História Condenados - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Capitão América, Homem de Ferro (Iron Man), Os Vingadores (The Avengers)
Personagens Anthony "Tony" Stark, James Buchanan "Bucky" Barnes, Steve Rogers
Tags Bucky, Capitão, Civil War, Homem De Ferro, Soldado Invernal, Stark, Steve Rogers, Stocky, Stony, Stuckony, Stucky, Winteriron
Visualizações 438
Palavras 1.463
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi, queridos...

Nunca li uma fic que fosse inteiramente narrada pelo Bucky então resolvi dividir, esse capítulo ele narra, os outros os demais personagens.
Desde já agradeço a quem ler, comentar ou favoritar. SEUS GATOS.

Me desculpem os erros, não revisei, pois estava ansiosa.

Sem mais conversa chata, abram as cortinas e que o Show comece!

Capítulo 1 - Um Trio?


Fanfic / Fanfiction Condenados - Capítulo 1 - Um Trio?

   Eu realmente estava muito confuso, quando pedi a Steve para ser congelado novamente foi na tentativa de ter um pouco de paz, não queria ter feito todo aquele tumulto, sem falar que eu havia o machucado muito, havia machucado todos... Eu via nos olhos do Rogers, o quanto sentia falta de Anthony, não era pra menos o moreno era encantador. O fato é que eu amava muito o Steve pra continuar sendo um fardo na sua vida. Queria que ele voltasse para os braços do cara que amava, por mais que ele dissesse que eram apenas amigos, eu via o brilho em seus olhos quando mencionava o nome do homem de ferro.
  

 E agora aqui estou eu, descongelado, consciente, mas acima de tudo confuso. Steve falou que o Anthony pediu para me descongelar, que ele havia achado um jeito de tirar a hydra da minha cabeça, o que eu acho muito pouco provável. A questão é que agora ele quer falar comigo.


─ Steve, o que ele quer comigo? ─ Pergunto confuso. ─ Pode ser uma armadilha, uma emboscada e se ele tiver reforço? Se ainda quiser se vingar?

─ Calma, Bucky. ─ Pediu o meu loiro. ─ O Tony é uma boa pessoa, só tem um temperamento um pouco difícil, estava muito magoado, acho que ele se redimiu... Não precisa falar com ele se não quiser, mas eu vou. Ele é meu amigo, Bucky.

─ Eu sei... Só... ─ Sentei ao lado dele. ─ Não me sinto confortável, você sabe que ele me odeia.

─ É... ─ Suspirou. ─ Ele é um bom amigo... Eu queria tanto que ele entendesse, que ele conseguisse nos perdoar...

─ Iria ser ótimo. Agora vamos, ele está nos esperando.

   
  Fomos onde Anthony nos aguardava, era uma construção abandonada, mas não era velha ou desgastada. Ele estava sem armadura e isso me deixou um pouco mais confiante, usava um terno bem ajustado ao seu corpo, seus cabelos estavam bagunçados e acho que eu gostava disso nele. Não tenho como julgar o Steve por estar apaixonado por esse moreno, porque... Ahn... A verdade é que desde nossa luta eu tenho nutrido uma sensação estranha dentro de mim, uma vontade de consola-lo, no começo achei que era apenas culpa, eu matei os pais dele! E esse foi mais um dos motivos pra eu ter pedido pra ser congelado, não estava conseguindo entender meus pensamentos, aquilo era errado, não era? Um homem não pode se apaixonar por outro, então o que eu sentia em relação ao Steve?  Eu amo ele.

  

 Nos aproximamos dele com cautela.


─ Eu não mordo, Bucky. ─ Falou levantando as mãos.

─ Tony... ─ Steve iria falar.

─ O quê você faz aqui?! ─ Stark pareceu se exaltar, tenho certeza que ele também gosta do Steve, vejo como eles se olham ─ T'chala filho de uma puta! ─ Xingou.

─ Eu preciso conversar com você, por favor me escuta... ─ Rogers tentou.

─ É sempre você, não é Rogers?! ─ Gritou. ─ Eu não quero ouvir nada, me deixa falar à sós com o aleijado aqui e eu vou embora!

─ Tony... ─ Steve abaixou a cabeça e encarou o chão, com certa seus olhos estavam cheios de lágrimas. ─ Eu só queria dizer que sinto muito... Eu não queria afastar a gente, você pode me considerar um nada, mas eu te considero um amigo, Tony... Sinto sua falta, sinto falta de todos...

  Eu fiquei calado, ouvindo Steve desabafar, ele estava muito abalado. Virou as costas e saiu, me deixando sozinho com o Stark.

─ O que quer? ─ Perguntei firme.

─ Eu quero te ajudar, acho que descobri um jeito de tirar essas porras da sua cabeça.

─ Por que você faria isso?

─ Eu finalmente comecei a entender que você estava sendo controlado e blá, blá, blá... Enfim, é isso.

─ Eu matei seus pais e mesmo assim você...

─ Você tem que me lembrar disso? Mas que merda.

─ Me desculpe... Por tudo. Eu não queria machucar eles, mas me obrigaram...  Não acho que você possa resolver meu problema, eu não tenho concerto. ─ Falei com um pouco de mágoa na voz, me sentia tão mal pelo que fiz com ele...

─ Não há nada que eu não possa concertar, sou um gênio. ─ Disse com um meio sorriso. ─ Você pode confiar em mim?

    Achei aquilo muito estranho, depois de tudo aquilo Anthony estava tentando me ajudar? Por que? Eu fiz muito mal a ele, e nossa, como eu me arrependo....

  ─ Bucky, eu... Bem... ─ Ele estava nervoso percebi. ─ Quando estávamos na Sibéria, você falou que se lembrava de todos que matou, você não sente mágoa? Remorso?

─ Você não imagina o quanto eu me odeio pelo que fiz... Sim, eu lembro de todos, e você não faz idéia do quando eu queria esquecer. ─ Senti algumas lágrimas imbaçarem minha visão, mas não as deixaria cair. ─ Sabe como é se sentir um monstro? Não ter outro propósito para viver e não ser matar pessoas inocentes? ─ Ele abaixou a cabeça e pareceu pensar.

─ Não, eu não sei... ─ Sussurrou ─ Por isso quero te ajudar... Você não teve culpa, foi usado, todos fomos...

     Ficamos um tempo em silêncio, eu pensava no quão difícil tinha sido pra ele vir atrás de mim, vencer seu ódio. Ele deu alguns passos em minha direção e me encarou, seu rosto bem próximo do meu...

─ Me perdoe... ─ Susurrei.

─ Vá à minha mansão amanhã, pela madrugada, pra não correr tanto risco... ─ Ele estava muito próximo e eu podia sentir a brisa suave de sua respiração no meu rosto ─ Tenho uma coisa pra você.

─ Eu não sei... É arriscado!

─ Garanto que não irá se arrepender, soldado. ─ Não entendi o sorriso que ele deu em seguida ─ É um presente, e acredite, eu capricho nos meus presentes!

─ O-ok, eu darei um jeito de ir... ─ Por que eu estava gaguejando?

  Eu iria sair da pequena sala, mas antes ouvi ele chamar.

─ Hey, Bucky! ─ Virei pra ele. ─ Não leva o Rogers! ─ Silibou.


    Saí dali às pressas, um presente? Será uma armadilha? Então por que não posso levar o Steve... Quando já me encontrava fora do edifício, vejo Steve chorando sentado na calçada. Quando notou minha presença enxugou as lágrimas e tentou disfarçar, o que era inútil já que seus olhos estavam muito vermelhos.

─ Ei, Ste... ─ Me sentei ao seu lado e coloquei minha mão em seu ombro. ─ O que aconteceu?

─ Nada, Bucky... Entrou algo no meu olho, esta ardendo um pouco... ─ Soluçou.

─ Não mente pra mim, Steven.

─ É só que... ─ Voltou a chorar. ─  Você viu como ele me tratou? Ele me odeia, Bucky... Eu não queria magoa-lo... Ele nunca vai me perdoar... ─ Me abraçou forte.

─ Calma, fique calmo... Ele não odeia você, só está magoado.

─ Eu vou atrás dele! ─ Choramingou e saiu do meu abraço.

─ O quê?! ─ Não, escuta, ele falou pra eu ir à mansão dele. Eu vou pedir pra ele te perdoar...

─ Sério que você acha que ele vai te ouvir? ─ Novamente limpou as lágrimas.

─ Ele mudou.

─ O quê quer dizer com isso?

─ Ele falou que estava disposto a me ajudar... Não sei se é possível mas... Eu tenho que tentar. E eu acredito nele...

─ Eu também vou!

─ Acontece que ele não quer te ver... ─ Abaixei a cabeça ─ Nós vamos dar um jeito... Não se preocupe...

─ Eu amo ele! ─ Confessou e eu não me surpreendi.

─ É, eu sei... ─ Fiquei um pouco triste, não vou negar. Saber que o coração de Steve não tinha espaço para outra pessoa era bem difícil. ─ Eu amo você... ─ Sussurrei.

─ Eu também amo você, Bucky... Você é meu amigo. ─ Sorriu um pouco ─ Acho que vou pro inferno, e quer saber? Que seja! Eu amo vocês dois, não consigo evitar... ─ Ele voltou a me abraçar e meu coração batia forte. ─ Meu Deus... Isso é tão errado... ─ Olhou bem nos meus olhos ─ Nós estamos tão encrencados...

 ─ Steve?

─ Diga... ─ Murmurou.

─ Eu posso... Beijar você?

─ Acho que sim...


   Aproximei meus lábios dos dele, rocei nossos narizes e o beijei. Aquilo era ótimo, apenas um selinho. Movimentei meus lábios e segurei sua nuca entrando em sua boca com minha língua, eu podia sentir o gosto das lágrimas em seu beijo. Lentamente ele levou suas mãos ao meu rosto, variando em acariciar minha bochecha e brincar com meu cabelo. Quando meus pulmões começaram a falhar e nosso ar acabar, parei o beijo.

─  Steve...  Sussurrei. ─ Vamos conseguir o perdão do Anthony!


Notas Finais


Então é o seguinte, se ficou realmente ruim me digam, eu excluo ela de nossas vidas e o nosso casamento tem salvação.
Tenho uma leve impressão de que muita gente esperava que a primeira troca de saliva fosse do nosso casal mais amado Stony \[°^°]/
Digam o que acharam, suas críticas, elogios...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...