História Construindo uma família - Capítulo 51


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Tags Família, Spanking, Supernatural
Visualizações 222
Palavras 2.851
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meu amores! Primeiramente quero dedicar esse capítulo a "Jade_Potter", boa sorte na apresentação amor, espero que ele te dê sorte sim :D
Segundo, quero agradecer a todos os que comentaram no último capítulo! Eu não consegui responder graças a minhas "Maravilhosa" interne, que eu ainda não consegui trocar o modem :/
Mas logo resolverei esse problema e poderei responder normalmente, com a net assim fica difícil, fica dando erro e preciso ter muita paciência. Coisa que eu não tenho kkkk
Mas estou lendo os seus comentários, e fico realmente feliz em saber que estão gostando da fic! Por tanto irei continuar com certeza, já tenha muitas ideias para colocar aqui :)
Espero que gostem do capítulo e se for o caso, peço que comentem me dizendo, isso me motiva muito :D
Leiam as notas finais, tenho um aviso importante :)
Boa leitura a todos!

Capítulo 51 - Aceitando algumas coisas


POV Tyler

Ok, definitivamente eu estou ferrado. Como eu fui tão idiota ao ponto de acabar dormindo lá? Foi bom... Muito bom por sinal, mas agora estou prestes a ganhar uma bela surra também!

Isso é tão injusto, porque eu não posso simplesmente sair, namorar e voltar tarde? Daqui uns dias eu já terei dezessete anos!

— Eu quero uma explicação, e para o seu bem eu espero que seja boa Tyler, ou eu juro que você vai apanhar até esquecer o seu nome! - Ameaça ele com uma voz de dar medo em qualquer um. Confesso que sua frase me deixou um pouco assustado... Embora eu saiba que ele nunca ultrapassaria os limites comigo.

— Se eu falar... Você promete não se irritar? - Pergunto baixinho. Nem sei porque raios fiz essa pergunta, ele já está irritado! Pior impossível...

— Desembucha Tyler, e sem enrolação!

Chega, cansei de ouvir! Eu não fiz nada de tão errado assim, e acabo me deixando levar pela raiva:

— Não fala assim comigo! Eu não fiz nada de errado, porque está agindo como se fosse o fim do mundo?! Eu só sai para ver a MINHA namorada! Isso por acaso é pecado? Eu cansei de você me dizendo o que fazer Dean, cansei de ter que te obedecer sem reclamar! Quer me bater? Pois bem, fique a vontade! Eu não vou deixar de ver a minha namorada só porque você quer. Você não tem moral pra me exigir isso! Só porque você e Joey saíram metendo com vadias que mal conheciam e fazendo filhos como coelhos, não significa que acontecerá o mesmo comigo! E... - Paro de falar no momento exato em que sinto seu punho contra meu maxilar. Sinto uma ardência anormal no local... Ele me deu um soco?! Papai me me deu um soco no rosto?

O olho sem poder acreditar... Ele nunca fez isso antes... Nunca ergueu a mão para mim desse jeito... E como isso está doendo!

Sinto meus olhos marejados, Dean acabou de me dar um soco...

— Nunca mais fale assim comigo Tyler! Eu sou o seu pai e exijo respeito! Quem te deu liberdade para falar dessa forma comigo? E colocar o nome do seu irmão no meio? Isso foi golpe baixo... - Dean me olha sério - Suba e me espere em seu quarto.

Não espero ele repetir, passo as mãos nos olhos e corro em direção ao meu quarto. Me jogo na cama e passo a mão no maxilar dolorido... Isso foi uma das piores coisas que passei... Eu já irritei muito Dean, em diversas ocasiões, e ele nunca havia me dado um soco. Sempre me castigou daquela forma infantil, sobre o seu colo e com palmadas ou algo do tipo... Isso é tão estranho para mim... Eu não gosto...

Papai não demora para entrar no quarto, ele caminha em minha direção e se senta na cama.

O encaro sem me mover, ainda segurando o choro.

— Venha aqui e vamos acabar logo com isso. - Diz ele, e posso sentir a irritação em sua voz. Me levanto devagar e paro diante dele. Sem dizer nada, Dean abaixa minha calça jeans e minha boxers até o joelho. Respiro fundo sentindo as primeiras lágrimas escapando. Passo as mãos nos olhos e pouco depois papai me tomba de bruços sobre suas pernas. Sinto ele levantar um pouco minha camisa larga, deixando meu traseiro completamente exposto. Por alguma razão, dessa vez sinto um pingo de vergonha... Acho que por conta do que houve hoje mais cedo com Manu... Foi algo tão íntimo e... Bonito... E agora eu estou assim, nessa posição tão infantil e prestes a apanhar que nem criança. De um momento a outro passo de um adulto em um ato de amor com a namorada para uma criança prestes a ser castigada pelo pai, por ter se comportado mal, e isso me envergonha um pouco...

— Nunca mais saia de casa sem me avisar! Você ainda tem dezesseis anos, vive na minha casa e me deve explicações, deve pedir permissão para sair, porque você ainda não se manda Tyler, por mais que queira pensar o contrário! - Diz ele e segundos depois sinto uma forte palmada sob minhas nádegas.

Aperto o travesseiro, isso vai ser difícil...

 

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT


— Desculpa!! - Choramingo não podendo conter o choro. Para ser sincero eu já estava querendo chorar desde que ele me acertou aquele soco. Mas eu sei que mereci... Eu não deveria ter falado com papai daquele jeito, foi muito desrespeitoso da minha parte... E Dean não me criou assim.

O fato é que somando minha culpa ao fator de que meu traseiro está pegando fogo, é um ótimo motivo para cair no choro. Dessa vez papai está pegando bem pesado, aplicando muita força nas palmadas.

— O que você vai fazer quando quiser sair Tyler?!


SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT


— Aii! - Soluço, sentindo a dor em meu traseiro aumentar - Eu... Eu vou pedir permissão ao senhor....


SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT


Sei que pareço respeitoso demais, mas na minha situação atual, esse é o melhor caminho... Não é algo que eu consiga o controlar, sempre que estou em problemas acabo chamando meu pai de senhor... E ele não parece se incomodar... Apesar de ter apenas trinta e dois anos.

— Exatamente filho, que bom que aclaramos isso! - Ele para com as palmadas um por um momento - Vamos para o segundo ponto: Você não pode sair de manhã e chegar em casa a noite Tyler! Temos horários aqui e você sabe disso melhor do que ninguém.


SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT


Aperto mais o travesseiro, está doendo muito!! Começo a me mover, me segurando ao máximo para não colocar a mão na frente, ou minha situação pode piorar.

— S-sim papai... - Murmuro com dificuldade por conta das lágrimas.

Ouço ele soltar um suspiro longo. Escondo o rosto no travesseiro, faz quanto tempo que Dean não me dava uma surra assim? E agora acabo ganhando essa por bobeira... Eu deveria ter conversado com ele... E não saído assim.

— E por último, mas não menos importante: Quando eu disser algo, você obedece. Se eu mandar você ficar longe dessa garota, você fica!

Ele não pode me pedir isso...


SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT

SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT SWAT


Começo a me queixar, porque realmente não tô mais aguentando ficar parado. Está doendo muito!

Sinto Dean me levantar com cuidado e não perco tempo em abraça-lo com força, escondendo meu rosto em seu pescoço e sentindo o cheiro amadeirado de seu perfume. Esse cheiro sempre me acalmou... Nunca vou entender o porquê.

Dean faz com que eu me sente cuidadosamente em seu colo, me envolvendo em um abraço carinhoso, enquanto acaricia meus meus cachos e murmura palavras doces.

— Shhh, já acabou meu pequeno... Está tudo bem agora...

— Não... Não está! Eu sou um péssimo filho... Eu te disse aquelas coisas lá embaixo, eu fugi de casa e te desobedeci... Eu te deixei preocupado... Eu sou péssimo... - Choro mais, e sinto ele apertar o abraço.

— Não repita essas palavras novamente Tyler! Você não é péssimo, você é maravilhoso filho! É o melhor que eu poderia querer... E eu te amo pelo que você é... É normal que você erre as vezes, todo mundo erra. E eu estou aqui para te ajudar a ver isso...

— Mas eu fui um... Um idiota. Eu disse aquilo sobre você e o Joey...

— Sobre isso... Ty, eu sinto muito pelo soco... Eu acabei deixando me levar pelo calor do momento... Eu nunca deveria ter feito aquilo.... Desculpa o papai? – Pergunta ele suavemente, enquanto me afasta um pouco e me olha diretamente nos olhos. Os seus estão marejados, isso é notável. Dean passa o dedo suavemente sobre meu maxilar, no local onde desferiu o golpe. Ainda está doendo... Mas nem tanto como antes.

— Eu mereci...

— Claro que não! Eu sou o seu pai e em hipótese alguma deveria ter feito isso, e eu te prometo que isso nunca mais voltará a de repetir... Eu não quero te machucar Ty, minha intenção nunca foi essa...

Concordo devagar com a cabeça, e volto a abraçá-lo.

Dean me abraça de forma protetora, e passa os próximos trinta minutos me consolando, até meu choro finalmente cessar.

Ele me acomoda na cama e me cobre com uma manta fina, coro um pouco ao me dar conta que estive todo esse tempo desnudo da cintura para baixo. De qualquer forma, qualquer contato com a roupa iria me incomodar...

— Papai... Podemos conversar... Sobre Manu?

— Tyler...

Me encolho um pouco ao ouvir seu tom. Fico em silêncio, mas logo ele volta a me abraçar:

— Tudo bem campeão, vamos falar sobre ela ok? Mas amanhã de manhã... Agora o mocinho vai tomar um banho e comer alguma coisa para poder dormir tranquilo.

Concordo com a cabeça, muito mais animado com a possibilidade do meu pai finalmente me ouvir e aceitar meu namoro.

Ele fica comigo mais um pouco, sendo carinhoso e fazendo piadas, tentando me fazer rir. O que funciona a perfeição, Dean tem esse dom... Ele me faz sorrir em qualquer situação.

Em seguida desce para preparar chocolate quente para mim, aproveito para tomar um banho frio... Isso vai aliviar a dor em meu traseiro... Depois do banho visto um pijama largo e me acomodo na cama, papai não demora para voltar com uma caneca de chocolate quente e um pote dos meus biscoitos favoritos. Sorrio e como com vontade.

Depois escovo os dentes e Dean se deita comigo, me abraçando... Não demoro para pegar no sono, amanhã será um dia longo... Temos muita coisa para conversar... Incluindo o que houve hoje com Manu... Ele precisa saber...

POV Dean

Acordo abraçado a Tyler, acariciando seus cachos suavemente, me lembrando de tudo o que aconteceu. O olho com carinho, ontem foi uma noite difícil. Acaricio sua bochecha, onde há uma marca arroxeada, no local onde lhe dei o soco. Como eu pude perder a calma assim? Tyler é o meu pequeno, meu menino grande... Eu não poderia ter agido assim... Suspiro e o aperto mais, preciso chamar Castiel para curar isso.

— Papai... – Murmura, abrindo os olhos esverdeados devagar, um sorriso toma conta de seus lábios – Bom dia...

— Bom dia campeão... Dormiu bem?

— Melhor impossível... – Sorri se aconchegando melhor em mim.

— Que bom meu pequeno... – Sorrio levemente, ele parece tão pequeno...

— Sinto muito por tudo o que houve ontem...

— Já passou Ty, não se preocupe com isso.

Ele se senta devagar, fazendo uma careta:

— Ainda tá doendo muito?

— Um pouco... Nada que eu não aguente. – Responde dando de ombros. – Podemos conversar?

— Ty...

— Por favor papai... É importante para mim. – Pede baixinho e abaixando o olhar.

— Tudo bem... Vamos conversar. Suponho que queira falar sobre a garota que você gosta...

— Emanuelle... Sim é sobre ela. E sobre mim também.

— Muito bem, estou te ouvindo. – Murmuro o olhando fixamente. Embora eu não goste do tema dessa conversa, irei ouvi-lo, afinal eu sou pai dele e meu dever é esse... Independe se eu gosto ou não.

Tyler respira fundo e me mira nos olhos:

— Eu gosto muito dela... Muito mesmo papai... E eu sei que você pensa que eu sou muito jovem para namorar, mas eu não concordo. Eu já tenho minha mente formada, tenho vontade própria... Dia 5 farei dezessete anos, acho que não faria mal nenhum você confiar em mim e me deixar namorar com ela...

— Namorar? Ty você é uma criança ainda!

— Uma criança de dezessete anos. – Responde com a voz baixa.

— Dezesseis, ainda faltam alguns dias para o seu aniversário.

Ele solta um suspiro alto:

— Essa não é questão pai...

— Essa é exatamente a questão Tyler. Eu me relacionei cedo demais e acabei engravidando sua mãe! Eu não me arrependo disso, porque afinal, você e o seu irmão foram as melhores coisas que aconteceram em minha vida. Mas no início foi difícil, eu tive que dar conta de um bebê... E eu tinha sua idade filho. Seu irmão acabou tendo filhos mais cedo ainda, você acha que está sendo fácil? Joey tem uma grande responsabilidade agora, ele terá que abrir mão de muitas coisas para cuidar dessas crianças. Eu amo os gêmeos Ty, não me entenda mal... Mas você é acha que é fácil cuidar de crianças nessa idade?! Você tem que aproveitar sua juventude...

— Só porque vocês tiveram filhos não significa que acontecerá o mesmo comigo Dean! Porque não confia em mim? –Pergunta com os olhos marejados. – eu não sou mais criança, mesmo que você não queira aceitar esse fato... Mas eu não vou engravidar ninguém... Eu sei me cuidar...

Penso em suas palavras, algo me diz que dessa vez não vai adiantar eu falar, ou ameaçar castiga-lo... Estou vendo que ele realmente gosta dessa garota e fará de tudo para ficar com ele.

Acredito que seja melhor eu "aceitar", pelo menos assim será sob minhas regras. E eu poderia saber que tudo está bem... Se Tyler começar a namorar escondido vai ser muito pior, e eu não quero esse tipo de desentendimento com o meu filho. Sempre tivemos confiança um no outro, sem mentiras... E eu não quero que isso acabe.

— Tudo bem Tyler, se é isso que você quer. Pode namorar com a garota, mas será baixo minhas regras me ouviu?

Ele me olha surpreso, aos um poucos um sorriso enorme toma conta dos seus lábios. Tyler pula em minha direção, me envolvendo em um abraço forte.

— É sério papai? Você vai deixar? – Pergunta animado, sorrio ao ver toda sua animação.

— Sim Ty, é sério... Mas com o eu disse, será sob minhas normas.

— Sim senhor, está ótimo pra mim! –Sorri ele se desfazendo do abraço ainda animado.

— Primeiro, eu quero conhecê-la, então faremos um almoço e você poderá trazer ela.

— Por mim tudo bem!

— Segundo, vocês irão namorar aqui em casa, onde eu possa ficar de olho nos dois. Você pode sair com ela, para tomar um sorver ou ir ao cinema por exemplo, mas tudo terá horário.

— Tudo bem... – Responde se acomodando na cama.

— Não pense que vocês irão se encontrar todo dia, afinal já vão poder se ver na escola.

— Não vamos nos ver todo dia papai, eu tenho minha vida e ela tem a dela. –Ri ele abraçando um travesseiro.

Por isso eu amo esse menino, é tão fácil negociar com ele.

— Tudo bem... E se seu rendimento escolar cair pode esquecer a namorada.

— Entendi... Minhas notas vão continuar exatamente como estão. Eu prometo.

— Muito bem. E Ty, pode me contar o que quiser, se tiver alguma dúvida, pode me procurar.... Ok?

— Na verdade... Eu tenho que te contar uma coisa.

— O que houve Ty? – Pergunto curioso ao ver que ele cora um pouco.

— Eu... Eu não sou mais virgem...

— Como é que é?!

Sem querer, acabei aumentando muito meu tom de voz, fazendo meu filho se afastar consideravelmente. Mas como assim ele já transou com a garota?!

— Desculpa... Mas foi tão bom... Eu amo ela e Manu me ama também... Foi incrível papai...

O olho com carinho, minha raiva inicial se dissipando. Esse é um momento importante para ele, eu não posso me zangar por isso... Mas é tão difícil de aceitar que meu garotinho não é mais um garotinho...

O abraço com carinho e ele parece relaxar em meus braços, me contando tudo o que houve ontem, como ele se sentiu e como ainda está se sentindo. Depois de ouvir tudo e fazer alguns comentários decido que é hora de ter uma séria conversa com ele.. Tanto com ele como como Joey.

   Acho que está na hora de falarmos sobre sexo, afinal os dois já possuem uma vida sexual ativa, e eu realmente não quero outros netos tão cedo! Já me basta os dois que descobri a pouco tempo...


Notas Finais


Gente, tenho uma novidade!
A "Vivi12Mikaelson" e eu estaremos fazendo um crossover entre "Construindo uma família" e "Sarah Mikaelson - A filha do híbrido original". Os capítulos estão ficando incríveis, aposto que irão gostar!
Em breve sairá :)
Comentem o que estão achando, isso é muito importante para mim!
Bjoss e abraços a todos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...