História Colégio Interno - Interativa - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Interativa
Exibições 78
Palavras 717
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


AVISO: Esse capítulo vai conter coisas insanas, sublimes e pensamentos loucos. Não é um capítulo de humor {apesar que pode aparecer alguma piadinha} esse capítulo será inteiramente focado em Elizabeth Sulerburns. Apenas nela. Como vocês podem ver no título, esse será o primeiro ataque dela então se você é meio sensível não leia. Quero mesmo saber a opinião de vocês sobre esse capítulo então por favor comentem!?

BEIJÃO❤

<<<<<<<<<<<<<<<>>>>>>>>>>>>>>

Capítulo 16 - Capítulo Bônus: Crise


Fanfic / Fanfiction Colégio Interno - Interativa - Capítulo 16 - Capítulo Bônus: Crise


Enzo entrou no refeitório para jantar e franziu o cenho ao perceber que a irmã não estava presente. Ele caminhou até sua mesa e viu os olhos de Isabelle se arregalarem.

— Onde está Lizzie? — questionou Enzo para a garota que suspirou.

— Eu não sei! Não a vi já faz algum tempo. — Izzy suspira enquanto aperta seus dedos pelo nervosismo. Ela não pode deixar Lizzie surtar. Não pode! — Pensei que ela estava com você.

— Meu Deus...! — foi só o que o garoto disse.

...

A garota estava sentado no chão, rodeada de bebidas alcoólicas. De seus olhos escorriam lágrimas, que molhavam toda sua face. Ela não estava nem aí com sua vida.

— Minha vida já é um lixo! Ah mas... Mas eu não tenho culpa? Não! Eu não tenho culpa de ter dito minha vida destruída. — a garota falava sozinha encarando as fotos que segurava. — Afinal, o que posso fazer se tem cacos de vidro por onde eu passo? Que corta os meus pés? Exatamente! NADA!

A garota se levantou meio cambaleante, e então começou a rir. Elizabeth ria como uma psicopata. Sua bipolaridade estava presente ali novamente. Ela cambaleou até seu travesseiro, de onde retirou debaixo dele uma enorme faca.

— Eu poderia me matar agora mesmo. Sentir o sangue pingar. Sentir a dor me possuir! — ela riu novamente passando a ponta da faca em seu braço, onde fez um pequeno corte. — Mas, não.

Ela riu novamente e se jogou em cima de sua cama. De seu braço escorria pequenas gotas de sangue que pingava em seus lençóis. Ela fechou os olhos por um momento, e então seus demônios começaram a assombrar.

"A culpa é sua"

A garota abriu os olhos instanciamente, e começou a olhar por todo o quarto.

"Você é uma maldição"

 CALEM A BOCA! — Elizabeth colocou as mãos nos ouvidos os tampou.

"A culpa é sua"

"Você que quis voltar"

"Inútil"

"Você me matou Elizabeth"

— EU... Eu não matei ninguém mãe! — a garota começou a chorar desesperada — Eu... Eu juro que não sabia... Eu NÃO SABIA!

"Você que quis voltar"

"Você é minha cópia imperfeita"

"Não era a filha que eu queria"

"Eu não criei uma boneca"

"Inútil"

"FAÇA ALGUMA COISA!"

— EU NÃO SEI O QUE FAZER! — Os soluços de Lizzie eram altos. A garota estava desperada. Estava perdida... — Mãe... Eu não sei o que fazer!

"Você vai deixar barato o que ela falou?"

"Inútil"

"FAÇA ALGUMA COISA ELIZABETH!"

— Okay mamãe... T-tudo bem! — a garota se levantou chorando e foi até um quadro que tinha em seu quarto. Atrás do quadro, havia ratinhos. Lizzie retirou o quadro, colocou a senha e pegou a jaula dos ratinhos.

"VAI DEIXAR ELA FALAR ASSIM DE VOCÊ?"

"ELIZABETH!"

"FAÇA ALGUMA COISA!"

— Tudo bem! Tudo bem! EU VOU FAZER ALGUMA COISA! — Elizabeth com as mãos trêmulas, encarou os ratinhos ensinados dela. 

"ELIZABETH!"

Elizabeth caiu de joelhos no chão ao ouvir o grito estrondoso de sua mãe em sua mente. As lágrimas continuavam a rolar por seu rosto. A garota pegou em uma das suas gavetas o pacote de sangue falso que sempre tem. Ela se levantou com dificuldades e caminhou até seu closet, onde havia uma enorme coleção de perucas. Elizabeth pegou a ruiva a colocou. Rapidamente a garota pegou o sangue e a caixa de ratos. Ela então escalou a escada que já tem em seu quarto que vai direto aos tubos de ventilação. Ela entrou nos tubos e então sua mente ficou silenciosa. Não havia mais "Margareth" a garota desceu nos tubos de ventilação do quarto de Carina. Lizzie deixou a caixa de ratos no chão junto com o sangue e então pegou algumas cordinhas que estavam em seu bolso e com muita dificuldade começou a amarrar as cordinhas no teto. A garota desceu novamente e pegou os ratos os pendurando nas cordinhas do teto.

— Morte — sussurrou a garota para os ratos que fingiram de mortos automaticamente. Até ela dizer morte novamente, os ratos estão "mortos". Lizzie desceu de novo e pegou o sangue. Começou a jogar o Sangue por todo o teto. Aquele teto, parecia cena de filma de tortura. Gotinhas de "sangue" caíram no rosto de Carine que nem se mexeu.

Lizzie suspirou, pegou tudo que é seu e subiu de novo pela tubulação.

Esse era mais um vez, um surto psicótico de raiva. Quando ela não consegue se vingar, sua mãe vem até ela...


Notas Finais


Então o que acharam? Mais crises? Mais Lizzie louca?

HAUAHAUUA BEIJÃO❤

P.s: Capítulo não betado por ser um bônus!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...