História Como se fosse a primeira vez (Pelfi) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Exibições 18
Palavras 1.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OIE. Era pra eu ter postado domingo, eu sei, mas tive uns probleminhas e.e sou cheio de problemas, meus leitores mais antigos sabem disso XD n vou enrolar aqui n, vms direto pro cap, vejo vcs nas notas finai u.u

Capítulo 2 - Tudo era perfeito


Ah, olá, vejo que você está de volta, pelo visto ficou curioso pra saber mais sobre a história. Bem, já que quer saber, eu vou contar mais uma parte dela hoje, vou contar a parte de como estava tudo perfeito, e de como era estranho o fato de parecer que nos conhecíamos a vida inteira em apenas tão pouco tempo. De como tudo era perfeito...

 

Capítulo 2 - Tudo era perfeito

Assim que eu e Delfi saímos do Roller, nós simplesmente fomos andar um pouco por aí, caminhar na praça que tinha perto do Roller e conversar um pouco, ouvir sua voz era tão bom, eu nunca me cansaria de ouvi-la contar sobre ela, sobre os seus gostos, sua família, a qual ela era muito apegada, enfim, sobre tudo. Eu a olhei e sorri, ela ficou meio sem graça e encolheu um pouco a cabeça, o que a fez ficar muito fofa e eu sorrir mais ainda.

- O que você tanto me olha? - ela estava visivelmente sem graça.

- Eu to te admirando - voltei a olhar pra frente - ouvir o som da sua voz é maravilhoso, e você fica muito fofa quando está envergonhada, e tem a mania de esconder seu rosto quando ficam te encarando porque fica com vergonha do olhar estranho das pessoas sobre você - quando eu terminei sua boca ficou aberta em um perfeito "o", como se eu tivesse feito sua biografia, eu dei uma leve risada com sua reação.

- Como você consegue perceber tanto sobre as pessoas? - ela ainda estava meio pasma, mas já olhava pra frente novamente.

- Eu sei lá, acho que sou bom em perceber detalhes, nunca parei pra pensar nisso direito - ela olhou pra mim e sorriu.

- Mesmo assim, é muito bom ter uma pessoa assim, te faz sentir a vontade, até porque você sabe que não vai conseguir esconder nada dela, e isso me transmite confiança, por mais que pareça estranho. - eu sorri para ela e tive uma grande ideia.

- Hey Delfi, ta afim de andar de moto? - ela me encarou curiosa.

- Você tem uma moto?

- Tenho, mas eu deixei ela em frente ao Roller, então vamos ter que voltar lá, mas te garanto que vai valer a pena - eu lhe lancei um sorriso e ela o devolveu.

- Vamos lá, mas já aviso que é bem capaz de eu acabar gritando - eu dei uma risada e peguei em sua mão, fomos caminhando até em frente ao Roller - nossa, ela é bem bonita - eu subi na moto e sorri para ela, é impossível não sorrir com ela.

- Vem, sobe - ela pareceu meio insegura - eu te juro que não vai acontecer nada de mais, confia em mim - eu lhe estendi a mão e ela subiu na moto - segura firme em mim - ela envolveu minha barriga com os braços me apertando forte e eu dei um leve sorriso por isso, e logo depois dei a partida. Ela deu um pequeno grito em desespero e eu ri - Delfi, confia em mim, eu morro antes de deixar alguma coisa de mal te acontecer - eu a confortei e ela se acalmou.

- Aonde estamos indo? - perguntou curiosa.

- Você vai ver - eu dirigi pela cidade toda, até chegar em uma estrada deserta pra qual dava fora da cidade. Dirigi por essa estrada e a curiosidade da Delfi só aumentava. Quando eu avistei nosso destino estacionei a moto - pode descer Delfi - ela desceu totalmente hipnotizada pelo lugar, eu desci da moto e a guiei.

- Esse lugar é tão lindo - nós estávamos em uma praia deserta, o mar era tão azul que dava até pra ver o fundo, era totalmente tranquilo e relaxante.

- Esse é meu lugar preferido - ela me olhou, pra prestar atenção no que eu falava - eu sempre venho aqui quando estou com problemas ou quando preciso pensar. Me ajuda a relaxar e esvaziar a mente. - ela voltou a encarar o mar azul sorrindo.

- Obrigada - eu a olhei confuso - por confiar em mim pra me mostrar esse lugar - ela voltou a encarar o mar.

- De nada - eu encarei o mar também e ficamos assim um bom tempo - quer sentar? - ela assentiu e nos sentamos na areia, ficamos encarando o mar, até que ela coloca a cabeça em meu ombro. Sorri com seu ato e comecei a fazer carinho em sua cabeça. Uma hora eu não resisti, peguei seu rosto com as duas mãos e fiquei a admirando por alguns segundos, logo depois a puxei para um beijo, que no início era um selinho demorado, mas logo depois foi aprofundado quando ela pediu passagem com a língua e eu cedi, ficamos assim até o ar se fazer necessário.

- Isso é tão estranho - seu tom de voz era sereno - a gente se conhece a poucas horas mas mesmo assim eu sinto algo muito forte por você. Como uma conexão. - eu sorri e ela se envergonhou - você deve me achar uma maluca.

- Uma maluca que beija muito bem pelo menos - eu comentei e ela riu - eu não acho que você esteja maluca porque eu penso a mesma coisa - ela me olhou surpresa e eu encarava o mar - eu sei lá, você simplesmente apareceu em frente ao palco. De repente tudo mudou do nada e eu nem sabia seu nome, mas era mais forte que eu. Você só me atraiu, uma atração muito forte, não sei como aconteceu, simplesmente... aconteceu. - ela ouvia tudo atentamente, e no final sorriu.

- Seria louco eu dizer que eu te amo? - eu sorri com seu comentário.

- Depende, seria louco eu dizer que eu também? - ela sorriu.

- Tudo parece tão perfeito - ela colocou a cabeça em meu ombro novamente.

- E se a gente oficializasse essa perfeição? - ela me olhou curiosa. - Delfi, quer namorar comigo? - ela me olhou sorridente e logo depois me beijou.

- Acho que não precisa perguntar pra saber que a resposta é sim - dessa vez eu a beijei.

- Vamos indo? Eu posso te deixar na sua casa se quiser, daqui a pouco vai escurecer. - ela assente e nós dois voltamos para a cidade, ela me passa o endereço da casa dela e eu a levei até lá.

- Bem, acho que é aqui que eu fico - minha boca só faltou cair quando ela disse isso. Estávamos em frente a uma mansão enorme, tipo, muito grande mesmo, quase um castelo de tão grande.

- Delfi, você mora aqui? - perguntei apontando pra mansão a minha frente, ela sorriu sem graça.

- É, pois é, meio que meu pai é dono de uma das maiores empresas do país - eu sorri.

- Eu ainda tenho muitas coisas pra descobrir sobre você Delfina Alzamendi - liguei a moto - e eu vou descobrir todas - ela sorriu em resposta - até mais - lhe dei um selinho.

- Até mais, Pedro - eu acenei e logo depois dei partida na moto, indo embora. Esse dia foi muito bom, arrisco até a dizer que foi perfeito. Eu irei descobrir tudo sobre você Delfina.

CONTINUA (LEIAM AS NOTAS FINAIS)


Notas Finais


AIOU. Oi gente hehe demorei né, eu sei, mas eu realmente tenho tido muita dificuldade pra escrever, e isso está muito ruim pra mim, então pode ser que de agora em diante os caps demorem um pouco mais pra serem postados, desculpe quanto a isso ;-; vai demorar um pouco em, kkk vo deixar aqui o link da minha outra fanfic, por mais que eu acho q vcs conheçam kkk bjs de glitter :*
Por amar você (Gastina) : https://spiritfanfics.com/historia/por-amar-voce-gastina-6583765


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...