História Classe 406 - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Karin, Karui, Sakura Haruno, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Bimbinha, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Girls
Visualizações 70
Palavras 2.875
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Spaanse meisie


Cinco minutos depois, uma mulher de coque alto adentrou a classe, apresentando-se como Anko Mitarashi professora de geografia. A mulher percorreu os lugares com o rosto mascarado em indiferença, antes de dar dois passos para a frente, segurando um papel em mãos.  Dera uma boa olhada nele para então pigarrear.

—Parece que temos mais uma aluna nova vinda de algum quinto dos infernos. — exclamou em voz alta, fazendo com que o sutil falatório de minutos cessasse. — Senhorita Sousuke, poderia apresentar-se?

Encolhida em seu lugar, Tenten sentiu as bochechas corarem furiosamente em um misto de vergonha com irritação. Suspirando de maneira dramática, ela levantou-se de seu lugar e caminhou até o local onde a professora estava. Anko a instruiu sobre a melhor maneira de se apresentar e, tendo feito isso, a hispânica virou-se para os seus colegas de classe. A morena de olhos perolados olhava em sua direção de maneira extremamente atenciosa,contudo obrigou-se a ignorá-la.

—Sou Tenten Sousuke, tenho quinze anos e venho transferida do colégio Acuña, de Barcelona. — houve alguns cochichos. Com os olhos suplicantes voltou sua atenção para a professora que esboçou um sorriso amigável.

—Seja bem vinda, Senhorita Sousuke. Pode voltar para o seu lugar. — meneando a cabeça em confirmação, Tenten arrastou-se de volta para o canto em que alegremente tomou para si, ainda sobre os olhares atentos e desconfiados dos seus colegas de classe. — Muito bem classe, como dito anteriormente, na aula de hoje vamos falar um pouco sobre Circumpolar...

A morena abriu a sua bolsa, tirando de dentro o fichário e as canetas, enquanto observava a professora andar em direção ao quadro negro. Anko pegou um giz e escreveu, sublinhando, o nome da matéria que passaria a explicar.

—Ei...Sousuke! — uma garota de cabelos loiros sussurrou ao seu lado.  Ela olhou de esguelha, deparando-se com um exótico penteado e olhos profundamente esverdeados.  — Como é o clima lá na Espanha? — perguntou curiosamente.

 —É um pouco mais quente que aqui. — retrucou com cautela, observando-a sua colega de classe. Assim como a morena de olhos pérolas,  a loira trajava um uniforme mais despojado e vulgar, ao contrário dela, que estava se sentindo uma freira com uma saia tão longa quanto aquela.

—Deve ser ótimo morar na Espanha. — comentou, suspirando de maneira sonhadora. E então parou de falar brevemente, voltando a atenção para o quadro, onde a professora explicava energeticamente a respeito da matéria, parecendo ignorá-las. — A propósito, sou Temari. — exclamou, estendendo a mão para a morena, que retribuiu ao cumprimento ainda incerta.

—Tenten. — retrucou, apesar de achar desnecessário repetir novamente o seu nome, quando acabara de se apresentar a frente da turma inteira.

A loira sorriu simpaticamente, abrindo a boca para dizer algo, porém calou-se ao escutar a voz de Anko. Ela precisava de pontos naquela matéria.

E assim, chegou o fim da primeira aula do dia.  Antes de deixar a sala, a professora orientou-a pegar a matéria atrasada com algum dos seus colegas e então passar na diretoria para ater-se as demais regras de vestimenta e conduta da instituição. Ela concordou, pois estava desorientada e mesmo que seu instinto de rebelde falasse mais alto, era bastante realista: havia sido trancada ali, não adiantava nenhuma forma de contatar a sua mãe sabia que seria inútil. E como deixara o país tão rápido, sequer tendo a oportunidade de despedir-se do seu pai, ligar para ele também estava fora de cogitação. Só restava a conformidade, pelo menos por enquanto, até ela descobrir como realmente Claware funcionava.

 O sinal tocou, informando a troca de professores, algo que ela estava mais do que suficientemente acostumada. Um homem alto, de cabelos castanhos adentrou a sala, fechando a porta atrás de si. Fazendo jus ao padrão inglês, ele era alto, magro e se vestia como um verdadeiro lorde! Que tédio, foi o pensamento dela ao vê-lo.  Seu nome era Genma Shiranui e ele era professor de história, exatamente como a professora anterior ele  pegou uma lista que tinha entre a sua lista de chamadas e foi lendo os nomes até chegar ao seu, em seguida solicitou que a morena fosse até sua mesa.  Novamente ela levantou-se, se apresentando brevemente – dessa vez para o professor. – e em seguida o moreno explicou algumas coisas sobre a maneira com que conduzia a aula, voltando a dispensá-la. Enquanto retornava para o seu lugar em uma quietude própria de alguém que caia de pára-quedas em uma escola nova, Tenten não evitou comparar o ambiente em que estava com seu antigo colégio.  Mesmo que fizesse parte do mesmo sagrado continente europeu, os espanhóis eram incomparavelmente mais barulhentos e calorosos que os britânicos. O sangue forte em suas veias era percebido através de gestos, roupas, cumprimentos e etc. Até aquele momento, a impressão que tinha era de ter sido jogada por engano em algum planeta fora da via láctea.

Mas ela sabia que estava apenas sendo dramática, era o seu primeiro dia, ainda estava muito cedo para adaptar-se. 

Spaanse meisie! — escutou a voz de uma das gêmeas Sirhan soar atrás de si. Virou-se, com um sorriso, aproximando-se das duas.

—Oi, meninas.  Não vi vocês na sala.

—Classe 407. — explicou Karui, a castanha assentiu. — Vem, vamos mostrá-la a biblioteca.  É de tirar o fôlego. — afirmou, puxando-a pelo braço.  Sentindo-se mais confortável, Tenten pusera-se a andar pelo local acompanhada das simpáticas gêmeas.

Além de contar com uma rigorosa vigilância, Claware ficava muitos quilômetros de distância da capital de Rhys, mais especificamente na área litorânea, o que considerou engraçado, pois já que estavam cercados de mar, não deveria ser mais quente por ali?! Ao menos, era assim em sua cidade natal. Deixando-se ser guiada, ela observou alguns alunos sentados nos degraus das escadas com seus celulares de última geração nas mãos, conversavam entre si com uma intimidade invejável.  Pareciam concentrados demais em  seus aplicativos para perderem o precioso tempo analisando a nova estrangeira intrusa.

A biblioteca era gigantesca, com diversas sessões e corredores ainda maiores do que o esperado, dispunha de alguns computadores  “para pesquisa” – como uma das diversas placas, em cima dos aparelhos de ponta avançada, afirmava – e o falatório era proibido.  Essa área não considerou muito impressionante, mesmo assim admirou-se com a organização e decoração do lugar, era bem aconchegante ali dentro. Desfilando por entre os livros, o celular de uma das Sirhan tocou,era o de Chocho que arregalou os olhos e fizera uma careta, em um pedido mudo de desculpas.

—De novo Chocho! — a primogênita a repreendeu. — Vamos atender lá fora. — declarou, puxando a irmã. — Tenten... Ficará bem?

—Sim, sim, não há com o que se preocupar. — afirmou embora achasse estranha a necessidade das duas terem de ir juntas atender o celular. Mesmo assim não as contrariou, não estava em seu poder dispensar amizades em potencial.  Elas não pareciam como as demais garotas narigudas que tinha visto ao longo do dia, e isso era motivo para simpatizar imediatamente com ambas.  Repentinamente só,  explorou todos os cantos possíveis da biblioteca até que, enfim, optou por ler um bom livro.

Leu o título em voz alta. A Saga Crepúsculo não era exatamente uma das suas obras literárias preferidas, mas estava com pouca paciência para se dignar a procurar por outro exemplar, contentando-se com o mesmo, iniciou a sua leitura em voz baixa, ignorando as presenças que surgiam sorrateiramente pelo local. Ou talvez fosse porque ela estava realmente concentrada no romance a sua frente.

Ela estava absorta em sua leitura, pensando o que diabos Isabella Swan poderia de ter visto de tão encantador em um cara com problemas de continência vampiresca, quando fora interrompida de maneira bizarra por um surto de risadas histéricas. Ergueu a cabeça, deparando-se com um quarteto de garotas sentadas a sua frente, três delas riam feito hienas, movendo a cabeça para o lado, ela logo descobriu o motivo da chacota. Era um garoto magro,alto, de óculos e suéter sem muitos atrativos que tinha acabado de derrubar vários livros de uma tacada só e tremia como um cachorro assustado. Ele tinha cabelos negros e usava lentes típicas de um verdadeiro hipster moderno. 

—Ora, se não é o nosso nerd preferido. — a perolada riu escandalosamente.

—Não é possível que ele seja tão cego a ponto de não ter visto a porra da madeira a sua frente. — declarou à loira, Temari, que havia se apresentado horas antes.

—Ele é muito desastrado. — acrescentou a garota de estranhas madeixas róseas  e olhos verdes, seus cabelos batiam até o ombro e ela tinha feições delicadas iguais as de uma boneca. — Vocês se lembram do baile passado?

—Acho que ninguém esqueceu aquilo. Que jeito bizarro de terminar a oitava série. —Temari voltou a rir, tentando se conter, em vão.

—Cretinas. — bradou a loira, de cabelos longos, deixando o local andando em direção ao nerd assustado ajudando-o a pegar os livros e a recolocá-los na prateleira de cima. Demorou cerca de cinco minutos, e a Sousuke pode observá-los iniciando um curto dialogo até que ela deixou de falar e retornou ao antro das galinhas, como havia apelidado mentalmente. — Sakura, pensei que essa fosse a sua vez de ir ajudá-lo. — cantarolou.

—Oh não. Eu já livrei ele de levar uma surra semana passada e agora o filho da puta do Sasori está no meu pé. — resmungou a rosada, revirando os olhos, inclinando-se sobre a mesa. — Ele é todo seu esse mês, queridinha.

A loira resmungou alguns palavrões, palavras nada sofisticadas para alguém que tinha a áurea de uma Barbie. Aparentemente, elas não eram o clichê estereotipado pelo qual Tenten esperava que fossem... Pareciam piores.

—Sasuke é tão diferente do irmão mais velho. — a voz da perolada ecoou alta pelo lugar, as quatro ainda observavam o garoto, que se afastava gradualmente da visão delas, indo até o final daquela respectiva sessão. Também pudera, depois de ser debochado daquela maneira, era totalmente compreensível que quisesse manter distância daquelas vadias. — Aposto que ele é virgem.

—Oh, não é preciso apostar isso, Hyuuga.  Você não vê o jeito com que ele gagueja na frente da professora Matsumoto ou da Tsunade? Ele praticamente sai correndo para o banheiro, sempre que as vê. Tenho certeza absoluta de que é para bater punheta. — garantiu Temari, expressando um sorriso deveras malicioso.

—Ele tem tara por seios grandes. — Sakura estalou a língua. — Aposto que se você pressioná-lo um pouco, Hina, ele fará tudo o que você quiser. Em um estalar de dedos.

Tenten franziu o cenho, reprimindo ao ímpeto de chamá-las de vagabundas, balançando a cabeça descontente, observou de soslaio Karui e Chocho virem em sua direção, com um singelo discreto de “silêncio”, chamou as gêmeas para que se sentassem ao seu lado, assim elas fizeram, tentando disfarçar.

Na mesa a frente, aparentemente alheias as curiosas que escutavam sua conversa, o quarteto discutia a cerca daquela sugestão supostamente brilhante dada por Sakura.

—Aposta? — os lábios da morena curvaram-se em um sorriso desprezível. — Quer deixar isso interessante, Haruno?

—É claro que sim! — ela riu com histeria.  — Quanto você quer apostar para tirar a virgindade do Sasukinho? — e fez um beicinho falso, olhando fixamente para ela em desafio. 

Sorrindo, Hina afastou algumas mexas de seu cabelo para trás, os lábios estavam tingidos em um vermelho discreto.

—Eu quero a sua coleção novinha da Gucci.

—Oh. Meu. Deus. — a loira de cabelos longos revirou os olhos, levantando-se bruscamente da cadeira. — Eu não vou ficar escutando vocês, vocês são nojentas.

—Só está falando isso porque é do seu precioso Sasuke de que estamos falando. Quando fizemos aquilo com o Lee, você não deu esse showzinho de moral, Ino.

—Lee filmou a minha vagina durante um jogo de queimada, ele mereceu tomar no cu. — argumentou a loira, prendendo o cabelo em um rabo de cavalo alto. — Agora o Sasuke não fez absolutamente nada para merecer isso. 

—Então você esta fora. — constatou Temari, parecendo enfezada com esse fato. A loira assentiu.

—F-o-r-a. — soletrou, pegando o seu fichário de cima da mesa. — Façam o que quiserem, mas não se atrevam a me envolver nisso. — as alertou.

—Como quiser, Majestade. — o tom de voz de Hinata era completamente irônico.

Tenten, Karui e Chocho entreolharam-se antes de se levantarem de seus respectivos lugares e deixarem a biblioteca da maneira mais silenciosa possível.  Assim que viu-se a muitos metros de distância da biblioteca, a Sousuke fez a pergunta que estava entalada em sua garganta.

—Mas de que parte do Tártaro aquelas vadias fugiram, afinal? Quem são elas?

Sem entenderem a parte envolvendo o tártaro, as gêmeas atearam-se a pergunta final. Fora Chocho quem respondeu.

—Sabaku, Haruno, Yamanaka e Hyuuga, os demônios em forma de gente. É melhor manter distância.  Sabe o filme Meninas Malvadas? É bem pior que aquilo.

A citação do filme de patricinhas envolvendo Lindsay Lohan, fez com que a morena tirasse algum tempo para reavaliar o lugar em que drasticamente fora parar. Inicialmente as garotas e os garotos comportavam-se de maneira indiferente, apenas arrogante– mas encaixando-se perfeitamente no padrão britânico. —. Não sabia o que poderia esperar de garotas que apostavam virgindades de garotos inocentes em troca de coleções famosas, mas tinha certeza de uma coisa; era aquele tipinho de gente que merecia o seu mais profundo desprezo.  Pessoas que tratavam os demais como se fossem reles objetos descartáveis não passavam de excrementos ambulantes. E Tenten era limpa demais, ao menos no que se referia ao seu caráter, para andar com aquelas esnobes.  

No dia seguinte, durante a aula de ginástica que era a primeira do dia,  ela fora informada por seu mais novo colega, Chouji, um gordinho filho de parlamentaristas extremamente preguiçoso, porém comunicativo, de que aquelas garotas tinham passe livre para mudarem os seus uniformes. Então, ela não ficou surpresa quando o quarteto fantástico surgiu em trajes minúsculos obviamente com o intuito de realçar e exibir seu corpo para os tarados do colégio, apenas revirou os olhos e tentou se concentrar nas instruções dadas pelo professor Hatake, que se encaixava no típico padrão homem bonito e charmoso que facilmente molharia as calcinhas alheias. Depois de um acirrado jogo de queimadas, onde ela terminou por última por ser a única mentalmente capaz de desviar a tempo das bolas, fora liberada para beber um pouco de água e retornar a quadra.

Estava nos bebedouros, concentrada em saciar a sua sede, quando escutou passos próximos demais de si.

—Hola, compañera. — o ridículo sotaque espanhol despertou-lhe a atenção. Limpando o canto da boca com a mão, virou-se a tempo de encarar um cara alto de aproximadamente um metro e noventa e cinco. Arregalou os olhos. Era o cara em quem a Hyuuga estava pagando boquete!

Mascarando a sua total surpresa ao deparar-se com ele, ela fez a cara mas intimidadora possível.

—Você vai acabar reprovando em espanhol dessa maneira. — afirmou.

—Sou Uchiha Itachi. — apresentou-se, mesmo que ela não tivesse perguntado nada, o que não pareceu ser um empecilho para ele.  Ele estendeu a mão para cumprimentá-la e ela retribuiu, cada vez mais desconfiada. — Desculpe o meu sotaque, só estava tentando ser legal.

Ela arqueou a sobrancelha, duvidava muito disso, contudo não disse nada.

—Certo, Uchiha Itachi — ela sorriu com rispidez. — Em que posso te ajudar? Se está interessado em aulas extras sobre espanhol, está perdendo seu tempo. — avisou.

—Muito bem, garota hispânica, você me pegou! — e ergueu as mãos para o alto, em sinal de rendição. — Estou tentando ser legal e é dessa maneira que você me agradece?

—Precisamente, até porque tenho certeza de que não estava sendo legal comigo a troco de nada. — e esbarrando em seu ombro, continuou. — O que você quer?

—Como estou cansado de responder a essa pergunta... Me siga, vou apresentá-la ao internato de uma maneira completa. — e dando as costas para ela, afastou-se dos bebedouros.

A curiosidade era realmente uma armadilha de satanás, percebeu Tenten enquanto o seguia, ignorando completamente o horário de ginástica. A queimada podia esperar, não teria a vida inteira para fazê-la? Sabia que não deveria confiar facilmente em ninguém, e estava longe de confiar no tal Itachi, porém ela estava interessada em conhecer os demais lugares, assim não se perderia.

Enquanto andava pelos corredores, em passos curtos para que ela pudesse acompanhá-lo, o moreno voltou a falar.

—Essas escadarias levam você a um patamar de prazeres obscuros, dizem que têm alguns quartos abandonados lá em cima. Se quiser conferir, fique a vontade, mas lembre-se de que a inspetora Guren monitora aquela área sempre pontualmente às três da tarde. — fez uma pequena pausa. — Naquela porta branca ali — apontou indiscretamente — É onde fica a piscina aquecida.  E aquela ali, é reservada aos professores. — parou subitamente de andar, virando-se para encará-la. — Agora, vamos ao que realmente interessa, senhorita Sousuke. — ele a prensou na parede, mantendo certa distancia entre ambos os corpos. — Aquilo que você pensa ter visto no quarto ontem a noite, não significou absolutamente nada, entende?  Aquilo nunca aconteceu.

Ela piscou os olhos, demorando a processar aquelas palavras. Aquele cara era retardado ou só gostava de tirar uma com a cara alheia? Limpando bem a garganta, adiantou-se em dizer.

—Escuta, Uchiha Itachi, eu realmente não me importo com as chupadas que as suas amigas te pagam. Estou pouco me fodendo se você quiser foder elas ou a égua do estábulo da fazenda do meu pai, só não cruze o meu caminho que eu não irei cruzar o seu. — e então se afastou bruscamente dele, voltando ao ginásio, frustrada por ter caído em um tour fake.


Notas Finais


Espero que estejam gostando.
Spaanse meisie = Garota espanhola em Africâner.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...