História Como irmãos... SQN!! - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Colegial, Comedia, Naruto, Sasusaku
Visualizações 84
Palavras 5.050
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiiii pessoaaal!

Não resisti e tive que postar a continuação da treta entre Sakura e Hinata e-e
eu avisei que a Hyuuga seria terrível ;)

eu amei escrever esse cap, principalmente a parte final ;D espero que vcs curtam tbm!

Supeeer beeeijo!

Capítulo 5 - Encontro de meio-irmãos.


Fanfic / Fanfiction Como irmãos... SQN!! - Capítulo 5 - Encontro de meio-irmãos.

Não conseguia desviar minha expressão poker face da bela e maldosa Hinata Hyuuga. A garota permanecia parada como um dois de paus na minha frente, respiração pesada, totalmente aborrecida e me amaldiçoando mentalmente.

Eu por outro lado, fiquei estática, uma estátua, pensando e repensando quando, talvez num ato de sonambulismo, dei em cima do Naruto, o homem dela. E cheguei a três conclusões: primeiro que não sou sonâmbula, segundo que em momento algum dei em cima dele, nem tive tempo pra essas coisas ainda, e terceiro que ela é realmente uma pirada.

Ino, Ryuu e Karin alternavam os olhos arregalados entre mim e ela, não sabiam nem o que dizer nesse momento ou não queriam se envolver em mais uma encrenca minha. Algo que estava se tornando habitual.

Meu olhar confuso desviou dos olhos perolados e raivosos e foram para a mesa dark da cantina e lá estava ele, Sasuke Demônio Uchiha me encarando com o já conhecido sorriso cretino dele. Me perguntei se ele teve algo a ver com esse mal entendido. Ah, vale ressaltar que todo mundo olhava pra mim com expressões pasmas.

_ Eu o que? - foi a única coisa que saiu da minha boca. Total absurdo isso.

Me levanto e fico encarando-a.

_ Não se faça de desentendida, garota! - ela responde rispidamente.

_ Ééé… não se faça de desentendida - Tenten repetiu.

Aff.

_ Já sei que você está toda derretidinha pra cima do Naruto, na festa dos calouros também… - ela dá um passo na minha direção e aponta o dedo na minha cara - só digo uma coisa pra você, novata, o Naruto é meu, acabo com você se tentar roubá-lo de mim e…

O loiro salvador aparece mais uma vez.

_ O que pensa que está fazendo, Hinata? - Naruto fala visivelmente irritado fazendo todos nós olharmos para ele.

Ela sorri cretinamente, deve ser a característica principal do grupo das trevas, e baixa o dedo antes apontado no meu rosto.

_ Naruto… - a voz dela soou tão melosa que senti náuseas - só estava dando boas-vindas a caloura… - ela olha maldosamente pra mim - não é mesmo, Sakura? É esse seu nome né?

Sorrio da mesma forma que ela e pra ela.

_ Não, não mesmo… você está me acusando de dar em cima do seu namorado!! - olho pra Naruto um tanto irritada - devia ter me avisado que tinha uma namorada paranóica, eu nem teria falado oi pra você… - bufo irritada.

_ Ela não é minha namorada! Quem disse isso? - ele retruca espantado.

_ Ela disse! - respondo.

A essa altura a Hyuuga já estava me imaginando queimando amarrada a um tronco.

_ Eu não disse exatamente isso!  - mentirosa.

_ Disse sim! - Ino se levanta num sobressalto e entra na briga. Uau!

Ryuuki se vira de lado e tentava tapar o rosto com uma das mãos.

_ Isso acaba com a dignidade de qualquer um, senhor do céu… Parem que tá feio… parem… - ele resmunga baixinho.

Ambas ficam se encarando mortalmente. Agora sei porque o Ryuu falou com tanto nojo quando se referiu a ela. Hinata Hyuuga é uma safada dissimulada.

Naruto assistia tudo totalmente sem reação. Ele era passivo demais e homem nenhum atreveria interromper um fight entre um bando de mulheres histéricas.

_ Ainda amargurada, Ino querida? Por que não faz mais parte das Poderosas e foi rebaixada a esse grupo deprimente? - essa foi novidade pra mim - uma nerd, uma novata se achenta, um gay mal vestido e você, uma vadia que tenta se fazer de boa moça...

Caramba… isso foi forçado.

_ PERA AÍ MINHA FILHAAA!!! GAY EU SOU MEEEXMO, AGORA MAL VESTIDO??!! ALÔKA!!! - Ryuu quase voa no pescoço dela, só deu tempo de ver ele girando o corpo graciosamente e agora estava furioso apontando o dedo pra ela - Não sou obrigada a lidar com inveja de cobra não!!! Sua víbora do infeeeernoooo!!! Isso é recalque puro, minha querida, seu recalque bate na fivela da minha bolsa Prada e volta pra essa sua bolsa xinfrin da “Luís Vitão”!

Vou repetir como um mantra na minha mente: nunca critique o visual do Ryuuki, nunca critique o visual do Ryuuki…

A confusão tomava cada vez mais uma proporção maior.

_ Deixar de andar com vocês foi a melhor coisa que fiz, querida... - adoro quando a loira-maravilha estufa o peito pra falar. Powerfull! - pra ser sincera sinto pena de você e suas duas capachos…

Nesse momento Temari e Tenten olham visivelmente irritadas para Ino, que mantinha o sorriso orgulhoso nos lábios.

_ Eu não sou capacho dela!!! - a tal Temari esbraveja.

_ Eu também não!! - Tenten complementa - e o que é capacho, Temari? - ela olha confusa para a amiga.

Não teve uma alma vivente naquele cenário que não revirou os olhos com a indagação da morena desprovida de inteligência.

Gezuis do céu!

_ Soletre capacho pra gente, Tenten… - Karin fala em deboche, tentando segurar a risada.

A morena torce a cara para a nossa amiga ruiva e antes que ela envolvesse Karin nisso eu intervenho.

_ E você devia relembrar melhor o que deve ter visto, senhorita Hyuuga, eu não dei em cima dele, ele só me ajudou quando seu amigo das trevas - aponto para o Uchiha - quase me atropelou e depois na festa ele  só abriu a porta para entrarmos… - falo com firmeza.

Ah como eu “adoro” ser o centro dos assuntos do colégio.

_ Meninas se acalmem… - Naruto fala tentando nos acalmar. Ninguém deu moral pro loiro delícia com cara de cachorro na chuva.

_ Eu não preciso ver nada, me falaram muito bem qual é a sua, novata, chegou chegando né? Acha que por ser carne nova no pedaço que todos os garotos vão se derreter por você! - ela se vira para os alunos espalhados na cantina - CUIDEM DOS SEUS NAMORADOS, MENINAS! A NOVATA AQUI GOSTA DE PASSAR O RODO!!!

URRRRG!!!! Que vadia detestável!!!

Sasuke e sua quadrilha riam como se estivessem assistindo um espetáculo de circo, o duro que realmente aparentava ser isso mesmo.

Aperto os punhos com força e minha real vontade era socar aquela víbora e fazê-la engolir seu veneno.

_ Quem te disse isso?!! Você nem estava na festa, sua louca! - esbravejo já perdendo a paciência.

Encontro a resposta da minha pergunta assim que meu olhar recai sobre Sasuke novamente. Ele plantou a semente da discórdia, ele é o real olho do furacão. O "bendito" sorria com maldade pura pra mim, aquele olhar predador que me fazia sentir medo e raiva ao mesmo tempo. Talvez eu tenha cutucado a onça com vara curta. Talvez ela tenho o poder de me prender só com o olhar.

Hinata se aproxima do meu ouvido e sussurra.

_ Um aviso, Sakura, fique longe do Naruto ou eu faço da sua vida um inferno… querida… - e então ela se afasta e sorri. Falsa - até depois, meu bombonzinho de maracujá… - ela fala olhando pro loiro que fica mais atordoado ainda.

E então a “naja” e seu grupo saem.

Depois da confusão eu pude ver os olhares receosos das meninas sobre mim, ótimo, eu estava com fama de pegadora agora. Uns me olhavam com pena, outros com deboche.

_ Odeio ele… - falo comigo mesmo e olhando na direção do bando de babacas que agora saíam da cantina, mas alto o suficiente para que meus amigos ouvissem.

_ Está falando de quem Sakura? - Ino pergunta confusa.

_ Sakura eu te peço perdão por isso, a Hinata está no meu pé a anos e lamento por ela ter causado tudo isso e - não estava a fim de desculpas agora.

_ Naruto já deu, ok? Sei que você não tem culpa… não estou falando de você, estou falando dele… - continuo olhando para eles.

_ Ele quem Lazy Town? - Ryuu se levanta e fica ao meu lado olhando na mesma direção que eu.

_ Sasuke Uchiha… eu odeio ele… - meu tom de voz soou tão sombrio quanto a aparência daquele serviçal do diabo.

Karin gruda no meu braço já apavorada.

_ Não vai se vingar, né?! Sabe que vai perder… - Karin é medrosa na mesma proporção da inteligência dela.

Abaixo a cabeça um tanto confusa e cansada daquilo tudo. Saudades da minha amada e tranquila Niigata. Relembrar como eu era feliz naquele lugar me fez pensar na minha amiga e fiel escudeira Matsuri. Choramos tanto quando nos despedimos e era disso que eu precisava agora, falar com ela.

_ Eu preciso ficar sozinha… já estou exausta de tudo isso… - eles me olham com certa tristeza - Não vou assistir a aula do terceiro período…

_ Sakura, espe - Karin tenta me impedir, mas Ryuu a segura.

E então saio rapidamente da cantina não me importando com os olhares sobre mim.

Danem-se todos!!

_ Se coloquem no lugar dela gente, deve ser muito difícil começar numa escola nova e já de início atrair tanta confusão… - Ryuu fala com uma ponta de tristeza.

_ Pobrezinha… - Ino fala cabisbaixa - temos que ficar mais do lado dela…

_ Sakura... - Karin não tirava o olhar angustiado da minha direção.

(…)

 

Dessa vez a trilha sonora vai especialmente pra mim e meu estado de espírito totalmente desanimado. Ai mei da Rainie Yang soa perfeitamente para esse momento. Pela primeira vez sinto raiva por minha mãe ter tirado minha escola, meus amigos e a vida que eu levava em Niigata de mim.

Caminho pelo enorme jardim do campus e assim que avisto uma pequena mesa redonda de pedra e alguns banquinhos embaixo de uma árvore é para lá que sigo. Precisava colocar a cabeça no lugar. Não podia simplesmente chegar em casa e dizer a minha mãe que queria ir embora, que estava odiando esse lugar. Ela estava feliz aqui e eu não me sentia no direito de estragar isso.

Mas já pressentia que as coisa ficariam piores pra mim aqui.

Me sento no banquinho, jogo minha mochila sobre a mesa e me debruço sobre ela. Pelo menos ali eu sentia um pouco de paz. Se Matsuri estivesse aqui comigo eu certamente me sentiria melhor, claro que antes choraria horrores, mas me sentiria mais acolhida.

_ Sinto sua falta, rolha de poço… - ela conseguia ser mais baixinha que eu.

Matsuri não era muito adepta de meios de comunicação atuais como whatsapp e outros aplicativos de bate-papo, detestava perder tempo se alienando ao celular. Antes de vir embora, ela me fez jurar de pés juntos que eu escreveria cartas para ela e claro que prometi tal coisa. Até que é divertido. E era isso que eu ia fazer. Ia relatar todos os acontecidos em tão pouco tempo e preencher a carta com minhas lamúrias. Tenho certeza que al ia rir de início, mas depois iria chorar quando respondesse.

_ Matando aula? - uma voz doce e conhecida soa próximo a mim, tirando-me dos meus devaneios tristonhos.

Era ele. Era Gaara.

Ergo a cabeça rapidamente e avisto aqueles belos olhos verdes me mirando com doçura. Ela tinha o poder de fazer toda minha raiva e tristeza se esvaecer num piscar de olhos.

_ Posso sentar? - ele pergunta com um leve sorriso.

_ Claro… - respondo e me sinto vitoriosa por não gaguejar.

Ele coloca a mochila ao lado da minha e se senta.

_ Naruto me contou do que aconteceu na cantina, eu tinha ido até a sala do treinador por isso não presenciei nada… - ele fala como se pedisse desculpa - se eu estivesse lá tinha te defendido com certeza, Hinata Hyuuga sabe como ferir com palavras qualquer pessoa…

Aaaahh aquele olhar meigo dele me fez ir ao céu e voltar. Por alguns instantes me perco nos olhos verdes dele, mas logo recobro a consciência. Ele percebe tal coisa e sorri.

_ Ah tudo bem, mais uma confusão ou menos uma não faz diferença, já tenho fama de desastre da natureza e agora, graças a tal Hinata, todas as meninas daqui devem achar que sou uma vampira sugadora de homens… - isso soa mais como uma desabafo. Abaixo o olhar na direção da mesa.

Ele ri do adjetivo que coloquei em mim mesma.

_ Sei que você não é isso, seus amigos também sabem e isso é o que importa… - e então ele toca no meu queixo me fazendo olhar pra ele. Quase desmaio - não se abata por causa dela ou por causa daqueles caras ridículos e o Uchiha…

Sou obrigada a suspirar em pensamento diante daquele gesto.

_ Naruto te contou sobre isso também?

_ Eu ouvi os garotos do time de basquete comentando sobre ele ter quase  atropelado você e sobre hoje de manhã também... - ele solta uma risada animada - pode ter certeza que adoramos o que você fez no carro dele, ele é um babaca! Todos eles são!

Não consigo segurar o riso e ambos rimos juntos por alguns instantes. E então volto a olhá-lo e ele me encara também. Nenhum dos dois fala mais nada, apenas trocávamos olhares tímidos. Assim que tento falar algo, sou interrompida pelo sinal que anuncia o retorno a aula. Droga!

_ Bem, tenho que ir Sakura, não posso me dar ao luxo de matar aula, sou o capitão do time, tenho que ser exemplo - ele fala divertido me fazendo rir - mas entendo que você precise esfriar a cabeça… - ele leva uma das mãos ao meu rosto e acaricia minha bochecha - fica bem, ok? - e então me dá um beijo no rosto e sorri em seguida - até depois!

Acho que nunca mais vou lavar meu rosto.

Fico boquiaberta por alguns instantes observando ele se distanciar. Isso foi totalmente inesperado.

Já esqueceu da raiva né danadinha?

Não consigo evitar de sorrir como uma boba e, talvez, apaixonada. Gaara sabia como ser doce e amável, nem dei lado ao pensamento de que talvez ele agisse assim com todas, o importante é que ele agiu assim comigo.

_ Matsuri!!! Preciso relatar isso pra Matsuri!! - falo mais animada que minha mãe quando canta no chuveiro.

Rapidamente pego um caderno e uma caneta de bichinho e dou início a minha carta, ia falar das desgraças, mas o mais importante seria falar da parte maravilhosa, falar de Gaara, como diz Ryuu, falar do meu boy magia. Rio sozinha com tal pensamento.

 

...

 

Passado quase uma hora, eu encerro meu texto, ergo a folha de papel e admiro minha escrita dando um sorriso orgulhoso pelo belo trabalho. Ali tinha informações que só Matsuri iria saber, por enquanto, fora que só ela sabia lidar com meus termos meigos e fofinhos, outros iriam simplesmente rir da minha cara. Penso que Karin também me entenderia, ela me lembra muito a Matsuri.

Me levanto animada, dobro o papel cuidadosamente e o enfio no bolso de trás da minha calça junto do meu celular e coloco a mochila sobre um dos ombros e saio a passos saltiantes pelo jardim, ia até o correio mais próximo e enviar logo a carta. Pensei em escrever um e-mail, mas ela certamente me ligaria resmungando. Ela queria ter o prazer de receber uma carta como nas épocas mais antigas. Não tentem entender o ritual da minha amiga tampinha.

Sinto meu celular vibrar no meu traseiro, rapidamente o pego para ver quem havia mandado uma mensagem. Era a mamãe.

Mamãe <3: “Sakura querida, você está bem minha princesinha? Quando chegar em casa arrume-se, por favor, iremos jantar fora hoje hihihihi *-* Fugaku quer te conhecer, espero que você aceite o convite, diga que sim por favor filhota querida. Espero sua resposta. Beijos da mamãe.”

Suspiro com certo desânimo assim que acabo de ler a mensagem. Não que eu não queira ir, mas hoje é um dia que eu só queria chegar em casa e me jogar na minha cama. Oh céus...

_ Tá mãe, não vou ser a estraga-prazeres… - falo comigo mesma e reviro os olhos.

Sakura: “Tudo bem mamãe, aceito o convite do seu “amigo” kkkk estarei pronta e te esperando, senhora Mebuki Apaixonada Haruno! Beijinhos ;** ”

Não demora muito e a resposta logo chega. Ela estava esperando ansiosa, tenho certeza.

Mamãe <3: “ Yuupiiiiii!!!!!!! \o/ obrigada amor, sairei do hospital mais cedo!!!! Até mais tarde!!! Mamãe te ama!!!!! Muiiitoooooo!!!!! s2 s2 s2 s2 s2 s2 s2 s2”

Pelo tanto de exclamações na mensagem consigo visualizar minha mãe saltitando pelo corredor do hospital. Começo a rir sozinha e volto a saltitar pelo caminho.

_ .... olhar pra ele é como sentir a brisa mais fresca da primavera… me sinto um pônei saltando entre nuvens e arco-íris…

Meu Kami… estou ficando louca ou alguém está lendo minha carta?

Paro no mesmo instante e sinto um arrepio gélido percorrer meu corpo inteiro, minha respiração chega a falhar por um momento, meus olhos se arregalam no mesmo instante. Não pode ser! Não pode ser!

_ … me perco imediatamente naqueles olhos verdes…

Tento captar oxigênio que me fazia falta nos pulmões, me fazendo respirar com dificuldade. Bato a mão no bolso e constato que a carta não estava no meu bolso, devo tê-la derrubado quando peguei o celular. Fecho os olhos e me viro vagarosamente para trás. Respiro fundo e abro os olhos.

Uma coisa é certa: AS FORÇAS DO UNIVERSO ME ODEIAAAAM!!!!!

Sasuke Demônio Uchiha me olhava com maldade pura, com a minha carta aberta em mãos e aquele maldito sorriso demoníaco.

NÃO PODE SEEEEER!!!!! PRECISO URGENTE QUE AS PLACAS TECTÔNICAS SE MOVAM ABAIXO DE NÓS E ENGULA OU EU OU ELE PRAS PROFUNDEZAS!!!!

_ Posso continuar lendo, senhorita pônei saltitante? - ele fala sorrindo ainda mais.

E o resto da minha pouca dignidade acaba de escorrer pelo ralo. Minha mãe que me perdoe, mas preciso xingar um palavrão: CARALHOOOO!!!!

Bravamente seguro a vontade de chorar diante dele. Eu fui destruída, nocauteada, finalizada naquele instante.

_ P-Por f-favor… devolva… - falo quase num sussurro.

Dane-se que estou gaguejando.

_ Devolver o que? A carta? - ele dá alguns passos na minha direção e começa a me rodear - não mesmo… - ele fala no meu ouvido e eu me arrepio inteira - eu sei que você é patética, Sakura, mas não sabia que era tanto assim… sério mesmo que gosta daquele jogadorzinho de basquete ridículo? Ele é tão fresco que ás vezes acho que aquela fadinha vai abrir as asas e sair voando... - ele para na minha frente e eu evito de encará-lo.

_ Não tenho que te falar nada! Só devolva minha carta!!! Isso é roubo!! - olho furiosa para ele - e ridículo é você!!!!

Ficar furiosa com ele só o divertia ainda mais. Ele então me agarra pelo braço com certa força e me aproxima nossos rostos. Alerta de aproximação perigosa de novo! Pude sentir o perfume delicioso dele.

_ Você está nas minhas mãos agora, Sakura… - ele estava tão perto que podia sentir o hálito fresco dele - não podia ter acontecido coisa melhor… - ah aquele sorriso demoníaco de novo.

Não pude evitar que minha boca tremesse. Claro que eu estava apavorada! Se aquela carta chegasse nas mãos dos demais alunos eu ia ser motivo de piada pro resto da vida, fora que Gaara ia me achar uma idiota. Eu realmente estava nas mãos dele. Literalmente.

_ V-Vai expôr m-minha ca-carta, não é? - eu tremia mais que vara verde.

_ E acabar com toda minha diversão assim? Rápido demais? - ele solta uma risada alta - não Sakura, não vou… prefiro me divertir com você…

_ Se divertir??? Como assim??!! O que está pensando, seu pervertido?? - olho totalmente apavorada para ele que ri mais uma vez.

_ Você acaba de despertar idéias bem quentes na minha mente… - ele responde em tom lascivo - mas de início me contento em você fazer coisas pra mim…

Eu me solto bruscamente da mão dele.

_ Fazer o que? Nem vem que não vou roubar nada, não vou traficar drogas, não vou matar ninguém!! Prefiro que espalhe minha carta pela escola, rum! - cruzo os braços aborrecida.

Ele ri de novo. Agora ele chorava de rir. Sujeitinho cretino.

Ele caminha até a mesa que antes eu havia sentado e se senta sobre ela de forma confortável, apoiando o cotovelo sobre a mesa quase deitado. Tenho que confessar uma coisa: por mais arrogante e maldito que Sasuke Uchiha fosse, uma coisa era certa, ele realmente era muito lindo.

_ Você é mesmo muito patética, Sakura, não vou mandar você fazer nada disso, sua tonta, eu não mexo com nada dessas coisas - ele revira os olhos tedioso, depois volta a me encarar - você não me chamou de príncipe das trevas? Então você será minha súdita… minha serviçal… - ele sorri vitorioso e lança uma piscada.

Nesse momento até eu sinto pena de mim. Sou uma desgraçada mesmo, sem dúvidas. Devo ter ficado do lado do Madara durante a grande guerra ninja, só pode, pra vida me odiar tanto assim.

_ E quem garante que você não vai me humilhar com o conteúdo dessa carta, Sasuke Demônio Uchiha? - fiz questão de revelar mais um apelidinho carinhoso dele - você é um cretino, não posso confiar em você, não mesmo, rum! - empino a nariz irritada.

Sasuke solta uma gargalhada calorosa. Ele adora se divertir às minhas custas.

_ Agradeço os elogios, “princesa”, mas não preciso te dar garantia de nada… - ele se levanta da mesa e vem na minha direção, maldita aproximação - ou você faz o que eu mando ou tiro milhares de cópias da sua cartinha ridícula e o colégio todo vai se divertir junto comigo… - ele faz questão de encostar a ponta do nariz no meu - mas sou um cara legal e vou te dar um tempinho pra pensar… - e então se afasta novamente, dobra minha carta e a guarda no bolso da blusa.

_ Ah noooossa! Como você é uma alma caridosa!! - falo com todo o sarcasmo do mundo - obrigada, Sasuke, pela oportunidade de pensar em como você vai infernizar minha vida!

_ Não há de quê… - ele responde cretinamente - então… até mais tarde docinho, pensa com carinho na minha proposta - ele morde o lábio inferior e isso, inconscientemente, chama minha atenção - quem sabe você acaba gostando mais do lado obscuro…

Ele sorri maravilhosamente, coloca os óculos escuro no rosto e então sai, me deixando a sós com a minha habitual cara de pamonha.

Concordo com ele, Sakura, você é patética.

Calada!

_ Meu pai… o que eu faço agora? Eu estou completamente ferrada… - sussurro em puro desespero - eu quero minha mãe...

 

(...)

 

Mamãe e eu seguimos pelas movimentadas e bem iluminadas ruas de Osaka. A noite estava agradável e fresca, tentei não pensar na proposta infame de Sasuke Uchiha, iria me esforçar ao máximo para tornar aquela noite especial pra senhora Mebuki, que não arrancava o belo sorriso dos lábios. Olho pra ela enquanto ela dirigia e cantarolava desafinadamente e concluí que ver minha mãe feliz valia o sacrifício de serví-lo. O sorriso dela me confortava, me preenchia, visto que ela se sacrificou tanto pra me criar praticamente sozinha, ser capacho do maldito Uchiha não era nada.

Ter minha mãe ao meu lado me fazia sentir segura, me fazia ter a sensação de que todo o mal não se aproximaria, que tudo iria melhorar. Suspiro tranquila de estar na companhia dela.

Após alguns minutos chegamos ao destino: a casa, quer dizer, a mansão do namorado da mamãe. Fiquei boquiaberta diante de toda aquela estrutura. Ele parecia ser o cara mais rico de todo o Japão.

_ Estou radiante que tenha aceitado vir, querida, Fugaku não se conteve de tanta alegria, ele saiu pulando pelos corredores do hospital quando mostrei sua mensagem pra ele! hihihihihi - prevejo um casal de doidos quando eles se juntam.

_ Tudo pela sua felicidade, mamãe, e já passou da hora de conhecê-lo, vou dar uma bronca nele por não ter me pedido autorização, rum! - finjo uma falsa irritação e em seguida rimos juntas - vamos logo ou você vai começar a roer as unhas!

E então descemos do carro já próximas a porta de entrada. O tal Iruka nos recepciona e pede para estacionar nosso carro, ambas agradecemos com um sorriso gentil e então seguimos em direção a entrada.

Mamãe toca a campainha e instantaneamente ouço um urro animado vindo de dentro da casa, o que me força fazer uma careta confusa. Que pessoa mais animada estava atrás daquela porta… E então a porta é aberta e a primeira imagem que me deparo é de um homem de semblante sério e muito bonito, aparentando ter seus quarenta anos. Assim que o olho, sinto como se o conhecesse de algum lugar. Os cabelos negros assim como os olhos, os traços do rosto, mas não consigo me recordar de onde. Dou de ombros.

_ Essa é a Sakura? - ele fala com certo receio.

_ Uhun! - minha mãe responde sorrindo e balançando a cabeça várias vezes.

E contrastando com a imagem séria, o homem abre um sorriso de orelha a orelha e me puxa pra um abraço que quase me mata sufocada, enquanto me chacoalhava sem parar.

É hoje que eu morro!

_ Muito… prazer… senhor… Fugaku… - falo quase sem ar. Mais dois minutos naquele abraço e meu cérebro morreria.

Ele percebe e me solta, sorrindo agora totalmente sem jeito.

_ Ah me perdoe, Sakura! Me perdoe! - ele curvava a cabeça várias vezes - é que estou realmente feliz de conhecê-la finalmente, na foto já te achei linda, mas pessoalmente… você é muito mais! Com certeza puxou a sua mãe… - ele olha pra ela com uma total cara de apaixonado e ela suspira em resposta.

Clima totalmente desconfortável. Me senti uma vela, melhor, um candelabro ali.

Pigarreio os tirando de seus devaneios apaixonados e melosos.

_ Obrigada pelo elogio, senhor Fugaku, fico feliz de conhecê-lo também, e se minha mãe está feliz ao seu lado, eu também fico… - ai eu sou uma gracinha quando quero. Orgulho da mamãe.

Ele suspira admirado com minha gentileza.

_ Bem que você disse que ela é um docinho de pessoa, Mebuki, sempre quis ter uma princesinha como a Sakura… - Fugaku fala ainda encantado - mas sou muito grato a vida por ter me dado meu filho, ele é um ótimo garoto também, mas venham, entrem, entrem, mandei preparar um jantar especial pra vocês duas, quero que se sintam totalmente em casa…

Nós acatamos e entramos, se a casa era maravilhosa por fora, vocês nem imaginam por dentro. Surreal. Tudo perfeitamente organizado e limpo, certeza que havia alguma mulher por trás de toda aquela arrumação. E foi só pensar nisso que surge uma senhorinha de cabelos grisalhos e expressão gentil, que sorri para nós.

_ Essa é a senhora Chiyo, nossa governanta - Fugaku caminha até ela e a abraça - ela mora conosco desde que Sasuke tinha apenas três anos… - ela sorri em resposta para ele.

Sasuke? Sasuke? Qual a chance desse homem super gentil ser pai daquele ser abominável? Não consigo evitar uma expressão apavorada.

Ah para Sakura! Sasuke é um nome comum! Sem chance que seria seu príncipe das trevas, nem encana.

Minha deusa interior tem toda razão. Sorrio aliviada.

_ Muito prazer em conhecê-las senhoritas, bem que Fugaku disse que ambas são muito lindas, até parecem irmãs - Chiyo fala gentilmente e minha mãe quase vira gelatina ali mesmo.

A auto-estima dela bateu no teto e voltou. Ela merece.

_ Obrigada senhora Chiyo, a senhora é muito gentil hihihihihi - mamãe responde sorridente demais e eu penso que ela devia parar com essa risadinha vergonhosa.

Senhor Fugaku sorri ainda mais de vê-la agindo como uma adolescente tímida.

Acostume-se, Sakura.

_ O jantar está sendo servido, vamos? - a senhorinha gentil fala animada.

_ Vamos! AAHH! Mas antes chame meu filho, quero que ele se enturme antes do jantar… - Fugaku fala ficando ao lado de minha mãe e a abraça.

Chiyo curva a cabeça levemente e sai. Mamãe e o homem ficam trocando conversinhas suspeitas e em tom baixo. Me recuso e ouvir. Me distraio admirando toda a casa, os móveis, a decoração, mas o que realmente toma minha atenção é a pintura na parede, a imagem perfeitamente pintada do Castelo de Osaka, o mesmo que encantou quando cheguei na cidade pela primeira vez. Encantador. Me prendo naquele quadro por alguns instantes e nem percebo quando o tal filho de Fugaku chega na sala.

_ Sakura, querida, venha conhecer meu filho… - ouço a voz dele mas ainda não conseguia me desprender daquela pintura.

_ Boa noite senhora Haruno, sou Sasuke Uchiha e é um prazer recebê-las em nossa casa esta noite - ele fala com educação em demasia.

[Song: Say U Love Me - Jason and Lara Lyrics]

Parada cardíaca imediata.

Aquela voz.

Não pode ser.

Não pode.

Não.

Impossível sorrir nesse momento. Me viro vagarosamente na direção da voz dele e confirmo: Sasuke Demônio Uchiha é o filho de Fugaku.

Tenho certeza que minha cara de espanto é a mesma de quem vê uma assombração diante dos olhos. E era o que eu estava vendo mesmo. A lembrança de hoje a tarde ele dizendo “...até mais tarde docinho”, quando ele me chamou de Sakura Haruno… às ameaças de que logo eu saberia quem ele era… esse maldito sabia o tempo todo quem eu era. De quem eu sou filha. Que nossos pais estavam namorando!!

Eu não fui escolhida por mero acaso do destino para ser o alvo do diabo, tenho certeza que não. Ele premeditou tudo isso, ele planejou tudo isso!! Estava na cara!!

Sasuke Uchiha estava ali, diante de mim, sorrindo como um garoto dotado de super bons modos e educação, trajando um terno impecável e um sorriso encantador.

Falso!! Mostre seu sorriso demoníaco a todos, lorde do submundo!!!!

_ Sakura…? - mamãe estranha minha reação assim como os demais.

_ Está tudo bem, querida? - Fugaku pergunta preocupado.

Não gente, não está! Não está nada bem. pelo contrário, tudo está péssimo!!!

Kami-sama! Deus! Buda! Rá! Jeová! Zeus! Odin!! Qualquer outra divindidade disponível nessa noite... SOCORROOOOOOO!!!!!!

\ Q_Q /


Notas Finais


Só digo uma coisa: a Sakura realmente está ferrada! ;P
#vazei!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...