História Complexidade - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Lewis Hamilton, Ryan Butler
Personagens Justin Bieber, Lewis Hamilton, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 1
Palavras 1.171
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ü

Capítulo 2 - Scream my name


Fanfic / Fanfiction Complexidade - Capítulo 2 - Scream my name

Povs Justin

 Você tem hora para chegar em casa? - perguntei olhando a chuva

Não mas... por que? - perguntou curiosa

Quero te levar em um lugar - falei com um pequeno sorriso

Ahn valew... Mas devo recusar - Ah não acredito, ela acha que vou estuprar ela

Eu não vou te estuprar - falei segurando o riso vendo as coisas terríveis que ela pensava sobre mim

Acabei de te conhecer... Não ligo pra minha vida mas eu também não quero arrumar mais problemas - Falou um pouco nervosa

Queria fazer uma surpresa mas já que você está com medo de mim vou falar - parei e olhei para ela - vamos em um lago

Tem lago aqui? - perguntou mais tranquila

Bom... se vou te levar em um lago... é porque tem - falei e logo me arrependi... fui grosso demais.

Bom argumento - Falou rindo

Comecei a vasculhar cada canto de sua cabeça, seus pensamentos, tudo. Parece que ela realmente não se ofendeu. Um alívio bateu em mim e quando percebi, ela me olhava curiosa, fiquei bastante tempo olhando Clare.

Por que está me olhando assim? - perguntou envergonhada

Eu sou um monstro - falei sério

Nada que me assuste - Falou também séria e eu sorri

Caminhamos até entrar na floresta... inacreditável... ela em nenhum momento estava com medo e sim curiosa. Saímos da trilha e eu a guiei para o enorme lago que havia no meio da floresta. Infelizmente por causa da chuva aqui está escuro, talvez até um filme de terror. Não era isso que eu queria que ela visse.

Ehh... desculpa, se não estivesse chovendo aqui estaria... - Ela cortou o que eu iria dizer

Aqui é lindo - Ela falou com os olhos brilhando

Não liga para escuridão? - perguntei surpreso

Pra falar a verdade eu até que me sinto melhor na escuridão - Confessou

Passamos o dia falando coisas aleatórias e quando já estava ficando de noite levei ela pra casa. Quando chegamos seu sorriso logo desapareceu.

Bom, é isso - falei tentando quebrar o silêncio

Obrigada Justin... por tudo. A muito tempo não me sinto assim... livre - Falou sinceramente

Então devemos repetir - Ela sorriu de orelha a orelha - Até amanhã Clare

Até - sorriu e entrou na sua casa

Eu estava feliz... falei com ela e não a matei. Quis beber muito do seu sangue mas me segurei.

Povs Clare

Feliz? Muito...

Me senti livre por horas até que passei pela porta daquela casa dos infernos e uma energia negativa caiu sob mim. Meu pai estava no sofá beijando uma mulher que nunca tinha visto na vida, minha mãe provavelmente está em algum bar, meu irmão Greg estava na cozinha sentado no balcão bebendo cerveja e minha irmã Lindsay estava no celular falando com seu namorado de dezoito anos sendo que ela tem catorze. Passei pela cozinha e já ia subir as escadas se o Greg não tivesse me chamado.

Nossa família está destruída - Falou baixo e deu um sorriso triste

Já faz tempo que não somos uma família - falei e ele assentiu

Eh mas eu não queria aceitar - ele me olhou - Clare... Eu não quero viver assim, eu vou para um Colégio interno ainda esse ano

Alguém tem que ser feliz nessa casa - falei abalada. Ele desceu do balcão e ficou na minha frente

Posso te dar um conselho? - assenti - Se puder... sai daqui e nunca mais volte. Nossos pais não irão sentir nossa falta e a Lindsay está se tornando igual a eles.

Subi para o meu quarto e fiz o de sempre. Comecei a pensar e pensar sem parar. Olhei na janela e já estava de noite, ventava agradavelmente. Dormi com um peso na consciência... O que eu vou fazer?

Acordei com um barulho de tiro dentro da casa, levantei rapidamente e fui para a porta e abri um pouco. Só se escutava gritarias e o Greg subiu as escadas pisando duro indo direto para o seu quarto. Caminhei lentamente até ele e vi o mesmo arrumando suas malas apressadamente.

     Clare eu vou embora... NÃO DÁ MAIS - Ele gritava com si mesmo - Mamãe tentou atirar no nosso pai e agora ele foi na delegacia

    Okay... me promete que nunca vai me esquecer e vai me ligar sempre - falei e ele veio me abraçar

Eu prometo... mas também me prometa que será a pessoa mais feliz do mundo - rimos

Prometo tentar... - ajudei ele a guardar as coisas

Descemos as escadas com as malas e simplesmente ninguém fez nem questão de se despedir do Greg... nem mesmo a nossa mãe pariu ele. Colocamos suas malas no seu carro e ele me deu um abraço muito apertado no qual não irei esquecer tão cedo. Eu olhava ele com admiração, pois agora iria conseguir seguir seus sonhos... tchau irmão.

Fiquei na calçada até o carro desaparecer da minha vista e dois carros da polícia chegarem em alta velocidade na minha casa. Revirei os olhos, não era a primeira vez que isso acontecia. Mamãe veio aos berros e papai saiu de dentro de uma viatura apontando para a mulher que em poucos minutos foi presa e papai acompanhando tudo. Os policiais foram embora junto aos meus pais. Lindsay parou do meu lado vendo as viaturas se distanciarem.

Quem foi preso? Mamãe ou papai? - perguntou indiferente

Mamãe - falei calmamente

Mas quem deu o tiro não foi o papai? - perguntou curiosa

Eu não estava aqui pra saber - dei meia volta e entrei em casa

Vesti uma calça de lavagem clara, uma blusa vermelha e meu tênis Puma vermelho. Desci as escadas e fui andando pra escola. Entrei e fui direto ao armário pegar meu material para a aula de artes... única aula que gosto. Fechei o armário e levei um belo susto com um ser que estava do meu lado e eu nem tinha sentido sua presença. Ele sorriu e eu o olhei incrédula.

Oi - Falou segurando o riso

Eh... Oi? - eu estava ainda doida por causa do susto

Não se lembra de mim? - se fingiu de ofendido

Sim? Sim! Eu só achei que você não iria falar comigo - falei meio em dúvida

Por que não falaria com você senhorita Rose - virei lentamente minha cabeça em sua direção

Bom... ao pé da juventude, nós adquirimos amores, desejos e fetiches no qual são impostos sobre nossa mente em sonhos impróprios. "Senhorita Rose"... seria um dos meus fetiches? E sabe? Às vezes sinto que ele sabe tudo o que eu penso e sinceramente não ligo, é até engraçado.

Tudo bem senhorita Rose? - Perguntou. Eu juro que entendi uma afronta nisso

Nunca está totalmente bem - falei com um sorriso debochado e saí dali.





Scream my name

Respirando violência e amor, eu nasci em cena

Agora isso corre no meu sangue, sim, você sabe o que quero dizer

Quando eu estiver morta, eles vão cantar sobre mim?

Morta e enterrada, eles vão gritar o meu nome?

Gritem meu nome


Notas Finais


Ü


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...