História Contrato (HIATUS) - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Contratos, Konohana, Konohanabi, Naruhina, Perseguição Passional
Visualizações 121
Palavras 3.954
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 22 - Brigas


O-o-o Kono não tava na empresa? Deus, por que ele tinha que chegar logo agora?
— Eu fiz perguntas, poderiam me responder? - agora é a hora de pagar de louca.
— Olha, chegou o cara que se preocupa mais em saber sobre as amigas da irmã do que com a namorada grávida! - se eu tenho que usar isso pra ele se distrair, então que seja.
— Hanabi, eu só...
— Só foi um idiota que me deixou aqui sozinha, não me dá atenção, não é capaz de ficar um dia sem pensar em trabalho pra curtir minha gravidez comigo e acha que presentinho te substitui... - ele ficou sensibilizado e a Mirai aproveitou a deixa.
— Te devo essa! - ela disse saindo enquanto o Kono vinha me abraçar.
— Amor, eu tinha que...
— Ficar comigo e o nosso bebê, poxa! - algo errado em esperar carinho do meu homem?
— D-desculpa, amor, desculpa... - ele disse beijando minha bochecha várias vezes, culpado.
— Desculpo não, as vezes acho que você tem uma amante na Saru! - ele negou várias vezes com a cabeça.
— Nunca, nunca, nunca, eu amo vocês! - hum, que abraço gostoso...
— Porque você me deixou aqui e porque voltou agora? - ah, não, outro presente? - Meu bebê não precisa de um pai que dê presente e sim de um pai presente! - joguei o ursinho na cara dele com raiva e deitei, rejeitando seu abraço.
— Você sabe que eu me esforço, Hanabi...
— Se você se esforçasse um pouquinho você ficaria comigo pelo menos até eu acordar! - ele suspirou pesado.
— Eu tive uma reunião hoje cedo, não podia perder...
— Quando o bebê nascer, você também vai ter uma reunião? E quando ele andar ou falar pela primeira vez? - eu não quero que o meu filho apenas saiba que tem um pai, quero que ele realmente tenha um pai. Chorei magoada e ele se aproximou devagar.
— Desculpa, desculpa, meu amor! - ele abraçou minha cintura.
— Você ignora a... Aí! - o bebê mexeu mais forte e isso doeu, então o Kono ficou todo preocupado.
— V-você está bem, vocês dois? - tá, não vou negar que eu gosto dele carinhoso e preocupado assim, beijando minha bochecha e cheirando meu pescoço.
— Estamos sim, foi só um chute... - virei pra ele e ele me beijou.
— Que susto! - tem noção de que agora são 11:00 e estamos na cama, ele de roupa social e eu de camisola? Pois é! - Eu voltei pra almoçar com você... - tá,  isso foi fofinho, pena que bastou ele comer comigo que ele saiu pra trabalhar. Assim não dá! Se for pra ter um homem assim como pai do meu bebê, prefiro de longe ser mãe solteira.

Kono on:
O que foi? Qual a dificuldade de entender que eu preciso trabalhar? Eu não construi essa empresa inteira, passei noites em claro, perdi boa parte das minhas diversões pra no fim jogar tudo pro alto, eu amo muito a Hanabi e o catarrento em formação, e é por isso mesmo que eu não posso descuidar do que tenho, eu seria um péssimo pai de família se descuidasse do futuro deles. Tá, eu sinto muita falta da Hanabi, e eu não tô falando do sexo que vivia fazendo com ela, eu sinto falta da companhia dela, das vezes que ela vinha à minha sala só para saber se eu estava bem ou conversar comigo, enfim, eu sinto falta da minha mulher. Eu dou o melhor de mim para que no futuro não nos falte nada e também me dói não poder estar com ela sempre, me dói muito, mas eu não posso fazer nada. Bem, vamos mudar de assunto agora... Eu ainda não entendi: qual o problema de eu saber quem é essa amiga da minha irmã? É que sempre que eu pergunto sobre as amizades ou os namoros da Mirai, ela fica nervosa e a Hanabi muda de assunto,  estou ficando preocupado com isso. Se não tem nada de mal então porque eu não posso saber? Poxa a Mirai é minha irmã, minha irmã mais nova, eu jurei ao meu pai e a minha mãe que eu iria cuidar dela, mas como eu posso cuidar dela se eu não conheço quase nada sobre a minha irmã? Às vezes penso que a minha irmã é lésbica... Não, eu não tenho nada contra, mas eu não gostaria, se for para ser sincero eu não gostaria nem um pouco e eu ficaria muito chateado com a Hanabi caso ela soubesse e estivesse me escondendo. A minha irmã nunca foi a mais feminina das mulheres, desde pequena ela sempre preferiu mais coisas, vamos dizer assim, de homem. Os poucos bonecos que eu tinha e que eu não podia mais brincar porque precisava trabalhar ela pegava, quando eu tinha tempo de ir para rua jogar bola era ela que jogava comigo, aliás enquanto qualquer garota preferia assistir uma apresentação de dança, saber sobre maquiagem, essas coisas a minha irmã se interessou por hockey. Tá eu sei que nem toda lésbica faz esse tipo de coisa, mas que dá pra desconfiar dá, meu pai desconfiava, ele  sempre trazia quando podia uma bonequinha pequena pra ela e quando ia ver a bonequinha estava sem cabeça e a minha irmã estava na rua jogando bola. Eu acho que seria um desgosto muito grande para os meus pais caso ela fosse lésbica e talvez por isso eu acho que eu não conseguiria aceitar isso numa boa. Mas bem, como diz a Hanabi, eu tenho que parar de me preocupar com a vida da minha irmã e me preocupar mais com eles, por isso eu estou aqui enfurnado nessa sala mal aguentando olhar pra cara da Hotaru, que só falta implorar para que eu desista do processo mas isso não vai acontecer.
— Hotaru, suas máquinas já deram defeito incontáveis vezes esse ano, eu já não aguento mais ter que atrasar minha produção e acabar tendo prejuízos por causa dos seus maquinários, chega.
— Eu garanto, senhor Sarutobi que isso não vai mais acontecer, um processo desses representaria um grande escândalo para a minha empresa, podemos resolver isso sem a justiça...
— Pois tivesse resolvido isso antes, agora o que eu quero é me livrar dessas máquinas, reaver o meu dinheiro e procurar outra empresa responsável por esse tipo de maquinário! - a deixei falando sozinha, já não aguento mais, eu preciso voltar pra minha casa e ver a minha mulher, que está toda chateada comigo, não olha na minha cara e muito menos me deu um sorriso, eu não acredito que eu perdi de ver o sorriso da minha mulher o dia inteiro para ter aquela reunião chata e inconclusiva com a Hotaru, maldita vida de empresário!
— Lembrou que tem família? - está vendo?
— Não tem uma hora que eu não lembre! - eu tô sempre lembrando dela, vendo as fotos que ela tirou grávida, pensando nela e no catarrento em formação. Tentei lhe dar um abraço, mas ela me rejeitou.
— Pois não parece, você não dá um telefonema, não manda uma mensagem pra saber se estamos bem, você não para em casa, assim vai perder vários momentos do bebê... - não, eu não quero perder a infância do catarrento, não quero perder o parto, as palavras ou os passos dele, mas também não quero acabar na rua com eles. Complicado... - Eu sinto sua falta, Kono! - ela ta frágil, sensível, eu entendo que ela queira ficar mais comigo, mas...
— Hanabi, me entende, amor, eu tenho que...
— Chega de desculpas, Kono, quando a gente ama e se importa a gente dá um jeito de ficar com a pessoa, você parece até não gostar de ficar comigo e o bebê... - não faz biquinho que eu me derreto.
— N-não chora, olha o bebê... - eu sabia que ser pai ia me trazer problema, mas é um problema tão bom... Abracei ela e dessa vez o bebê mexeu, unindo a gente. - Eu amo vocês, Hanabi, eu não faço isso por gostar, me dói ficar longe de vocês também...
— Pois basta que você entenda que nós também precisamos de você por perto que vai parar de doer! - a Hanabi é uma ótima chantagista emocional.
— Brigar na frente das visitas é feio, hein...
— Calada, Mirai! - dissemos juntos e voltamos a discutir se bem que eu odeio discutir com ela e não gostaria que nosso filho crescesse em um lar assim, cheio de brigas.
— Tenho pena do filho de vocês se vocês continuarem assim... - ela tem razão, ultimamente só o que fazemos é discutir, com a Hanabi chorando muito e isso faz tão mal pra ela e pro bebê... Ela não olhou na minha cara o resto da noite e eu não gosto de dormir brigado com ela e nem de ouvir esse choro baixo dela. Abracei ela com carinho.
— Eu não queria brigar com você, amor... - beijei seu ombro e ela virou pra mim devagar e eu me sinto um monstro só de ver esses olhos tão claros vermelhos de choro por minha causa.
— Eu te amo e você só sabe me fazer chorar... - isso doi mais do que uma punhalada, mas ela tem razão.
— Me desculpa, amor, eu só tenho muito trabalho e...
— Porque você não para de jogar na minha cara que pra você aquela empresa é mais importante que eu ou o nosso filho? - talvez porque ela não seja? - Você nunca tem tempo pra gente, mas pra Saru você sempre tem, você deixar de aproveitar essa gravidez pra se enfurnar naquela sala e até em casa você fica no computador o dia todo, Kono...
— Eu não posso deixar tudo de uma hora pra outra, não posso deixar faltar nada pra vocês...
— Pois você tá deixando, você tá deixando faltar amor, carinho e, principalmente, ta deixando faltar a sua presença aqui com a gente! - e-eu... Eu não tenho como responder! - Eu não tô te pedindo nada demais, Kono, eu só quero poder sentir que eu e você somos um casal, só quero sentir que somos uma família, só quero sentir que você ama a gente, que você quer estar com a gente, mas você parece querer justamente o contrário...
— Não é isso, Hanabi, eu... - eu não sei o que dizer, eu amo muito a Hanabi, mas sei lá, acho que não consigo passar esse amor pra ela. O bebê mexeu, acho que ele quer que a gente pare de brigar.  - Vamos parar de discutir? Olha o bebê... - abracei ela bem forte, beijando o topo de sua cabeça, como eu me odeio por fazer ela chorar...
— Eu não tô te pedindo nenhum sacrifício, eu só tô pedindo você, Kono... - ela disse com os olhos trêmulos, implorando carinho e eu odeio saber que ela tá tão carente que precisa implorar a minha atenção, eu acho que tô amando a Hanabi do jeito errado. - Fica mais comigo, por favor...
— E-eu vou ficar... - ela chegou a se iluminar só de ouvir isso, me dando um sorriso fraco e um abraço apertado. - Mas só se você parar de chorar!
— E-eu não tô chorando... - ela limpou as lágrimas e eu dei um suave beijo em seus lábios. - Me promete que vai passar mais tempo em casa e sem ficar pensando em trabalho? - se eu disser que não ela dá na minha cara e vai embora, não é?
— Prometo ten... - ela vai chorar. - Tá,  eu prometo! - ela riu fraco e se aconchegou no meu peito. - Eu te amo!
— Então prova e para de me tratar como segunda opção! - merda, é melhor eu dormir do que a gente acabar brigando de novo.
Kono off

Você tem noção de que eu tive que implorar pela atenção do homem que devia me fazer sentir amada? Eu já tô cheia disso! A primeira coisa que eu fiz quando acordei foi esconder o telefone e o celular e o notebook dele, pois eu não aguento mais ter que competir com aquela empresa, eu tô começando a tomar ódio da Saru. A Mirai é um amor, ela entendeu que a gente precisa de um tempo só pra gente e saiu com a namorada dela, hoje eu quero ficar só eu, o Kono e o nosso bebê e detalhe: nada de sexo! Eu separei uns filmes pra gente, fiz uns docinhos, uma comidinha pra gente e e eu espero que ele não surte sem contato com o mundo exterior. Eu quero um tempo só nosso, pra gente se curtir, curtir minha barriguinha, arrumar as coisinhas do bebê, essas coisas.
— Bom dia, minha linda... - ele já acordou me abraçando, ótimo. - Você viu meu...
— Pode esquecer, hoje você não pega nem em celular e nem em computador e se reclamar também não pega em mim! - é melhor ele nem pensar em me estressar.
— Tá, vou nem perguntar porque já que eu tô de folga hoje... - ele veio, se ajoelhou e abraçou minha barriga, beijando. - Eu quero grudar nessa barriga o dia todo! - ele sabe ser carinhoso quando quer e eu amo esse jeito dele, que tá aqui, deitado no sofá comigo, esfregando a bochecha na minha barriga por cima do meu vestido. - Será que é um menino ou uma menina?
— Eu acho que é uma menina... - ele ficou emburrado. - O que foi amor?
— É que se ela por tão bonita quanto você eu acho que eu terei muitos problemas... - bobo... Ele apertou mais a minha barriga no abraço. - Mas eu vou achar lindo ter uma filha sua, ela vai ser a minha princesinha... - que lindo! - E se for um menino também vai ser meu garotão... - ele disse brincando com a minha barriga, esse foi um dia incrível, com ele sendo um verdadeiro príncipe, cuidando de mim e do bebê, me ajudou a acertar cada detalhe do quartinho do bebê, me deu toda atenção do mundo e eu já estava sentindo falta desse Kono, é por esse Kono que eu me apaixonei, não pelo Kono que prefere mil vezes passar o dia tendo reuniões do que ficar comigo. - Eu te amo...
— Eu também te amo, meu amor... - não discutimos hoje, mas sinto que isso está prestes a mudar.
— Hanabi, você não acha que tem alguma coisa errada com a Mirai e isso dela ficar me escondendo o namorado dela? - por Deus! Por que será que ele está me perguntando isso? Será que ele está desconfiado?
— Vai ver ela só está esperando ficar sério... - meu Deus, eu espero que ele não me pergunte mais nada. Ele me olhou desconfiado e então olhou nos meus olhos.
— Hanabi, se você soubesse que, tipo, a minha irmã não gosta de homens, você me falaria não falaria? - acho que até o bebê sente o frio na espinha agora.
— F-falaria... - será que um dia o Kono vai descobrir e vai ficar chateado comigo? Olha, eu não gostaria de ficar brigada com ele porém eu também não posso trair a confiança da Mirai. - Por que a pergunta? - disfarcei.
— Às vezes eu penso isso... - engoli em seco.
— Teria algum problema? - perguntei como quem não quer nada. - Você aceitaria a sua irmã, não aceitaria? - ele suspirou pesado.
— Eu não sei, acho que se meus pais fossem vivos e soubessem de algo assim eles morreriam de desgosto... - nessa hora eu vejo que a Mirai tem uma certa razão de não contar nada. - Mas o foco hoje é a gente, não é? - isso! - Digo, nós três... - sorri, segurei seu rosto pelas bochechas e o beijei.
— A nossa família! - voltei a assistir o filme, nada muito forte por causa do meu bebê, que hoje até está mais tranquilo, acho que também está curtindo bem nossos momentos com o pai dele, até porque, eles são bem raros. Ele ainda me ajudou a limpar tudo, me deu bastante atenção, mas eu tô carente e quero mais.  - Me faz cafune? - pedi rindo pidona, me encostando nele de costas e ele me atendeu, depois de beijar o topo da minha cabeça.
— Eu já disse que você é a mulher mais linda do mundo e essa gravidez só te deixou mais bonita?
— Já, mas não ligo se você dizer de novo...
— Pois você é a mais linda do mundo! - eu gosto desse carinho dele e não queria que o dia acabasse. Me virei pra ele.
— Promete pra mim que você ao menos vai me dar mais atenção e esperar eu acordar? - ele beijou minha testa, meu nariz e minha bochecha.
— Prometo, amor, me desculpa por você ter que me implorar isso, ta bom? - ah, achei que ele não ia notar... Você pode achar que agora ficou tudo resolvido e ele mudou, não é? Mas não! Se passou pouco mais de um mês, estou prestes a completar 7 meses de gestação e tudo tá incrível, bem, quase tudo...
— O senhor Sarutobi não veio com agora senhorita hoje? - não! Quem veio hoje agora consulta comigo foi a Mirai, porque o Kono tinha uma reunião de última hora super importante! Eu tô com um ódio disso! Se for pra ele me trocar pela Saru, melhor me esquecer!
— Senhorita Hyuuga, devo lhe avisar que marcarei sua cesariana para o dia 20 do mês que vem, não podemos nos arriscar prolongar a sua gestação. - engolir em seco, eu não pensei que seria tão rápido a cesária e eu estou com muito medo. Notando isso a maravilhosa cunhada que eu tenho limpou a minha lágrima de preocupação e me fez olhar pra tela da ultrassom.
— Ai, que lindinho... - é, meu filho ou filha é a coisa mais linda do mundo. - Eu acho que é uma menina...
— Eu também acho! - eu fico chateada com isso do Kono não ter vindo, mas pelo menos a Mirai é uma ótima cunhada. Hoje finalmente vou conhecer a Mary, namorada da Mirai, que, apesar de ser mais masculina, é bem bonita, loira com olhos verdes, o pai dela é alemão, mas como mãe acho que é japonesa, porque ela fala até bem a nossa língua, apesar de um sotaque bem forte.
— Ô, então esha é a famoso Hanabi? - não disse?
— Sim, meu amor, essa é a minha cunhada, Hyuuga Hanabi! - a cumprimentei e, apesar de sermos discretas, o clima de romance entre as duas é notável, com elas segurando as mãos, isso gera um olhar torto da maioria das pessoas.
— Aqui na Japão são todos assim? - preconceituosos? - um pouco...
— São... - disse sem jeito. - Mas não se preocupe, vocês ao menos estão seguras! - senti um arrepio. Será que estamos seguras mesmo? 

Kono on:
Nossa como eu tô cansado! Ultimamente eu tenho brigado muito com a minha mulher e eu não gosto disso, eu tô tão chateado de não ter ido à consulta dela hoje, mas eu não tinha como desmarcar essa reunião com esse representante de um cliente europeu, mas ainda bem que acabou. Será que eu ligo pra ela pra saber se tá tudo bem? Acho melhor, já não aguento mais isso!
—  Que milagre! O ocupado senhor Sarutobi lembrou que tem uma família... - essas ironias...
— Como está o nosso filho? Está tudo bem com vocês? Eu fiquei preocupado, a reunião acabou agora... - uma coisa eu aprendi na vida: se você quer continuar casado, é bom que você aprenda a ignorar os pitis da sua mulher.
— Estamos bem, mas o médico disse que vou ter meu parto logo no mês que vem quando completar 8 meses de gestação. - o-o-o que?
— M-mas já? - meu coração foi até a boca e voltou ao seu lugar. Como assim já vai nascer? É muito perigoso! 
— Eu to com medo, Kono... - eu a entendo! 
— E-eu vou pra casa ficar com você, está bem? - ela precisa mais de mim agora do que a Saru.
— Vem logo, to com saudade... - eu só vou enviar uns ema... O que é isso? Recebi um e-mail bem estranho.
— Clique no anexo e saberá a verdade sobre a sua irmã e sua querida namorada... - eu não devo abrir e-mails assim, mas eu to curioso é preciso saber de quem foi isso, será que foi da Moegi? Bem, deixa eu... Como assim a Mirai estava na rua de mãos dadas com uma mulher e junto da Hanabi? Ela me escondeu isso esse tempo todo? Desde quando a Hanabi sabe? Eu... Imprimi a foto que me mandaram, tenho certeza que foi a Moegi que mandou e eu não acredito que aquela louca foi capaz de me abrir os olhos enquanto a mãe do meu filho ficou quieta depois de me assegurar que me contaria algo assim. - Matsuri, desmarque todas as minhas reuniões! - eu preciso tirar essa história a limpo agora!
— Kono... - por mais que eu ame esse sorriso dela, eu não tenho tempo pra admirar ele agora.
— O que significa isso? - agora eu entendo porque a Mirai e ela sempre ficavam nervosas e trocavam de assunto quando eu perguntava do namorado da Mirai, era porque na real era uma namorada. As duas se entreolharam nervosas.
— Amor, eu posso explicar...
— Explicar o que? Que você ajudou essa aí a esconder isso de mim?
— Ei, mais respeito comigo que "essa aí" é sua irmã e enquanto você larga a sua família pra se enfiar naquela empresa sou eu quem cuida da sua mulher e do seu filho! - eu não sei o que eu to sentindo, só sei que eu tenho que me controlar pra não alterar a Hanabi e fazer mal ao meu filho... Eu tive um filho com ela e ela não teve decência de me contar que sabia que a minha irmã era lésbica!
— K-kono, calma, tá bom, a gente vai explicar tudo! - ela veio me abraçar. 
— Porque você me escondeu isso, Hanabi? - eu pensei que pudesse confiar nela. - Du pensei que você fosse de confiança, o que mais me esconde? Teu filho não é meu? Ou você realmente me deu o golpe da barriga? Eu fui capaz de aceitar esse seu catarrento em formação e você não foi capaz de me contar que a minha irmã era... - merda, o que eu disse?
— D-do que você chamou o meu filho? - engoli em seco, só de ver o quanto ela está chorando, apoiada na parede com as mãos na barriga, eu vejo que não devia ter dito isso.
— Hanabi, eu... - tentei me aproximar, mas ela se encolheu.
— S-sai de perto de mim! - merda, eu acho que perdi a Hanabi e, eu tenho que admitir, depois dessa, eu mereço que ela me odeie. Eu só faço merda... Ela me deu um tapa, o mais forte de todos que ela já me deu e o que eu mais mereci.
— Como você pode chamar seu próprio filho de catarrento em formação, Konohamaru? - e-eu... 
— Agora tudo faz sentido, Mirai... - o que ela tá dizendo? - Por isso ele não queria ficar em casa, ele queria ficar longe do cata... Aí! - merda, Hanabi... - SAI, EU NÃO QUERO VOCÊ PERTO DE MIM!
— Hanabi, eu...
— Você não ouviu ela, Kono? - a Mirai tem razão, melhor eu ficar longe. - Vem, Hanabi, eu vou cuidar de você...
— Você viu o que ele falou, Mirai? Você viu? - eu escutei ela falando enquanto subia as escadas com a Mirai, mas antes de sumir das minhas vistas ela virou pra mim e disse algo que eu nunca quis ouvir dela.
— EU TE ODEIO, SENHOR SARUTOBI, ESQUECE QUE VOCÊ TEM UM FILHO COMIGO PORQUE EU VOU EMBORA!


Notas Finais


Kono foi escroto sim ou claro? Espero comentários, beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...