História Contos do Acaso - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren, Casadas, Drama, Família, Filhos, Mistério, Morte, Policia
Exibições 55
Palavras 8.193
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Musical (Songfic), Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltei !!!
Demorei um pouquinho, mas estou aqui de novo.
É que a Camila estava demorando a ir embora.
Perdoem os erros (como sempre)
Boa leitura!

Capítulo 10 - Para onde ir?


Fanfic / Fanfiction Contos do Acaso - Capítulo 10 - Para onde ir?

_ Você sempre gostou de flores?

Camila perguntou para homem a seu lado que estava agachado fazendo um pequeno buraco na terra para plantar suas novas flores.

_ Sempre, eu sou apaixonado por elas. Mas gosto de várias outras plantas também _ sorriu parecendo se lembrar de algo _ Quando eu comecei a namorar a Clara eu sempre lhe dava flores nos fins de semana, porque só nos víamos nos fins de semana. Eu tinha um medo absurdo do pai dela, parece que ele nem gostava de mim e eu ainda acho que ele nunca gostou de mim, na verdade.

Camila riu do comentário do senhor Jauregui e da expressão boba no rosto dele.

_ Mas por que só nos fins de semana? _ ficou curiosa.

_ Coisa do pai dela _ deu de ombros _ Eu só podia ir a casa dela nos fins de semana.

_ E como aguentava todo esse tempo vê-la?

_ Eu trabalhava demais, então sempre tive com o que ocupar meu tempo. Olhe Camila não se preocupe tanto com o trabalho, claro que é necessário, mas ocupe todo seu tempo com isso. Você pode perder coisas importantes da vida _ ele explicou olhando para as mãos de Camila que segurava alguns saquinhos com sementes _ Me passa as sementes, por favor?

_ Qual semente?

_ Qualquer uma.

Camila lhe passou as sementes de azulzinha e ele prontamente as pegou e colocou as sementes distribuídas em três buracos, não muito rasos, na terra. Camila o observava, curiosa, ela tinha o olhar de um aprendiz, mesmo que o homem não estivesse com a intenção de ensiná-la a plantar as flores, de fato.

 

[...]

Nesta manhã Camila acordou com Lauren se remexendo na cama, então percebeu que ela estava se levantando, viu Lauren descobrir o corpo e se levantar da cama. Cumprimentou-a com um desejo de bom dia que foi retribuído. Então, a mulher de pele branca e de longos cabelos castanhos dirigiu-se ao banheiro e Camila tornou a deitar-se.

Após cinco minutos Lauren saiu do banheiro e foi ao guarda roupas, tirou de lá um conjunto de moletom na cor cinza, voltando ao banheiro novamente. Lauren tirou o pijama com o qual dormiu na noite passada e vestiu a roupa que havia pegado.

Camila estava acordada quando Lauren voltou para o quarto, ela apenas estava deitada, pois achou que Lauren tomaria banho. Coisa que ela não fez.

_ Vai tomar café? _ sentou na cama.

_ Agora não _ Lauren respondeu _ Mas se você estiver com fome pode descer.

_ Será que a Taylor está já acordada? _ Camila fez uma careta de desgosto, pois tinha fome, mas não queria ir à cozinha sozinha. Ela tinha vergonha.

_ Duvido muito _ Lauren pegou seu par de tênis _ Ainda mais hoje que é domingo. Se ela acordar antes das três da tarde já é um milagre.

_ Vai sair?

_ Vou correr um pouco, desde que estou aqui não faço isso e o dia está bom hoje _ sentou na beirada da cama para calça-los. Lauren se pôs a explicar sem perceber que estava dando satisfações de sua vida, coisa que odiava.

_ Mas está frio _ Camila se perguntou onde Lauren viu um dia bom.

_ Nem tanto _ deu de ombros _ E eu preciso correr.

_ Não sabia que você corria _ Camila comentou tentando manter uma conversa.

_ Lógico que não _ Lauren comentou se referindo ao fato de serem desconhecidas e Camila percebeu isso.

Camila revirou os olhos para o comentário desnecessário da mulher que estava de costas para ela e se levantou pegando roupas e toalha. Passou por Lauren, foi ao banheiro, banhou-se, fez suas higienes e quando voltou ao quarto, Lauren não estava mais lá.

Com fome Camila desceu até a cozinha para tomar café da manhã, não havia ninguém por lá e Camila sentia vergonha de pegar algo para comer sem ter a permissão de ninguém daquela casa, ela ainda cogitou abrir a geladeira, mas não teve coragem, achou que seria falta educação já que a casa não é sua. E quando ia saindo da cozinha, seu sogro apareceu no cômodo com algumas ferramentas em mãos.

_ Bom dia _ ele foi educado.

_ Bom dia senhor Jauregui. Michael _ se corrigiu após lembrar que ele não gostava de ser chamado de senhor.

O homem sorriu para jovem parada em frente à bancada.

_ Pra quê são essas coisas? _ a curiosa Camila perguntou apontando para as coisas que Michael segurava.

_ Eu quero plantar algumas flores lá no quintal.

_ Foi você quem fez aquele jardim na frente da casa?

_ Fui eu _ respondeu sorrindo.

_ Ficou lindo _ o elogiou _ Então quer dizer que você também é jardineiro?

_ E paisagista _ completou o homem com um sorriso orgulhoso no rosto e estufando o peito fazendo Camila sorrir _ Brincadeira, mas faço o que posso _ sorriu junto a ela.

_ Eu posso ver como você faz? _ perguntou já caminhando em direção ao homem.

_ Claro, vai ser minha ajudante por hoje _ ele sorriu animado e caminhou até o lado de fora de casa com Camila o seguindo.

Desde então os dois estavam fazendo um pouco de jardinagem no quintal, Camila o ajudava e o enchia de perguntas, sobre as flores e sobre sua vida. Mike por outro lado estava adorando a companhia da moça e sempre a respondia de bom humor, lhe alegrou muito Camila não se importar em ajuda-lo com as flores, pois nenhum de seus filhos e nem sua esposa compartilhavam desse gosto, mas Camila o fez companhia e parecia interessar-se pelas flores.

Lauren voltou para a casa de seus pais extremamente cansada. Ela havia corrido por uma hora, como de costume, mas cansou-se mais que o normal, talvez devido ao tempo que ficou sem praticar, durante essa semana. Assim que entrou na casa por volta das onze horas da manhã, sentiu um cheiro maravilhoso de comida e dirigiu-se até a cozinha para saber o que Dona Clara estava preparando, entrando no cômodo sem fazer barulho algum e beijando sua mãe no rosto.

_ Você está suada _ Clara reclamou limpando o rosto.

_ Estava correndo _ foi até a geladeira e pegou uma jarra com água gelada, depois pegou um copo no armário e o encheu com o líquido.

_ Você sabe que faz mal tomar água gelada com o corpo quente, filha _ repreendeu.

 _ Estou morta, preciso de um banho _ bebeu o líquido.

_ Acho bom mesmo, lembre que seu irmão vem aqui hoje com a família dele.

_ Por isso, esse almoço caprichado? _ guardou a jarra de volta na geladeira e colocou o copo na pia.

_ Lave o copo Lauren _ sua mãe ordenou _ É sim, em sua vinda eu quis fazer o mesmo, mas não deu certo.

_ Tô sabendo dona Clara _ disse lavando o copo _ Christian vem?

_ Lógico _ Clara mexeu numa das panelas que estavam no fogão _ Ele está tão grande, acho que nem te reconhece mais.

Lauren sentiu a alfinetada de sua mãe, mas preferiu ignorar. Esteve esse tempo todo fora porque precisou.

_ Quantos anos ele tem? Vai fazer três não é? _ secou suas mãos nos panos de prato.

_ Sim. Ele está lindo.

_ Vou me arrumar mãe _ Lauren avisou já saindo do cômodo.

Subiu até seu quarto e entrando nele estranhou a ausência de Camila, mas logo pensou que mesma estaria no quarto de Taylor, já que agora elas eram melhores amigas. Tomou seu banho, lavou o cabelo e secou com auxilio do secador, após sair do banho. Já vestida, lembrou-se de colocar a toalha para secar e foi até a varanda de seu quarto, estendendo a toalha por lá. Olhou para céu percebendo que o sol começava a parecer entre as nuvens, dava para sentir o sol ainda fraco tocando sua pele e a sensação era boa, relaxante até. Olhou para seu quintal e avistou seu pai e Camila, agachados num canteiro de jardim que seu pai vinha trabalhando, ela parecia ajudá-lo, pois também colocava as mãos na terra e Lauren ficou observando-os por um tempo, pensando em algumas coisas.

Parece que Michael havia gostado mesmo da garota que ela trouxe para casa, eles conversavam, sorriam e agora faziam coisas juntos, tudo isso em uma semana. Lauren já havia visto os dois conversando, jogando sinuca e agora estavam plantando juntos, ele parecia gostar da companhia de Camila. Lauren pensava em como os dois estavam interagindo ultimamente, ela gostava de ver seu pai assim, pois sua mãe tinha lhe falado que desde quando ele descobriu a doença, perdeu a animação que tinha, apenas cuidava de suas plantas e flores. Lauren não queria ver seu pai abatido, embora nunca tivesse o visto assim, preferia vê-lo exatamente como ele estava agora, conversando animadamente e sorrindo, fazendo algo que gostava.

Então começou a pensar se Camila também gostava de jardinagem ou se estava ali por curiosidade, porque Camila era curiosa e Lauren já havia percebido isso, mas seja por qual motivo ela estivesse ali, a mulher que observava tudo de sua sacada havia gostado de seu gesto, gostou do modo que ela o tratava. E não sabia qual era o assunto entre os dois, mas a conversa parecia boa, já que os dois sorriam a cada minuto.

Será que seu pai sentiria muito a falta dela quando ela fosse embora? Parecia que ele já tinha se acostumado a tê-la, não sabia se era exagero pensar assim, mas agora tinha certeza de uma coisa: Sua mentira havia ido longe demais.

Se Camila fosse embora, com certeza, seu pai sentiria saudade. Mas não podia deixar Camila morando ali para sempre, ela também tinha vida e deveria estar louca para ir para casa. Porém lembrou que Camila não tinha casa, ou melhor, tinha, mas não se lembrava de como ou onde era sua casa. E assim muitas dúvidas invadiram sua cabeça e pensou em muitas coisas ao mesmo tempo.

Continuou perdida em pensamentos até ouvir seu celular tocar dentro do quarto e rapidamente foi ao criado mudo pegando o objeto para atender aquela chamada.

_ Oi Lucy _ sorriu mesmo que a outra não pudesse ver e sentou-se na cama.

_ Oi Laur. Então, eu só liguei pra te pedir favorzinho.

_ O que? _ não estava muito a fim de fazer favores.

_ Não. Nada demais, eu só quero que avise a sua mãe que não vou estar presente no almoço de hoje. Ela me chamou, mas não estou com vontade ir _ disse com a voz mais doce que conseguiu fazer.

_ E porque você não liga e avisa pra ela? _ Lauren perguntou apenas para provocar, já sabia a resposta da pergunta que fez.

_ Sua mãe iria me encher o saco até que eu mudasse de ideia e fosse aí à sua casa _ a outra revirou os olhos do outro lado da linha.

_ Vai me dever um favor _ Lauren a avisou.

_ Ok Lauren, já entendi _ falou em puro tédio _ A Vê quer falar um pouco com você.

Logo Lucy passou o celular para sua amada que começou a conversar com Lauren, falava tudo rápido e animadamente, Lauren mais ouvia do que falava.

 

**

_ Vai ficar mais um tempo aqui ou realmente vai embora amanhã?

Michael perguntou enquanto terminava de enterrar mais algumas sementes.

Camila o encarou por um tempo antes de responder.

_ Eu tenho que ir.

_ Entendo _ Michael agora lhe dirigiu o olhar _ Mas vou sentir sua falta.

Camila sorriu, não para fingir simpatia, mas sorriu de verdade dessa vez. Pensava consigo mesmo que também sentiria falta dele, sentiria falta de conversar com homem ao seu lado, de jogar sinuca com ele, reconhecia que ele sempre a deixava confortável e que sua companhia era agradável.

_ Também vou sentir sua falta. Eu gostei de conhecer você.

Michael sorriu feliz por ouvi-la dizer isso, pois assim sabia que Camila tinha gostado dele e que não era um sacrifício tê-lo por perto.

_ Posso te dar um abraço? _ ele perguntou duvidoso.

_ Claro _ sorriu abrindo os braços.

Camila o abraçou de forma amigável, porém de forma calorosa, esse não era seu jeito. Mas não tinha tanta intimidade com ele para abraça-lo de maneira mais calorosa ou afetuosa, entretanto Camila era espontânea e instintiva, mesmo assim não prolongou muito o abraço. Eles estavam ajoelhados encima da terra onde plantariam mais sementes.

_ Eu gostei de você e fico feliz que minha filha esteja com uma pessoa tão nobre de espírito como você. Creio que ela acertou agora e sou totalmente a favor do noivado de vocês _ ele separou o abraço.

_ Obrigada, mas não sou nada disso. Você que é uma pessoa maravilhosa e de bons olhos, aí me vê como uma pessoa boa também _ piscou e sorriu com a língua entre os dentes _ Eu adorei te conhecer.

_ Bom, eu sou uma pessoa maravilhosa mesmo _ disse fingindo convencimento e fazendo a moça sorrir _ Brincadeira. Não seja tão modesta Camila, você é uma boa pessoa.

_ Mike! _ sua esposa o chamou, escorada na porta do quintal _ Chris está quase chegando, vá se arrumar _ Clara parecia nervosa.

_ Já estou indo _ ele gritou de volta e Clara se foi.

Ele tirou as luvas que usava.

_Vai parar por hoje? _ perguntou a Michael.

_ Sim, vou me limpar ou Clara volta aqui em cinco minutos _ ele se levantou tirando o avental que usava e recolhendo suas ferramentas de jardinagem, Camila o ajudou e também se levantou, mas diferente dele, ela não usava avental nem luvas e assim, estava mais suja que ele.

Os dois foram para dentro de casa e Camila ligo se dirigiu ao andar de cima, iria ao quarto de Lauren para trocar sua roupa e pensava em usar um vestido para o almoço aproveitando que agora as nuvens haviam se dissipado e o sol dava o ar de sua graça no céu.

**

 

_ Verô, para de ser safada _ Lauren falava ao celular enquanto estava jogada em sua cama.

_ Olha quem fala _ debochou _ Impossível eu não ser safada _ Lauren riu _ Mas fala sério, já pegou ela?

_ Lógico que não _ revirou os olhos para a chatice de sua amiga.

_ Você é muito pateta mesmo. Tem uma gostosa sendo tua noiva por uma semana e tua mão nem fica boba. Aff! Não presta pra ser minha amiga.

_ Verônica _ repreendeu a amiga.

_ O que foi Lauren? Vai me dizer que virou hétero agora?

_ Lógico que não. Ficou louca? _ espantou a ideia.

_ Ela é gostosa pra caralho pô!

_ Eu vou contar isso pra tua esposa _ Lauren disse divertida _ Gostosa eu já sei que ela é.

Nesse momento Camila entrou no quarto ouvindo parte da conversa, Lauren olhou-a de relance e não deu muita importância a presença dela ali.

_ Pensando bem Verô, não seria uma má ideia, sabe? Como eu disse, acho ela bem gostosa e eu sou solteira, então... _ Lauren cortou sua fala.

Camila foi até o guarda roupa e começou a procurar por algo que a deixasse apresentável nesse almoço.

_ É lógico, imbecil. Pega essa bunduda logo _ Verô disse quase gritando do outro lado da linha.

_ Acho que vou pegar mesmo _ Lauren viu Camila caminhar até o banheiro _ Ela é gostosa, tem um corpo lindo e parece boa de cama, além disso, faz dias que não tranzo e nem um beijo eu dei nessa semana, Verô _ viu Camila fechar a porta do banheiro e aumentou o tom _ Parece até que estou noiva de verdade.

_ Você está sendo fiel. Que fofa _ Verônica fingiu uma voz meiga.

_ Idiota _ Lauren revirou os olhos _ Sem gracinhas.

_ Hey. Eu vou desligar aqui porque a Lucy tá me enchendo a porra do saco, pedindo para que eu faça o suco, aqui _ a futura mulher casada desdenhou com voz de tédio.

_ Vai vendo aí como é o casamento _ Lauren quem sorriu agora.

_ Vai se foder Lauren.

Lauren riu mais intensamente.

Verônica desligou a ligação e Lauren jogou seu celular sobre o colchão.  No mesmo instante, Camila saiu do banheiro.

_ Já tomou banho? _ Lauren perguntou sentando-se na cama e estranhando o fato dela não ter demorado dessa vez.

_ Só troquei de roupa, sua mãe pediu pra nos arrumarmos pro almoço, parece que seu irmão já vem _ disse passando a mão em seu vestido, o mesmo que havia usado ontem à noite _ Eu coloque as roupas sujas no chão do banheiro, se você não importar...

_ Vou me arrumar também.

Levantou-se da cama e apenas trocou de camisa ali mesmo dentro quarto. Quando Camila percebeu o que a mulher se trocaria ali mesmo caminhou até a sacada, saindo do quarto e deixando-a sozinha por lá. Lauren colocou uma camisa polo na cor preta e permaneceu com o short jeans que usava, nos pés usava chinelos mesmo, estava confortável. Provavelmente sua mãe não iria gostar, mas ela não estava dando à mínima, era apenas seu irmão e não o presidente da república que estaria em sua casa.

_ Camila.

A jovem mulher entrou no quarto procurando por Lauren que a chamava.

_ Oi.

_ Vamos descer.

_ Vamos.

Lauren abriu a porta de seu quarto, mas não passou por ela, antes fez um gesto para que Camila passasse. E sorrindo desse gesto bobo Camila passou a sua frente.

_ Espera _ Lauren chamou a moça antes que ela descesse. Elas estavam paradas no topo da escada _ Meus pais estão um pouco desconfiados e Chis não pode saber que estamos mentindo, ele não é como a Taylor, se ele souber ele vai contar para meus pais _ Camila ouvia atenta, mas curiosa para saber onde aquela enrolação iria dar _ Então, hoje eu vou me permitir ser mais afetuosa com você.

_ Não entendi _ Camila estava segurando a risada.

_ Eu vou tentar ser mais carinhosa com você, mas só por hoje _ disse sussurrando para que ninguém escutasse.

_ O que? _ Camila tinha um meio sorriso na boca.

_ Colabora né. Você está surda? _ educada como sempre Lauren a perguntou.

_ Está bem, já entendi _ ignorou a pergunta _ Você quer que sejamos mais convincentes de que somos um casal hoje?

_ Fala baixo _ a repreendeu _ Isso mesmo. Pensei que iria ter que desenhar _ falou descendo a escada na frente e deixando Camila para trás.

Camila careteou em deboche, mas Lauren não pôde ver.

_ Camila, deixa eu te mostrar uma coisa _ Michael a chamou assim que ela pisou o ultimo degrau da escada. Ele estava na sala segurando algo parecido com um livro nas mãos.

_ Ah não pai. Pode deixar isso aí _ Lauren que antes estava no sofá se levantou para tentar tirar o álbum de fotos da mão de seu pai.

_ Vem Camila _ o homem começou a se afastar da filha e ir para perto de Camila que estava entrando na sala.

_ Pai!

_ Lauren, vai chamar sua irmã ou ela vai dormir até amanhã _ Clara entrou na sala.

_ Meu pai está com meu álbum de fotos antigas _ protestou para mãe.

_ Querido mostre a Camila _ Clara o incentivou _ Você vai ver como meu bebê sempre foi lindo _ a senhora Jauregui apertou as bochechas da filha.

_ Para mãe! _ Lauren se soltou e saiu da sala.

Camila apenas riu de desespero de Lauren.

_ Eu adoraria ver essas fotos.

_ Vem Camila _ Michel sentou-se no sofá e pediu para que nora sentasse ao lado dele.

Clara voltou à cozinha para terminar seus afazeres. Como hoje era domingo, Suzana estava de folga e Clara precisou cuidar de todo o almoço, sozinha mesmo. Suzana não trabalhava aos domingos e aos sábados saía mais cedo. Depois que Michael precisou de alguns cuidados, Clara se viu cansada por cuidar da casa e do marido ao mesmo tempo, contratou a jovem Suzana para ajuda-la nos trabalhos domésticos, com isso, tinha tempo para cuidar do esposo.

Lauren foi acordar a irmã de mau humor e já estrou quarto sem cerimônia.

_ Acorda aí!

Caminhou até a porta que levava a sacada do quarto e abriu a cortinas juntamente com a porta para que a luz pudesse entrar no lugar. Como o quarto de Taylor tinhas as paredes em num tom de azul escuro e cinza, ele ficava bem escuro e a claridade de agora a incomodou.

_ Levanta que nossa mãe tá chamando.

_ Que merda Lauren!_ cobriu a cabeça para se esconder da claridade.

_ É serio Taylor _ Lauren descobriu a cabeça dela.

_ Mas que porra Lauren! Eu tô tentando dormir! _ colocou o travesseiro em cima da cabeça.

_ Mais? Você ainda quer dormir mais?

_ Eu sou jovem e jovens acordam tarde _ ela protestou _ A tia aqui é você.

Lauren puxou o edredom que estava sobre corpo dela e o jogou no chão. Depois arremessou o travesseiro dela para longe e Taylor sorria enquanto sentava-se preguiçosamente na cama.

_ A tia ficou brava _ debochou limpando seus olhos.

_ Vai se foder Taylor _ caminhou até a porta _ E anda logo! _ bateu a porta e saiu.

 

_ Que linda vestida de vaquinha _ Camila estava apaixonada pelas fotos de quando Lauren era pequena _ Que coisa mais gorda gente.

_ E olha a cara de brava _ Mike observou _ Desde cedo com essa carranca.

Lauren se aproximou deles e debruçou-se no sofá atrás de Camila e ficou observando a foto.

_ Não sei pra quê me vestir de vaca _ disse perto do ouvido de Camila a assustando um pouco.

Camila estremeceu um pouco com o susto repentino e a voz irritada de Lauren atrás de si.

_ Você era uma gracinha _ Camila comentou.

_ Já chega disso _ Lauren pegou o álbum das mãos de Camila e subiu a escada correndo com ele.

_ Lauren! _ seu pai a chamou

_ Educada como sempre _ Camila sussurrou.

_ Lauren é muito sem graça _ Michael disse chateado.

_ Relaxa Mike. Depois eu vejo _ Camila piscou divertida para ele.

_ Eles estão demorando _ Clara sentou-se no outro sofá _ Mike, liga pra o Chris.

_ Amor, eles já devem está chegando.

Camila ouviu a campainha tocar.

_ Acho que são eles.

Clara se levantou indo até a porta, mas ela foi aberta por um rapaz alto que segurava um garotinho nos braços e ao seu lado uma mulher de baixa estatura e de cabelos num tom mais escuro de loiro e olhos castanhos, eles entraram na casa e clara foi a primeira a cumprimenta-los.

_ Vovó!

_ Amor da vovó _ ela pegou o garotinho que já estendia os bracinhos para ela e começou a distribuir beijos por seu rosto arrancando da criança uma risada gostosa de ouvir _ A vovó sentiu saudade.

_ Meu filho _ Michael foi até o rapaz o abraçando e dizendo estar com saudade.

Camila observava desconfortavelmente aquela situação. Percebeu a moça que estava ao lado do marido lhe olhando e lançou um sorriso tímido para ela.

_ Ally! _ Lauren gritou feliz assim que entrou na sala. E a abraçou apertando-a no abraço e movendo os dois corpos de um lado para o outro.

_ Que saudade _ Ally disse em meio ao abraço _ Nossa Laur, quanto tempo. Você não mudou nada _ desfez o abraço para vê-la.

_ Nem você Ally _ Lauren passou a mão nos cabelos castanhos da mulher a sua frente _ Espera! Você cresceu?

_ Idiota como sempre _ a mais baixa lhe deu um tapa no braço.

_ Também senti saudade _ Lauren sorriu para ela _ Onde está meu sobrinho preferido?

Enquanto Lauren iria pegar o pequeno Christian, mas ele estava no colo de seu pai, olhou para o lado e viu que sua mãe cumprimentava Ally. Sentiu alguém tocar seu ombro e ao virar-se encontrou seu irmão sorrindo.

_ Não vai me dar as boas vindas?

_ Vem cá _ ela o abraçou apertado o sentindo beijar o topo de sua cabeça.

_ Me apresente a minha cunhada _ ele a empurrou de leve.

_ Esqueci _ ela se afastou _ Camila, vem aqui _ chamou a moça que estava parada perto do sofá.

Prontamente Camila se aproximou tentando esconder sua vergonha e se pôs ao lado da suposta noiva.

_ Camila esse é meu irmão Chris _ apontou para o respectivo _ Agora você pode conhecê-lo pessoalmente.

Camila estendeu a mão para que ele retribuísse o cumprimento, mas ela a abraçou receptivo e bem animado.

_ Não precisa ter vergonha comigo.

_ Cuidado para não se arrepender depois que tivermos intimidade _ ela o alertou brincalhona e desfazendo o abraço.

_ E essa é a esposa dele _ apontou a mulher sorridente _ Ally.

Ally também a abraçou, porém de maneira carinhosa, diferente do marido. Era extremamente carinhosa e meiga com todos os que ela conhecia, mas também era alguém fácil de se irritar, esquentadinha com tudo.

_ Prazer te conhecer _ disse após quebrar o abraço e ainda sorrindo.

_ Igualmente _ Camila também sorriu _ Mas agora eu quero conhecer aquela coisa fofa ali _ apontou para o garotinho de cabelos castanhos em tom claro e que tagarelava no colo do avô.

_ Esse é o amor da minha vida _ Ally iria pegá-lo, mas Lauren se adiantou e o pegou primeiro.

_ Amor da tia _ beijou o rosto da criança que a empurrava tentando sair de seu colo _ Você está enorme.

_ Sai, Sai _ empurrou o rosto _ Sai.

_ Como você cresceu _ o beijou ainda mais.

_ Sai! _ gritou.

Os outros riam do desespero do garoto.

_ Não lembra mais da tia, amor? _ Lauren ficou chateada e o entregou a Ally, pois o menino estendia os braços para a mãe.

_ É a tia Laur, querido _ Ally disse numa tentativa falha de fazê-lo lembrar, enquanto o pegava _ Já faz bastante tempo Laur.

Christian ainda era um bebe quando Lauren o p ela ultima vez, ele tinha alguns meses de idade ainda e Lauren já adorava brincar com ele. Ela ficou chateada, pois morria de saudades do sobrinho e ele nem se lembrava dela.

_ Ele é lindo _ Camila falou mandando um beijo para o pequeno que lhe sorriu.

Estavam todos acomodados na sala e Taylor já havia descido e cumprimentado seu irmão e sua família, agora ela estava brincando com o sobrinho que estava em seu colo enquanto ela estava no sofá, alheia a conversa dos demais ali.

_ Camila você pode ir arrumando a mesa para mim, por favor?

Camila estranhou o pedido de Clara, mas pensou que ela poderia estar querendo uma aproximação e assim, resolveu fazer esse favor a sua sogra, também pensou que seria útil naquela casa, pois desde que chegara não fizera praticamente nada.

Lauren também estranhou a atitude de sua mãe, mas nada disse, continuou conversando com seu pai e irmão.

_ Eu te ajudo _ Ally se ofereceu assim que viu Camila saindo da sala.

Elas entraram na sala de jantar e foram até uma estante onde eram guardados vários utensílios como talheres e taças, pratos e etc.

_ Está gostando de Merton?

Ally iniciou o diálogo.

_ Estou sim. Só o clima que meio louco _ pegou alguns pratos.

_ Verdade. Eu lembro que também demorei a me acostumar _ Ally começava a arrumar as coisas na mesa _ Mas você acostuma rápido. Vai ver só.

 _ Não ficarei por muito tempo, na verdade, amanhã mesmo estou indo embora _ passou algumas taças para a baixinha.

_ Que na pena. Eu pensei que ficaria por mais tempo _ olhou a fazendo uma careta triste que Camila achou muito fofa _ Então é a primeira e ultima vez que vejo?

_ Sim.

_ Mas ela vai voltar em breve. Camila vai resolver coisas do trabalho e logo estará aqui nos visitando novamente _ Clara apareceu no cômodo.

_ Com certeza _ Camila fingiu um sorriso convincente.

_ Vou trazer as travessas _ a senhora Jauregui avisou _ Ally você me ajuda?

_ Claro _ Ally foi atrás da sogra e Camila fez o mesmo.

Elas foram arruma as coisas na mesa e o estomago de Camila já doía de tanta fome, ver aquela comida não estava ajudando, sua boca encheu d’água.

_ Minhas noras me ajudando enquanto meus filhos nem se movem daquele sofá _ a mais velha comentou com elas, assim que tudo já estava pronto _ Estou pra dizer, você não tiveram sorte com amor de vocês, não. São meus filhos, mas eu reconheço que eles são a preguiça em pessoa, nunca vi. Todos os três puxaram isso pai porque é claro que eu não sou assim _ ela brincou. Consequentemente as duas moças que estavam ali sorriram junto a ela.

Clara se retirou para chamar os outros lá na sala.

Durante o almoço a conversação fez-se presente, assuntos variados que davam permanência ao bom clima naquela mesa e todos participavam do bate-papo. Clara e Michael estavam visivelmente felizes por terem sua família ali com eles, era notável a alegria dos dois por terem seus filhos junto a eles, por todos estarem compartilhando uma refeição num clima agradável. Não que eles formassem a família perfeita, pois já tiveram suas desavenças no passado e conseguiram vencê-las, enfrentaram seus problemas. Clara quase viu sua família se acabar, ela mesma precisou vencer a si mesma em alguns aspectos, alias, ela vinha trabalhando nisso até hoje, pois havia preconceitos nela que insistiam em existir.

Camila estava incluída no diálogo descontraído que rolava naquela mesa, ela estava começando se acostumar com a presença de Ally, estava gostando de conversar com ela e não lhe passou despercebido o fato de todos ali estarem sempre a envolvendo numa conversa. E num determinado momento, quando eles já estavam satisfeitos, porém ainda sentados à mesa, Chris quis conhecer um pouco mais sobre Camila. E foi lhe explicado que Camila recentemente tinha perdido parte da memória.

_ Mas você se sente em condições de voltar a trabalhar? _ Chris perguntou curioso.

_ Sim. Eu já eu me lembro de várias coisas e de como era meu trabalho e essas coisas todas _ se atrapalhou um pouco ao falar.

_ Camila se lembra de tudo o que é recente, apenas desconhece seu passado, mas isso será tratado _ Lauren rapidamente tomou a palavra e tentou ser mais convincente _ segurou a mão de Camila em cima da mesa _ Mas ela vai se lembrar com o tempo _ mediante esse ato Camila fingiu um sorriso.

_ então viemos no dia certo, Amor – Ally disse ao esposo enquanto colocava mais pouco de comida na boca do seu filho _ Se nós viéssemos na semana que vem não conheceríamos a Camila.

_ Provavelmente _ Camila concordou.

_ Por que não fica mais um pouco? _ Michael, por mais uma vez, tentou insistir _ Mais uma semana pelo menos?

_ Acredite, eu quero ficar, mas não posso.

Camila disse tentando agradar o homem a quem dirigia a palavra, entretanto suas palavras eram verdadeiras, ela realmente queria permanecer ali, não porque gostou da casa e seus residentes, mas por necessidade. Não tinha encontrado sua família nem tinha noticias nenhuma sobre seus pais, ela não havia saído daquela casa sozinha e não procurara por nada na internet, não procurou saber o paradeiro de sua família nem pela boca dos Jauregui.

Não tinha para onde ir, mas não podia permanecer ali naquela casa e nem queria. Não queria conviver por mais tempo com pessoas desconhecidas e está ao lado de uma bipolar, não queria mais viver com saudade de seu pai e até de sua mãe, queria chegar a casa onde morava com sua família e finalmente acabar com todo seu sofrimento. Era desconfortável está num lugar onde você tem que agradar os outros o tempo inteiro e sabe que todos observam você. Onde você não tem liberdade para fazer o que quiser e nem mesmo conforto. Só pensava em para onde ir.

_ Eu entendo _ Mike concordou com o que ela havia dito _ O trabalho não espera.

_ Não mesmo _ lhe sorriu _ Mas desde já eu quero agradecer por me receberem tão bem e por me acolherem aqui na casa de vocês. Foi muito bom conhecer a família da minha noiva e saber que vocês são pessoas boas, bem melhores do que ela me falava e olha que ela sempre falava bem _ envolveu Lauren na conversa para mudar o assunto. 

Lauren olhou-a enternecida e sem acreditar que ela disse tal coisa.

_ E ela falava muito sobre nós? _ Clara perguntou interessada.

_ Muito_ Camila concordou _ Ela sentia saudades.

Ela sabia que Lauren não tivera contato com os pais há muito tempo, nenhum contato a não ser conversas telefônicas, que há muito não os visitava e talvez nem falasse deles.

_ Vejo que lembra bem Camila _ a dona da voz rouca lhe encarou com um falso sorriso de felicidade.

_ Fico feliz que esteja melhor _ Ally se pronunciou.

_ Eu também _ Chris segui-a no comentário _ Mãe cadê a sobremesa?

Não gostando da falta de educação do filho, Michael o reprendeu.

_ Espere todos acabarem a refeição, seu guloso.

_ Ele está com fome, Michael _ Clara não gostou do jeito quem seu marido falou com o filho.

_ Eu também, mas eu tenho educação. Veja. Ally ainda está alimentando nosso neto _ apontou para ela lhe chamando a atenção.

_ Não seja, por isso, gente. Podem comer a sobremesa _ sempre simpática e pacifista ela lançou um sorriso amistoso para o homem.

_ Viu Mike? Ela não se importa _ Clara começou a retirar mesa _ Alguém para me ajudar, por favor? _ olhou para Camila, mas a mesma nem percebeu esse olhar, estava perdida em pensamentos alheia a tudo. Lauren foi quem percebeu a intenção de sua mãe e não gostou nem um pouco.

_ Eu ajudo _ o senhor Jauregui se levantou a ajudando. Pretendia ficar a sós com a mulher para lhe dizer algumas coisas em particular.

Entraram cozinha colando os pratos e talheres na pia, as travessas na bancadas cobertas para não pousassem insetos nelas, algumas travessas na geladeira e preparavam para levar a sobremesa.

_ Eu não gosto que tire minha autoridade na frente dos nossos filhos.

_ Eu não fiz nada disso Michael _retirou a travessa de pavê da geladeira.

_ Eu não quero que isso se repita _ voltou para a sala de jantar.

Michael era sempre curto em suas discussões, era um tardio em se irar e procura não agir de cabeça quente.

Ally já acabara de alimentar o pequeno Chis e ele agora brincava com Taylor que o tinha em seu colo.

_ Será que ele vem no meu colo? _ Camila perguntou para a mãe do garoto.

_ Esse daí é sem vergonha. Ele vai ao colo de toda mulher bonita _ Chris sorriu sedutor para a cunhada.

Lauren odiava quando ele fazia isso, sabia que era pura implicância dele, mas não gostava. Ele fazia o mesmo com Alexa e agora fazia com a latina a seu lado por achar que ela tinha algum mesmo relacionamento com a irmã.

_ Obrigado Chris, mas se for assim ele nunca sairá do colo da mãe _ piscou para Ally da mesma forma como seu cunhado piscou para ela, anteriormente.

_ Você está cantando a minha mulher? _ perguntou fingindo estar irritado.

_ Ué, você estava fazendo o mesmo com a minha _ Lauren arqueou as sobrancelhas o encarando e passou um braço em volta dos ombros da latina, que estranhou o gesto.

Chris manteve seu olhar firme encarando os olhos da irmã e depois os desviou para olhar sua mulher a seu lado em seguida beijando-a. Eles tinham essa mania desde pequenos, de fazerem pequenas competições entre si, tentando ver quem era superior a quem.

Mike voltou e sentou-se no mesmo lugar de antes. Clara não demorou a trazer a sobremesa, era um pavê feito com biscoitos e chocolate e seu filho adorava aquela mistura, o fez pensando nele.

Logo iniciaram uma conversa animada e todos na mesa conversavam embora alguns não estivessem totalmente entregues ao assunto na mesa.  

Camila pensava no que fazer daqui para frente. Iria embora amanhã ainda cedo, pois assim teria mais tempo para conseguir encontrar sua casa, pediria informação pelas ruas. Camila também tinha a alternativa de procurar pelo instituto de sua família, uma espécie de conservatório de musica e dança, seria impossível esse patrimônio não existir mais. Com certeza alguém conhecia o instituto Cabello ou a casa dos Cabello Estrabão, pelo menos, nisso o seu sobrenome a ajudava.

Taylor, por sua vez, observadora como sempre, observava Camila, vez ou outra, distante e despercebida. Disse a si mesma que conversaria com ela depois. Continuou brincando com seu sobrinho enquanto tentava dar um pouco da delicia que saboreava ao pequeno em seu colo.

Assim que todos estavam satisfeitos foram deixando a mesa aos poucos e indo para o quintal, Lauren ainda estava comendo mais um pouco do pavê e permaneceu na mesa, Ally seguiu seu marido, sogro e cunhada para fora de casa. Clara estava retirando as coisas de cima mesa e Camila se levantando por ter acabado de comer e prontamente a ajudou.

_ Camila você pode lavar a louça suja, por favor?

Camila olhou para a senhora Jauregui um pouco confusa, ela não via problema em ajudar a mulher e lhe fazer um favor, mas não pretendia fazê-lo agora. Camila queria tentar brincar um pouco com o sobrinho de Lauren, mas mediante a expressão da mulher a sua frente, com certeza, ela exigia que esse favor fosse cumprido, sem demoras. E pelo tom de sua voz não era bem favor que ela “pedia.”

_ Não mãe. Ela não pode fazer isso agora _ Lauren limpou os lábios com o guardanapo e continuou falando _ Ela vai lá pra fora socializar um pouco _ disse se levantando.

_ Eu não pedi nada a você Lauren _ retrucou ríspida.

_ E, por acaso, você sequer pediu?

Segurou firme o olhar sua mãe. Sabia muito bem as intenções da mulher que deu a luz.

_ Lauren, é apenas a louça suja _ Camila olhou-a incrédula por ver que ela tão irritada com uma coisa mínima.

_ Você é muito idiota mesmo _ a mulher de olhos verdes agora direcionava seu olhar para a mais baixa a seu lado _ Ela está te fazendo de empregada. Ela não está simplesmente te pedindo um favor.

E Camila nada disse apenas se pôs a observá-la. Lauren já estava de raiva e sua raiva não era por sua mãe está desfazendo de sua noiva, sua raiva por sua mãe está humilhando uma pessoa apenas por sua origem. Era óbvio, como Lauren não havia percebido antes? Sua mãe ainda tinha os mesmos preconceitos de outrora, nunca havia se curado disso, logicamente ela sabia ou percebera que Camila era latina e, talvez por sua cor de pele ou pelos traços que ela possuía e por seu nome, não era impercebível.

_ Nos dê licença, por favor.

Lauren não a olhou, mas Camila soube que era pra ela e assim foi ao quintal em busca dos outros.

_ Mãe, eu não acredito que você continua a mesma.

Ainda na cozinha clara mantinha sua expressão fria.

_ Ela é latina.

_ Eu também tenho sangue latino nas minhas veias, ou você se esqueceu? Todos os seus filhos têm _ disse calma lembrando-se de seus avós paternos que eram cubanos e seu pai era um descendente.

_ Mas vocês não tem a cultura daquele povo _ Clara não gritava, falava em seu tom de voz normal _ Não sabemos se ela age como eles.

_ Qual é o seu problema? _ perguntou incrédula.

_ Eu não quero discutir com você Lauren. Eu passei esse tempo sem ter você aqui e agora que está não quero que briguemos. Eu nunca faltei com respeito a sua noiva...

_ E o que eu vi agora?_ seu tom também baixo como o da mãe.

_ Não vai se repetir _ Clara disse firme _ Eu estou tentando melhorar.

_ Eu espero _ a filha começou a caminhar para fora do cômodo.

_ Está chateada? _ sua mãe lhe perguntou antes que ela saísse.

Lauren não se deu ao trabalho de parar e olhar para sua mãe ao dar a resposta.

_ Um pouco.

Camila começou a caminhar pelo gramado próximo a piscina onde Taylor brincava com o pequeno Chris.

_ A tia Camila vai brincar com a gente _ Taylor disse ao garotinho enquanto chutava a bola para ele. Ele retornou a bola para sua tia e Taylor então, chutou a bola para Camila para que ela pudesse entrar no jogo.

Numa área coberta onde ficava a sinuca e havia uns estofados confortáveis Chris, Ally e Michael estavam distraídos numa conversa sobre crianças, Lauren se juntou a eles depois de um tempo e assim mudaram de assunto, isso para que ela não tivesse lembranças de sua filha e sentisse desconfortável, o assunto sutilmente foi mudado para a vida alheia. Começaram a conversar sobre a vida de diversos conhecidos.

_ Onde está sua mãe?

Olhou para o pai, um pouco distraída.

_ Na cozinha.

_ Taylor cuidado com ele perto da piscina! _ Ally gritou preocupada.

_ Pode deixar! _ gritou de volta.

_ Tia, a bola _ Christian  mostrou a Camila que bola estava indo para piscina e ela rapidamente correu alcançando o brinquedo antes que ele caísse na água.

_ Ele te chamou de tia _ Taylor sorriu para a nova amiga, que tinha um sorriso maior que seu, no rosto _ Nossa, cansei _ bufou sentando-se no chão.

_ Ele é lindo _ Camila entregou a bola ao menino.

_ Chris, a mamãe está chamando _ Taylor lhe falou.

O pequeno garoto olhou para sua mãe conversando.

_ Não tá não _ Camila achou graça de voz infantil que era doce e da ingenuidade do garotinho.

_ Está sim, vai lá ver o que ela quer.

Ele saiu correndo até a mãe com a bola em mãos. Era obvio que Taylor havia cansado e agora inventara uma desculpa para se livrar do sobrinho que ainda não tinha num um terço do cansaço da tia.

Camila também se sentou naquele gramado ao lado dela e ficaram em silencio por um tempo.

_ É verdade o que disse?

Camila uniu as sobrancelhas em confusão, mas Taylor não fez questão de esclarecer a pergunta.

_ Sobre?

_ Sobre querer ficar.

Camila olhou para frente pensativa mediante a resposta, não sabia se contava a verdade ou a mentira então respirou fundo.

_ Quero.

_ Quer ficar?

A latina olhou para baixo.

_ Quero.

E novamente não disseram mais nada. Depois de um tempo Taylor se levantou e Camila imitou seu gesto, elas se uniram aos outro e agora Clara também faziasse presente entre os demais que conversavam animados, sobre algo que Camila nem prestou atenção.

Taylor pegou seu celular e mandou uma mensagem para irmã, a mesma que em alguns segundos retirou seu próprio aparelho do bolso de seu short e conferiu sua nova notificação. Levantou-se e lentamente caminhou para dentro de casa permanecendo na cozinha.

Taylor não demorou a encontra-la lá.

_ O que houve? _ Lauren com sua preocupação de irmã mais velha, achou que Taylor estivesse precisando de sua ajuda com alguma coisa em sua vida.

_ Porque Camila vai embora tão cedo? Você disse um mês, faz uma semana, apenas _ Foi direta.

_ Não me diga que se apegou a ela?

_ Isso seria ruim?

_ Considerando o fato de que nunca irá vê-la novamente... _ escorou seu corpo na bancada.

_ Posso visita-la _ Taylor falou.

Lauren apenas deu ombros com sua resposta.

_ Ela está bem mesmo? Digo da memória _ a mais nova preocupou-se.

_ Claro que sim Taylor _ resmungou começando a irritar-se.

_ É que às vezes ela parece tão confusa. Tipo, ela nem fala sobre sua vida.

E nesse momento Lauren se pegou acreditando na própria mentira, pois até ela mesma havia crido que Camila tinha se recuperado, quando na verdade não passava de uma mentira para disfarçar seu ataque emocional no começo a semana. Assim, lembrou-se que Camila estava realmente sem memória e nem se lembrava de como era sua vida antes de ser achada por ela na beira da estrada, Lauren, no entanto, tinha sido responsável por ela. Estava tão atordoada com seus próprios problemas que nem pensou na pessoa a quem pedira “um favor”. Camila, no caso, estava praticamente desamparada. Obviamente não contaria a irmã onde e em que condições achara Camila, seria burrice contar tudo isso e fora o sermão que teria que ouvir, além do possível constrangimento de Camila.

_ Taylor, não se preocupe, Camila está bem _ sorriu afirmando sua frase, pensando em tranquilizar a irmã e que ela fosse embora dali.

_ Ela disse que quer ficar _ Taylor saiu sem esperar qualquer comentário da irmã.

Taylor não sabia a completa verdade sobre esse falso noivado entre Lauren e Camila, mas sentia que havia algo mais envolvido em tudo isso, só não sabia o quê.

Lauren permaneceu no mesmo lugar, na mesma posição, pensando em como poderia resolver esse mais novo problema. Não podia soltar um alguém que não tinha lembranças, por aí no mundo, a mercê. Não era desumana, embora contida e tinha sentimentos, mesmo que não os revelasse.

Foi até seu quarto e jogou-se na cama pensando no problema que arranjou ao tentar resolver outro problema. Precisava desabafar com alguém, logo se lembrou de Normani, sua confidente. Pegou o celular pensando em contar toda a verdade para sua amiga e pedir ajuda, lembrando-se dos tempos de estudante quando Mani era seu ombro amigo, sabendo que podia contar com os ouvidos da mulher para ouvirem seu desabafo e sabendo que podia contar com a boca da morena para dar-lhe conselhos.

_ Mani _ disse quando percebeu que ela atendeu.

_ Oi _ falou ofegante e isso não passou despercebido por Lauren.

_ Está ocupada? _ sentou-se na cama.

_ Dançando. Estou ensaiando uma coreografia _ falou animada.

_ Para quê?

_ Esqueci que você não sabe. Eu dou aula de dança agora num instituto.

_ Mas que ótima notícia Mani. Você sempre quis trabalhar com a dança também _ realmente feliz pela amiga.

_ Sim, eu ainda não tinha te falado.

_ Estou feliz por você. Sinceramente _ sorriu sabendo que sua amiga não conseguia lhe ver.

_ Obrigada amiga. Mas diga o porquê dessa ligação _ mudou o assunto sentando-se no sofá .

_ Mani, deixa pra lá, eu ligo outra hora.

_ Que isso amiga, pode falar que eu escuto, já até sentei _ Mani pegou sua garrafinha d’água e bebeu um pouco.

_ Eu só queria jogar conversa fora, não era nada importante _ tentou enganar sua amiga.

_ Lauren _ chamou irritada.

_ Tchau gostosa. Beijos!

Encerrou a chamada e saiu do quarto. Descendo as escadas ela sentiu seu celular vibrar e olhando na tela do mesmo, uma notificação lhe avisou sobre uma mensagem de Normani, rapidamente abriu e leu.

“Passe aqui em casa amanhã.”

Sorriu guardando o aparelho no bolso.

_ Seu pai está te chamando.

Lauren olhou em direção a voz e viu Camila no primeiro degrau da escada. Lá de baixo a jovem lhe olhava esperando uma resposta que não veio.

_ Ele pediu pra que eu te procurasse _ acrescentou a frase tentando fazer com que Lauren parasse de olhar para ela.

_ Antes eu quero falar com você _ desceu até ela.

Camila a lançou um olhar com se dissesse: Fale, estou ouvindo.

_ Você está bem?_ encarou seus olhos como tinha feito poucas vezes.

_ Como assim, Lauren? _ sorriu confusa, cruzando os braços.

_ Se lembra de alguma coisa? Naquele dia que você aquele ataque, surto, sei lá o que... Você se lembrou de alguma coisa? _ falava em baixa entonação para que não fosse ouvida a não ser por Camila.

_ Que pergunta é essa? _ mostrou-se insegura.

_ Por favor, seja sincera _ Lauren jogou a cabeça para trás levemente irritada.

_ Pra que você quer saber disso?

_ Não seja criança.

A jovem latina não acreditava no que ouviu, contudo não se alterou, preferiu não discutir. Deu as costas para Lauren e ia saindo de sua presença, mas Lauren segurou seu braço de maneira firme, mas sem usar força. Camila olhou-a enraivecida.

_ Taylor disse que você quer ficar _ soltou seu braço _ É verdade? Você quer ficar?


Notas Finais


Até mais.
Beijos !!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...