História Cold Kiss - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amanda Seyfried, Drama, Horror, Ian Somerhalder, Imortalidade, Niall Horan, Obsessão, Perseguição, Romance, Tragedia, Vampiros
Exibições 62
Palavras 977
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá people's, como estão?
Desculpem-me pelo capítulo pequeno mas vou postar o restante essa semana ainda.
Boa leitura e não esqueçam de me deixar vossos comentários rs

Capítulo 8 - Assustando-se


John Wayne

Minha Lizzie estava em fronte a janela do meu quarto observando a noite que nos cercava, é realmente uma noite de causar suspiros, não a culpo por querer observar o céu em sua negritude para lhe acalmar um pouco depois do que passara uma hora atrás. Suas curvas eram moldadas pela luz da lua que irradiava pela janela a deixando sedutora, eu poderia observar-lhe assim por uma vida inteira. Como diz Platão, “Só pelo amor o homem se realiza plenamente.”, e é assim que me sinto ao lado dela.

O maldito Louis, ainda não sei como conseguiu nos encontrar, em 1911 fui piedoso com aquele verme após o mesmo querer algo com a minha Lizzie. Apesar que os métodos dos quais usei para tortura-lo foram bastante divertidos. Mesmo após ter passado pelo que passou à 104 anos atrás, volta para perturbar minha paz e dessa vez não lhe poupei a vida, sou o único homem que pode tocar-lhe.

—John... —Lizzie murmurou após longos minutos. Andei até estar atrás de si, podendo sentir o calor que emanava de seu corpo.

Abracei-a por atrás envolvendo completamente meus braços ao seu redor aproveitando-me para sentir seu perfume natural que me lembrava baunilha, és a única mulher que consegue me hipnotizar apenas com seu delicioso perfume e consegue ser bela de todas as maneiras.

—Sim? —Falei dando-lhe um beijo em sua nuca a fazendo se arrepiar, sorri satisfeito comigo mesmo pelo efeito causado.

—Como conseguiu matar aquele homem? —Perguntou um pouco incerta. —Como ele me conhecia? Ele falava como se me conhecesse à anos e a você também...

 “Sinto que a terra girou ao meu redor

Sinto que estamos mais longe da razão”

 

Ela virou-se e olhou em meus olhos esperando por alguma resposta sensata, mas o que eu poderia dizer-lhe? “Sou um vampiro e possuo uma força incrível, antes que me esqueça, aquele homem era um vampiro como eu e ele lhe conheceu em 1911, incrível, não é mesmo?”, se eu lhe dissesse isso, com certeza sairia correndo de mim e me chamaria de louco. Não é a hora certa para contar a verdade, preciso me aproximar o máximo possível antes para não estragar tudo.

—Por favor... Me dê uma resposta, não posso estar enlouquecendo.

—Não é a hora certa para lhe dar uma resposta ainda Liz. —Aproximei-me novamente com intenção de acariciar lhe o rosto mas a menina se afastou.

—Como não John? —Disse alterando seu tom de voz. —Depois do seu aparecimento, minha vida está se tornando um caos! —Deu-me as costas e sentou-se na minha cama com as mãos sobre os olhos. —Você age como se me conhecesse à anos e soubesse tudo sobre mim e ainda acha que tem alguma posse sobre mim, isso está me matando! —Ao ouvir suas frustações, admito que senti meu coração se apertar, como se eu tivesse algum.

—Mas você é minha, porra! Só minha! Não entende isso? —Acabei alterando meu tom de voz mais do que pretendia arrancando-lhe um olhar assustado.

”Antes da história começar, é tão pecado assim?

Eu tomar o que é meu até o fim dos tempos?

Nós éramos mais que amigos antes da história acabar

E eu vou tomar o que é meu, criar o que Deus jamais projetaria”

 

Ela precisa entender que é minha, assim como era à cem anos atrás e não irei perde-la como perdi, não dessa vez. A promessa que me fez é eterna.

 

“Após termos feito amor loucamente a noite inteira, observava agora minha menina descansando sobre meu peito, mas acho que seria errado dizer descansando já que ser imortal significa nunca se cansar. É deslumbrante como seu cabelo louro espalhava-se ao seu redor a fazendo ter um ar ainda mais sensual.

—Meu amor? —Falei.

—Sim? —Virou ficando de bruços e me olhou docemente sobre seu longo cilho.

—Jura ser minha por toda a eternidade? —Ao ouvir minha pergunta, a bela garota soltou uma gargalhada gostosa.

—Oh meu John, é claro que sim, sou eternamente sua.”

 

—Pare com essa loucura agora John! Não sou sua, não é porque roubou alguns beijos meus que tens o direito de agir como meu dono.

Oh minha adorável e amada Liz, se soubesse das inúmeras promessas feitas não ousaria dizer tal coisa, não mesmo. Quando transformá-la irá se lembrar de tudo e lembrara do quanto eu te amo e do quanto fiz por você.

—Se quer agir como uma imatura, que haja. Mas você é somente minha e se algum homem ousar se aproximar de você e você deixar, eu o matarei, assim como fiz hoje. Não me subestime Backham.

Seus olhos encontravam-se arregalados e assustados, não queria deixa-la assim, mas a mesma optou pelo pior caminho.

—Não tente fugir, já volto. —Falei saindo do quarto e trancando a porta deixando a pequena menina estática lá dentro.

No momento é impossível dizer o tamanho da raiva que estou a sentir, mesmo após tantos anos ela consegue me tirar do sério. Não quero machuca-la, então o melhor a se fazer momento é me afastar um pouco antes que eu cometa alguma bobagem. Salvei-a daquele desgraçado e ainda não tive um agradecimento da mesma sem ser mal tratado.

 (...)

—Filho, onde está a Senhorita Backham? —Perguntou minha mãe bloqueando meu caminho e lançando-me um olhar reprovador.

—Está no meu quarto. —A mulher ainda me fitava esperando por uma resposta melhor. —Trancada. —Conclui.

—Enlouqueceu meu filho? Eu entendo você ter esperando muito tempo por esse momento, mas se assustá-la será pior, não podemos correr perigo. —Repreendeu-me, no entanto outra coisa me preocupava mais. —Está me ouvindo John?!

—Estou mãe, cadê o Senhor Backham?

—Está na sala de jantar e está preocupado com o sumiço de sua filha. —Resolva isso agora. —Disse suspirando e me lançando um olhar repreendedor.

Avistei-o de longe e seu olhar encontrou o meu rapidamente, logo veio andando até a mim sem delongas.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...