História Coisas que eu não te contei - BTS Jin - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Personagens Originais, Suga
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Fanfic, Jin, Romance, Seokjin
Visualizações 23
Palavras 1.443
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Escolar, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aconteceu um milagre? É a Malu mesmo postando um novo capítulo?
SIIIIIM MEUS CAROS LEITORES, É MALUSÃO IN YOUR AREA!!
Tá bom, eu sei que eu exagerei. Me perdoem o atraso, explico mais nas notas finais! Fiquem com o capítulo de hoje! ^^

Capítulo 6 - Iniciando os estudos


Fanfic / Fanfiction Coisas que eu não te contei - BTS Jin - Capítulo 6 - Iniciando os estudos

    Fevereiro havia passado mais rápido do que eu imaginava...

             Acordei naquela manhã um pouco sonolenta. Meu primeiro dia de aula é hoje. A vontade de ficar na cama é enorme, mas contra a preguiça me levanto da cama e vou ao banheiro. O clima em Seul vai ficando aos poucos mais quente, anunciando a chegada da primavera.

            Após ter tomado meu banho, vesti um vestido amarelo com bolinhas brancas que vai até os joelhos, uma sapatilha e meu cabelo que já estava batendo um pouco mais abaixo das orelhas, ficou solto.

             Saio do meu quarto e vejo Yura, minha madrasta, colocando o café recém passado na garrafa térmica. Coloco o pote de açúcar na mesa e a madrasta coloca o pão e manteiga.

             — Bom dia — diz ela beijando a minha bochecha. — Dormiu bem?

             — Dormi. Até que eu não estou tão ansiosa — respondi.

             — Que bom. Hoje irei te levar à universidade, seu pai vai te levar para o trabalho e também para fazer a prova para tirar a carteira.

             Sinto um frio na barriga. É mesmo, eu tinha me esquecido que falta muito pouco para eu já poder sair por aí dirigindo. Desde o começo das aulas de direção eu já vou juntando dinheiro para pagar a minha moto. Mas meus pais e minha madrasta não estão muito contentes com essa ideia, preferem que eu dirija um carro.    

             — Nada de moto — me lembrou minha madrasta.

             — Nem se eu pagar? — Tentei convencer ela novamente.

             — Vou conversar com o seu pai — ela diz tomando um gole do seu café.



 

             — Chegamos — disse a mais velha parando o carro no estacionamento da universidade. — Pode ir, eu fico te olhando daqui.

             — Tá bom. — Respirei fundo. — Tchau, até depois.

             — Tchau, boa aula — A madrasta disse dando um beijo em minha bochecha.

             Passei pela porta de vidro com o coração acelerado. Várias catracas estavam a frente, ao lado uma mesa que parecia ser da recepção. A recepcionista logo veio em minha direção com uma prancheta em mãos.

            — Bom dia aluna, poderia dizer o seu nome e a faculdade que vai fazer? — a mulher disse ajeitando os seus óculos.

             — Rafaela Andrade, curso de gastronomia.

             A mulher procurou em seus papéis o meu nome, quando achou, pediu para que eu fosse até a sua mesa e me entregou um crachá com o meu nome e a foto da minha identidade.     

               — Quando você for entrar dentro da universidade, passe esse cartão, é como se fosse a chave das catracas — ela disse me mostrando o local exato para colocar o cartão.

             A mulher me entregou também os meus horários com o número da minha sala de aula. Entrei dentro da universidade sentindo um frio na barriga. Segui alguns alunos que entraram junto comigo e eles foram até um pátio aberto, onde vários outros alunos se encontravam lá.

             Tirei uma foto e mandei para Luísa, que me encheu o saco para mandar fotos e vídeos de como é a universidade. Sentei em um banco e fiquei observando o local ao meu redor. Alguns grupos de amigos já estavam formados, mas alguns alunos estavam sozinhos, olhando para seus celulares. Olhei o horário e já eram quase oito da manhã, logo tocaria o sinal.

             — Bom dia alunos — disse uma mulher falando ao microfone na varanda do segundo andar do prédio. — Eu sou a diretora Yang Mi, quero dar boas vindas aos novos alunos.

             A diretora começou um breve discurso, não tão longo. Após o discurso, ela falou para os alunos se dirigirem até sua sala de aula.

             Com muita calma fui me dirigindo até os corredores. Segundo o papel com o mapa das salas de aula da universidade, minha sala de aula era no segundo andar, após a sala de música. Entrei lá sentindo todos os olhares vindo em minha direção. Qual era o problema? Meu cabelo? Minhas roupas? Tudo isso por eu ser estrangeira? Na semana passada a minha madrasta havia sugerido para que eu ficasse loira, e foi o que eu fiz. A coloração do meu cabelo favorecia a cor dos meus olhos azuis. Será que a cor não ficou tão boa quanto eu imaginei?

    Sentei em uma carteira ao lado da janela, no meio da fileira. Logo o professor de microbiologia entrou na sala de aula, deixando a sala quieta de uma vez só. Ah, como eu queria que fosse assim no Brasil…

     — Bom dia alunos  — disse o professor de um jeito simpático. — Eu me chamo Kim Chin-Hwa, mas podem me chamar de sr. Kim. Sou o professor representante de vocês, ou seja, serei responsável pela turma.

Todo mundo continuou em silêncio. O professor começou a chamada e pediu para que saíssemos da sala de aula, pois iria mostrar cada canto da universidade para a gente.

— Peço que vocês continuem em silêncio, há outras turmas tendo aula.

O professor finalizou o tour pelo prédio “A”, que é aonde a minha sala de aula fica, e entramos no prédio “B”. Estávamos vendo a quadra de beisebol da varanda do segundo andar, quando sinto uma mão em meu ombro. Olho para trás, assustada, e vejo Jin sorrindo para mim.

— Você por aqui? — eu pergunto.

— Eu é que devia estar te perguntando isso  — ele sussurra.  — Achei que a gente só se visse no trabalho.

— Eu também achei.

— Então você está fazendo a faculdade de gastronomia também?

A fila de alunos voltou a andar, Jin ficou ao meu lado, olhou para frente e cruzou os braços.

— Sim, eu estou.

Jin olhou para mim com um sorriso nos lábios.

— Que bom que agora eu tenho uma companhia para os trabalhos e para os intervalos.

Sorri timidamente para ele.

— Eu gosto da sua companhia — falei olhando para os meus sapatos.

— Eu também — Jin falou corado.

— Silêncio — disse o professor.

Nos olhamos e começamos a rir bem baixinho.


 

Saí da sala de aula para o intervalo reclamando de fome.

— Você não tomou café da manhã? — Jin perguntou enquanto estamos indo em direção do refeitório.

— Tomei — respondi. —, mas foi tão rápido que nem eu considero uma boa refeição.

Quando entrei no refeitório, me senti em um filme americano. As mesas e cadeiras eram parecidas como as dos filmes, as comidas eram boas e servidas em bandejas, além dos típicos grupos de patricinhas, os grupos de nerds, os grupos de jogadores de beisebol…

— Vamos entrar na fila porque eu estou morrendo de fome — falei para Jin.

— Ok, depois a gente procura uma mesa para nós.

Jin é uma pessoa um pouco diferente no trabalho e na universidade. No trabalho ele é mais focado e um pouco mais quieto, mas faz brincadeiras e tenta agradar a todos. Já fora do trabalho, ele é mais que isso. Faz mais brincadeiras, é uma pessoa sociável e agradável, ao mesmo tempo que quer agradar a todos.

— Sente esse cheiro, Rafa — disse Jin quando pegamos os nossos pratos.

Minha barriga roncou muito alto. Jin olhou para mim com uma cara de “eu sei que é errado rir agora” e começou a rir. Só não dei um tapinha no ombro dele porque, do jeito que eu sou, eu derrubaria a bandeja e me derrubaria junto. Deixei passar e escolhemos uma mesa vazia para nos sentarmos.

— Eu não vejo a hora de começar a aprender os conteúdos logo — disse.

— Eu também.

— Os primeiros dias de aula são sempre os mais chatos. — Eu assoprava a minha sopa para resfriá-la. — É só para a gente conhecer os professores, e não tem conteúdo.

Jin riu.

— Você tá doida pra estudar, né?

— Não e sim. Não sei. Acho que eu não gosto mesmo dessa enrolação, se é pra começar, que comece sem enrolar.

Jin riu mais um pouco e voltou a ficar sério.

— Eu concordo com você.


 

Eu já havia saído da faculdade e do trabalho faz algum tempo, agora estou aqui, sentada numa sala de aula, com vários outros jovens, esperando para fazer a prova. A instrutora da auto escola já havia pegado todos os celulares (porque ela tinha certeza que alguém iria colar), já repetiu as regras para realizar a prova mais de três vezes, e agora está entregando a prova com um olhar de “se pisar na bola, você está reprovado”. Ela me dá arrepios.

— Vou ter que repetir as regras? — falou aquela voz fina e horripilante.

— Não — falamos em coro.

Ela ergue uma das sobrancelhas e aperta um botão no cronômetro.

— A partir de agora já podem realizar a prova.

 

— Como foi a prova, gatinha? — perguntou meu pai assim que eu entrei no carro.

— Fácil, só a instrutora que ficava andando de um lado para o outro achando que a gente ia colar.

Meu pai sorri e balança a cabeça negativamente.

— Nunca se sabe do que os jovens são capazes.

 


Notas Finais


Oi de novo :P.
A demora do capítulo ter saído foi porque eu tive um pouquiiiiiiiinho de bloqueio. Era para ter saído sábado passado, mas eu tinha ido ao Shinobi Spirit, foi bem 10/10 (tocou SHINee na balada kpop, isso foi muito doido).
Gente, eu me inspirei para criar a Rafa na atriz (eu acho que é atriz) Emily Rudd. Sério, ela é muito gata! Agradeço a minha amiga Raffa (mera coincidência o nome da minha amiga e da personagem hushush) por ter me falado que a Rafa combina com a Emily!
Espero que tenham gostado do capítulo de hoje, um mega beijo pra vocês e até a próxima!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...