História Coração de Fada - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Erza Scarlet, Gray Fullbuster, Jellal Fernandes, Lucy Heartfilia, Natsu Dragneel
Tags Fairy Tail, Guerra, Mundo Alternativo
Visualizações 134
Palavras 1.042
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ecchi, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Fios azuis


Eu olhei para televisão e Natsu estava acordado, parecia que ele ia sair dali a poucos dias.
-Natsu! Aqui, eu, na televisão de novo-eu disse.
-Lucy! Eu vi quando eles chegaram com você e esses vermes-ele balançava a cabeça pra procurar onde ela estava, como se já tivesse esquecido, quando ele bateu os olhos nas crianças fez uma feição de desgosto.
-Não os chame assim, eles são fofinhos, olha, eles sorriem. Eu não queria deixa-los aqui.
-E você está se sentido melhor?-ele perguntou.
-Sim, mas eu não sei se posso me movimentar bruscamente.
-Preciso parar de falar com você, tem alguém vindo- ele falou, olhando para algo que vinha atrás de mim.
Na mesma hora que ele falou isso a enfermeira apareceu no meu quarto.
-Você está tão encantada que nem percebe que está desacorrentada, e nem se atreva. Eles são de nossa propriedade-ela me deu um susto e segurou minha mão.
-Eles são meus, isso sim, mesmo sendo loucuras desse laboratório. E se eu quiser eu vou leva-los. Já me sinto bem melhor e forte-puxei a minha mão.
-Isso porque você ainda não está sobre o efeito das substâncias, elas não atingiram seu organismo ainda, mas depois de algum tempo você vai sentir e vai falecer na hora-meu rosto mudou completamente após ela dizer isso.
-E Natsu, o que vocês vão fazer com ele agora?
-Nós vamos manda-lo para campo de treinamento hoje mesmo.
Eu iria continuar a discutir mais a “enfermeira”, mas ouvimos um estrondo muito grande, parecia de bombas, então todo laboratório soltou o alarme, que acabou desativando as travas. A enfermeira saiu correndo para fazer algo. Então eu peguei as crianças e sai pela porta, encontrei a médica que estava na sala de cirurgia, ela me viu, estava com as minhas coisas e as de Natsu, que eram poucas, as capas, a roupa que estávamos antes de chegar lá e minhas chaves. Ela pegou Gray do meu braço e saiu correndo. Como eu previa Natsu também estava fugindo, então o gritei.
-Natsu, siga esse médica, não sei se ela é de confiança.
-Já estou indo.
E fomos atrás dela, saímos do laboratório, e a cada vez que nos afastávamos o barulho das bombas ficava próximo, dava para perceber que não era um deles que estavam lançando e sim o inimigo. A médica entrou num carro, então eu e Natsu aceleramos o passo e conseguimos chegar até ela.
-O que você está fazendo?-perguntei.
-Venham, não temos tempo pra conversar, ou vocês querem explodir com os outros- ela falou, a reação de Natsu não foi uma das melhores, ele riu do tom da voz dela. Que era fina.
Então nós subimos no carro dela, ela entregou Gray a Natsu  e pisou no acelerador. Deu tempo de ver o laboratório voar pelo ares. Foi que o ruim aconteceu, enquanto a médica desviava dos restos voadores do laboratório, eu comecei a passar mal, estava desmaiando. Ela olhou pra mim e olhou pra Natsu, enquanto tentava olhar o caminho. 
-Ei, você é o Natsu, não é?
-Sim!
-Está vendo aquela sacola, pegue a seringa com o liquido azul, injete no braço dela, faça isso rápido. Não me faça perguntas, se não fizer logo sua amiga pode morrer agora.
Ele achou a seringa, e tentou parar meu braço a tanto tremor da estrada, mas conseguiu e injetou o tal liquido. Eu me senti um pouco melhor, mas adormeci do mesmo jeito, só ouvi poucas coisas antes de dormir.
-Ei, você disse que ela não morreria. Lucy!
-Calma, é o efeito, ela vai acordar bem melhor. Antes que você pergunte meu nome é Levy. E sim minha voz é fina desse jeito, mas acredito que você é muito menos inteligente que eu. Essa liquido que fez sua amiga melhorar, foi eu que o produziu. 
-Por que decidiu nos salvar-ele perguntou.
-Eu vi seu desenho e...- não consegui ouvir mais nada.
Quando acordei, nós estávamos parados em algum lugar. Parecia que foi abandonado recentemente, ainda havia alguns cães por lá. O carro estava em uma garagem, e eu estava lá deitada, sozinha, fiquei um pouco preocupada e fui procurar os outros. Eles estavam dentro da casa desta garagem, que era um pouco simples. A tal da Levy estava tirando amostra das crianças, enquanto Natsu vasculhava a geladeira.
-Ei! O que aconteceu?- eu perguntei, era meu jeito de me comunicar com ele.
-Bom dia...-Levy falou, como se esperasse que eu fosse manter uma conversa com ela.
-Nada não, essa moça se diz conhecida do povo de lá da Fairy Tail-ele respondeu.
-Bom dia. Obrigada pela ajuda, mas qual é sua intenção?
-Achei, tem frango congelado! Vou dar um jeito- Natsu assoprou fogo no frango e logo depois engoliu inteiro.
-Eu vi o desenho de Natsu, mesmo que seja um pouco irreconhecível, percebe-se que ele desenhou algo referente a  Fairy Tail, eu conheço pessoas de lá, uns amigos, sempre quis ir para lá, mas nunca fui permitida de  sair dos laboratórios-Levy disse.
-Você também é uma das experiências?
-Não, minha mãe trabalhava lá e eu fui obrigada a continuar ao trabalho dela. Mas, continuando, resolvi ajudar vocês, e aproveitei que estavam atacando o território e fugi mais vocês, quero chegar ao refúgio também-nesse momento Natsu pareceu surpreso e foi em direção a ela.
-Você sabe sobre Jellal?- ele ainda estava preocupado se o amigo estava vivo ou não.
-Sou ouvi falar que ele desobedeceu um pouco, mas não mantive contato.
-Espero que ele não esteja no meio dos mortos. E as crianças, o que vocês está fazendo?-perguntei.
-Como interrompemos o tratamento, eu tenho que ficar observando se vai haver mudanças estranhas com eles.
-E há alguma?-perguntei
-De existir, já é uma coisa estranha- Natsu disse, ele parece não gostar muito do que fizeram comigo.
-Não, só as mudanças normais, e sorte sua, eles talvez herdem a magia de você, mas não a mesma.  Seria bom se vocês treinassem eles quando chegarem a idade certa, daqui a uns dois dias, depois de um tempo, ele vão crescer até chegarem a sua idade. Quer dizer, a idade de Natsu.
-Natsu treina Gray, eu treino... -a garota olhava furiosa pra mim, mesmo com a cara de bebê fofo, mas de algum jeito, ela não gostou da ideia - eu treino ela.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...