História Conte-me de quando eu era hétero - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Gay, Jungkook/taehyung, Taekook, Vkook
Exibições 466
Palavras 2.930
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá operadas lindas
Então
Ontem eu me dei conta de que HOJE FAZ UM ANO QUE EU COMECEI ESSA FANFIC
o que isso significa? Que já passou da hora de eu terminá-la logo
Eu sinto muito dizer mas eu acho que esse será nosso penultimo ou não capítulo
Eu sei o que vocês estão pensando " não vou ler mais essa merda"
MAS TEM LEMON NESSE
Bom, eu sei muito bem que vocês pulam as notas iniciais então vamos para as finais, né mesmo

Capítulo 26 - Capítulo 26


Capítulo 26: Não deixe para comer amanhã o que você pode comer hoje!
 


 

Eu fui meio idiota. Um meio bastante idiota.

Primeiramente porque eu sabia muito bem o que Taeyeon estava doida pra me pegar, e mesmo assim eu aceitei dançar com ela achando que estava imune às suas investidas. Cara, eu realmente nem tinha deixado ela me beijar, mas confesso que teria sido melhor eu apenas ter me afastado e aproveitado a noite com meu namorado.

“Taehyung oppa, falando em namorado, onde foi parar o Jungkook?” Não sei. Sumiu. Desapareceu.

Jungkook escafedeu-se! Ele não atendia a merda do celular e quando eu fui até a estação de metrô próxima da boate não havia nem sinal dele. Voltei pra casa na esperança de que meu homem estivesse lá, até porque ele estava com a chave da porta, e ainda voltei completamente molhado dos pés a cabeça porque faltou luz na droga do metrô e eu voltei de ônibus, o qual demorou meia hora pra passar no meu ponto, sem deixar de me fazer dar uma corridinha até ele.

Ou seja, eu me encontrava com as roupas colando na pele, os sapatos tinham virada um mini lago para meus pés e o meu cabelo estava detonado. Para completar o meu estado de espírito estava três mil vezes pior, combinando com toda a caracterização exterior de completa derrota.

Dei graças a Deus quando o elevador finalmente chegou ao meu andar e corri até meu apartamento, me tacando sobre a porta de madeira.

-Kookie-ah! - bati com força, esperando algum sinal de vida. -Por favor, Kook, abre a porta ou ao menos dê um sinal de vida! - gritei. Era capaz dele nem mesmo estar lá, mas não havia outro lugar para ir! Na verdade a possibilidade de Jungkook estar vagando pela cidade essas horas da madrugada e nessa chuva me deixava agoniado. -Me deixa explicar o que aconteceu, você entendeu tudo errado. - silêncio absoluto do outro lado. -Jungkook!

Nada. Ele não estava em casa. Mas eu ainda não desisti e continuei tocando a campainha e chamando por seu nome sem cessar, afinal ele era o meu Jungkook e não seria um simples desentendimento que faria eu me separar dele. E, vamos combinar, eu já perdoei ele por muito mais! Perto do que ele já fez comigo aquele mal entendido beirava ao ridículo.

Senti meu telefone vibrar no bolso da calça e imediatamente me prontifiquei a atender, sem nem mesmo ver quem estava ligando.

-Jungkook?! - perguntei esperançoso.

-Não, Jimin. - ouvi a voz fina de meu melhor amigo ressoar do outro lado da linha. Suspirei desesperado e quase arranquei meu cabelo de frustração.

-Minnie, eu não posso falar agora, eu to cheio de problema… - eu comecei a falar, tentando me livrar de qualquer situação ainda pior que ele estivesse prestes a me contar. Já bastava de coisas queeu tinha para resolver só naquele momento.

-Se o seu problema for Jungkook, eu sugiro que me escute. - interrompeu-me, atraindo minha atenção. - Ele ligou pro Jin agora a pouco todo estranho te xingando de tudo quanto é nome e ainda disse que não queria saber “dessa merda de BTS”.

-O que? - eu perguntei desnorteado.

-Ele pediu pra sair do Bangtan, Taehyung.

-Jimin, ele tem um contrato, e-ele não pode simplesmente querer sair. - eu argumentei, tentando mais me convencer do que ao meu amigo.

-Taehy, vá atrás dele por favor, eu não sei o que está acontecendo entre vocês, mas todo mundo tá maluco aqui em casa sem saber o que fazer. - a voz de Jimin desesperou-se.

-Taehyung!- Namjoon pegou o telefone. -Pelo amor de Deus, conversa com o Jeon, você precisa fazer ele desistir dessa loucura! - mandou. Ai sim eu fiquei com raiva, muita raiva. Quem Namjoon pensa que é pra dizer o que eu devo ou não fazer? -Nossas carreiras estarão acabadas se ele...

-Agora você está preocupado?- o interrompi, sem medo de transparecer arrogância. -Antes você mesmo sugeriu que ele fosse excluído e agora dá valor a ele? Depois de ter nos afastado de vocês… a culpa dele estar assim é sua, não minha! - gritei ao telefone.

Houve silêncio do outro lado, visto que eu nunca fui rude com Namjoon. Admito que eu não fui muito justo em descontar toda a minha frustração nele, mas naquele momento eu só queria socar qualquer um que se metesse na minha frente.

-Taehy… - era novamente Jimin falando. -Trás o nosso Jungkook de volta. - suspirei tentando controlar minha raiva, afinal uma coisa é gritar com Namjoon, e outra completamente diferente é gritar com Jimin.

-Minnie... eu não sei onde ele está… - minha voz falhou ao constatar o quão desesperado eu estava. -Aconteceu algumas coisas hoje, e ele está com raiva de mim. Só que tudo não passa de um maldito mal entendido! - desabafei.

-Ele vai voltar pra você uma hora, e quando isso acontecer, converse calmamente com ele e esclareça tudo. - Jimin me aconselhou, o que acarretou em mim derramando algumas lágrimas. - Depois, vocês dois, voltem para casa. Estamos com saudades. - completou.

-Certo. - respondi fungando.


 


 

Já eram duas da madrugada, e nem sinal de Jeon. Eu cansei de esperar em pé e me sentei ao chão, encostando as costas na porta de casa. Ainda que houvessem se passado uma hora desde que Jimin me ligou, eu não estava com sono algum. A bateria do celular tinha acabado, até porque eu não parei um segundo de ligar para Jungkook, o qual ignorou todas as mensagens.

Por fim o elevador deu sinal de vida e logo vi sair dele quem eu tanto esperava, também encharcado dos pés a cabeça. Até mesmo assim ele não perdia a pose, até mesmo todo ferrado ele não deixava de ser o garoto mais quente e bonito que eu já vi.

Assim que nossos olhares se conectarão ele parou no lugar, e eu continuei jogado no chão também. Não ousamos falar nada por algum tempo, mas ele parecia aliviado ao me ver ali. Não posso mentir, eu também estava feliz por ele estar são e salvo.

Aos poucos ele se aproximou de mim, e eu levantei, acompanhando cada movimento estando um pouco apreensivo. Agora era a hora de eu me explicar e de saber o que se passava por aquela cabecinha quando decidiu ligar para os hyungs pedindo pra deixar de ser cantor.

-Esqueci que você estava sem chave. - ele disse, quase num sussurro, parando a minha frente e olhando para baixo. Em seguida me estendeu a peça prateada. Peguei-a com um pouco de lerdeza, afinal eu não esperava que essa fosse a primeira coisa que ele falaria.

-Veio aqui só por isso?- perguntei. Ele fez que não com a cabeça e elevou o olhar, fixando-o em algum lugar entre minha boca e meus ombros.

-Preciso de um banho… - ele espirrou, o que me fez tomar um leve susto. -… quente. - completou envergonhado. Eu assenti e me virei para abrir a porta, entrando no aconchego da sala. Jungkook se apressou em ir direto para o quarto e provavelmente entrando no banheiro, enquanto eu fechava todas as janelas por conta do frio.

Em seguida eu fui até ele, que tomava banho calmamente. Suas roupas molhadas estavam jogadas pelo chão frio e o vapor do chuveiro tomava conta do ambiente, embaçando o espelho. Quando ele percebeu minha presença pareceu ficar um pouco sem graça -ele não acostumara-se com a nudez. Abriu a boca para falar alguma coisa, mas desistiu e abaixou a cabeça, ensaboando-se.

-Vou entrar. - comentei, despindo-me. Em seguida abri a porta de vidro do box e me aproximei de Jungkook, que estava virado de costas para mim.

Embora eu estivesse de certa forma excitado por tê-lo nu ao meu lado ainda estava extremamente incomodado com o jeito dele. Haviam tantas coisas a serem esclarecidas, mas ele parecia não ligar pra nada. Seus atos pareciam mecânicos demais, o que significava que ele estava tentando me evitar. Bom, não precisaria ser nenhum gênio para deduzir isso, eu imagino.

Decidi que a forma mais prática de resolver nossas diferenças seria através de sexo, ainda que me parecesse pouco eficaz. Seria como jogar a poeira por baixo do tapete ou fazer um trabalho mal feito.

Abracei seu corpo branco e molhado por trás, fazendo-o petrificar. A água agora escorria por sobre nós dois, aquecendo-me. Era bom senti-lo perto, nossos corpos colados. É claro que havia algo de diferente: como um muro imaginário nos separando. Jungkook estava magoado, e eu podia sentir isso nitidamente. Saber que eu era o causador disso apenas deixavam meu coração mais pesado ainda. Toquei seu ombro esquerdo com um beijo demorado, num pedido silencioso de desculpas.

-Eu não beijei ela. - minha voz saiu clara e confiante. Queria garantir aquela verdade como única. Jungkook suspirou e se virou para mim. Em seguida encarou meu olhos e apoiou ambas as mãos nos meus ombros.

-Não tem problema. - ele disse e deitou sua cabeça no meu peitoral. - Eu já fiz bem pior com você. - completou. Ele não acreditava em mim mas estava me perdoando?

-Eu jamais te trairia, Kookie. - reforcei. Ele não respondeu com palavras, mas me beijou.

No começo apenas um selar demorado, obrigando-me a desistir de conversar e fechar os olhos, rendendo-me ao momento. Sua mão direita segurou minha cintura delicadamente, enquanto a esquerda se perdeu pelos meus cabelos. Espelhei seus movimentos, aproximando nossos corpos e friccionando nossos quadris.

Sentir o membro de Jungkook era bom. Acompanhar sua excitação crescente e sentir o cheiro se sabonete de sua pele alimentava meu prazer. Quando seus lábios entreabriram-se, minha língua avançou sobre a sua numa saudade eterna. Mas era tudo com calma, sem o menos pingo de desespero juvenil.

Jungkook parecia mais maduro, e isso era estranho para mim. Quando chupava minha língua e mordia minha boca… era como se fosse outra pessoa ali comigo. Seus toques era diferente de uma forma boa, mas estranha. Eu me perguntava por onde ele andou enquanto esteve longe de mim na chuva. Me perguntava se ele havia relembrado algo que tivesse feito ele tomar tantas decisões difíceis.

Deslizou sua mão pelas minhas costas, fazendo um leve e delicioso carinho. Apenas aquilo me arrepiava por inteiro! Apalpei suas nádegas, arrancando um gemido seu durante o beijo. Nutrido por um forte desejo interno eu finquei com força minhas unhas na carne durinha e branca, o que resultou em um Jeon desconectando nossas bocas e tirando minha mão de perto dele.

-Taehyung! - repreendeu-me. Eu não liguei, apenas avancei novamente. Talvez ele tenha ficado envergonhado ou assustado, por isso deu passos para trás enquanto eu o encurralava na parede fria. - Isso doeu. - ele falou. Eu colei nossos corpos novamente e desci beijos molhados pela bochecha até a pescoço. A mão de Jungkook segurou meu cabelo enquanto eu me dedicava a marcá-lo, mas sem fazer grandes estragos. Cheguei a conclusão de que era estranho vê-lo coberto de hematomas, por mais que fosse gostoso sugar sua pele.

Com a mão direita e apertei sua coxa, fazendo-o subir com sua perna e agarrar-se com ela ao meu tronco. Ele travou um pouco com isso, se equilibrando em apenas uma perna.

-Eu vou cair, hyung. - arfou enquanto eu continuava a beijar seu pescoço.

-Estou te segurando. - eu respondi, passando confiança. Jungkook relaxou os ombros após isso e me encarou, mordendo a parte interna da bochecha. Eu mantive nossos olhares conectados, esperando que ele sorrisse para mim como costuma fazer. Mas ele permaneceu sério, e isso me deixou um pouco decepcionado.

Subi com meus dedos pela sua coxa até cutucar sua entrada enrugada, fazendo-o contrair-se. Forcei o indicador para dentro, captando suas feições. Seus olhinhos se fecharam e sua boca comprimiu-se. Antes de estocar seu canal eu acrescentei outro dedo e afundei-os o máximo que pude. Jungkook gemeu contido, friccionando seu pênis contra minha barriga.

Eu, já completamente excitado, resolvi deixar de lado a preparação e foder Jungkook no meu colo. Contudo ele parecia não deixar que eu o fizesse.

-Em pé não. - ele resmungou. Eu retirei meus dedos de dentro dele e ele desceu a perna que antes estava enrolada em minha cintura. -Vamos pra cama. - sussurrou pegando na minha mão e me puxando.

Fui guiado para fora do banheiro em direção à cama de casal e em seguida Jungkook deitou-se nela, trazendo-me por cima consigo. Engatinhei com ele ao meu enlaço para o meio do colchão e ele aconchegou-se, abrindo suas pernas para me receber. Sorri com isso e abaixei o rosto, beijando-lhe novamente.

As mãos de Jungkook se apressaram em segurar meu membro enquanto não quebrávamos o ósculo, subindo e descendo, vagarosamente. Seu dedão tocou minha glande com força, fazendo-me gemer deleitoso.

-Eu te amo. - murmurei contente, deixando um beijo casto em sua testa. Ele não respondeu de imediato, parecia meditar sobre minhas palavras. Enquanto isso eu voltei minha atenção para suas coxas, alisando-as com carinho desmedido. Desci meus rosto para perto de sua virilha e dei um chupão forte ali. Em resposta Jungkook arqueou as costas por breves segundos e observei seu membro inchado esbanjar pré-gozo pela fenda. Tive então uma ideia que eu queria testar imensamente.

Virei-me ao contrário no colchão e deixei que meus joelhos um de cada lado do rosto de Jungkook, que agarrou meu membro. Pareceu-me que ele também gostara da ideia do 69 e antes mesmo que eu tivesse me posicionado em perfeito equilíbrio, ele começou a me chupar com força.

-Jungkook! - gemi surpreso.

-Sim, hyung? - ele perguntou com um tom inocente, retirando minha extensão de sua boca.

-Nada, só continua. - mandei. Ele deu uma risadinha demasiadamente infantil e travessa.

-Sim, hyung. - respondeu, obedecendo-me. Sua língua novamente entrou em contato com minha glande e seus dentes rasparam perigosamente por lá, o que me excitou ainda mais. Em resposta eu segurei seu membro pela base e masturbei-o enquanto seguia com a boca para seu buraquinho rosado.

Ainda molhado do banho eu circundei o anel de carne com a língua, agraciando-me com a textura durinha e o interior apertado. Eu poderia apenas procurar pelo lubrificante e utilizá-lo na tarefa de preparar melhor Jeon, mas eu tinha certeza que aquela forma era muito mais prazerosa.

Os gemidos de Jungkook enquanto f azia o boquete não mentiam sobre a veracidade daquilo, visto que insinuava seu quadril cada vez mais para cima. Contudo eu não era capaz de penetrá-lo apenas com minha língua e ele já estava molhado o suficiente. Era ainda mais gostoso ver o buraquinho se contrair vez ou outra, cintilando por causa da minha saliva. Imaginava-me sento lentamente esmagado por seu interior quente e receptivo: fiquei ansioso.

Dei dois tapinhas na coxa de Jeon, indicando que a diversão havia terminado e estava na hora das finais. Ele soltou meu pênis num barulho absurdamente molhado e fatalmente sexy. Eu sai de cima dele e fiquei de joelhos ao seu lado, contemplando-o ofegante e ainda molhado do banho. Ele me encarou com um brilho divertido no olhar, como se soubesse o que eu queria fazer. Ainda assim, perguntou:

-De quatro? - eu assenti sorrindo por presenciar Jungkook animado como se estivesse ganhando um prêmio.

-Segura firme na cabeceira. - eu completei, pedindo-o. Ele não esperou muito para fazer o que pedi, empinando o traseiro e me olhando em expectativa. Fui para trás dele e passei a mão por sua cintura dos dois lados. Esfreguei, apenas por diversão, meu membro entre seus glúteos, acima do orifício.

Beijei sua coluna do início ao fim e acariciei ambos os mamilos durinhos com os dedos, beliscando-os ou apenas contornando-os. Jungkook, estando com as mãos ocupadas em se manter de quatro, não contei os gemidos longos e agudos enquanto eu lhe dava prazer.

-Taehyung. - ele me chamou entre um arfar. A cabecinha molhada de meu pau já direcionava-se para sua entrada contraída, mas parei um momento para ouvi-lo. -Eu também te amo. - ele respondeu tardiamente. Mesmo assim eu sorri, porque sou um tolo.

Penetrei Jungkook devagar, apreciando uma melodia de palavrões e gemidos de dor por um longo período, antes que eu fosse exigido que me movesse. Assim o fiz, a noite que restava inteira. Beijando-o e amando-o de todas as formas possíveis e com todo o cuidado para que ele sentisse o quanto eu o queria, o quanto era incrivelmente gostoso.

Jungkook teria vergonha se pudesse ouvir os próprios gemidos, mas eu tinha orgulho de cada um deles. Talvez porque eu soubesse que só eu sei foder ele assim e deixá-lo completamente a mercê de meus caprichos. Eu gostava de ser submisso de Jeon, mas era ainda melhor tê-lo vulnerável apenas para mim. Isso não significava que, quando passivo, eu não comandasse também.

Após fazer amor, eu estava esgotado, assim como meu namorado, mas ambos caímos no sono. Eu, que tinha tanto para falar e discutir hoje, só soube gemer em seu ouvido. Pior era que eu percebi que tinha algo estranho com Jungkook, mas cedi aos seus encantos mesmo assim. Sim, eu acho que me reconciliei com ele e isso é bom, mas não foi como eu planejara. E ele ainda acreditava que eu o havia traído, o que me deixava aflito. Tinha medo de que isso fosse motivo para ele não confiar mais em mim.

E tinha a situação do Bangtan também, que era talvez ainda mais urgente por envolver muito mais pessoas. Nem ao menos sobre isso eu pude comentar.

Eu só esperava que a pequena bagunça daquela fatídica e prazerosa noite terminasse numa tragédia. 


Notas Finais


ENtão, o que acharam? O que vai acontecer no próximo capítulo? O JUngkook deve ou não sair do Bangtan?
tenso...
vamos ver no que dá essa histórias, me digam vocês o que deveria acontecer. Se eu gostar eu até prolongo a fanfic e coloca créditos a vc

E pra vc que tá ai triste, pensando "ah, queria tanto ler outras fics da giugiu"
Viada, vem cá que eu tenho que te contar um negócio: tem essas daqui
Vkook
Eu não gosto de garotas
https://spiritfanfics.com/historia/eu-nao-gosto-de-garotas-6670034
Um tapinha não doi
https://spiritfanfics.com/historia/um-tapinha-nao-doi-6142349
Shakespeare não está errado
https://spiritfanfics.com/historia/shakespeare-nao-esta-errado-6717382
O silêncio em você
https://spiritfanfics.com/historia/o-silencio-em-voce-6696604
Flor de maio
https://spiritfanfics.com/historia/flor-de-maio-6639574
Watch me work (pwp)
https://spiritfanfics.com/historia/watch-me-work-6613064
Vmin
Hands to myself
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-hands-to-myself-5471419
Alguém para mimar nessa noite tão fria
Ota Vmin
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-alguem-para-mimar-nessa-noite-tao-fria-4914394

Taegi
olhos negros
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-olhos-negros-5084885

Yoonkook
tente não olhar pra pélvis do Jungkook
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-tente-nao-olhar-para-a-pelvis-do-jungkook-4668616

Coleciona-dor de borboletas
https://spiritfanfics.com/fanfics/historia/fanfiction-bangtan-boys-bts-coleciona-dor-de-borboletas-5647858

beijos de marshmallow com chocolate belga


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...