História Conflitos Internos... - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Demônio, Drow, Elfo, Elfo Negro, Nephilin, Rpg, Yaoi
Visualizações 22
Palavras 2.086
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishounen, Comédia, Fantasia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shounen, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Salve salve!
Capítulo novinho ai. porque essa fic não vou enrolar muito pra postar não kkk
Já tá terminada mesmo :v

Então, boa leitura! ♥

Capítulo 2 - Planos e Fofocas


- Eu estava de olho nos dois durante o treino hoje. Eles são muitos bons. Absurdamente rápidos. É aceitável já que um é elfo negro, mas o moleque é sobre-humano. Nunca vi alguém ser tão rápido quanto ele, e o maldito ainda usa duas espadas.

- Isso é um problema. Vamos precisar pegá-los quando estiverem separados e desprevenidos.  Um de cada vez.

                O grupo de cinco homens conversava baixo, os olhos atentos a qualquer um que entrasse no refeitório ou se aproximasse demais. Não aparentavam ter mais que vinte e cinco anos, exceto pelo barbudo de cabelo preto já na casa dos trinta. Era o mesmo que esbarrara em Ryan dia anterior.

- É, mas pelo oque eu vi o moleque tem um ponto fraco. Consegui ouvir a conversa dos dois enquanto treinavam. Segundo o elfo, ele é muito impulsivo, não pensa muito, então podemos usar isso a nosso favor. Mesmo que seja ligeirinho, dá pra pegar ele fácil com uns três de nós. – explicou o primeiro. Era baixinho, tinha uma cicatriz no queixo e os cabelos castanhos claro.

- Tá... E o elfo? Como faremos? – indagou o segundo. Este usava um boné virado para trás, fumava um cigarro de qualidade baixa e seus olhos eram negros.

-Pode deixar ele comigo. – falou um terceiro colocando o pé em cima do banco que os outros compartilhavam, apoiando o cotovelo no joelho dobrado. Este era alto, pele muito branca e cabeça raspada – Parece que ele é um daqueles que corta pros dois lados e já o vi dando em cima de umas garotas. Então tenho o plano perfeito pra distraí-lo. A Jeny pode me ajudar nisso.

-A sua namoradinha, é? –o que fumava soltou a fumaça presa em seu pulmão, falando de forma rouca.

-É só um esquema entre nós. Nada de namoradinha. Não ia ficar com alguém que dá pra qualquer um. Só to aproveitando que não to fazendo nada mesmo. – pegou o cigarro da mão do outro e tragou terminando-o e depositou a bituca no prato sujo.

- Até que ela é gostosinha... – o de cabelo castanho claro completou – Enfim, como vamos agir? Tenham em mente que precisamos pegá-los separados.

- Assim que o Lukas e a Jeny conseguirem distrair o elfo, podemos atacar o outro. Mas temos que fazer isso quando não tiver ninguém perto. – acrescentou o de boné.

- Tem mais. Eu notei que ele é um dos últimos que vai pro vestiário. E já o ouvi falar sozinho umas três vezes lá. E não era celular, porque aqui na base vocês sabem que não temos sinal algum. - o baixinho de cabelos castanhos disse enquanto se levantava.

- Moleque estranho, mas usaremos essa oportunidade então. Continuem vigiando-o e nos informe quando ele for pro vestiário. Lukas fale com Jeny hoje e deixe o esquema pro elfo pronto. – o homem de boné ajustou-o na cabeça e colocou-se de pé também – Vamos mostrar pra essas duas bichinhas que aqui não é lugar pra elas ficarem dando a bunda, e se insistem em fazer isso terão oque querem. Na Aquila não aceitamos esses viados.

                Todos por fim se levantaram e olharam para o homem que mantinha o silêncio desde o começo. O corpulento de barba cheia. Ele descruzou os braços e se levantou do banco também.

- E você oque fará, Max? – perguntou o careca

- Deixem o tal do Ryan pra mim. Ele me olhou torto. – sua voz era pesada e repleta de uma raiva acumulada.

                Os cincos outros homens se entreolharam e assentiram em silêncio, saindo do refeitório em conjunto.

----

                Ágares estava sozinho, saía do banho com as roupas sujas nos braços e uma única tolha presa a cintura lhe cobrindo as intimidades, assoviando baixo uma música bastante conhecida*. Mas antes que chegasse à área do vestiário onde ficavam os armários, ouviu com sua audição aguçada, claramente seu nome e o de Ryan serem ditos. Fez silêncio e atentou a conversa.

- É oque estão falando mesmo. Eles são... gays? – perguntou o primeiro.

- Bom... Parece que sim. Porque poxa olha como se comportam. Deixam muito na cara que são. Eu não tenho nada contra, mas... Sei lá. Eu fico incomodado quando começam com as ... Carícias... – explicou o segundo.

- Eu também. Tenho amigos que são também, mas não ia gostar que se beijassem na minha frente.

                Agora sim as coisas faziam sentido, claramente aquilo nunca seria um problema para Ágares, mas estavam achando que ele e Ryan eram um casal homossexual. Ele tapou a boca e quase não conseguiu conter a risada que escapava pelos dedos. O mistério dos olhares curiosos e de reprovação fora resolvido. Riu um pouco mais alto e dessa vez não conseguiu reprimir. Saiu de onde estava e se revelou para os dois garotos que o olharam assustados.

- É por isso que eu amo vocês, seres-humanos hipócritas e burros! –ele zombou alto oque fez com que os dois se entreolhassem desconfiados – Vocês se dizem tão superiores e evoluídos, mas a mente de vocês continua tão atrasada quanto à de um verme! Ao mesmo tempo em que se juntam para um ‘bem maior’ vocês apontam o dedo para aqueles que têm uma opinião ou opção diferente à de vocês. – Ágares deu uns passos na direção dos dois garotos e estes recuaram um pouco também visivelmente temerosos –Vocês se matam e se destroem por existir uma mínima diferença de idéias; discriminam aqueles com opções diferentes, mas são os primeiros a ter o pau na mão e bater uma para duas garotas que se beijam. É muita hipocrisia, não é?

                Estando agora tão perto dos dois, Ágares sorria de uma forma sombria. Sentia o ódio ferver seu sangue e o fazer correr por suas veias e podia até mesmo sentir o cheiro do medo dos dois garotos a sua frente. Os dois pares de olhos tremiam perante sua presença. Ágares gostava disso. Ele amava isso! Segurou os dois pelo pescoço e os trouxe para perto. Ambos começaram a chorar e tentar falar coisas incoerentes, contudo os dedos de Ágares lhe apertavam forte a jugular impedindo que prosseguissem.

- Obrigado, garotos, por me fazer lembrar oporquê acho que vocês, seres humanos, são os seres que mais merecem queimar no fogo do inferno.

                Ágares jogou os dois garotos na direção dos armários, fazendo um barulho que retumbou pelo vestiário inteiro, junto com o grunhido de dor deles. O demônio apanhou as roupas sujas e rumou para fora, deixando que sua risada alta e perversa ecoasse por todo o lugar já emendando o assovio ritmado da música que cantarolava antes. Precisava encontrar Ryan e contar a novidade para ele.

----

                Ele sequer deu-se ao trabalho de se vestir completamente. Colocou apenas uma calça folgada e procurou por Ryan pela base. Encontrou-o no corredor dos dormitórios, tratando de chamá-lo para perto. 

- Você não vai acreditar- Ágares riu baixo e ironicamente ao mesmo tempo os dois garotos que encontrara no vestiário passaram por eles, acanhados e de cabeça baixa. Ele os seguiu com os olhos e logo voltou à atenção para Ryan. – Descobri a fofoca que ta rolando e porque estão nos olhando assim.

- Fofoca... Que fofoca? – Ryan cruzou os braços intrigado.

- Estão achando que nós dois somos gays e estamos nos pegando. – e seu tom de voz beirava a um anuncio triunfante. De fato ele queria mesmo estar pegando Ryan, afinal o achava maliciosamente delicioso, mas respeitavaa opção sexual do amigo e tinha ciência de que suas brincadeiras não passavam disso, ao menos para o nephilin.

-... oque!?

- Isso mesmo. Devem achar que nossas brincadeiras são reais. Bem que eu queria que fossem... – acrescentou forçando um beicinho e voz deprimida.

- Mas que bando de pau no cu sem ter oque fazer! Eu estava achando que soubessem oque realmente somos, mas era só isso?! Ahh, tomar no cu! 

                O demônio sempre se deleitava com as reações explosivas de Ryan, seus palavrões se tornavam musicas para seus ouvidos dos quais ele sentia prazer só por ouvir. Seus lábios torceram num sorriso satisfeito e ele riu baixo enquanto se encantava em ver o garoto esbravejar aos ventos.

- Te falei! São todos uns vagabundos filhos da puta mesmo. Eu to pouco me fodendo para oque eles acham da gente, mas e se fossemos mesmo? Oque esses arrombados tem a ver com isso? Que se fodam também! Guarde minhas palavras, Ágares; se nos olharem torto mais uma vez eu vou arranjar treta. Tô nem aí se a Liv não gostar.

- Espero ansiosamente por isso, Ryan. – ele sorriu concordando com ele e repousou uma mão no ombro do garoto. – Mas já te disseram que você fica muito gostoso quando está nervoso? Queria experimentar essa agressividade toda na cama. – Ágares o empurrou contra a parede, aproximando um pouco de seu rosto, descendo a mão por seu peito e o segurando pela cintura. O fizera de propósito, pois notara que alguns membros da organização passaram por trás de Ryan pelo corredor e os observavam curiosos já que um tal nephilin quase acordava todos com seu momento explosivo.  

- Ahh, nem começa. To puto. – e afastou o demônio com um leve empurrão.

- Qual é? Deixa que eu te alivio. – Ágares piscou enquanto deixava um sorriso depravado aparecer ao tempo que lambia os lábios – Prometo te deixar bem relaxadinho pra mim...

- Pelos deuses Ágares, você é uma puta mesmo. – por fim o garoto riu, esquecendo momentaneamente sua irritação. De algum jeito Ágares sempre conseguia lidar com seu temperamento.

- É pra combinar com você. – e o acompanhou numa risada gostosa, ao tempo que lançava olhares ameaçadores para os curiosos no corredor sem deixar que Ryan percebesse. 

- Babaca escroto. - Ryan o empurrou e pôs-se a caminhar em direção aos vestiários – Vou tomar uma ducha. Te encontro depois.

- Lava bem essa raba branca pra mim. Gosto de cheiro de talco.  

                O nephilim ergueu o braço mostrando o dedo médio para o demônio, que soltou outra risada. Deu as costas e seguiu pela direção oposta.  Os corredores que separavam os vestiários da área dos dormitórios não eram tão compridos, mas o fluxo de pessoas era maior. Ele mesmo sentiu-se incomodado com o aperto na base. Não tinha privacidade nem pra bater umazinha. Entrou no quarto estranhamente vazio e seguiu até sua cama, todavia no caminho fora surpreendido por uma garota loira e alta, com uma pinta sexy perto da boca.

-Seu nome é Ágares, não é? – ele colocou as mãos na cintura e o olhou de cima a baixo mordendo o lábio inferior.

-Pra você pode ser até Deus, gata. – ele sorriu e retribuiu o mesmo olhar. O corpo da garota era sensacional. Os seios eram fartos – e para melhorar usava um decote que só exaltava seus atributos – a cintura fina, os lábios e as coxas grossas.  Ágares se aproximou sem tirar os olhos de seu corpo sensual.

- É... é você mesmo. Eu vou ser direta com você, gostosão. – a garota levou uma mão até o peito desnudo do demônio e o alisou – Já faz uns dias que to te querendo. Então, que tal aproveitarmos que estamos a sós? – e seu corpo colou-se ao de Ágares.Agilmente ele a envolveu pela cintura e puxou para mais perto.

- Acho uma ótima idéia.

                Sem aviso, os lábios dele tomaram os dela num beijo ardente. Suas mãos dançavam pelo corpo curvilíneo, apalpavam seus seios e nádegas. E ela também o puxava pelos cabelos desejando-o intensamente. Ágares ergueu a garota do chão e ela trançou as pernas em sua cintura. Caminhou até encostá-la numa parede e desceu os lábios por toda a extensão de seu pescoço. Suas mãos apertavam as coxas grossas que o envolviam, logo mais buscando pela sua roupa intima.

- Estava me esperando, sua danada? – falou em seu ouvido ao perceber que por baixo de sua saia ela não vestia a calcinha.

- Claro. Uma garota precisa ser esperta. – respondeu o puxando novamente, mordendo os lábios do demônio enquanto os dedos dele tocavam sua intimidade.

                Ela gemeu baixo entre os beijos. E em questão de segundos Ágares já estava com as calças abaixadas e seu membro teso dentro do corpo maravilhoso da garota loura. Ágares encerrou o beijo e atentou ao rosto dela sem parar de penetrá-la.

- Qual o seu nome mesmo?

-J-Jeny. – a voz da garota saia entre seus gemidos envolventes  

- Prazer te conhecer, Jeny.

                O demônio sorriu sedutoramente enquanto ria consigo mesmo pensando que essa era a transa mais fácil que conseguira assim que botou os pés no plano terreno. 


Notas Finais


* Ágares cantarolava Highway to Hell - AC/DC - só pra combinar com sua verdadeira natureza. -qqq

----
Sente essa galera homofóbica armando treta. Vai dar merda? Vai. :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...