História Como eu te amo - Double B - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON
Personagens B.I, Bobby, Jinhwan
Tags Bobby, Double B, Drama, Fanfic, Ikon, Romance
Visualizações 82
Palavras 1.096
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Colegial, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI MEUS BOLINHOS!
Queria agradecer pela 294839 por todo o carinho. Vocês nem devem mais aguentar isso! E, com muita dor no coração, digo que estamos quase no final da fanfic :')
Espero que gostem de tudo que aconteceu e como vai acabar.
Vou deixar vocês ai lendo. Beijos e amo vocês! <3

Capítulo 12 - Sete



 

Amou-me como se ama a luz querida,

Como se ama o silêncio, os sons, os céus,

Como se ama as cores, o perfume, a vida,

Os pais e a pátria, e a virtude e a Deus!

 

Hanbin caminhava de forma veloz por aqueles infinitos corredores. Estava tão imerso em pensamentos que o mundo parecia não existir. Pessoas passavam por si e aquilo não mudava em nada, eram como fantasmas.

As últimas semanas haviam sido delirantes. Encontrava Jiwon frequentemente. Fingiam ser nada para as pessoas, porém, na primeira oportunidade, corriam para o banheiro para ficarem aos beijos. Tornavam-se cada vez mais unidos, mais necessitados um do outro. E mesmo assim, não dirigiam uma única palavra sobre isso. Apenas aproveitavam seus momentos.

Kim Hanbin sabia que estava adiando o inevitável. Precisava conversar com Jiwon sobre isso, dizer todas as palavras que nunca havia dito, mas Jiwon as conhecia. Leram os cadernos de confissão um do outro inúmeras vezes. Hanbin tinha os poemas preferidos de Jiwon gravados em sua mente, mas nunca o ouviu declará-los a si.

Respirou fundo. Seu corpo todo doía. Os treinos se intensificaram naquelas últimas semanas. Sua mãe o exigia cada vez mais e mais. Jogava em sua mente todas as suas cobranças e expectativas enquanto o garoto fazia inúmeras piruetas naquela sala espelhada. Estava exausto de treinar, das reclamações daquela mulher, de ser alguém que não gostaria de ser, de esconder seus sentimentos por aquele garoto que chegou no momento que ele mais precisava e tomou seu coração de uma forma que nunca imaginou que poderia.

Sua amizade com Jinhwan estava por um fio. Depois daquele dia, não conseguia olhá-lo no rosto da mesma forma. Sentia como se o garoto fosse sujo como a própria trapaça era. Porém, quando ele vinha atrás dele, jogava-se no chão pedindo perdão, não conseguia impedir seu coração de fraquejar. Não havia o perdoado, mas estava prestes de fazer isso.

Jiwon vinha a sua mente o tempo todo. Ele era a razão de seus sorrisos, da sua vontade de continuar escrevendo peças de teatro, roteiros de filmes e os gravados. Era aquele que o apoiava, mesmo sem dizer nada, mesmo sem entender seus conflitos. Jiwon era seu Quebra Nozes — sua fortaleza e proteção, seu amor — mesmo que ele fosse a pessoa mais Fritz do mundo.

Não sabia como iria ter coragem de resolver sua vida, de fazer aquilo, mas ia fazê-lo. Só estava pensando naquilo quando empurrou a porta daquela sala enorme e, ofegante, jogou-se em uma das cadeiras avermelhadas ao lado dos jurados.

Jiwon estava no palco pronto para começar sua apresentação. Sorriu largo ao ver Hanbin sentado ali para assisti-lo. Embora soubesse que teria que dançar melhor que o amado para superá-lo, Jiwon ficava feliz em apenas por tê-lo perto e torcendo por ele de alguma forma.

A música começou a tocar e ele a se movimentar. Esqueceu de tudo. Apenas escutou aqueles sons delicados e os sentimentos de Fritz crescendo em seu coração. Seus pés iam no chão e saiam dele em uma velocidade programada, e seu corpo contraia e relaxava de acordo com que a música e seus sentimentos iam os ditando. Respirou fundo antes de realizar o jeté — um salto com as pernas esticadas — e logo, fazendo inúmeras piruetas seguidas à medida que a música vai ficando mais veloz e ia se acabando. Terminou a apresentação sentado no chão, com a cabeça erguida sem olhar para os jurados. Alguns aplausos foram escutados e Jiwon virou seu rosto para ver quem fazia aquele som. Era Hanbin com um enorme sorriso no rosto. Não evitou sorrir em resposta.

— Parabéns, Kim Jiwon. — Disse uma das juradas mexendo em algumas folhas. — Agora… Kim Hanbin.

— Eu não vou fazer. — Ele sorriu e todos os olhares foram direcionados a ele. Sua mãe estava na sala. Podia jurar que infartaria na hora apenas por ouvir aquelas palavras.

— Você o quê? — Yerin gritou.

— Não vou fazer a audição para o Fritz. — Respirou fundo. Sua mãe se aproximava dele e sentia o peso de tudo que havia fala. Porém, naquele momento, não tinha mais volta. Tinha que se responsabilizar por seus decisões. — Eu vou fazer para o Quebra Nozes.

— Hanbin, chega de piadas. — Falou no tom mais baixo que conseguiu. — Vamos, vai para aquele palco agora.

— Eu não vou, mãe. Estou cansado dessa vida de bailarino, dessa vida que você projetou em mim. — Respirou fundo. — Desculpa, mãe, desculpa por te magoar, mas eu não vou viver mais os seus sonhos. Preciso viver os meus agora.

Foram as únicas palavras que escutaram antes de ver Hanbin sair daquela sala fechando a porta com força. Os jurados, Yerin e Jiwon se entreolharam sem entender o que havia acabado de acontecer. Estavam paralisados, sem rumo. E Yerin, destruída, desolada.

 

♩♪♬

 

— Hanbin! — Jiwon gritou ao ver o garoto andando pelos corredores. Segurou seu braço e puxou-o para dentro de uma sala vazia. Encarou-o nos olhos. Havia um sorriso enorme naqueles lábios que havia beijado tantas vezes. Ele estava feliz em desistir do papel? — Por que você fez aquilo? Você nã-

Hanbin puxou o garoto e colocou seus lábios em um selar demorado. Soltou-o aos poucos e sorriu.

— Eu nunca quis aquele papel, Jiwon. — Riu olhando para expressão assustada dele. — Depois que você me beijou naquele dia e disse que desistiria da sua própria felicidade pela minha, comecei a pensar em várias coisas. — Respirou fundo. — Em como eu nunca amei balé a ponto de viver dele, que não estava disposto a passar tudo isso. Esse daqui é um mundo cruel, Jiwon, eu nunca aguentaria viver aqui. Não digo para desistir, porque tenho certeza que esse é seu destino, mas… Isso não é o que eu quero fazer. E de forma direta ou não, seu amor por mim me libertou, assim como o amor do Fritz libertou o Quebra Nozes de sua maldição.  — Ambos sorriram. — Sei que deve estar totalmente confuso por estar falando muito sendo que eu nunca falo nada, mas… — Abraçou o garoto e deitou a cabeça em seu peito. — Só estou… cansado de estar sozinho, Jiwon. De esconder tudo que sinto e viver o que os outros esperam que eu viva… Sei que provavelmente isso vai acarretar em nossa separação, já que precisamos viver nossas vidas, mas eu… eu não me importo, Jiwon. Só quero que seu amor seja o combustível para que continue aqui, que seja minha inspiração para meus futuros filmes e que quando estivermos prontos para vivermos finalmente juntos, nós vamos. — Encarou os olhos brilhantes de seu amado. — Eu só preciso que você continue a me amar, Jiwan, assim como eu te amo.


Notas Finais


Alguém aguenta esse Hanbin todo decidido e apaixonado? Eu não :')
Juro pra vocês que me apeguei demais escrevendo ele.
E o que acharam? Deixem nos comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...