História Colors - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Big Bang, CL (Chaelin Lee), Sandara Park
Personagens G-Dragon, Lee Chaelin "CL", Minji, Park Bom, Sandara Park, Taeyang
Tags 2ne1, Big Bang, Chaera, Dara, Dara Park, Drama, Lee Chaelin, Lee Chaerin, Minji, Minzy, Park Bom, Romance, Sandara Park, Taeyang, Ygfamily
Visualizações 25
Palavras 1.834
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Capítulo narrado por Chaerin. Boa leitura!

Capítulo 2 - Chaerin: Her beautiful eyes


Fanfic / Fanfiction Colors - Capítulo 2 - Chaerin: Her beautiful eyes

Na manhã seguinte havia informado Minji que iria visitar Senhorita Park, mas que não queria que isso se tornasse público por enquanto. Sinceramente, ao menos sabia o que havia dado em mim para me comover com algo do tipo, mas provavelmente qualquer um concordaria que um e-mail daqueles lhe desestabilizaria com facilidade.

    O fato de escolher não deixar minha "boa ação" pública estressou appa YG, que pela primeira vez me mandou sair de sua sala antes que o mesmo pulasse no meu pescoço. De fato eu entendo que minhas últimas decisões estavam me tornando teimosa aos seus olhos, mas eu apenas não podia usar a situação de Dara ao meu favor. Eu faria pra que ela se sentisse bem.

    Não demorou mais uma hora pra que Minzy entrasse em contato com Park Bom para marcar um dia para que fossemos até a casa da família vê-la. Na hora recebemos uma resposta. Dara teria uma consulta com seu médico em três dias e como de costume chegaria triste em casa e, segundo ela, era o momento perfeito para a visitar.

Eu ainda não acredito que você vai fazer esforço atoa. —Minji comentou ao enviar um último e-mail confirmando a hora que chegaríamos.

Você me conhece muito antes de YG acontecer na minha vida, então sei que não preciso explicar meus motivos.

As vezes eu me pergunto como você pode ser tão correta. —retrucou, voltando sua atenção para seu café.

    Estávamos no meu café preferido logo depois da breve cena com appa YG, o que havia me deixado um pouco irritada.

Eu sei o que estou fazendo, ok? —fiz questão de a encarar por um longo tempo, tentando convencê-la de minhas palavras.— Sei que você e appa estão tentando de tudo pra que a mídia pare de me encher, mas não vamos esquecer que a única coisa que fiz em Hello Bitches foi cantar e dançar. Appa não aceitou Lifted porque era totalmente em inglês, mesmo depois de dizer que adaptaria as letras pra coreano.

Appa YG não é o único culpado, Chae. Teddy disse que Lifted não era impactante o suficiente pra ser seu primeiro single depois do hiatus. —descontou sua irritação no bolo que acabara de chegar.

Bom...acho que ele teve o single impactante que tanto queria e eu que preciso lidar com as consequências disso.

    O assunto morreu ali. Minzy sabia que eu estava certa em relação aquilo e também não retrucaria por saber que minha paciência para tudo que englobasse YG, no momento, tirava o pior de mim.

    E então, depois de três dias de espera, Minji viera me buscar em casa depois das duas da tarde. Aparentemente a família Park vivia em um bairro mais afastado de minha casa, do outro lado da cidade, e por isso deveríamos sair mais cedo para chegar lá em tempo. No meio do caminho pedi para que passássemos em uma floricultura e eu mesma fiz questão de escolher um buquê de (uma flor com algum significado aqui). Assim que fiz minha pequena aparição naquela lojinha, pessoas começaram a se juntar ao redor e decidimos não perder mais tempo ali.

Eu achei que você não quisesse vê-la. —Minji comentou assim que voltamos para o carro, com as flores de Senhorita Park em mãos.

Eu aceitei, não aceitei?—apesar de sermos amigas por muito tempo, Minji as vezes me irritava com certos comentários em seu eu empresária, sempre julgando uma ação minha, seja lá qual for. —E eu disse que faria para que ela se sinta bem.

—Ao menos sabe se ela é alérgica.

—Nesse caso, perguntamos a Park Bom antes de entrarmos. —cansada daquela conversa, resmunguei. —Agora pare de colocar obstáculos, okay?

    O silêncio que se instalou no carro me permitiu perceber minhas mãos suadas. Eu me conhecia bem e sabia que eram provas de ansiedade. Eu não tinha motivos para estar nervosa. Sim, era reservada, mas conhecer pessoas novas, fãs ainda por cima, nunca me deixava naquele estado. Talvez meu nervosismo se desse por conta de quem iria conhecer. Por céus...uma fã! Uma fã cega e provavelmente uma fã triste! Eu sempre odiei ver pessoas tristes por um único motivo: eu nunca sabia como agir ao ver alguém chorando, ou quieta em um canto e para mim a pior sensação do mundo é se sentir incapaz de alguma coisa.

    Minhas mãos não se secaram mesmo depois dos quinze minutos de trânsito até o bairro quieto e bem organizado. Todas as casas eram enormes, mansões se posso dizer, e esse detalhe foi o único que conseguiu tirar minha atenção do que aconteceria naquele dia.

Alguma chance dos Parks terem muito dinheiro?—me virei para Minji. A mais nova apenas concordou com a cabeça.

Obviamente pedi para fazerem uma pesquisa sobre eles. Park Soojin é presidente e CEO da Hara-do.

    Aquilo acabou me surpreendendo. Dara era filha do presidente de uma das minhas marcas de roupa preferidas, e também a maior da Ásia.

—Wow...–foi minha resposta.

    Minji estacionou o carro em frente a uma casa daquelas. Ela era tão grande quanto todas as outras, mas tinha um diferencial entre elas. Havia um jardim imenso depois do portão gigantesco e o mesmo estava lotado de flores e algumas árvores de pequeno porte. Provavelmente nunca veria um jardim tão colorido como aquele novamente.

Acho que se ela fosse alérgica não teriam um jardim desses.

    A risada que dei ao ouvir Minji foi um pouco engraçada. O que posso dizer? Eu amava ter razão entre nós duas.

    Saímos do carro e enquanto íamos em direção ao portão para tocar o interfone, ouvimos o 'click' vindo dele, e em seguida uma morena alta vestida casualmente apareceu na grande porta, atravessando todo aquele jardim para nos receber. A medida que chegava mais perto pude reparar em seus detalhes. Ela parecia uma boneca absurdamente hipnotizante. Pelo menos Minji achou hipnotizante, já que pude sentir o corpo imóvel ao meu lado enquanto aquele projeto de Deusa do Olimpo vinha em nossa direção.

Melhor não babar, Minji. —tentei a acordar com uma cutucada.

—Boa tarde Senhorita Lee, eu sou Bom. —foi a primeira coisa que disse assim que afastou o portão para que entrássemos, estendendo sua mão. Assim que a segurei, ambas nos curvamos.

É um prazer Bom-ssi. Pode me chamar de Chaerin.—lhe dei um sorriso que a mesma retribuiu com outro. Normalmente não deixaria que o me chamassem de Chaerin, mas estava na frente de alguém mais velha, considerando que Dara já era um ano mais velha, pelos detalhes que tirei do e-mail.

E você deve ser Gong Minji. —mais uma vez um cumprimento educado.

Sim, Senhorita Park.

    Acabei não contendo a risada baixa que dei ao ouvir o tom atrapalhado na voz de Minji. Ah...como eu a conhecia bem.

—Antes de entrarmos, eu gostaria de agradecer a gentileza de reservar um tempo para visitar Dara. Eu estou realmente feliz por isso, e tenho certeza que minha irmã também ficará. —Bom comentou enquanto nós andávamos através do jardim, em direção a porta. Senti que Minji tomaria minhas palavras, então resolvi falar por mim mesma.

Não precisa agradecer Bom-ssi. Esperamos que Dara realmente fiquei feliz com a minha visita.

    Park Bom apenas concordou com a cabeça antes de abrir a porta, revelando uma sala de estar enorme, mas ao mesmo tempo com uma atmosfera muito aconchegante. Tanto espaço, como na minha casa, costumava me incomodar, mas a residência dos Parks era totalmente diferente.

    Senhor e Senhora Park nos receberam logo em seguida, com os mesmos infinitos agradecimentos enquanto arrumavam a mesa de centro com coisas típicas de um café da tarde ocidental. Minji e Bom pareciam se entender em uma conversa animada.

—Me deixe ajudar. —ofereci me aproximando da matriarca, que depois de muito insistir acabou aceitando mais duas mãos para arrumar a mesa um pouco exagerada. Pelo que havia reparado Bom tinha de quem puxar a beleza. Creio que Senhora Park passava dos cinquenta e, mesmo assim, era uma bela mulher.

    Apesar de querem me servir, fiz questão de não ser servida por nenhum deles. Tudo o que menos queria era ser tratada como centro das atenções, mesmo todos os três tentando com todas suas forças.

Dara deve ter terminado de tomar banho. Vou chamá-la pra descer. —Senhora Park nos informou, colocando sua xícara sobre a mesinha, se afastando logo depois.

Ela toma banho sozinha? —Minji perguntou indiscretamente e em seguida resmungou de dor pelo beliscão que a dei. Não que eu não tivesse ficado curiosa também, mas não havia necessidade de fazer aquela pergunta. Entretanto, pra meu alívio, pai e filha apenas riram da "inocência" de minha amiga.

    Depois de um curto tempo, a mãe da família se juntou novamente a nós na sala, informando que Dara já desceria. Honestamente, não deixei de me preocupar. A escada não parecia ter qualquer tipo de segurança para cegos.

    Não demorou muito para que um borrão vermelho me chamasse a atenção para a escada. E lá estava Dara, vestida casualmente em uma saia vermelho-sangue de cintura alta, cobrindo boa parte de sua blusa branca. Ela descia a escada com tanta convicção de seus passos, se mantendo firme ao corrimão, mas mesmo assim me levantei com medo de que algo acontecesse. Pelo menos não fui só eu. Minji e Bom também se levantaram, mas a irmã mais velha não parecia tão preocupada assim.

—Unnie?—sua voz era doce e calma, juro que nunca havia sorrido por uma voz como sorri para a dela.

—Aqui, Dara.

    Dara parecia um ímã, me fez a olhar diretamente casa segundo enquanto descia. Agora ela já estava segura no primeiro piso, ajeitando seus fios levemente molhados atrás da orelha, dando passos calmos pela sala, seguindo a voz de Bom.

Onde estão appa e omma? —estendeu a mão para tocar sua irmã, que segurou sua mão e a puxou para perto. Senhor e Senhora Park se fizeram presentes na cena, ficando atrás das duas filhas, enquanto eu estava ao lado de Minji em frente a eles, dessa vez olhando entre Bom e Dara. Elas não se pareciam, mas se posso dizer, Dara era tão linda quanto Bom, mas de seu próprio jeito, ainda mais ao franzir o cenho da forma que fez. —Visitas?

Dara, uma pessoa veio te ver hoje.

    A frase de Bom colocou brilho nos seus olhos, e pude reparar o quanto eram bonitos. Apesar de se perderem na atmosfera constantemente, quando paravam sobre os meus, mesmo que por alguns segundos, era o bastante para tirar o ar dos meus pulmões. Eu sabia que ela não podia me ver, mas o efeito daqueles lindos olhos castanhos vinham do exato brilho que vi pela primeira vez. Havia algo diferente ali, e não era sua deficiência, mas sim uma paixão anormal e intensa, que apenas me deixou sem palavras, mesmo quando todos explicavam quem e o que estava fazendo ali. Dara não era apenas linda por fora, com aqueles fios morenos, pele alva e formato de rosto, mas também havia algo intrigante por dentro que, estranhamente, não podia esperar para conhecer.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...