História Colors - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Automutilação, Bts, Daltonismo, Jikook, Jimin, Jungkook, Yaoi
Exibições 104
Palavras 1.398
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Mutilação
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Incolor


Fanfic / Fanfiction Colors - Capítulo 7 - Incolor

"Quando se é um completo vazio. Algo quase transparente igual ao vidro. Inexistente e indefinido. Algo fora dos padrões, algo fora da paleta de cores conhecida por todos os a pintores renomados. Assim como a água que não tem gosto e nem cor. Assim como o preto, que também é considerado a ausência de cor, isso é igual. Ou podemos defini-la simplesmente como, "não é uma cor e não existe". "

°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°

     É verdade que o mundo dá voltas. Um hora, você pode estar num bar com seus amigos, e em outro numa cama de hospital sofrendo de câncer. Ou um hora poderia estar animado com uma viajem, e de repente o voo é cancelado. A vida é feita de coisas assim. A vida é feita de quedas.

    Exatamente, as quedas. Assim como quando está cansado demais de lutar, e simplesmente cai. Assim como um simples copo de vidro que por desequilíbrio seu, também cai. Ou simplesmente, como folhas mortas no outono. Elas caem.

    Você pode se ver numa situação em que estava bem, confortável em sua cama. E após uma ligação, os seus pulmões não conseguem mais funcionar corretamente. Começam a queimar.

    Queimar. Sim queimar. Quando a dor chega num nível insuportável, eles queimam. Quando a aflição, o desespero e a ansiedade atacam, eles queimam.

   E aquilo afetava tanto, mas tanto que não dava para definir como um simples coisa.

   Não dava para escolher uma. Aquilo era sem cor.

   Da janela do carro, a rua parecia passar em câmera lenta. As pessoas sorrindo com suas vidas, já não parecia mais tão lindo. Por que o próprio Park Jimin não conseguia sorrir. E nem ao menos chorar. Era um sentimento confuso, e controverso. O ruivo só conseguia sentir a dor da angústia de perder a quem era tão especial para ele.

   Os prédios altos do hospital foram avistados, e não aguentando mais aquele desespero no peito, quando aquele carro deu um pequena parada no trânsito, o ruivo simplesmente saiu porta a fora e correu até o local.

   O hospital parecia mais silencioso. Mais opressor. Não era mais aquele hospital de paredes brancas e depressivo. Tinha ficado pior. Muito pior.

   As enfermeiras encaravam o ruivo com certa confusão, até porque não é normal um garoto de cabelos laranjas correndo pelos corredores. E enquanto o ruivo encarava a face turba daquelas mulheres, focou exatamente na única pessoa que - talvez - pudesse o ajudar naquele momento com informações.

   Doutor Jeon.

    O ruivo parou ofegante em frente ao mesmo, que não tinha mais aquele sorriso alegre no rosto. Estava abatido.

- Você veio rápido.. - Falou o homem.

- Como ele está..? - Perguntou o ruivo encarando fundo os olhos do médico que suspirou apontando para o lado.

   Existem vários tipos de dores. Mas o aperto no peito que o ruivo sentiu naquele momento, conseguiu superar toda aquela quentura de seus pulmões. Doia ver aquilo, doia muito.

    O ruivo continuou estático encarando aquilo através do vidro. Vendo aquele qual se importava tanto, deitado naquela cama, sendo que não sorrindo para si. Na verdade, nem ao menos os olhos abertos estavam.

   Era massacrante, saber que estava tudo tão bem em um dia e no outro, tudo desabar. Jungkook estava pálido. Mais pálido que o normal. Mais pálido do que no dia em que o ruivo o conheceu. O garoto sorridente estava ligado a fios, vários fios.

   O ruivo se aproximou mais daquele vidro encostando a mão no mesmo, antes de se virar para o médico que também encarava a cena com um expressão triste.

- O..o que aconteceu com ele? - Perguntou o ruivo.

- O Jungkook... - O homem suspirou. - ele cortou uma veia e perdeu muito sangue. Tivemos que trazer ele as pressas para cá.

- Mas por que raios ele cortou uma veia!?

- Eu juro que queria saber. - Falou o homem. - Eu sempre quis saber..Jimin, eu preciso te contar umas coisas sobre o Jungkook, porque só assim você vai poder ajudar ele de verdade.

°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°°••°°

    Os dois foram até a lanchonete que havia no hospital, se sentaram em uma mesa e após o doutor pedir um café para si e uma suco para o ruivo, respirou fundo se preparando para explicar.

- Não sei se ele te contou, mas a mãe dele morreu quando ele era bem jovem... - Falou o senhor Jeon.

- Sim ele me contou, mas não falou muito dela..

- Porque não tinha o que contar, o Jungkook não tem o que falar dela. - O homem engoliu em seco. - Ele não teve a oportunidade de conhece-la, porque ela morreu no parto dando a luz a ele..

- Isso explica muita coisa então.. - Falou o ruivo passando a mão no cabelo e encostando o corpo na cadeira.

- Muita e pouca ao mesmo tempo. Enfim, ele passou grande parte da vida dele se culpando da morte da mãe e se odiando por ter daltonismo. E apenas depois de muitas consultas ao psicólogo ele tirou essas coisas da cabeça, e começou a viver como uma criança normal. Com o tempo, eu continuei subindo na minha carreira e com isso, menos tempo para ele. Acabei me casando novamente, e depois de um tempo mais problemas. Eu por acidente, acabei vendo um corte no braço dele, e como qualquer pessoa faria, o levei no psicólogo de novo, ele foi diagnosticado com depressão.

- Isso faz muito tempo?

- O Jungkook tinha 13 anos. Eu fiz de tudo mesmo para ajudar ele, você não tem ideia..

- Eu imagino. Você parece ser um bom pai doutor Jeon. O Jungkook me disse isso uma vez. - Respondeu o ruivo e um pequeno sorriso surgiu nos lábios do médico.

- Jimin, não é a primeira vez que o Jungkook fica internado nesse estado. Ele tem muita sorte, pois já é a terceira e eu sempre consigo o resgatar a tempo. Mas eu realmente não aguento mais, isso não quer dizer que eu não aguente ele, isso nunca! Eu só não aguento mais o ver nessa situação e eu, como pai e médico, e não poder fazer nada. Ele não me conta o motivo, nunca me contou, e eu sei que tem um motivo. Por isso eu imploro para você Jimin, não se afaste dele. Desde que você apareceu, o Jungkook fez uma coisa que não fazia a anos. Uma coisa simples como dialogar comigo e com a minha esposa durante o jantar, e você não tem ideia do quanto isso é importando, então por favor, não se afaste dele, ainda mais agora que você sabe a verdade..

  O ruivo continuou encarando o médico a sua frente, vendo na face do mesmo, que o desespero era perceptível. De todas as coisas que o ruivo esperaria, aquela era a ultima coisa. Nunca achou que seria tão importante para alguém. Muito menos que sua presença fosse tão importante para a recuperação de uma pessoa.

  Mas não era uma pessoa qualquer. Era Jeon Jungkook, o garoto que conseguiu despertar a curiosidade do ruivo em relação a si. O garoto que conseguiu invadir sua mente de uma maneira surpreendente. O garoto que ria de toda bobagem que fala. O garoto que o fazia ficar nervoso só de ter o nome citado. Então..porque não?

    Jimin, mesmo não querendo admitir, já havia se envolvido demais naquilo. Já havia se envolvido demais com Jungkook, num recorde de uma semana. E também, tudo que o Park queria era saber mais sobre Jungkook, conhecer a vida do moreno, e agora que sabia, não iria fugir como o doutor Jeon havia pensado, longe disso. Iria ficar, ficar até o fim. 

   Mesmo ele não sabendo exatamente o motivo pelo qual queria aquilo, pelo qual queria ajudar Jungkook com todas as suas forças, ele iria fazer. Por que sentia que era o certo, e com isso em mente o ruivo colocou um sorriso acolhedor no rosto e levou sua mão até o ombro do médico.

- Eu não vou sumir senhor Jeon, eu vou ajudar. Vou descobrir o que aconteceu com ele, eu prometo.

- Fico muito contente de ouvir isso Jimin! Isso mostra que realmente se importa com meu filho.. 

   De repente, um pequeno alarme é ouvido. O doutor tira um pequeno aparelho do bolso e engoli e seco encarando o ruivo.

- É do quarto do Jungkook..- O médico se levanta. - Vamos, o Jungkook acordou.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...