História Citysaille - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 21
Palavras 1.234
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura! Espero q gostem!

Capítulo 8 - Decisão maldita


Fanfic / Fanfiction Citysaille - Capítulo 8 - Decisão maldita

     Nove dias após Morgan possuir meu corpo....

Como se sugada por uma força invisível sou levada para onde quer que Morgan vá. De fato ela me irrita, mas aparentemente ela está mais a flor da pele do que eu. O que Andrew e Alexya a disseram para obrigá-la a fazer isso? Além disso Aksel recusou todas as vezes que ela tentou seduzi-lo algo que ela dizia ter nascido com um talento natural para esse tipo de coisa, por um lado fiquei feliz e por outro triste afinal eu acho que o amo.

Como se não bastasse ela abusa do álcool e afasta meus amigos. A campanhia toca enquanto ela está sentada no sofá olhando para o nada pensando.

- Não vai atender?

- Não é para mim - ela diz.

- Como não vadia? Tu tá no meu corpo, eu não consigo tocar em NADA e você fisicamente é eu, então vai logo!

Ela me encara um segundo. É estranho me ver me olhando assim. Suspira e levanta a mão, fazendo a porta abrir sozinha. Por que somos da mesma linhagem sanguínea e eu não consigo fazer isso!? Não me surpreendo por Aksel não sentir nada por mim, sou uma maldita fracassada. Kay sorrir passando a mão no cabelo em direção a nuca, suas roupas são bem folgadas até meio desleixadas.

- Como fez isso?! - ele indaga espantado com um sorriso bobo.

- Que pergunta idiota - ela resmunga fazendo pouco caso. - Quem é esse cara? - ela me pergunta meio baixo sem tirar o olhar dele.

- Como quem é ele!? Ah, é. Nem as aulas você vai! - reviro os olhos transmitindo muito ódio ao mirá-la. - É Kay Luêtto.

Lembrar a ela de que se transformou nele na floresta para me beijar também não vai ajudar obviamente.

- O que você quer? - ela o olha.

- Posso falar com você, um segundo? É urgente - fica sério me assustando.

- Eu estou ocupada no momento - a infeliz diz indiferente.

- O que!? Não! Tem que ouvi-lo. Deve estar com problemas - digo.

- Garanto que os dele não é tão sério como o nosso....- de alguma jeito ouço a voz dela dentro de minha mente. - Ele vai ficar bem, não é um humano normal.

- É por isso que os problemas dele podem ser bem maiores que o de um humano normal - bufo. - Ai meu Ogam! Por que isso tem de acontecer justo comigo!? - ponho as mãos na cabeça. - Minha vida já era e eu tenho de assistir de camarote! 

- Azar o seu - ouço-a sua voz em minha mente. - Quem mandou você ser uma Defhalle!

Evito olhar ela quase que expulsando Kay de minha casa. Ainda bem que vou morrer, se não eu faria planos para matá-la e me preocuparia mais com meus amigos

HORAS DEPOIS 22:30 p.m

Morgan sentada em minha cama faz várias adagas que pegara de Aksel levitar e acertar o poster do Johnny Depp na parede vestido de chapeleiro maluco. Que mulher chata! A pontaria dela é ótima. A campanhia toca de novo. Quem será?

- Por que você tem tantas visitas? - lança uma adaga que atravessa minha cabeça.

Ando até a janela. Pondo a cabeça para fora vejo Faye segurando uma caixa vermelha com um laço preto. O que será? Me volto para Morgan.

- É a irmã do Aksel. Deve ter um jeito de chegar nele por ela....

- Está falando sério? - semicerra os olhos. - Eu já estou com algo em mente e tenho certeza que ela é inútil.

- Não é não! Ela é muito unida com o irmão, sério. Por que não tenta? - quero saber o que tem na caixa, faz tempo que ela evita Faye assim como Noah.

- Só vou lá porque quero esticar as pernas, mas nada.

Ela desce a escada devagar. Ao abrir a porta, percebo como Faye aparenta ter chorado. O que aconteceu com todo mundo? O que houve? Seu cabelo está embaraçado com algumas mechas azuis, bem diferente.

- O que você quer? - Morgan pergunta ignorante.

- E-eu não sei o que está havendo com você...e sei que não adianta perguntar que você não diz...- seus olhos se tornam marejados um segundo. -,eu te trouxe isso, nem sei porque...- estende as mãos aproximando a caixa dela.

- Tanto faz - Morgan dá de ombros pegando-a.

- Provavelmente não vai significar nada para você, só recebe, okay? - bagunça um pouco o cabelo inquieta. - Eu vou nessa....- encara ela uns minutos, então vai embora.

Que estranho. O que aconteceu com ela? Será que tem haver com a Taylor? Não, não era nada tão sério. Morgan joga a caixa no sofá que acaba caindo.

- Garota! Eu quero saber o que tem dentro! - quase grito quando a vejo subindo a escada.

- Então olha, sua idiota, perde tempo com besteira, é só isso que faz mesmo! - para no alto da escada. - Não quer se livrar da porcaria dessa maldição, não? Pensa em algo também, se não eu vou ser eu mesma e sair matando geral o que é muito prazeroso para mim e há muito tempo não faço, tenho certeza que Aksel vai querer me parar.

Respiro fundo. Ela tem razão. O tempo está se esgotando. Como farei Aksel me odiar? Olhando para a caixa ao me aproximar dela lembro de algo....quando Melissa morreu, a primeira namorada dele, ele fez uma promessa a Faye....algo muito maior que ela disse que eu era incapaz de entender. Eles só tem um ao outro, nada mais. Perderam o único tio para o demônio Kailler, então eles são tudo que resta.

Não tenho outra escolha. Entro no meu quarto encontro Morgan mirando o teto pensativa.

- Eu tenho uma idéia....- suspiro.

- Qual? Implorar para ele te matar logo? Ou sair pela a cidade com seus amiguinhos idiotas agindo como simples adolescentes?

- Não! E o que tem contra amizade!? Quer dizer isso não importa! Eu pensei em algo, tipo para você mata a Faye - seguro uma rápida vontade de chorar desviando o olhar do dela.

- O que?! - se senta de uma vez com um sorriso. - Desde quando você é tão má, a ponto de pensar isso? Não esperava isso de você. Parece tão bondosa que me dá nojo - ergue as sobrancelhas.

- Nem eu esperava, mas é o que dizem, a alma e o coração de um amaldiçoado é pura escuridão - cruzo os braços tentando lembrar de onde tirei isso. - É impossível ele não fazer nada.

- Esse vai ser o final. Eu estou pensando em algo de escala maior - desce da cama vindo até mim. - Eu notei que posso fazer mais do que eu fiz com seu corpo, ele ainda é puro - sorrir ajeitando a jaqueta. - Não sou de pedir permissão, mas posso? - inclina a cabeça para o lado sorrindo. 

O que ela está aprontando? Não importa. 

- Ele é todo seu.....- digo e ela abre um largo sorriso.

Sinto que vou me arrepender muito, mas que escolha tenho? Ninguém merece nascer cercado por demônios e maldições, que esse mal venha para um bem maior. As futuras gerações de Aksel, Kay e Adalin não precisam viver assim ou precisam? Esse destino obrigatoriamente não precisa ser o deles. Talvez eu tenha nascido para isso. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...