História Coração de Fada - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Fairy Tail, Guerra, Mundo Alternativo
Visualizações 92
Palavras 1.084
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - A volta dos que não foram


-Lucy, saia, eu consigo resolver isso, saia, chame Natsu.

-Cala boca, garota de cabelo escarlate, você não vai fugir tão fácil assim, cria da traidora- Jellal disse e logo depois cuspiu como se desaprovasse.

 Eu não sei como continuou, porque enquanto eu corria parecia mais distante e eu acabei sendo acordada por Erza.

-Lucy! Você devia estar acordada faz um bom tempo, mas te entendo, você não passou por dias bons desde sua criação, como eu, só que eu sou diferente, eu acordei primeiro. Vamos, estão todos lá embaixo esperando você para o café. Pensei que vocês estava sendo afetada com aqueles remédios do laboratório em tempo retardado.

-Obrigada pela consideração, eu acho- fui até o guarda roupa e peguei a roupa e fui até o banheiro.

Uma coisa que eu e Erza tínhamos era a tamanha intimidade, que possibilitava que eu tomasse banho com ela dentro do banheiro, é claro, no lado da privada. Ela estava lavando as mãos e pensou em dizer algo, mas desistiu. Ficou com os ombros fincados na janela observando o quintal, e me direcionou uma pergunta. Que demorou pra chegar ao seu verdadeiro ponto, eu acho que ela não era boa com palavras quando nós falávamos de certo assunto.

-Esse tempo todo que passei conversando com Natsu, ele sempre falava sobre como havia fugido dos lugares, com Jellal, quando você chegou, quando Jellal foi capturado, o que vocês passaram depois, e também antes, de você sabe, eu existir. Mas só uma vez ele me falou sobre uma vez que vocês estavam fugindo e você deve se lembrar do dia, algo com desenho de Fairy Tail.

-No dia que você ameaçou Levy?-perguntei.

-Não, antes, você sabe, você se lembra.

Nesse meio tempo eu já estava me secando e vestindo a roupa. Eu fiquei olhando para cara dela tentando entender a que ponto queria chegar, até lembrar daquele dia em que fiquei observando as chaves.

-Sim, lembro, o que você quer saber?

-O entusiasmo dele quando vimos o refúgio, ele falou com você, com nenhum de nós, somente com você, você...você, não vou falar, odeio essa palavra.

-Eu já sei o que você está tentando dizer, nós somos apenas amigos bem próximos, se não fosse assim ele não salvaria minha vida, me deixaria para os corvos.

-Mas e o dia...-interrompi-a.

-Eu estava desesperada, com medo, era apenas duas pessoas, era muito difícil sair vivo daquilo, se não fosse Levy e a bomba nós nunca estaríamos aqui.

-Entendo, eu pensei que você gostasse dele.

- O que?

-Vamos, vamos descer- ela me puxou pelo braço, o que não era muito legal porque ela possuía mais força que eu, dava pra entender porque eu morreria se não tivesse aquelas injeções.

Sentamos na mesa da cozinha, redonda, cinco cadeiras de madeira, Levy tinha preparado algumas coisas para nós, e acabei descobrindo que o pessoal do refúgio recebia pão todo dia na porta de casa. Eu olhei para cara de Natsu e lembrei da conversa recente com Erza e ri, ela percebeu e deu um pequeno e discreto sorriso. Enquanto Levy ainda examinava o panfleto da Fairy Tail, já era obsessão, e eu aqui pensando que Natsu era o único, mas todos nós estávamos nervosos, como se fossem primeiro dia no colégio, seja como for, porque não preciso estudar e nunca entrei em um, mas ouvi falar de como era.

Incrivelmente sendo coincidência ou não, como eu desconfiava, era a mesma motorista que vinha nos buscar para ir a guilda, mas depois, quando chegamos lá, ela nos contou que também era maga de Fairy Tail. Nós fomos encaminhados ao mestre, que segundo Levy se chamava Makarov e que era sempre acompanhado com uma das magas, Mirajane, ele conversou um pouco conosco, perguntou sobre as fugas e nós aceitou e disse que poderíamos começar no outro dia, o que nos deixou muito feliz, nós fomos a uma lanchonete, e a motorista nos seguiu, mas eu estava com vontade de conversar com ela, então não a atrapalhei, na mesma mesa que nós nos sentamos, ela sentou. Então comecei a puxar conversa com ela.

-Oi! Obrigada por nos levar para guilda.

-Você já disse isso, Lucy!-ela falou, mas me olhou com a cara de poucos amigos.

-Você sabe meu nome, eu não sei o seu, qual é o seu nome?-perguntei tentando aliviar a situação.

-Juvia Locksar, por que?

-Nada, só achei no meu dever de saber o nome dos meus colegas.

-Olha Juvia, Levy tem um cabelo azul que nem você-disse Natsu.

-Nossa, que legal-disse ela com tom de sarcasmo.

-Aquele velho é sempre assim?-perguntou Gray, de inesperado, como se ele estivesse no mundo da lua e só voltasse agora.

-O mestre? Não, é só pra vocês não procurarem gracinhas, inclusive você Lucy-ela respondeu.

-Garçom, onde fica o garçom dessa jorsa?-Erza disse, provavelmente em busca dos sonhados e nunca conquistados bolos de morango.

Juvia se levantou para ir ao banheiro e eu a segui, eu queria ter uma conversa bem séria com ela, assim como tive quando Erza insistiu que não iria sair daquela casa antes de ela crescer. Assim que ela acabou de lavar as mãos eu peguei o ombro dela e a virei e tentei parecer desafiadora, mas acabei ficando com cara de maníaca.

-Por que você me odeia tanto?-perguntei.

-Até parece que você não sabe, você faz de propósito, sempre olhando para Gray.

-E o que é que tem isso?

-Ele é meu, eu o vi primeiro aqui no refúgio.

-Você não sabe de nada e fala, bobinha ,ele é meu irmão.

-Não parece tanto assim, pais diferentes?

-Err... não sei, fomos deixados bebês com uma velhinha.

-Então você está livre da minha mira, mas ainda desconfio da outra.

-Melhor você não desconfiar dela, é meio perigoso e ela também é irmã dele, somos todos irmão, menos Levy.

-Ah, e Juvia aqui pensando coisas. Desculpa, agora, por favor, licença precisamos voltar a mesa.

Nós voltamos com as caras bem diferentes de como saímos, eu com uma cara de “será que eles já pediram sem mim” e Juvia com uma cara muito estranha, mas eu entendi porque ela estava assim. Pedimos uns lanches e depois pagamos a conta com os iens que Makarov nos deu para o começo do trabalho, mas só foram alguns, depois Juvia nos levou para casa, quando estávamos chegando, no começo da rua, eu observei que tinha alguém na nossa porta, poderia ser alguém do conselho para nos investigar, mas assim que saímos do carro Natsu gritou:

-Jellal! É você mesmo?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...