História Contraste - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, D.O, Kai
Tags Kaisoo
Exibições 224
Palavras 2.034
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Finalmente oi de novo \0/
Ontem eu coloquei na cabeça que faria esse capítulo e hoje taran~ Estou muito animada com os comentários do capítulo anterior (muuuuito obrigada por estarem acompanhando a fic e me fazendo esses comentários lindus *u*).
Agora que já teve um lemon me sinto mais tranquila para fazer certas coisas huehue >///<
Espero que gostem, fiz esse capítulo para ser um presente para vocês por conta da demora.
Boa leitura!

Capítulo 13 - Possessivo


Fanfic / Fanfiction Contraste - Capítulo 13 - Possessivo

Eu mal podia acreditar no que estava acontecendo nos últimos dias. Não sei dizer se é certo, mas sinto que nutro algo por Jongin. Sem questionar o que ao certo este sente por mim, porque ainda percebo que existe um paredão que esconde seus sentimentos e verdadeiras intenções de mim, eu cedi ao moreno que de me causar irritação passou a me tentar.

Não sei se posso chamar de “relacionamento” o que mantemos agora, mas eu estava feliz e de certa forma aliviado com as ações de Jongin nas últimas horas, porém passei a duvidar se tudo tenderia a acontecer sem mudanças depois da coragem do moreno para dizer aquelas palavras.

–Eu sou muito melhor que o Park. –disse num tom muito baixo consigo mesmo e voltando a se sentar. Mal pude acreditar que ouvi aquilo.

–O que disse? –me virei desligando a torneira e colocando a última louça para secar. Não podia evitar o sorriso sarcástico.

–O quê? –disse arqueando a sobrancelha. –Vai ficar bravo? –seus olhos me fitavam até que pude ver um sorriso de lado se formando.

Calei-me. Eu estava em uma posição de idiota novamente? Ao menos podia me sentir algo melhor do que seu criado que não podia discutir afinal a culpa era minha, eu que havia me entregado e Jongin não devia nada a mim. A relação que tínhamos sempre foi sem comprometimento da parte dele, por mais que me sentisse queimando por dentro, não podia fazer nada.

–Por que acha que eu deveria estar bravo? –disse segurando para que meus olhos não marejassem enquanto tinha os braços na pia atrás de mim.

–Não sei. –levantou da mesa me apontando seus olhos, eu tinha que desviar dos seus, porque eu queria poder apagar a idiotice que tinha me dito e poder olhá-lo sem me sentir triste. –Eu disse algo falso? –suas mãos estavam sobre as minhas.

–Aonde quer chegar? –voltei meu olhar para os negros me dando conta de quão próximos estávamos.

–Você não deve ficar bravo ou deve porque não dormiu com ninguém além de mim? –paralisei sobre seus olhos que tentavam tirar de mim algo que ainda me deixava bravo, mesmo que fosse clara sua preocupação em ser melhor que Chanyeol. –Você não pode responder. –respondeu rindo sarcástico e dando as costas para mim por um segundo e já um tanto longe voltando a me mostrar seus olhos decepcionados. –É claro que não pode responder, você fez isso, você cedeu a ele primeiro do que a mim que estou morando com você.

–Ei... –disse baixo desviando meu olhar para o chão. –Por que isso importa? Ficar comigo fere seu orgulho por causa de outra pessoa? Se você quer tanto saber disso, eu não fiz nada com Chanyeol. –disse nervoso.

Apenas vi os olhos do moreno sobre minha figura que saiu da cozinha. Eu deveria ir para meu quarto quando Jongin segurou meu braço e me puxou. Puxei meu pulso tentando me soltar do maior que não permitiu.

–Me solta. –disse o olhando com raiva.

–Quem dá ordens aqui sou eu. –parei de me mover com a fala deste e abaixei a cabeça. Este me puxou para um abraço que eu fiz questão de não me mover.  –Você está bravo. –sua mão passava sobre minha cabeça. –Eu queria ser melhor que Chanyeol, mas não porque o invejo, mas porque você parece feliz quando está com ele, então queria ser melhor que ele pra você.

O empurrei ainda tentando manter minha expressão descontente, porém logo um sorriso tomou meus lábios. Jongin era especial da forma dele, mesmo sendo rude e controlador conseguia sentir ciúmes e me surpreender de um jeito que só ele pode fazer.

–Você está rindo da minha cara?

Não me contive e quando vi o moreno ria junto. Seus lábios se aproximaram dos meus e em poucos segundos eu estava sentindo a textura dos do moreno novamente. Por um momento senti medo de tudo ser como antes, por mais que o passado tivesse me levado até o que temos agora a possibilidade de Jongin me tratar como qualquer um novamente me doía.

✖☽✖

Os olhos atentos de Jongin vagavam sobre o quadriculado, não deu muito tempo e seu cavalo branco foi movido. Engoli a seco, mesmo que ainda houvesse muito jogo pela frente já havia perdido alguns de meus piões. O moreno me fuzilava como se o vencedor daquela partida fosse o único sobrevivente. Apesar de seus olhos sobre mim me desconcentrarem, eu continuei o jogo calmamente.

–Você é bom. –reconheceu em um misto de orgulho e medo de perder. –Tem certeza de que não se lembrava das regras?

–Tenho. –ri. –Fazia bastante tempo que não jogava.

–Vez do preto. –anunciou minha jogada.

Ficamos quase que quietos durante toda a partida de xadrez. Por mais que o moreno dissesse que meu nível era alto sentia que jogava com alguém com a mesma capacidade que eu.

–Xeque-mate. –disse podendo sentir o gosto da vitória e tendo a visão privilegiada do rosto de Jongin derrotado.

–O quê? –ele riu inconformado.

–Admita sua derrota. – eu me sentia feliz até que o olhar do mais novo se tornou pretensioso. –O que foi?

–Você é um bom estrategista. –ele riu e trocou de cadeira se sentando do meu lado. Porque eu estava preocupado? –Já que ganhou, você tem direito a fazer o que quiser.

–Mas não tínhamos combinado isso. –disse desconfiado e ao mesmo tempo aliviado já que não sei o que seria de mim se não tivesse ganhado.

–Tudo bem, então os perdedores merecem um prêmio. –disse enquanto se levantava. Segurei-o fazendo se sentar novamente.

–Tudo bem, mas que prêmio poderia ser? –seus olhos me fitavam.

–Se fosse eu o vencedor eu saberia muito bem o que fazer, mas como isso não aconteceu, pense: o que normalmente você gosta de fazer?

–Gosto de fazer nada. Posso “fazer nada”? –de alguma forma Jongin parecia decepcionado com o meu desejo.

–Pode, é o seu prêmio. Se você tem certeza que é isso que você quer eu vou ter essa aventura com você. –disse irônico.

Talvez para o moreno aquela casa grande fosse muito solitária para simplesmente ficar parado, na verdade não sei nem como consegue ficar sozinho naquilo, mas como eu sempre estive trabalhando naquele local, pra mim era realmente uma recompensa ficar atirado em algum cômodo sem ter compromisso nenhum.

Na sala, o moreno ligou a televisão e jogou seu corpo sobre o maior sofá. O olhei me perguntando se eu realmente teria a minha folga quando este abriu os braços se ajeitando no sofá para que eu deitasse junto deste. Não questionei muito e sentei na beira que restava quando Jongin me puxou envolvendo-me com seus braços.

–Eu adoraria assistir a televisão. –minha voz era abafada por seu ombro estar impedindo minha voz de sair.

–Sério? Que pena... –ele disse brincando me apertando mais ainda contra seu corpo. Levei minhas mãos à sua barriga o empurrando contra o encosto do sofá.

–E o meu prêmio? –disse lutando contra o moreno.

–O seu prêmio é não fazer nada e você tem ideia do quão vago isso é? Para mim você pode não estar fazendo nada, mas para você, você pode estar me abraçando.

–Está brincando comigo, né? –disse olhando-o de baixo quando este alargou o abraço.

–Você fica bravo facilmente não é? –para mim eu fico bravo com frequência tratando-se de Jongin. –É uma pena que você fique lindo quando está assim.

Senti sua mão percorrer minhas costas até alcançar minha nuca. Comecei a jogar minhas pernas para fora do sofá para tentar escapar, porém o moreno colocou uma de suas sobre as minhas me prendendo. Seus olhos se semicerraram e foi inevitável terminar com a distância entre nossos rostos. Com os seus movendo-se calmamente sobre os meus, sua língua pediu passagem que foi cedida fazendo com que me esquecesse de minha irritação novamente.

Sem ar separamo-nos, o moreno com sua perna laçando as minhas, me trouxe para mais perto e agarrando meus fios passou a distribuir beijos pela extensão de meu pescoço. Podia sentir minha pele se arrepiando quando Jongin riu soprado sobre a região e começou a me deixar marcas com seus chupões. Talvez ele tivesse uma forma estranha de se sentir feliz, já que parecia satisfeito quando avistou a “obra” deixada em mim.

–Você quer ver televisão? –perguntou tentando me fazer mudar de ideia. –Você ainda pode mudar sua recompensa.

–Quero. –disse virando de costas para o moreno e cruzando os braços. Pude ouvir este bufando com minha resposta, mas querendo ou não, eu não iria mudar por causa dele.

Estava passando um programa que nunca vi porque mal pego no controle remoto, mas parecia divertido, até porque qualquer coisa para mim naquele momento pareceria divertido já que era novo. Alguns minutos se passaram– talvez apenas um – quando senti o moreno me abraçando por trás e se encaixando em meu pescoço. Ignorei porque havia esperança ainda de que este ficasse quieto, mas talvez não fosse bem o que Jongin quisesse.

Ajeitando-se atrás de mim pude o sentir encaixando sua pélvis atrás de mim e sua boca indo em direção ao meu ombro. Suspirei, talvez não tivesse jeito. Os beijos começaram do meu ombro e percorreram até meu pescoço onde este mordeu o lóbulo de minha orelha, podia sentir o corpo do moreno quente mesmo o tempo estando um pouco frio.

Um de seus braços que me abraçavam percorreu a extensão de meu corpo até que meu queixo foi preso para trás por uma de suas mãos para que Jongin pudesse atacar meu pescoço com mais facilidade mordiscando minha pele. Levei minha mão até a cabeça do mais novo enquanto este me proporcionava arrepios quando o moreno parou e soltando meu queixo adentrou com sua mão em minha camisa enquanto inclinava minha cabeça para trás sentindo o gosto de Jongin.

Sua mão passava sobre meu peito e barriga fazendo-me a contrair. Era como se o moreno estivesse mais afoito e necessitado que eu, ele sempre parecia precisar fazer esse tipo de coisa, como se seu desejo nunca fosse saciado. Sua mão desceu até entre minhas pernas e nossos rostos se separaram buscando ar quando o moreno apertou a região sobre minha calça, o que me fez soltar um baixo gemido sobre seus lábios.

Em um movimento rápido o moreno me deixou deitar sobre o sofá e se pôs de joelhos sobre mim. Seus olhos me fitaram deixando-me ansioso por um minuto quando Jongin subiu parte de minha camiseta distribuindo beijos sobre a região e deixando um beijo sobre meus lábios.

Retirei minha peça de cima com a ajuda do mais novo que em seguida entrelaçou nossos dedos de uma mão colocando-a ao lado de minha cabeça. Seus lábios novamente sobre meu abdome passou a distribuir chupões que me fazia esquecer a vontade de assistir televisão.

Inclinado sobre mim o moreno parou de se mover e passou a me fitar. Seus olhos pareciam calmos e sua boca permanecia entreaberta, não entendia o que eles queriam me dizer, mas a sensação que me passavam era boa quando o maior saiu de cima de mim e ficou em pé. Sentei-me sem entender, o moreno não parava de me fitar. Levantei-me quando o moreno me trouxe para perto pelo queixo e deixou um beijo estalado sobre meus lábios.

–Sabe o que você não entende Kyungsoo? –olhei-o aflito. –Que você é meu. –mordiscou meu lábio inferior. Eu não sabia o que fazer ou se deveria dizer algo. –E você deveria aprender a dar mais valor a quem te tem. –a expressão do moreno era séria. Fiquei paralisado e nada pude fazer quando este deu as costas e saiu.

Apesar de esperar outra reação do mais novo, não sentia nada além do choque. Aquela situação me era familiar e assim como uma vez deixei o moreno para trás pensando que iria me ter, Jongin fez o mesmo comigo.

Sentei depois de um tempo tentando entender o que havia acontecido. Abaixando a cabeça pude ver as marcas dos chupões espalhadas pelo meu corpo, era como se Jongin estivesse me marcando para que todos soubessem de quem eu sou talvez até para que eu mesmo pudesse ver. Kim Jongin era mais possessivo do que eu imaginava.


Notas Finais


OMO espero que eu não tenha dado uma enferrujada (senti que nos primeiros parágrafos a coisa não estava desenrolando com muita facilidade kk).
Obs: Não teve como eu não usar essa fanart perfeita como capa do capítulo *q*
~Até a próxima 0/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...