História Como Não Perder Essa Garota. - Capítulo 21


Escrita por: ~ e ~Mykie

Postado
Categorias Naruto
Tags Naruhina, Naruto, Romance, Sasusaku
Exibições 230
Palavras 2.815
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi meus lindos e lindas... mais um cap pra vcs! Tô adiantada essa semana, tava tão ansiosa que não aguentei esperar até quinta hehe
Bem, tentei fazer esse cap engraçado, mas... Fail! Então me perdoem!

Boa leitura!

Capítulo 21 - Dream or Nightmare?


Fanfic / Fanfiction Como Não Perder Essa Garota. - Capítulo 21 - Dream or Nightmare?

 

POV Sasuke 

E, mais uma vez, ela vinha correndo pra cima de mim. Me abraçava e me apertava forte, enquanto me sentava na cama e tirava minha camisa. Me dava um beijo molhado antes de partir, lambendo meu abdômen indo em direção à calça, que já havia sido tirada junto da cueca. Ela passava a língua no meu membro de um jeito torturante. Eu não via seu rosto, estava com os olhos fortemente fechados. Quando estava prestes a explodir, ela para, e a sinto subir pelo meu corpo. Sua respiração se mistura com a minha, e quando abro os olhos pra finalmente ver sua aparência, dou de cara com cabelos róseos emaranhados e lindos olhos esmeralda... 

— Aaaaaaaah! – acordo gritando um tanto assustado. Calma, foi só um sonho. 

Me sento na cama com a respiração super acelerada. Olho no relógio e são ainda 5:30 da manhã. Merda!

Tô todo suado e... excitado. Ai caramba. Da pra ver o volume até por cima do lençol. Bem, desde aquela festa, eu venho tendo uns sonhos – quero dizer, pesadelos – um tanto eróticos com a Sakura. 

Aperto meu membro por cima da cueca pra amenizar o incômodo que estava entre minhas pernas, o que foi em vão, pois só me fez lembrar de como ela apalpou meu companheiro de guerra. Massageio um pouco mais leve, e mordo o lábio inferior ainda sentindo o seu toque. 

Não! Eu não vou fazer isso. Não vou me tocar pensando nela. 

O motivo do sonho é que às vezes me pego lembrando do beijo dela, leve e quente ao mesmo tempo. Fico imaginando sua boca pequena e macia em volta do meu pau, me sugando daquela maneira que qualquer homem sonha.

Mas não posso ficar pensando nisso, nem quero. Isso definitivamente não faz bem pra mim. 

Me levanto e como não consigo dormir de novo, aproveito pra tomar um banho.

(...) 

Já estava arrumado pra aula e terminava de tomar café ao lado do meu pai e Itachi. 

— Sasuke, – Itachi chamou. Pelo seu típico sorriso de deboche, aí não vem boa coisa. — porque você fica gemendo e gritando toda madrugada? 

Me engasguei com o café, meu pai me lançou um olhar de lado como quem diz "Que merda é essa?".

— Eu não.. não faço isso. Agora tchau! – disse já levantando e pegando minha mochila, indo em direção à porta. 

— Mas não vai nem terminar seu café, irmãozinho? – o ouvi perguntar e soltar uma risada cínica antes de sair. 

Só Itachi mesmo pra fazer passar vergonha assim. Realmente, irmão bom é aquele que não existe. 

(...) 

Cheguei na escola e já fui recebido com os olhares maliciosos dos meus amigos sobre mim. Argh, Naruto, seu boca grande! 

Cumprimentei todos, mas logo Karin e Tayuya foram me puxando pra longe. 

— A gente tem que conversar, mocinho. – alegou Karin.

Já um pouco afastados, as duas me encararam e eu encarei de volta. Como se eu fosse adivinhar o que elas queriam dizer! Ai ai.

— O Naruto contou pra gente. – disse Tayuya.

— Contou o que? – me fiz de desentendido.

— Ah Sasuke. – Karin bufou. — Não seja idiota. Óbvio que a gente tá falando do beijo. 

— Com a S-A-K-U-R-A. – Tayuya fez questão de dar ênfase no nome. 

— Ah. – suspirei inconformado. — O que vocês querem tanto saber? 

— Se foi bom, oras. 

— Bem, isso não é um assunto que eu converse com vocês duas. 

— Cara, somos suas amigas a um tempão, sabemos tudo de você. Acha mesmo que vamos ficar de fora de um ocorrido como esse!? – disse Karin fazendo sua melhor pose.

— O Naruto já contou que você gostou. – falou Tayuya com um semblante ao mesmo tempo sério e divertido. 

Tinha que ser. 

— Também já contou como foi. As mãos bobas. – Karin riu. — Sasuke, você é mesmo um completo safado. 

— O que o Naruto não contou pra vocês !? – eu juro que vou quebrar ele. 

Elas se entreolharam. — Bom, – começou Karin. — acho que nada. Ele disse até sobre as apertadinhas – elas deram sorrisos maliciosos. — Que feio Sasuke, isso não é coisa de se fazer em público.

— Tava tudo escuro, porra! Como eu ia ver onde tava minha mão!? – fechei a cara e cruzei os braços. 

— Ok. Vamos fingir que você não viu onde colocou elas. – as duas riram. — Mas agora você tem que falar com ela. 

— Hã?! Como assim tenho que falar com ela!? 

— Mano, a mina coloca a mão no teu pinto e tu sai correndo. – Tayuya podia ser menos desbocada né? — Você tem que se explicar pra ela. 

Cara, ela tá sabendo até onde a mão da Sakura foi parar. Jesus amado. 

— E nós, como também garotas e ótimas conselheiras. – disse Karin já toda animadinha. — Vamos ajudar você! 

Dito isso o sinal bateu e as duas me puxaram pra dentro da escola enquanto ainda discutíamos o assunto. 

Nota mental: nunca mais contar nada pro Naruto. 

(...) 

Já estávamos na última aula e, a Sakura parece tá agindo diferente. É impressão minha, ou o uniforme dela tá mais curto que de costume? 

Às vezes ela olhava pra mim e mordia os lábios. Bem, eu devo tá é imaginando coisas. 

Estava voltando do banheiro e indo sentar na minha carteira, quando no meio do caminho meus olhos caem sobre ela – novamente. 

Ela tava sentada olhando pro caderno a sua frente. Com um dedo ela enrolava uma mecha do cabelo, e o outro segurava o lápis entre os dentes de uma maneira bem... sexy? Os botões de cima da camisa mais abertos, dando uma boa – ótima – visão dos seus seios. 

A medida que ia andando ia a encarando, acho que ela percebeu meu olhar sobre si e também me encarou, com um brilho intenso nos olhos. Levantou um pouco o canto da boca, num mínimo sorriso, e passou a língua em torno da ponta do lápis, dando uma leve mordida. 

Porra! Só isso já me fez pensar merda. Me distraí tanto que acabei esbarrando na mesa de Ino que estava ao seu lado, derrubando suas coisas. 

— Sasuke. – Ino me repreendeu. 

— Foi mal. – abaixei pra pegar seus pertences. Quando já ia me levantar, olho pro lado e vejo Sakura cruzando as pernas, nem se importando com o pequeno levantamento da saia. 

Acabei batendo – de novo – com a cabeça na mesa da Ino. 

A professora só olhou pra mim e não disse nada. Continuei seguindo até minha carteira. Quando já ia me virando pra sentar, Sakura levanta num salto e se inclina na mesa pra entregar a folha de exercícios terminados. Devido a inclinação e a sua saia curta, eu tive uma bela visão das suas coxas torneadas é parte da sua bunda. 

Hipnotizei. Fui pra sentar e errei a cadeira, indo direto ao chão, numa "queda" feia. A mesa e cadeira arredaram fazendo um tanto de barulho, e todos olharam pra mim. 

— Tá tudo bem, Uchiha? – perguntou Anko, que dava aula no momento. 

— Sim. – Não. 

Alguns riram. Eu só tratei de levantar e dessa vez sentar direito. Olhei pra frente e Sakura ainda olhava pra mim. Ela deu uma piscadela mínima e se virou, ajeitando a roupa. 

Mano, alguém diz que não foi só eu que vi isso, por favor. Tô começando a crer que foi de propósito. 

Ou vai ver tô mesmo é ficando maluco. 

(...) 

As aulas já tinham terminado, agora só se via alunos indo embora ou indo pra suas oficinas, que era o meu caso. 

Chegando perto do local, vejo Sakura, e ela tava conversando com a... Karin? Ai meu Kami, isso com certeza não é boa coisa. 

Olho pra eles e Karin me manda um adeusinho, enquanto Sakura só dá um breve sorriso de canto. Só esse ato me fez meter a testa na porta. Ri sem graça e entrei depressa, onde todos já estavam prontos. 

— Ora Sasuke, não sabia que tinha tanta educação, a ponto de bater na porta antes de entrar. – É sério isso? Até o Kakashi tá me zoando?

Hoje não é meu dia. 

Fui me trocar e começar os treinos. 

(...)

Acabado as oficinas, todos já haviam ido embora, só restavam eu e Naruto nos vestiários.

Tava muito soado e resolvi tomar um banho ali mesmo. Deixávamos mudas de roupa pra caso um dia acontecesse de precisarmos, como hoje. 

Me despi e entrei debaixo do chuveiro. Lá de dentro ainda ouvia Naruto arrumar suas coisas pra ir. 

— Irmão, eu tô indo. Até amanhã. 

— Até. – me despeço e logo ouço o som da porta bater. 

Minutos depois me ensaboando, escuto o ranger da porta se abrindo. Deve ser o Naruto voltando pra pegar algo, aquele idiota só não esquece a cabeça pois tá presa no pescoço. 

— Naruto, é você? – perguntei só pra confirmar. Ninguém responde e não ouço mais nada além do chuveiro ligado. Resolvi deixar pra lá. 

Logo a Sakura me subiu a cabeça, e eu comecei a formular cenas impuras novamente. 

— Ah Sakura, como eu gostaria de ver você ajoelhada agora na minha frente, me envolvendo com tua boca gostosa. – acabei pensando alto. Sim, eu tenho essa mania de falar sozinho. 

Desliguei o chuveiro e nem fiz questão de me secar, apenas me enrolei na toalha e saí. 

— Aaaah! – esbarramos de cara assim que abri a porta. Gritei feito uma garota, segurando a toalha que temia em cair. Porque ela tinha que estar aqui!? 

— Rosa Sasuke? – Sakura me perguntou com as sobrancelhas arqueadas. Olhei pra baixo e a vi segurando uma cueca minha. 

— Sakura, o que você...? – eu me apavorei tanto que nem conseguia falar direito. Mas espera, eu não me lembro de ter cueca rosa... Droga, mãe! 

— Por que o espanto? Eu não podia estar aqui? – ela disse cruzando os braços abaixo dos seios, os deixando levemente empinados. Porra! 

— Sakura, você é.. bem... uma garota. – cocei a nuca. Será que ela não entende que eu tô aqui, praticamente pelado? 

— Bem observado. – fechou a cara e em seguida riu. — Mas se você prefere, eu posso sair. 

— Não! Eu não quero que você fique.. mas também não quero que saia. – ela me encarou sem entender. — Preciso falar contigo. 

Cogitei a ideia de Karin sobre falar com ela e resolvi tentar. 

— É sobre a festa. – ela fez menção pra que eu prosseguisse. — Bom, tava tudo escuro e aconteceu e eu queria te pedir desculpas. Não pelo beijo... Eu não queria ter feito aquilo, bem, não que eu não quisesse te beijar... quer dizer, eu quero mas... Digo por ter corrido, e ter deixado você, não quer dizer que não gostei, é que bem.. eu amei.. espera, eu não amo, eu.. é que.. Argh! Por que isso é tão difícil!? 

Eu tava desconcertado, envergonhado, desesperado por uma resposta.. e essa menina só me encara? Fala alguma porra, cacete! 

Ela continuou me olhando arregalada, depois, mandou minha cueca longe e pulou em mim... me beijando? 

Sonhei tanto em ter essa boca na minha de novo. Deus deve ter ouvido minhas preces. 

Sua língua vasculhava minha boca inteira com pressa, e a minha fazia o mesmo. Sinto que vou derreter. 

Fui abaixando até ficar sentado no chão mesmo, a levei junto fazendo-a sentar no meu colo. 

Ela deu uma rebolada que me fez ficar louco aqui em baixo, puta que me pariu. Mentira, quem me pariu foi minha mãe, linda, maravilhosa.

— Sakura... hm. – soltei um pequeno gemido quando ela se mexeu de novo. — Eu preciso me trocar. 

— Pode ir, eu não ligo. – ela disse puxando meu cabelo. Depois eu sou o depravado da história. 

— Mas, você vai.. 

— Ver? E o que tem? – falou e riu irônica. — É tão pequeno assim? 

Como assim!? Vou mostrar pra ela o que é pequeno, oxe. 

Ok, meu pinto não é lá tão grande, mas porra, eu tenho dezesseis anos. 

Virei a cara emburrado. 

— Olha só, é pequeno mesmo. – disse debochada e rindo escandalosamente. 

— Sakura, eu sou um adolescente, é só um pênis de 17 centímetros. Você queria o que, uma terceira perna?! – ela riu mais ainda, enterrando a cabeça na curva do meu pescoço. — Não vou discutir isso com você. 

Espera. Ai meu saco. Falei merda. Jesus, me dê o poder de apagar memórias, por favor. Ela não precisava saber disso. 

Olhou pra mim com lágrimas nos olhos – de tanto rir, lógico – e voltou a me beijar, passando a língua de leve nos meus lábios. Poxa, para de provocar. 

Enquanto ainda nos beijávamos ardentemente, a porta se abriu com uma certa violência. Foi aí que lembrei: a escola já vai fechar. 

— Pegos no flagrante. Eu sabia que tinha a ver com você, Uchiha. – Ouvi meu nome e senti um frio horrendo na espinha. Deu merda. — Pra sala da diretora, agora! 

Era a professora Anko. Sakura levantou num pulo e eu também. Anko já foi nos puxando e empurrando pros corredores. 

Mano, ela não percebeu que tô molhado e só de toalha? 

(...) 

— Aqui Tsunade, encontrei esses dois nos vestiários da oficina de luta. – ela disse já nos "jogando" pra dentro da sala. 

— Você de novo, não! – Tsunade falou já irritada olhando pra mim. Depois seu olhar mudou de zangado pra surpreso. — Sakura? 

Ela sorriu tensa. Tadinha. Mas eu é que não vou assumir a culpa sozinho, ora, não mandei ninguém me beijar. 

— Sentem-se os dois. Obrigada Anko. – a porta se fechou atras de nós. — Uchiha, você tá... 

— Pelado, eu sei. – Nem me xinga, a outra que não me deu oportunidade de vestir uma roupa. 

— Sakura, o que você estava fazendo num vestiário com ele? – Olha o jeito que fala de mim, tô aqui poxa. — Ainda por cima, desse jeito? 

— Tia, quer dizer, senhora diretora. Eu não queria. – Ah não, é? — Não sabia que o Sasuke ia tá lá. 

— Sasuke, porque você está, assim? – ela me olhou de cima a baixo. 

— Porque eu tava tomando banho. – Não é óbvio? 

— E porque diabos, você estava tomando banho na ESCOLA? 

— Eu tava sujo. Se não é pra tomar, porque tem a merda de um chuveiro aqui? – já tô ficando alterado. 

— Moleque, olha o jeito que fala comigo. – ela apontou o dedo pra mim e depois abaixou a cabeça, massageando a testa. — Não me diga que vocês dois estavam.. 

— Não. – a Sakura respondeu. — Não rolou nada. — Mas bem que você queria né. 

Tsunade me olhou desconfiada. 

— Que é? – cruzei os braços. 

— Uchiha, mais respeito. Você acha que não sei que gosta de sair fazendo coisas pela escola? – Ela já estava irritada e tinha alterado o tom de voz. 

Me exaltei e levantei num salto. — Poxa, eu não fiz nada dessa vez, tá bom? Foi sem querer, ela entrou lá e eu tava lá, e... Aaaaah! – Eu tenho que parar com esses gritinhos histéricos. 

O porque do grito? Bem, quando levantei, a toalha ficou presa no braço da cadeira, ou seja, eu tô nu na frente da diretora. Pai amado, eu juro que se um dia resolver pular de um abismo, eu levo a Sakura junto. 

Peguei uma pasta que estava em cima da mesa da Tsuna e me cobri na parte da frente, antes que elas vicem. Me escorei na parede pra cobrir atras, aposto meu cu que tô mais azul que aqueles bichos do Avatar de vergonha. 

— GAROTO, O QUE PENSA QUE TA FAZENDO!? MINHA PASTA! – Tsunade gritou. 

— NÃO FIZ DE PROPÓSITO, SUA BRUXA. – Ops, agora eu apanho. 

Sakura apenas observava quieta a cena. Se ela rir de mim, eu mato. 

Tsunade respirou profundamente antes de prosseguir. 

— Sakura, espere que te deixo em casa. Não vou deixar você ir com esse... tarado. – Tarado? Eu? Sou um moço direito, me respeita. — E Uchiha, quero que vista suas roupas logo e suma da minha frente. 

Seu desejo é uma ordem. Me enrolei na toalha de novo e saí de lá a mil. Meu coração tava a ponto de quebrar minha caixa torácica e sair saltitando por aí. 

Que grande merda! 

(...)

Já havia chegado em casa e minha mãe veio pra cima de mim com uma cara nada boa.

Mas o que eu fiz agora? 

— Sasuke, que história é essa de ficar sem roupa na frente da diretora? – ela disse batendo o pé e com as mãos na cintura. 

Engoli em seco. Fodeu. 

— E-eu... tava tomando banho, oras. – respondi. 

— E com uma garota!? – eita lelê. — Que diabos vocês estavam fazendo? Deixa. – ela bufou. — Não quero nem imaginar. Acho bom você subir bem rápido pro seu quarto, agora! 

Seu eu saí correndo pra lá? Claro que não. Eu voei. 

Entrei e tranquei a porta. Ainda podia ouvir a conversa dos meus pais lá em baixo. 

Calma, Mikoto. 

— Calma? Como calma? Eu quero ver esse moleque mostrar o pau pra alguém mais uma vez depois que eu o cortar! 

Apalpei meu membro por cima da calça só de imaginar isso acontecendo. Minha mãe só pode ter ficado louca, esse é meu bem mais precioso. 

Eu tava com a respiração acelerada e duro até agora. Mano, depois desses amassos com a Sakura, tá dando uma vontade de foder do caralho. 
 
Abaixei o olhar e fixei-o na minha mão. 

— É, minha fiel companheira. Hoje vai ser no cinco contra um mesmo. 


Notas Finais


Foi isso, espero que tenham gostado... perdão por qualquer coisa, caso não estava nas expectativas de vcs, mas a criatividades tava zero...

Aceito criticas, opiniões, enfim... tudo que acharem, comentem!

Beijos de Thah e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...