História Confusões de Adolescente - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 47
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um capítulo fresquinho pra vocês narrado pela Juliana, espero que gostem e me perdoem se tiver algum erro. 💛💛

Capítulo 19 - Hora da verdade


As vezes tudo o que eu queria era que minha vida fosse um conto de fadas, sem a parte em que tem a bruxa má tentando destruir minha vida, porquê se fosse assim, eu estaria em um conto de quase fadas.

Meu namoro estava sendo sustentado por uma mentira, eu fingia estar feliz, mas não estava, o Justin era o cara perfeito, não merecia que eu mentisse pra ele.

Eu pude perceber que a Mariana sabia de alguma coisa, então eu decidi me afastar dela, séria um desastre se a Nathália ou a Sol descobrissem que eu contei algo pra ela.

A Sol estava me ameaçando, no dia da nossa aula de dança fez eu colocar ela no grupo, todas as meninas estranharam, claro, todas sabiam da minha rixa com aquela garota ridícula.

Tem coisa pior do que ser ameaçada? A sensação de impotência, de querer fazer alguma coisa e não poder.

É como aqueles pesadelos, onde você tenta correr de alguma coisa e não consegue, fica tudo em câmera lenta, ou quando você tenta gritar e está sem voz, era isso o que eu sentia.

Eu gostava muito do Justin, ele não merecia, eu estava em uma luta interna entre contar ou não contar.

Só de pensar na reação dele ao saber de tudo o que estava acontecendo meu coração apertava, ver o sorriso dele desaparecendo, o olhar de desprezo dele pra mim, não gostava nem de pensar.

Eu ficava sabendo das novidades pelo Justin, soube que o Carlos e a Mariana tinham ido num encontro, ele levou ela num restaurante e depois foram no boliche, Eduardo e Luiza estavam ficando sério, ele resolveu dar uma segunda chance pra ela.

Por um lado eu estava muito feliz pelas minhas amigas, saber que tudo estava começando a dar certo na vida delas me alegrava um pouco.

O Justin vivia me perguntando o porquê da gente estar afastada, e eu sempre tentava mudar de assunto.

As semanas passavam e a Nathália vivia pegando minhas roupas sem pedir, fazia eu ir na cozinha pegar as coisas pra ela, aquilo estava me tirando do sério.

Sol fingia ser minha melhor amiga na escola, era horrível aguentar ela falando coisas que eu não me importava, ela estava levando aquela "amizade" muito a sério.

Eu não sei o que ela e as amiguinhas dela ganhavam com essa palhaçada de fingir ser minha amiga, chegava a ser ridículo.

Na quarta feira eu decidi faltar na escola, não estava mais aguentando aquele clima de falsidade, de ver a cara do Justin de felicidade e saber que eu estava mentindo, de aguentar a Sol, de ver minhas amigas e não poder falar o que estava acontecendo, eu estava de saco cheio.

Eu dormi até mais tarde e tive um sonho que me esclareceu muitas coisas, no sonho eu tinha uma conversa com uma mulher branca de cabelos longos.

- Segue o seu coração Juliana, faça o que você acha certo. – Dizia a mulher.

- Mas e se o que é certo machucar alguém que eu gosto? – perguntei

- A verdade sempre irá machucar alguém, mas antes uma verdade que machuca, do que uma mentira que deixa tudo tranquilo.

- Você tem razão, obrigada eu acho, mas quem é você?

- Eu sou alguém que sempre vai estar do seu lado, nossa amizade vem de outras vidas e você teve a oportunidade de voltar e fazer tudo certo dessa vez, boa sorte. – disse a mulher sumindo.

Eu acordei assustada e suando, o meu sonho parecia ser tão real, aquela mulher tão familiar, eu sempre acreditei em vida após a morte, mas nunca tinha acontecido alguma coisa parecida comigo.

Fazer o certo, mesmo que magoe alguém, e esse alguém era o Justin, mesmo doendo muito em mim, era preciso, mentir e fingir estar feliz não estava dando mais, cheguei no meu limite.

Naquela manhã eu fiquei pensando em maneiras de como falar pro Justin, eu estava trancada no meu quarto, perdida em pensamentos, decidi que iria mandar uma mensagem pra Mariana pedindo pra ela passar aqui em casa depois da aula.

Juliana diz: Amiga, eu preciso MUITO falar com você, vem aqui em casa depois da aula e traz a Luiza, preciso de vocês.

Mariana diz: Tudo bem amiga, mas o que aconteceu?

Juliana diz: Não dá pra falar por mensagem, eu vou explicar tudo quando vocês chegarem.

Mariana diz: Tudo bem, quando acabar a aula a gente vai direto.

Juliana diz: Ok!

As horas passaram voando, decidi descer e avisar a Creuza que as meninas iriam almoçar aqui em casa hoje.

- Creuza, hoje à Mariana e a Luiza vão vir almoçar aqui em casa hoje, compra um sorvete ou faz alguma sobremesa tá bom? – falei

- Pode deixar, eu tava indo no mercado agora, já vou colocar na lista. – disse ela saindo

- Então quer dizer que você e as meninas voltaram a se falar? – falou Nathália aparecendo na cozinha.

- A gente nunca parou.

- Eu tô de olho em você, se eu desconfiar que você disse algo pra elas, eu acabo com o seu namoro ouviu?

- Eu não seria idiota de falar alguma coisa, se tem uma coisa que eu não sou é burra.

- Pensando bem, é burra sim, caiu no meu plano. – falou com deboche, virou as costas e saiu

Nathalia estava se achando demais, mal sabia ela o que estava por vir, ela que me aguarde, mexeu com quem estava quieta.

As meninas chegaram e ja fomos correndo pro meu quarto, tranquei a porta, já que a Nathalia estava em casa.

- Vocês tem que agir naturalmente, depois eu conto tudo. – falei baixo, elas apenas concordaram.

Elas começaram a me falar do dia delas, disseram que a professora de dança não tinha ido naquele dia então foram dispensadas mais cedo.

Creuza chamou a gente pra ir almoçar, na mesa a Nathalia me olhava com uma cara de desconfiada, mas eu e as meninas não estávamos nem ai, a gente agia naturalmente.

Depois do almoço a gente ficou na área da piscina, numa parte coberta e com bancos, assim a gente podia ver se a Nathália se aproximava pra escutar nossa conversa.

- Então, como vocês já sabem, eu estou sendo ameaçada não é? – falei

- Sim, eu percebi, mas porquê você não quis falar com a Nathália por perto? – perguntou Mariana

- Ela é a mandante de tudo, a Sol e o Alê estão envolvidos. – falei

Eu contei toda a história como se fosse a coisa mais natural do mundo, a Nathália podia estar observando, vez ou outra eu ria pra disfarçar.

- Nossa amiga, eles vão pagar por tudo o que estão fazendo com você, pode contar comigo. – falou Luiza

- Vão mesmo, eu vou acabar com um por um, isso não vai ficar assim. – respondi

- Mas, você vai ter que contar tudo pro Justin. – falou Mariana

- Eu sei, não vai ser fácil, mas é melhor contar a verdade do que viver nessa mentira e sendo ameaçada não é?

- E quando você vai contar?

- Hoje mesmo, já estou decidida, já até mandei uma mensagem falando que vou ver ele hoje à noite.

- Nossa amiga, toda a sorte do mundo. – disse Mariana.

As meninas foram embora e eu voltei a ficar sozinha com os meus pensamentos, mas pelo menos tudo já estava acertado com elas, faltava o Justin.

O tempo ia passando e eu cada vez mais nervosa, a vontade de desistir era grande, mas toda vez que eu pensava nisso, eu lembrava da mulher do meu sonho e de suas palavras.

Eu tomei um banho e me arrumei, eu iria antes que meus pais chegassem e me enchesse de regras, falando a hora que eu tinha que voltar e blá blá blá, eu não iria ficar muito, corria o risco do Justin me expulsar dali.

O motorista já estava me esperando no carro, eu entrei e fiquei calada, ainda pensando num jeito contar toda a verdade, mas eu sabia que na hora todas as palavras ensaiadas não iriam sair.

Eu já estava no elevador e meu coração parecia que ia sair pela boca a qualquer momento, quando chegou no andar do Justin, ele me esperava na porta com um sorriso, era o sorriso mais lindo de todos.

- Você não sabe como o dia foi horrível por não ter te visto sabia? – disse ele me puxando pela cintura e me dando um beijo.

- A gente pode entrar? – falei séria.

- Claro. – a gente entrou e os seus pais estavam na sala, cumprimentei eles e apenas respondi algumas perguntas dele de como meus pais estavam e blá blá blá, não quis dar muito assunto, afinal meu assunto era outro.

Eu e o Justin fomos pro quarto dele, meu coração estava apertado, eu queria gritar e sair fugindo.

- O que tá acontecendo Juliana?

- Eu preciso te contar tudo o que está acontecendo, não dá mais pra ficar assim. – eu já começava a chorar.

- O que tá acontecendo? Porquê você tá chorando? Eu não tô entendendo nada.

- Eu menti pra você Justin, me desculpa. – ele deu um passo pra trás.

- Mentiu sobre o que?

- Sobre o Alê, ele não é só um idiota, ele foi o primeiro cara por quem eu me apaixonei, a minha primeira vez foi com ele. – eu não podia conter as lágrimas

- Eu já entendi, agora que ele voltou você quer ficar com ele. – disse ele, pude perceber que sua voz falhou no meio da frase, ele parecia querer chorar.

- Não, não é isso. – ele me olhou sem entender.

- O que que é então? Fala logo, tô ficando nervoso.

- No dia da festa dele, quando ele me chamou pra ir em algum lugar com ele – eu dei uma pausa e limpei minhas lágrimas – ele me beijou.

Naquele momento o Justin fechou os olhos, pude sentir a dor dele, ele acabou socando a parte, meu coração doeu.

- Eu vou matar aquele garoto, quem ele pensa que é? – ele estava muito bravo – por que você não me contou antes? Fingiu que estava tudo bem?

- Eu estava com medo da sua reação, me desculpa Justin, por favor.

- Te desculpar? Me da um bom motivo pra isso, no nosso primeiro mês de namoro eu pedi pra você nunca mentir pra mim e olha o que você faz.

- A Sol tirou uma foto do momento, eles estavam me ameaçando, diziam que iam te mostrar e acabar com o nosso namoro, por favor entende.

- Não foram eles que acabaram com o nosso namoro Juliana, foi você mesma, vai embora, por favor. – ele abriu a porta esperando que eu saísse.

- Eu não vou implorar pra gente não terminar, porquê eu sei que eu tô errada, mas eu gosto muito de você Justin, um dia você vai entender que eu menti por medo de te magoar. – ele ficou quieto, não olhava na minha cara.

Sai do quarto dele e tive que inventar alguma desculpa pros pais dele sobre eu ir embora muito cedo.

- Você tá chorando, o que aconteceu Juliana? – perguntava a mãe dele.

- Eu só preciso ir, até mais. – falei saindo.

No carro eu desabei, só sabia chorar e chorar, ele tinha razão, se eu tivesse contado tudo isso não teria acontecido, eu mesma acabei com o meu namoro.

Cheguei em casa e meus pais ainda não tinham chegado, fui logo pro quarto da Nathalia, agora meu assunto era com ela, entrei em seu quarto sem bater na porta, ela tinha acabado de sair do banheiro estava só de toalha.

- O que você tá fazendo? Saí do meu quarto agora! – disse.

- Acabou tudo Nathália, eu contei tudo pro Justin – a cara dela não foi nada boa – seu joguinho acabou, mas o meu tá só começando.

- Eu não acredito que você fez isso.

- Eu vou acabar com você Nathália, você vai se arrepender de ter feito isso comigo, aproveita esses seus dias de felicidade. – falei isso saindo do quarto e batendo a porta.

Agora era hora de me vingar dos três, eu precisava pensar em alguma coisa, mas naquele momento, eu só queria saber de chorar no meu quarto, não estava com a cabeça pra pensar em alguma forma de me vingar.


Notas Finais


Espero que tenham gostado desse capítulo, obrigado por lerem. 💛💛💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...