando eu fui lhe dar, eu acabei machucando-a. Por que aquilo aconteceu? 

___Ballora Gallery, cinco horas depois___

-Conseguimos entrar na sala de desmonte pelo Funtime Auditorium. - comunicou Baby à colega, que permanecia em silêncio. 

-É verdade que você... matou aqueles homens?

-Quem te contou?

-A Foxy. 

-Ah, é claro. - Baby revirou os olhos. - e sim, é verdade. 

-Por que você fez isso? 

-Para pegar a chave da sala de desmonte. 

-Mas Baby... 

-Eu sei como nós podemos sair daqui, acredite em mim!

-Não há como sair. 

-Há sim, e eu sei como! Se vocês me ajudarem, poderemos...

-Não, Baby. Esqueça esse plano. E se der errado? Se der errado eles vão nos torturar AINDA mais! 

Baby desistiu. Voltou para a Circus Gallery, irritada. Ninguém estava ao lado dela naquele lugar. Ninguém queria sair, como ela. Parecia que eles queriam continuar sentindo dor. Parecia que a dor era algo prazeroso, ou que não trazia incômodo algum. 

Baby se sentou no palco, suspirando. Seus Bidybabs a rodeavam, murmurando baixinho e encarando-a. Nas festas, os Bidybabs ajudavam-a distribuindo balões e doces. Ela sorriu com a companhia deles, mesmo não estando nem um pouco contente. 

Baby abriu um compartimento dentro de si onde costumava deixar os balões para serem enchidos. Tirou de lá a chave da sala de desmonte e girou-a entre os dedos. 

-Esse plano não vai falhar... E vou sair daqui. 
 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...