História Como NÃO terminar um namoro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Visualizações 50
Palavras 2.591
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fluffy, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Slash, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Primeiramente: AAAAAAAAAA, DESCULPE A DEMORA!! 

Eu sou burra, entt perdoa a tia por n saber se organizar ;3; Só pq demorei n quer dizer que esqueci de escrever, tá? Em momento nenhum penso em desistir desse bebê, só está sendo complicado para organizar meu amigo tempo (~ –3–)~

Segundamente: Queria mto agradecer aos favoritos e aos comentários do primeiro cap :3 Vcs foram tão amorzinhos comigo que eu fiquei até sem graça >< Mto obrigada mesmo, mesmo, mesmo! <3

Ah, e não pensei que eu esqueci do enterro da bichinha da Emiko, okay? Ele ainda vai acontecer, infelizmente ;3;

Espero agradar vcs com esse capítulo que escrevi com mto amor (principalmente pq o Utt tá nele <3)

Hey! Eu decidi que, embora a fanfic seja narrada em terceira pessoa, focarei em cada um a cada cap. Mostrando os sentimentos conforme as coisas acontecem, sabe? E decidi que esse focaria no Jimin <3 Assim como o próximo vai focar no Jungkook-senpai ><

~Boa leitura! ^^
[HAPPY BIRTHDAY MOCHI!]

Capítulo 2 - Anywhere


Fanfic / Fanfiction Como NÃO terminar um namoro - Capítulo 2 - Anywhere

Capther Two. – Anywhere



– Vai levar tudo isso mesmo? – Jimin indagou reparando no tanto de roupa que Jungkook tentava socar dentro da mala, que depois de muito tempo, conseguira encontrar.


– Óbvio. – respondeu assim que conseguiu fechar a mala. – Na Argentina deve estar muito calor, mas também pode esfriar do nada, então temos que levar o máximo de roupas possível. – puxou a mala para o chão, a arrastando até a porta do quarto. – Falou com Yuan? – se referiu ao chefe de Jimin.


– Ye. – se espreguiçou um pouco e se aproximou do moreno. – Ele disse que posso ficar fora por alguns meses. – suspirou. – Olha, sobre a briga, eu...


– Tá tudo bem, bebê. – o moreno disse sorrindo, achando graça da carinha de falsa indignação do ruivo, devido ao apelido que usou, e que Jimin odiava. – Eu sei que eu sou um babaca inconveniente às vezes. – sempre. Jimin quis completar. – Mas eu te amo. – sorriu, abraçando o outro pela cintura e colando seus narizes, vendo as bochechinhas do ruivo adquirirem um tom mais vermelho que o normal.


– Eu sei, eu também. – retribuiu o sorriso, entrelaçando os braços atrás do pescoço de Jungkook, afundando seu rosto o pescoço do outro, precisando ficar na ponta dos pés para alcançar a altura dele. – Perguntinha. – se afastou um pouco, apenas para encará-lo nos olhos. – Você por acaso fala Espanhol? Porque eu não.


– É... Falar, tipo, falar, eu não sei direito, não sou fluente, mas eu entendo algumas coisas. – riu de leve. – Mas relaxa, vamos ficar junto com minha família, então só precisaremos falar coreano mesmo. – soltou Jimin e foi novamente ao guarda-roupa, caçando uma roupa qualquer para si e outra para o Park. – Tó, vai tomar um banho e veste isso aí. – atirou as peças no outro, que por reflexo, as agarrou antes de irem de encontro ao chão. – Pode ir primeiro, eu espero.


– Nhaa... – resmungou preguiçoso. Jimin não era uma pessoa porca, mas também não tinha nenhum caso de amor com banhos. – Você não pode vir comigo? – fez um biquinho.


– Por mais que seja bastante tentador, tipo, caralho, você é muito gostoso! – sorriu ladino, vendo o ruivo revirar os olhos, com um sorriso não tão diferente. – Mas temos que ser rápidos, então nada de carinho agora. – Jungkook ditou, fazendo o Park choramingar, e depois de fazer uma mini birra, apenas assentiu e entrou no banheiro, fazendo o que lhe foi dito.





A música que tocava nos fones de Jungkook o isolava do resto do mundo, por assim dizer. Era um do poucos momentos em que o moreno podia realmente relaxar, esquecer de seus problemas, e simplesmente aproveitar o momento.


Ou quase isso.


– Se esse avião cair e eu morrer, eu vou ficar puto! – o ruivo dizia, apertando o braço do garoto ao seu lado. – Como é possível um troço desse voar? – gesticulava de forma exagerada, tentando não se desesperar. Apenas tentando mesmo.


– Jimin, cacete, se acalma. – pediu o mais novo. Já não aguentava mais ele reclamando do quanto estava odiando cada segundo ali, sentado dentro do avião, encarando a aeromoça como se estivesse pedindo por ajuda, às vezes sussurando um "help", apenas aguardando o momento em que "monstro de metal" decolasse.


– Meio difícil para uma pessoa com medo de altura dentro de um avião! – cerrou os olhos. – Eu não me sinto muito bem!


– Mamãe, aquele tio está com medo do avião! – ouviu o garoto que estava sentando poucas cadeiras em sua frente, dizer, rindo e apontando para sua cara, que agora demonstrava total indignação.


– Me segura que eu vou dar na cara dele... – sussurrou para o namorado, cravando suas unhas no braço dele, apertando fortemente, até que ouviu um "Tá doendo, para!" de Jungkook.


O moreno revirou os olhos. Ouviu a aeromoça avisar que deveriam desligar os celulares e assim o fez. Encarou Jimin por um tempo, achando graça em perceber que o ruivo olhava para todos os lados, observando as pessoas que dividiam o espaço com ele.


– Olha ali... – sussurrou indicando uma mulher duas cadeiras ao seu lado, vestida de freira. – Freira em avião significa desgraça. Que ótimo, estamos condenados! – quase gritou, chamando atenção de algumas pessoas, que o encaravam com um semblante irritado. Recebeu uma cotovelada de seu namorado.


– Shh... Quieto! – bateu na perna do ruivo, o repreendendo. – Só... Tenta dormir, ok? – sorriu, apertando as bochechas do outro. – Pense no quão legal vai ser! Tem muitos esportes legais para fazer, e nessa época do ano deve estar na primavera, sua estação preferida! – o encarou com um semblante infantil, levando o ruivo a afagar os fios enegrecidos do Jeon. – Veja o lado bom, sim?


– Tudo bem... – soltou o ar dos pulmões de forma cansada, assentindo brevemente e sorrindo fraco. Jimin era o tipo de pessoa que sempre via o lado negativo da situação, então para ele, essa seria uma tarefa complicada.





– Como eu amo o chão! – só faltava Jimin se atirar no chão e o beijar devido a tamanha felicidade que o mesmo sentia.


Enquanto ambos desembarcavam, algumas pessoas os olhavam feio, já que, pouco antes do avião pousar de vez no território Argentino, o ruivo só conseguia gritar "Freia, freia essa merda!" aos quatro ventos, não se importando com a opinião alheia. Jungkook só queria se enterrar em algum canto para não ter que lidar com aquilo.


– Está chamando muito atenção! – Jeon repreendeu o mais baixo, mas Jimin estava ocupado demais não se importando para dar ouvidos ao que o namorado dizia.


– Eu tô com tanta fome... – murmurou. – Cadê minha mala? Onde que fica a saída disso? – perguntava desenfreado, olhando para os lados, analisando todos e procurando o que desejava. –  É que eu 'tô nervosa...


– Acho que é ali. – o moreno apontou poucas metro à sua frente, tendo a visão de uma fila relativamente grande que dava em uma mesinha, onde uma mulher estava sentada. Provavelmente a "recepção". – Vamos. – agarrou o pulso alheio e guiou Jimin para tal lugar.


Além do fato da recepcionista do aeroporto não saber os informar como se chegava em seu destino, a mala acabou sendo redirecionada para outro vôo, ou seja, sem roupas, carregadores, câmera, notebook, e etc.


– Não acredito... – disse. – Como vamos chegar lá? Aish, eu sabia que isso seria uma má ideia... – Jimin cruzou os braços.


– Se acalma! – o moreno já estava se irritando. – Vamos perguntar para alguém onde é, ok? Só se acalma. – recebeu um breve aceno por parte do outro.


Logo direcionaram o olhar a uma garota loita logo à frente. Parecia ter a mesma idade que ambos, ou até mais nova, e conversava distraidamente com uma outra garota, morena, e um pouco mais baixa que si.


– Licença...? – indagou meio incerto, não queria atrapalhar ou trazer incômodo para ambas, já que pareciam bastante ocupadas.


– Ahn? – assim que loira virou-se em sua direção, o moreno pode perceber que tanto ela quanto a de cabelos negros possuíam traços asiáticos, então não se preocupou em usar sua língua nativa com elas. – Ah, sim, algum problema? – perguntou um pouco rude, os olhando de cima à baixo com uma cara não muito amigável.


"Esnobe", o Park quis ressaltar em alto e bom som, mas segurou sua vontade de ser inconveniente.


– Queremos saber como se chega em Buenos Aires. – o ruivo tomou a frente da conversa, não tinha ido muito com a cara da morena, muito menos com a da loira, e apenas queria a droga da informação para poder ir embora dali. – Sabem como?


– Buenos Aires? Estamos indo para Florida, um bairro de lá, podemos dar carona à vocês, certo Lisa? – a morena indagou sorridente, olhando em direção à outra, que apenas fechou mais a cara, cruzando os braços e suspirando irritada.


Lisa parecia não gostar de ajudar estranhos, e realmente não gostava.


– Também estamos indo para esse bairro, sem importam de nos levar até lá? – Jungkook estava sendo educado.


– Claro que não, podemos ajudar! – sorriu simpática. – Meu nome é Chaeyoung, mas pode chamar de Rosé, ou Roseanne, como preferir, e essa é minha namorada Lalisa, mas pode chamar de Lisa, se quiserem. – apresentou-as, estendendo a mão para cumprimentar os garotos, ato que foi prontamente atendido pelo moreno e pelo ruivo, este que embora um pouco hesitante, sorriu igualmente à ela.


A loira sentiu uma cotovelada em sua costela, e apenas por obrigação estendeu a mão também, sorrindo cinicamente.


No caminho para o estacionamento, lugar onde o carro de Lisa se encontrava, ambos os casais jogavam conversa fora. Se surpreenderam ao descobrirem que as garotas também estavam à caminho do enterro de Emiko. A morena era amiga da família Jeon, embora nunca tivesse conhecido Jungkook.


– Sinto muito por sua avó... – Lalisa pela primeira vez iniciou um diálogo descente com os meninos, já que suas respostas anteriores para qualquer pergunta feita por um dos dois resumia-se em "Não te interessa" ou "Cale a boca". A culpa não era dela, não gostava de gente estranha usufruindo de sua não tão boa vontade, além de quase sempre ser uma pilha de nervos, e se irritar por motivos não tão relevantes. Mas no fundo era uma boa pessoa.


– Eu também sinto... – murmurou um pouco cabisbaixo.


Mesmo que não fosse tão chegado à Emiko quanto queria, Jungkook sentia pena dela. Lembrava de sua infância, quando nas férias, viajava para visitar a velhinha, que morava junto aos seus tios e primos. Lembrou de quantas vezes ela tentou o entupir de besteiras e das vezes em que ela o dava bronca por ter quebrado algo, ou por ter incentivado seus primos a fazer merda.


Riu ao se lembrar de tudo. Riu sem humor.



– Elas chegaram! – assim que a loira estacionou o carro, uma voz feminina gritou, e a imagem de uma garota de cabelos rosados bem escuros surgiu, correndo apressada em direção ao veículo.


– Jisoo! Quanto tempo, né? – Lisa sorriu, indo abraçar a amiga, sendo seguida por Rosé, que fez o mesmo.


– Sim, mas fico feliz que tenham vindo, e... Oh, vocês também estão aqui! – direcionou o olhar para Jimin e Jungkook, que até então não estavam entendendo nada. – Devem ser Jungkook e Jimin, certo? – sorriu amigável, curvando-se levemente. – Meu nome é Kim Jisoo, prazer em conhecê-los.


– Meu nome é Jeon Jungkook, e o dele é Park Jimin. – gesticulou, sinalizando a si mesmo e logo depois o ruivo. – Você me é familiar...


– Imaginei que seria. – riu de leve. Jisoo parecia ser bem simpática, na percepção do ruivo. – Sou prima de Kim Taehyung, creio que deva conhecê-lo, sim?


– Taehyung? Ele está aqui?! – um enorme e brilhante sorriso surgiu em seus lábios, e logo uma agitação tomou conta de si. – Eu preciso vê-lo! – uma vontade súbita de dar pulinhos de alegria lhe invadiu, no entrando segurou-se. Jimin, por outro lado, que já não estava muito satisfeito com o dia conturbado, passou a odiar ainda mais a viajem quando ouviu o nome daquele possível pentelho. Quem esse idiota pensava que era para roubar a atenção de seu namorado de si? – Ah... Yoongi também está aqui? – indagou o moreno um pouco mais sério, afinal, tinha uma relação um pouco mais... Complicada com seu primo.


– Ele está sim. – outra voz feminina fez-se presente. – Sou Kim Jennie, prazer em conhecê-los. – curvou-se brevemente, passando o braço em torno da cintura da rosada e a olhando de forma possessiva, logo voltando o olhar para os dois logo à frente, como se dissesse: "É meu, portanto não mexa, não olhe, e não encoste." – Por que não entram? – sorriu forçadamente, fazendo um gesto para que eles a seguissem.


Abrindo o portão da cerca branca que dividia o jardim florido da calçada, e passando em meio às flores branquinhas e pelo caminho de pedregulhos cravados no chão, chegaram à porta da casa, se é que poderiam chamar aquilo de casa. A casa era tão grande por fora quanto deveria ser por dentro, e com certeza seria bem fácil se perder em meio aos corredores e cômodos dali.


– Kook-ah! – e mesmo não conhecendo o dono daquela voz, Jimin já podia ter uma ideia de quem seria, e ele rinha certeza que já não gostava dessa pessoa.


Parou seus olhos em um garoto de cabelos loiros claros, e bem sorridente, sorridente demais para si. Seu sorriso poderia até ser considerado fofo e diferente por ser quadrado, – algo que até então nunca tinha visto–, se não pertencesse a seu futuro inimigo.


– Quanto tempo! – praticamente se atirou noa braços alheios enquanto sorria e repetia "Quanto tempo." "Nossa, você está lindo". Jimin pensou que vomitaria a qualquer minuto.


– Ei. – pigarreou, chamando atenção do oxigenado, como "carinhosamente" o chamaria dali em diante. – Posso saber quem é você? – perguntou visivelmente enciumado. Ok, talvez estivesse exagerando, afinal, ele podia ser algum parente que o moreno não via fazia bastante tempo e talvez só estivesse atrapalhando aquele "encontro familiar".


– A- Ah, sou Kim Taehyung. – sorriu amigavelmente, lhe oferecendo a mão para que o ruivo a apertasse, porém o mesmo ignorou tal ato, o que fez com que o outro se sentisse constrangido, e continuou a encará-lo desconfiado.


– Esse é meu namorado, Park Jimin. – o Jeon sorriu, puxando seu bolinho para mais perto de si, o envolvendo em um abraço de lado.


– Prazer. – disse simplesmente, contendo a vontade de rir da cara desapontada que o loiro havia feito; aquilo pelo menos afetou-o um pouco.


Seguiram rumo para dentro da casa, e assim como o imaginado, era enorme por dentro. A sala parecia ser o maior cômodo, sendo ocupada por móveis, uma TV, uma mesa de jantar e dois sofás, estes que poe sua vez eram ocupados por pessoas, e uma delas em especial chamou a atenção do ruivo.


Cabelos verdes.


Mas não, não eram simplesmente verdes, eram verde-menta, talvez verde-água, um verde realmente lindo. O dono dos fios esverdeados também não era nada mal, embora não parecesse muito amigável no momento.


– Jimin. – ouviu a voz de seu namorado lhe chamar. – Esse é... Yoongi. – disse um pouco hesitante, e conhecendo seu namorado do jeito que só ele conhecia, sabia que ele estava claramente desconfortável com a situação.


O esverdeado limitou-se a analisar o ruivo de cima a baixo, como se pudesse ver sua alma, e sorrir ladino para o mesmo, ato esse que além de não passar despercebido por seu namorado, também deixou-o desconfortável.


Não que Yoongi estivesse interessado no baixinho, apenas o achou bonitinho, e usou isso para zoar com a cara de Jungkook.


O moreno, por alguns longos segundos, encarou profundamente seu primo, querendo saber qual era a dele. Jungkook podia ser muitas coisas, mas Jimin sabia que dentre todas suas características, ele era extremamente possessivo com o ruivo, ou com qualquer coisa, na verdade.


Isso fazia Jimin sentir-se exatamente assim. Como uma coisa.


– Que tal conhecerem o quarto de vocês? – Jisoo perguntou assim que percebeu que deveria intervir de algum jeito naquela tensão que fazia-se presente.


– A- Ah, certo. – concordaram e se prepararam para seguir a rosada para o os ndo andar,  local onde presumiam ser o quarto.


– Eu posso levá-los, que tal? – Taehyung se ofereceu.


– Não. – recebeu em um tom seco por parte do ruivo que sinceramente, não tinha ido com a cara do loiro nem um pouquinho. 


– Tudo bem, então... – abaixou o tom de voz,  envergonhado.  Não gostava de saber que não agradava o ruivo.


O Park ignorou a reação do outro e virou-se para as escadas logo atrás de Jisoo, agarrando o pulso do namorado para garantir que ele não ficaria nem mais um minuto perto daquele loirinho oxigenado. Ok, eles estavam "brigados", por assim dizer, mas mesmo assim eles mantinham carinho um pelo outro, e até ouvir sair da boca do outro um "acabou", se consideraria namorado dele.


E mesmo tentando se concentrar em subir os degraus e não acabar tropeçando, era quase impossível não sentir o olhar intenso e concentrado do chamado Yoongi sobre suas costas.


É, ele realmente tinha simpatizado com o namorado de seu primo.


Notas Finais


•DESCULPE OS ERROS, NÃO PRECISAM PEGAR A CADEIRA AI DE CASA E ME BATER! EU TENTO, JURO!•

sobre o cap:
SENTINDO CHEIRO DE PORRADARIA? Talvez.

AAAAAAAAAAA, MAIS ALGUÉM SURTANDO COM O NIVER EO NOSSO BOLINHO DE ARROZ – VULGO JIMIN?
PQ EU TÔ MTO LOKA, SURTANEO DMS NO TT!

Enfim... Bjinn e até outro capítulo :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...