História Complete with you - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Annabeth Chase, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Clarisse La Rue, Frank Zhang, Hazel Levesque, Jason Grace, Leo Valdez, Luke Castellan, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper McLean, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Silena Beauregard, Thalia Grace
Tags Caleo, Charlena, Frazel, Jasiper, Percabeth, Solangelo
Exibições 160
Palavras 1.413
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Eu ia postar só semana que vem MAS, como faz muito tempo que eu não posto troxe mais um pra vcs s2

Capítulo 17 - Ghosts and pain


Fanfic / Fanfiction Complete with you - Capítulo 17 - Ghosts and pain

“Eu tive uma overdose por você 

Loucura mas é verdade 

Não é nada que eu possa fazer 

Eu tive uma overdose por você”

- Overdosed (AC/DC)


 

 

 

GUIA DE INTERNAÇÃO

Nome: ANNABETH CHASE    

Data de nascimento: 12/07/1999

Data de internação: 17/10/2015    

Horário de internação: 05:20 a.m.

Diagnóstico: overdose; coma alcoólico

Observação(es): A paciente deverá ficar de observação de 48 a 72hrs antes de receber alta.

 

 

* * * * *


 

 

Enquanto andava de um lado para o outro no corredor do hospital, Sr. Chase só conseguia pensar o pior. Ele já havia presenciado aquilo uma vez, com si próprio, e de maneira nenhuma desejava para a tão amada filha.

Rosa tentava consolar o marido, tentava transparecer tranquilidade em sua voz, mas era quase impossível, já que a mesma, precisava de consolo.

Já faziam algumas horas que a garota fora levada para fazer a hidratação do fígado para o mesmo voltar a funcionar. Nenhum médico aparecia para dar notícias, deixando a família e os amigos ainda mais preocupados.

Ninguém se falava, todos se mostravam estar apreensivos. Ninguém suportaria mais uma perda. 

Por fim um Doutor apareceu. Sua expressão era de indiferença, como se estivesse acostumado a dar notícias como aquela.

- Bom, terminamos a hidratação do fígado e a senhorita Chase passa bem, ela só precisa de um tempo para se recuperar.

Dos amigos vieram suspiros aliviados.

- Graças a Deus – disse Thalia.

O Doutor assentiu em concordância e depois se retirou do aposento.

- Eu disse – dizia Rosa – Annabeth é forte!

Os amigos concordaram e alguns exibiram sorrisinhos de alívio, mas Percy continuava tenso.

- Ei cara – voltou-se James para o amigo – está tudo bem, você salvou a vida dela.

Percy não respondeu. O garoto não estava a fim de conversa, ainda mais com James que pareceu perceber o remorso do amigo.

- Ah cara... É ela, não é? A garota que você está apaixonado!

James suspirou evitando o contato direto com o amigo, que novamente não respondeu.

- Você poderia ter me contado ... – James se interrompeu, sabia que aquele momento não era o ideal para se discutir o assunto.

E assim foi se passando o tempo.

 

 

P.O.V ANNABETH

Acordei totalmente desorientada.

Minha cabeça e minhas articulações doíam.

Varri os olhos pelo aposento no qual eu estava. Era branco, havia uma poltrona do lado da cama onde eu estava deitada, um criado mudo e uma TV prendia no teto. No meu braço esquerdo tinha uma agulha que enviava para o meu sangue um líquido transparente que supus ser soro.

O mais estranho? Eu não me lembrava de nada, totalmente nada.

A porta se abriu. Um garoto entrou e fixou o olhar em mim. Tinha cabelos escuros que a muito tempo não eram penteados e olhos verdes que naquele momento poderiam ser negros já que não apresentavam nenhum brilho.

- Quem é você e que lugar é esse? – perguntei tentando me sentar.

- É melhor você ficar deitada – falou o garoto enquanto se sentava na poltrona.

- Quem é você? – perguntei novamente já impaciente.

- Calma tá, eu sou o Percy, você não se lembra de mim porque saiu de um coma alcoólico a mais ou menos dois dias, e é comum uma pequena perda de memória, mas fique tranquila que já vai passar.

- Como você pode ter tanta certeza? 

- Eu não tenho – o garoto suspirou.

 

 

P.O.V CARL

[20 de outubro de 2015, 14:35 p.m.]

Depois de 3 dias no hospital, finalmente Annie voltou pra casa, mas era como se só o corpo dela estivesse lá, na verdade era bem assustador.

- Para de me olhar assim – ela protestou enquanto eu arrumava as coisas no quarto da mesma.

- Assim como? – tentei disfarçar.

- Como se eu fosse um e.t., como se eu tivesse acabado de sair de um coma alcoólico.

Pela primeira vez eu a vi dar um sorrisinho.

- Prefiro o et.

Fui até ela é a abracei como se fosse a primeira vez.

Annabeth era uma das coisas mais importantes pra mim, ela era meu bolinho de pêssego, minha empadinha de frango.

- Nunca mais faça isso, por favor. – pedi.

- Tudo bem! – respondeu com um leve sorriso.

Meu dia ficou dez vezes melhor.

 

 

6 DIAS DEPOIS...

 

 

P.O.V ANNABETH

[26 de outubro de 2015, 07:12 a.m.]

 

Alguns dias se passaram desde que saí do hospital, e só hoje vou voltar para a escola.

Se eu quero?

Não mesmo.

Provavelmente a escola toda sabe do ocorrido, e eu não estou animada para encarar olhares de indiferença e fofocas sobre mim, mas infelizmente preciso ir.

- Ei, você está pronta? – Carl abriu a porta, e falou com uma voz calma.

Odiava isso.

Odiava quando as pessoas falavam comigo como se eu fosse uma louca problemática preste a explodir. Eu não queria ser tratada diferente, a overdose foi só mais uma coisa ruim na minha lista, que só tem coisas ruins.

- Se você continuar falando assim comigo, eu juro, vou te espancar até a morte.

Ele sorriu.

- Você nunca muda, não é?!

- Nunca.

***

Depois de tomar meu café fomos para a escola. Como eu esperava, as pessoas não paravam de olhar pra mim. Tinha que me lembrar toda hora de contar até dez para não perder a paciência e voar no pescoço de alguém.

- Não liga pra isso – Carl insistiu em me seguir até meu armário.

- Eu não ligo – não fui muito convincente.

- Tá, vou fingir que acredito.

Enquanto andávamos, vi Thalia conversando com Nico perto do seu armário.

- Imagino que você não quer falar com eles agora – Carl leu meu pensamento.

- Não agora.

Eu não tinha falado pra nenhum dos meus amigos que iria voltar para a escola hoje, na verdade, desde que saí do hospital venho os evitando. 

Continuamos nosso caminho sem tentar chamar atenção.

***

Minhas duas primeiras aulas foram um total tédio como de costume, a única diferença é que os outros alunos continuavam me encarando.

Eles nem se importam em disfarçar.

Meu terceiro horário era matemática, ou seja, um horário inteiro na mesma sala que Perseu.

Daquela vez eu fui uma das primeiras a chegar, o que significava que eu poderia escolher minha mesa, fugindo do ser o centro das atenções, mas infelizmente ainda teria que dividir a mesa com alguém.

- Dessa vez você chegou cedo senhorita Hanna Chese! – Sr. D sempre errando meu nome.

- Ãn... Claro... – resmunguei de volta.

Me sentei na última mesa no canto da sala e abaixei a cabeça enquanto os outros alunos chegavam.

Durante alguns estantes um misto de felicidade e alívio começou a invadir meu peito por ninguém ter sentado ao meu lado, mas não durou muito tempo.

- Você? Porque não disse a ninguém que viria na aula hoje? – como esperado Perseu sentou ao meu lado.

- Você poderia se retirar daqui por favor? 

Ele ousou dar uma risada.

- De nada Annabeth! Não foi nada salvar sua vida e ficar todos os dias no hospital com você quase me matando de preocupação.

- Não te pedi isso.

ANNABETH EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ DISSE ISSO!

Eu juro que achei que ele ia fazer um comentário sarcástico, ou até dar uma lição de moral, mas ele simplesmente se levantou da mesa e foi se sentar do outro lado da sala.

Eu não deveria me importar, não mesmo, mas aquilo foi como um tiro no meu peito.

Nunca tinha me dado conta de que eu só queria um pouco de atenção, de como eu queria escutar as palavras de Perseu, de como eu as considerava.

Em nenhum momento do decorrer da aula ele fez menção de olhar para trás, me destruindo um pouco mais a cada segundo. Quando finalmente o sinal bateu, venci meu orgulho e fui falar com ele.

- Me desculpe... Eu não quis dizer aquilo, não exatamente...

- Quer saber Annabeth – ele me encarou com uma expressão de raiva e desgosto – eu cansei, cansei de correr atrás de você, cansei! Eu sei que você tem seus problemas e tal, mas infelizmente eu não sou psicólogo ou algo do tipo, então sugiro que procure um, porque eu me cansei!

Então ele saiu da sala me deixando ser engolida pelos meus fantasmas e pelas minhas dores.


Notas Finais


Eu tô muito mal sério djndjdndjdn
Eu tento deixar a fic mais Good vibes mas tá difícil viu djdndjnd
Outra coisa, me falem o que vocês querem que a fic tenha pq eu escrevo ela pra suprir o que falta nas outras, então me digam o que vocês SUPER queriam ver em uma fic!

BEIJOES SEUS LINDOS S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...