História Como Resistir ao Inimigo (Adaptacão Camren) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren
Exibições 1.007
Palavras 2.240
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Lemon, Luta, Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - 8


Camila passou o dia resumidamente em pânico, derrubou uma bandeja o que fez Diana gritar com ela, que nem ouviu. Seus nervos estavam a flor da pele, a noite quando foi liberada foi direito pro banho.
 

Passou muito mais tempo lá que o normal, como se estivesse se escondendo, depois foi até a cozinha tomar um copo de água e se acalmar. Lauren deveria estar dormindo a essa hora, pensou enquanto ia pro quarto. Ela estava ficando psicótica, Camila entrou e fechou a porta, segurando-­a indecisa, por fim decidiu trancá-­la respirou fundo: estava segura agora. Se pôs a acender as velas do quarto, iria ler enquanto o sono não vinha , quando se virou para aceder a última o quarto já todo iluminado, foi que viu Lauren lá dentro, encostada na parede. Ela hiperventilou.
 

Lauren: tu trancou a porta – observou encostada na parede de braço cruzados, estava como na primeira noite, descalça, de calça, camisa e colete.
 

Camila: tranquei – assentiu empedrada.
 

Lauren: sabias que eu viria e ainda assim a trancou – observou pensativa – estás com medo de mim?

Camila: não.
 

Lauren: Camila – repreendeu.
 

Camila: um pouco – admitiu e Lauren sorriu, seu coração tomou um choque ao vê-­la se desamparar da parede indo em direção a ela.
 

Lauren: não é necessário, não vou machuca-­la – assegurou.
 

As duas se encararam por um minuto, Camila nem acreditava que ela estava ali, então algo passou pela cabeça dela.
 

Lauren: mas isso – ela viu a mão de Lauren se erguer e tremeu quieta em seu lugar, mas ela não tocou seu rosto, buscou seu cabelo.
 

Camila viu ela remover o laço que prendia o cabelo, os cachos caindo soltos por suas costas.
 

Lauren apanhou um punhado do cabelo dela, tocando os cachos eram tão macios quanto ela pensou que era, sedosos, lisos. Ela trouxe o rosto até o cabelo dela aspirando seu perfume.
 

Camila: o que estás fazendo? – perguntou ainda empedrada.
 

Lauren: um antigo desejo – disse passando o nariz dos cabelos dela e desceu pro pescoço, Camila recuou mas ela a segurou – calma ou vai se machucar – alertou.
 

Lauren aspirou o perfume dela como quem degusta um vinho, então ergueu o rosto a encarando.
 

Lauren: não tenha medo – disse vendo sua expressão assustada – vai ser bom – prometeu levando os lábios até o rosto dela, que fechou os olhos ainda quieta.
 

Os lábios dela beijaram todo o rosto de Camila até chegar na boca, Lauren a olhou continuava de olhos fechados a mesma expressão inocente. Então ela sentiu os lábios de Lauren pressionando os seus e se manteve quieta, Lauren estranhou.
 

Lauren: o que há? – perguntou beijando os lábios dela como quem busca permissão pra algo, mas ela não o correspondia.
 

Camila: fiz algo errado? – perguntou ansiosa.
 

Lauren: não – na verdade ela não fizera nada, isso era o errado, ela a encarou.
 

Camila: perdoe – disse corando mais ainda, Lauren a encarou esperando – eu não... não sei o que fazer.
 

Lauren: você.... – ela nem terminou a frase.
 

Ela era virgem, mais isso era evidente demais, a inocência dela era completa e absoluta e Lauren estava prestes a rouba­la. Deus, não sabia nem como beija­la.
 

Lauren: eu não devia fazer isso – disse a si mesma, não tinha nada para oferecer a ela ainda assim iria roubar sua pureza –mas já e tarde – disse e Camila não sabia se ela falava com ela ou consigo própria.
 

Camila: o que é tarde? – perguntou angustiada.
 

Lauren: nada – disse acariciando o rosto dela – faça o que eu te disse pra fazer e tudo correra bem, sim? Camila assentiu basta ver no que isso vai dar.

Lauren: abra os lábios – orientou e ela entreabriu os lábios, Lauren avançou abraçando-­a pela cintura novamente, Camila sentiu os lábios dela pressionando os seus lábios entrando em sua boca. Era estranho, mas não era tão mal, ela receosa e hesitante pôs as mãos no peito de Lauren nem rejeitando nem aceitando.
 

Lauren massageou a língua dela com a própria e ela achou que devia fazer o mesmo, logo de modo natural as duas se beijavam. Camila não conseguia respirar direito assim, mas era bom, as mãos de Lauren apertaram a cintura dela e ela sentiu o beijo se tornar mais esfomeado mais abrupto, ela não conseguia acompanhar direito assim. Então as mãos de Lauren subiram pela barriga dela e apanharam o feixe da camisola de Camila abrindo-­o.
 

Camila: não – disse livrando-­se do beijo e tapando­-se, mas Lauren a segurou – me solta – pediu mas ela não soltou, estava presa – o que está fazendo? – perguntou confusa e envergonhada.
 

Lauren: já disse, calma – disse mas a inocência dela causava ainda mais tesão em Lauren.
 

Camila: me solta – pediu e Lauren a soltou. Ela recuou um passo segurando a camisola aberta.
 

Lauren: eu disse pra mim obedeceres não? – Camila assentiu, Lauren foi até a cama dela sentando-­se na borda e bateu no próprio colo de leve – vem senta­ aqui.
 

Camila ainda segurando as mãos encima do vestido caminhou hesitante até ela, se sentou no colo dela mas de lado, Lauren sorriu consigo mesma e a encarou vendo o rosto confuso de Camila. Camila nem percebeu como, mas Lauren a ergueu levemente fazendo-­a se sentar de frente pra ela, com Lauren entre suas pernas.
 

Lauren: solte – disse apanhando as mãos de Camila – confie em mim – disse vendo a expressão dela – não vou te machucar – insistiu e ela conseguiu após uns instantes, remover as mãos de Camila, os seios brancos ficaram expostos a Lauren frente a seu rosto, Lauren ergueu uma mão tocando um seio levemente e Camila estremeceu.
 

Lauren: são preciosos – disse em um murmúrio e Camila sentiu ela dar um beijinho em seu colo.
 

Se mantinha parada os braços caídos do lado do corpo esperando a próxima ordem. Então abruptamente Lauren abocanhou um dos seus seios, Camila arfou surpresa mas não a afastou, Lauren passou os lábios delicadamente em volta do mamilo de Camila e em seguida a língua de modo demorado como se provasse. Primeiro um seio depois outro. Provava um e tinha o outro na mão. Camila estava confusa, aquilo era... diferente. Lauren sentiu aos poucos os mamilos de Camila se tornarem túmidos duas perolas em suas mãos e sorriu, brincou com os seios dela demoradamente sabendo que ninguém poderia atrapalha­-las ou interrompe-­las até que a pele branca começou a ganhar marcas vermelhas, Camila permitiu, a respiração acelerada até que uma mão de Lauren passou por sua coxa apertando e subiu pra dentro de sua camisola. Camila estremeceu novamente a mão segurando a de Lauren, Camila já era fraca e estava debilitada, então é claro que Lauren estava vencendo.
 

Camila: não – disse tentando afastar a mão de Lauren.
 

Lauren suspirou se controlando e ergueu o rosto pra ela, os olhos castanhos estavam intensos, dilatados.
 

Lauren: está com medo agora? – perguntou umedecendo os lábios
 

Camila: estou – admitiu olhando-­a.
 

Lauren: não tenha, apenas relaxe e deixe que eu faço o resto. Mas se deter todo o tempo passaremos a noite toda assim baby ­- disse paciente, se Camila soubesse o quanto a inocência dela excitava Lauren, talvez a tivesse dado passe livre, Camila assentiu.

Lauren trouxe o rosto dela para si beijando­-a novamente, as mãos subiram por debaixo da camisola de Camila novamente, mas dessa vez contrariando sua vontade ela deixou.
 

As mãos de Lauren apanharam o traseiro de Camila apertando com vontade e Camila arfou dentre o beijo, surpresa. Lauren levou a boca até o pescoço dela, devorando­ a pele enquanto as mãos continuavam a apalpa-­la.
 

Camila: o que eu devo fazer? – perguntou arfando.
 

Lauren: o que tens vontade de fazer?
 

Demorou uns minutos até que as mãos tímidas de Camila buscaram o colete de Lauren. Camila não sabia como aquilo funcionava, ela só achava que uma vez que Lauren retirava sua roupa ela tinha o direito de retirar a dela e em seguida desabotoou a camisa. Lauren só largou as mãos dela pra ela poder remover a peça. Uma vez tendo o peito dela desnudo Camila achou que estavam em pé de igualdade. Lauren continuava beijando­-a, mordendo-­a, parecia faminta. Camila se sentiu estranha, algo se afoguea-va dentro dela.
 

Ela tímida vendo que Lauren  beijava deu um beijinho tímido no ombro dela, traçando os dedos pelos músculos de Lauren, sentindo seus carinhos e era impossível ser mais inocente. Foi inocente até quando sentiu algo desconfortável debaixo de si, Camila se remexeu tentando desfazer aquilo, e sentiu a mão de Lauren apertando­-a, não entendeu. Então do nada Camila se inclinou pra frente consequentemente forçando as intimidades das duas. Camila gemeu tomada por uma sensação que não conhecia e que era muito boa e Lauren arfou parando que fazia.
 

Camila: o que...? – perguntou atordoada.
 

Lauren a apanhou pela coxa repetindo seu ato. Uma vez, duas, três... de modo demorado, lento e intenso. Camila gemeu de novo deliciando.
 

Lauren: é bom? – perguntou com um toque malicioso na voz. Camila assentiu corando, ela gostava verdade seja dita.
 

Mas assim que ela dissera que era bom Lauren a tirou de seu colo pondo-­a deitada na cama com a cabeça no travesseiro, Lauren passou pra cima dela se ajoelhando na cama antes para abrir o cinto.
 

Camila: o que há? – perguntou confusa, Lauren após se livrar do cinto abriu as pernas dela se pondo entre elas – o que está fazendo? – perguntou assustada.
 

Lauren: vou fazer ficar melhor – prometeu e antes que Camila pudesse dizer algo Lauren a beijou novamente.
 

Camila gostava quando Lauren a beijava, era bom, ela levou uns instantes para se adaptar com o peso de Lauren cima de seu corpo mas gostou disso também tinha uma mão no rosto dela, delicadamente e a outra acariciando suas costas, foi surpresa quando a mão de Lauren encontrou a intimidade dela, os dedos sondando­-a, Camila se assustou mas o beijo dela não permitiu que ela o afastasse. Lauren sorriu consigo mesma ao sentir seus dedos úmidos.
 

Mesmo sem saber o que fazia Camila estava excitada por ela.
 

Lauren: me dá tua mão – pediu apanhando a mão de Camila que estava em seu rosto, ela sentiu Lauren enlaçar os dedos com os seus. Gostou do carinho mas não o entendeu, Lauren a beijou novamente por minutos até que ela sentiu a intimidade de Lauren força a sua. Naquele momento ela entendeu o que Lauren ia fazer e teve medo. Lauren sentiu ela se encolher debaixo dela.
 

Lauren: fique calma, relaxe e vai ser melhor –instruiu beijando-­a ela deu tempo até Camila se destravar e se pos a invadi­la, todo seu corpo gritava para que a violasse logo, mas algo lhe dizia que não seria justo machuca-­la ainda por cima. E assim seguiu polegada por polegada até que a resistência veio. Lauren parou pensando em um jeito melhor de fazer aquilo mas só havia um, Camila já tinha o rosto afundado no ombro de Lauren, o cenho franzindo e apertava a mão dela. Lauren a beijou, distraindo-­a então ela sentiu uma fisgada forte de dor. Piorou depois e Camila gritou, as unhas cravada nas costas de Lauren.
 

Lauren se moveu lentamente quase parando tentando ajuda-­la mas Camila se travou e só piorou tudo
 

Camila: não – quase gritou.
 

Lauren: shiu – disse tentando acalma-­la.
 

Camila: NÃO, para, sai – disse empurrando­-a.
 

Lauren: não posso – ordenou prendendo os braços dela, ela soluçou agonizando – me escuta. Se eu parar agora vai ser pior, vai doer mais. Eu já vim até aqui e não vou voltar, então facilite pra nós duas – instruiu.
 

Camila: isso dói – gemeu o cenho delicado franzindo.
 

Lauren: é só porque você está com medo e nervosa, o pior já passou, relaxa e vai parar. Eu prometo.
 

Camila não tinha opção, ela a beijou novamente por mais que Camila gostasse do beijo de Lauren aquilo ainda doía, ela respirou fundo tentando se acalmar, como Lauren dissera. Quando Lauren se moveu de novo Camila apertou sua mão, esperando pela dor.... mas ela não veio.
 

Camila abriu os olhos, olhando o teto, confusa. Lauren continuou se movendo cada vez com mais força. Agora que já havia violado o instinto de Lauren preso há quase 5 anos, estava livre. Logo ela a possuía agressivamente o corpo oprimindo-­a, exigindo Camila tudo o que era possível dar.
 

Camila estava confusa, estava sentindo dor. Mas aquilo não era bem dor. O que era aquilo? Ela sentia o corpo todo convulsionando, sua respiração estava difícil, algo nela parecia prestes a estralar. E a medida que Lauren investia nela com mais força se tornava melhor. Camila gemeu afundando o rostos no ombro dela, logo Camila não tinha mais controle e Lauren tampouco.
 

A viola-ra e agora queria possuir tudo o que tinha direito. O corpo de Camila se debatia sob as investidas dela, mas Camila não reclamou mais, aquela dor era muito boa pra ela pedir que Lauren parasse.
 

Então Lauren a beijava e ficava ainda melhor, os gemidos de Camila vinham com naturalidade assim como os dela, ambas morrendo ali, entre as duas amantes.
 

Havia horas que devido a brutalidade de Lauren voltava a ser dor, mas Camila não se queixou mais. Tempos depois algo pareceu se formar dentro dela, algo violento, prestes a explodir... e o orgasmos dela veio com a mesma violência com a qual Lauren a consumiu.
 

Camila deixou escapar um gritinho e se deixou perder naquela sensação nova. Lauren gozou logo depois se apertando a ela. As velas que sobraram já estavam baixas, a luz do quarto era quebrada. O único som que houve por um tempo foram os ofegos das duas.
 

Lauren: tu estás bem? – Camila assentiu quieta.
 

E nada mais foi dito.....
 


Notas Finais


Oque acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...