História Contrato - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Kris Wu, Personagens Originais
Tags Wu Yifan
Exibições 219
Palavras 6.847
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hiii! Olha quem voltou!!!
Então, nao, este não é o último capítulo kkk o capítulo passou de 11 mil palavras, muito mesmo! E para não tornar o capítulo exaustivo, eu decidi postar este e postar o outro como o final.
Peço desculpas e espero que gostem.

Capítulo 24 - As informações


Fanfic / Fanfiction Contrato - Capítulo 24 - As informações

Abandono, ato deixar algo para traz, segundo o dicionário. Abandono, ato de destruição total, segundo o coração. Abandono, fim do mundo, segundo uma pessoa loucamente apaixonada pela outra. Abandonado, destruído, no fim da linha, era assim que eu me sentia. Ali eu estava mais uma vez abandonado, largado para trás como um objeto.

-Li Jeni...-Falo já sem forças por tanto chorar. Eu já não aguentava mais ficar em pé, eu não tinha forças para me manter em pé ou até mesmo andar até um lugar onde eu pudesse me sentar, então caí de joelhos no chão, enquanto desmoronava em lágrimas. Meu peito doía como se alguém estivesse me apunhalando lentamente.

Eu já tinha rodado a casa milhares de vezes e não tinha encontrado nenhum rastro dela, já se passavam três horas desde que eu tinha chegado em casa e ela não tinha voltado. Ela tinha me deixado, mas eu não entendia o porquê...o que eu tinha feito? Por que ela me abandonou assim? Por que ela me fez ficar apaixonado e me largou?!

[...]

 

"P.O.V Zhang Yixing on".

 

Já se passavam de uma da manhã quando vi JongIn entrar no dormitório e se jogar na minha cama.

-Hyung.-Ele me chama e então o olho.

-O que foi?

-Eu estava pensando no Kris-hyung.

-Estava pensando nele? O que exatamente?

-Será que ele está triste pelo o que todos nós falamos para ele. Eu estou chateado com ele, mas acho que as minhas palavras e as dos outros podem ter feito ele se sentir pior...

-Eu tenho certeza de que ele está se sentindo um lixo agora. Quando eu chegar na China, posso ver como ele está e te falar.-Falo.-Mas espera, você está preocupado com ele! Isso é como um perdão?

-Não, não é. Eu não quero falar com o Hyung por um tempo, mas quero saber se ele está bem ou não.

-Acho que você e os meninos estão muito errados em virar as costas para o Yifan, mas cada um sabe os seus limites e sentimentos.

-Pode ser que um dia eu volte a falar com ele.-JongIn se levanta de minha cama e vai para a sua.

O quarto abrigava mais três trainers e todos já pareciam dormir, mas eu não. Não sei se era a ansiedade por voltar a Hong Kong ou se eu sentia que algo ruim estava acontecendo com Kris e Jeni. Eu debultaria logo e antes de começar minhas atividades fui autorizado a passar duas semanas com minha família, já que minhas atividades não parariam por um bom tempo. Eu entraria na unit chinesa de Dangerous Storms, a Dangerous Hurricane. JongIn por ter boas habilidades em dança seria o dançarino principal de Dangerous Storms, unit coreana, e eu seria o dançarino principal da unit chinesa. Eu sabia que não ia ser promovido como JongIn seria, mas eu estava feliz por finalmente estar seguindo o meu sonho e fazendo o que eu tanto amo, que é dançar.

 

Quando o meu alarme despertou, avisando ser cinco da manhã, levantei-me, me arrumei e arrumei o resto de minhas coisas. Acordei JongIn para que eu pudesse me despedir dele antes de ir para o aeroporto e o mesmo me deu um abraço apertado mesmo sonolento. Provavelmente ele dormiria mais um pouco para depois ir para casa.

Saí do dormitório em silêncio e um carro já me esperava fora do edifício para então me levar para o aeroporto. Eu não podia conter a minha ansiedade por estar voltando para meu país, ver meus pais e meus amigos, mas eu ainda tinha um pressentimento ruim. Como se eu estivesse sendo alertado de algo ou como se alguém pedisse minha ajuda por telepatia.

Cheguei no aeroporto e fiz meu check-in. Quando embarquei, peguei meus fones e tentei dormir durante a longa viagem de avião, mas eu não conseguia. Comprei algo para comer e assisti um filme. Quando desembarquei eram por volta de três da tarde, o Sol estava bem fraco para o início de uma tarde. Estava frio e meu casaco não me esquentava o suficiente.

-Yixing!-Escutei alguém me gritar e então procurei a origem daquela voz e quando me virei era minha mãe. A mesma correu até mim e então me deu um abraço apertado, me esquentando daquele frio.

-Mãe.-Falo sorrindo como uma criança.-Eu estava com tanta saudade!

-Eu também, meu filho. Como você está? Está muito difícil? Estão te tratando bem?-Ela dispara com milhares de perguntas e eu começo a rir por sua extrema preocupação.

-Mãe, vamos para casa. Eu estou muito cansado, quando chegar lá eu conto tudo o que quiser saber.-Ri.

-Okay, meu filhinho lindo!-Ela aperta minhas bochechas e eu solto uma risada.

O motorista de minha mãe me ajudou a colocar as malas no carro e então nos levou para casa. Cheguei e fui direto para meu quarto, sabendo que meu pai não estava em casa. Tomei um banho bem quente e relaxante, coloquei roupas quentes e deitei em minha cama. Não tive nem tempo de ligar a tv ou pegar meu celular, pois minha mãe adentrou o quarto trazendo uma bandeja com comida para mim.

-Trouxe alguns sanduíches e suco.-Ela fala.

-Obrigado, mãe.-Falo, então me sento e começo a comer. Logo ela puxou uma cadeira e sentou-se ao meu lado.

-Pode responder às minhas perguntas agora. Esta empresa é boa mesmo? Se não estiverem te tratando bem, vou processá-los!

-Mãe, para com isto!-Falo.-Nenhuma empresa é cem por cento boa, mas o que vale é o meu sonho. Eu estou muito feliz fazendo o que eu quero. Ninguém me trata mal ou me torturam, eles só exigem que eu dê o meu melhor.

-Você tem certeza de que é isto mesmo que quer, meu filho? Você está em outro país e até agora seu pai não se convenceu de que é o melhor para você.

-Mãe, você e meu pai devem entender que a partir do momento que eu sigo o que quero, é o melhor para mim.-Falo.-Eu sinto saudades de vocês a todo momento, mas ao mesmo tempo dou o meu melhor para ser bem sucedido e dar orgulho para vocês dois.

-Eu sei, filho... é só que eu fico muito preocupada e com saudades...-Ela fala meio chorosa.

-Mãe, não precisa ficar preocupada. Só fica torcendo por mim, que tudo vai dar certo. Eu vou finalmente debultar e vou fazer vocês sentirem orgulho de mim.-Dou um sorriso.-Mas mudando de assunto, você tem notícias da família Wu?

-Bom, além do escândalo que você já deve saber. A dois dias atrás ocorreu um evento de estréia do drama da Jeni, parece que os dois apareceram juntos como se nada tivesse acontecido e isto gerou algumas notícias.

-Sério?-Começo a sorrir. Finalmente os dois estavam mostrando que se amavam de verdade.

-O Yifan também deu uma entrevista neste evento, se declarando para sua esposa.-Ela fala.-Eu confesso que estou meio confusa com esta história. Nunca desconfiei de que o Senhor Wu fosse capaz de montar um contrato de casamento, mas também não desconfio que o seu amigo esteja apaixonado mesmo pela Li Jeni.

-Mãe, eles realmente se amam.-Falo sorrindo.-Eu realmente torço para que tudo dê certo e que eles fiquem juntos. Eu nunca vi o Yifan tão radiante como quando está falando da Jeni.

-Realmente. Acho que este é um dos motivos pelos quais eu acredito que ele gosta dela mesmo. Desde que conheci o Yifan, quando ele era apenas uma criança, eu nunca o vi sorrir daquela forma ou se encantar por uma garota daquela forma, mas vendo ele falar todas aquelas coisas bonitas dela, eu acredito que o sentimento é verdadeiro.-Ela sorri.-As outras pessoas só não percebem isto porque não conhecem ele de verdade.

-Falou tudo, mãe!-Sorri.-Acho que vou visitar o Yifan e a Jeni, eles não devem estar em um dos melhores momentos...

-Filho, descansa um pouco e depois você vai na casa deles.-Ela fala.-Você viajou por muito tempo, tem que dormir um pouco.

-Está certo.

Depois que ela saiu de meu quarto comi o lanche, quando terminei coloquei a bandeja em cima de meu criado-mudo e me deitei. Aos poucos meus olhos começaram a pesar e minha cabeça a doer um pouco.

Dormi e quando acordei eram sete da noite, eu tinha dormido muito, mas estava completamente descansado. Levantei de minha cama e a arrumei. Lavei meu rosto com água gelada e escovei meus dentes, em seguida peguei um sobretudo bem quente e me vesti, arrumei meus cabelos, peguei meu celular e saí do quarto. Quando cheguei na sala encontrei meu pai tomando um pouco de café enquanto lia um jornal.

-Pai?!-Me aproximo dele e então o mesmo tira sua atenção do que lia e se levanta com um grande sorriso no rosto.

-Yixing!-Ele sorri e então me dá um abraço.

-Pai.-Sorri.-Como o senhor está?

-Estou bem. Como está a sua vida na Coréia do Sul?-Nos separamos de nosso abraço.

-Está ótima. Estava com saudades.

-Eu também meu filho.-Ele sorri e volta a se sentar.-Onde está indo?

-Vou visitar o Yifan.

-Hum. Você chegou em uma boa hora, ele com toda certeza está precisando de você.-Ele fala sério.-Dá uma olhada nisto.-Ele me entrega o jornal que lia e não posso conter meu espanto ao ler que o pai de Li Jeni estava preso por corrupção. No jornal dizia que o pai de Li Jeni tinha roubado uma grande quantia do Senhor Wu.

-Mas o quê?...-Devolvo o jornal para meu pai.

-Pois é. O Senhor Li não passa de um canalha.-Meu pai fala.-Acho que um escândalo atrás do outro ainda vai afetar o Yifan.

-Espero que não, pai.-Falo.-Já estou indo.

-Tome cuidado.-Ele fala e então saio de casa. Optei por ir em meu carro, já que eu não queria que o motorista estivesse à minha disposição.

Dirigi em alta velocidade até o apartamento de Yifan e Li Jeni, chegando lá, antes de subir até o apartamento, liguei para Kris para avisar que eu estava ali, mas a ligação caiu na caixa postal. Liguei mais uma vez e deu na mesma. O que estava acontecendo?

Decidi subir até o apartamento, chegando lá toquei a campainha e nada, toquei mais uma vez, depois outra...onde estes dois poderiam estar?

Decidi esperar, talvez os dois tivessem saído e voltariam logo. Um hora se passou, duas, três...e nada de Yifan ou Li Jeni. Não preciso nem dizer que eu estava preocupado, porque eu estava em pânico pelo sumiço dos dois. Tentei ligar para Li Jeni desta vez, já que eu tinha passado as últimas horas ligando para o Yifan e não tinha dado em nada. Igualmente ao Yifan, Li Jeni também não me atendia. Decidi deixar mensagens perguntando onde os dois estavam e se estavam bem.

Uma última tentativa veio à minha cabeça e desta vez deu certo.

"-Alô?"

"-Senhora Wu?"

"-Oi, quem é?"

"-Oi Senhora Wu, sou eu, Zhang Yixing. Como vai a Senhora?"

"-Yixing! Estou bem e você? Fiquei sabendo que está morando na Coréia do Sul."

"-Eu estou bem, mas estou um pouco preocupado."

"-Eu posso ajudá-lo em algo?"

"-Eu estou em frente ao apartamento do Yifan por algumas horas e até agora ele não apareceu aqui. Ele também não me atende. A Senhora está com ele?"

"-Yixing..."-Ela solta um suspiro pesado e então me toco de que algo não está certo."-O Yifan sumiu, não apareceu na empresa hoje e não veio aqui em casa. Eu passei o dia procurando por ele, mas não o encontrei."

"-Meu Deus! Eu estou desesperado pelo sumiço dele... espera, a Senhora sabe o porquê do sumiço dele?"

"-Nã-não."-Ela gagueja."

"-Eu vou procurar por ele e se achar, eu ligo avisando."-Falo e finalizo a ligação.

Claro que algo estava errado! O Yifan não sumiria assim sem um motivo, ou talvez ele tivesse fugido. E quanto a Li Jeni, por que não tinha aparecido até agora? Ela estaria com ele? A única resposta que eu encontrava para isto era que os dois tinham sumido juntos. Pelo menos era isto que eu esperava.

Saí do prédio e entrei em meu carro, sem ao menos saber por onde começar. Antes mesmo de dar partida, decidi sair do carro novamente e procurar pelo Yifan pelas proximidades. Passei por lojas de conveniência, por cafeterias, restaurantes, lojas de roupas...resumindo, eu tinha olhado tudo à volta do prédio onde ele morava. Continuei a ligar para ele e nada, eu estava quase pedindo para o meu pai rastrear o celular dele.

Depois de procurar pelas proximidades, voltei para meu carro e então entrei em um site de notícias, onde falavam mais sobre o caso do pai de Li Jeni, não sei por que, mas eu sentia que ele tinha ligação com este sumiço de Yifan e Jeni. Ao ler o texto, percebi que ali tinham coisas que não tinham na outra notícia. Diziam que o pai de Li Jeni estava preso e que a esposa e Li Jeni tinham saído do país com o dinheiro.

Eu não conseguia acreditar no que eu lia, a Li Jeni jamais acertaria um roubo como este, ela sempre foi muito honesta e era contra o que os pais faziam, ela jamais faria isto. O jornal colocava a Jeni e a Senhora Li como as cúmplices daquele roubo. Lendo no final do texto a fonte daquela afirmação, levei um susto momentâneo, mas logo me toquei de que eu não poderia esperar menos. A fonte era a "vítima", o pai de Yifan tinha dado uma entrevista a minutos atrás contando que tinha sido vítima de um roubo por seu amigo e que as duas tinham fugido do país.

Então agora eu entendo o porquê do sumiço de Yifan. Ele foi abandonado. Pelo menos acha que foi abandonado pela mulher que ama. Isso me fez ficar mais desesperado para encontrar Yifan logo, ele deveria estar no fundo do poço. Lembro-me bem de quando ele retornou a Hong Kong depois de uma grande perda para seu coração, ele estava destruído, enchendo a cara como se não houvesse amanhã e não via nenhum futuro em sua vida. Eu não queria vê-lo mais uma vez assim, mas eu sei que ele não estaria diferente disto.

Continuei a ligar para seu celular e sem respostas decidi ir para o lado extremo, eu iria pedir que meu pai rastreasse o celular dele se possível. Voltei para casa dirigindo à alta velocidade e quando cheguei em casa, só encontrei minha mãe já se preparando para ir dormir. Já se passavam de onze horas da noite.

-Mãe, cadê o meu pai?-Pergunto.

-Já está no quarto. Por quê? O que aconteceu?

-Preciso da ajuda dele.-Falo e subo as escadas correndo. Bati na porta antes de entrar no quarto e entrei com a permissão dele.-Pai, preciso de ajuda.

-O que está acontecendo?-Ele pergunta de olhos arregalados.

-Pai, o Yifan sumiu. Eu não sei onde ele está. Acho que ele fez algo ruim.

-Como assim ele sumiu?

-A Li Jeni foi embora. O Senhor Wu deu uma entrevista falando que foi roubado e que a Senhora Li e a Li Jeni saíram do país com o dinheiro.-Falo ofegante.-O Yifan não deve estar bem.

-Meu Deus! Isto é muito grave!-Ele se levanta da cama.-O que precisa que eu faça?

-Você consegue rastrear a localização dele pelo celular dele?

-Conseguir fazer isto, eu consigo, mas vai depender se o celular dele estiver ligado.

-Ele não me atende, então acho que está desligado.-Falo.

-Então fica um pouco mais difícil. Eu realmente não vou conseguir rastreá-lo  se ele estiver com o celular desligado, mas eu vou tentar.

Saímos do quarto de meus pais e fomos nós dois para o escritório de meu pai. Ele ligou o computador e sentei ao seu lado.

-Preciso do número dele primeiro.-Ele fala e então mostro o contato de Yifan para ele.

-O que vai fazer?

-Vou através do número de celular dele descobrir o IP do aparelho de celular dele.-Ele fala concentrado.-Mas isso só vai acontecer se o aparelho estiver ligado. Pode demorar um tempo também.

Naquele momento eu rezava para que aquele celular estivesse carregado e ligado! Tudo que eu mais queria no momento era encontrar Yifan! Eu não queria que o mesmo não tivesse planos para sua vida. Eu tenho certeza de que a história não é como o Senhor Wu falou, a Li Jeni jamais faria algo assim, ela foi forçada, e eu quero que o Yifan volte a seus sentidos e a traga de volta!

-Eu consegui o IP, agora só preciso localizar este IP.-Meu pai fala e junto minhas mãos como se fosse rezar.

Um por cento, dois,três, quatro...passaram-se quarenta minutos até que eu pudesse saber a localização de Yifan, para minha felicidade e meu alívio, o celular estava ligado e eu tinha o endereço da localização de Kris. Peguei um pedaço de papel e anotei o endereço, em seguida saí de casa rapidamente, entrei no carro, coloquei o endereço no GPS, já que eu não fazia ideia de onde era este lugar em que Kris estava e por último dei partida.

Quanto mais eu me aproximava da localização de Yifan, mais eu ficava assustado com o tipo de lugar onde ele tinha se enfiado, aquele bairro não fazia parte de Hong Kong, fazia parte do inferno! Eu já podia imaginar onde Kris estava e como eu o encontraria.

"-Você chegou ao seu destino."-O GPS avisa e paro o carro. Antes mesmo que eu pudesse sair do carro vi um homem arrastar o outro para fora de um bar, e então começar a esmurrá-lo e chutá-lo. Saí rapidamente do carro e antes de me aproximar dos dois decidi procurar por algo que eu pudesse usar para me defender, achei um pedaço de madeira no lixo, o peguei e me aproximei dos dois, logo acertando o agressor na cabeça e o fazendo cair no chão inconsciente. Era o Kris ali, a minutos atrás apanhava, sem forças para se defender ou até mesmo revidar.

Me abaixei ao seu lado e comecei a reparar em seu estado. Kris cuspia sangue pela força como tinha sido golpeado, seu nariz escorria sangue, seus olhos estavam inchados e roxos, na lateral de seu rosto escorria sangue, suas roupas estavam completamente sujas e o mesmo me olhava fixamente, mas parecia não me reconhecer.

-Yifan.-Falo e sinto que meu olhos começam a escorrer lágrimas, mas as limpo rapidamente.-Yifan! Yifan!-Falo e dou tapas fracos em seu rosto para evitar que ele pegasse no sono. Ele não podia dormir. Peguei seu braço e passei por meus ombros para então erguê-lo. Quando o coloquei de pé quase caí no chão, pois ele não conseguia ficar de pé e depositava o seu peso em mim.

Eu não sei se fico feliz por tê-lo encontrado vivo ou ficava triste pelo estado como eu havia encontrado-o. Ali eu tinha a certeza de que ele a ama muito e é muito triste pensar na forma como ele tentou ocupar sua cabeça e lidou com a partida dela.

Abri a porta traseira e o coloquei deitado no banco traseiro, entrei rapidamente no carro e dirigi feito um louco até o hospital mais perto. Quando chegamos lá pedi a ajuda de enfermeiros e eles o levaram para dentro do hospital, em seguida o levando para uma sala, e então me pediram para esperar na sala de espera. Enquanto esperava, liguei para meu pai e avisei que estava com o Yifan e que estava bem. Eu iria ligar para a Senhor Wu, mas o Kris poderia não querer isto.

 

[...]

 

Era por volta de uma da manhã quando uma enfermeira me despertou de meu cochilo. Sentei-me direito na cadeira onde estava sentado e logo senti a dor pela forma como eu tinha adormecido.

-Você já pode ver o Senhor Wu Yifan.-Ela fala e rapidamente me levanto.

-Ah, obrigado.-Falo.-Em qual quarto ele está?

-No 201.

Saí dali e fui direto para o elevador, subi até o quarto onde ele estava e quando cheguei o encontrei adormecido. Sua testa tinha alguns curativos, ele tomava soro na veia e seus batimentos eram monitorados por um aparelho. Puxei uma cadeira e sentei-me ao seu lado, peguei meu celular e procurei fazer algo até que ele acordasse.

Eram por volta das seis da manhã quando ele abriu os olhos e chamou meu nome. Parei de mexer no celular e virei minha atenção para ele.

-Yifan! Como está se sentindo?  Está me vendo bem?-Pergunto e ele apenas balança a cabeça afirmando.-Vou chamar a enfermeira.

-Não, agora não.-Ele fala fraco e então o olho.

-Yifan...o que aconteceu?

-Ela me deixou, Lay.-Ele fala e logo sinto uma pontada no peito. Eu podia sentir a dor dele.-Ela me deixou como se eu fosse um objeto.

-Kris, ela não te abandonou. Eu não acredito nisto.

-Ela foi embora e nem se despediu de mim.-Ele fala e logo uma lágrima desce pela lateral de seu rosto.-Ela me fez ficar apaixonado e então me largou.-Mais uma lágrima desce.-Eu a amo muito, mas ela não sente o mesmo por mim, ela não se importou como eu poderia ficar.

-Kris, me escuta. A Jeni não te deixaria por querer. Ela me ligou pelos últimos dois meses e durante todas as nossas conversas ela falava como estava feliz pela sua mudança, como ficava feliz por ficar ao seu lado e como estava apaixonada por você!-Falo e pego em sua mão.-A Li Jeni te ama muito, Yifan. Ela jamais viraria as costas pra você.

-Ela me deixou, Lay.

-Yifan!-Falo quase que em um grito.-Eu não acredito que ela tenha feito isto por vontade própria. Eu não queria te falar isto e nem quero colocar a culpa em seu pai. Não sei se você soube das notícias, mas o pai da Li Jeni foi preso por roubar o seu pai, ontem pela noite, o seu pai deu uma entrevista dizendo que a Li Jeni e a Senhora Li tinham fugido do país com o dinheiro dele. Mas eu não acredito nesta história, o seu pai já se livrou de uma namorada sua uma vez, ele pode muito bem ter feito isto pela segunda vez!-Falo e ele me olha assustado.

-Não, meu pai não fez isto! Ele se arrepende muito por ter feito aquilo antes, ele não faria isto com a Li Jeni.

-Se a Li Jeni provou o amor dela por você, qual seria o motivo pra ela te deixar?! Nenhum.-Falo.-Me diz uma coisa, o que vocês fizeram no dia antes em que ela foi embora?-Pergunto e ele para de me encarar e olha pro teto do quarto.

-Nós fomos ao evento de estréia de My Dream. Lá eu dei uma entrevista falando sobre os nossos sentimentos um pelo outro e quando voltamos para casa...a gente transou.-Ele fala e fico surpreso com o andamento do relacionamento dos dois. Não imaginei que os dois fossem fazer isto tão cedo, mas eles têm o meu apoio.

-Vocês transaram?-Pergunto para ter certeza, então ele afirma.-E depois disso?

-Quando acordei no dia seguinte, eu saí para arrumar algumas coisas pro meu pai na empresa e quando voltei ela não estava mais lá.

-Kris, pensa comigo, vocês transaram, pra que prova de amor maior que essa?! Sei que hoje em dia isso não significa mais nada para muitos, mas vinda da Li Jeni é muita coisa. Ela não transaria com você sem um sentimento, eu a conheço bem! E se ela te provou o amor dela desta forma, por que ela iria embora sem sentir remorso em seguida? Não faz sentido!

-Então você acha que ela não me deixou?

-Não, não acho!-Falo.-O que eu acho é que você não deveria ter enchido a cara e se metido em briga por achar que ela te abandonou. Você como o amor da vida dela jamais deveria ter desconfiado dos sentimentos dela!

-Yixing, o que você queria que eu tivesse feito? Eu chego em casa, não encontro a mulher que eu amo, espero horas por ela e ela não aparece...o que você queria que eu fizesse? Eu comecei a me sentir um lixo achando que tinha feito algo errado!

-Kris, a única coisa errada que você fez foi desconfiar do amor dela por você ao contrário de ir procurá-la!-Falo e ele fica calado por um tempo.

-Eu...eu a amo tanto. Por um momento pensei que ela estivesse me odiando por algo que eu tivesse feito. Eu tive os momentos mais maravilhosos com ela e eu prometi que não largaria de sua mão, prometi que ficaríamos juntos! Mas eu a perdi.-Ele fala e então começa a chorar e chorar a cada vez mais. Seus lágrimas caíam como cachoeira. Eu nunca tinha visto Yifan daquela forma e era de quebrar o coração. Ele chorava de forma compulsiva e chegava a soluçar. O Aparelho que monitorava seus batimentos mostrava o quanto seu coração estava acelerado pela forma como chorava.

-Yifan.-Falo e aperto sua mão.-Não chora.-Eu falava mas não de nada adiantava. Talvez ele realmente precisasse chorar para colocar tudo o que o magoava para fora, o que não era pouca coisa.

 

[...]

 

 "P.O.V Wu Yifan on".

 

Eram por volta de quatro e meia da tarde quando recebi alta do hospital. Eu sentia dores intensas e só queria ficar deitado, já que tudo doía quando eu ficava de pé. Yixing tinha voltado para casa para tomar banho e trocar de roupa, mas me pediu para ligar quando eu recebesse alta. Peguei meu celular no bolso de meu casaco e para minha total "felicidade" o mesmo tinha a tela trincada. Acho que foi durante uma das surras que eu tinha levado.

Durante os dois dias que eu estava fora de mim, bêbado, eu virei saco de pancada para alguns caras revoltados. Na primeira vez, o cara achou que eu estava dando em cima da mulher dele, mal ele sabia que eu só queria encher a cara por ter perdido a mulher da minha vida. Na segunda vez, eu recusei a dar minha carteira para que o cara pagasse sua conta, logo ele me encheu de murros e pegou algum dinheiro de minha carteira. E na terceira vez, eu esbarrei no cara e ele já me puxou para a briga. E em todas as vezes eu estava tão bêbado e destruído por dentro que eu não conseguia me defender, e pode ser loucura de minha parte, mas estas surras me faziam esquecer de Li Jeni por algum tempo, já que eu me preocupava com a dor física.

Depois que terminei de me arrumar, liguei para Yixing e avisei que estava pronto para sair dali. Ele por sua vez não demorou muito para chegar. Chegamos naquele apartamento em uns quinze minutos. Aquele lugar não era bom pra mim naquele momento, ele me fazia sentir sua falta, me fazia querer destruí-lo mais para descontar minha raiva por ter deixado que ela partisse. Por que eu não estava em casa naquele momento? Se eu estivesse, ela não teria ido embora!

-Foi você que fez isto?-Lay se refere à total destruição do apartamento.

-Setenta por cento fui eu quem fez e os trinta não sei quem foi.

O apartamento estava virado de cabeça para baixo, eu quebrei quadros, vasos, tv, louças...tudo que estava na minha frente.

Subi as escadas sem me importar muito com aquela bagunça e Lay me seguiu. Mostrei como o quarto de Li Jeni estava e em seguida fui para meu quarto, que estava destruído assim como o andar debaixo. Sentei em minha cama.

-O que eu faço, Lay?-Passo as mãos em meu cabelo.

-Agora? Descansa.

-Eu não posso descansar. Se você diz que ela não me abandonou, eu tenho que achá-la.

-E ela não te abandonou. Eu estava pensando...você disse que foi à empresa quando ela foi levada embora, certo?

-É, meu pai pediu que eu organizasse alguns papéis da contabilidade da empresa.

-Em um sábado? Por quê?

-Ele falou que precisava daquela papelada antes que o dia terminasse.

-Olha, não sei qual era a verdadeira intenção do seu pai e não quero que você o veja como o vilão da história, mas esta não pode ter sido uma desculpa para te tirar de casa? Pois eu acredito que se alguém quisesse levar a Li Jeni embora e você estivesse em casa, você impediria que isto acontecesse , certo?

-Lógico que eu não a deixaria partir.-Falo.-Mas não consigo acreditar que isto tenha sido plano de meu pai...

-Talvez nós devêssemos investigar sobre isto. Talvez a Jeni esteja sofrendo algo e estamos aqui só falando ao contrário de ir procurá-la.

-Lay, mas e se eu achá-la e no final saber que de fato ela só queria se livrar de mim?!

-Kris, isto não vai acontecer porque ela te ama e não iria te deixar assim.

A cada palavra de Yixing referida à Li Jeni eu ficava mais surpreso com a confiança que ele depositava nela. Era incrível como ele a defendia com unhas e dentes e não deixava de acreditar no amor dela por mim. Aquilo fazia com que eu me sentisse um traidor por chegar a duvidar um pouco do amor dela por mim e achar que ela havia partido por vontade própria.

-Eu acho melhor eu voltar para casa agora.-Ele fala.-E você, descanse bem.

Ele me deu um abraço e então saiu de meu quarto e em seguida escutei o barulho da porta se fechar. Continuei sentado onde estava e olhando ao meu redor eu sentia cada vez mais sua falta. Aquela casa não era a mesma sem a presença de Li Jeni, era como se faltasse algo. O silêncio daquela casa era sufocante e a forma como eu estava solitário me fazia pensar que se eu me matasse seria melhor do que ficar sem ela.

Depois de passar horas no mesmo estado, paralisado apenas encarando as paredes - talvez eu achasse que se ficasse ali, ela poderia voltar -, decidi ir tomar um banho e confesso que foi o banho mais doloroso da minha vida, pois a água batia em meus machucados e fazia com que aquilo ardesse. Involuntariamente lágrimas começaram a descer de meus olhos e então se misturarem com a água que saía do chuveiro. Agora eu entendia porque estava chorando, o motivo de meus machucados era esquecer Li Jeni e a dor de sua partida, mas ter a dor de volta só fazia com que ela voltasse aos meus pensamentos. Ai, meu Deus! Como eu queria tê-la aqui comigo agora! Como eu queria ver seu sorriso novamente...

Ao sair de meu banho, me vesti, troquei meus curativos e saí de meu quarto. Eu não sabia se estava me tornando um masoquista ou se realmente era o efeito da partida dela que fazia aquilo comigo, mas fui até seu quarto e acabei deitando em sua cama, já que seus lençóis estavam ali e eles eram as únicas coisas que ainda tinham um pouco dela, o seu cheiro. Puxei o lençol da cama e me agarrei nele como se aquele fosse a coisa mais preciosa de minha vida, ao sentir aquele cheiro me acalmei um pouco, era como se ela estivesse ali, como se estivesse em meus braços.

 

~Uma semana depois:

 

-Hum! Esta comida está ótima!-Yixing fala.

-A comida deste lugar é a melhor da China!-Falo.

-Você realmente sabe como escolher restaurantes!

-Realmente. Se fosse no seu caso, você iria me levar em uma loja de conveniência.-Rimos.

-Não exagera! O JongIn não reclama!

-Ele não reclama porque ele não sabe o que é comida boa de verdade, pra ele um rámen é comida vinda dos céus!

-Realmente!-Lay ri.

-Falando nele...como ele está?

-Falei com ele ontem e ele está bem, pelo menos foi o que ele me disse.

-Você acha que ele pode me perdoar algum dia?

-Kris, ele e os outros precisam de um tempo, e quando chegar a hora de te perdoarem, não tenha dúvidas de que eles irão fazer isto!

-O SeHun não atende minhas ligações.

-Você sabe que o SeHun é muito sensível, talvez ele vá precisar de mais tempo que os outros para falar com você, mas ele sabe que ele é importante pra você e vai tomar a decisão certa!-Lay sorri me confortando. No mesmo instante meu celular começou a tocar e embora fosse um número desconhecido, eu atendi a ligação.

"-Alô?!"-Falo e escuto uma respiração pesada do outro lado da linha."-Alô?!"-Falo mais uma vez e ninguém fala nada."-Oi. Quem é?!"-E então a ligação é finalizada.

-Quem era?-Yixing pergunta.

-Não sei.-Falo ainda encarando o celular.-Não falaram nada.-Decido retornar a ligação, mas só dá na caixa postal.

-Deve ter sido engano.-Ele fala.-Mas mudando de assunto...você conseguiu achar alguma pista de onde a Jeni possa estar?

-Não, infelizmente não.-Falo.-A única coisa que sei é o que está nas revistas e jornais.

Desde o sumiço, a mídia não falava de outra coisa. Eu não aguentava ler aquelas coisas horríveis sobre ela. Lembro-me de um dia estar na faculdade e pessoas se acomularem ao meu redor e começarem a especular sobre a minha relação com a Li Jeni, eu não aguentava aquilo. Pena. Era outra coisa que eu não aguentava mais! Ou me encurralavam pelos cantos para saber sobre Li Jeni ou me olhavam como o ser mais digno de pena do mundo. Eu confesso que pela minha cara todos sabiam que eu estava no fundo do poço, eu não me alimentava bem a dias, por isso Lay passou a almoçar comigo todos os dias, minha expressão mostrava o quanto eu chorava e meus ferimentos ainda em cicatrização mostravam o que a ausência dela me causava. Mas mesmo com todas estas circunstâncias, eu não queria ser digno de pena.

Outra coisa que eu não conseguia mais tolerar era olhar para o rosto de meu pai todos os dias. Ele não conseguia esconder o quanto estava feliz por tudo o que estava acontecendo, ele não conseguia parar de sorrir ao ver que todos o colocavam como a vítima da história toda, as pessoas tinham esquecido que ele tinham feito um contrato de casamento para mim e para Li Jeni! Ele estava feliz mesmo vendo o estado em que eu me encontrava. Todas as vezes que olhava para meu rosto sempre dizia que eu estava sofrendo por algo banal, já que ela havia me deixado. Sim, ele continuava a colocar em minha cabeça que ela havia me abandonado. E enquanto ele dizia que ela havia me deixado por conta própria, Lay, do outro lado, tentava me fazer acreditar que ela me amava e jamais me abandonaria. Resumindo, eu não sabia muito bem em qual lado acreditar, mas eu tentava ao máximo seguir meu coração e acreditar no nosso amor.

-Eu já estou ficando desesperado.-Lay fala.

-É exatamente assim que estou me sentindo.-Falo.-Eu quero encontrá-la, mas sempre penso na possibilidade de ela não querer ser encontrada. Por que ela nunca me ligou? Onde ela está não tem nenhum telefone?

-Talvez ela não possa te ligar, Kris! Você acha que se ela pudesse, ela já não teria feito?

-Merda!-Acabo batendo forte na mesa e noto que todos à minha volta começam a me encarar.-Por que tem que ser assim? Por que a gente não fugiu quando viu que a coisa estava ficando difícil?!-Apoio minha cabeça em minhas mãos.

-Vocês não fizeram isto porque foram induzidos a achar que tudo ficaria bem.

-Será que ela está bem agora?

-Eu realmente espero que sim.

-Eu juro que eu vou procurá-la de todas as formas possíveis, nem que eu tenha que ir até o inferno! Mas eu vou achá-la! E quando eu fizer isto, eu vou sumir com ela e não vou deixar que ninguém a tire de mim!

 

[...]

 

Depois de meu almoço com Yixing tive que ir para a empresa e separar alguns papéis para meu pai, já que ele tinha uma reunião muito importante. Me tranquei em minha sala e comecei o meu trabalho tedioso e complicado. Passaram-se duas, três, quatro, cinco, seis horas e eu ainda estava na metade daqueles relatórios de contabilidade. Durante estas horas eu tentava enteder porque determinada quantia de dinheiro não se encontrava nos registros. Eu refiz as contas milhares de vezes para garantir de que não estava enganado sobre a quantidade de dinheiro que faltava na conta bancária. Tentei ligar para meu pai e perguntar se ele sabia o porquê daquela quantia não estar na conta bancária, mas o mesmo estava com o celular desligado. Decidi ir olhar nas pastas na sala dele que ele havia dito que se eu precisasse eu poderia consultá-las, mas antes decidi pegar um pouco de café e tomar um pouco de ar fresco. Eu estava tão exaustado que nem um café sem açúcar poderia me fazer ficar energético. Café sem açúcar. Quando eu tinha começado a tomar aquilo mesmo? Nos últimos dias notei que eu havia pegado algumas manias dela e uma destas era tomar café sem açúcar, coisa que eu tanto odiava antes, mas que agora me fazia ficar próximo dela.

Antes que eu começasse a pensar em Li Jeni e acabasse me desmoronando em lágrimas, decidi voltar ao trabalho. Entrei na sala de meu pai, peguei as pastas e me sentei em uma cadeira para então começar a analisar os papéis. Comecei a lê-los com atenção, mas eu não encontrava nada além do que já tinha em minha sala. Algo está errado. Eu já estava ficando louco quando meu celular começou a tocar e tirou minha atenção daquele problema. Número desconhecido.

"-Alô?!"-Falo e como na ligação de mais cedo apenas escuto a respiração."-Quem é?"-E como na primeira vez o silêncio é a única coisa naquela ligação.-"-Que inferno! Fale quem é?! Por que está me ligando?"-E então a ligação é finalizada.

Para confirmar minhas dúvidas, conferi este número com o primeiro e sim, era o mesmo. Eu até tentaria ligar novamente, mas eu tinha muitas coisas para resolver.

Voltei a analisar os papéis, e por mais estranho que parecesse, eu sentia que algo estava errado ali, sentia que meu pai sabia do porquê daquela quantia não estar ali, também não conseguia parar de pensar naquela ligação. Por que eu sentia que era a Li Jeni?! Por que eu sentia o meu corpo estremecer ao imaginar que era ela que estava me ligando?! E se fosse ela, por que ela não falava comigo?! Isto me acalmaria e me deixaria bem ao saber que ela estava viva.

Fui até a porta da sala de meu pai e a tranquei, comecei a andar lentamente pela sala analisando cada canto para ver se haveria alguma câmera por ali. Eu sei que esta não é a coisa certa a fazer, mas o meu subconsciente dizia para eu descobrir o mais rápido possível onde Li Jeni estava e em alguma parte de mim eu acreditava que meu pai estava mentindo para mim sobre ela. Ele nunca mostrou verdade para mim, mesmo vendo o quanto eu estava mal por ser abandonado por ela, ele nem sequer mostrou preocupação ou surpresa. Era como se ele soubesse que eu ficaria daquela forma. Me apego à ideia de que se ele já fez algo assim uma vez, ele poderia muito bem fazer uma segunda.

Liguei o seu computador e como o esperado ele tinha uma senha. Meu pai poderia ser esperto para muitas coisas, mas sempre tinha uma falha, e sua falha foi sempre digitar a senha na minha frente e nunca achar que eu poderia decorá-la e usá-la para meu benefício. Digitei a senha hesitando, mas logo que a mesma deu certo, me senti mais aliviado. Abri os documentos e tinham muitos ali, eu não podia lê-los ali, precisaria de mais tempo. Copiei todos e mandei para meu email, eu já não estava atrás da quantia que faltava nos documentos da empresa, eu estava atrás da Li Jeni.

Depois que apaguei o histórico do computador dele e me certifiquei de não deixar nenhum vestígio de que eu tinha aqueles documentos, desliguei a máquina e a deixei como estava antes. Dei mais uma olhada no escritório atrás de alguma outra coisa que não fosse de meu conhecimento, mas não encontrei nada.

Voltei para minha sala e vendo que já estava tarde, me apressei para terminar aqueles relatórios e voltar para casa. Não enviei os documentos para meu pai porque eu ainda iria perguntá-lo sobre aquela quantia e se ele falasse algo estranho, eu saberia que de fato algo estava errado.

Deixei a empresa e cheguei em casa depois de meia-hora, pois peguei um belo engarrafamento. A primeira coisa que fiz foi ir tomar um banho para aliviar meu cansaço e então fui para o quarto de Li Jeni, o único cômodo da casa que não estava destruído. Peguei meu computador e abrir os documentos que tinham pego do computador de meu pai. Nas primeiras pastas não haviam nada demais, apenas gráficos do número de audiência dos programas da emissora. Mas uma pasta me chamou a atenção por estar nomeada como "República Tcheca". O que diabos era aquilo?

Abri a pasta e me deparei com comprovantes de passagens de avião, de hospedagem e para a infelicidade do Senhor Wu achei um comprovante de pagamento de faculdade e aulas de danças. Eureka! Caro, Senhor Wu, o senhor não é tão inteligente quanto pensa! Óbvio que isto tem ligação com a Jeni, a menos que meu pai queira se mudar para a República Tcheca e fazer aulas de dança.


Notas Finais


Então...comentem muito muito mesmo! Quero saber o que estão achando!
Até a próxima! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...