História Colors - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias NU'EST, Wanna One
Personagens Aron, Baekho, Daehwi, Guanlin, Jaehwan, Jihoon, Jinyoung, Jisung, Jr, Kang Daniel, Minhyun, Personagens Originais, Ren, Seongwoo, Sungwoon, Woojin
Tags Abo, Baekhwi, Daedong, Donghwi, Ioi, Jren, Minseon, Ongniel, Produce 101, Seonhyun, Seonmin, Wanna One, Yaoi, Yuri
Visualizações 478
Palavras 2.640
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Romance e Novela, Universo Alternativo, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoa!

Eu queria mt agradecer antes de qualquer coisa a todo o feedback que Colors recebeu. Wanna One não é uma categoria muito grande pelo fato de que o grupo sequer debutou (eu realmente acho que deveria ter uma categoria Produce 101 aqui no Spirit, não faz sentido algum eu postar minhas oneshots do Eunki com o Kenta ou o Jungjung aqui se nenhum deles realmente entrou no Wanna One; mas enfim), a questão é que não é uma categoria muito grande, e criar uma fanfic onde envolva não só os meninos do W1, mas tbm os trainees eliminados do P101S2 e os outros garotos do Nuest, e ainda receber tantos favoritos em menos de três/quatro dias é muuuito gratificante pra mim. Obrigado mesmo.

Ahh, e eu gostaria de dar um aviso importante aqui! Dois, na verdade.

Primerio: quem quiser ir lá no primeiro capítulo e reler, vai perceber que eu modifiquei alguns mínimos detalhes. Na verdade, eu só ajeitei um erro meu; no último capítulo, eu acabei sem querer deixando a entender que o Seonho era um ômega, quando na verdade nessa fanfic ele será um alfa. Por isso, aqui esta a lista com todos os personagens que já apareceram no último capítulo e vão aparecer nesse e suas classes, só pra ajudar vocês.

Ong - ômega
Daniel - alfa
Daehwi - ômega
Jaehwan - beta
Jisung - beta
Seonho - alfa
Taehyun - alfa
Minhyun - ômega
Jonghyun - alfa
Dongho - alfa
Ren - ômega

É, acho que por enquanto é só isso, eu deixo vocês saberem.

E a segunda coisa: não vai haver troca de ponto de vista no meio do capítulo. Mas, a fanfic não sera narrada inteira só pelo Ong. Sempre que a capa do capítulo mudar, significa que é um ponto de vista diferente. Minha ideia é fazer um capítulo Ong outro Danny e assim por diante, mas ai veremos com o tempo

Fiquem com o cap ^.^

| Meu twitter: @kodathewel |

Capítulo 2 - Laranja


Fanfic / Fanfiction Colors - Capítulo 2 - Laranja

Aviões irritavam profundamente Kang Daniel. Ele não podia fazer praticamente nada durante os minutos — as vezes horas! — que ele passava na maquina voadora; não podia mexer na internet, porque era proibido e nem sequer tinha. Não podia ler ou jogar alguma coisa, porque sentia uma dor de cabeça quase instantânea que deixava-o com mais raiva ainda e, definitivamente, não podia conversar com nenhum dos seus irmãos, o que piorava muito as coisas.

Seu meio-irmão mais velho, o famigerado Kang Dongho, tomava algum rémedio para não passar mal em viagens que simplesmente capotava o mais velho durante todo o período. Ou seja, ele ficava jogado num canto com a boca aberta roncando, e se você tentasse acorda-lo, era capaz do enjoou bater e ele vomitar nos seus sapatos. Então nope, Dongho não era uma opção.

Já sua irmã mais nova era uma boa opção, ela ficava ali, tão parada quanto Daniel na cadeira, e era a própria baixinha que tirava o rosado dos seus momentos de tédio. Mas infelizmente, naquele momento, ela estava presa na poltrona a sua frente com vários cálculos de álgebra que ele não estava nem um pouco afim de ajuda-la nisso.

 — Danny-oppa, me ajude! — resmungou a menina pela quinta vez, jogando seus papeis na mesa que estava entre eles e enfiando sua cabeça nela também. — Eu não quero voltar pra escola.

— Nós já perdemos dias letivos demais nessa mudança Mina, você bem sabe disso. — falou, e a garota bufou de novo. — Quando chegarmos lá a gente procura um professor de álgebra, sim? E de física, de geometria, e de...

— Biologia. — falou derotada.

— Isso! Biologia, biologia, isso ai. — falou, e só conseguiu arrancar outro suspiro derrotado da garota que levantou sua cabeça e encarou a janela do jato particular dos Kang. — Hey, Mina. — chamou, e ganhou um resmungo desinteressado como resposta. — Olha... eu sei que sair de Seul e voltar pra Busan era a última coisa que você queria agora, e acredite, eu não quero voltar pra lá e ter que recomeçar tudo de novo. Mas Dongho-hyung não tava mentido quanto ele disse que as coisas vão ser melhores lá. — afirmou com certeza, e pegou a mão da irmã mais nova. — O hyung não é responsável? Ele não cuidou da gente sempre quando o pai e a mãe estavam fora, ou ficavam brigando?

A garota de orelhas grandes confirmou baixinho; afinal de contas, ninguém poderia dizer que Dongho não era um bom irmão.

— Então, agora vai ser a mesma coisa. Só que invés de chegar em casa e ter que aguentar papai e mamãe brigando, o máximo que a gente vai ter que fazer é lavar uma louça ou duas. — o Kang do meio sorriu de forma doce, fazendo a menina sorrir também. — Nós vamos fazer novos amigos, fazer de Busan um lar pra gente de novo, e vamos dar um jeito de sermos felizes até você ter a idade certa pra decidir que rumo vai tomar, ok?

Mina murmurou um “tudo bem" baixinho, mas não soltou a mão do irmão. Ainda tinha um rosto de dúvida, o que significava que aquele conversa não tinha acabado ainda.

— Oppa. — ela chamou baixinho. — Você acha o pai e a mãe vão se resolver?

Um “não” ficou preso entre os dentes do alfa, mas ele não disse. Afinal de contas, mesmo sendo verdade, como dizer isso a ela? A ômega podia já ter seus 15 anos e não ser mais uma garotinha, mas como explicar pra alguém tão delicada e inocente que seus pais a muito tempo não se suportam mais, e que só não se divorciam por uma questão de burocracia e de dinheiro? O Sr. Kang não era conhecido por ser um bom marido e sua fama dizia que se sua última mulher — a mãe de Dongho — não tivesse falecido precocemente, ele seria um homem divorciado,  e  não viúvo. Mas como dizer isso a doce Mina, que ainda dormia com seus bichos de pelúcia?  

— Eu não sei Mimi, mas não se preocupe com isso agora, apenas tente dar atenção a função quadrática, ok? — a ômega bufou mais uma vez, pegando seu lápis de volta, enquanto Daniel se fundava na cadeira com os roncos de Dongho como música de fundo e pensava em como Busan estaria depois de quase 7 anos.

~*~

O embarque foi no aeroporto principal da cidade, que tinha uma área especializada apenas para jatos particulares, além de pessoas carregando as malas dos herdeiros Kang, o que fez com que não demorasse muito pra que os três membros de uma das famílias mais ricas de Seul saírem andando lado a lado para fora da área de embarque.

— Jonghyun-oppa, Minhyun-oppa e Minki-oppa vão vir? — perguntou a baixinha esperançosa, encarando o meio-irmão ao seu lado mexendo no telefone.

— Eu avisei pra eles, se eles vão vir ou não já é outra história. — falou, e afagou os cabelos da pequena quando a viu fazendo cara triste. — Não se preocupe, se não os virmos hoje veremos na escola depois.

— Sinto falta do Minki-oppa arrumando meus cabelos... — resmungou, fazendo Dongho rir.

— Bem, eu sinto falta de qualquer rosto familiar na verdade. — falou, e logo os três atravessaram o portão, fazendo o moreno procurar pelos lados qualquer sombra de seus amigos. — Cadê aqueles babacas...?

Daniel sentiu o celular vibrar dentro do bolso, e quanto pegou viu que não era ninguém menos que Park Woojin e Ha Sungwoon, seus melhores amigos de Seul. Eles perguntavam se estava tudo bem, se Busan tinha mudado, se tinha encontrado alguém conhecido e o rosado riu da animação deles; iria sentir falta disso, percebeu enquanto respondia as perguntas por mensagem.

— Jonghyun! Minhyun! — o grito de seu irmão fez Daniel guardar o celular e olhar para o lado, vendo o Kang mais velho e a Kang mais nova correrem em direção a duas sombras.

Daniel não iria mentir, não se lembrava de quase nada dos melhores amigos de seu irmão. Tinha saído de Busan quando tinha seus 11 anos, logo seu irmão e os amigos tinham seus 12; não se lembrava de nada além de um grupo de meninos magrelos com regatas e boné indo jogar basquete, com um deles com os cabelos tão cumpridos quanto os de sua irmã — esse Daniel sabia, era Minki.

A visão que tinha agora era de um alfa corpulento mas ainda um pouco baixo, com os cabelos pretos caindo nos olhos de maneira perfeita, assim como seu uniforme escolar estava; em perfeito estado. Esse era Kim Jonghyun, o garoto que não deixava ninguém brincar na lama quando pequeno porque os pais pediram para que isso não acontecesse, Daniel se lembrava disso. Ao seu lado tinha um ômega alto, esguio, de cabelos castanhos tão perfeitamente arrumados quanto os de Jonghyun; o rosado não se lembrava de Minhyun ser tão alto assim, mas relevou, afinal não via o menino dês dos 11 anos e agora já estava no auge dos seus 17.

— Minhyun-oppa! Jonghyun-oppa! — Mina parecia estar a um passo de um colapso, era muita coisa pra menina raciocinar, e a euforia dela fez todos os garotos rirem. — Você tá tão alto Minhyun, por que tá tão alto? Não é justo, não é justo, porque não pode ser do tamanho do Jonghyun!? É a primeira vez que eu te vejo e eu já estou tão indignada! — ela disse dando pequenos pulinhos e cruzando os braços, arrancando um riso doce do ômega e um abraço do mesmo.

— Você cresceu Mina, está muito bonita. — comentou Jonghyun, e na hora virou pra Daniel sentindo seu olhar fuzilador. — E eu tinha até esquecido do seu guarda costas pessoal aqui.

— Fica longe da minha irmã que vai da tudo certo entre nós. — comentou sorrindo largamente, aceitando o abraço do Kim. — E ai Hwang, como tão as coisas?

— Sem graças sem a família Kang por perto, mas tá indo. — comentou o outro sorrindo, fazendo Daniel ainda nos braços de Jonghyun sorrir também. Ela estava começando a se sentir em casa. — E então Baekho, quer ir pra sua casa logo ou quer passar em algum lugar e comer algo?

Baekho? Cacete cara, faz muito tempo que ninguém me chama assim. — o moreno comentou rindo, levando um soco de Daniel pelo palavrão perto da Mina. — Ai, foi mal, foi mal, desculpa!

Daniel sorriu pequeno e viu Mina conversando animadamente com Jonghyun sobre alguma coisa, enquanto seu irmão falava sobre qual era o melhor restaurante para poder ir. Parecia tudo como a seis anos atrás, todos reunidos, sorridentes e felizes. Mas... Daniel sentia que estava faltando alguma coisa...

— Mas oppa, não poderia ser você? — perguntou Mina enquanto conversava com o Kim. — Eu não conheço ninguém aqui e é esquisito saber que um estranho vai ta me dando aula.

— Eu realmente estou apertado e cheio de aulas por quanto Min, mas esse garoto que eu estou de te falando é bem inteligente e explica bem. Eu posso perguntar pra ele se ele não quer receber pra te ensinar, e se ele não quiser, bem, eu tento dar meu jeito pra te ajudar ok?

— Obrigado oppa... qual o nome dele?

— Ong Seongwoo. Ele é um ômega também, as vezes ele pode parecer meio antipático, mas no final ele só é reservado mesmo.

— Ah, entendo...

Yah!

Um grito foi ouvido por praticamente todos do aeroporto, e um vulto chegou correndo entre eles. De primeira Daniel se assustou e procurou o braço de Mina, mas percebeu que a mesma já tinha sido puxada para perto por Dongho. O ser que tinha chegado correndo estava inclinado agora, as mãos no joelho, respirando com dificuldade como se tivesse corrido uma maratona e Daniel não sabia o que fazer; ele simplesmente não fazia ideia de que era aquele homem ali.

— Ah, Baekho seu idiota de merda! Você me disse que era pra chegar aqui 14:30! Você sabe que horas são agora!? — o cara se pronunciou, levantando o corpo e encarando de maneira irritada o Kang mais velho.

Dongho soltou Mina por um momento, parecendo meio desconfiado e meio surpreso pelo que via. O rosto do homem era bem desenhado, com a pele bonita, os cabelos curtos e negros e um brinquinho prata em suas orelhas. O rosto era familiar, mas Daniel não sabia dizer da onde ele era.

— E-Eu disse 14:30? E-Eu quis dizer 13:30.  — falou, e ouviu um suspiro e revirar de olhos do outro. — Ren... é você?

— Eu não acredito... se eu não tivesse vindo “cedo”, eu sequer teria visto você! Puta merda Kang Dongho! — o ômega brandava raiva, enquanto todos presentes continuavam em silencio. — O que raios você tanto fica olhando em mim?!

— S-Seu cabelo... — disse o mais velho, encarando fortemente o outro.

O garoto pareceu se acalmar por um segundo, com dúvida no olhar.

— Meu cabelo? O que tem ele? — perguntou, e então começou a passar a mão pelos fios negros sedosos. — Tá feio? Mal lavado? Ele tá fedendo? Ah não, não me diga que ele está oleoso.

— Não, não, é só que... Da última vez que eu vi eles estavam, bem... grandes e... platinados... Você tem certeza de que você é Choi Minki?

— Não seu idiota, eu sou um clone dele, o Choi Mingi. A ciência finalmente percebeu que a minha beleza era divina demais para ficar só pra mim e decidiram criar um exercito de clones perfeitos.

— Ok, realmente é o Minki. — concluiu Daniel, encarando o mais novo tão abismado quanto seu irmão, afinal lembrava de Minki como o amigo do seu irmão que fazia Daniel sempre se confundir em saber se era um garoto ou garota por ser tão feminino, e agora ele estava assim, simplista e até um pouco másculo. Logo se ouviu um grunhido de Mina.

Oppa! — ela gritou, se agarrando no pescoço dele. — Oppa, oppa, oppa!

— Meu Deus, Mimi é você? — ele perguntou, se separando da garota e a encarando desacreditado. — Meu Deus, você... eu te vi quando você tinha, o que?, 9  anos? Caramba você cresceu e... nossa você está linda!

A garota teve suas bochechas coradas, coisa que nem o alfa Jonghyun conseguiu fazer quando a elogiou, provando a relação forte que a mesma tinha com o moreno. Alias, esse mesmo alfa Kim era quem permanecia calado, parecendo desconfortável com toda a situação, enquanto Minhyun permanecia tão quieto quanto, preocupado.

— Daniel! — Ren gritou, assustando o próprio chamado. — O seu cabelo é a coisa mais incrível que eu já vi! — ele soltou um gritinho, pulando no rosado e agarrando os fios de seus cabelo descolorido. — E dês de quando eles são tão macios? Antes você nem tomar banho tomava!

— Ei, não conte pra ninguém essa história, não quero já chegar na escola com má fama. — o garoto brincou, recebendo um sorriso extremamente doce de Minki.

— A sua positividade fez falta garoto. — ele comentou, e por um momento Daniel sentiu ter visto um pingo de tristeza no olhar do mais velho.

— Ei, bonitão. — chamou Dongho. — Não vai me abraçar não? Você está aqui por mim oras!

Ren sorriu, verdadeiramente feliz, e pulou nos braços do mais alto. Ele se agarrou no pescoço do alfa com quanta força, que o mesmo quase caiu pra trás, tendo que se segurar numa pilastra que tinha ali perto e riu com isso. Vendo que Minki não riu, ele só ficou ali, abraçado ao outro e aproveitando o momento.

Depois de um momento, o abraço já estava durando demais, e Ren não mostrava indícios nenhum de que iria tirar seu rosto do pescoço do outro. Daniel sinceramente não via problema algum, afinal, fazia anos que o mais novo não via seu hyung. Entretanto, Jonghyun parecia ver muito problema nisso.

— Ok, já deu, anda, nós estamos indo comer. — ele falou, botando a mão em cima do ombro de Ren, apenas para tira-la logo em seguida quando ouviu um fungar do mais novo.

— Hey, Ren, está tudo bem? — perguntou o irmão mais velho dos Kang, tirando o rosto do moreno do seu pescoço e vendo as lagrimas acumuladas nos olhos. — Ei, pequeno, o que houve?

O garoto riu baixinho, fungando de novo e limpando rapidamente os olhos.

 — Não, não é nada é só que... por Deus Dongho eu senti sua falta, eu senti tanto, tanto, tanto a sua falta... — comentou o outro, e Dongho deu um abraço nele de novo. — As coisas tem sido difíceis sem você por aqui.

— Está tudo bem, eu estou aqui agora e não pretendo sair. — disse o outro sorrindo, e Minki se separou dele reclamando algo sobre borrar seu rímel. — Ren, por que não veio junto com Jonghyun e Minhyun me buscar? Teria sido mais fácil pra você.

Minki ainda enxugava os olhos quando a pergunta foi feita, e os outros dois mencionados pareceram desesperados demais para responder. Daniel achou estranho, Dongho deve ter achado muito mais.

No final das contas, Minki apenas fungou mais uma vez e disse.

— Nós não temos nos falado faz um tempo. — admitiu simplista, verdadeiro. — Eu, Jonghyun e Minhyun.

Dongho abriu a boca, confuso, pronto para perguntar algo quando Minhyun interviu.

— Estamos em época de provas, eu e o Jonghyun ficamos quase inacessíveis nesse tempo, você sabe. — explicou o ômega, fazendo Dongho soltar um “ah”, mesmo Daniel desacreditado que o irmão caiu tão fácil nessa. — É o último ano, as notas são importantes pra nós.

— As notas sempre foram a coisa mais importante do mundo pro Jonghyun... — murmurou Ren, e Dongho riu como se fosse uma piada. Mas, apenas ele e provavelmente Mina não perceberam, Minki não disse em tom de piada.

— Vamos comer logo, uh? Eu estou com fome, imagino que vocês também. — chamou Jonghyun de forma rápida, partindo em direção a saída de forma rápida com um Minhyun exasperado ao seu lado, Mina grudada no braço de Ren mais atrás e um Dongho pensativo do lado de Daniel.

Bem, de um jeito ou de outro, com todas as tenções que tinha por ali, Busan ainda era sua casa; e Daniel estava feliz em estar de volta. 


Notas Finais


Obrigado por terem lido! Desculpa qualquer erro, eu revisei mas tá tarde e eu estou com sono T.T

Até dps!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...