História Conquistas Perigosas - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Inuyasha, Kagome, Rin, Sango, Sesshoumaru, Youkai Satori
Tags Amor Proibido, Crime, Inugome, Inuyasha, Kagome, Máfia, Miroku, Obsessão, Rin, Sango, Sesshoumaru
Visualizações 531
Palavras 4.950
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishoujo, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Poesias, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie blzinha ?
espero que sim :)
Valeu todos os comentários no cap anterior .
Eu fiquei duas horas para fazer esse cap estou com meu corpinho lindo e minhas mãos doloridas :)
então desculpem os erros , porque com certeza eu não vou corrigir :)
o cap ta meio corrido
beijos

Capítulo 11 - Ligações perigosas


Fanfic / Fanfiction Conquistas Perigosas - Capítulo 11 - Ligações perigosas

O sexo é o consolo que a gente tem quando o amor não nos alcança.

Gabriel García Márquez

 

 

 

Sesshoumaru estava na frente do espelho arrumando sua gravata da cor azul escuro, foi quando a porta do seu quarto se abriu e diante dele apareceu Jaken.

 

_ senhor Sesshoumaru me desculpa entrar assim, mas é muito importante o que tenho para falar com o senhor.

_ Hum. Então Diga – disse Sesshoumaru sem tirar os olhos do espelho.

_ o senhor Toushira Maraki foi encontrado morto.

_ Hum... - Sesshoumaru olhou para fiel servo – sabe quem foi?

_ não senhor, a única informação que temos é que ele foi encontrado morto no parque em estado de descompição bem avançado.

_ Ok. Jaken meu Carro já esta pronto?

_ sim senhor.

_ Ok, - dito isso Sesshoumaru saiu do quarto seguindo pelos corredores da mansão rumo onde seu carro estava.

 

 

(...)

 

Rin estava deitada na cama assistindo algum filme que ela não fez questão de lembrar o nome, foi quando avistou a porta do seu quarto sendo aberta.

 

_ senhorita Rin... – disse a empregada com uma bandeja em mãos – trouxe seu jantar.

_ Obrigada. – a empregada colocou a bandeja sobre a cama. – por favor, sabe que horas Senhor Sesshoumaru vem ao meu quarto?

_ não sei senhorita.

_ Hum. Sabe onde ele esta?

_ o senhor Sesshoumaru saiu, mas não sei pra onde.

_ Ok, Obrigada. – a empregada saiu, mas antes que Rin pudesse começar a comer seu jantar, viu uma morena adentrar o seu quarto.

_ olá Rin – sorriu a morena para Rin.

_ Oi.

_ lembra-se de mim?

_ sim, você é a tal Sango... - disse sem muito animo vendo a outra se aproximar.

_ isso... - sorriu – fico feliz que lembre meu nome. – Sango seguiu ate a cama de Rin em seguida sentou-se, – Sabe Rin, eu queria ser sua amiga.

_ não quero amigas, principalmente de você que é uma sequestradora. – ao ouvir isso Sango caiu na gargalhada.

_ nossa quanta magoa nesse coraçãozinho, uma menina bonita como você não deveria ser tão mal humorada – disse Sango levando sua mão ate o rosto de Rin que desviou do toque da garota, fazendo Sango rir novamente – Calma não vou te violentar – riu mais uma vez vendo a cara que Rin fizera devido ao seu comentário. Sango pegou do prato de Rin um bolinho de arroz levando para sua boca – agora entendo porque meu nii-san te chama de Garota selvagem.

_ o que quer comigo?-disse tentando mudar de assunto.

_ já disse quero ser sua amiga... - suspirou - infelizmente não tenho nem uma, e apesar de você parecer uma gatinha selvagem, você me parece uma pessoa boa.

_...

_ então Rin me fale de você.

_... - Rin permenenceu calada.

_ bem se você não quer começar eu começou então. Como sabe sou a Sango Taisho, a irmãzinha do seu dono... – Rin virou o rosto, fazendo Sango rir - meu nii-san é uma delicia no é? – perguntou Sango fazendo Rin corar – alem de ser bom de cama, ele é lindo... - ao falar isso Rin a encarou incrédula – Calma... - ela riu - já transei com Nii-san , mas ele não é meu irmão de verdade ... Sou adotada. – riu- bem, acho que seremos grandes amigas.

 

 

(...)

 

 

Sesshoumaru adentrava um dos melhores restaurante de Tóquio seguiu ate a mesa que estava um homem moreno que bebia tranquilamente uma taça com vinho.

 

_ Sesshoumaru... - disse naraku levantando-se da cadeira para cumprimentar o prateado.

_ Naraku... - disse frio dando um aperto de mão na do moreno, em seguida se sentando na cadeira à frente a dele.

_ bebe algo?

_ uísque.

Naraku fez sinal para garçom que se aproximou da mesa anotando os bebidos dos homens, horas se passaram ambos resolveram jantar, depois do jantar cada um se encontra com um copo de bebida.

_ então Sesshoumaru que tal falamos de negócios?

_... - o Taisho permaneceu quieto.

_ soube que seu fornecedor veio a falecer que coisa trágica – fingiu falsa tristeza.

_ me convidou aqui só para falar do meu fornecedor Naraku?

_ claro que não, nunca iria desperdiçar o meu e o seu tempo... Convidei-Lhe para fazer um acordo com você.

_ que a concordo? – perguntou Sesshoumaru bebendo um gole de sua bebida.

_ sabemos que você é quase dono de tudo de Tóquio.

_ quase não Naraku, eu sou dono de tudo... - Sesshoumaru o corrigiu e Naraku teve que engolir sua raiva.

_ Ah claro, perdoei-me pelos erros de palavras – sorriu – mas continuando sabemos que você é dono de tudo de Tóquio, então eu queria me tornar seu sócio.

_ porque acha que iria aceitar uma proposta dessas?

_ ora Sesshoumaru sabemos que Toushiro era o seu maior fornecedor, agora com a morte dele você esta um pouco em desvantagem.

_ Então você matou Toushira Maraki, achando que pela morte daquele homem patético eu iria aceitar a proposta do primeiro idiota que me convida para jantar? – Naraku riu alto ao ouvir as palavras de Sesshoumaru.

_Ora, Ora, acho que você me pegou, não poderia esperar menos do grande Taisho. Mas acredite Sesshouaru, ser seu sócio vai fazer você o maior homem da historio não só do Japão, mas também do mundo interior.

 

 

(...)

 

 

Inuyasha seguiu ate a cozinha para beber um copo com água foi quando avistou sua querida mãe Arina.

 

_ Filhinho... - Arina se jogou nos braços do filho que afastou imediatamente de si – que grosseria.

_ da para se comportar e vestir uma roupa mais descente... - disse ao ver que Ariana estava com babydool sexy demais para uma mulher esta andando em meio a uma mansão no qual havia muitos homens; e ninguém poderia negar Arina era uma mulher sexy e linda.

_ esta com ciúmes da mamãe, que lindo meu snoopy... - disse Arina empolgada fazendo Inuaysha revirar os olhos.

_ pense o que quiser... - disse seguindo ate a geladeira.

_ quer que mamãe faça um chocolate quente pra você meu amor?

_ não sou mais criança mãe, pra ficar tomando chocolate quente.

_ deixe de besteira menino... Senta aqui – ela o puxou fazendo Inuaysha se sentar contra gosto em um banco próximo ao balcão. Inuaysha apenas revirou os olhos deixando a mulher fazer o que quisesse; minutos depois a Taisho colocou uma xícara na frente do filho e outra para ela. -sabe você vai virar um quadrinho de tanto desenhos em seu corpo... – disse a mulher vendo os braços do filho cheio de tatuagem, fazendo inuyasha revirar os olhos-mas, mudando de assunto e como esta aquela professora gostosa que você quer pegar meu snoopy. - disse Ariana Fazendo Inuyasha quase se engasgar com o chocolate quente.

_ C-Como sabe disso?

_ uma mãe sempre sabe de tudo – ela riu dando uma golada em seu chocolate – e alem do mais eu tenho meus informantes.

_ Hum.

_ vai filho me fala dela, por favor – pediu com os olhos brilhando.

_ não a nada para falar.

_ tem certeza? Porque acho que tem muita coisa sim.

_...

_ Oh, meu bebezinho esta apaixonado pela professorinha que coisa mais linda... - Inuyasha levantou-se da cadeira e pegou sua xícara.

_ Obrigado pelo chocolate... - disse saindo.

_ de nada meu amor, mais tarde passo em seu quarto para te dar um beijo de boa noite – Arina riu vendo seu filho se afastar – esses meus filhos – ela tomou um gole de chocolate - um apaixonado pela professora, outro por uma garotinha, e a outra por amiguinho de infância, sinto cheiro de problemas-riu arina para si.

 

(...)

 

 

Sesshoumaru chegava à mansão, ele seguiu pelo corredor na ala que ficava Rin, ele andou um tempo parando finalmente na porta do quarto da morena; ele demorou alguns segundos, mas finalmente resolveu entrar, dando de cara com Rin assistindo um filme de terror.

 

_ ainda acordada?

_ sim, eu estava te esperando – Rin levantou-se da cama, indo o ate ele.

_ me esperando?- ele arqueou uma das sobrancelhas prateadas com um sorriso.

_ sim, estava com saudades... - ela envolveu seus braços em volta do pescoço do prateado que a puxou para sim em seguida a beijou, ao mesmo tempo em que a levava para cama.

 

 

 

 

 

(...)

 

 

No dia seguinte

Rin como de costume saia todos os dias do quarto, e passeava pela enorme mansão. Em um dos seus passeios ela se “esbarrou” novamente com Sara.

 

_ Rin... - gritou a menina animada, abraçando Rin que ficou desconcertada pela aquela aproximação.

 

_ Oi Sara...

_ como vai? – perguntou agora se afastando da baixinha.

_ bem e você?

_ também. Rin eu estava procurando o meu noivo, mas eu não achei - suspirou triste – bem eu estava pensando que tal saímos para tomar um sorvete ou comer alguma coisa?

 

_ desculpe Sara eu não posso sair daqui...

_ Hã? Como assim, você por acaso é alguma prisioneira? – Sara riu do próprio comentário – vamos... - Sara puxou Rin pela mão.

_ Não! – Rin gritou se soltando de Sara, fazendo a outra se assustar.

_ ah, me desculpa Rin. - disse triste – desculpa lhe incomodar.

_ Sara espera – Rin deu longo suspiro – me desculpa Sara, eu não queria gritar, mas eu não quero sair daqui da mansão. Mas se você quiser podemos ir para cozinha fazer algo para comer.

_ seria ótimo, mas eu não sei cozinhar... - disse Sara sem graça.

_ Bem, eu sei um pouco.

_ ótimo. –disse Sara animada pegando na mão da morena novamente e partindo para cozinha, ao chegarem viram algumas servas.

_ o que as senhoritas desejam?-perguntou à serva.

_ não se preocupe eu e a Rin vamos fazer algo para comer. – a serva assentiu em seguida se afastando – então Rin o que vamos comer?

_ você gosta de sanduiche Sara?

_ adoro – disse animada. Então Rin começou a preparar dois sanduiches enormes para ela e Sara, quando prontos ambas estavam sentadas cada uma em seu lugar com sanduiches na mão. - que delicia Rin, é a melhor coisa que já comi.

_ não é para tanto - sorriu sem graça.

_ mas me fala mais de você Rin, naquele dia conversamos tão pouco.

_não tenho muito que dizer – ela sorriu.

_ a fala serio Rin, deve ter algo.  Você tem pais ou irmãos?

_ eu... - ela lembro-se de Ken, sentiu um aperto eu seu peito pela lembrança – eu tenho um irmão, ele se chama Ken, ele é um menino adorável – Rin sorriu- e muito fofo, ele iria gostar de você – disse sorrindo para Sara.

_ e onde ele esta?

_ b-bem, ele esta viajando no momento, mas em breve vamos esta juntos novamente.

_ que ótimo - sorriu sara – eu sempre quis ter um irmão. Mas e seus pais?

_ minha mãe esta morta faz um tempo... - ficou triste com a lembrança da mãe.

_ e seu pai Rin?- nesse momento Rin sentiu uma grande Raiva ao lembra-se do canalha que a vendeu.

 

_ Morto. – disse sem ao menos saber o verdadeiro estado do pai.

_ Hum sinto muito.

_ Não sinta Sara. –suspirou-e você?

_ eu o quê?

_ fala de você também. -riu.

_ah, eu sou filha única, minha mãe faleceu quando eu tinha nove anos e meu pai acabou me mandando para um colégio interno, não que ele me quisesse longe, ele apenas não sabia como criar uma filha – ela riu – meu pai é adorável...

_ que bom. –Rin sorriu pela felicidade de Sara.

_ vamos falar agora de uma coisa mais empolgante, como homens – Sara sorriu e Rin corou – você tem algum namorado?

_ Não. - disse sem graça.

_ mas já teve?

_ não.

_ então você é virgem ainda?– Sara perguntou pensativa.

_ na verdade n-não-ao ouvir isso Sara deu um gritinho animada.

_ que Safadinha, como foi me diga? Foi romântico, foi com o cara que você gostava... - os olhos de sara brilhava com cada pergunta.

_ eu não me lembro – mentiu.

_ então você perdeu a virgindade com um desconhecido? Então você estava beba? Nossa Rin você é uma safadinha mesmo... - Sara riu, deixando Rin tonta de perguntas. - sabe a minha primeira vez foi perfeita , romântica e com homem que amo – Sara corou- Sesshoumaru foi tão gentil comigo .- sorriu com as bochechas coradas .

 

_ que Bom Sara fico feliz por você.

 

(...)

 

Kagome estava no escritório de sua casa analisando alguns papeis da faculdade, devido o que aconteceu com seu aluno, ela acabou pedindo uns dias de folga da faculdade alegando problemas pessoais. Mesmo não querendo ela não conseguia tirar o Taisho da cabeça.

 

_ amor... – chamou Kouga adentrando o escritório.

_ Oi Kouga.

_amor, eu vim avisa-la que vou precisar viajar depois de amanha.

_ mas por que Kouga?

_ assuntos do tribunal.

_ a sim – ela sorriu triste – vai demorar de voltar?

_ ainda não sei, depende do caso.

_ Hum. – Kagome levantou de sua cadeira e foi ate seu marido – eu vou sentir sua falta.

_ também amor... - ele tocou na face da morena – que tal irmos para quarto...

_ Kouga não... -ela se afastou do moreno de olhos azuis. - eu estou um pouco indisposta .

_ K, faz uns dias que você me fala a mesma coisa.

_ Kouga me desculpa. - a morena passou a mão sobre seus fios negros – eu só estou cansada muitos assuntos da faculdade, me desculpe ok?

_ mas... - antes que Kouga viesse dizer alguma coisas seu telefone tocou, fazendo o moreno atender se afastar de sua esposa, que suspirou aliviada de não ter que falar mais alguma coisa.

 

(...)

Dias se passaram.

Rin estava no Jardim como todas as manhas, foi quando avistou Jaken servo fiel de Sesshoumaru.

 

_ ei baixinho... - a morena gritou por Jaken, que a olhou com cara feia.

_ o que quer?

_ onde esta senhor Sesshoumaru?

_ na sala de tiro.

_ Obrigada... - disse ela se afastando; finalmente chegando ao lugar que era uma sala que compostas por armas e alvos. Rin observava Sesshoumaru atirando com grande habilidades em todos os alvos.

_ senhor Sesshoumaru...

_ Olá Rin, - ele a olhou em seguida dando um tiro no alvo sem ao menos olhar.

 

_ Nossa isso foi incrível...

_você quer tentar? – perguntou o prateado carregando arma.

_ eu posso?

_ se quiser. – Rin ainda meio sem graça se aproximou do prateado, que entregou arma a morena – naquele dia que você tentou atirar em mim, percebi que você tinha jeito para pegar em uma arma... - o prateado se colocou atrás da morena, envolvendo suas duas mãos em volta das duas mãos pequenas e delicadas de Rin – Segure firmemente, como se estivesse dando um aperto de mão no qual você tem que provar a sua força. – sussurro ele no ouvindo de Rin - Relaxe um pouco. Pronto, esse é o ponto certo de tensão entre sua mão e a arma. Você tem que segurar firme com as duas porque quando a arma disparar, ela não vai te dar um coice... Seus pés Rin devem estar abertos na largura dos ombros, com o pé oposto à mão direita um passo à frente do outro pé. Fique com o corpo reto, mas levemente curvado para frente, mantendo o equilíbrio. O cotovelo do seu braço direito deve estar quase completamente reto. Já o cotovelo do braço esquerdo deve estar levemente flexionado. Mire. Agora atire – Dito isso Rin apertou o partilho, sua mão tremeu um pouco, mas as mãos de Sesshoumaru a parou.

_ Nossa... - disse ela empolgada.

_ parece que a garotinha selvagem foi bem... - disse ele se afastando da morena e apontando para o salvo – se treinar mais um pouco acabara sendo uma ótima atiradora. - Sesshoumaru tirou a arma de RIn em seguida a puxando para si , ele a beijou em meia armas e cheiro de pólvora  .

 

 

 

(...)

 

 

 

Sara estava super animada, em breve casaria com o homem da sua vida, morena já estava saindo de casa quando escutou a voz de um homem.

_ Filha...

_ Oi papai. – disse indo abraçar um homem alto de porte mediana, cabelos grisalhos.

_ a onde vai?

_ vou para casa de Sesshoumaru,

_ filha você esta andando muito lá.

_ Sesshoumaru é meio noivo quero vê-lo, eu já fico a semana toda longe dele, só tenho os fins de semanas.

_ entendo, mas não é certo uma menina de família como você esta sempre lá, não certo, sabe que nada pode acontecer antes do casamento no sabe querida?– Homem suspirou, fazendo Sara corar - meu Deus sua mãe faz tanta falta, como é que vou conversar esse assunto com você.

_ papai... Nunca aconteceu nada comigo e Sesshoumaru – mentiu – e não precisa falar sobre esses assuntos comigo. - corou -  Papai agora eu preciso ir... - a morena se aproximou do homem dando um beijo na bochecha do mesmo, em seguida Sara saiu - o papai me mataria se soubesse que me entreguei a Sesshoumaru... - disse para si , adentrando o carro que já lhe esperava .

 

 

 

(...)

 

 

_ eu amei fazer isso... - disse Rin com a cabeça apoiada no corpo de Sesshoumaru ambos estava sentados com os corpos encostados na parede.

_ sexo?- ele perguntou.

_ bem isso também – ela corou – mas eu gostei de atirar, é tão...

_ excitante... - o complementou.

_ sim, excitante, essa a palavra - disse animada. Ele riu pela carinha dela.

_ se quiser posso te ensinar a usar todos os tipos de armas.

_ Serio?

_ sim... - ele sorriu– alis se quiser posso te ensinar muitas coisas... - ele a puxou pela nuca lhe dando um beijo em seguida , ela não o recursou pelo contrario , envolveu seus finos dedos no fios prateados do homem.

 

_ Sesshoumaru, Sesshoumaru... - O prateado afastou seus lábios do de Rin, ao perceber que a voz que lhe chamava era conhecida.

 

_ é a Sara... - disse ele se levantando do chão. – fique ai... - ordenou saindo e avistando Sara que se jogou em seus braços envolvendo - Sara o que faz aqui?

_ bem eu queria ver meu namorado, fiz errado? – questionou triste.

_ não é isso. - ele olhou desconfiado para lado que Rin estava escondida – eu apenas não esperava... mas estou feliz de você esta aqui – ele tocou na face da morena com carinho – que tal irmos para meu quarto , eu preciso de um banho ....e seria ótimo ter sua a companhia ...- disse sedutor .

_ e-eu adoraria... - ela o beijou e Sesshoumaru retribuiu o beijo, ainda escondida Rin observava a cena do casal.

(...)

 

 

Dias depois

 Finalmente o casamento de Sango e Ban chegou à mansão estava sendo bem decorada, Sango estava em seu quarto olhando para seu vestido sobre a cama, dentre algumas horas ela seria casada com um homem que ao menos ela amava; viu a porta se abrir e viu adentrando seu quarto Rin.

 

 

_ Me chamou? – perguntou Rin.

_ sim, -ela sorriu – será que tem como você ficar comigo ate a hora do casamento? – perguntou Sango, querendo ou não com o tempo Rin acabou se tornando “amiga” de Sango.

_ tenho escolha?

_ Não. – respondeu Sango e Rin suspirou se aproximando da morena.

_ é lindo seu vestido.

_ obrigada, compre na melhor loja de Tóquio.

_ Hum. Para uma noiva você não parece muito animada.

_ e não estou Rin – admitiu sango.

_ então porque vai casar?

_ negócios...

_ Hum sei. – disse simplesmente.

_ quer fumar um baseado comigo Rin?

_ Hã?

_ quer fumar baseado?

_ não obrigada...

_ ta bom então... - Sango riu. – então que tal vinho?

 

 

 

(...)

 

 

Sesshoumaru estava com alguns convidados, eles conversam sobre diversos assuntos que envolviam dinheiro. Foi quando prateado avistou ao longe se aproximando Sara que usava um vestido Rosa muito elegante e ao seu lado estava o seu sogro.

 

_ Sesshumaru – disse Sara animada abraçando-o.

_ Sara.  Senhor Akemi – disse Sesshoumaru, estendendo a mão ao homem que apertou a mão dele fortemente.

_ Sesshoumaru... – respondeu serio. – Filha, por favor, solte seu namorado, isso não é jeito de uma mocinha esta agarrada a um rapaz...

_ s-sim papai... - disse sem graça, mesmo Sara sendo maior de idade, Akemi acreditava que sua filhinha Sara era uma mocinha ingênua. - Sesshoumaru onde esta a Sango?

_ No quarto dela Sara, deve esta se preparando...

_ah, eu vou ate lá... -disse com um sorriso – com licença – dito isso Sara saiu deixando seu pai e seu namorado a sós.

_ então Sesshoumaru quando vai ser o casamento com minha filha?

_ em breve senhor, quero me casar o mais rápido possível com sua filha.

_ ótimo. Não quero que a Sara fique anos em um noivado; bem, pode acabar acontecendo algo de muito íntimo com vocês... - Akemi mencionou e Sesshoumaru coçou a garganta bebendo um gole de sua bebida.

 

 

(...)

 

Sango já começava a colocar o vestido de noiva, no quarto estava algumas servas, e Rin.

 

_ só falta fechar o zíper – disse a serva. Batidas na porta e Sara adentra o quarto.

 

_ Nossa Sango como você esta linda...

_ Obrigada Sara – agradeceu à morena.

_ Rin como vai? – disse Sara indo abraçar a morena.

_ bem Sara e você?- sorriu.

_ também, mas porque você ainda não esta arrumada para casamento?

_ eu... Eu... Não trouxe roupas... - mentiu.

_ mas Rin como você não vai participar do casamento de sua prima.

_ Prima Sara esta certa, que besteira porque não me falou antes isso, pegue um dos meus vestido. - disse Sango , Rin olhou com uma cara nada boa para Sango .

_ isso – concordou Sara – se houve me dito antes poderíamos ter saído para fazer compras... - Rin permaneceu quieta . Arina adentrou o quarto com lindo vestido vermelho.

 

_ filha já esta pronta?

_sim mamãe... -sorriu -  servas leve a Rin a Sara por meu quarto e ajude a Rin a se arrumar , quero ficar as sós com minha mãe...- as servas assentiram , em seguida todas saíram  .

 

_ Filha você esta tão linda.- falou Arina.

_Obrigada mamãe pena que papai não veio.- disse triste.

_ e quem disse isso? – questionou Arina com enorme sorriso; foi quando Sango escutou uma voz rouca lhe chamando.

_ Filha... - a morena virou-se vendo seu pai Inutaisho .

_ papai. Você veio – ela abraçou Inutaisho .

_ eu não poderia perder o casamento da minha princesa, e alem do mais só eu que vou te conduzir ate altar...

_ a papai estava com tanta saudades...- disse feliz.

 

 

 

 (...)

 

 

A musica começou a tocar, todos os convidados levantaram-se para receber a noiva, Sango usava um vestido lindíssimo, a morena começou andar em direção ao seu noivo Ban que era um moreno de pele bronzeado e olhos negros, era um homem bonito. 

_ cuide de minha filha garoto. - disse Inutaisho, finalmente ao chegar ao altar.

_ sim senhor - Ban estendeu a mão a sango, ambos agora estavam diante do padre que começou cerimônia, já quase no fim ele começou a dizer;

 
              _ Uma vez que é vosso propósito contrair o santo Matrimonio, uni as mãos direitas e manifestai o vosso consentimento
na presença de Deus.

_ eu Ban, recebo-te por minha mulher a ti Sango, e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença,Todos os dias da nossa vida.

 

_ Eu Sango, - a morena olhou na direção que estava Miroku, a sua vontade era de sair correndo dali e direto para os braços do moreno, mas isso não passava de apenas um sonho, ela deu um longo suspiro começando novamente - recebo-te por meu marido a ti Ban, e prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, todos os dias da nossa vida.

 

 

O sacerdote abençoa as alianças. Ban pegou a mão da morena começando fazer seus votos :

 

_ Sango recebe esta aliança, como sinal do meu amor e da minha fidelidade. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. – Foi à vez de Sango pegar na mão de Ban.

 


               _ Ban, recebe esta aliança, como sinal do meu amor e da minha fidelidade.Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

 

 

_ com o poder dando a mim a santa igreja, eu os declaro marido e mulher, agora pode beijar a noiva... - disse o padre; Ban se aproximou de Sango dando lhe um selinho.

(...)

 

A festa estava rolando, enquanto isso Miroku estava no escritório dos taisho, bebendo um gole sua bebida e olhando pela janela os convidados se divertindo, foi quando escutou um barulho ao se virar viu Sango.

 

_ Sangozinha... - disse animado.

_ não me deu parabéns pelo meu casamento... -disse ela se aproximando.

_ me desculpe. Eu estava esperando o momento certa, você e Ban estava rodeado de pessoas. 

_ entendo... - ela se aproximou mais pegando o copo de bebida que estava na mão do moreno em seguida bebendo.

_ não deveria beber Sangozinha... - ele riu.

_ por quê? acha que posso fazer uma besteira...

_ acho que você já bebeu demais – disse tomando o copo da morena. Sango Riu se aproximando.

_ e você como sempre me protegendo... Ela riu tocando suas mãos no peitoral – e por isso que eu te amo.

_ eu também te amo sanhosinha, você é como minha irmã. - ela riu.

_ que se dane... - disse envolvendo suas mãos em volta do pescoço de miroku o puxando para si, ela o beijou, o beijo que ela tanto esperou estava acontecendo.

_ Sango... - ele afastou de si. - porque fez isso?

_ eu te amo Miroku, e não é como uma Irmã, eu te amo com uma mulher ama um homem.

_ S-Sango... o que esta dizendo.

_ Miroku você é burro ou que? – ela riu – no ver que eu sempre te amei! e  que o cara que falei naquele dia era você... Eu te amo, eu te amo tanto Miroku... Por favor, me faça sua só hoje.

_ Sango eu sou casado... E você é casada estamos no seu casamento.

_ não me importa miroku, por favor... Só dessa vez me deixa sentir como é ter você... Por favor. - ela o beijou novamente, mas dessa vez, Miroku não afastou, em vez disso ele a puxou mais para si, o beijo calmo foi se tornando quente e sexy. As mãos Rápidas de Miroku abriram o vestido de sango que escorregou pelo corpo da morena, de encontro ao chão, a deixando a apenas de lingerie; Sango por sua vez foi tirando toda a roupa do moreno. Em movimento rápido Miroku a colocou Sobre a mesa derrubando tudo que tinha ali em cima. Ele não sabia o que estava acontecendo, só sabia que a queria.

 

_ isso é errado sango. - disse entre beijos

_ shhh, por favor, não diga nada – ela pediu o beijando novamente, ficaram naquela posição por um tempo, ate que Miroku a guiou ate a sofá a deitando em seguida, ambos agora estava nus, miroku sabia que aquilo era loucura, mas sem entender muito ele a queria também, ele a beijava sem deixar de acaricia-la, em resposta sango gemia pelos toques de seu amado, o moreno a segurou firme enquanto beijava toda a extensão da pele do pescoço da morena, Miroku não estava conseguindo mais negar os seus instintos por Sango.

 

_ Miroku eu quero você... - pediu Sango que teve seus lábios tomados por mais um beijo de tirar o fôlego de Miroku, que a beijou longamente, deixando as emoções conduzirem as trocas de caricias, o moreno por sua vez foi descendo seus lábios pelo pescoço novamente da morena ate chegar à parte intima de Sango que já latejava de desejo, ela Soltou um gemido longo quando Miroku abriu as suas pernas e começou a deslizar sua língua nas coxas ate a boceta da morena, que ficava cada vez mais molhada devido o excitação. - Miroku ....isso ...me chupa -Sango gemeu. Quanto Miroku fazia um oral caprichado na morena; não demorou muito para que ele viesse sentir o delicioso gosto Sango, que gemeu sentindo todo seu corpo se contrair. – ai que delicia meu deus nunca gozei tão gostoso... - disse ela olhando pra o moreno que lambia o próprios  - quero te chupar também Miroku – ele se ajoelhou sobe o sofá inclinou sua cabeça para frente ficando praticamente de quatro -  eu sempre sonhei com isso – ela revelou, envolvendo os seus lábios molhados no pau de Miroku.

              – Ah!Sango – ele gemeu rouco já fechando os olhos e aproveitando as sensações. – Gostosa... -a palavra escapuliu entre seus lábios semi-fechados, Sango o chupava de forma intensa, levando o moreno à loucura, ela subia e descia com a língua pressionando o pau de Miroku. Enquanto a mão de Miroku estava repousado na cabeça da morena. – Ah, Sangozinha.  – Mioku tentava controlar os seus instintos de gozar , então em um movimento único ele a afastou Sango de seu pau, a beijando na boca, sentindo seu próprio gosto.
 

 

_ faça sexo comigo, por favor, me faça sua... - Sem esperar mais, ele agarrou a Sango pelo quadril a deitou novamente no sofá abrindo bem as pernas dela e em seguida a penetrando de uma só vez; fazendo agora ambos gemerem altos; Miroku começou a beija-la ao mesmo tempo em que a penetrava, Sango gemia feito louca, aquilo estava sendo mais gostoso do que havia pensado em seus pensamentos eróticos - Miroku... ai que delicia...por favor mais forte , esta tão gostoso -  Miroku  intensificou a investidas , finalmente gozando dentro da morena  , levando-a orgasmo junto a ele.

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...