História Clímax - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Lydia Martin, Stiles Stilinski
Tags Stydia
Exibições 91
Palavras 4.023
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OLAAA! Voltei! E com fic nova
Esse OneShot é só uma ideia que eu tive de repente e decidi escrever sobre.
Quanto à Presos À Luz, o capítulo vai atrasar porque não estou conseguindo escrever direito, mas não vou abandoná-la.
Enfim, espero que gostem.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Lydia Martin era gananciosa.
 
E ela sabia disso.
 
- Você está com fome? - Stiles pergunta, levantando-se de sua cadeira.
 
Lydia levanta os olhos de onde está deitada em sua cama e olha em seus olhos.
 
- Um lanche seria suficiente.
 
Stiles sorri e diz que já vai estar de volta, antes de sair do quarto e ir para a escada.
 
Eles estavam estudando e trabalhando em seu projeto de Química juntos depois da escola por boas duas horas quando Stiles sugeriu que fizessem uma pausa. E então Lydia, que observava o quarto de Stiles de vez em quando, viu sua coleção de DVDs e disse em voz alta que nunca tinha assistido Kill Bill. Stiles ficou incrédulo e exigiu que parassem imediatamente para que pudesse mostrar a ela a obra de arte que era Uma Therman com uma espada de samurai.
 
Lydia Martin era gananciosa e era uma mentirosa.
 
Não tinha lidado com isso em um longo tempo. Principalmente porque não precisava, era uma pessoa diferente agora. Tinha mudado. Eles tinham passado por muita coisa, ela tinha passado por muita coisa, para saber que fingir que não ia tornar nada mais fácil. A Lydia Martin superficial que havia entrado na escola de Beacon Hills buscando a vida perfeita não existia mais. Ela tinha sido substituída por uma garota que podia se sustentar, uma garota cuja validação não era medida pela popularidade.
 
Mas ainda existiam partes dela que eram as mesmas. Sempre existiram. E ultimamente, aquelas profundas peças enganosas eram as que voltavam à superfície.
 
E ela ficava ofegante quando pensava nisso com muita força.
 
A porta do quarto de Stiles se abre e lá está ele, segurando um pacote de salgadinhos em uma mão e uma tigela de tortilhas na outra. Ele entra no quarto e chuta a porta atrás de si antes de colocar os lanches no chão na frente dela. Lydia permanece apoiada em seus cotovelos enquanto observa o garoto se agachar e ver seus DVDs.
 
Stiles passa a mão levemente através de seus filmes e a outra instintivamente voa aos seus cabelos. Lydia vê enquanto ele começa a puxá-los sem perceber, seus dedos indo da frente para trás e, em seguida, de volta à frente. O cabelo de Stiles ter crescido durante o verão acabou por ser algum tipo de fenômeno na escola; Tanto para Stiles como para aqueles que fingiam não ter notado. O garoto, que ainda estava se acostumando a ter cabelo para pentear com os dedos quando estava nervoso, mal notou os olhares. As pessoas olhavam duas vezes agora, e Stiles estava alheio a isso talvez 90% do tempo.
 
- Espere um segundo, eu vi aqui em algum lugar... - Ele arranhava distraidamente o couro cabeludo, tornando as veias em suas mãos mais aparentes. Lydia pisca.
 
O primeiro dia de volta à escola foi muito divertido para Lydia. Ela encontrou com Stiles na frente de seu armário antes do primeiro período. Ele tinha conversado sobre provas, sem saber o quanto a atenção estava realmente sobre ele, enquanto ela se esforçava muito para morder o lábio e acenar com a cabeça. Lydia podia ver cada expressão estúpida em cada rosto ignorante de cada aluno que passava, e precisava de muita força de vontade para se abster de sorrir conscientemente. Stiles estava agitando as mãos, gesticulando algo sobre os planos, enquanto as pessoas estavam lá comparando o Stiles que conheciam no ano passado com os Stiles que conhecem este ano.
 
O olhar de Lydia cai em seus dedos movendo habilmente através de seu cabelo, para dentro e para fora, puxando e torcendo...
 
- Ah! Achei! - Stiles diz de repente, balançando o DVD acima de sua cabeça. Lydia deixa cair o caderno e a caneta no chão, chuta seus sapatos e força-se a sentar-se. Ela se sente compelida a sentar em suas mãos por algum motivo.
 
Ela não sabe como isso aconteceu, mas uma vez que a escola começou de novo, Stiles se tornou seu amigo. Foi estranho dizer isso em voz alta, mas era o que era, uma amizade. Ou, pelo menos, começou desse jeito.
 
Lydia não foi a única que mudou desde o ano passado. Stiles também está diferente. Ele se manteve diferente. Ficou mais assertivo, ela notou, quando as discussões entre o pack estavam sendo realizadas. Caminhou mais, tropeçou menos. Conseguiu fazer parte da equipe de lacrosse. Claro, ele ainda era o mesmo Stiles, com os mesmos maneirismos estranhos, a mesma boca, o mesmo humor seco, e o mesmo humor nerd, mas... estava apenas... diferente.
 
Stiles também parou de ser louco por Lydia, o que aliviou um pouco a tensão entre os dois quando estão no mesmo quarto. Ela ficou aliviada com o fato de Stiles ter abandonado sua queda. Sem aquele elefante desajeitado no quarto, tinham começado realmente a conhecer-se melhor.
 
E quando se viram como parceiros de laboratório para a aula de Química (Stiles chocando Lydia ao lembrar que sim, ele estava na mesma classe que ela, e sim, ele definitivamente pertencia ao lugar), eles caíram em uma bolha de amizade estranhamente confortável. Inevitavelmente, Lydia e Stiles tinham arranjado uma rotina fácil que consistia em estudar na casa de Stiles todas as noites de quinta-feira. O que era o que estavam fazendo até Lydia saber exatamente o que dizer.
 
Stiles coloca o filme no leitor de DVD e desliga as luzes.
 
Ele se senta ao lado dela na cama, alguns centímetros entre eles, e alcança os lanches. Seus olhos nunca deixam a tela enquanto entrega as tortilhas para Lydia automaticamente.
 
- O começo é a melhor parte. - Ele diz, com um pequeno sorriso inflexível no rosto. Sua voz sai um pouco arranhada, da maneira que normalmente acontece quando não fala por muito tempo. Isso faz Lydia estremecer. Stiles morde o envoltório da tortilha e começa a divagar sem rumo. - Porra, Tarantino sabe contar uma boa história...
 
A escuridão no quarto torna tudo calmo, e Lydia se inclina para trás em seus cotovelos para ficar confortável enquanto o filme passa. De vez em quando ela suspira e se senta, fixa seu olhar no tapete, ou seu caderno, antes de recostar-se novamente em seus cotovelos, pendurando seus pés fora da borda da cama.
 
Tornar-se amiga de Stiles fez Lydia apreciar quem ele era como pessoa, e não como um menino que iria entrar em sincronia com o salto de seus sapatos no corredor durante o segundo ano. Ele era inteligente e tinha bons instintos. Ele foi (surpreendentemente) extremamente protetor com as pessoas de sua vida. Se preocupava com o pai. Sempre tinha certeza de que estava lá para Scott. Sempre respondeu as mensagens de Isaac. Nunca fez Lydia sentir-se como uma aberração pelo que aconteceu no ano passado.
 
Lydia percebeu há algum tempo que Stiles era, em muitas maneiras, altruísta.
 
Ela estreita os olhos para a televisão, disposta a prestar atenção em alguma mulher com um remendo de olho, mas infelizmente para Lydia, sua resistência visual começa a diminuir com cada sequência do filme. Ela continua a olhar para Stiles no escuro. E então percebe o quão ridícula está sendo, suspira, sacode a cabeça, e endurece seu pescoço, antes de voltar para o filme.
 
Mas não importa quantas vezes conserte sua postura, seus olhos sempre nas tortilhas, na caixa de tortas em seu colo, e depois para cima em Stiles. Stiles. De quem o rosto parece, atualmente, até onde Lydia pode dizer, macio ao toque. Ainda jovem, mas resistente, em uma maneira atenuada. E as bochechas, aquelas que ficam vermelhas tão facilmente para ela, cobertas de sardas aleatórias e apenas pintinhas que viajam e desaparecem suspeitosamente pelo pescoço e pelo colarinho em v de sua camisa.
 
Dez minutos passam.
 
Lydia se vê olhando para o garoto ao lado dela pela sétima vez antes da própria visão a fazer ter arrepios. O perfil de Stiles está coberto por um suave brilho, sombras escuras sob sua mandíbula e descendo pelo pescoço. É um brilho projetado a partir das luzes fosforescentes da tela da televisão. Obviamente.
 
- Você está gostando até agora? - Stiles pergunta abruptamente, virando-se para ela no escuro.
 
Seus olhos se encaixam nos dele e ela lhe dá um pequeno sorriso.
 
- Mmmhm. - Ela cantarola, e então espera até que ele se vire para que possa continuar a observá-lo. Leva dois segundos até que a atenção de Stiles fique totalmente de volta no filme.
 
Lydia Martin era gananciosa à sua maneira, sim.
 
Ela era gananciosa em relação à maneira que Stiles se inclinava sobre a mesa no almoço para pegar seus livros, fazendo sua camisa levantar até revelar as covinhas na parte inferior de suas costas. Era gananciosa com a forma que tomou seu tempo aplicando batom no carro dele, sabendo que o garoto iria espiá-la enquanto ele os levava para sua casa depois da escola. Era gananciosa, deixando Stiles desabafar e conversar sobre assuntos fora do tópico principal o suficiente para que seus olhos começassem a viajar pelo quarto, para que ela pudesse fingir que não observava o jeito que sua camiseta iria puxar ligeiramente nos ombros.
 
Alguém corta alguém na tela e sangue se espalha por toda parte.
 
Stiles mastiga sua tortilha e cada movimento da mandíbula é ampliado sob seu olhar. Seus olhos descem da mandíbula até o pescoço, até o colarinho, até a camisa que está usando no momento. A gola cinza em V, de mangas curtas e apertada, sendo repuxada em seu peito. Algo dentro do estômago de Lydia queima ao ver. Oh, ela se lembra. Ah sim. Camisetas.
 
Stiles usava camisetas muito, muito bem. Elas sempre pareciam tão suaves, e ele as usava como um convite aberto. Elas deram ao seu torso forma também. Tal forma que fez Lydia se sentir absolutamente traída. Como não sabia? Parecia que alguém tinha chutado a garota no intestino quando o ar condicionado quebrou na segunda semana de aula e Stiles teve que abrir os botões da sua blusa xadrez. Havia uma mancha escura na camiseta de baixo, bem central, onde o suor havia se reunido durante o primeiro período. Ela tentou muito não olhar para ele que quase quebrou um acrílico.
 
O quarto está quente agora. Sufocante. Lydia tem que manter a boca aberta para respirar silenciosamente. Aparentemente, pensar sobre Stiles enquanto também está sentada ao lado dele está ficando quente em uma taxa alarmantemente embaraçosa. Ela tenta comer uma tortilha, mas está seca em sua boca. Ela engole de qualquer maneira e a comida desce como serragem.
 
Stiles tem esses cílios que são apenas... ela não os entende. Quase a deixam com ciúmes. Eles são como algo que viera de um desenho animado. Cada um é definido e bonito e seus olhos. Seu olhar é apenas... não tinha ocorrido a ela até que começou a prestar atenção no garoto na aula de Química. A ligeira inclinação de seu pescoço, a maneira como ele olhava para ela através das pontas de seus cílios, a maneira como sua boca se fechava em algum tipo de beicinho quando estava pensando em sua resposta. Toda vez que Stiles falava, parecia estar a um centímetro do rosto de Lydia, mesmo que estivesse sentado na mesa ao lado da sua a três metros de distância. Ele só iria encher todo o espaço na sala, mesmo se fosse apenas os dois.
 
A batida do coração de Lydia começa a acelerar.
 
Stiles coloca outro salgadinho na boca, e faz uma pausa com ele bem na frente de seus lábios quando Uma Therman corta o braço de uma mulher em um restaurante.
 
- Oh, merda. - Ele sussurra, antes de colocá-lo em sua boca e comê-lo. Ela acompanha o movimento com seus olhos e pensa sobre quantas vezes virou a noite pensando em suas mãos. Como elas ficariam se a segurassem, ou tirassem sua camisa. Sua saia. Sua roupa íntima.
 
Ela tira a mão direita do colo e coloca-a ao lado da borda da cama, bem ao lado de seu joelho. Seus dedos roçam a perna de Stiles, leves como uma pena. Ele nem sequer pisca. Na tela da televisão, uma estudante está segurando uma corrente com uma bola de metal pendurada no final dela. Stiles praticamente acompanha cada volta com seu rosto enquanto ela ataca a mulher loura viciosamente.
 
Lydia calmamente coloca a tigela de tortilhas na cama. Ela se mexe, coloca um joelho na cama e põe o outro pé no chão. Ela vira o corpo lentamente, e uma vez que afunda totalmente ns cama, lança um olhar ansioso para ele. Para o alívio de Lydia, Stiles está tão absorvido no filme que não percebe suas ações. Pequenas faíscas de calor e excitação aumentam através dela.
 
É uma pequena vitória, não ser pega fazendo tais coisas.
 
Lydia se inclina um pouco sobre suas mãos. Seus lábios estão a um milímetro do pescoço de Stiles quando ela ouve o leve suspiro que sai de sua boca quando ele sente sua respiração em sua pele.
 
Lydia desenha a viagem ao contato com uma lentidão agonizante. E quando seus lábios de pelúcia finalmente caem sobre a pele macia do pescoço de Stiles, um fogo percorre seu próprio pescoço e se expande em seu peito.
 
Stiles não se move. Não pisca.
 
Ela se agacha, se move como um gato, até que está atrás de Stiles na cama. Seus joelhos empurram contra a parte inferior de suas costas. Seu pescoço se endurece visivelmente. Na televisão, dezenas de homens em máscaras invadem o restaurante. Há alguns gritos. Mais sangue.
 
Os pesados ​​olhos de Lydia vão da parte de trás de seu pescoço, para suas proeminentes omoplatas, até a curva da parte inferior de suas costas. Ela puxa-se para cima com as mãos sobre os ombros dele, seu corpo empurrando contra o garoto. Ela fica mais alta que ele assim.
 
- Lydia. - Ele consegue dizer, paralisado.
 
Ela se sente bêbada, fecha os olhos. Ela coloca o nariz em seu cabelo e cheira.
 
- Hm?
 
É tão fraco que mal ouve-se fazer o som.
 
Uma batida mais tarde, ela está movendo suas mãos para frente, para fora de seus ombros e para baixo na frente dele. Stiles inspira profundamente quando suas mãos deslizam em seu peito. Ela se deleita com a sensação dele, finalmente conseguindo tocá-lo. Ele está quente como uma fornalha através de sua camiseta.
 
Quando alcança seu estômago tonificado, seu peito empurra para cima contra a parte de trás do pescoço ardente de Stiles. O pacote de salgadinhos cai no chão.
 
Stiles está respirando mais pesadamente enquanto Lydia continua empurrando seu corpo contra ele e percorrendo suas mãos por toda parte.
 
O tempo começa a dar voltas e, de repente, Stiles desliza as duas mãos grandes atrás dele até que agarrar a parte de trás das coxas de Lydia, empurrando-a impossivelmente para mais perto. O toque é tão íntimo que a faz sentir-se escandalizada, vergonhosa, pecaminosa. A sensação envia uma onda de calor por seu corpo.
 
Suas mãos, as mãos de Stiles, estão em sua pele e ela não consegue parar de inclinar a cabeça para baixo e pressionar um beijo de boca aberta em seu pescoço. Ela chupa o local então, como um pedaço de fruta madura, provocando o gemido mais suave de Stiles. Quase um gemido. Seus dedos flexionam e apertam a parte de trás de suas coxas. Ela segura sua camiseta cinza firmemente em dois pequenos punhos antes de continuar a chupar, sua falta de ar dá-lhe toda a motivação que precisa.
 
A realidade da situação eventualmente atinge Stiles, porque sim, isso está acontecendo, e sim, ele provavelmente deve deixar seu corpo reagir da maneira que quer. Então ele cai de sua postura, deixa seus ombros soltos, e logo a vontade de sentar-se em linha reta deixa-o inteiramente. Ele relaxa de volta para Lydia, a cabeça inclinada para o lado para deixá-la fazer o que deseja com seu pescoço exposto.
 
Lydia o observa fazê-lo, inclinar a cabeça para dar mais espaço à sua boca, e puxa para trás o suficiente para olhar para ele. Vendo seus olhos fechados firmemente, as a sobrancelhas tensas em concentração mental, boca aberta com uma expressão em seu rosto que parece quase doído... faz ela chupar mais, com mais fervor. Ela para apenas para começar a lamber o hematoma em seu pescoço mais e mais e mais.
 
Alguma vez tinha provado algo tão doce?
 
Não, ela pensa. Não exatamente.
 
Ela abre a boca vagamente, deixa a ponta de sua língua traçar a contusão em círculos pequenos e torturantes, o beicinho de seus lábios nunca deixando completamente sua pele. Seu peito se agita com um grande tremor. Ela arrasta a boca para baixo até encontrar o local onde o pescoço encontra o ombro e o morde com força. Desta vez, ele geme. É curto e rachado, quebrado como um registro velho, mas está lá.
 
Cada som que ele solta, faz Lydia estremecer, seu corpo assobiando.
 
Um minuto seus olhos estavam fechados, seus dentes deixando marcas na pele do garoto. E no minuto seguinte, ela estava olhando para ele.
 
Stiles tinha se virado, enganchando seus braços sob suas pernas, e virou-a sobre suas costas.
 
Ela não tem respiração suficiente em seus pulmões para sequer engasgar adequadamente. Seus olhos estão apenas olhando para ela. Sua boca aberta, seu peito arfando. Ele está tão perto.
 
Os olhos de Stiles percorrem seu rosto, procurando. Ele está entalado entre suas pernas, as coxas dela embrulhadas preguiçosamente em torno de sua cintura. O cotovelo dele repousa acima de sua cabeça, e sua outra mão tem uma firme espera na parte superior da coxa de Lydia. Seu pescoço parece corado e suas bochechas estão rosa. A visão por si só faz seu estômago virar algo feroz.
 
Lydia Martin percebe com um pequeno arrepio que, neste momento, ela está vulnerável. Ela sabe que não pode se esconder agora. Está sendo estudada, e seu rosto está entregando-a. Seus pensamentos estão a ponto de escapar, e não pode sequer confiar em si mesma para dizer a coisa certa.
 
É uma fração de segundo, a escolha que tem que fazer, decidir ficar vulnerável novamente, aceitar a forma que seu corpo se sente, ou para empurrar a vulnerabilidade no fundo do peito e levantar-se e sair, para esquecê-lo. Não pode fazer isso... não novamente. Isso não era o que deveria acontecer. Ele não deveria testá-la assim.
 
Stiles fecha os olhos lentamente, por apenas um segundo. E quando os abre, olha por seu rosto novamente, e é como se nunca tivesse a visto antes. Como se ele já não conseguisse pintar um retrato de seu rosto em sua memória. Ele está respirando pesadamente, a boca fechada e o maxilar apertado.
 
O peito de Lydia se contrai. Ela olha de volta para ele. Seu olhar segura uma ternura que ela não esperava. Ainda mantém o calor, ainda mantém a luxúria, ainda mantém a determinação, mas também está vulnerável. Aberto. Disposto.
 
Lydia toma seu rosto com ambas as mãos, puxa-o para baixo e seus narizes ficam a um centímetro de tocar. Ela fecha os olhos e respira profundamente. Tenta se concentrar em qualquer coisa que não seja Stiles, mas falha.
 
A corrida de seu coração prova que este sentimento existe, que pode existir, com outra pessoa e isso a assusta. Porque ela sabe que tomou a decisão assim que entrou em seu quarto.
 
- Me beije.
 
Stiles soltou um suspiro, quente e boquiaberto, antes de mergulhar seus lábios nos dela. É um beijo ardente, apaixonado e áspero, e ela está determinada a dar tanto quanto recebe. Stiles arqueia as costas, roçando seu peito contra o dela. Ele causa estragos em sua boca com cada empurrão e puxão de língua que ela lhe dá. Isso leva Lydia à loucura. Ele está chupando seu lábio inferior e então está chupando sua língua em sua boca e ela está lutando para se manter, sendo deixada para trás por sua ferocidade.
 
Percebendo que Stiles não é tão inexperiente como ela pensou a deixou quente. Este é o talento natural no seu melhor. Stiles é dotado. Essa boca dele (é claro que a boca, com suas piadas sarcásticas e comentários inapropriadamente cronometrados) é feita de ouro puro. A maneira como Stiles trabalha sua boca contra a dela faz Lydia suar.
 
O calor do corpo que colide quando Stiles empurra seu peito arremessado contra o dela deixa ambos assustados. Eles fazem uma pausa e se afastam nem sequer um milímetro. Ambos estão ofegantes na boca uns dos outros, suas respirações pesadas misturando-se como uma cena de um filme sujo.
 
Outra coisa a ser gananciosa, ela pensa. As secretas habilidades de beijar de Stiles estão agora no topo de sua lista.
 
Leva um tempo até que ela possa controlar seus pulmões. O olhar pós-beijo entre os dois é apenas um pouco menos intenso do que o beijo real. Há uma sensação de familiaridade entre eles, como se tivessem feito isso antes, exceto que não, nunca o fizeram, de forma alguma, e um arrepio a percorre enquanto pensa sobre como isso parece natural. Lydia tem que piscar algumas vezes antes de sair de seus próprios pensamentos, e segue os olhos dele enquanto eles vão para baixo para seus lábios inchados. Ela está olhando para ele enquanto observa sua boca, como se...
 
Como se ainda não tivesse feito dano o suficiente.
 
Suas mãos, que estavam agarradas nos ombros de Stiles este tempo todo, soltam-se e deslizam sob sua mandíbula. Seus polegares descansam em seu queixo por apenas um segundo e logo param na boca aberta dele para ver o dano que fez. Seu lábio superior ainda está brilhando de onde ela acabou de lamber e sente profunda satisfação com a visão. Pode ver, mesmo no escuro, como seus lábios e a área em torno de sua boca estão da mesma cor. A boca de Stiles está tão inchada e vermelha que parece que alguém quase o socou. E isso faz com que sinta como se pudesse definitivamente fazer mais com ela. Lydia estava definitivamente atrasada para a festa na boca. Não é surpresa que Stiles estava olhando para ela da mesma maneira, sua boca provavelmente estava igual a dele. Molhada e promissora.
 
- Há mil coisas que eu poderia dizer agora. - Stiles começa, a voz completamente quebrada. - Mas é realmente difícil para eu me concentrar em qualquer outra coisa... - Seus olhos se agitam para encontrar os dela. - ...além de você.
 
Quase a destrói, o olhar no rosto de Stiles. Adoração, desespero e calor misturados.
 
Ela desliza seus polegares até sua boca, repousando em seu lábio inferior. Seu corpo está gritando mais mais mais mais quero MAIS porque esta boca, esses lábios, possuem honestidade, compreensão e compaixão total, as quais ela quer mergulhar e nadar.
 
Stiles mantém seu olhar fixo, o rosto imóvel. Sua respiração quente faz cócegas na ponta de seus polegares.
 
Ela quer dizer alguma coisa, respondê-lo, para tirar aquela expressão hesitante do rosto dele. Mas surpreende Lydia o quão difícil é dar a sua voz qualquer tipo de força. Sua garganta faz um estalido quando ela engole. Não quer dizer a ele como cada pequena coisa nele a faz estremecer e se tornou desprezível e dolorido. Não quer que ele saiba como ela memorizou a curvatura de seu sorriso e como espera ser a razão por trás de cada um. Não pode dizer o tanto que o quer, em todos os sentidos. Ainda não.
 
Mas ela acha que talvez possa dizer o quanto se importa.
 
- Eu me sinto melhor quando estou aqui com você, quando somos só nós. Às vezes é difícil ir embora. - Confessa.
 
Ela solta seu lábio inferior e cai lindamente. Há uma pausa muito longa antes dele suspirar. Sem romper o contato visual, Stiles pega uma das mãos dela de baixo de seu rosto e puxa-a para ele enquanto inclina a cabeça lentamente, beijando sua palma aberta docemente. O gesto comprime algo no peito de Lydia. E então as pálpebras de Stiles se fecham enquanto inclina a cabeça para baixo, arrastando sua boca aberta e molhada pela mão da garota até que alcance seu pulso. Ele planta os lábios firmemente lá.
 
Ele merece mais do que isso, pensa Lydia. Mas por agora, vai ser o suficiente.


Notas Finais


E aí? Gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...