História Clarity (Long Imagine Jimin - BTS) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jin, Jungkook, V
Tags Bangtan Boys, Drama, Imagine, Jimin, Kim Taehyung, Novela, Ravelacões, Romance
Exibições 390
Palavras 1.203
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


EU ESTOU AQUI COM MAIS UM CAPÍTULO NOVO!
Vamos igreja, glorifiquem de pé, tia du está chegando com cap novo dessa tão deliciosa fic dramática.
Vejamos, quem tá feliz com minha presença ilustre aqui, hãn?
Ah, vamos lá, não tenham medo de se pronunciarem, só irão receber inúmeros beijos e abraços reconfortantes.

Vamos ao que interessa, não é mesmo? CAPÍTULO NOVO!
Depois que postei as explicações, me senti tão mal de não ter postado nada a vocês.
Exatamente 10 dias sem escrever uma sequer palavra da história, estava começando a achar que iriam desistir de mim.
Mas fiquei uma hora sentada em frente ao monitor do computador, pensando em cada ideia bacana para colocar neste capítulo.
Além do mais, vou até escrever o próximo e deixar prontinho para postar para vocês <3

Novamente peço desculpas pela demora, porém melhor tarde do que nunca, não é?

Apreciem esse capítulo e espero que estejam gostando da estória.
Abraços da tia du, tenham uma boa leitura. :3

Capítulo 21 - Disgusting.


Fanfic / Fanfiction Clarity (Long Imagine Jimin - BTS) - Capítulo 21 - Disgusting.

Toda aquela desastrosa cena seguia repentinamente em minha mente a cada segundo que se passava. Em nenhum momento pedi para que aquilo acontecesse, só queria ver Jungkook preso por seus atos, apenas isso. Mas tudo saiu do controle, tudo. A ferida de muitas pessoas daquele local foi tocada, a minha, a de Yoongi e a de Jimin. Ambos perderam Jin, ambos se feriram com as palavras sujas de Jungkook.

Mas eu não percebi que estava tão confiante, tão bem comigo mesma, então tudo foi destruído por conta de meras palavras sujas, palavras inúteis. Jungkook faz eu me sentir louca, faz eu me sentir culpada, estou sofrendo. Com a mão no peito eu rezo, para que sobreviva a isso tudo, para que sobreviva às injustiças de Jungkook, rezo para que eu sobreviva à distância de Jimin.

Todas as lágrimas possíveis existentes em mim já foram derramadas. Estou desidratada, cada vez mais emagreço, cada vez mais perco a fome, cada vez mais perco o sono. Existem milhões de motivos para que Jungkook vá para a cadeia, mas um sobressalta: sua futilidade.

Jungkook não tem valor, é mais uma pessoa suja desse mundo repleto de coisas ruins, mais uma pessoa sábia de seus atos e ridícula. Sabe que o que faz é errado, mas para ele, é prazeroso, sua repugnância toma conta de toda sua carcaça que um dia brilhara em meio aquele hospital.

Taehyung está na cozinha, sentado à mesa de jantar, provavelmente cansado de tanto olhar aqueles papeis. Como já disse, as horas aqui não passam, sempre que olho para o relógio pendurado na parede do corredor, o ponteiro simplesmente não mexe, ou será que meus pensamentos estão viajando tão rápido em minha mente que tudo parece lento para mim?

Me sinto fraca, me sinto acabada, me sinto desprezada e meramente sinto que estou sendo vista como uma mentirosa. Toda minha esperança é arrancada de mim, e simplesmente me faço em pedaços a tanta insignificância. – (Seu nome), pode vir aqui por favor. – era nítido o cansaço na voz de Tae, mas sua persistência retomava minha esperança, aos poucos. – Me conte, detalhadamente, o que aconteceu no dia, quero fazer algumas anotações. – toda a mesa estava bagunçada, haviam inúmeros papeis espalhados pela mesma, suas olheiras estavam roxas e seus olhos num tom avermelhado, sua expressão demonstrava todo o tipo de fraqueza. – Taehyung, por favor, vá descansar, está nisso a noite toda. – suas mãos alcançaram sua cabeça e seus olhos foram esfregados com toda força. -Pode me dizer o que aconteceu? – sua voz entoou rude.

Me lembrar de tudo novamente, depois de minhas feridas já cicatrizarem, dói tanto quanto saber que Jimin não está aqui ao meu lado. É difícil me lembrar de tudo o que aconteceu e não sentir nojo, pavor, medo. – Já te contei tudo Taehyung, não se lembra? – ele batucava a caneta na mesa em uma melodia agoniante, quase desesperante. – Não esqueceu de nada (Seu nome)? Tente imaginar novamente o quarto do hospital, certeza que não deixou nada passar em branco? – não me dava conta do que estava falando, o que mais eu poderia me lembrar? – Espere... – instantaneamente parou de batucar na mesa e se aproximou de mim. – Quando eu consegui sair do banheiro, e me arrastei para a porta, uma pequena luz vermelha estava acesa no canto do quarto. – Taehyung rapidamente anotou algo no papel.

- Detalhes (Seu nome), preciso de detalhes. – toda sua expressão cansada desapareceu em questão de segundos. – Como detalhes Taehyung? Estava atordoada, ferida, só me lembro de uma pequena luz no canto da parede, bem no alto. – ele juntou toda a papelada e colocou em uma pasta preta que se encontrava no chão, e rapidamente se levantou da mesa, pegando as chaves do carro de sua mãe. – Onde vai Taehyung? Você não tem carteira, não sabe dirigir. – seu indicador se encontrou em minha boca. – Shhh, não conte nada para minha mãe, e não saia daqui, vá descansar. Te vejo mais tarde. – antes que saísse, selou meus lábios, num ato rápido e impossível de controlar.

XXX

As enrolações inúteis dos profissionais daquele hospital me desesperavam. San apareceu e correu em minha direção. – Jimin, o que está tramando? – o puxei pelo braço e o levei até o quarto em que (Seu nome) estava. – Olhe lá no canto San, uma câmera. Se ela gravou alguma coisa na noite do estupro, podemos levar a fita ao tribunal, na próxima sentença. – um pequeno sorriso esperançoso abriu nos lábios de meu cunhado. – Reze para que esteja tudo gravado Jimin, reze.

No momento, a única coisa que podia imaginar, era Jungkook seguindo algemado para o furgão, e as lágrimas de felicidade escorrerem pelo delicado rosto de (Seu nome). Sinto falta dela, sinto falta de seus lábios. Preciso que isso acabe o mais rápido possível, preciso ter minha garota novamente em meus braços.  

- É Jimin, certo? – um enfermeiro seguiu em minha direção, seu rosto era familiar. – Sim, sou eu. – ele estendeu sua mão à mim, me cumprimentando. Em nenhum momento tirei os olhos do rosto do rapaz, sinto que conheço ele de algum lugar. – Por favor, siga-me, está liberado para ir até a sala de controle. – sua simpatia não me convencia. – San, por favor, fique atento ao celular, qualquer coisa te ligo, esse homem me é suspeito. – San assentiu com a cabeça e tirou o celular do bolso.

Os corredores do hospital pareciam não ter fim. Curvas e mais curvas eram feitas, e nenhum sinal da sala de controle. – Com licença, estamos próximos da sala? É urgente. – “humpf” foi o que consegui ouvir antes do rapaz se virar para mim. – É logo ali Jimin. – ele apontou para a última porta do estreito e longo corredor. “Sala de controle” estava exposto em uma pequena placa na porta. Ao chegar lá, usou um cartão para o acesso de entrada.

- O computador principal é o do canto, qualquer filmagem que precise está nele. Pode pesquisar o dia e hora específicos, e o quarto também. – caminhei até o computador e me sentei. Mas nada aparecia, coloquei o dia e horário para apresentação das câmeras, e todas elas apresentavam uma filmagem, menos a do quarto de (Seu nome). – Por que no quarto 5 não tem filmagem? – logo o enfermeiro se pôs atrás de mim e aproximou sua face ao monitor. – Oh, deve ter sido algum problema, a câmera pode ter tido alguma danificação no dia. – aquilo me era suspeito, completamente suspeito.

- Só neste dia? – ele sentou ao meu lado. – Sim, sempre dá algum problema nas filmagens, esse dia foi premiado. – abri todas as câmeras do dia seguinte, e a do quarto 5 estava em perfeito estado. – Mas se deu defeito, como foi reparada tão rapidamente para estar gravando normalmente no dia seguinte? – rapidamente o enfermeiro se pôs atrás de mim e me segurou pelo pescoço. – O que está fazendo imbecil? – quanto mais me movimentava, mais forte meu pescoço era prensado em seu braço. – Acha que sou idiota a ponto de manter arquivado gravações do óbvio sobre meu cliente?

Sabia. Aquele homem era familiar. É simplesmente o advogado repugnante de Jungkook. – Mas o que... – brevemente puxou uma arma de seu bolso a apontou em minha cabeça. – Sh, sh, sh, não diga mais nada, ou estouro seus miolos aqui mesmo rapazinho. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado meus anjinhos.
Comentem o que acharam, me ajuda bastante.

Aloka, já ia me esquecendo, não estão afim de dar uma olhadinha nas minhas Oneshots? Os links estarão aqui embaixo para vocês <3
https://spiritfanfics.com/historia/destroyed-dramatic-imagine-kai--exo-6309964
https://spiritfanfics.com/historia/favos-de-mel-6662672

Beijos meus docinhos de coco, eu realmente amo muito vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...