História Clube dos Solteiros (interativa) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Bar, Casos, Interativa, Solteiros, Vagas Abertas
Visualizações 85
Palavras 1.525
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Hello! Como estão?

Voltei com mais um capítulo pequeno, especialmente para atualizar a fic, lembrar vocês da existência dela, agradecer pelos 58 favoritos ♥, agradecer às fichas que já recebi ♥ e agradecer a todos que reservaram/estão fazendo suas fichas ♥ Obrigada!

Assim como o capítulo anterior (e assim como fiz em Quem Matou Yerim?), há chances de que esse capítulo seja excluído quando a história finalmente for começar, mas ainda estou decidindo aushau. Por enquanto, ele é um capítulo fixo, e espero que vocês gostem bastante!

Capítulo 3 - 01. Chapter one, part two


— Hm… sabe o que eu acabei de me lembrar, Woonie? — Sooyeon olhou para o amigo, ambos ainda no terraço, aproveitando a noite fresca e o céu estrelado.

— O que? — ele a olhou, curioso.

— Hoje o Jaesik deve ter ido para as Filipinas, fechar aquele negócio do qual eu não entendo nada.

— Yah, Kang Soo Yeon! — Taewoo deu um peteleco na testa da morena, que não conseguiu esconder a expressão surpresa. — Porque está pensando nisso? Para de pensar nesse cara e…

— Ayaa, oppa! — o tapa que Sooyeon deu no braço de Taewoo o pegou desprevenido, e o rapaz não foi capaz de conter a careta de dor, enquanto massageava o local onde fora atingido. — Não estou pensando nele desse jeito!

— Então porque ‘tá pensando nele? Não faz sentido! — suspirou e olhou para onde os cinco dedos finos da garota tinham sido tatuados, deixando o local vermelho. — Porra, Soo… achei que éramos amigos.

— Desculpa — seus lábios formaram um bico e seu rosto abaixou-se um pouco, numa pose de arrependimento e constrangimento. — Não era pra ter sido tão forte, desculpa!

— Tudo bem, só… mede sua força na próxima — ele deu um sorriso de canto e ela retribuiu. — Agora me responde!

— Tem algumas coisas que eu queria pegar na casa dele, e poderia aproveitar que ele não está lá…

— Tenho quase certeza que ele deve ter falado com o porteiro, pra não deixar você entrar.

— Eu também… porém, sou muito boa convencendo as pessoas, você não acha?

— Acho…? — sua afirmação saiu mais como uma interrogação, simplesmente porque Taewoo não gostava quando Soo ficava com aquele olhar distante, como se estivesse vendo o futuro, e estivesse gostando muito do que vê… — O que está planejando?

— Vamos, Woo-yah? Precisarei de ajuda para trazer as coisas.

— Soo-yah, o que está planejando? — ele passou a segui-la, voltando para o apartamento da garota. — Soo? — não obteve resposta, enquanto a mais nova pegava sua bolsa, duas malas de rodinha de dentro de seu quarto e rumava para fora do apartamento, em direção ao elevador. — Kang Soo Yeon!

— Que foi? — revirou os olhos, olhando para o amigo assim que o elevador se fechou.

— Você sabe que eu sempre vou te apoiar, em tudo, sem pensar duas vezes… mas será que pode pelo menos me dizer o que pretende fazer? Sabe como é, pra preparar meu psicológico, e tal…

— Não se preocupe, oppa. Vamos apenas pegar minhas coisas e deixar uma lembrancinha para o nosso querido Park Jae Sik, e sua putinha.

— Não devo me preocupar? Com você falando desse jeito?

— Não confia em mim?

— Claro que confio.

— Então vamos — sorriu e pegou a mão do amigo, saindo com ele em direção à rua, onde pegaram um táxi, rumo ao prédio de Jaesik.

*****

— Sooyeon-ssi, não tenho mais autorização para deixá-la subir — o porteiro murmurou, olhando de forma arrependida para a mulher.

— Eu imaginei que aquele canalha faria isso — Sooyeon suspirou, segurando as mãos do rapaz em cima do balcão e caprichando na sua cara de tristeza. — Você sabe o motivo disso, Minhyuk-ssi?

— E-eu… eu não sei, Sooyeon-ssi, apenas sigo ordens e…

— O caso é que, o Jaesik estava tendo um caso, Minhyuk-ssi… ele estava me traindo, com a ex-namorada dele — apontou para Taewoo, parado ali do lado, que deu um sorrisinho sem graça em resposta. — E agora, ele está me impedindo de buscar minhas coisas! — ela mordeu o lábio inferior, caprichando na voz triste, antes de voltar a falar. — Você acha isso justo, Hyuk-ssi? Você me conhece há tanto tempo! Acha justo que ele fique com as minhas coisas? Que queira me impedir de pegar os meus pertences?

— Sooyeon-ssi, é que…

— Minhyuk-ssi! — ela o olhou séria. — Eu sempre fui muito gentil com você, então me ajude dessa vez. Só preciso de meia hora… meia horinha será o suficiente para que pegue minhas coisas e nunca mais volte aqui… — sua voz falhou e ela suspirou, inclinando-se um pouco no balcão e olhando fixamente para o rapaz, que nem piscava. — Não quero ter que ver o Jaesik de novo, Hyuk-ah. Por isso, quero aproveitar essa oportunidade. Preciso seguir minha vida. Por favor, me ajude Minhyuk-ssi. Por favorzinho.

Taewoo estava impressionado, enquanto subia no elevador ao lado da melhor amiga, rumo ao quinto andar, apartamento 52. Eles estavam em silêncio e nem se olhavam, enquanto estavam dentro do local filmado e monitorado por Lee Min Hyuk, o porteiro. Apenas quando entraram no apartamento e tiraram os sapatos, foi que o maior decidiu perguntar.

— Como conseguiu?

— Fácil — ela riu. — Minhyuk é facilmente manipulável por lágrimas femininas e… rufem os tambores, por favor! — Taewoo riu e começou a bater em um tambor imaginário, fazendo o som do rufar com sua boca. — Peitos!

Taewoo ergueu uma sobrancelha e só então inspecionou todo o corpo da amiga. Não tinha notado antes — provavelmente porque já estava acostumado com o corpo dela, e não ficava reparando em suas roupas —, mas Sooyeon estava usando uma blusa preta com um decote grande, acomodando seus seios em um sutiã da mesma cor. Com um sorriso malicioso, o mais velho chegou perto dela e foi empurrando-a, até que a Kang estivesse encostada na porta, olhando-o de forma surpresa.

— Pode falar, anda — ela disse, retribuindo o sorriso do Kim, que não aguentou muito tempo e logo explodiu em gargalhadas, sendo acompanhado pela melhor amiga.

— Você é um gênio!

— Eu sei disso. Me diga algo que eu não saiba, Kim! — ela passou a mão pelos cabelos e o prendeu num rabo de cavalo, usando o amarrador que sempre levava em seu pulso direito. — E você realmente achou que eu estava apenas querendo ser consolada pelo Hyuk?

— Confesso que estava me sentindo bem confuso com tudo o que rolou lá.

— Imaginei — ela sorriu e então desencostou-se da porta, indo para dentro do apartamento enquanto examinava canto por canto à procura de coisas que fossem suas. — Agora vem me ajudar, temos apenas vinte e cinco minutos.

Sem dizer mais nada, começaram à caça aos pertences de Kang Soo Yeon. Portas retratos comprados por ela, foram esvaziados e as fotos, foram rasgadas e jogadas por toda a sala. Livros, filmes, box de séries, CD’s, pen drives, meias, cuecas, gravatas e camisas sociais, absolutamente tudo que tivesse sido comprado por Sooyeon, foi retirado de lá, e colocado nas duas malas que tinha trago de sua casa, e uma caixa que achou por ali. Quando enfim terminaram, Sooyeon foi até o quarto de Jaesik, pegando debaixo da cama, um taco de beisebol profissional, guardado pelo ex com muito carinho. Balançando o taco de metal por onde passava, seja corredor ou móveis, Soo fez questão de batê-lo em cada canto, em cada móvel, em cada fotografia que restou ali.

— Soo, que vai fazer?

— Se não quer participar, sai e vai levando as malas — ela respondeu, sem olhar para o amigo.

Naquele momento, depois de ter retirado suas coisas dali, a sensação de que tinha sido enganada, usada e magoada, aquela mesma sensação de quando o pegou na cama com Hillary, voltou ainda mais forte do que antes! Ela só queria que ele sentisse um pouquinho daquela dor, da humilhação, e não se importava nem um pouco se parecesse infantil de sua parte, faria mesmo assim…

Segurando o taco com força, Sooyeon bateu na estante, quebrou o controle da televisão, e uma das pernas da mesinha de centro. Na cozinha, teve ajuda de Taewoo para quebrar algumas portas dos armários, assim como cortou fora o fio da preciosa máquina de café expresso, colocou os panos de prato dentro do forno, jogou todos os talheres e pratos na pia, e derramou calda de chocolate por cima, deixou a geladeira aberta e desligada. No quarto, rasgou os preciosos travesseiros de pena de ganso e com o melhor amigo, fizeram uma guerra de travesseiros silenciosa, afinal, estava num prédio e já passava da meia noite!

— Ele vai ficar o resto da vida limpando essas penas — Taewoo comentou, rindo, enquanto estava deitado na cama, os braços abertos e Sooyeon deitada ao seu lado, a cabeça apoiada em seu braço, controlando a respiração devido a diversão de antes.

— Woonie… vai passar, não vai? Essa dor…

— É claro que vai, pequena — ele suspirou e puxou-a para si, abraçando-a com carinho. — Prometo que vai passar!

— Obrigada, Woonie. Por ter vindo e por participar disso comigo.

— Não tem que agradecer. Você é minha melhor amiga, como eu poderia deixar que se vingasse sem mim? Ainda falta uma coisa.

— Eu sei, só estava descansando um pouco.

Levantaram-se então e rumaram para o banheiro, onde esvaziaram todos os potes de creme, shampoo, gel, loções pós-barba, perfumes condicionador e pastas de dente, tudo no chão, em cima do precioso tapete que tinha sido feito pela mãe de Taewoo. Depois disso, sentindo-se satisfeitos, Sooyeon deixou um bilhete rápido, apenas informando que tinha pego as coisas dela, e que ele não precisaria mais procurá-la. Informou também que a nova decoração do apartamento estava muito bonita.

Sorrindo e sentindo-se mais leve, a dupla saiu do apartamento, voltando ao térreo e agradecendo ao porteiro, indo embora logo em seguida. De volta ao aconchego do lar, Taewoo e Sooyeong dormiram rapidamente na grande cama da garota, sentindo-se enfim livre de um grande peso.


Notas Finais


— Jornal com informações, regras, ficha e personagens: https://spiritfanfics.com/jornais/clube-dos-solteiros-9843738

Estou realmente ansiosa para poder iniciar essa história, e também para ver seus personagens!

Bom, eu espero que gostem do capítulo, deixem suas opiniões e continuem mandando suas fichas! Até mais ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...