História Confissões de uma perturbada - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Asuma Sarutobi, Chiyo, Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hizashi Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Karin, Kurenai Yuuhi, Naruto Uzumaki, Rin Nohara, Rock Lee, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju, Yamato
Tags Drama, Naruto, Revelaçoes, Suspense
Visualizações 73
Palavras 1.320
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente! Sim, ainda estou viva! Desculpe a demora!
Espero que gostem do capítulo!

Capítulo 22 - Capítulo 21


Fanfic / Fanfiction Confissões de uma perturbada - Capítulo 22 - Capítulo 21

Naruto


Eu estava totalmente chocado com tudo que eu havia escutado no tribunal. Como uma mãe era capaz de causar tanto sofrimento as filhas? Eu sabia que Tsunade era mau caráter, mas não imaginava o quão mau caráter ela era. Depois de tudo, percebi que ela era uma pessoa horrível.

Quando a juíza me declarou inocente, o peso que estive carregando nas últimas semanas foi retirado imediatamente. Hinata olhou para mim e sorriu, o sorriso que me dava forças, que iluminava minha vida, o sorriso que me acordou para a vida. Sorri de volta. 

Reparei que Tsunade gritava com seu advogado.

- Você é um idiota ou o que?! Seu inútil! Nós deveríamos ter ganho essa causa!

- Teríamos ganho se a senhora não fosse uma vadia.- o advogado respondeu irritado.

- O que?!- decidi não mais ficar calado diante das ofensas dela.

- Parece que você se deu mal.- falei quando passei por ela.

- Seu... Moleque.

- Opa! Mais respeito, afinal somos da mesma família.- disse para provocá-la e saí andando. Tsunade me xingou com todos os palavrões possíveis antes da juíza pedir que os guardas a levassem por desacato.


Quando vi Hinata dando entrevistas, não resisti e fui até ela. A saudade estava me matando e a vontade de tê-la em meus braços foi maior que qualquer coisa.


Agora, eu a observo dormir ao meu lado. Está tão tranquila e tão em paz que acordá-la parece um ultraje. Seu sua expressão, antes carrancuda, agora estava leve. Eu poderia observá-la para sempre, mas infelizmente não posso. Sei que Hinata um dia vai partir e sei que preciso estar preparado para esse dia, mas só a ideia de vê-la partir me dói. Mas Hinata ainda é muito jovem, tem muitas coisas da vida para aprender, muitas descobertas para fazer, desafios para enfrentar. E eu não poderei estar sempre com ela. Sei que fomos unidos por uma ligação muito forte e que, de um jeito muito louco, nós nos amamos. Mas o futuro é algo muito incerto.

Não sei o que acontecerá conosco daqui há duas semanas. Só o que nos resta é viver o agora enquanto estamos juntos.

- Hinata!- chamei lhe dando um beijo casto nos lábios macios.

- Humm...- ela resmungou com os olhos ainda fechados. Ela foi abrindo os olhos aos poucos e sorriu quando me viu. 

- Bom dia!- ela disse com a voz macia.

- Bom dia!- respondi acariciando seu rosto. Ela fechou os olhos em apreciação ao carinho.

- Nem acredito que estamos mesmo aqui.- ela disse com os olhos fechados. Quando tornou a abri-los, estavam marejados.- Sabe o quanto eu temi que isso nunca mais acontecesse? Tive medo de que você não me quisesse mais, depois de toda confusão que eu lhe causei...

- Não fale isso! Você não me causou confusão nenhuma.- disse dando-lhe um beijo na testa.- Hinata eu não sei o que faria sem você! Foi você quem me salvou, você quem me livrou de ser preso injustamente. Eu nunca vou conseguir ser grato o suficiente.

- Eu... Te amo tanto!- ela diz se sentando e me puxando para um beijo. O lençol escorrega deixando seu corpo delicado, feminino e nú à mostra.

- Nunca pensei que veria esse seu lado carinhoso.- brinquei quando nos afastamos.

- Aproveita que ele não vai durar muito.- ela diz sorrindo.- Na verdade, quem me salvou foi você. Me tirou do meu mundo obscuro e solitário. Depois que Hanabi morreu, eu comecei a afastar as pessoas de mim. Mas você... Você conguiu se aproximar com tanta facilidade, que quando eu me dei conta estava, pela primeira vez, completamente apaixonada por você. Foi a primeira pessoa pela qual eu me apaixonei e isso me deixou apavorada. Não faz ideia do quão ruim ter que me fazer de durona o tempo inteiro...- ela disse e sorriu, o que me fez sorrir também.

- Eu sei o quão apavorada você ficou.- respondi sorrindo.- Mas se te serve de consolo, sou todo seu e todo apaixonado por você.- Lhe beijei carinhosamente e com cuidado Hinata foi se deitando novamente fiquei por cima dela delicadamente, já excitado com o contato de nossos corpos nús. Hinata passou as mãos pelos meus cabelos interrompeu nosso beijo e me fez olhá-la. Ela estava com um meio sorriso e me olhava com seu olhar de menina travessa.

- O que foi?- perguntei confuso.

- Acho que você se esqueceu de quem comanda aqui. Mas eu vou te lembrar.- assim que disse essas palavras, Hinata com um movimento rápido de quem sabe alguma luta, nos rolou na cama ficando por cima de mim.

- Será que estou ferrado?- disse já não suportando apenas olhá-la pus minhas mãos em sua cintura quando ela começou a se movimentar.

- Muito!- ela sussurrou em meu ouvido.


Hinata 


Eu estava apavorada, encolhida, sozinha... Em um mundo totalmente escuro. Escutava meus próprios soluços, meus gritos apavorados.

Tinha que enfrentar meus demônios sozinha. E, às vezes, quando pensava que estava conseguindo, eu via o quão tola e fraca eu era. Que, sozinha, eu nunca conseguiria vencê-los. Eu já havia desistido. Apesar de dizer para os outros que não, que eu estava seguindo em frente, que eu era forte. Mas na verdade eu já havia desistido de mim...

Mas aí  ele apareceu.

Senti algo diferente logo nos primeiros dias que passei com ele. 

Ele me fez querer voltar a tentar. Eu não precisava necessariamente acertar, apenas tentar, e dar o melhor de mim. Mesmo que não tivesse nada de bom a oferecer.

Agora estou em paz comigo mesma, com minha irmã e com o resto do mundo. Estou em paz com ele . É tudo o que importa para mim agora.


- Como você gosta do seu café?- ele me pergunta tirando de meu devaneio.

-Hum?- perguntei confusa.

- O café, como você prefere?

- Forte, por favor.

- Ok.- ele disse e se virou para o fogão. Respirei fundo juntando força e coragem para contar a novidade para ele. Ela havia chegado até mim há apenas cinco dias e eu não sabia como contar. Mas eu precisava fazer isso.

- Naruto?

- Sim?

- Eu... Eu fui aceita na universidade.- falei rápido, de olhos fechados e soltei a respiração que nem sabia que estava prendendo.

- Sério?- ele me pergunta sorrindo e eu confirmo.- Isso é maravilhoso Hinata!- ele diz e vem me dar um abraço e um beijo.

- Isso foi graças à você. Não teria conseguido sem você.- digo sorrindo e retribuindo o beijo.

- Em qual universidade você foi aceita?

- Naquela da Inglaterra que te falei. 

-Sério?- ele pergunta impressionado.

- Sim.- respondo meio sem jeito.

- Ah meus Deuses! Hinata isso é demais! É tudo o que você queria. Você conseguiu! Conseguiu tudo o que queria!- ele diz me beijando e rindo.

- Sim... Eu acho que sim.

- O que foi? Você não parece muito feliz.- ele pergunta.

- É que... Eu acabei de descobrir que eu estou perdidamente apaixonada por você e agora eu vou ter que deixar você. 

- Nossa! Isso foi muito piegas. Ainda mais em si tratando de você.- ele diz e eu sorriso.

- Eu sei! Não sei o que está acontecendo comigo. Você é uma péssima influência.

- Hinata, você acabou de realizar o seu maior sonho! Precisa passar por essa fase sozinha, precisa decidir o que quer e precisa de novas experiências. Mas você precisa fazer isto sem mim. Você precisa crescer. 

E não precisa se preocupar comigo. Esperarei por você o tempo que for preciso. 

- Está falando sério?- perguntei sem acreditar que ele estava aceitando tudo numa boa.

- É claro que estou. E outra, eu posso visitar você quando tiver uma folga. Sempre quis conhecer a Inglaterra.

- Espera... Uma folga?... Quer dizer que conseguiu um emprego?- perguntei confusa.

- Sim. Um dos grandes. Fui chamado para ser professor em uma faculdade.

- Isso é sério?

- Seríssimo!

- Ah meu Deus!- disse jogando meus braços em volta do pescoço dele e o beijando.

- Como eu disse. Nossas vidas estão apenas começando. Começando de verdade agora!

- Está sim!- disse e beijei o homem que tenho certeza que será o único que vou amar por toda uma vida.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...