História Convivendo com lobos: Enzo (livro 2) - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Angela, Angie, Enzo, Lobos, Romance, Vampiros
Exibições 45
Palavras 1.587
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Hentai, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 22 - Shadow


Fanfic / Fanfiction Convivendo com lobos: Enzo (livro 2) - Capítulo 22 - Shadow

Já fazia uma semana que eu fora jogado no calabouço, mas o que me deixava mais preocupado era que não havia nenhuma notícia da Angie.

- abra a porta

-sim senhor- a porta se abriu e Gabriel entrou, se eu não estivesse acorrentado eu quebraria a cara dele só pra evitar aquele sorriso. 

- olá Enzo

- onde está a Angela, o que você fez com ela?

-eu não fiz nada, a essa altura ela deve estar dividindo alguém com o Draco

-mentiroso

-ah não, essa é a mais pura verdade, ela não liga mais pra você, sem as emoções ela é o soldado perfeito

-o que você fez Gabriel- a ideia da Angie ter perdido todas as emoções me dava arrepios, eu sabia muito bem o que ela era capaz de fazer com ela, mas desligada as possibilidades era enormes e nenhuma delas era boa

-um feitiço somado a uma pequena mentirinha sobre você ter morrido e puft, foi demais pra ela aguentar, preferiu se desligar a continuar em chamas- disse ele rindo

-isso não vai funcionar por muito tempo

-ela nem se lembra de quem ou o que você era, pra todos os efeitos o Enzo que ela conheceu e amou era um vampiro que morreu pelas mãos de lobos

-meu príncipe, o Draco voltou com a garota- disse o guarda na porta

-já estou indo. Se me da licença eu tenho que ir ver a minha nova comandante- Gabriel saiu da cela enquanto eu me debatia com as correntes tentando me soltar. Minha Angie, meu pequeno anjo, o que você está fazendo. 

********

- vejo que ja voltou

-não não eu só vim avisa que eu estou chegando-disse me virando pra Gabriel

-nossa que mau humor

-você me chamou, depois do dia que eu tive é bom que seja por um bom motivo

-quero que se torne uma comandante, terá o seu próprio regimento pra caçar os lobos 

- ela será a sombra perfeita-disse Draco

-sombra? 

- é como chamamos os manipuladores da escuridão como você, deixe ela levar os sombras, acho que vai se dar bem com o posto de Shadow

-é uma ótima idéia. São seus agora, Shadow- assenti com a cabeça antes de sair da sala, não gostava muito da idéia de ser uma comandante, mas se eu iria poder caçar aqueles lobos eu faria com prazer.

Cheguei no meu quarto e me desfiz de todas as minhas roupas, mesmo sem as minhas emoções eu ainda podia sentir o vazio, a falta de algo importante, algo que nem a diversão momentânea que a caçada e o sangue me proporcionavam podia supri. Tomei um banho demorado vendo a água ser tingida de vermelho. Quantos eu tinha levado aos braços de la muerte, quantas famílias eu havia desfeito, quantas mais eu iria desfazer em minha busca. 

Sai da água me sentindo um pouco mais leve e me joguei direto na cama, hoje não haveria um corpo quente pra me recostar, nem um braço forte pra me abraçar, hoje seria apenas eu e o fino lençol, hoje seria apenas eu.


Me levantei na manhã seguinte, ou melhor dizendo, na tarde seguinte e fui me arrumar para a minha nova vida. Depois de pronta fui me encontrar com Gabriel. Ao chegar no portão da frente me deparei com cerca vinte homens todos vestidos de preto com uma insígnia prateada no peito.

-seu amor pela cama é impressionante- comentou Gabriel sorrindo

-quem são esses?

-são seus novos subordinados, os sombras que eu te falei

-e eu posso fazer o que quiser quando eu quiser?

-exato, porém vou precisar de você em algumas situações 

-que seja. Meu nome é Angela, é um prazer conhecê-los, de vocês não pedirei muito, apenas a sua lealdade e confiança- ouvi alguns murmúrios, mas preferi ignorar a todos- sei que não me conhecem, mas como líder farei o que estiver em minhas mãos para mante-los vivos, porém se me trairem, eu mesma mato vocês

-Angie, nossos humanos estão no fim, o que acha de pegar mais como sua primeira missão- sugeriu Gabriel provavelmente tentando quebrar o clima tenso

-eu ainda não tomei café da manhã. Vamos caçar meninos- disse com um pequeno sorriso, seria a hora perfeita pra mostrar a esses presas que eu poderia dar conta do posto de Shadow. 

Chegamos na cidade perto das seis da tarde, separei quatro grupos e segui rumo ao centro da cidade com a minha equipe.

- prestem atenção, aqui é muito movimentado, haja o que houver não sejam vistos

-e como acha que vamos fazer isso- disse um deles rindo

-assim- saltei da beirada do prédio caindo bem em cima de um cara fazendo com que uma fenda se abrisse sob seus pés, foram apenas alguns segundos, um ataque rápido e limpo, reapareci atrás dos vampiros com a minha presa inconsciente dando um pequeno sorriso sem humor- as crianças já aprenderam ou preciso repetir?

- não senhora-respondeu o risonho

-ótimo, vocês são sombras, hajam como tal. - eles se separaram e logo voltaram trazendo um humano consigo -deixaram a mamãe orgulhosa, chamem os outros, vamos levar esses aqui pro Gabriel, muitos desaparecimentos em uma única área chama muita atenção

Abrimos passagem de volta dando um belo susto no Gabriel e no Draco

- já voltaram? - perguntou Gabriel

- esses são seus, o resto deve chegar logo, agora se me der licença eu vou comer

-podemos ir com você? - perguntou um dos vampiros

-esta bem- abri uma grande fenda levando todos a uma parte remota da cidade. Parecia um conjunto de fazendas ou algo do gênero.

- que lugar é esse? 

- passei as minhas ferias aqui quando era criança, achei que seria um bom lugar, longe de tudo e todos- nos dissolvemos nas sombras usando nossa velocidade para nos manter ocultos. Encontramos um homem e duas mulheres na primeira casa, os deixei para os meninos e fui pra próxima, o garoto na varanda não devia ter mais do que dezessete anos, me aproximei dele devagar mantendo o meu falso ar de inocência

-olá- o menino se assustou, mas quando me viu relaxou 

-oi, o que faz aqui?

- eu vi você aqui, sozinho, pensei em lhe fazer companhia- o leve rubor em seu rosto e os batimentos acelerados do seu coração quase me fizeram rir, adolescentes eram presas tão fáceis, especialmente os homens, uma conversa inocente, uma oferta de sexo e poderia ficar a sós com ele, era mais fácil que pedir delivery 

-qual o seu nome?

- Angie, e o seu? 

- Caio- me sentei do seu lado e tirei o meu casaco ficando com uma regata branca

-você parece um pouco triste o que aconteceu? 

-queria sair, mas meus pais nao deixam, dizem que pode ser perigoso a noite e tal

-eu conheço um lugar aqui perto que a gente pode se divertir, eles nem vão saber que você saiu

-Onde? 

- vem comigo, garanto que vai se divertir como nunca- me inclinei segurando suas mãos dando um olhar sugestivo e me levantei, Caio se levantou apressado dando uma última olhada pra casa antes de me seguir. O guiei entre as casas até um velho celeiro abandonado e desapareci da sua vista

-Angie? - o puxei para um canto escuro e finquei minhas presas nele, ouvi um pequeno gemido e o cheiro da sua excitação se alastrando, soltei seu pescoço e comecei a andar- Angie, não faz isso, volta aqui, eu quero me divertir com você

- você devia ouvir os seus pais-me virei pra ele com um sorriso frio deixando a luz da lua me banhar- a noite pode ser realmente perigosa

O cheiro do seu medo quase me fez gemer de prazer, uma mistura inebriante de todos os melhores sabores existentes no mundo inteiro. 

- corra coelhinho, corra- disse em um sussurro enquanto limpava o sangue que havia escorrido pela minha boca, Caio saiu em disparada me fazendo rir- é sempre melhor quando correm. Ele é só meu, fiquem longe

Disse quando os outros se aproximaram de onde eu estava. O cheiro do pânico espalhado pelo caminho me dava vontade de dançar, só o medo das minhas presas compensava o sangue quente que o Enzo tinha, o sangue que eu jamais beberia outra vez.

Alcancei o trôpego humano quando ele alcançou a varanda de casa gritando por seus pais.

- tempo esgotado, devia ter corrido mais- prendi seus braços em um abraço e mordi seu pescoço no momento em que um homem que eu julguei ser seu pai saiu

-oh meu deus

- me desculpe, o Caio não conseguiu dar o recado- disse largando o corpo inerte no chão - porém acho que ele quis dizer que tinha demônios no seu quintal

O grito de uma mulher ecoou dentro da casa e eu agarrei o homem antes que ele entrasse dando a ele o mesmo destino que o filho. 

- Shadow- me virei pro vampiro ao meu lado que segurava uma garota desacordada no ombro- posso levar? 

- você que sabe, reuna os outros, eu vou queimar o lugar

Esperei todos se retirarem e invoquei o fogo em mim, mas o choro baixo de uma criança me fez parar. Segui o som até uma casa distante, uma menininha se esperneava no berço vermelha de tanto chorar, estiquei minha mão parando quando as vi sujas de sangue. desci até a cozinha e me limpei, tirei a blusa e vesti meu casaco que parecia ser a unica coisa livre de sangue. Voltei pro quarto e peguei a menina no colo, seus olhos eram tão lindos, um reflexo perfeito de sua inocência. 

- você vem comigo- disse ninando a pequena criança. Desci as escadas e sai fazendo a casa pegar fogo, olhei pras chamas em um comando silencioso de que se espalhassem por todo o lugar e abri uma fenda me levando direto pro meu quarto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...