História Como não se apaixonar pelo seu inimigo [Jikook] - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Namjin, Taeyoonseok
Visualizações 122
Palavras 3.878
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu com certeza iria demorar mais para postar esse capítulo, mas quatro dias sem ter o que fazer ajudam para escrever e outra, meu rolê foi cancelado. Eu quis usar esse capítulo para apresentar os personagens e a história deles, no próximo que PROVAVELMENTE começa a verdadeira treta.

Espero que gostem, BOA LEITURA BBS

Capítulo 2 - Não tenha um inimigo


Fanfic / Fanfiction Como não se apaixonar pelo seu inimigo [Jikook] - Capítulo 2 - Não tenha um inimigo


"Da cabeça aos pés. Nós não combinamos em nada "

 ~G.NA - Black & White

                    _❤_

JEON JUNGKOOK POV'S ON


~Haruman naege sigani itdamyeon


~Dalkomhan ni hyanggie chwihaeseo gonhi nan jamdeulgopa


~Ppakppakhan seukejul saie gihoega itdamyeon


~Ttaseuhago gipeun nun ane mom damgeugopa


Se aquela não era a melhor maneira de começar o dia, eu não sei dizer qual é. Uma música calma, tranquila que me empedisse de já acordar estressado. Era isso que eu achava nos primeiros dias de aula, mas depois de um mês a musica já começa a me irritar e meu querido despertador ja parava na parede todos os dias.

Lembrem-se de nunca colocar uma música que você goste no despertador, você não vai querer odiá-la.

As coisas na parte da manhã pioravam quando sua empregada entra em seu quarto, sem ser convidada e abre as cortinas, deixando toda aquela luminosidade chata do caralho bater em sua cara. O pior era que eu nem poderia repreendê-la porque a mesma era estrangeira e não ia entender nem metade das palavras que eu estaria dizendo a ela.

Só me restava levantar com a cara amassada e me dirigir para o banheiro do meu quarto, eu não precisaria arrumar a minha cama já que tinha quem fizesse isso por mim e nem me procupar com onde eu estava deixando as roupas que tirava para poder tomar banho, de qualquer maneira elas voltavam, limpas, passadas e dobradas para dentro do meu guarda-roupa.

Eu ligava o meu celular, que por algum motivo sempre estava no banheiro pelas manhãs e selecionava a minha playlist do banho. Sim, eu tinha uma playlist de banho. Não me julguem, tudo é melhor com música. Deixava a àgua morna cair sobre as minhas costas, sem preocupação nenhuma com o tempo. Quando se tem dinheiro, você não precisa se preocupar com nada.

Admito que fiquei quase uma hora no banho, fazendo meu show particular do Justin bieber. E quando sai do banheiro com uma toalha enrolada na minha própria cintura, outra nas mãos secando o cabelo, vi que a empregada ja havia separado adequadamente a roupa que eu iria usar para ir à faculdade, já que não tinhamos uniforme e os alunos podiam ir do jeito que quisessem.

Mas é como eu sempre digo, não podemos contar com pessoas imprestáveis nas nossas vidas. Aquela mulher tinha algum problema mental? Como ela queria que eu fosse para a escola todo estampado? Todos sabem que se sua camiseta for estampada, sua calça tem que ser lisa ou vice versa. Mas não, ela havia separado tudo com estampas e o pior nem era isso, mas sim o fato da calça ser xadrez e a camiseta listrada. Pelo amor do meu G-dragon, me digam onde que aquilo iria ficar bonito em alguem?

Fui até o meu guarda-roupa que ficava próximo a cama e abri o mesmo, começando a revirar tudo em busca de algo descente. Joguei todas as minhas roupas sobre a cama até que sobrasse apenas algumas peças no meu armário, olhei para as mesmas durante quase 15 minutos e finalmente achei algo que pudesse ficar bom.

Uma calça de couro preta que era justa no corpo, camiseta cinza estampada com a frase " Not Today" escrita, casaco preto para me esquentar já que estavamos no inverno e meus tão preciosos all stars pretos. Eu tinha que estar impecavél, com a roupa pronta só me restava arrumar o cabelo. O que não foi tão dificil, só o sequei com o meu secador recem comprado e o penteei para o lado, quando ele ficou pronto apenas usei um Spray fixador para ele permanecer bonito por mais tempo.

Sai do meu quarto sem me importar com a bagunça que havia feito, porque como eu já disse, alguem iria arrumar depois e desci  as escadas para o primeiro andar da minha "casa". Provavelmente a essa hora meus pais já haviam ido trabalhar e chyo me esperava para tomar o café.

Mas eu devo estar enrolando para falar sobre mim, não é?

Bom, meu nome é Jeon Jungkook e eu tenho 20 anos de idade. Sou filho único do casal Jeon, Minha mãe e meu pai são donos de uma das maiores empresas de advocacia do país e um dos casais mais bem sucedidos da Ásia. Não é de se surpreender, eles eram òtimos no que faziam e não estou querendo panfletá-los - Até porque nossa relação não é uma das melhores - Mas eu reconhecia talento quando via, e eles com certeza nasceram para ser advogados.

Minha mãe se chama Jeon Jisoo, mulher de 38 anos e muito bem conservada. Quando saíamos juntos quando eu era mais novo, pensavam que eramos irmãos e mesmo que isso a irritasse, ela gostava de saber que ainda estava com tudo em cima. Se casou ainda jovem com meu pai, Jeon Kim woo e construiram toda essa fortuna juntos.

Meu pai tem 40 anos e assim como minha mãe aparenta ser mais novo, ele era um homem muito sério, rigido e conservador. Ele é determinado em tudo o que quer e assim como eu não desiste fácil, as vezes penso que puxei a minha personalidade inteira dele, mas não me vejo sendo tão rabugento como ele. 

Agora a minha aparência...

Aaa essa com certeza veio da minha mãe, e graças a deus que veio.

Eu a admirava demais, me inspiro nela em praticamente tudo o que faço e poxa... ter a beleza daquela mulher não é para qualquer um, devo me sentir muito honrado com isso. 

Eu amava a minha familia, apesar de sermos só nós três, sempre fomos muito felizes e deveriamos ser ainda. Mas sabem como é... tudo tem a sua fase dificil. Eu entrei para a adolescência e fiquei um pouco rebelde, não nego. Meus pais tiveram uma pequena crise no casamento e passaram a ficar mais tempo longe de casa. 

No começo eu sentia falta deles, mas com o passar do tempo as pessoas se acostumam com a ausência e hoje em dia já se tornou normal eu acordar e eles já não estarem mais em casa, ou eu ir dormir e eles ainda não tiverem chegado do trabalho. Se eu tivesse alguma chance de encontrar com eles em casa era durante o horario de almoço, o que raramente acontecia. Eu costumava almoçar fora com alguns amigos, sair depois da escola para alguma festa ou clube e eles normalmente almoçavam na empresa.

Dizem que a transição de um pré-adolescente para a real entrada na adolescência é uma das fases mais importantes das nossas vidas, que nossos pais tinham que estar mais presentes porque iriamos precisar deles para nos auxiliar e conseguirmos entrar nessa fase sem nenhum trauma.

Mas veja bem, eu não tive auxilio, conselhos ou ajuda e já sou quase um adulto perfeitamente normal. Cago, peido e cheiro como qualquer outro. Com algumas regalias talvez, mas ainda sim como todos os outros. 

Eu me sintia bem com a minha vida, sou saudável, tenho dinheiro, tenho meus pais, empregados e uma casa relativamente grande demais para a quantidade de pessoas que moravam nela. Não sinto que tenha algo faltando, em hipótese alguma, estava tudo perfeito.

Quando cheguei até a sala de jantar, senhorita Chyo já estava quase terminando de comer um pedaço de bolo que estava em seu prato. Eu me sentei à sua frente e olhei para os alimentos derivados que estavam sobre a mesa, diferentes tipos de pães, bolos, frutas, sucos e o meu amo achocolatado. 

- Bom dia, menino Jeon. - Ela me desejou sorrindo meigo, ainda terminava seu bolo mas ja começava a recolher algumas coisas da mesa.

- Bom dia, Chyo. - Disse baixo a ela, havia saido um pouco rude da minha boca? Talvez, mas assim ela já estaria ciente da minha falta de paciência. 

- Seus pais já sairam para trabalhar e desejaram um bom dia para o senhor. - Ela parou o que estava fazendo para me olhar e esperar alguma resposta, mas vendo que eu apenas acenei a cabeça positivamente surpirou baixinho e voltou a recolher a mesa.

Eu não costumava ter muita fome durante a manhã, então eu apenas tomei um copo de achocolatado e comi uma torrada, sim apenas uma e ela era tão pequena que era de se desconfiar se havia sido realmente feita para matar a fome de uma pessoa. Eu poderia dar aquilo como petisco para o floquinho e o mesmo ainda reclamaria de fome. Se quererm saber, floquinho é o nome do meu cachorro, um Golden retriever de dois anos. 

Chyo era a governanta da casa, era a chefe dos empregados e quase como uma avó para mim. Ela sempre estava comigo naquela casa, me fazendo companhia e me ajudando com o que eu precisasse. E mesmo que as vezes eu fosse rude com ela, Chyo não desistia de mim e isso só fazia com que nossos laços ficassem mais fortes.

Quando terminei de comer subi novamente para o meu quarto, fui direto para o meu banheiro escovar os dentes e dar uma ultima conferida no meu visual. Meu material estava em ordem, minha roupa estava ok e todas as outras coisas que eu precisaria durante aquele dia tambem.

Eu já estava pronto, e agora só me restava seguir para minha faculdade.

Hoje eu decidi que iria de carro para a faculdade, planejava sair para algum outro lugar depois da escola. Fui até a garagem e peguei as chaves do Ferrari do meu pai, talvez um pouco exagerado? Mas fazer o que, eu gosto e tenho uma reputação para manter.

Eu já estava atrasado mesmo, não teria o luxo de demorar mais meia hora só para escolher como ir para a faculdade. Assim que entrei no carro e o liguei, os seguranças abriram os portões da minha casa para que eu saisse com o carro.

Minha faculdade não era tão longe, apenas 15 minutos de carro e com a velocidade em que eu dirigia, devo ter chegado em menos de 10. Procurei por uma vaga proxima do prédio onde eu estudava, o que não foi dificil de achar, já que quando se é popular as pessoas praticamente deixam sempre uma vaga reservada para você.

Depois de estacionado, desci do carro pegando meus objetos no banco de trás e tranquei as portas logo em seguida. Assim que pisei dentro do prédio, alguns dos olhares rapidamente foram em minha direção.

Agora entendem porque dou graças a deus por ter a beleza da minha mãe?

Eu era conhecido por toda a escola, era o tipico garoto popular. Atraía os olhares tanto de garotas quanto o de garotos, mas é por que sou muito bonito.

Não querendo me gabar, é só que..

Tudo bem, estou me gabando sim.

Puta que pariu, eu sou muito lindo.

Se eu pudesse dava uns pegas em mim mesmo, mas Infelizmente isso não era possivel.

Fui andando pelo extenso corredor cumprimentando algumas pessoas que falavam comigo pelo caminho, ainda faltavam dez minutos para começar as aulas e eu ainda tinha tempo para fazer outra coisa antes de entrar para a sala. Caminhei em direção ao refeitório que estava praticamente vazio por conta do horário e corri com o olhar pelas poucas pessoas ali presentes, algumas retribuiam me olhando de volta e sorrindo, então eu soube que o único grupinho de retardados que ainda não havia percebido a minha presença eram os meus amigos.

Eu tambem era retardado, mas não me dava o luxo de demonstrar isso na frente dos outros, então andei - lê-se desfilei - até a mesa em que eles estavam da forma mais normal possivel e joguei minha mochila em cima da mesa fazendo um barulho terrivel, eles se assustaram com o ato e me direcionaram as suas melhores caras de cu.

- Porra, Jeon. - Lisa colocou uma mão sobre o peito suspirando pesado, já fiquem espertos, ela gosta de um drama.

- Velho, cê' tem demência? - Perguntou Hee irritado, quase gritando comigo.

- Só um pouco. - Respondi me sentando ao lado de Namjoon que tinha os olhos fechados e fones no ouvido, me aproximei do mesmo retirando seus fones recendo um olhar mortal do mesmo. - Bom dia para você tambem, Monster.

- Vai se foder. - Me xingou irritado retirando os fones da minha mão.

- Sei que me ama. 

- Vai nessa.

E sim, eu sabia que ele me amava. De todos os meus amigos, no caso três, Namjoon é a pessoa que eu mais sou chegado. Nos conhecemos no fundamental e nunca mais nos separamos, ele tambem era meu vizinho, o que ajudou bastante na nossa amizade. Ele era como meu irmão mais velhos, me repreendia, me aconselhava e até quando estava chateado comigo ainda tentava ser compreensivo.

Lisa e eu nos conhecemos ano passado, tivemos que fazer um trabalho em dupla que terminou com uns pegas. Nunca chegamos a ter algo romanticamente, apenas gostavamos de nos satisfazer quando tinhamos um tempo livre. O que era bem estranho, ja que tinhamos uma amizade considerada forte. Mas sempre que algo acontecia, na manhã seguinte era como se nada tivesse acontecido. Eu não via ela como as outras garotas com quem eu me envolvia naquele lugar, mas ela tambem não era mais do que elas. É complicado eu sei.

Conheci Hee em um rolê em Gangnam, eu estava com Namjoon no dia e o conhecemos em uma balada. Ele estava em uma competição de bebidas e queria chamar um de nós para competir com ele, Namjoon não foi porque alegou ser fraco com bebidas. Então sobrou para mim, mas nós dois eramos iguais e aquilo não teve um fim porque nós dois acabamos bebados no final, desde então descobri que ele tambem era da minha faculdade e não nos separamos mais.

Eu estudava artes cênicas e dança, eram em prédios separados, o que resultava em um Jeon Jungkook depois do intervalo andando que nem louco para o prédio ao lado.

" Ah Jeon Jungkook, mas por que andando que nem louco?"

Eu sei que o prédio é do lado, mas ele conspirava contra mim. O estudio das aulas de dança ficava no ultimo andar e o elevador resolveu dar uma de engraçadinho durante essa ultima semana e parar de funcionar. Então eu tinha que usar as escadas, para subir todos os sete andares daquele prédio e aquilo era uma palhaçada, com todo o dinheiro que aquela faculdade ganhava, o elevador ja deveria ter sido consertado no mesmo dia que quebrou.

Peguei meu celular no bolso de trás da minha calça e olhei as horas, menos de cinco minutos para as aulas começarem. Olhei para os meus amigos que conversavam animados sobre algum cantor de rap famoso que faria alguma apresentação hoje a tarde no centro de Seoul, mas tambem poderia ser outra coisa, eu não estava prestando tanta atenção assim.

Direcionei meu olhar para Lisa que teria o primeiro horário comigo e a mesma pareceu entender o que eu estava querendo dizer, se levantou da mesa e depositou um beijo na testa dos outros dois que estavam a mesa.

Namjoon e Hee iriam para a aula de canto agora, os dois queriam ser rappers, eu não entendia muito o porque mas se era o que eles gostavam, quem sou eu para dizer alguma coisa.

Já Lisa e eu queriamos ser atores, garanto que ela teria algum futuro já que sempre que a garota faz drama as pessoas acreditam cegamente nela, eu apenas gostava porque.. bom, eu não sei porque mas eu amo ser ator. Fora isso, Lisa fazia canto e no segundo horário ela fazia companhia para o Monster, Já Hee vinha me acompanhar na dança. Para ele um artista completo tem que saber tudo e mesmo que ele não fosse dançar muito na sua vida, insistia naquilo. Sinceramente, o garoto não tinha talento para nada, mas quem sabe com os anos de pratica ele ficasse melhor.

Assim que chegamos no andar da nossa sala, tivemos que dar uma pequena corrida, Já que o professor estava quase entrando na sala e não podiamos entrar atrasados de jeito nenhum, fora que eu não queria manchar meu histórico. Eu podia ser a pessoa mais canalha daquela escola, mas minhas notas e desempenho escolar sempre foram ótimos.

Me direcionei para o meu lugar no fundo da sala e sentei-me, os alunos retiraram seus materiais da escola e o professor deu inicio as aulas. Como era começo das aulas ainda, o professor evitava passar aula pratica. Ele queria nos ensinar toda a parte teórica, para depois de entendermos tudo o que era passado começarmos a praticar.

A aula passou mais devagar do que de costume, Eu ja estava cansado de ficar três horas ali sentado. Teve um momento em que eu parei de prestar atenção e fiquei trocando bilhetinhos com Lisa, que sentava ao meu lado. De vez em quando eu jogava uma ou outra bolinha de papel em Taehyung, o melhor amigo do meu pior inimigo. Ele se sentava lá na frente, isso facilitava os meus planos de irritá-lo, pois ele não saberia nunca quem havia lhe tacado aquela bolinha de papel. E por mais que ele desconfiasse de mim, eu era um ótimo ator e disfarçava muito bem.

Quando o primeiro Horário se deu por encerrado Lisa e eu quase voamos para fora daquela sala, mas ao chegar no primeiro andar nós nos separamos. Ela ia para um lado e eu para o outro, passei no refeitório e comprei algumas barrinhas de cereais, havia trazido um energético de casa e comecei a comer aquilo com a maior pressa que ja tive em minha vida.

Eu andava até o prédio ao lado com a boca cheia de cereal e alternando em dar pequenos goles no energético, pude ver Hee me esperando perto das escadas e dei um graças a deus por ele ainda estar ali.

- Por que demorou? - Ele me perguntou olhando para a tela de seu celular enquanto nós dois subiamos aquelas escadas quase correndo.

- Fome..tive que comprar..alguma coisa para..comer. - Respondi um pouco desconfortavel por estar subindo aqueles degraus, minha respiração já. Estava ofegante e nós ainda estavamos no terceiro andar.

- Você tem que começar a comer direito antes de sair de casa, deixa só o Namjoon ver você assim.

- Ele sabe que eu não tenho fome de manhã. - Respondi simples revirando os olhos, o palhaço do meu lado querendo me dar sermão sendo que ja chegou a ficar dias sem comer só para "entrar nos padrões".

Gente, eu não como pouco como deve estar parecendo. Eu como pra' caralho, tudo o que me derem para comer eu tô comendo, sem frescura, sem nada. Que porra de padrão, o que. Boca foi feita para comer e enquanto eu tiver uma vou estar comendo, não sei como as pessoas conseguem passar dias sem comer. Se eu fico uma hora no máximo, ja vou estar fazendo drama de que vou morrer.

Assim que chegamos no estudio alguns alunos já se alongavam, outros conversavam animados em um canto e alguns se isolavam no celular esperando o professor chegar. Pela primeira vez na vida chegamos adiantados, o que resultou na minha pessoa indo trocar de roupa na maior lerdeza do mundo.

Hee não precisou se trocar, ele alegava sempre estar pronto para as surpresas da vida, ele sempre tinha tudo com ele e não é exagero, se vocês dessem uma olhada na mochila dele vão encontrar desde lanternas até um bote inflavél e não me perguntem o porque, eu realmente não vou saber responder.

Eu me sentei ao lado de Hee em um canto do estudio e comecei a dar uma olhada nas minhas redes sociais esperando os cinco minutos que tinhamos restantes para não fazer nada passarem, era enquanto eu dava risada sozinho de um video de nome "Cepo de madeira" que ele entrou na sala. Com o seu grupinho, eles riam alto e falavam no mesmo tom,vinham agarrados uns nos outros e nem se importavam de quem estivesse presente ali.

E era dele mesmo que eu estou falando.

Do meu pior inimigo.

Park Jimin.

Ele andava logo átras de seus amigos aoenas rindo baixo e sorrindo, Aquele sorriso.. aquele maldito sorriso, eu odiava aquele sorriso. Ele me parecia falso, não sei explicar mas me incomodava demais e fazia parte da lista de cinco motivos pelo qual eu odeio Park Jimin.

Número 1:

O fato dele estar no meu território.

Fala sério gente, quantos clichês vocês ja leram onde a escola/faculdade tinha dois populares? Aquilo era impossivel, estava errado. 

Aquela faculdade só tinha espaço para um rei, e esse rei era eu.

Número 2:

A sua beleza.

Porra, mano. Já não bastava ele ser considerado popular, ainda tinha que ser bonito? Haviam vários boatos de que ele se aproveitava da beleza para passar o rodo em todo mundo e puta que pariu, de novo. Ja tinha um pegador naquele lugar, que sou eu. Ele não precisa de outro.

Mas agora deixa um contar um segredo para vocês..

Park Jimin não foi sempre desse jeito, ele nem sempre teve o corpo malhado, o rosto impecavel e o cabelo invejavél. Nós viemos do mesmo colégio do ensino médio e ele era o garoto estranho, o gordinho excluido de tudo e de todos, ele sempre teve os mesmos amigos e me pergunto como eles o suportavam naquela época. 

Eu não teria coragem de andar com ele, devia ser constrangedor.

Número 3: A intêligencia

Que ele é inteligente todo mundo sabia, todo mundo sabe e bom... Ele sempre foi.

Número 4:

O maldito sorriso.

Eu odeio o fato de sentir como se aquele sorriso fosse falso, a maneira como os olhos dele se fechavam cada vez que ele sorria me irritava e principalmente quando ele sorria de lado depois de me xingar.

Número 5:

A gentileza.

Pelo amor de deus gente, não é possivel alguem ser gentil 24h por dia. Sempre me contavam que ele era todo sorrisos pelo campus, sempre ajudando os novatos, sendo elogiado pelos veteranos e puta merda, até comigo ele era gentil e olha viviamos nos xingando.

Eu sai dos meus pensamentos quando senti que seu olhar estava sobre mim, assim que lhe encarei de volta o mesmo sorriu e acenou para mim. A única coisa que fiz foi fechar a cara de desviar o olhar, ainda pude ouvir ele comentando com seu amigo Taehyung sobre eu já acordar com o rabo virado para a lua.

- Bom dia, Kook. - Ele me disse se aproximando com o sorriso de canto nos lábios.

E eu não sei o que deu em mim, eu só não consegui responder com uma provocação de cara, ficava olhando para o seu sorriso e o amaldiçoando mentalmente, mas logo voltei a realidade quando o escutei rir da minha cara.

Sim, ele estava rindo de mim.

- Você deve me amar, né? - Perguntei pegando minha garrafinha de àgua da mão de Hee que estava calado ao meu lado e dando um longo gole na mesma. - Poxa, Jimin. Ainda são onze horas da manhã e você já vem se declarar.

Ouvi alguns alunos soltarem pequenas risadas, risadas essas que só aumentaram meu ego. E ainda mais quando o sorriso de Jimin sumiu, dando lugar a uma expressão irritada.

- Espero que você tenha um dia fodidamente fodido, biscoito. - Me deu um sorriso novamente antes de mandar um beijinho no ar e me dar as costas passando as mãos no cabelo.

E só agora eu havia reparado, seu cabelos não estavam mais ruivos, ele não tinha mais aquele ruivo salsicha na cabeça e sim um rosa claro. Enquanto ele fingia não dar a minima para os alunos o secando descaradamente, eu arquitetava meu plano de vingança e garanto que ele iria se arrepender de mexer comigo.





Era definitivo, eu odiava Park Jimin.

Park Jimin é o meu pior inimigo.



Notas Finais


Só para deixar claro, eu não apoio nenhum tipo de humilhação -__-
Jeon Jungkook que é babacão mesmo, me digam o que acharam e o que pode acontecer no próximo? Ainda teremos um capitulo narrado pelo Jimin, ainda não sei se será o próximo.


Música da frase usada no capítulo ⤵
Link: https://youtu.be/ntkLP26htZA

Música do despertador ⤵
Link: https://youtu.be/DTcKkcyS410

Minha One-shot do Jimin ⤵

O suicidio de Park Jimin
Link: https://spiritfanfics.com/historia/o-suicidio-de-park-jimin-9715956

Minha história Yoonmin⤵

Angel's love
Link: https://spiritfanfics.com/historia/angels-love-yoonmin-vhope-9189217

Espero que tenham gostado, até o próximo capitulo.


KISSUS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...