História Coração de Fada - Capítulo 30


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Fairy Tail, Guerra, Mundo Alternativo
Visualizações 72
Palavras 1.212
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá seres! Demorei pra postar o final por dois motivos, o primeiro foi que eu estava com pena de terminar e o segundo foi que a escola me sufoca. Mas aqui está.

Capítulo 30 - E assim tudo acaba


Não sabíamos o que fazer no momento, era óbvio, o ataque ao refúgio começou. Juvia parou seu carro que estava em alta velocidade e entrou na casa desesperada.

-A Fairy Tail, está parcialmente destruída. Gray fique comigo-ela estava engasgando com o próprio choro.

-É claro-ele a abraçou.

-Nashi!- fui olha-la para saber se ela tinha escutado algo, mas ela estava dormindo, a carreguei, não queria que ela visse a cena. Mas ela não pareceu estar prestes a acordar.

-Lucy, você acha que pode proteger todos aqui?-Levy perguntou.

-Infelizmente não, apenas duas pessoas, e estou muito nervosa para isso-falei.

-Vamos correr!-Gray disse.

-Não, e Jellal?-eu lembrei.

-Po-po-podem ir, eu vou para um lugar melhor- ele disse.

-Meu pai, será que ele foi atingido?- perguntei.

-Talvez sim- Natsu disse, ele estava desesperado, acho que ele até queria usar sua magia, mas como ele mesmo disse, não funcionava com armas e munições.

E o barulho foi ficando maior e o chão começou a tremer e ouvíamos gritos agoniantes nas ruas vizinhas, saímos da casa e corremos para longe, talvez além do refúgio, um lugar já atacado. Ouvimos um grande barulho de explosão, era a nossa casa, Jellal agora estava morto, nem foi por causa da sua doença.  Continuámos a correr enquanto tentávamos não nos desesperar mais e chorar.

-Melhor ficarmos, uma hora não vamos aguentar correr, melhor tentar a magia-disse Gray.

Corremos só um pouco mais à frente e ficamos esperando ver se o ataque iria avançar. Quando ouvimos chegar mais perto começamos a correr de novo e foi quando uma enorme bomba estava vindo em nossa direção, Gray tentou bloquear com um paredão de gelo, mas esse gelo acabou ferindo gravemente ele e Juvia. Levy torceu o pé e Natsu ajudou a andar enquanto eu corria com Nashi que ainda dormia no meu colo.

-Natsu! Vá com elas, deixe-me aqui-Levy disse.

-Não, você salvou a nossas vidas essa é a hora de retribuirmos o favor-Natsu disse.

-Ela não vai conseguir proteger a gente, não se preocupe, eu não temo a morte faz tempo- Levy disse sentando no banco e se encolhendo.

E mais uma bomba explodiu e os estilhaços voaram em Levy que gritou, aquela sua voz fina me fez ficar abalada. Estava mais preocupada, só sobrou nós três e eu só poderia proteger dois, talvez o poder de Nashi conseguisse também nos proteger, mas acorda-la iria deixa-la assustada e talvez ela ficasse congelada de medo.

-Lucy! Corra mais com Nashi, eu vou tentar te seguir, se não funcionar, pelo menos proteja vocês duas- Nasu disse.

-Não! Vamos juntos-eu disse segurando a mão dele.

-Não, eu não quero que Nashi passe por isso, proteja-a!- ele falou tirando a mão da minha.

Corremos mais um pouco e uma bomba vinha em nossa direção e agora havia aviões com algumas cores primárias que atiravam do alto, mas estavam longe.  A bomba atingiu uma rocha que era enorme e de imediato eu fechei o olho, assim que abri estava dentro da barreira que eu fiz, como da vez que Jellal iria me atacar. Mas Natsu não estava, e eu vi o seu braço mexer debaixo de um pedaço da rocha, a mão dele parou de mexer, e ele também havia morrido. Agora eu estava com medo e ao mesmo tempo tentava proteger Nashi, mas depois de ver um clarão acabei adormecendo.

-Mãe! Mãe!- alguém gritava e fungava, era Nashi.

-O que foi?- perguntei assustada ao acordar.

-Onde está o papai, e a tia Levy, o tio Gray, a Juvia e o tio Jellal?

-Não sei filha, não sei- e comecei a chorar também- nós estamos vivas?

-Sim mãe, a vovó veio até aqui e falou comigo, ela disse que era pra ficar aqui, que nós acharíamos ajuda.

-Você viu sua vó, mas ela...- lembrei que ela tinha dito que não voltaria mais.

-Sim, ela parece com a senhora.

-E você parece com o Natsu- disse e vi a mão dele ainda ali, agora com uma grande poça de sangue por perto.

-Estou com medo, mamãe, me abrace- eu a abracei e observei ao meu redor, estava tudo destruído, mas havia parado o ataque.

Com esperanças de ter sobrado algo eu fui até a nossa casa, e no caminho e recolhi um pedaço da roupa de Natsu, uma corrente que Gray usava, a luva que Juvia usava às vezes na mão, agora com buracos queimados, a lente do óculos de Levy e enfim me deparei com as sobras da casa. A poltrona que dei de presente a Jellal estava com as espumas queimadas, mas havia um osso meio frágil em cima das molas que sobraram e o resto do tapa olho dele, achei minha jaqueta e o resto da espada, fui em direção ao quarto e vasculhei tudo, achei meus diários com as bordas queimadas. Tudo isso acontecendo e Nashi apenas observava triste e abismada.  Fomos ver o resto da casa dos vizinhos para ver se tinham alguém apenas ferido por lá, mas não havia mais ninguém. Andei com ela até a casa de Jude, que também foi destruída e não sobrou nada além de um pedaço da lápide de Layla e o jardim logo ao lado, fiquei ali sentada com ela, lembrando do dia em que conheci Natsu e Jellal, quando Jellal foi capturado, quando eu conheci Levy, quando Gray e Erza apareceram, ri lembrando das coisas que eles dois aprontavam nas suas semanas de infância e lembrei de tudo que passei no refúgio e em Fairy Tail, até Nashi nascer.

Eu fiquei a observando, percebi que ela realmente parecia com Natsu, bastante esperta como Levy, bem corajosa como Erza, bem louca, mas de coração mole como Jellal, e gostava de descontrair o tempo como Gray e tinha um coração de fada como eu. 

-Olha mãe, aviões!- Nashi disse.

-Deja vú. Vamos ver o que eles irão fazer-falei desconfiada de um novo ataque, mas eles passaram direto.

-Nós vamos até lá?

-Não, vamos esperar até que eles percebam nossa presença-eu disse.

Depois de alguns minutos ainda ressentidas pelos entes queridos mortos grosseiramente, um soldado chegou.

-Senhora e senhorita, vocês precisam vir-disse ele.

-Vocês não são do gerenciamento dos laboratórios, são?

-Não senhora, não somos dessa área, nós viemos levar os sobreviventes pra um lugar seguro.

Eu dei a mão a Nashi e saímos a caminho do tal avião, chegando lá víamos as pessoas o tanto quanto desesperadas como a gente.  A criança com um braço só, gemia do seu outro braço levemente ferido, mas sua mãe não estava lá. A moça do cabelo cinzento não estava bem, ela estava deitada numa maca, com sangue estancado na barriga e gritava o nome do mestre. E meu pai, meu pai não estava lá. Começamos a sobrevoar aquele lugar, não acreditei que estávamos nos desprendendo tão rápido de parte de nossas vidas, mas a bandeira de Fairy Tail ainda estava estendida, queimada, mas estendida...

... Foi que o que minha mãe, Lucy, me contou e escreveu nesses diários, todos os dias releio pra ter lembranças das pessoas que se foram,  crescer sem pais não é muito diferente de crescer sem um pai, ainda mais tão alegre quanto o meu, crescer sem seus parentes ou irmãos também é doentio, mas aqui estou eu, herdando o coração de fada que todos possuem.

 


Notas Finais


Acabou T.T me segurem, não to bem T.T snif snif. Será que faço uma nova fanfic, posto a história original da fanfic? Decidam ai. Vou ali no canto sentir saudade dessa fanfic. u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...