História CLÃS 2 - Marca Negra - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bruxas, Lobisomens, Romance, Sobrenaturais, Vampiros
Exibições 8
Palavras 1.305
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - CAP 15 - Nem era um plano ruim, era um plano péssimo.


A sala ficava ao fundo do quartel, mas havia muitos vampiros sobre os muros, eram todos originais. O sorriso estampado nos rotos de cada um dizia que eles estavam esperando por nós e isso poderia não ser bom.

- Com certeza é uma armadilha – Peter disse olhando para o antigo quartel que vivia.

Saímos do carro e Lucy veio ao meu lado.

- Tyler – Lucy me chamou – Sobre aquilo que te pedi em não matar ninguém. Esqueça por hoje. – Ela me olhou e eu sorri.

- Nós vamos morrer e eu nem deixei um bilhete pra minha mãe – Julia reclamou.

- Se a gente morrer nossos pais vão amaldiçoar nossas almas – Jasmim disse para Elena.

- Vamos por o plano em pratica. Ninguém vai morrer. – Peter disse sacando sua arma e apontando para os muros.

Nós avançamos, Peter atirando na maior parte dos vampiro que podia, Jasmim e Elena conjuravam magia de proteção e Lucy acompanhava Julia, tentando manter vampiros longe também e eu fazia o que mais gostava, matava. Não precisei me esforçar muito, cada mordida era uma faísca que percorria meu corpo e um vampiro se contorcendo no chão, só que eles tinham armas agora e era complicado me desviar das balas. Nosso plano estava dando certo e já estávamos na metade do caminho quando Stefan apareceu. É claro que tive que intervir quando ele correu em direção a Jasmim e Elena, na tentativa de romper a barreira de proteção que elas estavam conjurando, corri mais rápido que ele e me coloquei a frente delas batendo ombro com ele, nós dois caímos em lados opostos então os tiros pararam. A atenção era toda pra nós dois.

- Que coincidência – Ele riu se levantando – Um ataque surpresa aqui, enquanto acontece um ataque surpresa lá.

- O que? – Jasmim perguntou surpresa – Seu desgraçado! – Jasmim disse rangendo os dente e lhe lançou um feitiço. Eu ataquei o vampiro que tentou se aproximar dela, mas outro que estava perto demais cravou uma espada de prata com carmon em meu abdômen.

-Tyler! – Lucy gritou e Peter atirou balas de carmon no vampiro e ele virou cinzas.

- Descobri que prata traz uma dor intensa melhor que madeira – Stefan disse pra mim sorrindo. E ele estava certo, prata e carmon eram definitivamente pior que madeira e carmon.

- Vão! – Eu disse sentindo o sangue em minha boca – Eu atraso eles – Eu disse a Jasmim.

- Você não pode matar todos eles desse jeito – Jasmim disse olhando para a espada atravessando meu corpo.

- Acredite, eu posso! – Eu disse rangendo os dentes.

Enquanto Jasmim corria para a sala, Lucy veio a mim.

- O que esta fazendo? – Ela perguntou

- Dando cobertura – Eu disse afastando-a de mim.

- Vou ficar com você – Ela segurou meu braço tentando me manter de pé.

- Não! – Eu a afastei de mim - Você já me viu fora de mim? Dando a chance pra meu lado obscuro fazer o trabalho sujo? – Perguntei – Você não vai gostar de ver isso, não vai querer ficar entre mim e ele.

- Não vou deixar você lutar sozinho. A não ser que consiga me tirar a força, não vou sair daqui. – Ela virou as costas pra mim para atacar um vampiro.

- Então você não me deixa escolha – Eu a joguei para longe de mim com uma força tão grande que ela chegou a bater de costas no grande portão da sala de departamento. E então eu me transformei. Pude perceber Julia falando algo com Lucy e relutante ela resolveu não voltar até a mim.

 Eu tinha dois minutos pra matar mais de dez vampiros originais e foi o que eu fiz. Sabia que Peter, Julia, Jasmim e Elena estavam vendo todo o show, mas era a única forma de fazer, única forma de mantê-los vivos. Eu arranquei a espada cravada em mim e estraçalhei todos os vampiros, como da ultima vez que destrocei centenas de vampiros yokais. Fiz o mesmo com os vampiros originais só que com mais prazer, pois o sangue deles era mais agradável ao meu paladar. Stefan parecia nervoso a cada vampiro que eu destroçava e me aproximava dele. Mas então ouvi o barulho do portão se abrindo algo obscuro saiu de lá, meu rosto virou instantaneamente para o lado de onde a onda obscura vinha e algo bateu em mim como uma onda atravessando meu corpo.

- Está sentindo isso? – Stefan perguntou rindo e aliviado – Milhares de objetos negros juntos liberados de uma vez só. Eu pesquisei sobre essa marca meu amigo e não vai demorar pra você sucumbir ao seu lado obscuro.

Meu corpo começou a tremer, minhas veias começaram a arder, meu peito começou a queimar e eu cai de joelhos no chão.

- Eu vou matar você! – Eu disse em uma voz duplicada. O que estava acontecendo comigo? Eu levantei novamente e dei alguns passos pra frente tentando agarrar seu pescoço. Mas meu corpo estava pesado demais e eu cai no chão novamente.

- Ah Tyler, vou esperar pacientemente por isso, esperar pelo dia em que vamos agir juntos. – Ele sussurrou. Ouvi barulho de algo explodindo e a pressão da explosão nos envolver. – Ah! Que pena, vocês destruíram os brinquedos das minhas novas aliadas, mas vou ficar com o bônus. – Ele disse antes de correr para longe.

- Não! – Ouvi Lucy gritar – Devolva! 

Eu tentei me virar para onde o som da sua voz surgia, mas corpo queimava demais e eu apenas deitei no chão tentando não gritar. Peter saiu atirando provavelmente em Stefan e então tudo pareceu ficar mais lento a minha volta.

- Tyler! – Lucy veio gritando – Tyler! – Ela me chamava - O que esta acontecendo? – Ela me levantou.

- Meu peito! – Minha voz duplicada continuava. Eu comecei a rasgar minha camisa e arranhar meu próprio corpo – Esta queimando!

- Sua marca! – Lucy disse em espanto – Está crescendo.

- Fique longe de mim – Eu disse a Lucy. A vontade que eu tinha de matá-la era insana.

Era difícil admitir, mas o que eu estava lutando era pior do que lutar com dezenas de vampiros, estava lutando contra minha vontade de matar todos eles, estava lutando contra a vontade de sair por ai matando todos que tinham veias pulsantes pra amenizar a dor que se espalhava pelo meu corpo. Eu me joguei no chão não suportando mais o ardor que minha marca estava causando, eu rugia e tinha certeza que minhas presas não estavam escondidas.

- O que é isso? – Ouvi a voz de Julia perguntando espantada. Eu estava cercado por eles, tentando entender o que estava acontecendo comigo.

- Faça isso parar – Lucy pediu – Ele está se contorcendo de dor.

- Eu estou tentando – Jasmim dizia. Provavelmente tentando fazer alguma magia pra amenizar dor.

- Não esta tentando direito – Lucy gritou.

- Você está nervosa Lucy – Jasmim disse – Juntar nossa magia não vai adiantar desse jeito.

- Se ele morrer eu mato você – Lucy rosnou para Jasmim – Mato todas vocês

- Calma Lucy – Peter gritou

- Isso não vai matá-lo – Julia disse espantada demais. Senti seu toque no meu peito e minhas garras tentaram acertá-la, mas Elena a puxou.

- Não toque nele – Lucy disse.

 – Essa marca, essa marca é magia negra. – Julia disse espantada – Eu conheço essa marca, é da minha família.

- O que ela faz? – Peter perguntou impaciente.

- Eu não sei, mas parece que quanto mais cresce, mais obscuro a alma dele fica– Julia fez uma pausa – Vocês viram o que ele fez com esses vampiros, todos nós vimos. Isso não é nada pra o quanto ainda obscuro ele pode ficar.

- Porque isso ta acontecendo agora? – Peter perguntou

- Acho que... – Julia fez uma pausa – Acho que fomos nós que fizemos isso quando liberamos a onda de magia negra.– Não sei mais o que conversaram, eu só vi a escuridão em meus olhos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...