História Colega de Apartamento - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Ariana Grande, Austin Mahone, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Ariana Grande, Camren, Faculdade, Fifth Harmony, Universidade, Vercy
Exibições 767
Palavras 10.636
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Festa, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Primeiramente, o título do capítulo é o nome de uma música da Britney, se não me engano é de um álbum que nunca foi lançado </3 (bad, ser fã dói), mas isso não importa. Tava sem ideia, daí lembrei de um capítulo futuro que terá como título uma canção da Ariana, daí decidi fazer igual com esse cap e me veio essa música a cabeça.
Lembrando que esse capítulo é continuação do anterior, se passando no mesmo dia. Terminando o capítulo quero que leiam as notas finais direitinho, ok? É importante.

Peço desculpas caso haja erros quanto a algo ou algum fato que escrevi nesse capítulo, como tô sem wifi (usando 3g só basicamente pra wpp, e-mail e wattpad) não pude fazer pesquisa alguma confirmando se tal coisa é do jeito que descrevi, portanto, pode ser que tenha alguns erros aí, mas enfim, vamos à leitura.

Capítulo 30 - And Then We Kiss


Camila POV

Após a conversa animada e ao mesmo tempo constrangedora na sala da casa de Vero, voltamos para a área externa. As meninas deram a ideia de jogarmos vôlei na piscina, mas por falta de rede decidimos por polo aquático. Vero não tem uma rede de vôlei, mas tem duas travinhas que pudemos usar para jogar polo aquático, vai entender. Eu e Lauren ainda estávamos vestidas e decidimos por tirar nossas blusas e shorts próximas a uma mesa enquanto as outras garotas dirigiam-se para a piscina. Lauren foi a primeira a se despir. Nunca vou me acostumar com a beleza dessa mulher, desse corpo. O descontrole cardíaco juntamente com uma leve alteração respiratória se fazia presente em mim. Até parei de fazer o que eu ainda nem tinha começado, no caso, me despir. Fiquei meio atordoada observando seu corpo.

- Gosta do que vê? - pergunta fazendo-me despertar de meu transe, arregalando os olhos.

Eu estava nervosa por sua pergunta, mas tinha que ser firme e sincera em minha resposta, afinal, analisando minhas reações em relação à ela eu sempre pareço uma adolescente com os nervos à flor da pele que tenta esconder o que sente, tenho que agir como uma mulher de 22 anos que sou.

- Você tem um corpo muito bonito e o que é bonito é pra se olhar, não é mesmo?

Ela parece surpresa com minha resposta, mas sorri.

- Concordo. Por isso sempre fico te olhando.

Foi a última coisa que ela disse antes de me lançar uma piscadela e sair em direção a piscina. Ela tem resposta pra tudo? Juro que tento deixar ela sem resposta, mas é quase impossível e quem sempre fica sem graça sou eu.

Por sorte tinha uma sombra enorme encobrindo toda a área da piscina, o sol não seria problema aquele dia. Tiro minha blusa seguida do short e antes mesmo que eu pudesse me virar e dar qualquer passo em direção a piscina, a voz de Vero preenche o ambiente.

- Tá bem, heim Camila?! - comenta em voz alta e me viro em sua direção vendo Lucy rindo atracada em suas costas, ambas na piscina. - A Lauren não fala nada porque ela tá ocupada demais babando, mas eu falo por ela, só não posso falar muito, porque você sabe, né? - Lucy percebe que isso foi para ela e morde a orelha de Vero de forma carinhosa. - Ai, delícia. Ah, enfim, parabéns! - começou a aplaudir juntamente com as outras garotas ali e a namorada, que soltou-se de suas costas.

Imediatamente olhei para Lauren ao seu lado, que parecia mais branca que o normal. Isso é possível?

- Que rabão. - Keana solta, me deixando mais constrangida. Talvez eu tenha corado.

- Tá passando bem, né, Laur? - Lucy comenta divertida dando dois tapinhas no ombro da morena de olhos verdes. A malícia em sua voz era perceptível.

Começo a andar meio tímida até a piscina.

- Né? Eu já tinha notado que era grande, mas olhando assim, ao vivo e a cores... O que você acha, Lanna? - Vero pergunta fazendo Lauren lançar um olhar mortal para ela. Lanna estava surpresa, sem saber o que falar. Verônica Iglesias simplesmente ama provocar Lauren.

- Gente, eu tô me sentindo nua. Agradeceria se não olhassem pra minha bunda. - peço constrangida antes de entrar na água. A maioria ali levantou a mão em rendição.

Começamos a dividir os times e percebemos que uma pessoa iria sobrar. Lanna decidiu ficar de fora até que Hérick, Diogo e Mah chegassem, o que provavelmente não demoraria, e então se juntaria a nós, levando em conta que com a participação dos três a divisão dos times ficaria certa. Enquanto não chegavam ela decidiu por ir fazendo alguns dos seus muitos drinks ali mesmo, próximo a piscina.

Vercy optou por fazer uma divisão de times em que "separassem" os "casais". Vero foi para um lado e Lucy para outro.

- Vamos lá. - Lucy inicia, ela iria fazer a divisão, ganhou o direito no par ou ímpar contra a namorada. - Camila pro meu time e Lauren para lá.

- Mas nós nem somos um casal. - Laur protesta, ela sempre prefere jogar no mesmo time que eu. - Não de verdade.

- Mas vão ser. Aceita. - Lucy rebate.

Lauren faz biquinho e começa a se deslocar para o lado de Vero.

- Tchau, querida. - Dinah diz debochada, acenando um tchau.

- Tchau pra você também, Dinah. Normani fica e você vai pro time de Vero. - Lucy ordena.

Ally solta uma daquelas risadas altas, escandalosas e gostosas que só ela tem, fazendo a maior olhar para ela quase que de um jeito assassino, o que fez a baixinha calar em imediato.

- Vai mesmo me separar do meu amor? - Dinah protesta abraçando-se fortemente a Normani que fazia biquinho com o rosto colado no da maior.

- Vou! - diz decidida.

- Boa sorte. - diz soltando-se da melhor amiga. - Mani é péssima em todo tipo de atividade que envolve bola.

- Hey! - Mani se sente ofendida e dá uma mãozada nas costas de Dinah que apenas ri deslocando-se para o lado oposto.

- Eu te amo, gostosa! - DJ grita para a amiga que revira os olhos.

Sobraram apenas Ally e Keana que não eram um casal em hipótese alguma. Keana ficou conosco e a mais baixa foi para o outro lado, sofrendo bullying de Keana que dizia que iria trocar de lugar com Lanna só para a divisão de casais ser completa.

(...)

Uma coisa que aprendi nessa tarde é que NUNCA, JAMAIS, absolutamente em HIPÓTESE ALGUMA coloquem Vero e Dinah no mesmo time num jogo entre amigos. Cada vez que faziam um gol em nós era uma zoação diferente, até porque Normani era nossa goleira e ela estava mais preocupada em se defender do que defender o gol. Era cômico. Do outro lado, Dinah encobria o gol quase que por completo.

- Gente, eu vou no banheiro. - Lauren anuncia durante o jogo, do qual meu time obviamente estava perdendo.

- Vou com você. - Vero anuncia. - Dá uma pausa aí gente.

Com duas adversárias fora do jogo momentaneamente, a partida é pausada. Decidimos por ir conferir/provar os drinks/batidas da Lanna. Eu mesma provei alguns, que por sinal eram ótimos, mas só provei mesmo, ainda estava com uma leve dor de cabeça resultante da noite passada.

- Não vai provar, Ally? - pergunto ao notar que a baixinha apenas observava.

- Melhor não, eu já bebi demais ontem e vou pra missa mais tarde. Vamos deixar pra próxima. - respondeu.

Vi Lanna, do outro lado da mesa, tentando prender um riso.

- Posso ir com você? - a garota alta dos lindos olhos azuis pergunta.

Eu, juntamente as outras meninas ali nos entreolhamos, apenas ouvíamos e observávamos em silêncio.

- Claro, passa lá em casa no horário de sempre.

Horário de sempre?

- Quando eu era mais nova, ia pra igreja pra namorar. - Dinah diz como quem não quer nada, mas dava para notar sua inconveniência.

- Falando em namorar, o namorado de vocês chegou. - Lanna fala divertida referindo-se a Mani e Keana, fazendo com que olhássemos por cima do ombro para vermos quem era.

- Ai credo! Pode ficar só pra você, amiga. - Keana responde dando tapinhas no ombro de Mani que apenas sorri. - CHEGOU A TRANSANTE! - anuncia em voz alta dando um giro de 180° ao ver Mah se aproximando junto de Diogo e Hérick.

- Como se eu fosse a única, mas eu não posso nem beber hoje. A gente vai trabalhar mais tarde. - Mah explica.

- Ah, que pena.

- Pois é, mas só pra deixar vocês felizes e não perder o costume... DIOGO, EU QUERO TRANSAR!

- NÃO PRECISA GRITAR, EU TÔ DO TEU LADO, PRAGA! - Diogo grita de volta. - Te amo. - fez um coração com as mãos e abriu um sorriso cínico que me fez rir.

Começamos a conversar animadamente e até esquecemos do jogo. Passados alguns poucos minutos desde a chegada dos Duartes, percebo que Mani diz querer conversar com Hérick e o leva até um canto mais afastado. Não pude evitar em olhar. Minha amiga parecia nervosa, gesticulava com as mãos nervosamente enquanto conversava com o rapaz. Ele inicialmente estava inexpressivo, braços cruzados, mas depois, vez ou outra ria.

Desvio o olhar dos dois voltando a prestar atenção na conversa ali na mesa dos drinks.

- Esse negócio é bom mesmo. Onde você aprende essas receitas? - Diogo pergunta interessado nas batidas. Diferentemente da esposa, segundo me foi relatado, ele não fica bêbado fácil. Na verdade, me disseram que ele não consegue ficar bêbado, como se o álcool não surtisse efeito nele, mas tenho dúvidas. Será possível?

- Google. - Lanna responde exibindo seu celular. - Tem uns sites bem legais.

- Galera, cadê a Laur? - a voz de Hérick se faz presente ali. - Desde que cheguei ainda não vi nem ela e nem a Vero.

- Ih! Verdade. Estávamos jogando polo aquático, daí ela e a Vero disseram que iriam ao banheiro e não voltaram mais. Faz uns dez minutos. - Lucy o responde. - A janela do quarto da Vero tá aberta, talvez estejam lá.

Fiquei tão entretida que esqueci de Lauren, dá para acreditar? Deve ser coisa do meu signo. Essas duas devem estar aprontando alguma. Hérick parece pensativo. Neste mesmo instante recebo uma mensagem de Phelipe, passando a focar em meu celular. Na mensagem dizia que nosso aplicativo acabara de alcançar 5 mil downloads. Parece pouco, mas para nós era muito. Foi impossível controlar minha felicidade. Comecei a tagarelar sobre o assunto, sendo parabenizada por todos ali.

Desde que as aulas voltaram, passei a divulgar o aplicativo para meus alunos, que não são poucos, e pedi para que os mesmos divulgassem para seus outros amigos. O esforço não foi em vão. É tão bom ver que seu trabalho está sendo reconhecido e aprovado, na última semana tirei um tempo para ler os comentários dos usuários e boa parte eram elogios como "jogo muito bom e viciante" ou "ótimo para passar o tempo". É claro que ainda podia-se encontrar alguns erros, mas isso iríamos corrigir com o tempo.

- Camila, - ouço a voz do loiro de olhos claros. - desculpa te interromper, mas eu preciso dessas duas aí. - referiu-se a Lucy e Keana. - Vamos atrás das meninas? Quero falar com as quatro em particular.

Ambas assentiram e seguiram o rapaz que adentrou a casa, sumindo de nossa visão logo em seguida. Esses anúncios de "quero conversar" sempre me deixam curiosa, principalmente quando é de um grupinho assim, mas bem, não vai ser isso que vai me fazer xeretar a conversa alheia. Isso é muito feio e eu definitivamente não sou de fazer isso.

 

Lauren POV

Assim que saí do banheiro, Vero começou a falar sobre seus planos para com Lucy, coisa que ela disse já ter comentado com Keana, pois a mesma chegou antes de mim. Sentadas a mesa da sala de jantar, de frente uma para outra, ela me contava tudo animadamente. Eu podia ver o brilho nos seus olhos, além é claro do enorme sorriso em seu rosto. Parecia uma criança entusiasmada com a ida ao parque de diversões. Sua felicidade estava me contagiando, aquele enorme sorriso no rosto de minha amiga também podia ser encontrado em meu rosto agora.

O jeito com que ela falava de Lucy me fez lembrar de Camila. Eu precisava contar a Vero o que eu havia descoberto, mas não sabia se ali era seguro. Subimos às escadas indo de encontro ao seu quarto. Eu preferiria contar à todas de uma vez só, mas Hérick ainda não havia chegado e Keana com Lucy estavam entretidas lá fora, portanto, decidi por contar primeiramente a Vero que já estava ali comigo, eu não conseguiria esconder por mais muito tempo, precisava falar para alguém, depois contaríamos ao resto.

- Eu descobri! Ela me ama, Vero! Ela. Me. Ama. AMA! - eu não conseguia abafar meu enorme sorriso ao anunciar aquilo.

- É quem eu tô pensando? - me olha incrédula, acomodando-se de maneira mais confortável em sua cama.

- Quem mais poderia ser? - pergunto, já que aquilo era óbvio.

- Como se eu já não soubesse disso. Oh, céus! Olha pra você... Tão feliz que mal consegue se conter, a quanto tempo não te vejo sorrindo abobada assim? - pergunta fazendo um carinho em meu rosto.

- Uns quatro anos...

- É... Mas espera um instante, ela se declarou pra você? Como foi isso? Vocês estão juntas? CARALHO! Vocês estão juntas de verdade e estão agindo como se nada tivesse acontecendo. Filhas da mãe!

- Calma, amiga. Fala baixo. - digo rindo de sua reação. - Não, nós não estamos juntas e infelizmente ela ainda não falou nada comigo e provavelmente não vai falar. Eu achei um diário entre as roupas dela enquanto eu procurava algo para vestir ontem à noite. Como já sabe, eu dormi com uma blusa dela. De início nem dei muito valor, diário é algo pessoal, mas depois de alguns minutos eu vi que aquele diário poderia ser a grande oportunidade da minha vida de saber o que se passa naquela cabeça sobre mim. Hoje pela manhã, quando ela ainda estava dormindo, entrei naquele quarto, peguei o diário e comecei a ler.

- Lauren! Que invasão de privacidade. Eu ia querer morrer se tivesse um diário assim e minha crush secreta lesse.

- Eu sei, eu sei. Mas você precisava ver o jeito como ela escreve sobre mim, como se eu fosse uma rainha ou deusa intocável da qual de início ela achava ter alguma chance, mas com o tempo ela foi deixando isso meio de lado, tentando de certa forma, apagar aquele sentimento. Felizmente ela ainda não conseguiu.

- Eu disse pra você que o jeito como ela te tratava não era só amizade. Ela te ama e faz tempo.

- É, eu não queria enxergar, mas é tão óbvio...

Assim que termino de falar, ouvimos um barulho vindo da porta que imediatamente nos fez desviar o olhar até lá a tempo de ver Hérick adentrando o quarto, seguido de Keana e Lucy. Não acredito que Vero não trancou a porra da porta. Foda-se, pelo menos eram eles e não outras pessoas.

- Até que enfim! - o rapaz é o primeiro a falar. - Já estava achando que eu teria que dar aulas à Camila de como chegar em você. Sim, aulas pra ELA porque eu já estava desistindo de você.

- Eu não acredito que você não ia falar nada pra gente. O que a Vero tem que eu não tenho? - Keana pronuncia-se cruzando os braços fingindo chateação.

Filhos da mãe!

- Eu ia contar, só tava esperando ele chegar pra contar pro resto de vocês. Por acaso estavam escutando atrás da porta? - pergunto.

- Óbvio que sim. Você é lenta assim mesmo ou só se faz? Com a Camila você se fazia, isso já não é segredo. - Lucy comenta sorrindo me fazendo revirar os olhos.

Os três bisbilhoteiros se acomodaram na cama junto a mim e Vero, entrando de vez na conversa.

 - Tá tudo lindo e maravilhoso, mas e agora? - o loiro pergunta. - Você descobriu, ou melhor, teve uma prova concreta do que todos já sabíamos: que ela gosta de você. Mas e agora? Vai fazer o que?

- Só uma coisa. Não é simplesmente gostar, ela dizia no diário que me ama. - digo convencida.

- Eita! Como assim? - pergunta assustado. Lucy e Keana estavam com expressão semelhante. - O buraco é mais fundo do que eu pensei.

- Ué, vocês não estavam escutando a conversa? - Vero tirou as palavras de minha boca.

- Cá entre nós, vocês não estavam falando tão alto, com exceção dos seus gritos histéricos. Fizemos um esforço enorme pra conseguir ouvir uma coisa ou outra. - Lucy responde a namorada ao mesmo tempo em que se acomoda no colo da mesma. Essas duas são um grude só, mas é um grude lindo de se ver.

- Fora que quando chegamos na porta a conversa já havia iniciado faz um tempo. - Keana completa. - Mas diz aí, o que pretende fazer agora?

- Sinceramente? Não sei muito o que fazer. - digo sincera. - Quando eu achava ser apenas atração da parte dela, eu já estava praticamente decidida a ficar com ela, mas agora...

- O que tem agora, Lauren? Ela te ama! O que mais você quer? - Vero pergunta em um tom quase de súplica. - Eu tô perdendo a paciência com você.

Respiro fundo antes de responder.

- No diário, uma das razões que ela conta por não se declarar é por medo de perder minha amizade, de me perder. Ela só quer estar perto de mim, preferiu reprimir seu sentimento do que se abrir comigo correndo o risco de eu rejeitá-la e ela me perder de vez. Sinceramente, também estou com esse medo agora, tenho medo de estragar as coisas e perdê-la.

- Você insegura? - Hérick dispara ironicamente. - Não vê o que ela tá fazendo com você? Ela está virando seu mundo de cabeça para baixo, você é outra pessoa e nem sequer percebe isso. - dizia tudo com muita calma. - Tudo o que você faz ultimamente é pensando nela, pra ela. Você está perdidamente apaixonada por Camila. - eu iria protestar, mas ele me impediu. Segurou em minha mão e continuou. - Sim, você está. O sentimento entre vocês é recíproco, Lauren. Ela é tão otária por você quanto você é por ela. O que mais você quer? - pergunta, mas só recebe meu silêncio em resposta. - Se você não tomar uma atitude, a gente vai tomar por você!

Estávamos todas admiradas pelas palavras proferidas por meu amigo, Keana até deu início a aplausos ao rapaz e logo todas concordaram com o mesmo, acrescentando que já tinham vários planos. Apenas sorri negando com a cabeça. Eu não poderia ter amigos melhores.

 

Hérick POV

Ver Keana me aplaudindo é impagável. Fico feliz em saber que aos poucos tô conquistando sua amizade, e é claro que eu estou me esforçando bastante para isso. Não esperava que quando chegássemos na porta do quarto de Vero ouvíssemos o que ouvimos. Mesmo pegando a conversa pela metade e que o tom de voz de ambas estivesse baixo, o principal nos estendemos: que Lauren enfim se convenceu de que Camila gosta dela.

Eu poderia ter vindo atrás de nossas duas sumidas sozinho, mas a verdade é que eu tinha motivos para estarmos os cinco reunidos ali. Tiro meu celular do bolso de minha bermuda, mandando um SMS importante e só então começo a explanar sobre meus motivos.

- Eu quero que me conte essa história de diário, mas antes tenho que contar duas coisas que tão me deixando aflito e te perguntar outra.

- Pode falar. - Lauren responde.

- Primeiro a pergunta. Tem algo pra me contar a respeito de ontem a noite envolvendo a Mani? - pergunto um tanto cínico, afinal, eu já sabia a resposta. Nossas amigas que parecem perdidas.

- Quem te contou? - pergunta-me arregalando aqueles lindos olhos verdes.

- Ela mesma. Mani estava morrendo de medo de você ter comentado algo comigo e eu ter ficado bolado por conta disso.

- Eu sabia que você não ia ficar bolado, só achei que caso ela queira ficar com outros você deveria saber. Digamos que o histórico dela é semelhante ao seu.

Histórico semelhante ao meu. Isso me fez rir. Nem era tão semelhante assim. O meu é bem pior.

- Fica tranquila, ela disse que não tinha interesse no cara, quer dizer, não nesse sentido. Ele é dançarino... E gay. Eles começaram a conversar porque ambos notaram que o outro sabia a coreografia de certa música da Beyoncé que tocou em algum momento lá.

- Tá explicado. Por isso ela tava toda animada, tinha que ser. - Lauren riu negando com a cabeça. - Tô até me sentindo mal agora.

- Não sinta. Espero que ela seja tão compreensiva quanto eu. Tenho uma bomba pra soltar.

- Tá com gases? - Vero se adianta e todos olhamos para ela tentando prender o riso, o que não deu muito certo. - Desculpa eu não resisti. 

 - Tá, fala logo, tô curiosa. - Lucy me apressa.

Eu não era tão chegado nas garotas ali como era em Lauren, no entanto, já nos conhecíamos há muitos anos e eu sabia que podia confiar e pedir conselhos a elas.

- Ok. Eu me atrasei porque estava ao telefone com Amanda. Nós vamos juntos pra São Paulo fazer um exame de paternidade, ela já está com três meses de gravidez e eu não aguento mais essa curiosidade, preciso saber se eu sou o pai, mesmo que eu vá assumir independente do resultado. Será que a Mani vai entender?

- Boa sorte. - Jauregui diz divertida.

- Descanse em paz. - o jeito cabisbaixo de Vero deu um tom verdadeiramente triste ao momento.

- Aqui jaz, Hérick Duarte. - Lucy complementa.

- É uma pena, um rapaz tão novo e cheio de vida partir tão cedo. - Keana finaliza.

- Nossa. Muito obrigado, tô me sentindo muito melhor com os comentários de vocês. - digo sarcástico.

- Mas por que em São Paulo? - Laur pergunta. - Poderia fazer aqui mesmo.

- Aqui? Correndo o risco das duas se cruzarem? Sim, porque Amanda ficaria hospedada lá em casa. Melhor não. De qualquer forma, a irmã dela vai conosco e a clínica de lá é super renomada, o resultado sai mais rápido. - no caso, eu iria buscar as duas em MG, já que elas são de lá e então partiríamos para SP. - Agora preparem-se para a segunda bomba do dia, principalmente você, Laur.

A morena imediatamente fica séria, até mesmo preocupada, eu diria.

- Eu sem querer acabei ouvindo uma conver-

- Você e sua mania de ouvir a conversa alheia. - Keana me interrompe divertida.

- Dá pra deixar eu terminar?

- Grosso!

- Linda.

- Idiota.

- Vamo casar?

- Ridículo.

- Me ame menos.

Eu me divirto tanto com isso.

- Dá pra você continuar a história? - Lauren interrompe nossa mini discussão aparentemente perdendo a paciência.

- Ah, claro. É que tem muita mulher bonita ao redor, daí eu perco o foco. - as garotas reviram os olhos. - Vocês me entendem que eu sei. Continuando... Esses dias ouvi uma conversa da Lanna com a Mani e a Ally, nessa conversa Lanna dizia que gostava da Camila e que só não tentou nada porque Camila já havia deixado claro que gostava de você, mas como nem você e nem a Mila deram um passo pra rolar algo, Lanna vai tentar conquistar a garota. Ao contrário de você, Lanna tem a consciência de que não é fácil pra Camila se aproximar de uma outra mulher dessa maneira e por isso ela vai tomar a frente.

O olhar raivoso de Lauren estava me dando arrepios. Desvio meu olhar do seu focando na janela aberta ali, de onde posso ver Lanna conversando muito próxima a Camila lá em baixo. Me aproximo da janela para ter certeza do que eu estava vendo enquanto as garotas, com exceção de Lauren, argumentavam em prol de Lanna, não acreditando no que eu dizia.

- Não pode ser. O lance da Lanna é a Ally. - a incredulidade no rosto de Lucy era explícita.

- Eu não teria tanta certeza. Vem aqui Laur, preciso que veja uma coisa. - imediatamente a garota vem até a janela, compartilhando da mesma visão que a minha. - Pelo visto ela já está botando o plano em prática. Olha lá. - eu pude ver as narinas de minha amiga inflarem, principalmente quando Lanna lançou um olhar para nós e passou a mão sobre o rosto de Camila, tirando uma mecha de cabelo que caia pelo rosto da menor. - Será que ela tá pedindo a Camila em namoro?

Lauren me olhou de um jeito assassino, - aliás, todas ali - mas nada dizia, apenas observava em silêncio, no entanto, sua expressão altamente raivosa fez com que o resto das garotas ali no quarto se dirigissem até a janela, presenciando tal cena. Lanna agora dizia alguma coisa no ouvido de Camila e enfim Lauren quebrou seu silêncio, dando meia volta e andando quase em círculos pelo quarto.

- Eu sabia! Eu sabia que essa Lanna não valia nada, se aproximou da gente e usou a mais ingênua de nós pra obter informações sobre a Camila. Só vocês não viam isso. Depois eu que sou a cega. Até tentei me convencer do contrário hoje, mas eu sempre estive certa. Tá aí a amigona de vocês!

- Caramba! Tô passada. Eu jurava que ela tava a fim da miss simpatia que ao meu ver correspondia o sentimento. - Vero estava pasma, e não é para menos.

- Pois é, mas pelo que entendi são só amigas mesmo. Acredito que role uma atração, mas ela quer mesmo é a Camila. Você tem que agir rápido, Laur, ou então vai perder a melhor oportunidade da sua vida. - aconselho calmamente.

Tentamos conversar um pouco na tentativa de acalmar Lauren, mas não deu muito certo. A morena decidiu que levaria a bunduda para casa, Camila querendo ou não. Ela dá uma última olhada em seu reflexo no espelho e sai a passos largos e firmes em direção a porta.

- Espera! - chamo sua atenção. - Eu quero saber direitinho dessa história do diário, a gente não escutou muito bem. Não vai nos contar?

A maioria me olhou incrédula. Aquilo tudo acontecendo e eu querendo saber o que Camila escreveu em seu diário. Na verdade, eu estava pouco me importando com essa história do diário, só falei na tentativa de tirar alguém do sério. Tudo estava correndo às mil maravilhas.

- Foda-se essa história agora. A Vero conta pra vocês.

- Tudo bem. Só não faz confusão, acho que a Camila não vai gostar. - seria melhor para todos que não houvesse confusão, principalmente para Lauren. - Também não faça perguntas sobre o que ela e Lanna estavam conversando, ela pode entender que você está invadindo a privacidade dela ou querendo controlá-la de alguma forma e ninguém gosta disso. Só chega nela, diz que tá passando mal e vão embora. Sem brigas, por favor.

Ela apenas assente e vai como um míssil teleguiado atrás de Camila no andar de baixo. Estava ficando difícil prender o riso.

- Hérick, eu ainda não tô acreditando. - Lucy solta sentada na beirada da cama. - É sério mesmo isso da Lanna gostar da Camila?

- Lógico que não. - digo o óbvio. - Lauren é nossa amiga, mas é otária pra caralho, precisa de um empurrão. Combinei tudo com a Lanna antes de vir pro quarto. Ou você acha que foi o destino que colocou elas conversando de frente a essa janela?

** Flashback On **

Chegamos na casa de Vero um tanto atrasados, todos já estavam ali, menos eu, Mah e Diogo. O motivo? Bom, eu tive um contratempo, na verdade, uma longa conversa por telefone com minha ex. Eu e meu irmão somos muito ligados, ele poderia ter ido antes de mim juntamente à esposa, mas ambos estavam tão interessados no assunto quanto eu e preferiram esperar por mim.

Não muito tempo depois que cheguei, Mani me puxou para uma conversa inicialmente estranha, mas quando ela começou a explicar, não pude controlar o riso, principalmente ao notar o quão nervosa ela estava ao me contar aquilo. A mesma havia pensado que Lauren houvesse me contado algo e eu, assim como a Laur, tivesse interpretado de maneira errônea. Naquele momento eu soube que poderia confiar na morena e que deveria contar a mesma o mais urgente possível sobre a conversa que tive com Amanda. Depositei um beijo na testa da garota a minha frente e voltamos de mãos dadas até o grupinho envolta de Lanna e seus famosos drinks, foi quando notei a falta de duas pessoas ali.

 - Galera, cadê a Laur? - pergunto sem direcionar a pergunta a alguém específico. - Desde que cheguei ainda não vi nem ela e nem a Vero.

- Ih! Verdade. Estávamos jogando polo aquático, daí ela e a Vero disseram que iriam no banheiro e não voltaram mais. Faz uns dez minutos. - Lucy me responde. - A janela do quarto da Vero tá aberta, talvez estejam lá.

O que será que essas duas estão aprontando? Da última vez que elas aprontaram juntas, apareceram absolutamente TODAS as minhas ex namoradas e cerca de 70% das minhas ex ficantes na minha festa de aniversário de 21 anos. Eu fiquei com o cu na mão porque estava com poucos meses de namoro com Amanda e a mesma, obviamente, estava na festa.

Nunca fiquei tão sem jeito em toda a minha vida. O pior - ou melhor, ainda não sei - foi ver que Amanda conversava animadamente com algumas das garotas. Pensando agora, será que também é por isso que ela não gosta da Lauren?

Amanda pode ter interpretado como se Lauren quisesse acabar com nosso namoro, quando na verdade aquilo foi apenas um teste para saber se ela realmente toleraria meu passado, além é claro de me deixar sem jeito. Eu estava praticamente perdido em meus devaneios. Fui desperto quando Camila começou a falar animadamente sobre o pequeno sucesso que o aplicativo criado por ela e o amigo estava fazendo.

Phelipe!

Isso me fez lembrar de algumas conversas que tivemos. Imediatamente me veio uma ideia a cabeça. Não sabia se daria certo, mas eu precisava tentar. Se Lauren não toma uma decisão, vou forçá-la a tomar. Aproveitei que todos prestavam atenção em Camila e, discretamente, chamei Lanna para uma rápida conversa. Ela seria o elemento fundamental para todos os planos que rondavam minha cabeça.

- Eu preciso da sua ajuda. - sou direto.

- Se estiver ao meu alcance...

- A Lauren gosta da Camila e vice versa, você sabe, não é?

- Sei sim. Foi sua amiguinha que mandou você perguntar isso? Ela quer me mandar um aviso? Ameaça? - diz tranquilamente.

- Não, não é nada disso. Eu, assim como todo mundo aqui, quero juntar logo essas duas. A gente já veio pensando em algumas coisas e a maioria dos planos envolvia você.

- Eu? O que eu tenho a ver com isso?

- Tudo. Lauren acha que você gosta da Camila e por isso não gosta muito de você, fora que você foi a primeira garota que a Mila beijou. Lauren queria que fosse ela.

- Eu não tenho culpa, ela que foi uma tremenda idiota naquela boate, Vero e Lucy estavam lá, elas viram tudo. Se Lauren não tivesse bebido como bebeu, talvez as duas estivessem juntas agora. E você está sendo gentil, Lauren me odeia. - diz divertida a última parte. - Eu também não vou muito com a cara dela, até porque pra mim ela só mostra o seu pior lado. Só sei que ela não é uma total babaca por causa do que as amigas falam dela pra mim.

- Eu te entendo, mas também entendo a Laur. Bom, meu plano é simples e não sei se vai dar certo porque não tenho certeza de onde que as duas sumidas estão. Se elas não estiverem no quarto, vou dar um jeito de irmos para lá. Preciso que você dê um jeito de conversar a sós com Camila de frente a aquela janela, ou de algum lugar do qual possamos vê-las bem daquela janela.

- É só isso? - balanço a cabeça de forma positiva. - Tudo bem, eu faço. Só não sei no que isso vai ajudar.

- Vou falar pra Lauren que ouvi você comentar com Ally e Mani que iria conquistar Camila, já que Lauren não dá um passo à frente.

- Mas todo mundo sabe da tensão que rola entre mim e a Ally.

- Todos menos a Lauren, né? Pra ela você só tem olhos pra Camila. Agora vou chamar a Keana com a Lucy para irmos atrás das duas, mas isso só vai ficar entre eu e você, preciso da cara de surpresa das meninas pra isso soar mais real. Te mando um SMS avisando quando você deve ir pro lugar combinado junto com a Camila. Seja convincente, vou fazer Lauren e as meninas observarem vocês da janela. Elas precisam acreditar na sua atuação, só a minha não vai bastar.

** Flashback Off **

 

As garotas ficam eufóricas e eu me achando o fodão. Nunca me senti um ator tão bom em toda a minha vida. E depois dizem que meu diploma não tá servindo para nada. O fato de eu não estar atuando num palco ou TV não significa que eu não esteja atuando na vida, não que eu faça isso com frequência, mas nesse caso, em específico, foi extremamente necessário.

- Merece até um beijo. - isso me deixou animado, mas como era Vero falando, não dá nem para criar esperança. - Enganou todas nós.

- Pensei que iríamos armar todos juntos aquela história da carta. - Keana lembra.

Ah! A história da carta. Esse também seria um bom plano, ou não, não sei. Se esse não der certo, nós podemos tentar o plano da carta. Quem teve a ideia foi Ariana, amiga de Camila. Há um tempo atrás, Vero recebeu uma ligação de Phelipe, um outro amigo da bunduda, que pedia "ajuda" para juntar Camren. Vero se reuniu conosco, incluindo Dinah, Mani e Ally, falou sobre a "operação cupido", criou até mesmo um grupinho no WhatsApp colocando os dois amigos da Cabello, que ainda eram desconhecidos por mim, e a partir daí passamos a nos comunicar. Parece história de filme, inclusive achei meio idiota, mas decidi ajudar. Tudo pela felicidade da Laur. Camila fazia bem a ela, era notável, assim como era notável que Lauren gostava da garota, mas tinha medo de se machucar.

- Depois a gente bota o plano da carta em prática. Mudando de assunto, você ficou chateada naquele momento em que me chamou de grosso, idiota e ridículo?

- Não, tá de boa. - diz sorrindo, o que me tranquiliza. - Eu só estava brincando e eu sei que você também.

- Isso mesmo. Bom saber que eu não sou o único a lutar pra essa amizade acontecer. - finalizo com uma piscadela.

- Aham... Amizade, sei.

- Me respeite, dona Lucy Vives. - digo fingindo indignação. - Eu tô com a Mani e a Keana com a Alexa. - finalizo divertido.

- EU NÃO TÔ COM A ALEXA! Que merda.

Começamos a rir do seu tom exaltado. Acho que agora ela ficou bolada. Decidimos por ir atrás de Lauren, chegando a tempo de vê-la ao longe falando alguma coisa com Lanna e Camila. Era visível seu esforço em manter a calma. Isso me fez lembrar do que tenho a dizer para Normani.

- Meninas, - chamo a atenção das três. - preciso da ajuda de vocês, principalmente da sua Keana. - ela me olha sem entender. - Todos sabem que nunca nos demos muito bem e se até você não me julgou, a Mani deve pelo menos pensar se vai ou não me xingar de todos os nomes feios possíveis. Vou contar pra ela sobre a viagem com a Amanda.

         - Tudo bem, - Keana diz. - mas antes você precisa o ver o vídeo da Lauren dançando com a Camila bêbada ontem, foi uma loucura. Tá no celular da Normani.

         Por que será que algo me diz que essas duas não se comportaram?

Camila POV

Eu estava conversando amigavelmente com Lanna quando Lauren apareceu meio abatida. Que diabos aconteceu?

- Desculpa interromper. É que eu não estou me sentindo muito bem e tô indo pra casa. Voc-

- Eu vou com você! - respondi prontamente antes mesmo que ela pudesse terminar de falar.

Eu não fazia ideia do que estava acontecendo, mas no mesmo instante uma onda enorme de preocupação me consumiu. Nos despedimos rapidamente das pessoas ali que lamentaram nossa ida. Lauren acabou pedindo para que eu dirigisse e assim aconteceu. Ela não estava muito comunicativa no trajeto para o apartamento, na maior parte do tempo observava a cidade através do vidro do carro. Parecia pensativa.

- O que você está sentindo? Está tão calada. - comento fazendo-a desviar o olhar para mim, trazendo consigo um sorriso sem graça.

- Eu não sei ao certo. Um desconforto, talvez. Sabe quando você tem que fazer alguma coisa, mas não consegue? - e como eu sei. - Como se algo dentro de você ti impedisse, mesmo que você saiba que é o certo a fazer.

 - Foi isso que te fez querer ir embora? Está tudo bem entre você e seus amigos?

Cheguei a pensar que havia ocorrido alguma discussão entre eles. Lauren estava bem e de repente, depois de conversar com os amigos em particular, aparece não se sentido bem.

- Em parte, meu desconforto me fez querer ir embora sim e com relação aos meus amigos está tudo ótimo. Eu não tenho o que reclamar sobre aqueles palhaços, inclusive estão tentando me ajudar com essa situação.

O silêncio volta a reinar dentro do veículo. Lauren passou a focar o olhar em mim, vez ou outra eu olhava de canto disfarçadamente percebendo seus lindos orbes verdes em minha direção, mesmo que a garota parecesse um tanto distante. O que estava se passando naquela cabeça? Será a tal garota a qual ela “acha” que está gostando?

(...)

Assim que chegamos em casa decido por ir tomar um banho e tirar os resquícios do cloro que estavam em meu cabelo e corpo. Ainda na sala, aviso a Lauren e a mesma não poderia deixar passar a oportunidade de fazer alguma brincadeira maliciosa, nem parecia a mesma garota pensativa de minutos atrás.

- Escuta... - chamou minha atenção, passando a se aproximar. - Eu também quero tomar um banho e, sendo assim, acho melhor nós tomarmos banho juntas, sabe? Para economizar a água do planeta, isso é uma causa muito importante, você sabe. - adoro essa cara cínica dela.

- Aham, sei. - sorrimos.

- Eu tô falando sério, Camila. - se defende ainda com um sorriso no rosto. - É só um banho.

- Pensa que eu não sei que você quer abusar de mim? - digo divertida, mas eu não poderia deixar a oportunidade passar. Se ela está com suas gracinhas para cima de mim, talvez não goste realmente dessa outra. A vida está me dando uma chance, não vou desperdiça-la. - Vem logo.

Dei meia volta seguindo até o banheiro que tinha acesso ao meu quarto e ela veio logo atrás, toda sorridente. Abro a porta dando passagem a ela - eu sendo cavalheira - e assim que a mesma entra, fecho a porta enquanto ela pendurava sua toalha no cabide para em seguida tirar sua blusa e short, que deixou largados em um canto qualquer. Haja naturalmente, você já viu esse corpo antes. Meu subconsciente gritava. Aquele biquíni de cor preta contrastava tão bem com sua pele branquinha.

Lauren liga o chuveiro, mas ainda não se molha por completo, apenas mãos e pés. Eu me viro de costas para a garota e coloco minha toalha junto a dela, no cabide. Começo a achar que não foi uma boa ideia tomarmos banho juntos. Eu não vou ficar nua na frente dela... ainda. Quando dou meia volta, antes mesmo de poder me despir, inesperadamente dei de cara com Lauren, eu podia sentir sua respiração batendo contra meu rosto. Minha própria respiração começou a ficar descompassada, muito acelerada. Meus lábios secaram. Ela estava a centímetros de mim.

 Será que isso é real ou estou apenas sonhando mais uma vez? Eu não conseguia nem pensar direito. Ela olhava no fundo dos meus olhos, me encarando ferozmente, o verde de seus olhos estava bem escuro, suas pupilas estavam levemente dilatadas. Ela colocou as mãos na barra de minha blusa, insinuando que iria tirá-la e naquele instante eu quase morro. Ela vai abusar de mim. Ela vai abusar de mim!

- Laur... - falei com a voz falha.

- Shhh! - calou-me pondo o dedo indicador direito sobre meus lábios, utilizando a mesma mão para tirar uma mecha de cabelo que havia caído sobre meu rosto. Em seguida, sua mão volta para a barra de minha blusa, erguendo o tecido lentamente, fazendo-me levantar os braços automaticamente livrando-me de vez da peça de roupa jogando-a no chão molhado. - Chega de joguinhos, Camila. Você não vai me impedir dessa vez. Não há nada que você possa dizer que vá me parar. - sua voz num tom baixo e rouco fez meu peito subir e descer rapidamente devido a minha respiração muito acelerada.

Ela foi baixando o olhar até que seus olhos encontraram minha boca e então ela umedece os próprios lábios com a ponta da língua. Eu precisava encontrar coragem para falar. Eu ainda não estava preparada para isso, meu plano até então era apenas provoca-la, mas eu tinha que falar. Não podia deixa-la continuar sendo que o que eu quero com ela não é algo de apenas um dia ou noite como ela provavelmente deseja.

- Você não po-

- Eu posso. - sussurra.

- Não, Laur. Você não entende.

- Então me explica! - ela parece se exaltar e se afasta um pouco.

Eu mais uma vez não consigo, apenas fico calada. Ela nega com a cabeça e volta a se aproximar. Eu não poderia mais seguir escondendo aquilo, eu já fiz isso uma vez e perdi uma grande oportunidade na minha vida. Dessa vez eu tinha que arriscar, fazer diferente e tentar um final diferente, por mais que eu tenha quase certeza de que ela vá se afastar.

Seus lábios estavam a centímetros dos meus. As palavras estavam na ponta da minha língua, mas eu não conseguia mover os lábios para que elas saíssem. Lutando contra mim mesma, com lágrimas a ponto de escorrerem por meu rosto, coloquei minhas mãos em seus ombros impedindo sua aproximação e desviei meu olhar do seu respirando fundo.

- Eu gosto de você. - enfim consegui dizer, mas ainda não era o suficiente. Retorno meu rosto, botando-o frente ao seu, olhando fundo em seus olhos agora. - De verdade. Eu gosto de você de verdade. - desviei o olhar novamente, era difícil falar lhe encarando. - Eu me sinto atraída por você. Isso não vai ser só um beijo para mim como você sempre diz que será pra você. Entende agora? - a lágrima que eu tanto lutava para segurar simplesmente escorreu por minha face. Meus lábios estavam a ponto de tremer.

Eu não sei descrever qual a sensação que me invadia e tomava conta de mim, mas era um misto de alívio, por finalmente ter falado o mínimo do que realmente sinto por ela, com apreensão, medo e reprovação. Meu olhar alternava entre seu rosto e algum lugar qualquer daquele banheiro, podendo ver quando suas pupilas voltaram ao normal e um sorriso se formou em seus lábios.

- Até que enfim. - agora ela sorria abertamente e seus olhos tinham um certo... brilho?

Eu estava confusa. Por que aquele sorriso? Fiquei mais confusa ainda quando ela repousou uma mão em meu rosto e tornou a se aproximar, beijando minha lágrima que escorria solitária. Deveria ser o contrário, eu disse que gosto dela, ela deveria se afastar porque é isso que ela faz, se mantém longe de pessoas que demonstram tais sentimentos por ela, com exceção de família e amigos. Então por que ela continuava ali?

Seus lábios, pousados onde antes havia uma lágrima, roçaram em meu rosto vindo em direção a minha boca e eu sei que não conseguiria evitar mais uma vez, eu não tinha mais forças pra isso, apenas fechei os olhos esperando que ela prosseguisse, foi então que finalmente nossos lábios se tocaram e então nos beijamos. O tempo pareceu parar, eu não ouvia mais nada, apenas sentia o movimento de seus lábios perfeitamente encaixados nos meus.

Lauren me beijou!? Depois te tudo, ela me beijou?

Eu não conseguia raciocinar direito, aliás, nem era preciso. Nos beijávamos calmamente, aproveitando cada segundo daquilo, mesmo que ainda fosse apenas um roçar de lábios. Botei minhas mãos timidamente em sua cintura enquanto Lauren posicionava uma das suas sobre minha nuca e a outra sobre minha cintura, fazendo um carinho leve ali, logo após levou esta mesma mão até minha lombar, pressionando-me mais contra si.

Sentir seu corpo quente, semi despido, contra o meu era uma das melhores sensações que eu já sentira. Seu beijo era melhor do que eu havia imaginado ou sonhado. Aliás, se isso for um sonho, eu provavelmente entrarei em depressão ao acordar.

Ela sugava meu lábio inferior da forma mais suave possível, mas ainda assim, com muita vontade. Dei passagem para sua língua, aprofundando de vez aquele beijo. Sua língua não travava uma batalha contra a minha, pelo contrário, elas se acariciavam. Nos beijávamos com uma vontade com que nunca beijei ninguém na vida, ainda assim, calmamente. Seus lábios eram de uma maciez que jamais vi ou senti igual. 

Quando começou a nos faltar ar, fomos parando o beijo, finalizando com vários selinhos, não conseguindo esconder os sorrisos. Ela pousou suas duas mãos sobre meu rosto, uma de cada lado, e colou a testa na minha após o último selinho.

- Por um momento eu pensei que você não quisesse mais me beijar. - confessou.

- E-e-eu... - tentei falar algo, mas terminei por gaguejar.

- Calma, respira. - passou a mão por meu rosto tirando dali aquela mecha de cabelo que insistia em cobrir parte da minha face para logo após depositar um selinho demorado em meus lábios. Que ótimo jeito de me fazer ficar calma.

Foi sarcasmo.

- Eu fiquei surpresa, eu nem sequer tô acreditando que nos beijamos.

- Por que não tá acreditando que nos beijamos?

- Eu não sei. Eu disse que gostava de você e mesmo assim você me beijou, sendo que você já disse que tende a se afastar de pessoas que venham a nutrir tais sentimentos por você. Então, por qual razão você me beijaria depois do que eu te confessei?

- Você me fez mudar de ideia. Você é simplesmente incrível, gosta de mim e eu também gosto de você. Por que eu não te beijaria? - apenas sorrio.

- Então... era de mim que você estava falando naquele dia em que disse que achava que uma garota estava gostando de você? - pergunto receosa.

- Sim!!! - disse como se fosse o óbvio, e talvez fosse. - A intenção era que você percebesse que eu falava de ti. Você praticamente não me vê andando ou conversando com ninguém de fora do nosso grupinho. A última pessoa importante a entrar na minha vida foi você. E por quem eu tenho um enorme carinho? Por quem eu venho demonstrado um cuidado excessivo com um toque de possessão? Você. Você é a garota por quem eu demostrava afeto e que as vezes correspondia na hora, já outras vezes parecia receosa.

Fiquei calada. Apenas olhei para ela e sorri. Eu realmente não sabia o que falar, mas senti um certo alívio, além, é claro, uma enorme felicidade. Coloquei minha mão direita em seu rosto e comecei a acariciá-lo. Eu amava sua maciez. Ela fecha os olhos ao sentir meus toques.

- Pra quem queria economizar água você tá fazendo exatamente o contrário. - comento divertida. - Já faz uns cinco minutos que estamos desperdiçando água do chuveiro e nós nem sequer nos molhamos.

Ela sorriu e colocou os braços ao redor do meu pescoço.

- Tu juras que minha intenção era realmente economizar a água do planeta? Eu e você, dentro de um banheiro, a sós, de biquíni e você acha que eu vou lembrar de economizar água? - sorri negando com a cabeça. Ela me deu um selinho e sussurrou contra meus lábios, olhando diretamente em meus olhos. - E quem disse que eu não tô molhada?

Eu tenho certeza que ruborizei de imediato. A filha da mãe disse isso apenas para me deixar sem jeito, tenho certeza. Ela sorriu e me puxou para baixo do chuveiro, junto a ela, onde voltamos a nos beijar, porém, dessa vez era algo mais desesperado, intenso. Ela me prensou contra a parede, pressionando seu quadril contra o meu, estava a ponto de passar mal com tantas sensações que ela podia me fazer sentir com apenas um beijo e alguns toques. Ela passou a mão por trás de minha coxa, insinuando que eu passasse minhas pernas ao redor de sua cintura. Acabei rindo, quebrando o beijo.

- O que foi? - perguntou-me aparentando confusão.

- Isso não vai dar certo. Nós estamos molhadas e semi nuas, eu vou escorregar, mesmo que eu ainda esteja de short.

Ela solta uma lufada de ar e revira os olhos.

- Tem razão. Droga! Isso é bem frustrante. Mas vem, eu te seguro.

As chances de isso dar errado eram muitas, principalmente se tratando de mim que sou um desastre ambulante, mas não pensei duas vezes antes de fazer o que ela me pediu. Coloquei minhas mãos em seus ombros, pegando impulso, para logo em seguida abraçá-la com minhas pernas, no mesmo instante sinto suas mãos sustentando minhas coxas para que eu não escorregasse. Ela volta a me prensar na parede atrás de mim, deixando-me escorregar um pouco apenas para que nossas intimidades se encontrassem. Arfo, mordendo meu lábio inferior logo em seguida ao sentir aquele contato e então ela me lança um lindo sorriso antes de iniciarmos mais um longo beijo.

Ela apertava minha coxa com muita vontade, sua língua explorava cada milímetro da minha boca, seu quadril movimentava-se de modo que sua intimidade - coberta pela peça do biquíni - roçasse na minha por cima do tecido de meu short. Ou ela quer me matar ou quer me deixar louca. Quando nos faltou ar, ela foi me soltando até que eu ficasse de pé novamente e confessou-me algo ainda ofegante, com a testa colada na minha:

- Eu queria isso há tanto tempo, Camila. Você também queria isso já faz um bom tempo, não é? - olha fundo em meus olhos.

- Já estava achando que você nunca iria notar.

- Acredite, não foi tão fácil te decifrar... Se não fosse nossas amigas falando sobre como nos olhávamos, acho que eu não teria notado e provavelmente, por pura safadeza, já teria te agarrado faz tempo, e talvez tivesse te afastado de mim por causa disso. No início eu só te via como uma amiga gostosa. - sorrimos. - Mas com o convívio diário, eu fui te conhecendo melhor e passei a admirar suas infinitas qualidades e até mesmo alguns dos seus defeitos.

Isso é mais do que eu poderia imaginar.

- Desde quando você sabe do meu interesse por você? - perguntei um pouco tímida.

- Vim começar a desconfiar mesmo depois daquela briga na faculdade, então passei a te provocar na intenção de fazer você ceder ou... sei lá.

- Eu sabia que essas provocações tinham um motivo.

- Pois é... E você também começou a ser mais gentil ainda comigo, sempre se oferecendo para fazer certas tarefas por mim, comprando coisas que eu gostava de comer...

- Isso foi ideia da Ariana, e não foi nada difícil fazer isso tudo... Mas Laur, se você já desconfiava faz um tempo, por que só agora me falou?

- Camila! Você que deveria me falar. Imagina que estranho eu chegar em você falando "Oi, Camila! Eu sei que você gosta de mim, deixa de doce, vamos se beijar?". - seu tom irônico me fez rir. Ela tinha razão. - Eu queria que você me falasse o que estava sentindo ou que tomasse uma atitude logo e me beijasse. Eu te dei várias deixas pra isso.

- Eu poderia tentar te falar tudo o que sinto, se quiser, mas não garanto que vou conseguir.

- Não precisa, eu já sei de tudo, sei como se sentia em relação a mim.

- Sabe? - espantei-me.

- Sei mais do que você pensa. Eu achei um diário seu e eu precisava saber que tipo de atração você sentia por mim, e eu vi naquele diário a oportunidade de saber isso, já que você não se pronunciava... Não é só atração, é algo muito maior... E lindo. - seus olhos brilhavam, já os meus, quase saltam das órbitas oculares.

- Ai meu Deus! Você leu o meu diário?

- Li. Me desculpa, eu sei que foi invasão da sua privacidade, mas eu só li a partir da data em que me mudei para cá. - falou tudo com uma imensa calma.

- Eu não acredito. Que vergonha. - disse virando-me de costas, colocando uma mão em minha testa enquanto a outra estava apoiada a parede. - Por que diabos eu ainda escrevo em diário?

- Vergonha de que, anjo? - virou-me de volta para ela acariciando meu rosto com uma de suas mãos. - Seu sentimento é tão lindo... me fez chorar enquanto eu lia. Ninguém que se disse a fim de mim nunca demonstrou algo parecido. Nunca! - seu olhar jamais me demonstrou tanta sinceridade como agora. - Nem mesmo a Cece. Você só queria estar perto de mim. - uma lágrima escorreu sobre seu rosto. - Estava disposta a sufocar o que sentia só por medo de me afastar. Não sufoque-o. Eu preciso disso que sente por mim. Eu preciso de você. - sussurrou a última parte e meu coração quase rasga meu peito de tão forte que batia.

- Você precisa de... mim? - perguntei ainda incrédula, fazendo ênfase no mim.

- Sim, eu preciso de você, do seu sentimento... do seu... amor. - foi num tom muito baixo e com certa dificuldade, mas eu ouvi muito bem. Ela não é de pronunciar tal palavra. - Você foi a única pessoa em todos esses anos que me despertou coisas que eu não sei nomear, mas é melhor que qualquer coisa que já senti e eu quero descobrir o que é. Eu quero ficar com você, Camila.

- Isso é lindo, Lauren. Eu sinceramente nunca imaginei que você me diria coisas como essas, mas eu não quero só ficar com você, isso vai me machucar.

- Eu sei, te entendo, mas vamos devagar, com calma. Quero ter certeza de que estamos fazendo a coisa certa. Eu quero você comigo e agora que tive coragem de assumir isso pra mim não vou abrir mão de ter você, mas quero ir com calma, você tem sua família e eu tenho meu trauma com relacionamentos sérios. - sorrimos. - Você fica tão linda sorrindo e eu amo ser o motivo que te faz sorrir. O que eu sinto por você me faz pensar se o que eu sentia pela Cece realmente era aquilo, porque se o que eu sinto por você for... - para por um instante. Eu sei bem a dificuldade que ela tem em pronunciar tal palavra. - Se o que sinto por você for a-amor, - desviou o olhar para falar a última palavra. - acho que eu nunca amei a Cece... É totalmente diferente do que eu sentia por ela. E-eu não sei nem descrever e isso me deixa completamente agoniada. Tem ideia do que é sentir algo bom, que te deixa radiante, feliz e não saber o que é?

Inacreditável. Surreal. Sonho.

Não sei qual palavra dentre as várias existentes num dicionário poderia descrever tal situação, só sei que estava sendo incrível. Lauren me quer ao seu lado, falou coisas lindas e a melhor parte: talvez ela me ame. É apenas um talvez, no entanto, já é mais do que eu imaginei.

- Eu nem sei o que dizer...

- Fiquei assim depois que li seu diário... Só me deixa cuidar de você, vai?! Quero beijar você sempre que eu tiver vontade, e acredite, não são poucas vezes; quero desfilar de mãos dadas com você por aí, mesmo que já tenhamos feito isso, mas é que agora seria diferente. Não tenha medo e nem vergonha de expor seus sentimentos e vontades a meu respeito, Camila. Exponha seus sentimentos. Eu tô fazendo isso agora, e só Deus sabe o quanto tá sendo difícil.

- Nossa! - sorri abobada. - Você consegue ser mais incrível a cada dia.

- Eu queria que você falasse, mas no final quem está falando sou eu e eu simplesmente não consigo parar. É como se estivesse tirando um peso de mim e eu tô me sentindo tão bem por isso. Não vou deixar você escapar fácil assim. Só não posso oficializar nada agora, não quero te magoar e nem me magoar tomando uma decisão precipitada. - assenti com a cabeça sinalizando que eu a entendia. - Me deixa cuidar de você, por favor!? Eu sei que sou uma pessoa difícil para ter esse tipo de relacionamento, mas entende meu lado, tinha uma enorme muralha em meu peito, você sabe, você passou por ela. – sussurrou a última parte. Olhei para ela e comecei a sorrir negando com a cabeça. - Fica comigo?

Eu queria dizer que sim, mas só sim seria muito pouco, e como ela pediu para eu não ter vergonha de expor meus sentimentos e vontades, puxei-a para mim iniciando um beijo lento, ela correspondia da mesma forma. Elevei uma de minhas mãos até sua nuca, onde segurei firmemente em alguns fios, fui parando o beijo e levando meus lábios até seu pescoço onde deixei beijos intercalados com leves mordiscadas e um chupão que a fez soltar um gemido baixo. Ao ouvir este gemido, levei meus lábios até sua orelha e sussurrei:

- Isso responde a sua pergunta?

- Huum. - se fez de pensativa. - Na verdade, ainda não... Poderia repetir? - cínica!

- Não, não posso. - ela fez uma cara indignada seguida de um lindo biquinho de quem fingia estar triste. - Nem adianta fazer essa carinha, - talvez adiante. - temos que terminar logo esse banho antes que a gente acabe com a água do bairro.

Ela assentiu ainda fazendo aquele biquinho lindo que pedia para ser beijado, mas logo começou a sorrir. Fez questão de massagear meus cabelos durante o banho do qual passamos a maior parte sem falar uma palavra, apenas nos olhávamos, sorríamos, trocávamos carícias e nos beijávamos. Ela explorava as partes do meu corpo que podia, e eu fazia o mesmo com o corpo dela, passando a mão por seus braços, costas, barriga e bunda, tudo com muito respeito. Em nenhum momento ela avançou o sinal, o que me deixou mais tranquila, não sei se estou preparada para isso, provavelmente ainda não.

(...)

Quando saí de meu quarto, já vestida, encontrei Lauren sentada no sofá maior de frente para a TV. Ela vestia apenas uma calcinha boxer juntamente àquela blusa com a estampa da bandeira norte-americana que eu simplesmente amava vê-la vestida. Quando nossos olhos se encontraram foi impossível segurar o enorme sorriso que se formou em meu rosto principalmente por ver que ela também sorria da mesma forma.

- Oi. - sussurrou de onde estava.

- Oi. - sussurro de volta em resposta.

- Por que estamos sussurrando? - ela pergunta.

- Não sei. - digo me aproximando. - Me diz você, foi você que começou. - falo com o tom normal, sentando-me ao seu lado.

- Eu quis ser fofa. - dá uma piscadela e me puxa delicadamente para deitar em seu colo.

- Eu amo essa sua blusa. - confesso.

- Eu sei. Por isso coloquei-a.

Ela acariciava meus cabelos fazendo um cafuné gostoso enquanto iniciamos uma conversa divertida sobre as vezes que nos sentimos fortemente atraídas uma pela outra, fortemente mesmo, do tipo que perdíamos a linha do raciocínio, coisa que aconteceu muito comigo. Ela lembrava até mais do que eu das minhas próprias mancadas, a filha da mãe percebia tudo e se divertia às minhas custas por conta de suas provocações. Estávamos colocando tudo a pratos limpos de modo descontraído.

Ela consegue me deixar a vontade com a mesma facilidade que me faz ficar tímida em sua presença. É incrível. O tempo foi passando, a noite chegando e junto com ela veio a fome. Lauren levantou-se para pegar seu celular e ligar para alguma pizzaria. Eu estava deitada naquele mesmo sofá de antes mexendo em meu celular, compartilhando com Ariana e Phelipe a minha felicidade, afinal, os dois me deram a maior força juntamente a alguns conselhos.

** WHATSAPP ON **

Camila:

- EU E LAUREN NOS BEIJAMOS!!! SKSJSNDMDKSNDBANDKDSNSJDMXLSANXCLDLWJQBFKGKENDBKEDJDNEJ

Ariana:

- AI CARAMBA! NÃO BRINCA COM ISSO

Phelipe:

- Que isso menina? Parece que tá tendo um ataque epilético enquanto digita

- Não pera. Deixa eu ler de novo

- CARALHO! VOCÊ E LAUREN SE BEIJARAM *emoji surpreso*

Camila:

- kkkk' idiota

- SIM! Nós nos beijamos... e muito

- Enquanto tomávamos banho JUNTAS

- EU NÃO ESTOU BRINCANDO

** WHATSAPP OFF **

 

Antes que eu pudesse ler a reação de ambos e contar como aconteceu, Lauren inesperadamente sentou-se sobre minha barriga - uma perna de cada lado de meu corpo - tirando o celular de minha mão e colocando-o na mesinha próxima. Sem muita enrolação ela vem calmamente até meu pescoço depositando um beijo ali para logo atacar meus lábios. Minhas mãos automaticamente foram parar em suas coxas, onde eu apertava com vontade.

Passados alguns minutos, ainda estávamos nos beijando no sofá maior, ela por cima de mim, passando uma das mãos sobre minha barriga, por baixo de minha blusa. Eu segurava seus cabelos da nuca com firmeza e com a outra mão espalmada em sua região lombar pressionava-a mais contra mim, como se isso fosse possível.

- Sua boca é gostosa pra caralho. - sussurrou contra meus lábios. Senti uma tremida involuntária ao ouvi-la dizer tal coisa e acabei sorrindo. - Eu não consigo parar de te beijar.

- Então continua. - sussurro.

Nossos lábios deveriam estar vermelhos e inchados, ainda assim voltamos a nos beijar, o calor estava ficando cada vez pior e, de repente, sinto sua coxa pressionando minha intimidade - que já latejava com toda aquela situação - o que me desconcentrou no beijo me fazendo parar, arfando e mordendo o lábio inferior logo em seguida.

- Laur... Sua coxa. - minha voz foi falha.

- O que tem a mi... - olhou para a região por um instante. - oh, desculpa. Não foi intencional... não ainda. - filha da mãe. - É o costume, desculpa. Eu não tô te pressionando a nada, de verdade. Eu vou te respeitar assim como venho feito durante todo o tempo que moro com você, fica tranquila eu...

- Tá bom! Já entendi. O mundo não vai acabar por causa disso. - acabamos por rir.

Lauren era simplesmente perfeita. Como se fosse possível, melhor do que eu pensava ou do que ela já demonstrava. Estava se mostrando tão paciente e respeitosa, era lindo vê-la tentando se justificar de algo que fez sem intenção.

Não demorou muito tempo e fomos interrompidas pelo som da campainha. A pizza havia chegado. Lauren levantou-se rapidamente pegando o dinheiro em cima da mesinha a frente do sofá onde estávamos e foi quase correndo até a porta exatamente do jeito que estava: blusão e calcinha boxer. Pude notar o coitado do entregador meio sem jeito na frente da morena, neguei com a cabeça e acabei rindo do rapaz. Agora eu sei onde Lauren via graça quando fazia isso comigo.


Notas Finais


ATÉ QUE ENFIM \o/

Eu cheguei a falar para alguns que esse beijo sairia no máximo no capítulo 30, e tá aí, missão cumprida e dentro da margem que estipulei.

Vocês não eram os únicos ansiosos por esse beijo, a coitada da autora aqui também sofre, tá? Eu refiz a parte do banheiro tantas vezes, vocês não tem ideia, achei até que ficou sem graça. Essa parte foi uma das primeiras, se não a primeira, que eu escrevi da fic inteira. Acho que dá pra ter uma ideia de quantas vezes eu devo ter modificado. Garanto que foram muitas.

Quando eu comecei a escrever só tinha a ideia do primeiro capítulo (a entrevista lá) e essa do banheiro, a partir disso fui desenvolvendo a história, no meio disso foram surgindo várias e várias ideias e 29 capítulos depois aqui estamos. Espero que eu tenha agradado nesse beijo aí porque apesar de tudo não gostei muito de como descrevi e não vou fazer nada pra mudar a opinião de vocês caso não tenham gostado kk' CHEGA DE REESCREVER ISSO PELAMORDI!
Uma coisa importante: LANNA É CAMREN SHIPPER! Tão camrenzinha que ajudou aí a fazer a Laur tomar uma atitude. É claro que não podemos esquecer do rei do capítulo, né? Hérick foi foda! Bolou a ideia ali rapidamente pra ajudar o otp e deu super certo, e olha que é loiro *lua escura* (nada contra, são apenas brincadeiras).
Falando nele, o que estão achando dessa viagem com a ex? Tão maliciando ou estão confiantes na "fidelidade" do rapaz? Lembrando que ele e Mani não namoram, apenas ficam.

Por último, quero ressaltar que a fic ainda tá longe de acabar, como puderam perceber no decorrer da história, eu deixei margem para muitos acontecimentos e por isso daqui há alguns capítulos o foco em Camren diminuirá um pouco abrindo espaço para os outros personagens da história. Não se preocupem, haverá Camren SIM e muito, mas provavelmente também terá POV de personagens que ainda não tiveram um. A história das duas não termina aí, ainda tem muita coisa pra acontecer entre as duas, só que no meio disso introduzirei o que se passa com os outros personagens
.
Qualquer dúvida, podem perguntar.

Até a próxima! Beijos, amo vocês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...