História Common Denominator - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Jaxon Bieber, Justin Bieber, Pattie Mallette, Ryan Butler
Tags Bandido, Bieber, Demi, Demi Lovato, Denominador Comum, Inimigos, Justin, Justin Bieber, Lovato, Prostituição, Sexo, Vadia
Visualizações 10.626
Palavras 5.868
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey amores! Voltei, sim finalmente voltei! Minha mãe colocou net de novo aqui em casa!!!

Segue ai um capitulo enorme para vcs, eu até dividiria ele pela metade, mas como demorei muito, acho que merecem um grande. Eu particularmente não tenho certeza se esta realmente bom, sei lá, parece que falta algo... Mas enfim, espero que gostem e comentem. Ahh e obrigada mesmo por tds aqueles comentários e desculpem não responder cada um, obrigada também pelos favoritos, 10 capitulo e 162 favoritos, isso é incrível!

BOA LEITURA E COMENTEM OK!?

Capítulo 11 - Tonight im Fukng you


Fanfic / Fanfiction Common Denominator - Capítulo 11 - Tonight im Fukng you

Assim que escutei as portas baterem comecei a rir da cara de idiota que eu o deixei.

  - O que aconteceu o dia inteiro enh?! - Peyton perguntou, sorrindo maliciosa, e chegando perto de mim.

  - Nada de mais. - dei de ombros sorrindo e seguindo até onde Kyara estava deitada.

  - Ahh, nada de mais? - Peyton perguntou rindo. - Pode começar.

Contei a elas como tinha sido meu dia com o Justin, sexo e mais sexo, elas só faltaram enfartar quando eu falei que ele me deixou assistir ao jogo com ele.

  - Cara, ele ta muito na sua. - Kyara falou e eu ri.

  - Só que não amore. Ele gosta de sexo, e... Bom, é isso, ele gosta de sexo. - dei de ombros.

  - Mas, sei lá, ele não falou nada, sabe, que possa apontar uma pequena queda por você? - Peyton perguntou.

  - Claro que sim, ele a deixou ficar depois do sexo, a tratou diferente... Essas são as maiores provas, Justin Bieber pode ser gentil. - Kyara se enfiou na frente para responder.

  - Então né Ally...

  - O que você quer Peyton? - perguntei rindo.

  - Agora que você está com o Bieber nas mãos...

  - Eu não estou com ele nas mãos. - a interrompi.

  - Tanto faz. - deu de ombros voltando a falar. - Você bem que podia tentar melhorar as coisas para o nosso lado né?!

  - Como assim?

  - Ahh, tipo, conseguir um chuveiro quente, umas camas, sabe coisas melhores para nós. - deu de ombros e piscou.

  - Como que eu faço para conseguir isso tudo?

  - Sexo! - Kyara exclamou rindo e Peyton assentiu, mas eu continuei com cara de bocó. - Assim, vocês trepam, e depois, quando ele está nos céus, apenas apreciando seu cheiro gostoso, você pede algo. - explicou e eu arregalei os olhos, Justin não é tão idiota para cair nisso.

  - Mas tem que ser com jeitinho, cuidado e molejo. - Peyton falou.

  - E porque vocês não fazem isso?

  - Porque não é pela gente que ele está de quatro. - ela falou como se fosse obvio.

  - Nem por mim. - dei de ombros. - Peçam ajuda aquela vagabunda que circula livre por ai.

  - A Ellen? - perguntou e eu assenti. - Aquela lá só se importa com a própria bunda, se ela está segura tudo está bem.

  - O que ela é do Justin? - perguntei rápido.

Eu estava curiosa, já que ela agia como namorada dele, e isso me deixa instigada, mas ele mesmo negou isso a mim, então, vai saber né?!

  - Bom ninguém sabe realmente. Uns dizem que eles são irmãos, mas não acho que se comeriam se fossem. Outras dizem que ela era uma drogada qualquer que conquistou o Bieber, mas eu também não acho possível, já que você esta conquistando ele. - revirei os olhos. - O que dizem, e eu mais acho que chega perto da realidade, é que ela é filha de alguma das amantes do pai dele, a única que conseguiu conquistar o coração do velho, e eles cresceram juntos, o que faz com que ele não a jogue aqui, nesse quartinho nojento, ou nas ruas, para virar mendiga.

  - E a cachorra se aproveita disso. - Peyton completou entre dentes.

  - Nossa, ela não parece ser fácil de aturar. - comentei e elas assentiram.

...

  - Nossa, porque toda essa euforia? - perguntei a Kyara que lixava as unhas.

  - Aniversario do Bieber hoje, não está sabendo não?

  - Sempre sou a ultima a ficar sabendo das coisas aqui. - falei.

  - Parece que esse ano, em vez de festa, ele vai para uma boate foda ai, e vai levar uma vadia com ele, obvio. - revirei os olhos. - Vem, deixa-me fazer a sua unha. - falou pegando na minha mão. - Cor...?

  - Acho que... Vermelho. - falei e ela assentiu rindo, eu só pinto de cor escura.

  - Eu ainda vou te fazer pintar a unha de cor clara. - falou e eu ri.

  - Quando vão saber quem vai junto com o Justin? - perguntei interessada.

Eu preciso dançar, tenho saudades disso, a dança é minha vida, eu preciso me mexer, estou ficando sedentária.

  - Ele vem avisar, ou manda alguém, umas duas horas antes, para dar tempo de você se arrumar e tudo mais. - falou passando o amolecedor de cutículas.

  - Mas, com que roupa a menina vai, se nós não temos nada?

  - Assim que a menina é escolhida, sobe até uma mulher que a ajuda. Essa mulher trás vários vestidos, saltos e tudo mais, e a ajuda a escolher o melhor e a se arrumar, tudo bancado pelo Bieber, é claro. Só que com maquiagem e cabelo a menina se vira, lá tem tudo o que precisa. - explicou e eu assenti.

  - Você já saiu com ele? - perguntei e ela assentiu, colocando minha mão na água quentinha. - E como é?

  - Ahh, normal. - deu de ombros, mas logo completou. - Você vai, fica parada ao lado dele, apenas servindo de troféu, para ele se achar, enquanto o vê ficar com todas as meninas que passam na frente dele, depois vem embora, abre as pernas pra ele, e ele te manda para cá, cansada, descabelada e no meio da madrugada.

  - Nem dançar pode? - perguntei e ela negou. - Ahh, mais assim não tem graça ser escolhida. - lamentei.

Confesso que eu já estava criando expectativas para poder ir, mas se você tem que ficar parada, não pode dançar nem nada, o pra que você vai atrás. Agora desanimei, merda! Fiquei lá, parada, pensando no que meus amigos estariam fazendo em uma sexta a noite, e em como estaria se estivesse em casa, numa boa. Ás vezes a saudade bate forte, saudade da minha mãe, de Jazzy e de todos os meus amigos. Eu precisava deles comigo, ou ao menos escutar a voz da Dona Pattie brigando comigo por ter deixado à toalha molhada em cima da cama, ou a mochila jogada no chão da sala. Escutar os sermões de Jazmyn quando eu negava sair com algum menino gato, ou quando ela vinha falar sobre as aventuras sexuais dela para mim e me fazia rir litros. Eu sentia falta de tudo, até mesmo dos insultos da vadia oxigenada, Britney. Eu sentia minha vida passando e eu sempre parada no mesmo lugar, do mesmo jeito, sem aproveitar. Eu precisava dançar novamente, torcer junto ao meu grupo de lideres, precisava escutar musica e cantar loucamente enquanto pulo na cama arrumada pela minha mãe, á bagunçando toda. Eu precisava ter minha vida de volta. Sentia saudades dos meus avós, dos meus tios, dos meus primos, até daquele cachorro infernal da vizinha, que vivia latindo e não me deixava dormir.

Tudo isso é horrível, sempre odiei sentir saudades, sempre odiei ficar triste ou chorar, sempre fui o tipo de pessoa que tenta deixar todos felizes, mesmo estando no pior momento, o que era raro quando eu os tinha. Como será que está tudo por lá? Eu me sinto tão sozinha.

  - Ally, você escutou o que eu disse? - Kyara gritou comigo me fazendo acordar.

  - Desculpa. - sorri triste. - Estava pensando na minha vida.

  - A males que vem para o bem. - falou e eu ri assentindo. - Você vai ver isso tudo tem uma razão. - sorri. - Mais então, o que você vai fazer no seu cabelo? - perguntou e eu franzi o cenho, confusa. - Para a balada.

  - Que balada?

  - Meu Deus, está no mundo da lua? Aniversario do Justin.

  - Ahh, mas eu não sei se vou ser chamada.

  - Claro que vai. Ele sempre escolhe a mais gostosa e a que irá ser a mais cobiçada por todos, pode escrever, ele irá te chamar. - piscou para mim e eu ri.

  - Senhor, você não presta.

  - Ahh, vai que você acha um velho rico que te resgate e te tire das garras do JB. - falou e eu ri mais. - Para quieta menina, ou eu arrancarei tudo os bifes do seu dedo. - falou dando uma tapinha em minha mão.

Enquanto Kyara fazia a minha unha eu fiquei pensando. Pensando em tudo e nada, apenas pensando em coisas bestas. Assim que ela terminou, foi fazer a unha das outras, enquanto eu ficava lá, parada, parecendo uma estatua. Todas estavam muito afobadas tentando arrumar os cabelos, e fazendo maquiagem, deixando a pele perfeita, sem uma marquinha que seja. Acho que o Justin viria pessoalmente escolher, já que elas estão assim.

JUSTIN’s POV.

  - Para onde vamos? - Ellen perguntou manhosa.

  - Ainda não sei. - dei de ombros. - Preciso ir escolher a vadia que irá me acompanhar. - falei levantando.

  - Ahh não Jus, eu vou com você.

  - Claro que vai, você sempre vai.

  - Eu vou com você, eu fico do seu lado. - falou e eu neguei.

  - Não Ellen, eu não te quero como acompanhante. - falei rude e ela bufou.

Ainda não tinha engolido muito bem o que ela fez. Mentir em meu nome, cara, eu fiquei com uma vontade enorme de arrebentar a cara dela, mas eu sempre prometi ao meu pai ser legal com ela, então, preciso me controlar. Segui até o quartinho de vadias. Eu já sabia quem chamaria. A mais gostosa, que com certeza é ela.

  - Abra. - ordenei ao idiota que estava na porta.

 Assim que adentrei o local todas param e voltaram sua atenção para mim. Meus olhos correram o quarto em busca dela. Essa garota havia me instigado demais, seu jeitinho meigo e provocante conseguem me deixar pirado, e com uma vontade enorme de tê-la perto de mim, sei lá. Assim que pus meus olhos em cima daquele corpo perfeitamente desenhado, sorri malandro. É ela que vai, é ela que ficara ao meu lado essa noite, ela quem estará encarregada de me proporcionar prazer assim que chegarmos em casa, coisa que ela anda fazendo bem, muito bem. Nem parece que era virgem até chegar aqui. Às vezes chego a duvidar se eu realmente fui o primeiro homem da vida dela, as evidencias apontam que sim, mas eu fico em duvida com essa pirralha que mais parece uma mulher experiente.

  - Ally. - a chamei pelo apelido e ela me olhou assustada, acho que só percebeu minha entrada agora, logo sua expressão se suavizou, dando lugar a um sorriso meigo. - Vem. - falei e escutei alguns bochichos. - Caladas! - mandei e assim elas fizeram.

Allyson levantou e caminhou lentamente até mim, sorrindo. Cara, esse sorriso é lindo. Justin, Justin, para de ser gay cara! Assim que ela se aproximou eu não disse nada, apenas a peguei pelo braço e arrastei-a para fora dali.

  - Oi Justin, também é muito legal te ver. - falou debochada puxando seu braço.

Balancei a cabeça, puto com a informalidade que ela usa comigo. Essa garota brinca com fogo, e eu a ensinarei que quem manda aqui é eu.

  - Entra ai. - falei a empurrando para dentro do quarto que a mulher das roupas fica.

  - Nossa, seu grosso, eu não sou cachorro. - falou rude e eu bufei.

  - Se você ainda não perceber, quem manda nessa porra sou eu, então abaixa a bola ai, antes que eu perca a cabeça. - ameacei chegando perto e a prensando na parede.

  - Aff, por favor, né Justin? - falou descrente me empurrando e saindo de perto.

  - Mina, mina, não brinca com fogo. - falei entre dentes, com uma vontade enorme de arrebentar aquela carinha de anjo dela.

  - Você é bipolar, não é? - perguntou séria. - Cara, como você muda tanto em dois dias?

Respirei fundo, me controlando ao máximo e resolvi sair dali, antes que a estrangulasse. Bati a porta com força e segui para o meu quarto.

ALLYSON’s POV.

  - Idiota. - murmurei assim que ele saiu batendo forte a porta.

  - Muito corajosa. - alguém disse, me dando um susto da porra.

  - Senhor! - exclamei com a mão no peito.

  - Desculpe, não queria te assustar. - uma moça ruiva, que aparenta ter uns 40 anos, falou sorrindo.

  - Não foi nada. - falei, me recuperando. - O que é aqui? - falei olhando tudo ao meu redor.

  - Eu vou te ajudar a se arrumar. - falou e eu assenti, me lembrando do que Kyara falou. - Vamos começar?

  - Claro. - sorri animada com aquele monte e roupas a minha frente.

  - Você tem um corpo lindo, qualquer coisa ficará bem ai. - falou pensativa me observado e eu sorri agradecendo. - Bom, que cor você mais gosta?

  - Bom, para baladas, prefiro um preto básico. - falei e ela assentiu indo até uma arara cheia de vestidos pretos.

  - Já que é para balada, melhor vestido curto. - falou enquanto mexia naqueles vestidos todos.

Sem demora eu comecei a mexer em algumas outras também. Eu montei vários looks, mas que eu nunca poderia usar. Tudo ali era de marca, e das mais caras. Ainda não entendo o porquê que Justin investe tanto dinheiro nas vadias dele, como ele mesmo diz, acho perca de tempo, mas tudo bem, se ele quer bancar, que continue, por que eu estou amando isso de poder escolher o que eu quiser.

  - Que tal esse? - ela perguntou mostrando um preto, só que muito comportado para o meu gosto.

  - Hm... Acho que não. - falei e ela assentiu indo procurar outra coisa.

Se for para sair, vou sair bem arrumada certo? Eu quero algo provocante, que deixa o Bieber louco, algo que deixe qualquer homem louco. Eu não quero nem saber, hoje eu irei dançar, e irei me acabar, e o Bieber que se foda!

  - Esse? - perguntou, mas novamente eu neguei, ele era curto, mas não tinha decote, era bem fechado, e eu não quero assim.

Achei um vestido vermelho, lindo, mas, não caberia em mim, na verdade, aquilo só caberia em uma esquelética, por que olha. Eu e ela continuamos a procura durante um bom tempinho.

 - Achei! - gritei empolgada olhando para o vestido preto em minhas mãos.

Ele era perfeito, exatamente o que eu estava procurando. Curto, decotado, e simples. Aquilo valorizaria e muito meu corpo. Fui até o espelho e o coloquei na frente do corpo.

  - Perfeito. - a mulher sorriu.

  - Obrigada... - fiquei esperando ela completar com o nome dela.

  - Marisa. - sorriu.

  - Allyson, mas pode me chamar de Ally. - sorri para ela através do espelho.

  - Ally, estamos um pouquinho atrasadas, gastamos um tempinho para achar o vestido, acho melhor já ir tomar um banho, enquanto eu procuro o sapato, depois você faz a maquiagem. - falou e eu assenti, entregando meu vestido á ela e seguindo até uma portinha, que segundo ela era o banheiro.

Entrei no mesmo e me despi. Eu sei que já estávamos atrasadas, mas um banho de banheira não mataria ninguém, não é?

  - É acho que não. - sorri travessa e coloquei a mesma para encher.

Ultimamente, Justin tem me causado muito estresse, acho que mereço um bom banho de banheira, e melhor, com hidromassagem, cara, isso é o máximo! Esperei ela encher e coloquei os sais, formando uma espuma branquinha. Entrei dentro da mesma e senti todo o meu corpo relaxar instantaneamente. Isso é tão bom. Sentia os jatos de água saírem, batendo em minhas costas, fazendo uma pequena massagem, relaxando todos os músculos o meu corpo. Os ricos vivem bem, muito bem. Acho que isso se tornará meu vicio.

Tentei demorar o menor tempo possível, mas acho que não obtive muito sucesso, já que quando sai Marisa me olhava brava.

  - Desculpa. - murmurei sem graça pelo seu olhar e corri me trocar.

Em cima de uma cama enorme que havia ali, ela tinha posto o vestido e apenas uma calcinha vermelha de rendas, minúscula. Dei de ombros e a peguei, vestindo-a, e vestindo o vestido logo em seguida. Como eu disse, caiu perfeitamente em meu corpo, deixando tudo meu avantajado e em evidencia. Ajeitei meus seios, para que ficassem certinhos no bojo que tinha no vestido, e me olhei no espelho novamente.

  - Ficou perfeito. - Marisa exclamou sorrindo. - Agora vai, você tem pouco mais de meia hora para arrumar o cabelo e fazer a maquiagem. - apressou-me.

Fui até uma penteadeira enorme que tinha ali e comecei a mexer no meu cabelo. O sequei com o secador, depois escovei rapidamente, apenas para ficar mais ajeitadinho, e o prendi em um coque, assim quando eu soltasse ficaria ondulado. Comecei a fazer a maquiagem.

  - Opte por cores claras, nos olhos e um batom rosa ou vermelho na boca, Justin gosta assim. - ela avisou e eu sorri travessa.

Então o Justin gosta assim? Pois então, eu farei tudo diferente.

Preparei a pele com uma base, corretivo e pó, escondendo as poucas olheiras que ganhei nessas semanas que passei aqui dormindo no chão, e algumas espinhas na testa, que são meu pesadelo. Depois fui para os olhos. Passei um lápis preto, não muito carregado, e esfumacei com uma sombra marrom. Nas pálpebras passei uma sombra marrom, um fio grosso de delineador e um pouco de iluminador, perto das sobrancelhas. Passei bastante rímel, o que resultou em cílios finos e um pouco separados, que geralmente eu odeio, mas até que ficou legal. Passei um blush pêssego, mas bem pouco, bem mesmo, não queria parecer que levei duas chineladas na cara. E para completar, um batom marrom. Sim, marrom! E ainda passei um pouco de lápis, para deixar a boca destacada.

  - Cara, ficou muito foda! - exclamei, vendo o resultado. Minha pele parecia porcelana, e eu gostei disso.

  - Você escutou o que eu disse? - Marisa perguntou, pareia um pouco nervosa. - Ele irá ficar bravo.

  - O Bieber que se foda, já cansei de obedecer tudo que ele manda. - dei de ombros.

Tudo bem que nem sempre eu o obedeço, mas tento. Nunca fui o tipo de pessoa que abaixa a cabeça e concorda com tudo que dizem. Sou orgulhosa demais para obedecer alguém, não importa se a minha vida corre, ou não, perigo.

Levantei da onde estava sentada e segui até um lugar com joias e perfumes. Peguei uma pulseira preta, com pedras lindíssimas, e escolhi um perfume rosa e preto, que nem vi direito o nome.

  - Toma o sapato. - Marisa me entregou dois sapatos de saltos, aveludados, achei lindos. - Escolhe a bolsa. - mandou abrindo uma gaveta, no enorme guarda-roupa.

Caminhei até ela e sorri vendo aquele monte de bolsa-carteira. Demorei um pouco, mas escolhi uma preta, com uma caveira, e toda detalhada com pedrinhas.

  - Boa escolha, são diamantes de verdade. - falou e eu arregalei os olhos.

  - Eu não vou usar isso não, e se acontece algo? - falei devolvendo a mesma, mas ela riu e devolveu.

  - Fique tranquila, temos seguro. - ainda meio receosa peguei. - Solte logo o cabelo, Justin já já passará aqui.

Assenti e segui até o espelho. Soltei meus cabelos, o fazendo cair sobre meus ombros ondulados e do jeito que eu gosto. Passei a mão por eles, os jogando para trás, e logo a franja apareceu.

  - Uau, você está linda. - Marisa sorriu, e eu sorri de volta, agradecendo.

Abriram a porta brutalmente, me fazendo pular e me virar para encarar o ser. Revirei os olhos vendo Justin ali. Nem um pouco surpresa, claro.

  - Vamos. - falou e eu assenti andando até ele, o mais poderosa que consegui.

Como falei hoje eu quero enlouquecer o Bieber.

Suas mãos passaram por minha cintura brutalmente, me fazendo sorrir maliciosa. Cara, eu sou tão masoquista.

  - Ae Bieber! - um, dos quatro caras que encontramos na sala, falou assim que aparecemos ali. Ele era bonito. - Hey, que gata. - sorriu malicioso a me ver. - Prazer, Chaz. - pegou em minha mão e depositou um beijo ali, como um verdadeiro cavalheiro. Acho que ele era o mesmo que acompanhava Chris, no dia da minha briga com a vadia loira lá no quartinho.

  - Allyson. - sorri, sendo simpática, mas parece que Justin não gostou muito. - Mas pode me chamar de Ally. - conclui, tentando esquecer o fato de que Justin me fuzilava.

  - Ryan. - um loirinho, o mesmo que me buscou no meu primeiro dia aqui, e o que me parecia mais emburrado, acenou com a cabeça e eu sorri de lado, assentindo fraco.

  - Jaden a seu dispor. - um moreninho estiloso falou, sorrindo de lado, e eu sorri á ele.

  - Christian, mas pode me chamar de Chris. - falou, me dando um beijo na bochecha, ele eu já conhecia, apenas assenti sorrindo, tentando ser o mais simpática possível.

  - Acho que agora já podemos ir né? - aquela loira entojada apareceu do nada. - Ahh, você escolheu ela. - fez cara de nojo, me fitando de cima a baixo, e eu fiquei com uma vontade imensa de arrebentar aquela cara de puta dela. - Pensei que escolheria melhor. - como? Ela ta me tirando né? Cara, essa vadia ta conseguindo me irritar.

Senti as mãos de Justin me segurarem mais forte, acho que ele previa que eu queria avançar na loira. Respirei fundo, discretamente, e sorri falsa á ela, que fez o mesmo.

  - Acho melhor irmos, né?! - Jaden falou. - O clima ta esquentando. - completou esfregando as mãos.

Justin ainda não tinha pronunciado nada, apenas observava tudo quieto. Seguimos todos para fora da enorme casa, e eu apenas acompanhava Justin, que prendia minha cintura. Ele me guiou até uma Ferrari branca, mas não abriu a porta nem nada, apenas deu a volta no carro. Abri a porta e entrei, ele fez o mesmo, e logo a porta de trás foi aberta e a vadia entrou. Revirei os olhos ao escuta-la falar algo, que não dei muita bola, sua voz me irritava.

JUSTIN’s POV.

O clima dentro do carro estava tenso. Ellen não parava de falar, e estava começando a me irritar, enquanto Ally permanecia quieta, mas eu podia vê-la revirar os olhos a cada palavra que a loira soltava no banco de trás. Foquei na estrada a minha frente, tentando me desligar dali e parar de escutar a voz da Ellen, mas estava difícil, eu se quer sabia sobre que ela falava.

  - Ellen, fica quieta porra. - mandei impaciente e vi um sorriso de lado nascer nos lábios de Ally, enquanto Ellen fechava a cara e resmungava um ‘desculpa’.

Para tentar relaxar um pouco liguei o radio, e logo Room Service, do Pitbull, ecoou pelo carro. A musica já estava no meio. Relaxei um pouco no banco, entrando no clima de festa. Eu não estava com cabeça para isso, mas Ryan insistiu, falando que eu precisava relaxar. Eu ando muito pilhado por conta daquele filho da puta. Senti olhares sendo direcionados a mim e olhei de canto de olho para o lado, onde Ally me encarava mordendo os lábios, um tanto sexy. Ela voltou o olhar para a janela e riu balançando a cabeça. Aproveitei para observar seu corpo novamente. Aquele vestido colado estava perfeito nela, e deixava suas curvas destacadas, sem falar nos seus peitos, que estavam quase pulando do decote. Essa mina é muito gostosa. Eu só não entendo o porquê daquela boca marrom, quase preta, ninguém avisou que eu não curto batom assim? Claro que avisaram essa pirralha, ela só quer é contrariar. Balancei a cabeça e pisei mais no acelerador, voando pela estrada.

Após longos minutos dentro daquele carro, finalmente chegamos a minha boate. Aqui estava bombando, o que é ótimo, mais dinheiro para mim. Desci do carro, e logo estava cercado de vadias.

  - Ae vadias, caprichem que hoje ele é o aniversariante! - Jaden falou entrando na boate, levando Allyson e Ellen com ele, e eu segui atrás, com as vadias.

ALLYSON’s POV.

Ahh claro! Como eu poderia achar que seria diferente? Aquele desgraçado foi para um canto cheio de vagabundas ao seu redor quanto a mim, foi recomendado ficar no bar, olhando o movimento. E, é obvio que eu não obedecerei! Fala sério, se ele queria um manequim, roubasse um de uma loja, porque eu não vou pagar de um para ele. Rodei meu olhar por toda a boate apreciando a decoração. Era tudo claro, com tons azuis escuro, realmente muito bonitas. A pista de dança estava lotada e me chamando, mas, eu também estava receosa. Sempre que ia fazer algo que não agrade ao Bieber, penso duas vezes e lembro-me da surra que levei. Mas, faz tanto tempo que eu não danço, nem me divirto.

Virei-me e apoiei meu braço no bar, chamando o barman.

  - Uma vodka. - pedi e ele assentiu, pegando um copo e o enchendo com a bebida transparente. - Valeu. - sorri, pegando o copo de cima do balcão.

Eu bebericava aos poucos a bebida, já que sou muito fraca para isso, e não curto muito beber, apenas aprecio. Se bem que vodka não tem muito que apreciar. Aquela leve ardência na garganta era gostosa. Comecei a balançar o quadril ao ritmo da musica, Without you.

  - Dançando sozinha? - perguntaram em um tom de voz provocante, e eu me virei sorrindo, pensando ser alguém que pudesse me levar dali, mas não, era um dos amigos do Justin, Chris.

  - É meu dono não me deixa dançar com ninguém. - sorri falsa e ele riu.

  - Justin é uma pessoa complicada. - falou pedindo uma bebida ao garçom.

  - Ele não é complicado, é doente. - falei, tomando mais um gole da minha bebida, e ele riu.

  - É outra hipótese. - ri fraco.

  - Você trabalha para ele? - perguntei, tentando puxar assunto, ele me parecia legal.

  - Trabalho com ele, não para ele. - corrigiu e eu assenti rindo.

  - Legal. - dei de ombros. - Tem quantos anos? - perguntei me virando para o balcão e apoiando meu copo ali, e o fitando.

  - Faço 18 logo, e você? - me fitou sorrindo. Cara, ele é muito bonito.

  - Faço 16 daqui há quatro dias.

  - Hm... Não poderá comemorar. - lamentou e eu assenti triste.

  - Pois é.

  - Acho que você não tem idade para beber. - falou divertido, olhando para o meu copo.

  - Nem você. - sorri convencida.

  - É... Você me pegou. - rimos.

  - Chris. - chamei e ele me olhou. - Vamos dançar? - perguntei fazendo biquinho.

  - Não, não. Se o Bieber ver, me mata! - falou e eu bufei.

  - Qual é, deixa de ser chato, por favor. - falei com a voz fofa e ele riu negando. - A não! Você vai sim, vem. - falei o puxando pela mão em direção á pista.

  - Qual foi Allyson, ele vai me matar porra! - falou tentando voltar para o bar, mas eu o impedi.

  - Você tem medo dele? - perguntei divertida e ele negou. - Então o que tem de errado? - ele abriu a boca para responder, mas eu não deixei e continuei. - Exatamente, nada! Agora dança e esquece ele, ele não vai ver juro. - sorri e ele soltou o ar de forma pesada assentindo.

Mr. Saxobeat começou a tocar e eu sorri, balançando meu corpo junto a musica. Logo estávamos entrosados, dançando, rindo e conversando.

...

Acho que já tínhamos dançado umas 5 musicas e ele estava bem mais soltinho, conversava mais.

  - Acho que eu estou cansada. - falei ao pé do seu ouvido.

  - Vem, vamos beber alguma coisa. - falou me puxando pela mão, me guiando por entre aquele bando de gente, aquele lugar estava lotado.

Paramos no bar e eu suspirei aliviada. Pedimos algo e voltamos a conversar, nem eu sabia de onde tirávamos tanto assunto.

  - Fodeu! - ele disse com os olhos arregalados e eu franzi o cenho. - Tchau baixinha, seu dono ta vindo ai. - falou rápido, virando o copo da bebida amarela que ele pediu para ele, e saiu dali.

Permaneci de costas, fingindo que nada aconteceu e logo senti meu braço ser pego com brutalidade.

  - Pelo que eu saiba, não te dei permissão para se jogar em cima do meu amigo. - Justin falou nervoso no meu ouvido e eu sorri sínica, me virando para ele.

  - Eu? Dando em cima do Chris? Por favor, né?! - falei tomando mais um gole da bebida que eu tinha em mãos. Ela tinha um gosto ruim pra porra, e ainda queimava minha garganta, só o Chris para pedir algo assim para mim. Eca!

  - Você é uma vagabunda! - exclamou nervoso, em um tom firme, que me deixou totalmente excitada.

  - Sou? - perguntei com a voz mais provocante que consegui, me aproximando dele, envolvendo meus braços em seu pescoço, segurando a bebida. - Sabe Justin... Esse seu tom de voz é tão... Sexy. - sussurrei perto de seu ouvido, passando a minha mão livre por debaixo da sua camiseta, arranhando seu abdômen, e mordi seu lóbulo de leve. - Me deixou totalmente molhada. - falei me afastando um pouco, o olhando com malicia, sorrindo de lado, totalmente vadia, e tomei mais um pouco da bebida, acho que era whisky.

Nem eu sei o que estava acontecendo comigo. Justin me deixa com um fogo e totalmente sem vergonha na cara. Ele riu balançando a cabeça e me puxou bruscamente pela cintura, colando nossos corpos.

  - Você não presta Allyson. - falou próximo a minha boca.

  - E você gosta. - umedeci os lábios involuntariamente. Eu não iria beijá-lo, o deixaria tomar a iniciativa, sozinho.

  - Muito. - sussurrou tomando meus lábios.

Sua língua invadiu minha boca sem permissão, a explorando brutal e sensualmente. Entreguei-me ao beijo, envolvendo meus braços ao redor do seu pescoço, o trazendo mais para mim.  O beijo de Justin tinha um gosto tão... Exótico. Era menta, misturada com whisky, e varias outras bebidas. Aquilo era viciante. Eu não sentia vontade de parar nem para respirar. Soltamos-nos ofegantes e eu sorri maliciosa, mostrando que gostei do beijo. Sem pensar, deixei o meu copo no balcão e o puxei pela mão, seguindo para a pista de dança. De inicio fiquei receosa, achando que ele iria recusar, mas não, pelo contrario, ele segurou em minha cintura, começando a dançar em um ritmo quente. Senhor, isso está muito quente!  Eu rebolava no ritmo da musica, me esfregando nele, e ele mantinha seu olhar cravado ao meu cheio de luxuria e desejo.

Hoje eu quero deixa-lo louco, e vou conseguir.

A voz do Enrique Iglesias ecoou pela boate, me fazendo sorrir. Esse cara é foda! Justin sorriu travesso ao identificar a musica.

I know you want me

Eu sei que você me quer

I made it obvious that I want you too

Eu deixei óbvio que eu quero você também

So put it on me

Então, coloque em mim

Let's remove the space between me and you

Vamos remover o espaço entre mim e você

 

Colou mais nossos corpos.

 

Now rock your body (oooh)

Agora balance seu corpo (oooh)

Damn I like the way that you move

Caramba, eu gosto do jeito que você se move

So give it to me (oooo oooh)

Então dê para mim (oooh oooo)

Cause I already know what you wanna do

Porque eu já sei o que você quer fazer

 

Ele cantarolava no meu ouvido, de forma sacana, me fazendo arrepiar.

Here's the situation

Aqui está a situação

Been to every nation

Já estive em todas as nações

Nobody's ever made me feel the way that you do

Ninguém nunca me fez sentir do jeito que você faz

You know my motivation

Você sabe a minha motivação

Given my reputation

Devido a minha reputação

Please excuse I don't mean to be rude

Por favor, me desculpe eu não quero ser rude

Me virei, ficando de costas para ele e rebolei com a bunda colada no seu membro, que já começava a dar sinal de vida, com apenas algumas reboladas que eu dava.

  - But tonight I'm fucking you - murmurou a parte, junto ao cantor, no pé do meu ouvido, mordendo o lóbulo, me fazendo arfar. - That tonight I’m fucking you. - cantou novamente com aquela voz rouca e sexy, me puxando brutalmente para perto do seu corpo, fazendo sua ereção bater em minha bunda, me deixando excitada.

Ele me virou de frente para ele, colando nossos corpos, e eu não pude evitar um gemido baixo escapar por entre meus lábios.

  - Não sei como, mas você me enlouquece de forma absurda. - falou apertando minha bunda, me fazendo arfar. - Eu quero foder você inteirinha. - falou de maneira bruta.

Eu juro que não sei o que acontece comigo, mas Justin consegue me deixar totalmente a sua mercê com apenas uma simples palavra. Ele deixa meu corpo febril com apenas um toque. Ele me faz enlouquecer apenas encostando seus lábios nos meus. Eu não sei o que, mas algo é mais forte que eu, algo que me chama a ele. Algo surreal, que age da maneira mais louca possível. Eu não sei o que é, mas posso afirmar que gosto. É algo louco, carnal, viciante, que me faz ir dos céus ao inferno, com apenas uma transa. Seu corpo me faz perder totalmente a cabeça, seu jeito bruto me excita, sua voz me deixa de perna bamba. Podem me chamar de masoquista, vadia, ou qualquer outra coisa, mas eu simplesmente não ligo, na verdade... Acho que estou começando a me convencer de que realmente seja isso tudo e mais um pouco. Justin está fazendo com que isso apareça em mim, e não posso negar que a minha parte demônia até que é bem divertida, principalmente quando eu posso colocá-la em pratica com ele.

  - Ta esperando o que para fazer isso? - perguntei me fazendo de inocente e ele me respondeu com o sorriso mais cafajeste que eu já vi.

Rapidamente ele saiu me puxando pela multidão, parecia um furacão. Até, sermos parados por alguém. Jaden.

  - Hey Drew, vai sair assim? Eu consegui as melhores vadias de Atlanta para você e você não vai comer nenhuma? - ele perguntou incrédulo.

  - Jaden, amanhã a gente conversa, agora vaza da minha frente. - Justin falou entre dentes e ele assentiu, erguendo os braços e saindo da frente.

  - Ahh, saquei! - gritou assim que me viu atrás de Bieber. - Divirtam-se crianças! - gritou rindo, e posso apostar que já estava bêbado.

Demoramos um pouco, mais finalmente conseguimos sair e seguir para o carro em meio a beijos. Eu estava mais acesa que antes.

  - Não sei se vou aguentar chegar em casa. - Justin murmurou beijando meu pescoço.

  - Jus... - gemi fraco e ele riu. - Vai logo, vamos embora. - falei seguindo na frente para o carro.

Escutei um barulho alto, que me fez olhar para trás.

Meu sangue gelou na hora, e meu coração disparou, parecia que iria sair pela boca. 


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...