História College XXI - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Big Bang, NCT U
Tags Bangtan Sonyeondan, Bap, Bigbang, Bts, Colegial, Got7, Nct, Universidade
Exibições 59
Palavras 2.130
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Festa, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá.

EU CHEGUEIIIIIIIIIIIII desculpem a demora; Lembrando que a fic já está quase terminando, e talvez mais cedo.

Boa leitura~

Capítulo 15 - Sabe quem sou?


Fanfic / Fanfiction College XXI - Capítulo 15 - Sabe quem sou?

 

Demorou, mas foi fim de festa para Taeyong Lee.

No dia seguinte, May ligou a mim e conversamos bastante sobre isso. Por mais que ela gostasse dele, eles teriam que terminar. Se a família soubesse, desherdariam ela.

Mas ele fez uma promessa, de que aquele dia em diante, acabaria com tudo de ruim que já se envolveu. Porém, isso era perigoso. ''Você nunca está fora do crime a não ser que esteja morto'', ele disse. Mas sabia que não poderia continuar nisso. E o final disso? Ele abriu todo o jogo, convocou a polícia. Alguns mortos, outros presos. Até mesmo Vasco, o chefe do tráfico. Foi difícil para ele. Disse que o considerava como um irmão mais velho, mas que as circunstâncias não eram boas. Mas tudo acabou teoricamente bem.

Ao menos ao casal MaYong.

 

 

 

 

 

 

Entretanto, os dias passaram e as férias se aproximaram, graças a Deus. A minha barriga já cresceu um pouco, mesmo que seja cedo, o que de certa forma além de alegria me traz pânico. Eu só estou beirando o terceiro mês de gestação, e ao que dizem, é como se já estivesse de quase quatro, na verdade. 
—E se forem gêmeos? — Taehyung sugere. Estamos deitados na cama, em uma noite chuvosa de sexta-feira. 
—Eu não sei se aguento dois bebês... meu Deus. — surto com a ideia. Estar grávida já é meio assustador, de dois, então! 

Ele ri fraco, beija minha barriga.
—Eu ficarei ainda mais feliz. — passa carinhosamente a ponta do nariz em mim. 
—Eu ficarei ainda mais desesperada. — altero sua fala, ele ri. — Enfim, a ultrassom é amanhã, não é? Vamos dormir. 
—Sim. — concorda — Ás 9h30. — nos acomodamos, ele abraça meu corpo, com as mãos envolta minha barriga. — Durma bem, amor. 
—Você também, meu amor. — sorrio, feliz com o carinho em minha barriga.

 

 

Dia seguinte.

Acordamos meio atrasados, tomamos um rápido banho e comemos qualquer coisa rapidamente; Chegamos ao consultório 9:35. A médica já nos esperava fora da sala. Uma mulher por volta dos 30 anos, alta, branca, loira e vestida de branco, segurando alguns papéis e caneta. 
—Podem entrar. — diz, já que nos reconhece. Já é nossa segunda vinda aqui.

Entramos, meio frustados pelo atraso. Justificamos, e ela apenas diz que não há problemas. Faz algumas perguntas, me pede que deite em uma cadeira inclinada, parecida com aquelas de dentista; Coloca um gel na minha barriga, enquanto ainda faz algumas perguntas. 
—Teve dor ou sangramento durante o sexo? — ela pergunta calmamente. 
Tae e eu nos encaramos, mais uma vez frustados. Ela sorri simpática.
—Desculpem, algum problema? — pergunta. 
—Desde que confirmei a gravidez, ele não quer mais fazer isso porque acha que de alguma forma pode incomodar o bebê.— respondo e rio ao final. Ela também ri. Ele abaixa a cabeça. 
—É normal, muitos pais tem o mesmo pensamento. Mas não afeta a criança, ainda mais sendo tão pequena por enquanto. Só deve ser evitado se houver o desconforto ou sangramento, por isso a pergunta. Mas não tenham medo agora, okay? — nos encara. 
—Ok. — respondemos, encaro-o — Eu disse, bobo. — rio mais uma vez. 

Ele sorri tímido; A médica continua analisando minha barriga, passando uma pequena máquina sobre o gel. Enquanto ouvimos barulhos sem nexo e vemos uma imagem embaçada em uma telinha quase inteira preta. 
—Mmm! — ela murmura. Nos encaramos em pânico. 
—Isso é bom? — Tae pergunta em brincadeira e ri. — Por favor, estamos assustados. — ainda sorrindo. 
—Querem ouvir o coraçãozinho? — ela pergunta com um sorriso enorme. 
—Sim! — respondemos, embora já tenhamos ouvido outra vez. 

Alguns segundos, e então podemos ouvir. Meu Deus, é uma emoção tão gritante. Taehyung está sentado do meu lado, ele morde o lábio, segurando um sorriso e segura forte minha mão, que também agarra a dele. Sinto arrepios. 
—E agora, o coração do segundo bebê. — ela diz, então ouvimos o segundo batimento. 

Meu corpo esfria por um segundo, tendo um enorme calafrio. Meus olhos arregalam, e vejo que o do meu marido também. Meu batimento aumenta. Eu ouvi direito.
—Se-segundo bebê? — perguntamos juntos, eufóricos. — Sa-são gêmeos?! — ainda olhos arregalados.
—Sim!!! — ela responde animada. — Parabéns, jovens! — ri da nossa surpresa. — Muito assustados? 
—Sim... — respondemos sem jeito, mas a reação de Taehyung logo muda então me olha fixamente. — Obrigado, obrigado, obrigado! — aperta mais minha mão, o que me faz gemer baixinho de dor. — Desculpe. — ele e a médica riem. 
—Espero que estejam mesmo contentes. — ela diz, acabando de analisar. — Dois bebezinhos. — todos sorrimos. 

Ela dá mais informações, enquanto ainda meio desnorteados, ouvimos tudo, com o coração vibrando de alegria. E medo, é claro. Agora tudo, tudo, tudo! será dobrado. Inclusive o amor. 
 

 

 

 

 

 

 

May

Sábado a noite. Taeyong, eu, Milena, Youngjae, Lila, Jungkook, Manu e Jongup — que aliás, faz aula comigo —, todos nós, na pizzaria Speranza. Mandi e Taehyung não vieram pois foram jantar na casa dos pais dele, pra discutir mais sobre assuntos como o fato dos gêmeos. Meu Deus, ainda bem que fico mais tempo no ap de Taeyong. Não suporto birra de criança. É fofo, desde que não chore no meu colo e esteja cheirando bem; Chamei todo o grupo, mas somente esses vieram.

Já estamos aqui há cerca de 20 minutos apenas. Em um enorme rodízio de pizza. Adeus, dieta. A única coisa que eu perco e encontro de volta, são quilos. 

Estamos todos conversando assuntos aleatórios e rindo; Eu não sei por qual motivo, mas já faz 3 dias que um número desconhecido me liga e mandou 3 mensagens. Do tipo ''sabe quem sou?''. Se fosse adivinha usaria isso pra ganhar dinheiro, quem essa pessoa pensa que EU sou???; É claro que meu namorado não está nem um pouco contente com isso. Ele escolheu deixar tudo de ruim pra traz pra recomeçar comigo, e agora soa como se eu tivesse um amante secreto.

Tento evitar pensar em todo esse assunto, e acabo por lembrar de outro: justamente, essa pizzaria foi o começo. O começo de toda aquela intriga amorosa entre Mandi, JiYong, Jin e Taehyung — eu falo pra ela que ela é rodada e ainda se ofende. Fatos são fatos, Mandi; E eu ainda prefiro o Jin — O começo do namoro de Milena e Youngjae, de Lila e Jungkook. E... JIMIN E EU! E vejam, eles tiveram finais felizes. MAS EU, EU SEMPRE SOFRO, NÉ?!; Foi aqui, o primeiro encontro. E ainda tenho algumas lembranças, alguns deja vus — e cara, eu odeio deja vu. 


—May. — Taeyong, sentado ao meu lado diz firme para mim, me despertando de meus pensamentos. — Tudo bem? — pergunta preocupado. — Você parece tão... Ah, avoada. Mais que o normal. — ri.
—Nada não. — rio tímida. Encarando ele de volta. Então analiso sua roupa. — Amo essa jaqueta. — digo a ele. A jaqueta preta de couro importada dele fica realmente sexy nele.

Ele sorri. 
—Quer pra você? — pergunta em brincadeira. 
—Quero, tira. — brinco também, ele ri.

Se aproxima e sela nossos lábios. 
—Por isso ele não veio? — Jongup pergunta a Jungkook, referente a Yoongi. 
—Sim. Ficaram toda a tarde atrás de algumas coisas da bebê. — Jungkook responde. 
—Eve grávida, Mandi grávida. Quem será a próxima? — Jongup brinca. 

Youngjae encara Milena.
—Nem se atreveja, Jae. Eu tenho juízo e noção, diferente delas. — ela logo se defende, o que o faz rir. 
—Calma, eu nem disse nada. — ele também se defende. 
—Ouuuuu... — Jongup encara a namorada, que faz cara de tédio pra ele.
—Cala a boca, Jongie. — ela diz em tom firme, causando riso nele. 
—E pra deixar claro, nunca passaremos por essa situação, entendido, Kook? — Lila diz a ele. 
—Tudo bem. — ele diz, então sussurra — Um dia te convenço. — ela faz um olhar de raiva pra ele. 
—Esses garotos estão todos atrevidos. — ela comenta. Eu e o restante concordamos. 

Quando estou prestes a pegar mais uma fatia de pizza, sinto meu celular vibrar e fazer um som, novas notificações. Pego a pizza, coloco sobre meu prato. Então checo a mensagem. Ainda, número desconhecido, sem foto, nada. 

20:21 Desconhecido says: Estou onde começamos ;) 

Ainda confusa, mas começando a entender. Até que a pessoa me envie uma foto. A mesma foto do lugar que estou. Ainda na foto, posso ver no fundo a mesa que estamos. Meu coração gela. Isso parece aqueles seriados de investigação.

Então, deixando a lerdeza de lado e chego ao ponto.

Jimin voltou. 

Fico sem reação, sem expressão. O pessoal percebe que algo aconteceu, logo perguntando. 
—O que foi? — Milena é a primeira a se pronunciar, com certa preocupação. 

Meu olhar abaixa. Mas logo levanta, e começo a procura-ló apenas com os olhos. E não demora até que...
—VOCÊ ESTÁ AQUI! — diz, caminhando alegremente até mim. Sem se importar que seu alto tom de voz tenha chamado atenção pela movimentação. 

Levanto, ainda sem reação. Ele logo me abraça forte. E eu continuo intacta. 
—Eu senti tanta sua falta, tanta, tanta, tanta! — ele diz me apertando. Respira fundo — Eu amo tanto você. — se afasta, me encara. — Foi tão difícil deixa-lá. Eu chorei por tantas semanas. Não consegui me apaixonar por mais ninguém. Eu apenas procurava você em outras garotas, e seria impossível, pois você é única. Então eu deixei tudo... — é interrompido. 

 Taeyong se levanta, com certa violência, pelo ciúme. Ele é REALMENTE ciumento. Me puxa pelo braço, me afastando de Jimin. Se põe entre nos, encarando-o. Então a primeira reação de Jimin é se inclinar ao lado, e me encarar confuso. 
—Quem é você e por que estava abraçando e se declarando pra MINHA namorada? — Taeyong pergunta em tom firme, chamando atenção de toda pizzaria.

Uma coisa eu sei: eu estou ferrada.

 

 

 

 

 

 


 

Jimin me encara, perplexo.
—Sua namorada? — ele pergunta sem entender, então ri. — Ela é MINHA namorada. Faremos 2 anos, não é, May? — olha novamente.

Eu não sei o que responder. Então Taeyong ri. 
—Então era ele? — Tae me pergunta com um sorriso maldoso. — Não sabia que você fazia caridade. — ri. 
—Como é? — pergunta Jimin, já um pouco bravo. — O que quis dizer? 
—Meu Deus, além da aparência, ainda é lerdo. — continua rindo, então encara Jimin. — A fila andou, amiguinho. — diz simples. — É melhor dar um fora, antes que eu te obrigue. — o empurra.

Meu coração acelera, as coisas estão começando a ficar séria. 
—Ela só deve ter te usado pra tentar me esquecer, e você, babaca como está sendo, realmente acreditou que ela poderia sentir algo por você. — Jimin diz, e ri cínico. Também empurra Taeyong. — Se é pra alguém dar o fora, que seja você. Amiguinho. — diz irônico. 
—Bom, já faz quase 6 meses que estamos juntos. — Taeyong diz, tentando irrita-ló. — Foi só você ir e ela veio pra mim. Então, se alguém aqui era usado como passa-tempo, meu amigo, deve ser você, não acha? — inclina a cabeça, querendo provoca-ló. — Enquanto você estava chorando, ela estava comigo, gemendo o meu nome. 

Puta. Que. Pariu. Taeyong!

Jimin me encara mais uma vez. Agora lágrimas começam a surgir. 
—Você... realmente... você fez isso com ele? Você me trocou fácil assim? Em poucos meses?! — se revolta. — EU SOFRI POR VOCÊ, LARGUEI TUDO PRA VOLTAR PRA VOCÊ, E É ISSO O QUE RECEBO EM TROCA?! — começa a gritar comigo. 
—EI, EI, EI! — Taeyong o pega pela gola da camisa, logo o encurralando em uma parede próxima. — QUEM PENSA QUE É PRA GRITAR ASSIM COM MINHA NAMORADA?! QUAL É, SOME DAQUI! NINGUÉM TE QUER AQUI. Se ela um dia te amou, ela não ama mais. — ele ri maldoso, encarando seus olhos — Então se recolha na sua insignificância, e suma! 

Jimin faz uma expressão de raiva, tira violentamente as mãos de Taeyong de sua camisa, e então começa soca-ló. 
—PESSOAL, PAREM! — finalmente os outros garotos se levantam e tenta separa-lós. 

Logo começa toda movimentação no local, sendo chamado seguranças. Jimin e Taeyong continua as agressões, logo surgindo fortes hematomas e sangue surgindo no canto da boca dos dois. Minha única reação no meio disso tudo, é sair correndo daquele lugar.

Corro até o banheiro, e então ligo a Mandi. 
—Atende essa porcaria! — digo brava, extremamente abalada com toda a situação. — ATENDE! — grito — Alô?! Vem me buscar, por favor! — imploro.
—Calma, o que foi? — ela pergunta. 
—O Jimin voltou... — digo com vontade de chorar por tudo o que ele disse e ouviu — Ele voltou e me encontrou aqui na pizzaria. Ele e o Taeyong discutiram e agora estão brigando. Eu não sei o que fazer... 
—Meu Deus... Você está na Speranza? 
—Isso... Pode me buscar? Agora? — peço. — Por favor, eu não posso continuar aqui. 
—Posso, posso sim. Chegaremos ai em 5 minutos. — ela diz, então suspiro — Conversaremos melhor sobre isso, ok? Fica calma.
—Valeu... — agradeço. — Eu vou esperar lá fora. Tchau, tchau.
—Tchau, tchau. — encerramos chamada. 

Saio do banheiro. Sem olhar para a mesa que estava, ando rapidamente até o lado de fora da pizzaria. Está movimentado e frio. Logo começando a chover. Me encolho, tentando me aquecer com uma blusa fina enquanto espero minha prima. 

 Merda. 


Notas Finais


UAUUUUUU

O que acharam? Por favor, comentem!!!

Leiam minha fic do Jimin: http://socialspir.it/6604845

Thx por acompanhar ^-^
Fighting!~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...