História Casamento por contrato - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fiuk, Flavia Pavanelli
Personagens Fiuk, Flavia Pavanelli, Personagens Originais
Tags Amor, Brasil, Brigas, Casamento Falso, Contrato, Drogas, Festas, Grávida, Gravidez, Mentiras, Noiva De Mentira, Rio De Janeiro, Romance, Sexo, Traição
Visualizações 8
Palavras 2.116
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Violência, Visual Novel

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente estou ficando sem motivação já que a fanfic não está dando retorno por isso resolvi postar um capítulo hoje e perguntar vocês querem que eu continue? Se sim comentem é importante isso para mim... ❤

Capítulo 3 - Case-se comigo?


Fanfic / Fanfiction Casamento por contrato - Capítulo 3 - Case-se comigo?

Obs: Leiam as notas iniciais por favor.

PS: Capa do capítulo é a nycole e seu look. 

Pov Nycole:

Mal dormi depois que o Rafael me ligou, o que ele queria comigo?  Porque dele me ligar depois das quatro da manhã? Porra eu estava dormindo e isso é falta de respeito e se ele pensa que sou esse tipo de mulher que ele costuma andar está enganado e ele verá amanhã com seus próprios olhos tô pouco me lixando se ele é filho do meu chefe ou não mais se ele tentar algo ele vai ver pois não vou passar por isso de novo pois eu vou o colocar em seu devido lugar, quem esse playboyzinho pensa que é? Como pega assim o número de uma funcionária das empresas Albuquerque e liga no meio da noite a convidando para sair, isso me soa estranho muito estranho mesmo! 

      (...) Quebra de tempo (...) 

Com o meu banho já tomado e o cabelo já seco resolvi o deixar natural mesmo com aqueles cachos e soltos, coloquei apenas uma calcinha azul bebe de renda e um vestido tubinho azul sem nenhum decote na frente apenas as costas nuas atrás, esse vestido me caia muito bem coloquei um salto scarpin preto um pouco alto já que sou baixa de mais, fiz uma maquiagem um pouco nude e exagerei no corretivo para esconder as minhas olheras  da noite mal dormida, trabalho em uma empresa mundialmente conhecida, muito famosa e prestigiada e pra piorar trabalho diretamente com o dono tenho que estar pelo menos apresentável pois aparência é fundamental ( foto da Nycole e sua aparecia junto ao look e maquiagem na capa do capitulo). Saio do banheiro e vou para o quarto que divido com a minha irmã peguei a minha bolsa com meus livros e outras coisas coloquei a maquiagem caso precise retocar e a fechei, depois do trabalho como sempre tenho que ir a faculdade então tenho que estar andando com essa bolsa cheia de livros para lá e para cá porém isso não é problema agora pois tenho que me preparar psicologicamente para ouvir o que sairá da boca daquele homem. Fui para a cozinha pondo já a bolsa em meu ombro e vi minha mãe já de pé preparando o café da manhã. 

Eu: Bom dia mãe eu estou indo qualquer coisa já sabe né? É só ligar para a empresa e eles me avisam na hora já que lá não posso fazer uso do celular. 

Mãe: Tudo bem filha não vai tomar um café? 

Eu: Não obrigado mãe acordei sem fome. 

Mãe: Então coma alguma coisa no seu intervalo se não vai acabar desmaiando não é bom ficar sem comer.

Eu: Eu sei mãe. 

Mãe: Bom vai lá e tenha um ótimo dia de trabalho e faculdade. - falou se aproximando de mim e me dando um beijo na testa. 

Me despedi da minha mãe e sai de casa logo comecei a descer aquele imenso morro já que não passa ônibus aqui e nem uma outra condução só os moto táxis já que quem dirige é daqui mesmo pois nenhum outro motorista tem coragem de subir o morro, e devo confessar descer esse morro de salto é um sacrifício porem já estou acostumada e até que é bom sabe tomar um ar puro e esse é o único momento que tenho para caminhar assim na rua, nunca tenho tempo livre e como faço esse trajeto todo dia e todo mundo conhece todo mundo eles até  me cumprimentam, as pessoas que moram nessa comunidade são iguais às outras trabalhadoras e honestas só querendo uma chance para ter um bom emprego e uma vida feliz eles só querem uma chance de viver sem ser julgado por essas pessoas hipócritas só porque moram na favela pois a favela não é só dominada pelo tráfico ela também é dominado pelos sonhos que pouco a pouco estão morrendo . Mais voltando ao assunto sobre minha família eu tenho muito medo que quando eu esteja trabalhando a minha mãe passe mal, porém não posso fazer nada pois só com o salário que o governo paga e a pensão do meu falecido pai não daria para sobreviver pagar os remédio da minha mãe roupas aluguel comida e coisas do gênero, não estou falando que só porque trabalho agora da pra pagar tudo isso pois não é o suficiente porem juntando todo o dinheiro da pra aos poucos quitarmos nossas dívidas e não eu não estou reclamando do meu salário ou do resto pois Deus sabe o quão sou grata por ter saúde um emprego ótimo e uma mãe que nos ama acima de tudo e também foi muita sorte minha conseguir um emprego nas empresas Albuquerque e ainda por cima trabalhar diretamente com o dono que é um grande empresário e economista e ainda por cima recebi muitos elogios dele alegando que tenho potencial e isso me deixa muito feliz já que tenho apenas vinte e dois anos e receber um elogio dele e trabalhar em sua empresa para mim é o ápice do profissionalismo pensei comigo mesma enquanto já estava parada no ponto de ônibus e quando o mesmo chegou tratei de subir rapidamente. 

      (...) Quebra de tempo (...)

Faltando apenas dez minutos para encerrar o meu expediente corri para o banheiro para retocar minha maquiagem e dar uma ajeitada na minha bolsa para depois ir direto para a faculdade, fiquei tão ocupada com meu trabalho que acabei esquecendo do bendito Rafael, depois de dar o toque final no batom sai da empresa enquanto cumprimentava as pessoas e peguei o ônibus na parada mais próxima da empresa como sempre para não me atrasar tanto, o bom é que ele para bem na frente da PUC onde é o sonho de muitos estarem mais poucos conseguem entrar e aqueles que tem dinheiro suficiente  para pagar a mensalidade apenas ficam brincando lá dentro o tempo todo. 

      (...) Quebra de tempo (...)

As aulas estavam passando mais devagar do que tartaruga, nesse exato momento estou na aula de economia com o professor falando mil e uma coisas, mais sinceramente não estou conseguindo prestar atenção em nada do que ele fala. Minhas mãos soavam e meu coração está acelerado enquanto balanço minha perna incessavelmente  e bato minhas unhas na carteira escolar, o porque de estar tão ansiosa? Simples faltam menos de dez minutos para o intervalo e daqui a pouco me encontraria com o Rafael na porta da faculdade. Me assustei quando o professor disse que já poderíamos nos retirar e que queria que na próxima aula trouxéssemos uma redação feita por nós, baseada em um grande economista, isso para mim seria fácil já que trabalho diretamente com um, então tenho certeza que ele se disponibilizaria a me ajudar como sempre pois Eduardo é um bom chefe não tenho o por que reclamar dele já que sempre me tratou com muito respeito e nunca me sobrecarregou e fez eu me atrasar para a faculdade já que ele sempre falou para mim que o estudo vem é um primeiro lugar. Conforme sai da sala e ia andando pelos corredores em direção a porta de entrada, meus saltos faziam um toc toc no chão, sinto um braço segurando meu pulso de início me assustei porém quando me virei para trás para ver quem me segurava vi que era o Mateus, revirei meus olhos pois esse guri é muito insistente e insuportável mais tenho que admitir ele é muito lindo porém só não é mais rico que o Rafael e também ele é muito play boy para mim, está sempre rodeado das meninas mais lindas da faculdade,  por que ele tem que ficar em cima de mim toda hora? 

Eu: O que você quer Mateus? 

Mateus: Nycole, como sempre  você está linda, eu estava te chamando porém parecia que você não estava ouvindo. - falou dando um sorriso galanteador.

Eu: Desculpa ando muito destraida hoje. 

Mateus: Bom considere-se perdoada, eu queria te fazer um convite que tal irmos lanchar na praça de alimentação, sabe eu estou afim de você a anos  e você nunca me deu bola que tal aceitar meu convite? 

Eu: Mateus eu já te disse eu tenho outro foco no momento e você não faz meu tipo. 

Mateus: Sabe o que tô achando? - perguntou e eu murmurei um "ah?"- Que você se acha de mais Nycole.   

Eu: Não eu não me acho, simplesmente não estou afim de ficar com ninguém no momento, quem sabe um dia eu possa te dar uma chance.

Mateus: Jura? 

Eu: Quem sabe Mateus, quem sabe!

Vi ele socando o ar em comemoração e ri baixinho e fiquei sorrindo dês de que entrei aqui nessa faculdade ele fica atrás de mim e admito já até pensei em ficar com ele, ele cursa jornalismo e acabamos nos encontrando em algumas aulas que temos em comum como economia e estudos sociais, mais não tem como rolar algo entre a gente não mesmo pois somos de mundos opostos e também o que aconteceu com o Pedro me impede de tentar um outro relacionamento... Assim que saio da porta da faculdade vejo o Rafael parado em frente a um carro cujo eu acho ser dele, o mesmo olhava para a porta da faculdade e quando me viu abriu um sorriso de canto, próximo a mim avia umas três meninas e elas estavam literalmente babando por ele enquanto riam e pelo amor de deus isso é atitude de uma adolescente, porém eu estranhei algo o Rafael parecia nem ter notado que estava sendo comido pelos olhos ou se notou preferiu não dar bola e isso é estranho pois não é de seu fetil e mais estranho ainda é ele estar me encarando ainda. Desci rapidamente a escadaria da faculdade com minha bolsa em meus ombros e o vi vindo até mim e quando as meninas notaram nossa aproximação fizeram uma cara de decepção o que por um lado me alegrou e por outro me deu vontade de gritar que ele não era nada meu e que elas podiam usar e abusar dele mais isso é claro só com o consentimento dele e com certeza ele não negaria . 

Rafael: Boa noite Nycole.

Eu: Boa noite Rafael, só temos quinze minutos então por favor seja breve. 

Rafael: Isso é impossível, o que tenho que falar com você levará mais tempo do que quinze minutos contados.  

Eu: Então sinto muito mesmo mais não poderemos conversar. 

Rafael: Nós vamos conversar sim e agora, não se esqueça que sou seu patrão também. - falou sendo ríspido, uma raiva me inundou, quem ele pensa que é? Eu nunca o vi praticamente e vem me dar ordens por favor né.

Eu: Não o meu patrão é o senhor Eduardo Albuquerque e mesmo se fosse ele que estivesse aqui falaria a mesma coisa, meu expediente acabou três horas atrás, aqui sou apenas a Nycole,  não uma funcionária das empresas Albuquerque, então me poupe de seu argumento tosco. - falei no mesmo tom em que ele falou comigo.

O mesmo me olhou surpreso e deu um sorriso de lado e meu deus que sorriso é esse, ele levantou o braços em forma de rendição e eu me pronunciei.

Eu: Contudo minha próxima aula não precisa ser necessariamente assistida e não pense que é porque você tentou impor sua vontade pois não é isso é sim porque quero ouvir o que você tem a dizer.

Rafael: Ok ótimo, Nycole onde você quer ir?

Eu: Onde tenha comida pois estou faminta. 

Ele riu indo em direção ao seu carro  e o acompanhei, seja o que Deus quiser, entrei em sua range rover branca com vidro fume e logo ele deu partida.

(...) quebra de tempo (...)

 Já estávamos na frente do Mc Donalds (autora: #patrocina nois) o caminho avia sido rápido de mais digamos que acabei de descobrir que Rafael Albuquerque só sabe dirigir em alta velocidade não sei como não fomos parados por uma blitz, fiquei bastante surpresa também quando vi que ele realmente estava me levando ao Mc pois não pensava que pessoas como ele frequentavam esse lugar. 

Rafael: Bom Nycole estou afim de comer um lanche espero que não se importe.

Eu: Claro que não pois também estou com vontade e o Mc é um dos meus lugares favoritos. 

Rafael: Ótimo vamos então.  

Assim que ele falou isso saímos do carro e ele ligou o alarme e entramos no Mc donolds, logo nos sentando em uma mesa e já fazendo o pedido ele pediu um X-Bacon com fritas e um Milk shake e eu pedi o mesmo, ele me olhou impressionado porém não falei nada pois o pedido não demorou a chegar.

Rafael: Bom Nycole não sou um Homem de enrolações, gosto de ir direto ao ponto, case-se comigo? 

     Continua?????




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...