História Cliente VIP - Capítulo 22


Escrita por: ~ e ~violetwill

Postado
Categorias Originais
Personagens Guy Berryman, Personagens Originais
Tags Amanda Justice, Andrew Stone, Dor, Kevin Williams, Mason Harper, Nathan Harper, Paizinho, Romance, Serena Harper, Sexo, Sophie Berryman, Vadia
Exibições 79
Palavras 1.296
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Amores! Como estão? Obrigada a ~stefanileite pela favoritacao e espero que estejam curtindo. Um beijo P

Capítulo 22 - Hora do Castigo - não me falou sobre isso


 

  Procurei a bebida pela milésima vez. Não sabia onde Guy escondia o vinho branco. E já estava tudo pronto! Minha lingerie preta absolutamente fabulosa, as algemas e tudo que precisava pra destruir meu paizinho. Só faltava o próprio e o maldito vinho. Mas poderia fazê-lo voltar para casa e procuraria sem maiores transtornos. Liguei, sem me importar em atrapalhar seu trabalho.

  - Guy? Preciso de você aqui.

  - Amor... Estou no meio de uma reunião. Não posso sair agora. Poderíamos nos falar depois?

  - E daí? Isso foi uma ordem. Venha para casa imediatamente.

  - Serena, não dá. Estou trabalhando. Falei que não poderia ligar nesse horário.

  - Certo. Você tem cinco segundos pra dizer que não vai demorar. Ou vou até aí e aposto que não será agradável. Quer uma surra em público? Com sua puta seminua?

  - Não quero que te vejam pelada. E isso não cairia bem pra você depois. Com certeza, apanharia muito quando chegasse em casa. E espere. Chegarei em três horas e resolveremos essa situação. Seja paciente, Rena.

  - Três horas? Vai se foder, Guy. E vai apanhar agora. - Joguei o celular na cama. Ele precisava aprender que não era paciente. E era a minha vez! Não custava nada largar aquela chatice. Um sobretudo seria suficiente para me impedir de ser presa. Deixei alguns botões abertos e me apressei para dar um jeito naquele infeliz.

 

  Guy

  Serena me ligou basicamente querendo sexo. Eu estava em uma reunião de "negócios" com uns amigos empresários e precisava de um pouco de privacidade. Precisávamos resolver, além das revistas da Playboy, alguns investimentos e assinar alguns contratos. 

  Alguns minutos depois de comentar, principalmente com os amigos, sobre os peitos de uma loira gostosa, ouvimos vozes de mulheres do lado de fora da sala. E eu sabia exatamente de quem era. 

  A vadia entrou na sala com um sobretudo marrom e os botões abertos, mostrando parte do sutiã transparente de renda preta. O sorriso foi enorme quando me viu, mas a minha cara de desespero com certeza era maior. Joguei a revista para o lado e observei os caras olhando o decote de Serena. Conseguia ver a baba de Chris escorrer e Kevin não parava de encarar. 

  Ela sorriu sexy e eu tentei passar um recado com o meu olhar. "Você está fodida". Ela rebolou até perto e os olhos a acompanharam também.

  - Sabe, paizinho... Não fez uma escolha inteligente. - Ela abriu todos os botões e jogou a roupa na mesa. Os caras gritaram e sorriram. Não achei nenhum tipo de graça. A minha expressão continuava a mesma. 

  - Vista isso de novo. E agora.

  - E quem vai me obrigar? Você? - Segurou meu queixo. - Vamos pra casa agora?

  - Você, com certeza, não ouviu o que eu disse. Ou pelo menos não prestou atenção, não é?

  - Tem uma reunião importante? Não tem problema. Posso esperar aqui. Acho que não vão se incomodar. - A bunda estava à mostra naquela calcinha. E ela destacou isso sentando na mesa.

  - Não se atreva a continuar aqui, vadia. Levante e se vista. – Ela deitou e dobrou uma perna. – Serena Harper...

  - Você tem tantas opções, paizinho. Aposto que vai adorar o que preparei pra nós. E não tenho problemas em convidar amigos... - Sorriu.

  - Quem é essa maluca? Gostosa... - Kevin se meteu na conversa.

  - Minha vadia que nem está aqui pra vocês. E não se atreva a repetir isso de novo. Não vai convidar ninguém. Me dê um beijo e vá pra casa. – Levantei e estendi o sobretudo para que colocasse os braços no local correto.

  - Está muito repetitivo, amor. Só posso sair daqui com você. Ou com alguém que esteja disposto a me ajudar. E sofrer um pouquinho... - Fez um bico. 

  - Sou um cara prestativo. Só pra deixar claro.

  - Você, por acaso, quer manter seu emprego? – perguntei a Kevin. – Quem vai acabar sofrendo é você quando chegarmos em casa. Vem aqui. – A afastei até o canto da sala e a beijei intensamente. Senti os olhares em nós, mas aquele beijo faria diferença. – Você é uma mulher morta.

  - Para com isso, amor. Não quer fazer isso com sua vadia. Pretendo te matar. De prazer, claro... Juro que não vai se arrepender.

  - Você venceu. Coloque o casaco novamente e vamos pra casa. Espero que valha a pena.

  - Te amo, paizinho. - Agarrou meu pescoço e deu alguns selinhos antes de pegar o casaco. - Foi um prazer conhecer vocês. Literalmente.

  - Kevin, leve tudo o que preciso mais tarde. Vou levar minha putinha pra descansar e tomar uma boa surra nessa bunda.

  - Deixa comigo. Se precisar de ajuda nisso também...

  - Você é o primeiro da lista, Kevin. Mas ele vai apanhar hoje. Agora vamos. - Revirei os olhos e ela puxou minha mão.

 

  Serena

  Guy já estava apertando meu pescoço e me prendendo contra a parede. Infelizmente tinha outros planos e lembrei que não estava tudo pronto. 

  - Amor, preciso que pegue uma coisa pra mim. - Ele suspirou e me soltou devagar. - Acho que seus amigos aprovaram sua puta.

  - O que quer? – Ele olhou. – Preferia que não aprovassem. Me sentiria muito melhor se não fizessem. Kevin... Aquele traidor...

  - Mas adorei tudo. Vou pegar o gelo e preciso do vinho. Não sei por que esconde as coisas por aqui.

  - O vinho estava onde sempre esteve. Não pensou em olhar na despensa?

  - Não tenho culpa. Agora pode me esperar no quarto. 

  Não fez muito esforço para sair rápido. Tirei os sapatos e coloquei o vinho no balde de gelo. Parei na porta para observar aquele homem gostoso tirando a roupa.

  - Pronto, amor?

  - Não me contou de que jeito comerei sua boceta, vadia. – Deixou a cueca. Deitou na cama com as mãos atrás da cabeça.

  - Alguém disse que vai? 

  O vinho ficou perto da cama e peguei as algemas para prendê-lo ali. É claro que tive certa liberdade na primeira vez, mas ele não teria esse privilégio.

  - Não vou? Então o que pretende fazer com seu paizinho? - Prendi os braços e ele beijou minha barriga. - Vai me prender, vadia?

  - E... Te impedir de ver uma parte da brincadeira. É surpresa, paizinho. 

  Mordi a orelha e peguei o tecido preto sobre o travesseiro. Não apertei tanto, mas precisava ter certeza que não veria nada.

  - Você vai pagar por isso. Amor... Assim não tem graça. Prefiro dominar você. Já viu como é mais gostoso?

  - Ainda não experimentou isso. E fique calado. Posso enfiar esse sutiã na sua boca e aí não poderá gritar o nome da sua vadia. Não queremos isso, não é?

  - Nem pensar. Quero ver minha vadia e gritar seu nome, mas é complicado assim. Nem sei o que tá acontecendo! – Ele sorriu e eu lhe beijei.

  - Ótimo. 

  Não precisava me preocupar em ser sexy para liberar os peitos. Deixaria isso com a outra parte. Infelizmente o vinho não estava na temperatura que queria. Mas derramei uma parte nos peitos e Guy foi guiado até um. Chupou com certo desespero e movimentei o quadril. Não via nada e ainda me enlouquecia... Tentei afastá-lo mas prendeu o mamilo nos lábios e pensei que o arrancaria dali. O tapa na cara foi necessário quando resolveu soltar. Certamente foi doloroso.

  - É assim que trata seu paizinho? Isso dói, amor...

  - Então se comporte. 

  Era a minha vez de provar o corpo dele. Deliciosamente doce e quase frio. Mordi vários pontos, mas parei na cueca. Sentei novamente e bebi um pouco. O choque com aquela boca quente tornava tudo mais gostoso. Aproveitei ao máximo aquele beijo. 

  - Hora do castigo, paizinho...

  - Castigo? Não me falou sobre essa parte...


Notas Finais


sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...