História Contato - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Visualizações 17
Palavras 1.972
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, minha primeira vez, então peguem leve e me dêem dicas para melhorar, ok?..bjinhos..

Capítulo 1 - Mocinha.


Fanfic / Fanfiction Contato - Capítulo 1 - Mocinha.

Nunca achei que pensaria isso, mas: Porra! Não quero beber mais nada por hoje! O bar estava cheio mais do que de costume e isso me deixava animada, afinal, tinha gente nova. Muitas pessoas apenas de passagem, incluindo uma caravana que passava pela cidade e resolveu afogar as mágoas num bom copo de whisky e uma noite sem importância com uma puta qualquer. No caso, eu. A sortuda tinha sido escolhida por um dos caras mais "bem arrumados". Claro, nenhum deles era de se jogar fora, mas aquele tal de Erick era realmente algo. Pôs mais bebida no meu copo e empurrou pra cima de mim. Empurrei de volta, devolvendo a incrível gentileza daquele bêbado e olhei ao redor procurando por algo que me interessasse. O afobado agarrou minha cintura e me puxou em sua direção quase me derrubando do banquinho. O olhei com repulsa e me afastei o máximo possível daquele ser.

_Ah, que isso, S/N! Venha cá. Eu paguei esqueceu?

Me aproximo dele quase o beijando e digo não tão baixo por conta da música:

_Escute, Erick, você não pagou nada amorzinho. A não ser, é claro, as duas garrafas de whisky que você bebeu.

_Meu nome não é Erick.

Reviro os olhos e lembro de quando eu era mais nova e fazia isso, deixando minhas amigas irritadas. Mais nova! Posso até rir com isso. Como se eu fosse tão velha assim. Veja só! Apenas 18 anos!

_Foda-se, queridinho!

Saio do bar e olho para o céu. A lua está lá me saudando com todo aquele brilho então pego meu celular e coloco os fones. Minha playlist começa a tocar qualquer música animada e eu me sento um balanço antigo que tem do lado do Road. Do outro lado da rua, está minha casa no 2° andar. Bem, apartamento que divido com minhas melhores amigas. Gyllian, aquela fofa, estava com os pais dela em viagem. Foi para Londres, aquela vaca! Agora, Luce, a anã, foi para a cidade dela. Ah, doce férias! Quem pudera eu tê-las!

Meu celular toca e eu vejo a mensagem:

Sabia que não é bom ficar na rua sozinha?

Eita...sorrio mas me repreendo. Eu não posso pensar nele desse jeito! Ele não pode mexer comigo desse jeito! E eu não estou tentando desesperadamente me convencer de que não estou apaixonada por ele! Ligo para Hoseok e espero ansiosamente até o segundo toque.

_Você não tem ideia do quanto esse mundo tá perigoso!

_Como você sabe onde estou?

Ele ri daquele jeito escandaloso e eu posso jurar que ele está bem do meu lado. Para com isso, S/N! Você não pode deixar esse sentimento crescer!

_Tenho meus contatos. E claro, também tenho olhos.

Olho ao redor. Porra! Ele não pode estar aqui! COMASSIM? Ai, cara...

_Por favor, me fale que isso é efeito da bebida e que você não está aqui. No meu trabalho.

_Bem, é efeito da bebida...

Respiro fundo e posso sentir um sorriso aliviado surgir, mas...

_Eu não estou no seu trabalho, especificamente.

_OQUE? Você não pode estar aqui...não pode saber..

O riso dele sai nervoso. Ca-ra-lho!

_Saber, oque, S/N? Que você trabalha como prostituta? Não vai ser por isso que eu vou..

Esperei um segundo. Nada.

_Termina a frase.

Ele ri e eu percebo que realmente consigo ouvir a risada dele daqui. Olho ao redor e me deparo com Jung Hoseok na janela da minha sala. Tenho plena consciência de que minha boca se abriu em um O perfeito para depois formar um sorriso maldoso.

_Já sabe onde que eu estou, bae?

_FILHO DA PUTA!!! O que você...Argh, que ódio, Hobi!

Desligo e saio correndo sem nem ver se vinha carro ou não. O que acabou causando um quase acidente. Um carro freou bruscamente e eu quase fui atingida. O motorista me xingou e eu mostrei o dedo do meio para ele, sorrindo que nem criança em dia de natal.

Me atrapalhei na hora de enfiar a chave na fechadura o que me deu alguns segundos para pensar...

_JUNG HOSEOK, COMO VOCÊ CONSEGUIU ENTRAR NA MINHA CASA, PORRA?

_PARA DE XINGAR, BAE! NEM PARECE QUE É MOCINHA!

Mostrei o dedo do meio para ele também.

_MOCINHA O CARALHO!

Entro gargalhando e dou de cara com o porteiro.

_Boa noite, Sr. Bloom.

Não ouvi a resposta e nem sei se ele pelo menos balançou a cabeça. Corri até o elevador e apertei o botão um milhão de vezes. Meu olhar vai até a escada e a preguiça me diz para esperar o conforto e não chegar que nem um porco no cio na beira do Hobi. É claro, escuto minha tão amada companheira e começo a bater o pé, impaciente. O porteiro me observa e eu sorrio para ele. O elevador abre e sai um casal com roupas amarrotadas.

Humm...

Sorrio maliciosamente e faço sinal para o garoto limpar sua boca. Havia uma mancha enorme de batom no cantinho.

Rapidamente, entro. Elevador sobe. Eu saio. Me atrapalho na porta do apartamento. Corro para a sala e pulo em cima de Hobi.

_Ah, meu Deus! Meu Deus! Meu Deus! Você está realmente aqui!!

_É claro que estou.

Franzo a testa e o aperto em meus braços. Suas mãos ainda permanecem grudadas paralelamente em seu corpo. Ok, estranho, muito estranho...arranco minhas pernas de sua cintura e me afasto insegura.

_O que aconteceu, S/N? Porque você tá com essa cara?

Ele permanece quieto. Eu sabia! Por isso eu não queria me apaixonar. Era sempre assim. Eles descobriam o meu trabalho e eu me fodia.

_O que você veio fazer aqui? De verdade, Hoseok?

_Eu vim te ver. Precisava te ver.

Cruzo meus braços e depois minha mão direita vai para meu pescoço. Insegurança! Insegurança! Insegurança!

Porra!!!

_Desde quando você sabe no que eu trabalho?

_Espera...você acha que eu..?? S/N, eu vim pra te ver. Sério.

Um passo na minha direção. Dou um passo pra trás.

Balanço a cabeça e disperso os pensamentos obscuros.

_Então, como que tá sua vida?

Meu sorriso parece falso demais até pra mim mesma.

_Sinceramente? -- ele ri --Tá uma merda.

De repente ele está na minha frente com dois passos. Não era tão mais alto do que eu, talvez uns cinco centímetros ou menos, mas naquele momento me senti uma criança perto dele.

_Sei que você sofreu muito e tem seus próprios motivos pra fazer oque faz mas, por favor, não duvide de mim quando digo algo.

Foquei nos seus cabelos ruivos.

_Eu sempre quis ser ruiva! Só que é meio difícil conseguir um ruivo assim, tão perfeito!

Ele me olha de um jeito estranho e eu sorrio docemente. Hoseok me puxa sem nenhuma delicadeza e eu bato com tudo no seu corpo, no outro segundo minha boca já é preenchida pela dele e aquilo é a melhor coisa do mundo. Minhas mãos sobem para seu cabelo e puxam, o fazendo aprofundar o beijo e me apertar. Sorrio. Hoseok nos separa e segura minhas pernas, respira contra meu rosto com a língua pra fora da boca. Eu rio. Ele faz uma coisa engraçada com o nariz e sussurra:

_Dê impulso.

Eu dou. E novamente estou lá enroscada em sua cintura, sentindo algo se formar na sua calça. Puxo novamente seu cabelo e pressiono minha boca em sua mandíbula, mordendo. Ele geme e enfia seus dedos entre meus cabelos, apertando e ao mesmo tempo sendo tão carinhoso e gentil, que me sinto no lugar errado.

Sua boca vai para meu pescoço onde dá leves chupões, subindo e descendo até chegar na minha boca de novo, invadindo-a como se já a conhecesse a muito tempo. Foi minha hora de gemer quando Hobi chegou ao meu quarto e me pôs deitada na cama, subindo por cima de mim e trilhando uma linha de beijos da minha barriga até meus seios, tirou minha blusa, recomeçando a trilha que deixava um rastro de fogo na minha pele. Minhas mãos tentaram alcançar a barra de sua camisa, sem sucesso, a peguei pela gola mesmo e com um palavrão a arranquei com tudo com a ajuda dele. Hobi riu e me deu um selinho que logo se tornou algo mais provocativo. O volume em sua calça já estava grande, então, desabotoei e tentei tirá-la com meus pés. O que não seu certo.

_Pelo amor de mim, porquê calças tão apertadas?

Reclamei me virando e ficando por cima. Arranquei aquela porra com raiva e sorri vitoriosa para Hobi que me olhava divertido. Sua box estava bem cheia e para melhorar eu passei minha mão por cima. Hobi gemeu e eu o olhei inocentemente.

Tracei uma trilha de beijos do seu abdômen até a box, aonde mordi e tirei-a com a própria boca, suspirando ao ver seu membro pular.

Dei um selinho de leve em sua cabeça e, mais uma vez, Hobi geme.

_Posso me acostumar com esse som, facilmente.

_Eu sei que pode, S/N.

Com tudo, o enfiei em minha boca, chupando com força e escutando o meu som favorito a partir de agora. Minha cabeça é agarrada por ele e pressionada para ir com mais força. Eu obedeço e começo a dar leves mordidas a sua volta quando o tiro de minha boca. O corpo de Hobi fica tenso e eu paro. Sento em cima de sua barriga e me agacho para dar um beijo nele, que me vira com tudo na cama e com muito custo tira minha bermuda jeans.

_Eu que reclamo. Para quê bermuda, se tem saia?

Minhas pernas dão a volta em sua cintura e eu sorrio meio gemendo quando ele roça seu membro na minha intimidade.

_Ahh, esse som! Você não acreditaria se eu dissesse o quanto eu imaginei esse momento.

Sorrio para ele, enquanto sinto sua mão descer de encontro a minha calcinha. Não há nenhuma carícia por cima do pano, seus dedos me penetram de uma vez e eu arqueio minhas costas. Ataco sua boca com desespero e ele ri e nesse momento amo sua risada mais do que tudo. Ele me estimula com dedos ágeis e seu polegar faz movimentos circulares no meu clitóris, me deixando em êxtase apenas com as preliminares. Meu corpo fica tenso e ele continua até eu soltar todo meu líquido em sua mão, depois a levando a boca. Faço uma cara de nojo mas, na verdade, é excitante. Ele fecha os olhos por um segundo e parece saborear. Após, seus dedos vão até meu sutiã o arrancando sem pena e dó.

_Vai me comprar outro, palhaço.

Ele ri e morde o meu seio delicadamente. Tão delicadamente que chega a ser tortura. Gemo cada vez mais alto e agradeço por minhas amigas não estarem em casa. Hoseok continua essa tortura de chupar, morder e lamber até eu o puxar e o posicionar na minha entrada, envolvendo minhas pernas em sua cintura o puxo para baixo e solto um suspiro quando sou preenchida pelo seu membro. Ele me encara enquanto faz movimentos leves e sincronizados de vai e vem. Para segurar os gemidos eu o beijava e o mordia. Os movimentos começaram a ficar mais rápidos e assíncronos e nem os beijos conseguiam esconder nosso prazer. Cheguei ao meu ápice e ele continuou durante duas estocadas até se derramar em mim e cair em cima do meu corpo. Aliso sua testa suada e tiro o cabelo de seu olho, o observando.

_S/N, eu...eu tenho uma proposta.

Fala cansadamente e levanta a cabeça para me encarar. Mano, já sinto que vem merda.

_Humm..solta a bomba.

_Eu e, somente eu, posso ser o único a fazer isso com você durante, eu espero, muito tempo das nossas vidas?

_Esse é o seu jeito de me pedir em namoro ou casamento?

Ele me dá aquele sorriso maravilhoso e eu quase choro com tanta beleza.

_Entenda como quiser. Eu só preciso de uma palavra.

Eu sorrio e o beijo. Ele entende a resposta. 


Notas Finais


Entãããooo... ta aí! Espero que tenham gostado!<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...