História Clube do Benefício - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Lay, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Baekyeol, Chanbaek, Colegial, Romance, Universidade, Yaoi
Visualizações 609
Palavras 2.191
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais explicações sobre o Clube do Benefício nesse capítulo! O motivo de sua existência, para ser mais exata :D
E algumas surpresinhas.
Espero que gostem, boa leitura!

Capítulo 15 - Chanyeol


Nem preciso dizer que fui esmagado 7 vezes na manhã seguinte ao bater de porta em porta para informar meus colegas de alojamento que não iria mais me mudar. Usei a sugestão de Baekhyun e acrescentei que havia conversado com Chungha durante a noite pelo celular, para deixar a história ainda mais convincente.

E falando em Baekhyun... puxa vida. No dia seguinte eu ainda estava sem palavras. Era uma tentativa atrás da outra para tentar equilibrar minha empolgação e lembrar que, segundo ele, ele ainda não gostava de mim e me achava irritante. “Não se empolgue” o mestre ceticista sussurrava no meu cangote.  Ele não gosta de você, só vai ser educado porque percebeu que pegou pesado.

Mas e aquele beijo, caramba?

Bem, eu sabia que Baekhyun gostava de provocar as pessoas, ele era aquele tipo de garoto sedutor. Talvez eu tenha sido apenas o alvo do momento e ele estava só se divertindo. Sim, era isso. Mas eu não conseguia parar de pensar no jeito como suas mãos envolveram meu rosto e permaneceram ali mesmo depois de já ter beijado o meu nariz. Mãos delicadas e cuidadosas, nossa... como eu queria que ele me fizesse carinho com aquelas mãos! Queria que ele enchesse meu rosto de beijos, me deixasse deitar em seu colo e... precisava parar de me iludir.

Deixei Kyungsoo por último na sequência de avisos particulares sobre a mudança da minha situação, porque para ele eu iria contar o que realmente havia acontecido. O chamei para dar uma volta no quarteirão dos alojamentos, era perto do meio dia e o sol brilhava no céu.

- Hyung... depois de ontem à noite... você já deve imaginar como fiquei... como estou, na verdade... – Contei como havia sido toda a nossa conversa, incluindo o beijinho inesperado. Ora, éramos já bastante íntimos e eu podia desabafar com ele! Kyungsoo concordou com a cabeça e fez sinal para que parássemos e sentássemos em um dos bancos em frente a pequena praça arborizada logo na outra rua.

- Está gostando ainda mais dele – Kyungsoo completou e eu balancei minha cabeça enquanto sentávamos. – Baekhyun é um safado de marca maior. Desculpe, sei que gosta dele, mas ele faz isso com todo mundo, Yeol. É encantador, preciso admitir. É assim que ele conquista as pessoas e fica cada dia mais popular. Este é o Baekhyun verdadeiro, que você ainda não conhecia. Não aquele mal educado de antes.

- Imaginei – suspirei, passando uma perna para o outro lado do banco para poder ficar de frente para Kyungsoo e continuar meu desabafo. – Mas eu quero tentar.

- Tentar o quê? – Ele arregalou os olhinhos redondos e seus lábios em formato de coração se entreabriram. Já sabia o que eu ia falar antes da hora.

- Hm... eu quero ele. Como homem.

Kyungsoo fez um barulho engraçado, espremendo os lábios, e então levou a mão pequena em frente à boca e desatou a rir. O encarei com os olhos estreitos, não entendendo qual era a dele.

- Desculpe – Ele limpou as lágrimas nos cantos dos olhos, depois de longos e entediantes segundos nos quais eu o assistia rir da minha cara, e respirou fundo. – Você fala engraçado às vezes. Esqueço que nunca beijou ninguém. Quer dar uns amassos no Baekhyun, é isso?

- É... – concordei, corando. Kyungsoo franziu o cenho, ainda sorrindo, e pareceu refletir por um instante.

- Yeol... tenho más notícias para você... – Ele cruzou os braços, agora encarando o chão com um olhar perdido. – Baekhyun não vai querer.

- Eu sei, ele não gosta de mim, mas eu quero tentar fazer ele mudar de...

- Não, não é isso. Se fosse só isso, seria mais fácil. Bem mais fácil. – Kyungsoo se ajeitou no banco, colocando uma perna do outro lado igual a mim para ficar de frente. Parecia estar prestes a falar bastante. – Precisa saber de algo sobre o alojamento 35. O nosso alojamento.

Foi a minha vez de franzir o cenho.

- O quê? – murmurei, já um tanto assustado antes mesmo de saber o que era. O jeito preocupado de Kyungsoo estava fazendo minhas pernas tremerem.

- Promete que não vai sair correndo porta à fora? Puxa, cara, você é virgem... vai nos achar um bando de pervertidos... mas me deixe explicar tudo, beleza?

- Do que está falando? – Minha voz saiu baixa e sem forças, eu estava realmente assustado agora. Odiava ser inocente, mas eu era. Um tremendo insistente inocente. Acho que essas palavras me descrevem como nenhuma outra.

Kyungsoo suspirou, lançou um olhar pensativo para os arbustos ao nosso lado, e voltou a me encarar.

- Os moradores do alojamento 35 fazem parte de um clube, Yeol. É um clube um pouco diferente. Vou explicar. – Ele fez uma pausa e eu apurei ainda mais meus ouvidos porque ele estava quase sussurrando. - A coordenadora do departamento de habitação aqui no Conservatório Kum MinKi é uma senhora chamada Eunha e ela é muito rígida. Odeia baderna, odeia barulho, odeia namoro. É proibido namorar dentro dos alojamentos, acho que deve ter lido isso no regulamento. É proibido beber, ouvir música alta à noite... tudo o que a gente gosta de fazer é proibido. E ela está sempre circulando por aí de olho nos residentes. Junmyeon precisa entregar um relatório pra ela todo mês, assim como os outros monitores.

Kyungsoo engoliu um pouco de saliva e coçou os olhos, me deixando absorver essas primeiras informações. Nada de muito chocante até agora.

- E o que isso tem a ver com esse clube? – perguntei, impaciente. Balançava uma das pernas sem parar.

- Tem tudo a ver, calma. Bem... um dia, em um final de trimestre, saímos todos juntos para uma festa no centro comemorar nossas notas boas – e também as ruins, por que não? – e as coisas acabaram ficando um pouco descontroladas. Todo mundo se pegou, Yeol.

Elevei minhas sobrancelhas, começando a achar aquela história bem chocante. E interessante, confesso.

- Vocês todos? Do alojamento? – perguntei, curioso.

- Sim. Eu fiquei com Jongin e Deus que me perdoe, beijei Baekhyun. Ele beijou quase todos naquela noite... Sehun pegou o Minseok... enfim... foi uma confusão. Bêbados, excitados... sei que nunca fez nada disso mas deve imaginar. E percebemos que não iríamos parar por ali, quer dizer... somos jovens. Só que a organização do alojamento estava toda nas mãos do Junmyeon, ele não podia simplesmente liberar a pegação geral. Vai que a velha Eunha vê dois de nós se beijando por aí? Ela sabe exatamente quem divide alojamento com quem!

Kyungsoo, ao reviver aquela história toda, ficou um pouco eufórico. Fez mais uma pausa para recuperar o fôlego, me dando a chance de processar um dos acontecimentos e sentir uma pontada no coração. É, eu era bem patético.

- Você... você já ficou com o Baekhyun? – Minhas sobrancelhas estavam franzidas, como uma criancinha quando descobre que o Papai Noel não existe.

- Já, e me arrependo. Ele usa isso contra mim em qualquer discussão. – Kyungsoo logo se defendeu, revirando os olhos. Aliviei-me um pouco, mas a imagem dos dois se beijando na minha cabeça agora era acrescentada à cena real de Baekhyun e Sehun se beijando e eu não sei porque mas estava começando a cultivar um certo ciúme. Tentei deixar isso para lá e me focar no que realmente interessava.

- Ele beija bem? – perguntei, me focando no que realmente interessava. Tudo bem, talvez não. Mas eu queria saber.

- Yeol! – Kyungsoo me repreendeu, fazendo uma careta.

- Que foi? Queria saber – Me expliquei, dando de ombros.

- Infelizmente sim. Mas essa não é a questão. – Ele respondeu e eu contive um sorriso nos lábios. Nossa, como eu queria beijar Baekhyun agora. Mais do que nunca. - A questão é que Junmyeon decidiu criar o Clube do Benefício, Yeol. Um clube com regras para que a gente pudesse se pegar sem que tudo virasse uma orgia desordenada. Assim a velha Eunha não iria descobrir nada. E é por causa dessas regras que eu disse... Baekhyun não vai ficar com você. Se ficar, quebra uma das regras e é expulso. E ele nunca vai querer ser expulso, ele ama o Clube. Ama se gabar que segue todas as regras. Ama jogar a minha cara que fui expulso.

Pensei por um momento, compreendendo a situação aos poucos. Tudo bem, existia um clube de pegação entre eles e esse clube tinha regras que precisavam ser seguidas. Me dei conta da última informação e o encarei preocupado.

- Você foi expulso?

- Sim. Quebrei uma das principais regras, que é... não se apaixonar por nenhum membro do Clube.

Arregalei meus olhos, chocado pela vigésima vez nos últimos dez minutos.

- Você se apaixonou pelo Baekhyun?

- Não, Yeol! Nem tudo gira em torno dele, caramba. Eu me apaixonei pelo Jongin. Você está tão fissurado no Byun que nem ouviu eu dizer que fiquei com ele também...

Meus lábios se entreabriram e me lembrei do quão encantador e atraente Kim Jongin era. É, fazia sentido. Se eu não estivesse caidinho por Baekhyun, poderia ser arrebatado por aquele dançarino também.

- Desculpe. Puxa... então você não faz mais parte? E o Jongin?

- Não, não faço. Ele ainda faz. Só eu me apaixonei. Enfim, para você entender... um membro do Clube não pode ficar com um morador do alojamento que não faz parte do Clube. Só podem ficar entre si, dentro do Clube, entende? Se você ficasse com o Byun, seria expulso do alojamento e ele do Clube.

- Então se... se você ficar agora com o Jongin... vai ser expulso do alojamento? – Tentei entender a lógica da melhor forma possível. Era meio confuso.

- Isso. – Ele concordou, pensativo. Concordei com a cabeça e não precisei de muitos segundos para me decidir.

- Eu quero entrar pro Clube do Benefício. O que preciso fazer?

- Meu Deus. Yeol... não é para você... você está gostando do Baekhyun. No Clube não tem espaço pra sentimentos, olha o que aconteceu comigo... – Kyungsoo explicou, e é claro que ele tinha razão. Eu havia entendido qual era a moral do Clube, mas estava disposto a ser discreto.

- Eu sei esconder meus sentimentos. Vou atuar. Você me ajuda. Quero... quero beijá-lo, hyung. Mais do que tudo. Não me importo com a parte emocional, escondo ela bem fundo dentro de mim. Só quero poder... só quero que ele me deseje... nossa, eu quero tanto...

Kyungsoo me observava falar com uma careta, como se eu estivesse falando que gostaria mais do que tudo de transar com uma árvore ou um arbusto.

- Argh, tá, calma. Não precisa me contar detalhes dos seus sonhos... – Ele pensou mais um pouco, desviando o olhar para o céu azulado por um instante. E então pareceu decidido. - Se quiser mesmo entrar, eu te ajudo. Mas vai ter que fazer tudo o que eu disser. Não vai mais poder correr atrás do Baekhyun, ele não funciona assim. Baekhyun é na base da provocação e do ciúmes, vai conhecer ele aos poucos e vai entender o que eu estou dizendo. Ele é um jogador nato da conquista, vai tentar resistir a você até o limite se você jogar direito. Se jogar direito, vai ter ele nas suas mãos. Mas repito, não pode ser grudento. Precisa ser o oposto disso. Precisa provocá-lo, deixar insinuações no ar. Não precisa fingir ser quem você não é, seja você mesmo, mas... um pouco mais misterioso. Precisa ter esquemas, Chanyeol. Vire o cara dos esquemas. Talvez tenha até que... mentir que ficou com outro membro antes dele. Mas não se preocupe, falaremos com quem quer que seja e explicaremos a situação. Eu já até tenho em mente alguém de confiança.

Concordei com a cabeça na medida que ele ia falando. Kyungsoo tinha razão e tudo o que ele falava fazia sentido. Eu estava disposto a tentar. Tudo por Baekhyun. Absolutamente tudo. Até fingir interesse em outro membro do Clube do Benefício.

- Hm... tem mais um detalhe que... bem... não quero ser ofensivo, mas... – Kyungsoo continuou, receoso.

- Pode falar – O incentivei. Não me importava mais com nada, só queria entrar para o Clube e conquistar o desejo de Byun Baekhyun.

- Você nunca beijou ninguém. Não sabe muito bem fazer isso, não é?

- Eu... eu imagino como deva ser. Já treinei com uma laranja uma vez.

- Ah, ok... – Ele fez uma careta mais uma vez e eu senti vontade de rir de mim mesmo. Eu era patético. - Não é a mesma coisa, Yeol. É diferente. É um ser humano, você precisa usar mãos, inclinar a cabeça, essas coisas básicas... Vai ter que ser razoável pelo menos no beijo, que é a primeira preliminar que irá conquistar ou não o Baekhyun. Não pode chegar até o pote de ouro no final do arco íris e babar em cima das moedas. Vai arruinar tudo.

- Tem razão – concordei, desanimado.

Kyungsoo cruzou os braços e sorriu, uma cara de quem não estava acreditando na minha ingenuidade. Era pra eu ter pego algo implícito? As pessoas precisam parar de me cobrar interpretações complexas.

E então ele rolou os olhos, finalmente esclarecendo toda aquela subjetividade.

- Se quiser eu posso ajudar, Chanyeol.


Notas Finais


Eu mesma, Chanbaeka nível hard, construindo um campo favorável para Chansoo. Desculpa gente, mas eles são fofos. Na broderagem mesmo, sem sentimentos românticos. Adoro o Kyungsoo ensinando coisas pro Yeol, haha. Ele é engraçado.

Até a próxima! E boa sorte pro Baekhyun hahahahaha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...