História Como a vida é!? — 2Jae - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Markson, Yugbam
Visualizações 84
Palavras 2.095
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Depois de 84 anos, eu atualizo a fic!

Boa leitura!

Capítulo 16 - Capítulo 16


— Youngjae eu... — Jaebum começou a falar.

Derrepente, uma mulher aparece com um semblante não muito feliz, perto de Jaebum. Ela olhou Sungjae que estava no colo de Jaebum, fazendo o mesmo se encolher.

— Eu disse que não era para você se afastar criança! — falou a mulher brava.

Ela notou a presença de Youngjae e Ilhoon. Tirou o semblante sério de seu rosto e colocou um sorriso falso.

— Ah, mil desculpas! Foram vocês que acharam nosso filho? — perguntou tentando passar uma boa impressão, o que não estava conseguindo.

— Sim, fomos nós! — Ilhoon enfim respondeu, pois percebeu que Youngjae não iria conseguir.

— Ah, obrigada! — sorriu falso. — Amor vamos embora já está tarde! — falou olhando Jaebum.

— Ainda não, de uma volta com Sungjae, eu vou conversar um pouco com eles, OK!? — olhou a mulher com uma expressão séria, ela o olhou da mesma forma. — Amor, omma vai te levar para andar mais um pouco OK!? — falou olhando Sungjae, ele negou. — É rapidinho! — Jaebum entregou Sungjae para a mulher que saiu  praticamente o puxando.

Enquanto isso Youngjae olhava um canto qualquer tentando entender o que estava acontecendo. Jaebum tinha um filho, uma mulher. Jaebum tinha esquecido de Youngjae?

— Youngjae! — Jaebum o abraçou forte. — Me desculpa, eu não queria, eu nunca quis que isso acontecesse!

Youngjae nada respondeu, queria chorar, mas não conseguia. Ilhoon resolveu deixá-los sozinhos, mas não se distanciou tanto, queria observar o que iria acontecer.

— Você disse que nunca ia me abandonar!  — disse em um tom de voz sério. — Então foi por ela que você terminou não foi? — Afastou Jaebum de si delicadamente. — Tudo bem... Você tem sua vida... Parabéns, você tem um filho e uma mulher que são muito bonitos, uma família — Youngjae deixou uma lágrima solitária escorrer por seu rosto.

Youngjae abaixou a cabeça, iria começar a andar para ir embora, mas seu braço foi puxado por Jaebum.

— Youngjae, me escuta, deixa eu explicar! — falou deixando que sua mão escorregasse pelo braço de Youngjae até que chegasse em sua mão. — Eu nunca, em momento algum, quis isso para mim, nunca!

Youngjae soltou sua mão da de Jaebum. — Jaebum você tem sua vida, faça dela o que quiser.

Youngjae se afastou de Jaebum. Abraçou seu próprio corpo enquanto andava. Já deixava algumas lágrimas cair. Enfim, Youngjae chegou em sua casa. Tirou o casaco que estava usando e os sapatos também, caminhou até seu quarto e se jogou na cama. Desabou em lágrimas.

Jaebum, logo depois que Youngjae saiu, foi atrás de seu filho, e da mulher, que ele convivia. Encontrou ela e Sungjae sentados em um banco. Ela olhava o celular, enquanto Sungjae comia um algodão doce, triste. Jaebum se aproximou se Sungjae sorrindo, pegou o menino no colo, que logo abriu um grande sorriso.

— Appa, que bom que você voltou! — falou sorrindo e abraçando Jaebum.

A mulher olhou os dois. Se levantou do banco e começou a andar em direção ao carro. Jaebum vinha logo atrás dando atenção para Sungjae. A verdade é que, Jaebum não ama essa mulher, que se chama Hani, nunca amou. Sungjae, não é filho dele, disso ele tem certeza, mas o trata cono se fosse, pois Hani não sabe ser um mãe, não da atenção para Sungjae, sempre fica brigando com o garoto, sem ele mesmo não fazer nada. Jaebum está casado com ela, mas por que foi obrigado. A empresa de seu pai estava indo a falência. A única escolha que o pai de Jaebum tinha era casá-lo com a filha de um outro grande empresário. E Jaebum ter terminado com Youngjae? De fato o namoro a distância não estava dando certo, mas Jaebum achou melhor, pois achava que estaria traindo seu amado. Jaebum quando soube que voltaria para a Coréia, tratou de infernizar a vida do advogado que tinha contratado para fazer os papéis do divórcio e da guarda de Sungjae. Pois o caso estava demorando muito. E ainda está, os papéis ainda não saíram.

Já que estava casado com ela, a empresa de seu pai não iria a falência. Praticamente a  empresa do pai de Hani estava no nome de Jaebum, então ele tinha direito para fazer o que quisesse com ela.

Colocaram Sungjae na cadeirinha dele, e entraram no carro. Jaebum deu partida e começou a dirigir para o apartamento em que estavam morando.

— Quem era aquele? — Hani perguntou olhando Jaebum.

— A pessoa que eu amo de verdade! — falou sério ainda olhando para estrada.

— O que? Ele? — riu em deboche. — Você prefere ele do que eu?

— Sim... Você sabe que eu não amo você, nos casamos por que a empresa de meu estava falindo. — suspirou pesado.

— Como você pode preferir amar aquele viadinho de merda!?

— Como você pode ser assim Hani? Você convive com uma pessoa homossexual, não fale assim dele! — falou praticamente gritando, Jaebum apertou o volante. — Se tu não quiser que eu te jogue do carro e passe por cima de você cala essa boca sua puta!

— Não fala assim comigo! — levantou o tom de voz.

— Não fala daquela forma da pessoa que eu amo porra, é simples! — tentou se controlar. — Eu espero que os papeis do divórcio e da guarda do Sungjae saiam logo, não aguento mais viver nesse inferno! — Ela não respondeu nada.

Chegaram no apartamento em que moravam, Sungjae saiu correndo indo para o seu quarto — onde Jaebum também dormia —, assim que Sungjae sumiu da vista dos dois, Hani desferiu um tapa no rosto de Jaebum.

— EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ FEZ ISSO SEU IDIOTA! — ela começou a gritar.

— Eu fiz, e não me arrependo! — falou e foi para o quarto onde Sungjae estava.

O garotinho estava sentado na cama de Jaebum de cabeça baixa. Jaebum trancou a porta atrás de si e caminhou até a cama, logo abraçando Sungjae.

— Por que você e a omma estavam bligando, appa?

— Não é nada meu amor, esquece isso ok!?

Sungjae assentiu. Passou os dois bracinhos pelo pescoço de Jaebum o abraçando. Jaebum sorriu, retribuiu o abraço do menor.

***

— Tem certeza de que você já está melhor? — Ilhoon perguntou sentado ao lado de Youngjae.

— Sim já estou bem, muito bem! — Youngjae falou olhando o amigo com os olhos marejados.

— Tem um ombro aqui do seu lado, se joga! — Ilhoon terminou de falar e Youngjae desabou em lágrimas novamente.

Minutos depois tudo ficou calmo. Youngjae parou de chorar, só era possível escutar as fungadas dele, mas também parou.

— Quer saber Ilhoonnie? — Youngjae falou se levantando do lado do amigo. — A gente vai sair hoje a noite, vamos nos divertir, beijar umas bocas!

— Como?

— É... — sorriu, não muito feliz mais sorriu. — Vamos beber, estamos de folga, podemos aproveitar, não é mesmo?

Ilhoon sorriu ladino. — Se é assim, tudo bem, nós vamos.

Ilhoon sabia onde iria ter uma festa, ele iria buscar Youngjae na hora em que marcaram. Eles não iriam tão tarde, queria aproveitar. Assim que Ilhoon foi embora, Youngjae tratou de ir para o banheiro tomar banho. Se despiu, entrou no box e ligou o chuveiro deixando com que a água caísse por seu corpo, queria que toda a tristeza que estava em si, fosse pelo ralo. Youngjae terminou o banho, enrolou uma toalha em sua cintura e foi olhar seu rosto na frente do espelho.

— Onde já se viu chorar por homem Youngjae? — tocou seu rosto. — Tô todo inchado. — negou com a cabeça indo para seu quarto.

Abriu seu guarda-roupa atrás de uma roupa. E encontrou. Uma calça apertada, preta rasgadas no joelhos, uma camisa preta sem estampa, e um jaqueta de couro meio cumprida. Não era uma das melhores roupas, mas dava pro gasto, certo?

Depois de arrumado, foi ajeitar o rosto inchado. O cabelo, resolveu não pentear, colocou um cordão em seu pescoço, alguns brincos, anéis e pulseiras. Depois de pronto, pegou seu celular e carteira. Ilhoon já estava em frente ao prédio em que Youngjae morava. Youngjae saiu de seu apartamento e o trancou. Saiu de dentro do prédio, e se aproximou de Ilhoon.

— Sunshine, é você? — Ilhoon perguntou, e como resposta levou um tapa em seu braço. — Ai, tá bom é você. — sorriu. — Vamos!

Ilhoon entrou em seu carro, logo sendo seguido por Youngjae. Ilhoon deu partida no carro. O caminho estava silencioso, nem um dos dois falava nada. Youngjae resolveu ligar o rádio, estava tocando uma música agitada, que ele gostava. Resolveu cantar, e Ilhoon o acompanhou. Logo chegaram na balada, entraram e foram para o bar pedir suas bebidas.

***

— Aonde você vai Jaebum? — Hani perguntou para Jaebum que estava se arrumando.

— Eu vou sair! — respondeu seco. Terminou de se arrumar e foi arrumar Sungjae.

— Para onde? — perguntou cruzando os braços.

— Não lhe enteressa! — sorriu para Sungjae que já estava arrumado de uma forma muito fofa. — Vou levar Sungjae para a casa de um amigo, não se preocupa, você não terá trabalho, e também não vou  deixar que você mate meu filho.

— Não! — Hani falou séria.

Jaebum pegou a mochila de Sungjae colocando em um de seus ombros, e Sungjae no colo. Passou por Hani que estava parada na porta, logo saindo do apartamento. Chegaram no estacionamento, Jaebum colocou Sungjae na cadeirinha de segurança dele. Entrou no carro e logo deu partida saindo do estacionamento.

Não demorou para que Jaebum chegasse na casa de seu amigo. Saiu do carro junto com Sungjae no colo com ele agarrado em seu pescoço. Jaebum bateu na porta que logo foi atendida.

— Oi, Mark. — falou Jaebum sorrindo.

— Jaebum. — sorriu para o amigo o abraçando, mas de uma forma que não machucasse Sungjae. — E aí Sungjae, tudo bem? — Mark perguntou sorrindo para o garoto que se encolheu mais.

— Amor, esse é o Mark, amigo de longa data do appa, ele vai cuidar de você junto com Jackson, que é o marido dele, tá? — o garoto negou, escondendo na curvatura do pescoço de Jaebum.

— Escutei meu nome ai? — apareceu Jackson com um pote de sorvete na mão. — Jaebum e ai cara. — sorriu.

Sungjae levantou a cabeça olhando para o pote de sorvete.

— Você quer? — Jackson perguntou para Sungjae, que não tardou para responder que sim. — Vem cá com o tio Jack que ele vai te dar sorvete! — Estendeu um de seus braços para pegar Sungjae, que foi de bom agrado.

— Gente, obrigado por cuidarem do Sungjae. — Jaebum agradeceu entregando a mochila para Mark. — Jackson, meu filho é puro, não acabe com a pureza dele, ok? — Jackson resmungou sorrindo com Mark e Jaebum.

— Tudo bem, se divirta! — Mark falou para Jaebum que sorriu.

Se despiram. Jaebum voltou para o carro, logo dando partida para a balada em que ia. Que no caso, seria a mesma em que Youngjae estava, mas ele não sabia.

***

— Youngjae, mal chegamos e você já está bêbado!? — Ilhoon falou para o amigo que estava bebendo.


— Tô mermo! — respondeu se levantando. — Ilhoonnie, vamos danzar! — Agarrou as mãos de Ilhoon o puxando para a pista de dança.


Youngjae começou a pular no meio das pessoas junto com Ilhoon. 


Jaebum entrou na balada, caminhou até o bar e pediu uma bebida. Começou a olhar as pessoas dançando, até que viu Youngjae e Ilhoon. Ilhoon estava dançando mesmo, Youngjae estava beijando outra pessoa. O sangue de Jaebum ferveu, ele se levantou da cadeira e caminhou até is dois. Jaebum afastou os dois e pegou nas mãos de Youngjae.


— Foi mal mano, mas essa gracinha aqui é minha! — falou o olhando, e se afastou do cara com Youngjae.


Youngjae tentava de soltar, mas Jaebum era mais forte, e a bebida não colaborava. Jaebum levou Youngjae para um canto mais calmo.


— Jaebum me solta porra! — Youngjae falava tentando se soltar, mas foi encurralado por Jaebum e uma parede. — Me solta.


— Youngjae...


— Jaebum me solta! — pediu novamente.


Jaebum não fez que lhe foi pedido. Agarrou a cintura de Youngjae e juntou seus corpos. Jaebum beijou Youngjae, que em momento algum tentou separá-lo. E nem conseguiria, Youngjae e Jaebum precisavam daquele beijo. O beijo ficou mais quente, Jaebum pediu passagem com a língua que de imediato foi cedida, as línguas brigavam por espaço, estavam em uma perfeita sincronia. A falta de ar se fez presente, se separaram. Jaebum encostou sua testa na de Youngjae.


— Jaebum por favor me...


— Youngjae eu te amo!


E aquelas simples palavras fizeram o coração de Youngjae bater desesperadamente. Jaebum ainda o amava.


Notas Finais


Me desculpem qualquer erro!

Tchu Tchu Tchu Tchu ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...