História Como uma Flor: Contos de uma Abelha Rainha - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Nathanaël
Tags Ação, Akuma, Chloe, Heróis, Ladybug, Miraculous, Miraculous Ladybug, Nathanaelxchloé, Nathaniel, Nathchloé, Queen Bee, Romance
Visualizações 5
Palavras 1.592
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Escolar, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Vida em Ruínas


No dia seguinte, após a escola, Chloé só quer ir para casa, ficar um bom tempo em sua banheira, mas, na frente do portão:

-"SOCORRO!!" Alguém grita.

-"Aquele homem roubou minha bolsa!!" Uma mulher grita, mas a rua está quase que abandonada.

-"Ah, posso deixar para aqueles dois?"

-"VAI! AGORA!" Ranee nunca aceitaria.

-"Tenho coisa mais importante pra fazer, me deixa."

-"MENINA, VOCÊ VAI OUVIR! NÃO SABE DO QUE SOU CAPAZ! QUER OU NÃO SER RECONHECIDA?"

-"Não tem ninguém aqui, como vou ser reconhecida?" Chloé retruca mesmo assim, mas Ranee simplesmente lança um olhar mortal, enquanto pensa em como Chloé realmente não era uma pessoa agradável.

-"Aff, Ranee, me transforme..."

-"Senhora fique aí, já volto..."

Ela vai pulando em direção do homem, corre por um bom tempo. Quando a distância fica menor, joga seu pião, o que faz o homem cair.

-"Isso não é seu!" Diz revirando os olhos, pega a bolsa e vai em direção da senhora.

-"Aqui, é sua."

-"Muito obrigada, garota! Sou muito grata a você! Tinha muita coisa importante aqui!"

-"Ahã, tchau."

Desfaz a transformação, está segura que agora o destino é sua casa:

-"Agora vou poder descansar!"

-"Ai, você nem fez nada!!"

-"Quieta, Kwami."

Um velho senhor asiático de camisa havaiana cai quase que em sua frente. Derruba seu óculos e fica tateando o chão para tentar achá-lo, sem sorte.

-"Ah..." Chloé estava com um olhar de reprovação no rosto. Dá uma olhada em volta, para ter certeza que não havia algum conhecido por perto, afinal, Chloé ajudando pessoas? Nunca! Tendo certeza que não, pega o óculos do velhinho e dá para ele.

-"Aqui senhor. Uma mãozinha?" Diz, mas na verdade queria dizer umas "verdades" para ele (estaria mais para "descontar raiva").

-"Obrigado, jovem." E foi caminhando em frente. 

-"Ainda há esperança" sussurra, de modo que a loira não escutasse.

-"Ãhn? Sinto que já o vi antes..." Diz Chloé, pensativa.

-"Ah, hahahah, talvez também more em Paris, não é difícil ver duas vezes!"

-"Talvez..."

-"Ah, que seja, eu vou é relaxar! Agora estou nem aí para o perigo, estou indo embora e ponto.

Ela mal terminou de falar, e Ladybug e Chat Noir passam por cima dela, com olhares preocupados.

-"Ah não, é sério mesmo??!"

-"Vai lá! Acha que vai se safar dessa?" Ranee "encoraja".

-"SIM! Ouviu o que eu disse, né? Os dois dão um jeito."

-"Quer que eu faça discurso de novo? Você quem aceitou ser heroína. Imagina, estar próxima da Ladybug e ser tão amada quanto ela?"

-"Aff, só vou porque você nunca ia me deixar em paz."

Já dava pra ver algo estranho entre os prédios. Um gigante??? 

Era realmente. E não parecia nada amigável.

-"Ranee, me transforme!"

E assim ela vai planando entre os edifícios, cada vez mais perto da batalha. Ao chegar vê Ladybug sozinha, Chat foi jogado pelo gigante e voou por umas duas quadras.

-"Bem na hora, Queen Bee! Já descobri o objeto akumatizado, mas não está nada fácil acertá-lo sozinha. Não será complicado se você distraí-lo para mim."

-"Certo..." Nem Chloé sabia o que pensar sobre sua situação. Tinha alguém mandando nela. Mas esse alguém era Ladybug! Ela oscilava, às vezes achava que tinha sorte, às vezes achava que devia é trabalhar sozinha e deixar a dupla se virando.

Voou perto da cabeça do gigante, quase foi acertada umas boas vezes, mas Ladybug agiu rápido e conseguiu se aproximar do objeto infectado, uma munhequeira esportiva. Para melhorar ainda mais, Chat chegou na hora.

-"Voltei, my lady!"

Ladybug passa sua função para Chat, seria mais fácil com seu cataclismo:

-"Use o cataclismo na munhequeira!"

-"CATACLISMO!"

E mais um akuma é derrotado. O garoto volta ao normal, e tenta entender o que aconteceu.

-"Hawk Moth foi menos maligno dessa vez, o que aconteceu?" Aponta Ladybug.

-"Acho que só devíamos agradecer por isso, não é?" Chat responde.

-"Bom, a conversa está legal e tal, mas tenho uma coisa urgente para fazer, tchauzinho!" Queen diz enquanto vai embora, se vira antes mesmo de terminar de falar, deixa os dois sozinhos.

Vai a caminho de casa transformada mesmo, está com pressa! Desfaz a transformação dentro dos muros da sua mansão, sabe que isso é proibido, mas não é como se ela ligasse.

-"CHLOÉ!" Ranee já ia chamar a atenção dela, mas Chloé corre para seu quarto para não ter que ouvir,

Se joga na cama, de novo. 

ARGH, QUE ÓDIO.

-"Era pra eu ter ido no Spa, shopping, mas não, tenho que ficar patrulhando, cuidando dos Problemas dos outros, escondendo identidades, sinceramente, É UM SACO."

-"Oh, então é demais pra você?? Nunca teria realmente te dado a miraculous se soubesse que é tão fraca assim!

-"NÃO É QUESTÃO DE DAR CONTA. NÃO GOSTO DISSO!

Ao invés de ficar cuidando da MINHA vida, tenho que ficar cuidando da dos outros irresponsáveis! E ainda vem com o peso de ter que esconder a minha identidade. E quer saber? Não dou a mínima para isso! Na verdade, NÃO quero mais ser heroína. Está dispensada. Você é outra coisa que me dá nos nervos."

-"Ah é? Desiste de ser famosa e amada como Ladybug? Vá, continue com sua vida e atitude de sempre!

Dinheiro e diamantes não fazem de você uma pessoa mais 'legal'! Só você não enxerga como é idiota e estúpida! Pode ver, todos te odeiam! A não ser seu tão amado papaizinho. Isso, continue assim! Fique dependendo do nome de sua família, de seu pai e da sua fortuna. Quando for uma velha senhora amiga apenas de gatos, não vá incomodar os outros, será tarde demais e aí sim ninguém realmente ligará para você, ficará sozinha até o fim. E quanto a mim, você nem vai me achar mais!"

-"Isso, vá embora!!!"

Ranee sai pela janela e leva o pente com ela, Chloé está desolada. Corre até a batente da janela, a kwami desapareceu.

Começa a chorar. -"Não, não, não! Ela não sabe de nada! Não vou dar ouvidos."

Lembrava das pessoas que a agradeceram muito, como heroína. E como poderia perder tudo. Realmente as pessoas estavam começando a ignorá-la mais e mais, seria esquecida. Seu objetivo sempre foi se aparecer, ser o centro das atenções, amada e admirada por todos- através do medo e fazendo os outros se sentirem inferiores. E tudo isso estava acabando.

Finalmente teve a chance de ser a mais amada de Paris, mas até essa escapou pelos seus dedos.

Chorava mais ao pensar no pior.

Com um turbilhão de pensamentos passando por sua cabeça, fica deitada em sua cama. Por mais que achasse que nunca ia dormir por esses pensamentos não a deixarem em paz, caiu no sono até que fácil, havia feito bastante coisa no dia, e se cansou de tanto chorar.

Um pouco depois, seu pai chega do trabalho. E logo grita o nome da filha...

Nada.

Sobe as escadas e vai até o quarto da garota.

Bate na porta do seu quarto e abre, quando não obtêm resposta. 

-"Dormiu já?"

Dá uma risada: 

-"Realmente seguiu meu pedido. Boa noite." Diz, dando um beijo em sua testa.

-------------

É domingo, não haveria aula. Precisava sair de casa, tomar um ar. Solta o cabelo e coloca os óculos escuros, não queria que ninguém visse seu estado, sua aparência era de alguém exausto e acabado. Lágrimas ainda escorriam ao lembrar de sua lastimável situação.

Quase que inconscientemente, vai para o parque onde foi faz pouco tempo. Um SPA cairia muito bem neste momento.

-"Ué? Chloé, de novo?" Uma voz diz por trás dela.

Ao virar-se, Chloé se depara com Nathaniel

Chloé olha pra ele, o ignora e segue em frente andando mais rápido.

-"Você está mais estranha que o normal!" Percebe que ela está chorando.

-"Chorando...?"

Levanta e pega o braço dela. Ela para de andar, mas não se move, não queria conversa.

Mas, "Vou ver isso de uma vez", pensa. Precisava de uma opinião de fora, é agora ou nunca.

-"DIGA! EU SOU UM MONSTRO?"

Nath fica com um olhar confuso e surpreso, achou que tinha entendido errado.

-"VAMOS, FALE!"

-"Er, bom..." Pegaria pesado se dissesse a verdade.

Chloé fica com uma cara desconfiada e ameaçadora, mas mesmo assim, triste.

-"A verdade...", diz.

-"Sinceramente, sim. Você consegue estragar a vida de muitas pessoas, ao mesmo tempo, com um estalar de dedos. Sem sentir remorso algum. Sabe como é difícil lidar com você?? Como consegue ser tão má?" Nathaniel ainda guardava ressentimentos de Chloé.

Ela fica parada, seu olhar é sombrio. De repente, o empurra para dentro da fonte.

-"AAH, CLOÉ! VÊ?! POR QUE VOCÊ É ASSIM? Primeiro, foi VOCÊ quem pediu a verdade. Segundo, NÃO tinha terminado.

Ah... Chloé, você é sim terrível, mas todos podem mudar... não é impossível como você pensa.

O que é impossível, na realidade, é você! Desisto! Até..."

Chloé fica calada.

-"Se o meu caderno tivesse caído..." Ele resmunga.

-"Como se eu tivesse medo de você..." diz baixo.

O garoto vira para ir embora.

-"Espera..." Chloé fala ainda mais baixo, cabisbaixa

-"Agora vossa alteza não deixará eu ir?" O garoto não tinha medo dela, não queria passar por problemas de novo.

Ela fica quieta de novo. Seu ego a impede de fazer algo agradável. O pensamento "sou Chloé, não faço essas coisas" era mais forte que qualquer outra coisa. Ele e a Sabrina eram os únicos que não a desprezavam inteiramente, mas acaba de perder mais um "aliado".

Nathaniel estava decepcionado, era visível. Ele balança a cabeça em negação e vai em direção a sua casa, estava ensopado.

E Chloé, perdida em seus pensamentos, mais uma vez. Sua mente estava caótica esses dias. 


Notas Finais


Escrevi como se eles tivessem aula de segunda à sábado, e domingo descansam.

Se alguém quiser saber, o akumatizado é um garoto do ensino médio que é zoado por ser baixinho, e ele ainda sonha em ser jogador de basquete, todos riram dele em um treino, e o resultado está aí, Hawk Moth entra no meio.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...