História Combater ou Correr ! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demashitaa! PowerPuff Girls Z
Personagens Boomer, Brick, Butch, Kaoru Matsubara (Powered Buttercup), Miyako Goutokuji (Rolling Bubbles), Momoko Akatsutsumi (Hyper Blossom)
Tags Aventuras, Ppgz, Revelaçoes, Romance
Exibições 18
Palavras 2.163
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Luta, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Power, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


DEMOREI MAIS VOLTEI \o/
Povim do meu core, dicupa! Final de ano é bravo :P
Então, sem mais delongas,fiquem com o tão esperado capítulo!

Capítulo 2 - Starting...


Fanfic / Fanfiction Combater ou Correr ! - Capítulo 2 - Starting...

[Blossom On] 

À noite não tinha sido as das melhores, nada ontem foi bom naquela conversa. Parece que o mundo tinha virado de cabeça para baixo ,mas agora eu apenas queria matar o assassino de nosso pai. Eu tinha raiva de tal pessoa que matava por prazer, desde pequena, coloquei esse tipo de pessoa atrás das grades.

Mas, agora eu não vou aliviar, não importa o que o Mojo nos contou sendo tudo para tomarmos cuidado. Eu seguirei com os meus planos. Matar aquele que proporcionou a tristeza da família Utônium. Esse era o meu objetivo. 

Mojo tinha nos contado Tintim por Tintim, à conclusão que cheguei foi : A morte do meu pai, só ocorreu pois alguém acreditava que ele estava atrapalhando algo.

A pergunta que está entalada em minha garganta, é por que tudo isso? Simplesmente, o cara é tão baixo à esse ponto? 

Não posso dizer que estou calma,mas..o ódio parece uma coisa que me invade,afinal meu pai foi tudo para mim e minhas irmãs. Foi aquele que cozinhava comidas deliciosas, foi o psicólogo de todas as hoAssim, médico que fazia horas extras. Enfim,foi meu tudo. 

Agora, de repente, uma carta me chega as mãos e nela vem escrita as últimas palavras de meu pai,e na carta também avisa que sua morte chegou. Irei me martirizar por muito tempo, por não está lá para o proteger e até morrer por ele se fosse preciso. 

Tudo isso por aqueles malditos. Depois da explicação de Mojo tudo se encaixava. Só faltava algumas peças para esse quebra cabeça ser finalmente montado. 

Novamente, me pego distraída, estava no mundo da lua. Volto ao planeta Terra,e ouço o que estou ouvindo e querendo o fazer dês da primeira vez que essa frase foi dita,mas terei de acertar algumas coisas antes de fazer tal coisa. 

– Vocês devem partir o mais rápido possível! - Aquele homem que apareceu do nada na noite passada nos encara sério, ele é muito estranho. 

– Er.…e nossas roupas,a nossa casa como ficam e nossos empregos ? - Perguntei arqueando uma sobrancelha. - Não podemos deixar tudo à Deus dará! 

– Concordo ,mas…É o nosso pai ! - Bc estava completamente alterada, ela era bem apegada ao nosso pai mesmo. 

– Eu sei Bc! Mais tem que ficar alguém para cuidar, enquanto nós vamos viajar! - Falei me sentando à mesa que estava recheada de gostosuras. 

– O Mojo pode ficar tomando conta das coisas por aqui, ele vai tomar conta do Ken mesmo cuidar de mais uma coisa não será problema, certo ? -gentil Bubbles sugeri, levando sua xícara de café à boca delicadamente. 

– Sim, eu posso cuidar de tudo sem problema algum meninas! - Sorri Mojo, que para mim parecia muito com um macaco. 

— Bem…então agora que está tudo resolvido por aqui, basta o acordar…Ontem o dia foi muito complicado para todos. - murmuro serena, não queria transparecer que estava revoltada, uma líder não age assim! 

– Eu vou acordar ele… 

Bubbles apenas diz e vai em direção ao quarto de Ken, nessa hora que queria ter essa calmaria dela. Isso talvez me ajudasse a superar um pouco mais. Ou talvez, eu devesse ter um pouco da força da Butter, ela é uma verdadeira companheira nessa horas, pode estar destruída por dentro, mas sempre vai aparentar ótima. Isso as vezes pode dificultar para a mim descobrir o que ela está sentindo, sofrendo e até se martilizando. AH! Como essa vida não ajuda…

– Blossom, você tá bem ? - pergunta a morena ao meu lado, preocupada. - Você está pálida…Pálida até demais…

– Estou ótima Butter - respondi rápido sorrindo para ela, mas a mesma não se convence e coloca a mão no meu rosto. 

– Com febre você não tá…O que será ? - Fala ela com a mão no queixo. 

O silêncio bateu de novo no local, lá fora em nosso quintal os pássaros cantam uma melodia calma e alegre, as flores balançavam com o vento que estava soprando levemente, observei que o Mojo não se encontrava mais na cozinha “Muito estranho isso…ele sumiu de repente..”- penso desconfiada. Afinal, havia o conhecido ontem, e bem, começamos com pé esquerdo e a sala ontem parecia que não me agradava mais, o Mojo é muito diferente posso assim dizer. De repente, o silêncio foi embora rapidamente, e gritos vinham do segundo andar, assim que eu escutei dei um pulo da cadeira e Butter fez o mesmo, nos encaramos e logo entedemos o que cada uma pensava, corremos para o quarto de Ken. 

– KYAAAAAA - Eles ainda gritavam com a nossa presença, mas…QUE QUE ELES TAVAM FAZENDO?

– QUE ISSO MEU ? - Butter indignada controlando sua incontrolavél vontade de soltar uma gargalhada, não atingindo seu objetivo - HAHAHA! 

- Oush….Que foi Butter? - perguntam em oníssono percebendo nossa presença parando de fazer a macumbinha básica deles. 

– Vocês estão correndo de um aspirador de pó mesmo ? - pergunto encarando eles sarcasticamente. 

– Esse aspirador é do mal - Ken faz uma carinha de choro - Né Bub e Poochie ? 

– Sim - Fazem aquela cara de cachorro que caiu do caminhão para mim e Butter, e nós apenas reviramos os olhos. 

– Affz…Vocês são malucos mesmo ! - Butter murmurou desligando o aspirador. 

– Obrigado Butter, que hora a gente vai pra Hong Kong? - a loira pergunta saindo de trás de mim com os outros dois. 

– A gente tava planejando ir agora - a respondo com certa ironia, porque mano assim não dá. 

– Eitcha gzuizo...então vamos logo - Disse a mesma se afastando do menor e do cachorrinho robótico que fazem um olhar triste - Own..desculpem mais vocês sabem o quanto isso é importante né? 

– Sabemos….- Dizem um tanto tristes. 

Percebendo a tristeza deles, Bubbles cochicha algo para os dois que imediatamente abrem um sorriso de orelha-à-orelha. Desde sempre a Bub amou crianças, pelo visto, vai continuar com esse seu jeitinho doce de ver as coisas. Isso é bom. 

– Tchau manas - Ken se despede e saímos de seu quarto, prometemos voltar para o nosso maninho e assim faremos. 

O dia não estava dos melhores para ninguém, aliás receber uma carta que seu pai mesmo escreveu sabendo que iria morrer não é nada normal para o cotiadiano de um ser humano. Vingaremos nosso pai por sua morte, nos faremos quem matou nosso pai ,sofrer sem dó e uma mísera piedade, tínhamos um plano que seria fácil de executar em pouco tempo. O mesmo contém apenas 6 passos eficazes e rápidos, claro que sempre devemos ter uma carta na manga,essa carta seria algo ou...alguém. 

Deixámos tudo avisado com o Mojo, e em cima, no térreo as meninas se preparavam para começar a flutuar em direção à Hong Kong, onde encontraríamos tudo que queremos saber e, talvez até um pouco mais. Dentro de minha bolsa ia a última coisa que meu pai me presenteava : Aquela caixinha.

[Blossom Off]

                *     *     * 

Hong Kong... 

A noite contia uma lua minguante e poucas estrelas,sinal que choveria logo. As ruas ainda estavam perigosas, pessoas andavam pela as ruas com receio de encontrar algum assassino em série, querendo matar-nos. 

O medo, pode ser o nosso fiel desastre. É inevitável, todos tem medos, mesmo que seja medo de barata, mas o nosso maior erro é deixar o medo nos dominar. Nesse caso, não é um medo bobo. É um caso de vida ou morte.

Enquanto uns tem o medo da morte, outros são os assassinos em série , ou dizendo melhor, os mandados. Afinal, eles não passavam de criminosos que o “chefão” mandava e eles iam correndo fazer o que foi mandado. 

Todos os crimes,era ele, o chefão que dava as ordens,dizia coisas sobre o alvo, escolhia o alvo e o seu “cachorrinho” mais bem treinado que tinha à sua total confiança. E assim,mandava matar aquele que estava em seu caminho, atrapalhando seus planos. 

Os mais confiáveis para com o chefão, eram aqueles que provavam sua lealdade fazendo qualquer coisa que o mesmo mandava. Os três Brick,Boomer e Butch, eram aqueles que o chefão confiava. Eles eram os paus mandados, os cãezinhos adestrados...Eram eles. 

Depois de seu último feito, tinham ganhado mais uma vez, o mérito de confiança do “manda-chuva do pedaço”, e por isso, acabaram por ir comemorar numa boate barra pesada do território de seu “mestre”. 

A boate chamada de “hot night”,o que de fato era. O lugar agitado e movimentado, tinham um bar cheio de variedades de bebidas, no palco contia mulheres semis nuas dançando sensualmente para os que vinham admirar à “vista”, os homens do local aplaudiam freneticamente com cada garota que exibia seu corpo ali os proporcionando prazer,apenas com a visão. 

Num canto da boate, um jovem com média de 19 anos, bebia e era “atendido” por uma garota do lugar. O moço se divertia com ela,afinal tudo não passava de prazer momentâneo. 

– Gata, imagina você mais eu numa cama,subitraia nossas roupas e divida as suas pernas, topa? - pergunta o loiro para à morena que estava em seu colo. 

– Hum…Não entendi, mas se isso for para a gente ir pra cama, eu super topo! - disse a mesma, apertando o membro do loiro por cima da calça. 

– As bonitas, sempre são as mais burras - murmura o loiro tirando a mulher de seu colo com certa violência,indo para onde Brick tinha o chamado com a mão.

– Uii…além de bonito, é agressivo! Gamei! - piscou a morena,se levantando do chão onde o loiro tinha a jogado. 

– Querida, tira o “zoio” que eu não sou pro teu bico. - convencido, se afastou deixando a mesma emburrada. 

O homem foi em direção ao bar,onde tinham sentados nas banquetas,um moreno e um ruivo. Os mesmos obtiam uma face nada convidativa. 

– Butch, Brick, o “passarinho-verde” já pousou ? - perguntou o jovem com as órbes azuis. 

– Será que dá pra parar de falar em código,Boomer? - o moreno o encarou enfurecido bebendo sua vodka - Já disse,NÃO somos agentes secretos! 

– Mais somos assassinos. -exclamou o loiro dando de ombros,mas o mesmo é calado por seu irmão ruivo. 

– Não diga isso em público! 

– Tá legal…Mais o cara chegou? - pergunta Boomer,curioso. 

– Ainda não, quando ele chegar chegará uma mensagem. - respondeu Butch ,olhando seu celular à todo momento. 

– Logo, ele chegará…

O silêncio entre os irmãos se instalou, enquanto a boate onde estavam, tinham uma música alta um funk, na verdade. Péssimo gosto para músicas. Várias moças se aproximavam dos três homens assassinos, eles até se interessavam, mas logo tratavam de as afastar. Estavam ali para serviço, e não para seus prazeres sexuais que nesse momento, estava grande. 

Pela as portas dos fundos,um homem alto,cabelos grisalhos e vestido com seu habitual modo social. Entrou no local,indo encontro ao bar,onde três jovens se interessavam em conversar com o mesmo. 

– Caham..corredor 5 ,agora! - pigarreou Brick ao homem,que sorriu de canto. 

Com passos apressados e pesados, Brick,Boomer e Butch iam em direção ao corredor 5. Concluiriam seu serviço e sairiam dali o mais rápido possível, estavam cansados demais para continuar numa boate. 

– Meninos,meninos…Sempre cumprindo seus compromissos com seu chefe. - uma voz rouca,porém potente se fez presente em meio ao corredor que emanava pouca luz.

– Somos os Desordeiros, cumprimos com nossas palavras quando nos dá na telha,mas nesse caso era…pessoal! - sorrindo torto com um olhar mortal Brick olhou seu inimigo - Você entende,não é Damaceno ? 

– Perfeitamente. 

– Afinal, o que você queria ? Rever os amigos? - perguntou Butch, que se mantia calado até momento. 

– Eu. Apenas. Queria. Lhes. Avisar. - pausadamente, Damaceno deixou um vácuo de dúvida no ar.

– Sobre? - perguntam os três em uníssono. 

– Sobre que vocês estão,ou melhor podem,estar sendo marcados - Diz mantendo seu tom de voz monótona, como a voz de um robô. 

– Quem marcaria os melhores assassinos? - Sorriu desafiadoramente Boomer à Damaceno - Isso é praticamente impossível. 

– Vocês quem sabem…- disse por fim o homem se virando para ir embora.

– Caham…- pigarrearam os três irmãos com as armas em mãos ,e atirando na mesma hora que Damaceno se virou. 

POW! O estrondo foi alto o suficiente para as pessoas da boate se assustarem e pararem o que fazia arregalando os olhos. As faces surpresas e amendrontradas estampavam os rostos de todos.

Os olhos de Brick brilhavam puro ódio ao matar seu fiel rival, sim, eles disputavam o amor de uma moça e também quem era o melhor assassino. Boomer e Butch apenas se sentiam livres daquele “pamonha” que sempre estragava algo que eles planejavam. 

A chuva forte que havia começado á pouco, batia contra o corpo sem vida caído no chão, o clima havia ficado nostálgico. Os olhos vermelhos,azuis e verdes observavam o homem gemer de dor pedindo por ajuda e os mesmos apenas riam em resposta. 

Sorrisos macabros ,por meio a escuridão da noite ,e o brilho da lua e as estrelas que estampavam o céu azul-marinho. Olhares que mais pareciam facas invadindo sorrateiramente, o corpo do assassino caído no chão. Respirações descompassadas ,por a ansiedade de ver a morte bater na porta do seu “colega”. Assim, estavam os meninos. 

Vocês vão se arrepender…!!! 



Notas Finais


O.o Eai? O que acharam? Comentem o que acharam.
Bem...Próximo cap,não tem data de entrega(desculpem).
Beijox e Queijox!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...