História Clexa possessive ADAPTAÇÃO - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Anya, Bellamy Blake, Clarke Griffin, Costia, Jasper Jordan, Lincoln, Octavia Blake, Raven Reyes
Tags Clarke, Clexa, Clexag!p, Lexa
Exibições 460
Palavras 2.921
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Escolar, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


oi gangsters

Capítulo 31 - Bonus 8 parte 1


Clarke POV

- Vamos logo, Raven. Lexa esta nos esperando na praça de alimentação. –A apresei enquanto ela queria olhar algum sapato lindo que havia chamado sua atenção.

-Na verdade, ela esta esperando você, eu estou só de arrasto. – Ela rebateu.

-Sim, mas eu pedi para ela vir nos buscar, porque Octavia nos largou aqui e picou a mulinha e não esqueça que temos filhos para cuidar. – Falei. –Ethan não pode ficar muito tempo sem mim, se não ele não vai parar de chorar e tenho certeza que aquela baba não vai dar conta.

-Ai como voce é chata. –Ela reclamou. –Vamos. –Raven cedeu e nós caminhávamos em direção a praça de alimentação onde Lexa estava nos esperando.

Assim que estávamos perto, vi que Lexa estava caminha ate alguma mesa, talvez ela fosse beber ou comer algo, mas parei ao ver algo estranho.

- O que foi, Clarke? – Raven perguntou.

-Você não esta vendo aquela mulher?

-Que mulher, Clarke?

-Aquela atrás daquele cara de vermelho, ela esta de óculos escuros e  um pano estranho na cabeça.

-Ah sim, o que tem?

-Ela esta seguindo minha mulher. –Afirmei.

-Mas ela esta parada.

-Agora, mas quando ela estava se direcionado ate aquela mesa, ela seguiu Lexa ate certo ponto e parou, se voce perceber ela esta observando Lexa o mais discretamente possível. – Lexa pelo visto não tinha percebido nada, pois continuava sentada naquela mesa sozinha e impaciente. Assim que dei um passo para ir ate Lexa, a mulher se moveu e eu parei de andar. Vi que ela estava se aproximando de  Lexa.

- Quem é essa estranha? – Raven também percebeu.

-Na dar pra ver muito bem de longe. – Eu dizia forçando minha visão. Mas dava pra ver perfeitamente, quando ela chegou e sem permissão sentou cadeira vaga a frente de Lexa, ela levou um susto mas logo se recuperou. E então as duas começaram a conversa algo que logicamente não dava pra ouvir.

-Deve ser mais uma das piranhas que sua mulher atrai, o que elas veem na Lexa? –ouvi a voz de Raven.

Lexa POV

-Você? –Me assustei ao ve-la ali.

-Sim, eu...Lembra de mim? Sentiu minha falta?

-sim e...não – Falei e pisquei para ela.

-Eu ainda não acho que eu devia desistir.

-Mas você deve, esse coração já tem dona. –Eu disse simples .- e sem querer ser muito inconveniente, vaza, vou encontra minha mulher aqui.

-Não sei o que você ver naquela garota. –Era notável o ódio em seus olhos.

-Me diriam a mesma se eu tivesse ficado com você. –Sorriu. – Agora é serio, vaza, não estou com a menor paciência hoje. -  Falei, mais ela não se moveu, só ficou me olhando. –você esta surda ?

-Isso não acabou. –Ela abriu um sorriso, nos seus lábios tinha um batom cor vinho, e então, ela levantou e saiu, me senti aliviada, confesso.

Clarke POV

-Ela vazou . –Falei. –Eu preciso saber quem é. –Corri, mas eu não estava tão perto, então a perdi facilmente de vista, o que restava era pergunta a Lexa. –Vamos Raven.

Andamos ate a praça de alimentação e lá estava ela, vestindo uma blusa preta e uma calça de couro também preta.

-Lexa. –Chamei sua atenção que estava toda no celular.

-Pensei que tinha esquecido o caminho. –Ela disse enquanto Raven e eu nos setamos.

-Tinha alguém aqui? – Perguntei esperando que ela contasse algo.

-Sera que dar tempo de comer um McDonald ? –Raven atravessou o assunto.

-Vai firme. – falei e ela levantou-se toda feliz.

-Depois reclama que ta gorda. –Lexa implicou.

-O corpo é de quem? ah tá, só pra confirmar. –Ela disse e saiu.

-E então, Lexa, vai responder. – forcei.

- qual era a pergunta mesmo?

-Tinha alguém aqui? – Ela apenas ficou me olhando.

-Você deveria ser mais direta e dizer que me viu com uma mulher aqui.

-sim, eu vi, quem era?

-Ninguém.

-Eu conheço ?

-Não. – Ela estava sendo curta e grossa.

-Sou sua mulher e exijo uma explicação. –Fiz pose e ela riu.

- Você me excita quando fala assim. –ela mordeu o lábios.

-E serio, Lexa, me diz quem era. –Implorei.

-só se você me der um beijo.

-não comece com suas chantagem. –falei cruzado os braços

-Então tá, você quer saber. – Era notável o cansaço nos olhos de Lexa, ela chegava tarde em casa saia cedo , sua desculpa era que os negócios estavam complicados agora, as coisas haviam crescido e mudado, eu já tentei conversa com e ela sobre larga essa vida, mas tudo o que eu recebi em troca era xingamentos. Puxei a cadeira para o seu lado e a envolvi em meus braços, em seguida estávamos nos beijando.

- Voce deveria tirar pelo menos um dia de folga. – Sugeri. –garanto que voce só veio aqui me buscar e vai volta pro casarão ou então vai chegar em casa e dizer que tem que ir a Los Angeles resolver algo.

-Eu sei que não estou sendo muito presente...- Ela disse e a frase ficou no ar. Eu ate havia me esquecido daquela mulher, o assunto mudara totalmente e um clima pesado se criou entre a gente.

-Isso vale mais que qualquer diamente. - Raven apareceu com uma bandeja  contendo seu lanche e sentou-se. – Faz tanto tempo que não como isso – Ela dizia como se tivesse a presenteando com o melhor do presente. –Acho que ser mãe esta me privando de alguma coisa, eu tenho medo de comer isso e prejudicar a Emma com o meu leite, mas andei fazendo umas pesquisas.....- E então ela começou a falar e falar.

-Porra...- Lexa disse enquanto roubava uma batata frita da bandeja dela. –Você fala de mais.

- Você não vai comer nada? Você tem que se alimentar. Não vou sair daqui ate você comer. –Falei para Lexa.

-Não tenho tempo nem pra ir no banheiro. – ela disse olhando no relógio.

-mas vai arranjar, você não vai sair daqui enquanto não comer.

-Pronto, comi. –Ela disse depois de pegar outra batata de Raven.

-Se você pegar outra batata, eu juro que depois que eu terminar de comer, eu vou enfiar essa bandeja no seu...

-Ok. Interrompi antes que ela falasse.- nós entendemos, vou compra algo pra você. – Falei para Lexa e levantei-me e procurei algo naqueles diversos quiosques que havia ali, comprei algo reforçado, o que demorou uns 20 minutos e logo voltei, colocando aquela bandeja e sua frente.

- Não precisava de tudo isso. –Ela reclamo, mais devorou tudo aquilo. Ela não sabia o quanto eu me preocupava com ela, lexa não ficava tanto em casa, então nas maiorias das vezes eu não sabia da sua alimentação e ela era do tipo que podia trocar sua refeição pelo trabalho. – Amanha vou ficar em casa, prometo.

- serio mesmo? – um sorriso se formou em meu roto.

 -Serio. – Ela disse simples. – Agora vamos. – Ela disse e eu assenti, eu tinha que volta pra casa pra cuidar do Ethan. Apenas dele mesmo, Lucy estava na casa de uma amiguinha.

[...]

-Clarke. –Raven entrou no meu quarto, enquanto eu me arrumava pra sair com Lexa e as crianças.

-Sim.

- Ate quantos anos as crianças mama no peito? Emma já esta com um ano e meio e ainda mama. Sera que já não é hora de parar?

-Fiz umas pesquisas esses dias, nelas diziam que o mais conveniente é amamentar no peito ate dois anos e um mês, alguma coisa assim. Eu acho demais, sinceramente. Por isso já vou começar a instruir Ethan a mamadeira.

-Eu acho que eu vou fazer a mesma coisa com Emma, claro.

-Eu fiz outra pesquisa e...

-Porra, Clarke você esta vivendo a base de pesquisa né.

-Sim e na base da Madison também, porque ela me ajuda bastante. –Falei

-Nos ajuda. – ela me corrigiu. – E como esta coisa fofa da titia? –Ela começou a brincar com Ethan que estava no carrinho levando um dos seus brinquedos de borracha a boca.

-LUCY. –Gritei, esperando que ela viesse ate o quarto e foi isso que aconteceu.

-Que?- Ela cruzou os braços e parou na minha frente com uma roupa estranha.

-Que roupa é essa? não foi essa roupa que deixei separada pra você.

-Eu quero ir com essa.

-Lucy, eu não vou deixar você sair com esse short de quando você tinha 5 anos, você tem dois anos a mais, cresceu o suficiente pra esse short  esta apertado. Lexa não vai deixar você dar nem um passo com isso.

-Eu não me importo, eu quero ir assim.

 - Vocês já estão... – Lexa entrou no quarto mais parou de falar assim que colocou seus olhos em Lucy. – Posso saber que roupa é essa?

-Ai que exagero. –Raven disse. – não tem nada vulgar, ela é uma criança, nem tem corpo.

- O caso não é esse, Raven. Mas se ela começar a se vestir assim agora, pode ter certeza que futuramente vai ser pior e eu não quero que minha filha seja uma Costia da vida.

-Bom, vocês são mães, vocês quem sabe. – Ela disse e saiu. – Agora eu vou lar ver se minha filha esta bem nas mãos de Lincoln.

-E você vai trocar de roupa agora. – Lexa disse seria.

-Mas..

-não estou pedido, estou mandando, vai, se não você vai ficar em casa. – não demorou nem um pouco e Lucy obedecer.

-Ela esta fazendo isso só pra chamar atenção. –Falei e respirei fundo, pois desde do nascimento de Ethan, Lucy andava meio complicada. –Acho que sou uma mãe horrível.

- puta que pariu, Clarke, não fala isso. Você sabe que faz de tudo que pode, Lucy que tem que entender que Ethan é pequeno e precisa um pouco mais de atenção. –Ela foi ate o carrinho e pegou Ethan no colo.

-Eu queria que você fosse mais presente. –Desabafei.- porque dai, Lucy não dependeria tanto de mim,  Ela teria você também e então, as coisas seriam mais fácil.

- Eu sinto muito.

- você sempre sente.

-Mas hoje eu estou aqui, não estou, vamos sair ou não? – Ela tentou aliviar as coisas.

- sim, Claro. – Eu não queria brigar.

- Esse garoto vai ser lindo igual a mim. –Lexa disse com um sorriso no rosto. – E espero que ele não acabe namorando a filha da barata.

-Não começa. – Falei pegando a bolsa de Ethan e saindo do quarto com Lexa logo atrás de mim.

- Lucy, vamos. – Lexa a chamou e logo ela apareceu com uma roupa normal. –Agora sim minha filha parece gente.

- Onde a gente vai? –Ela perguntou.

- Sabe aquela enorme praça que você tanto ama. – Falei. –Então, vamos lá. – vi um sorriso se formar em seu rosto.

- Eu posso comer sorvete de flocos? – Ela perguntou empolgada.

- Só se você me deixar comer junto. – Fiz biquinho.

- Ah não, mamãe, sem dividir sorvete de flocos, compre o seu. – Ela disse e eu ri.

- Tudo bem, tudo bem.

- Ethan e eu vamos ficar vendo as gatinhas . –Lexa disse.

- È, olha pra outra  mulher pra você ver o que acontece. – Falei enquanto terminava de descer as escadas.

- Eai, Ernestina, você ta uma gostosa hoje, cortou o cabelo? – Lexa disse pra nossa empregada que ficou vermelha.

- ah Lexa, nem vem, todos sabem que a Ernestina é minha. –Anya se pronunciou.

- Eu tenho idade pra ser mãe de vocês – Ernestina juntou os brinquedos que estavam espalhados no chão e em seguida subiu as escadas desaparecendo.

- Levamos um fora, Lexa. o que você acha disse? – Anya zoou e Lexa riu.

- Lexa, a baba vai estar nos esperando la?  - Perguntei – ou você esqueceu de ligar.

- Ela vai estar nos esperando. – Eu resolvi chamar uma baba só pra prevenir, sabe.

-Vamos de uma vez, quero meu sorvete. –Lucy falou e saiu na frente.

- Mas eu estou fraca meso, hein? – Lexa reclamou e nós saímos.

Entramos no carro e fomos o caminho inteiro em harmonia, como uma verdadeira família, o chegar no local, Lexa estaciono o carro e descemos, era uma praça enorme, onde havia pessoas fazendo varias atividades, no outro lado da rua havia vários estabelecimentos, sorveterias, restaurantes, lojas, era um lugar bem aceitados e Lucy amava ir lá pra correr com as outras crianças. Logo avistamos a baba de Ethan e fomos ate ela.

- Helen. – A chamei, ela se encontrava em um banco qualquer lendo uma revista.

 - Oi. – ela abriu um sorriso. – E como esta esse garotão? – Ela pós sua atenção em Ethan. Olhei para o lado e Lucy não estava ali, me assustei por um momento,  mas logo Lexa apontou para um grupo de criança e Lucy estava socializando.

-Desculpa por chamar você, mais achamos melhor você vir junto. – Bom, a verdade era que eu eu chamei Helen pelo fato de Lexa ser uma gangsters , eu tinha medo de alguém suspeito aparecer e lexa resolver fazer algo, então qualquer coisa eu tinha Helen pra pegar as crianças e ir pra casa com elas.

- Sem problema, é meu trabalho. – Ela foi simpática, Helen não era velha e nem tão nova, mas também não era bonita, eu me certifiquei de escolher alguém que não fosse do tipo gostosona para acabar dando em cima de Lexa e ela acabar caindo na ladaia, como aconteceu certa vez.

-LEXA. – Alguém gritou seu nome e na mesma hora Lexa e eu olhamos na direção da pessoa, revirei os olhos, era só o que me faltava. Ontori estava em um dos restaurante do outro lado da rua sentada em uma mesa que tinha vista para a janela. Ela acenou para irmos ate ela, quero dizer, para Lexa ir ate ela, mas claro, eu tinha que ir junto.

- Vou lá ver o que ela quer. –Ela disse simples.

- Vou com você. – Sai quase correndo atrás dela, logo após deixar Ethan com a baba.

- Não precisa, Clarke. –Ela foi grossa. –Você acha que eu vou ao outro lado da rua trair você.

- Não sei, de você não duvido nada. –Rebati, mais não parei de ir atrás dela. Logo estávamos entrando naquele restaurantes e indo ate a mesa dela, de lá eu podia ver perfeitamente a babá brincando com o meu menino, e então me distrai um pouco, percebi que não respondi o oi de Ontari, pois minha atenção estava toda voltada pra gargalhadas de Ethan. Ele era perfeito.

- Clarke... –Lexa forcou a garganta me tirando do trance.

- O que?- Perguntei.

- Ontari perguntou se você esta bem.

- sim, estou ótima, obrigada.- Forcei um sorriso.

- eu também estou muito bem. – Ela deu um sorriso mais falso ainda.

- Eu não te perguntei. – Murmurei e só Lexa ouviu, me lançando um olhar de repreensão.

- Desculpa, o que? – Ontari perguntou.

- Que ótimo que você esta bem.- Falei.

- Você esta sozinha? –  Lexa perguntou, era incrível como ela conseguia ser simpática com essa cobra, mesmo sabendo que Ontari era louca por ela e que podia fazer de tudo para tira-la de mim, isso me dava nojo.

-Não, estou com uma amiga. –Ela olhou pra mim. – Uma amiga que conheci quando fomos fazer aquela viajem pra Los Angeles. – As ultimas palavras me atingiram como um tiro.

- Ah vocês foram pra Los Angeles juntas. –Lexa me olhou.

- Nós tínhamos que resolver algo, foi eu, os garotos. – Filhos das putas, não me contaram que ela estava lá, depois Anya e Lincoln diziam que eram meus amigos. – Ian e Ontari, nada de mais.

-Mas eu não entendi, Los Angeles é o lugar dos Trikru, a sua gangue, já a gangue do irmão dela é aqui, então eles tem que resolver as coisas aqui.. –Comecei a falar.

- Isso, fala mais alto. – Lexa disse, percebi que eu estava exagerando e meio que abaixei o tom.

-Não sei qual seu medo, Clarkezinha. –Ela disse.

- Clarke pra você. –Falei.

- E onde esta sua amiga? – Lexa tentou contorna o assunto.

- Não muda o porra do assunto, porque você não me falou que foi pra Los Angeles com ela, Lexa Carey? Alias você não me fala nada.

- Porque não era nada demais, nós fomos de manha e voltamos de noite, não foi nem um tipo de encontro romântico. – Ela disse impaciente.

- Olha, vou ser bem sincera, eu duvido que você nunca tenha fodido essa dai. – Eu cuspi as palavras e Lexa em olhou assustada, em seguida travou seu maxilar.

- você é insegura demais, linda. –Ontari disse. – Lexa e eu nunca tivemos nada. – Ela me lançou um olhar como se dissesse “ainda”.

- Agora você exagero, vamos volta. – Ela disse seca, ate me senti meio mal, eu realmente havia exagerado.

- Não, pode ficar ai com ela, eu vou lá com as crianças...

- Mas olha quem esta vindo, minha amiga, finalmente saiu do banheiro. – Ontari me interrompeu, mas eu não fiquei pra ver quem era, eu apenas sai, corri ate o outro lado da rua, peguei Ethan e Lucy e o primeiro taxi que eu vi.

- Porque estamos indo pra casa, você e mãe brigaram de novo? Vocês só brigam. – Lucy perguntou enquanto eu estava sentada naquele banco de couro com Ethan em meu colo, puxando meu cabelo, me mantive quieta ate chegar em casa, meu celular tocou o caminho inteiro.

Helen veio junto, então pedi para que ela ficasse um pouco no pátio com as crianças e subi para o quarto, não sei porque aquela ridícula me frustrava tanto, talvez eu tivesse medo de não esta sendo uma boa mulher e Lexa acabasse indo na onda dela. Respirei fundo e fiquei lá sentada.        

  


Notas Finais


tchau gangsters......


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...